VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Governo paulista ficou três anos sem limpar o Tietê


14/09/2010 - 23h42

Matéria trazida do Viomundo antigo. Publicada originalmente em 27 de dezembro de 2009.

por Conceição Lemes

Experimente pesquisar as matérias sobre as enchentes de 8 de dezembro em São Paulo. Invariavelmente aparece este trecho do comunicado da Secretaria Estadual de Saneamento e Energia (SSE) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee):

O Daee executa periodicamente o desassoreamento e a limpeza dos rios Tietê, Cabuçu de Cima, Tamanduateí e dos piscinões do ABC e Pirajuçara e que só neste ano já foram retirados 380 mil metros cúbicos de sedimentos.

Reportagem de O Estado de S. Paulo afirma:

Anualmente, o Estado gasta cerca de R$ 27,2 milhões para retirar 400 mil m³ de sedimentos somente do Tietê, num trecho de 40 km. São quatro contratos que determinam retirada de 32 mil m³ por mês, para evitar enchentes.

A secretária de Energia e Saneamento de São Paulo, Dilma Pena, é uma das entrevistadas. Assim como na reportagem do Agora, de 11 de dezembro :

Em 2009, segundo Dilma [Pena] foram retirados 380 mil m³ de detritos. Segundo especialistas em drenagem urbana, o ideal seria retirar 1 milhão de m³ .

Na reportagem Enchentes em São Paulo refletem falta de governo, publicada pelo Viomundo, o engenheiro Júlio Cerqueira César Neto aponta a falta do desassoreamento como uma das principais causas das inundações de 8 de setembro e 8 de dezembro na capital:

Na cidade de São Paulo, entre a barragem da Penha [Zona Leste] e o Cebolão [interligação entre as marginais Tietê e Pinheiros, Zona Oeste], o Tietê recebe aproximadamente 1,2 milhão de metros cúbicos de resíduos por ano. Se você deixar isso no fundo do rio, a capacidade dele diminui. E o que o Departamento de Águas e Energia Elétrica, o Daee do governo do Estado de São Paulo, tem feito? O Daee faz a limpeza, mas tira apenas 400 mil metros cúbicos por ano.


TEM CERTEZA DE QUE O DAEE LIMPA O TIETÊ ANUALMENTE?

O desassoreamento anual de 380 mil ou 400 mil metros cúbicos de resíduos (lixo, dejetos, erosão, material de terraplenagem) da barragem da Penha ao Cebolão tornou-se versão oficial. A informação não foi desmentida pela SSE nem pelo Daee. Os próprios especialistas acabaram acreditando nela. Entre eles, o professor Júlio Cerqueira César Neto, que foi professor de Hidráulica e Saneamento da Escola Politécnica da USP.

Mas será que realmente pelo menos os 380 mil ou 400 mil metros cúbicos de resíduos foram removidos em 2006, 2007 e 2008?

Uma primeira busca nos portais do Daee e da secretaria de Saneamento e Energia, nada a respeito.

Em dezembro de 2005, o alargamento e aprofundamento da calha do Tietê, iniciados em 2002, foram concluídos. A obra custou RS 1,7 bilhão (valor atualizado pelo IGD-DI).

Da barragem da Penha ao Cebolão (trecho principal do Tietê na capital, é o que transborda),  o rio foi rebaixado em cerca de 2,5 metros; 9 milhões de metros cúbicos de lixo e terra foram removidos. Segundo o governo estadual, a probabilidade de inundação caíra de 50% para 1%. A obra foi inaugurada em 19 de março de 2006 pelo governador Geraldo Alckmin.

A partir daí, as referências encontradas em portais vinculados aos órgãos do governo do estado sobre desassoreamento do Tietê se relacionam ao edital de licitação, realizada em 18 de setembro de 2008, e a notícias sobre o andamento da obra.
SC_80_1.jpg
SC_81-1_1.jpg

Entre dezembro de 2005, término da obra da calha, e outubro de 2008, início da vigência do contrato de desassoreamento, há um “buraco”. Um período sem explicações sobre limpeza do Tietê.

O Viomundo questionou a assessoria de imprensa da secretaria de Energia e Saneamento (SSE) sobre a limpeza em 2006, 2007, 2008 e 2009. O motivo:  a falta de dados oficiais mostrando que os 380 mil ou 400 mil metros cúbicos foram removidos nos três primeiros anos.

“A limpeza é feita sistematicamente todo ano”, diz por telefone a esta repórter o assessor de imprensa da SSE, Hugo Almeida. “Tem máquinas limpando o Tietê o ano inteiro.”

A repórter insistiu. Enviou e-mail a Hugo Almeida e, por orientação dele, também a Gregory Melo (da assessoria de imprensa do Daee, órgão vinculado à SSE). Reenviou a mensagem mais três vezes. Nenhum dos dois retornou.

A repórter reforçou por telefone a solicitação à assessoria de imprensa da SSE, já que, segundo ela, as informações seriam fornecidas pela SSE e não pelo Daee.

A primeira ligação, na segunda-feira cedo, 21 de dezembro, Hugo Almeida atendeu:

– Estou indo atrás das informações para você, mas esses documentos são difíceis, faz muito tempo…

– É impossível instituições como as de vocês [Daee e SSE] não terem esses documentos à mão, arquivados ou no Diário Oficial do Estado… São comprovações atestando que esses serviços foram feitos… Preciso deles, sim… São indispensáveis para a minha matéria…

Seguiram-se outros telefonemas para o assessor de imprensa: “Ele não está”. “Está numa reunião”. “Volta mais tarde”. “Deu uma saidinha, mas volta”. “Acabou de sair”…

Invariavelmente essas respostas eram precedidas pelo “Quem gostaria de falar? Vou verificar…”. Fazia-se breve silêncio. E aí vinha a negativa manjadíssima, aliás.

Na terça-feira, 22, como a mudez do outro lado era absoluta, esta repórter tentou logo cedo contato. Júnior, assistente da assessoria de imprensa, informou: “O Hugo não está, só volta no final da tarde”.

A  repórter ligou de novo, mas, propositalmente, deu um nome qualquer sem sobrenome.

Adivinhem o que aconteceu? Hugo atendeu.

– Hugo, tive de utilizar este subterfúgio para você me atender? Por que não responde aos meus e-mails nem atende as minhas ligações. Não é mais fácil… Apenas quero saber se foi feito o desassoreamento em 2006, 2007 e 2008 e os documentos comprovando…

Inicialmente, o assessor de imprensa da SSE/Daee tentou ser dono da verdade. Não deu certo. Acabou entregando os pontos:

– Não vou dispor das informações que você quer – disse e desligou.

O RIO TIETÊ FICOU QUASE TRÊS ANOS SEM SER DESASSOREADO?

A atitude da assessoria de imprensa, o fato de que enchentes que não deveriam ter acontecido aconteceram e as chuvas moderadas (nas duas inundações deste ano São Pedro está completamente isento) são fortes indícios de que o governo do Estado do São Paulo pode não ter removido os 380 mil ou  400 mil metros cúbicos de resíduos do Tietê em  2006, 2007 e 2008 (de janeiro a outubro).

Outro indício foi dado pelo engenheiro João Sérgio, responsável pela barragem da Penha, em entrevista à repórter Fabiana Uchinaka, do UOL, quando questionado sobre o fato de que o nível das águas no Jardim Pantanal, à montante da barragem, permanecia alto dias depois das chuvas terem cessado.

Disse o engenheiro:

“Também acho estranho o nível da água não baixar aqui e não sei por que está indo para os bairros, mas não precisa ser especialista para ver que está assoreado [o rio]”.

Em português claro: o rio Tietê pode ter ficado quase três anos sem ser desassoreado.

“Como, nem os 400 mil anuais foram retirados em 2006, 2007 e 2008?!”, espantou-se o professor Júlio Cerqueira César. “Eu estive na inauguração da calha do Tietê, e o Geraldo Alckmin anunciou na frente de autoridades, engenheiros, técnicos um contrato para a manutenção da limpeza. Achei ótimo. Agora, faltar com verdade, não cumprir nem isso, já é demais!”

Na época, Geraldo Alckmin afirmou que, por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP), um consórcio seria o responsável pela manutenção da calha do rio. O Viomundo apurou que a PPP não vingou. O setor privado não demonstrou interesse. Foi somente no segundo semestre de 2008 que o governo do Estado de São Paulo resolveu licitar o desassoreamento de 400 mil metros cúbicos de sedimentos do Tietê.

“Isso significa que a limpeza do Tietê não foi feita no último ano do Alckmin e nos primeiros dois anos do Serra”, sente-se ludibriado o professor Júlio. “Uma desgraça para a cidade . A situação do Tietê está muito pior do que eu imaginava. Tudo o que se ganhou com o rebaixamento da calha foi perdido!”

Da barragem da Penha ao Cebolão, relembramos, são lançados anualmente no rio Tietê cerca de 1,2 milhão de metros cúbicos (1,2 milhão m³ ) de sedimentos. A partir daí o professor Julio fez as contas:

* 1,2 milhão m³  (em 2006) + 1,2 milhão m³ (2007) + 1 milhão m³  (em 2008, janeiro a final de outubro) = 3,4 milhões de metros cúbicos.

* Portanto, até outubro de 2008, já havia depositado na calha do leito do Tietê um passivo de 3,4 milhões de metros cúbicos.

* Do final de 2008 a dezembro de 2009, segundo a secretária Dilma Pena, removeram-se 380 mil metros cúbicos.  Ou seja, permaneceram no Tietê  820 mil metros cúbicos.

* Pois bem, somando os 3,4 milhões de metros cúbicos (não tirados de 2006 a final de 2008) com os 820 mil metros cúbicos (não removidos de 2008 /2009), o rio Tietê está com, pelo menos, 4,2 milhões de metros cúbicos de terra e lixo.

Conclusão 1: Atualmente, estima-se, o Tietê tem ao redor 4,2 milhões de metros de sedimentos depositados no seu leito na capital. É como se quase metade dos 9 milhões de metros cúbicos retirados durante a obra da calha tivesse sido jogada, de novo, dentro do rio.

Conclusão 2: Os 4,2 milhões de metros cúbicos dão uma altura de sedimentos de 4,2 metros. Supera de longe, portanto, os 2,5 metros de aprofundamento da calha.

Conclusão 3: O nível do Tietê voltou ao que era antes das obras da calha; R$ 1,7 bilhão praticamente jogado no lixo.

“Mantido o ritmo de entrar mais sedimentos do que sai, o Tietê vai ‘acabar’ na capital e a cidade submergir”, alerta o professor Júlio Cerqueira César. “É um descalabro.”

“O governo estadual não ter feito nada em quase três anos é muito sério. Toda a capacidade de vazão ganha com a ampliação da calha é perdida”, adverte o geólogo e consultor de geotecnia e meio ambiente Álvaro Rodrigues dos Santos, que já foi responsável pela Divisão de Geologia e diretor de Gestão e Planejamento do IPT (Instituto de Pesquisas  Tecnológicas, de São Paulo). “O Tietê transbordou em setembro e dezembro por estar totalmente assoreado. A vazão máxima dele nessas ocasiões foi de cerca de 700 metros cúbicos/segundo. Se estivesse limpo, seria próxima de 1,100 metros cúbicos /segundo e não teria transbordado.”

“Na verdade, eles [governo estadual] valem-se do desconhecimento técnico da população e da imprensa”, põe o dedo na ferida o geólogo Álvaro dos Santos, e vai fundo. “Com o não desassoreamento, eles sabiam perfeitamente que São Paulo corria o iminente risco de enfrentar tragédias como as de 8 de setembro e 8 de dezembro. Infelizmente em janeiro, fevereiro e março, meses naturalmente mais chuvosos, estaremos, de novo, na alça de mira das inundações. Ameaçou chover? Fuja das marginais. E se você mora em áreas sujeitas a inundações, chame imediatamente os bombeiros!”

O professor Júlio Cerqueira César Neto assina embaixo.


A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



39 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

As tragédias anunciadas do Rio Tietê - Ivan Valente

08 de janeiro de 2015 às 11h24

[…] É verdade. O problema é que os recursos eram, evidentemente, insuficientes. Por sinal, o blog Viomundo já tinha denunciado a falta de limpeza em dezembro de 2009. Na época, ninguém do poder público estadual admitiu a […]

Responder

“Façamos exatamente o contrário do que a Globo e outros inimigos desejam” « Viomundo – O que você não vê na mídia

31 de março de 2013 às 13h51

[…] Governo paulista ficou três anos sem limpar o Tietê  […]

Responder

As tragédias anunciadas do Rio Tietê « Site Ivan Valente – Deputado Federal – PSOL/SP

16 de maio de 2011 às 22h51

[…] É verdade. O problema é que os recursos eram, evidentemente, insuficientes. Por sinal, o blog Viomundo já tinha denunciado a falta de limpeza em dezembro de 2009. Na época, ninguém do poder público estadual admitiu a […]

Responder

A gente já sabia: Tucanos deixaram de limpar o Tietê por três anos | Viomundo - O que você não vê na mídia

25 de março de 2011 às 12h04

[…] 27 de dezembro de 2009, esta repórter denunciou aqui no Viomundo: Governo paulista ficou três anos sem limpar o Tietê . Mais precisamente 2006, 2007 e 2008 (de janeiro a […]

Responder

edv

01 de março de 2011 às 14h00

O governo estava ocupado em "limpar" as estatísticas criminais…

Responder

Julio Silveira

01 de março de 2011 às 13h31

Não sou residente deste Estado, mas tenho acompanhado aqui mesmo no teu blog diversas reportagens sobre o abandono do rios pelos governos Municipal e Estadual de São Paulo.
Não esqueço aquela foto em que uma maquina estava elevada sobre um monte de terra açoreada, se não me falha a memória foi no Rio Tiete.
Mas parece que, principalmente, os nativos desse estado estão acostumados a essa situação possivelmente pensando que Rio é uma porção de terra onde corre agua mais caca e grande quantidade de produto quimico. De tão acostumados esqueceram o que é um rio.

Responder

Jairo_Beraldo

01 de março de 2011 às 13h28

Embora tucano negue, aliados já dão como praticamente certa a candidatura de Padim Pade Cerra à prefeitura paulistana:

"O ex-governador tucano Padim Pade Cerra trabalha nos bastidores para aumentar seu controle sobre o processo eleitoral de 2012 na capital paulista. Para isso, tem convidado vereadores tucanos e outros líderes locais para encontros em seu escritório, na zona oeste da capital, para tratar, entre outros assuntos, da corrida à Prefeitura de São Paulo. Para tucanos, sua candidatura é dada como certa, embora ele tenha negado repetidas vezes que irá concorrer ao cargo…"

E os paulistas vão eleger de novo o afilhado de Malafaia, Ratzinger e do Bispo de Guarulhos, Padim Pade Cerra……

Responder

Carmem Leporace

01 de março de 2011 às 12h49

Essa turma que campea por aqui só tem uma coisa a fazer…

"""praticar a dança da chuva e torcer para o quanto pior melhor""….

Eu já disse amigos dos petistas….. aqui vocês não se criam….

As chuvas vão até março, e a eleição é em outubro…. qua qua qua ….. vão fazer o que??? mostrar imagem de enchente todos os dias no horário eleitoral??? cadês as propostas de vocês??? kkk….

Continuem tentando ganhar o governo ou a prefeitura… nem nomes vocês tem…. vão mandar quem para encarar geraldo??? não tem ninguém…. vocês sabem disso….

Quem vai ser o sparring de vocês dessa vez???

Responder

Paulo

01 de março de 2011 às 12h40

Se o problema das enchentes em São Paulo fosse só limpar o Tietê, o problema já tinha sido resolvido há muito tempo. Se algum candidato disser que vai acabar com essa enchentes, está mentindo, a não que ele esteja pensando em remover parte da população da cidade.

Responder

CLAUDIO LUIZ PESSUTI

01 de março de 2011 às 12h06

Tenho vergonha atualmente do meu estado.Isto aqui ta parecendo aquelas regioes rurais longinquas, dominadas pela forca da natureza.Ora , do que adiantou toda a construcao das cidades, dos viadutos, predios, das avenidas, dos bairros, de toda essa sociedade de concreto, se nao conseguimos mais nem conviver com forcas normais da natureza como as chuvas?Quem sao esses criminosos, este partido ridiculo chamado PSDB , que esta destruindo este estado, sob todos os aspectos e ainda quer falar grosso e dar licoes nos outros?Como esses caras podem ser tao incompetentes, e , pasmem, se reeleger?Que vergonha do meu estado, que vergonha dos meus irmaos paulistas.O que queremos fazer com este estado?

Responder

    Carmem Leporace

    01 de março de 2011 às 12h44

    Vai pra Bahia mano, leva colete a prova de bala e um AK47 pra se defender dos manos de lá.

    CLAUDIO LUIZ PESSUTI

    02 de março de 2011 às 11h27

    Bem , eu tenho uma sugestao para onde voce deve ir, mas em respeito aos outros leitores nao digo.Alias, acho que me engano, voce sempre esteve la…

bertoldo

01 de março de 2011 às 11h56

imcompetencia pura ,a falta de administração é clara infelizmente em SP alguns trabalham a favor deste descaso com a população .

Responder

ricardo silveira

01 de março de 2011 às 11h39

Não cabe processo contra o Alckimin e o Serra pela omissão, por mentirem de forma criminosa à população? Por que o Ministério Público não se manifesta? E por que a Assembléia Legislativa que é responsável para fiscalizar ela mesma e os demais poderes não é também processada pela omissão? Quantas famílias tiveram suas casas inundadas, quanto prejuízo econômico, moral, de saúde a população sofreu e sofre com a desastrosa administração desses dois sujeitos do PSDB. Para qualquer setor da administração paulista que se olha há sinal claro de má gestão dos recursos públicos: saúde, transportes, educação, segurança. O que há de bom nos governos desses tucanos? É inacreditável que nada aconteça a essa gente!

Responder

    CLAUDIO LUIZ PESSUTI

    01 de março de 2011 às 12h10

    Infelizmente no estado de Sao Paulo, o Ministerio Publico esta "aparelhado" pelo PSDB.E so olhar o secretariado:tem dois procurados la.A Assembleia Legislativa, um mero "carimbador" de determinacoes do executivo, o TCE , um orgao composto por conselheiros sobre os quais pesam gravissimas acusacoes de malfeitos, incluindo um ai que gosta de ir para a Suica abrir contas com a mulher.Ele gosta muito de andar de Metro…E os jornais, manietados por estes caras, a Globo, Band, Veja, todos eles escondendo ,manipulando.E terrivel meu amigo.Sinto que vivo numa ditadura, dentro da democracia.

aurica_sp

01 de março de 2011 às 09h47

São Paulo do Caos a Lama da Lama ao Caos graças ao PSDB e a seus leitores HIPÓCRITAS (conheço vários) agora ficam chorando. Há quase 17 a chuva chegando SP alagando!!!

Responder

Carmem Leporace

01 de março de 2011 às 06h57

Não adianta, vocês vão tomar mais uma surra em 2012 e outra em 2014.

O PT não entra em São Paulo, no máximo ganha em prefeituras de fundo de quintal como Taboão da Serra ou Cotia.

Manda o Lula disputar o governo em 2014, quero ver ele ter marra de enfrentar geraldinho xuxu, vai tomar uma surra acachpante, ele sabe disso.

Responder

    Daniel

    01 de março de 2011 às 10h31

    A mesma surra que Geraldo Chuchu levou de Lula em 2006? Hummm…

    Não alimentemos os trollcanos.

Scan

01 de março de 2011 às 00h20

É pouco, considerando que os paulistas ficaram 20 anos sem limpar o Governo.
Queriam o que?

Responder

Henrique

28 de fevereiro de 2011 às 23h16

O Partido Sabotador Desmanchista Brasileiro – PSDB não tem idéias e são muito "pequeneninhos" para a grandeza de SP.
O PSDB tem sim uma clientela, uma banda clientelista, entre outros e/ou outras cito Globo, Folha de São Paulo, O Estadão, Veja, ‘Cansei’, EUA,etc…
“Aderir ao PSDB ou ‘adotar’ a política dos tucanos é renunciar a uma posição de esquerda.
O QUE SIGNIFICA: é ABANDONAR a idéia de que é preciso ANTES DE TUDO combater a desigualdade monstruosa que existe no país, e a de que toda a política deve visar em primeiro lugar a LUTA CONTRA ESSA DESIGUALDADE, e o estabelecimento de uma situação em que os POBRES NÃO SEJAM MAIS HIPEREXPLORADOS OU MARGINALIZADOS”

Quem falou isso? RUY FAUSTO, Professor de filosofia da USP.

Mesmo assim a alienação paulista continua!
16 para 20 anos é pura lavagem cerebral!

Responder

    Ponce de Leon

    01 de março de 2011 às 06h09

    O paulistano é uma anta que pensa que é civilizada…

    aurica_sp

    01 de março de 2011 às 11h59

    Não generalize, ALGUNS O SÃO. Sou paulistana, não gostei do comentário…

Marcius Cortez

28 de fevereiro de 2011 às 23h11

Basta de palhaçada.
Tiririca para Prefeito.

Responder

Pardalzinho

28 de fevereiro de 2011 às 20h22

Se houvesse só um pouquinho de cobertura crítica da mídia paulistana, mas só um pouquinho, o PSDB desmanchava em menos de uma semana. A cidade de SP está entregue às baratas… Parabéns eleitores de São Paulo; vocês conseguiram.

Responder

A ficha falsa, a enchente e o economista competente « PALAVRAS HUMANAS

22 de fevereiro de 2011 às 11h07

[…] O governador, recém reeleito em primeiro turno, é o que fez as obras que dariam fim nas enchentes; o sucessor dele, candidato à presidência, fez campanha se apoiando nas obras que fez em São Paulo (uma das quais foi deixar o rio que transborda, o Tietê, sem limpeza por três anos, de acordo com denúncia da Conceição Lemes neste site). […]

Responder

A ficha falsa, a enchente e o economista competente | Viomundo - O que você não vê na mídia

21 de fevereiro de 2011 às 19h15

[…] O governador, recém reeleito em primeiro turno, é o que fez as obras que dariam fim nas enchentes; o sucessor dele, candidato à presidência, fez campanha se apoiando nas obras que fez em São Paulo (uma das quais foi deixar o rio que transborda, o Tietê, sem limpeza por três anos, de acordo com denúncia da Conceição Lemes neste site). […]

Responder

Jairo_Beraldo

15 de setembro de 2010 às 17h56

É engraçado voce querer me cobrar BRASILIDADE. Se houver alguém que mais cobrou patriotismo e unidade neste blog, deixo o Brasil.

Responder

Liz

15 de setembro de 2010 às 15h51

Não gastou a verba para remover os detritos do tietê, porque usou em publicidade. Da Sabesp, principalmente, em todo o
Brasil.

Responder

afcervantes

15 de setembro de 2010 às 11h24

A musica da Ivete Sangalo deveria ser assim "Sujeira, sujeiraaaa, levantou sujeira" e no clipe o rio Tieite, e ao fundo o Serra falando de saúde pública. O PIG não fala nada, pois seria um tiro pela culatra, afinal sujeira é o habitat natural deles. HAHAHAHA Sujeira, sujeira, levantou sujeira.

Responder

Regina

15 de setembro de 2010 às 09h47

É necessária uma divulgação em massa dessa notícia. É muito grave e revela grande incompetência do governo atual do PSDB em São Paulo. Em todas as áreas eles brincam: na educação com alunos deixando de aprender (acontece na educação uma inclusão perversa); na saúde (sem investimento de contrapartidas do estado para garantir projetos federais); na atenção com o meio ambiente e com o tietê…..
São Paulo é tão rico que não precisava ter mais nenhum grande problema social se houvesse uma administração voltada para todos e não apenas para o deleite de alguns.
Como o PIG não denunciará o governo do PIG, mesmo que a população seja a grande prejudicada, todos os candidatos de oposição deveriam denunciar.

Responder

Fábio Venâncio

15 de setembro de 2010 às 05h43

Conceição
Não dá nada não ,depois é só jogar a culpa das enchentes no povo que está tudo certo.
E ainda a maioria da população diz que vai votar no chuchu .Dá para entender???!!!

Responder

francisco.latorre

15 de setembro de 2010 às 00h29

com essa reportagem mais a outra..

gerinha opusdei já era.

vai com o zécalúnia.. pro esgoto.

..

Responder

    Jairo_Beraldo

    15 de setembro de 2010 às 10h03

    A paulistada adora este tipo de coisa. Afeta diretamente os pobres. Isso para paulista é um manjar dos deuses.

    francisco.latorre

    15 de setembro de 2010 às 10h40

    vindo de um mineiro..

    não afeta.

    tá faltando espelho jairão?..

    ..

    Jairo_Beraldo

    15 de setembro de 2010 às 11h46

    Hoje me sinto goiano latorre…nasci em minas,moro aqui há 35 anos…e vindo de um mineiro,porque?Tem rancor pelo Aécio ter deixado o Zé na beira da cova?De termos derrotado os paulista em 1930, a favor de Vargas?Acho que temos muito mais historias de lutas que os paulistas!

    francisco.latorre

    15 de setembro de 2010 às 13h28

    a diferença é que em são paulo uns e outros fazem autocrítica.

    já em minas.. cultivam a mitologia da mineiridade.

    nada particular contra minas. tudo contra o cultivo das mitologias.

    esse seu papo parece muito com os paulistas que se acham bandeirantes.

    autoelogio. cabotinismo sem fundamento.

    ..

    aécio enterrou serra?.. tem dó.

    aécio queria era ser o picareta da hora. e não conseguiu. só.

    ..

    mais histórias de lutas.. é história. historinha.

    viu só.. confirmou. não sou paulistista não. você que é mineirista.

    viva o brasil. e os brasileiros.

    o cultivo das mitologias.. deixo pra quem busca auto-afirmação.

    brasil cara.. brasil.

    ..

    Paulo

    22 de fevereiro de 2011 às 16h09

    Nem com um guindaste o serra não sairia da cova que ele mesmo cavou..

    E voce acha que o aceio neves teria alguma força politica para ajudar ele..

    Eu duvido muito..

    Agora imagine a cova que o serra cavou mais o peso do pé do LULA em cima dele..

    aceio neves olhou.. olhou.. e pensou..

    Ixxi nem vale a pena tentar.. Esse ai não sai dessa nem que o papa ajude ele..


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.