VIOMUNDO

Diário da Resistência


Em exclusiva a Ricardo Mello, professor de BH conta como foi demitido por um vídeo de 24 segundos e um “bem-vindes”; assista
Denúncias

Em exclusiva a Ricardo Mello, professor de BH conta como foi demitido por um vídeo de 24 segundos e um “bem-vindes”; assista


14/03/2022 - 23h25

Da Redação, com informações do jornalista Ricardo Mello

Um vídeo de 24 segundos postado no seu site pessoal foi o suficiente para o professor de artes William Quintal ser demitido do Colégio Santo Agostinho BH.

Nele, Quintal recepciona os internautas com a expressão “bem-vindes ao site Pulo do Sapo”.

Um grupo de pais passou, então, a reclamar do professor junto à escola, levando-a a dispensá-lo.

Quintal procurou a Delegacia Especializada em Crimes de Racismo, Xenofobia, LGBTfobia e Intolerâncias Correlatas de Belo Horizonte para denunciar ter sido vítima de uma demissão discriminatória por causa do uso da linguagem neutra em seu site pessoal.

No boletim de ocorrência, ele relata o que aconteceu (veja abaixo).

O caso veio à tona em uma reportagem especial feita pelo Podcast do Ricardo Mello.

Em entrevista exclusiva ao jornalista, o professor contou que tinha acabado de ser contratado e ainda estava na fase de experiência, quando foi procurado pela coordenação do colégio católico.

“A escola me enviou cópia da mensagem de uma mãe reclamando da linguagem que usei no site. Em sala de aula, não uso gírias, nem pronomes neutros”, diz.

No texto do e-mail enviado ao professor, a escola usa o termo “versão contemporânea de caça às bruxas” para se referir à reclamação dos pais.

“Duas mães me procuraram para me alertar e narrar o que estava sendo dito no grupo de pais do WhatsApp. Uma delas me disse que eu estava sendo chamado de seguidor de Marielle só porque tinha uma pintura da vereadora no site”, narra Quintal.

O Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais acompanha o caso e afirmou, em nota enviada ao Podcast do Ricardo Mello, que entende “que a postura da escola foi conservadora, excludente, não condizente com a proposta de uma escola que se diz cristã”.

O comunicado afirma, ainda, que o “professor foi penalizado, julgado e demitido não por sua posição em sala de aula. Foi demitido por manter um site, sua vida privada, que tem na sua essência, o acolhimento à diversidade e respeito aos direitos humanos”.

O advogado especialista em Compliance André Costa diz que, após análise das mensagens recebidas pelo professor, há claras violações às leis brasileiras. “A Constituição Federal garante a liberdade de expressão, desde que não seja um ato criminoso ou uma apologia ao crime. Essa é a primeira violação”, diz.

Segundo Costa, caso a Justiça entenda que a questão da linguagem neutra foi determinante para a demissão, fica configurado o crime de homofobia.

“Quando a gente tem a questão do gênero como uma determinante para a pessoa ter um prejuízo qualquer, nós vamos chegar muito próximo e de maneira muito perigosa do crime de homofobia. Desde 2019, o STF decidiu que, para causas de homofobia e transfobia, vamos usar a Lei 7716, que versa sobre crimes de preconceito de raça ou de cor”, afirma.

O advogado explica, ainda, que por causa do prejuízo provocado ao professor, pode ser acionado Código Civil e a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

“O artigo 927 do Código Civil diz que aquele que causar prejuízo a outrem é obrigado a repará-lo. Para finalizar, o artigo 483 da CLT dá ao empregado o direito a uma indenização quando for tratado de maneira contrária aos bons costumes pela empresa”, acrescenta.

Em entrevista também ao jornalista, o doutor em Educação pela Unicamp, Ronaldo Alexandrino, afirma que há um ambiente de terror em sala de aula por conta da interferência dos pais no conteúdo trabalhado pelos docentes.

“Há relatos de professores que acabam selecionando quais conteúdos seriam menos danosos, não para os estudantes, mas para si mesmos”, diz.

Outro lado

Em nota, a escola afirma que, por questões contratuais, não expõe informações sobre professores e ex-professores. Diz ainda que, segundo a Consolidação das Leis Trabalhistas, o colaborador pode ter seu contrato de experiência rescindido antes do fim do prazo.





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Carlos

15 de março de 2022 às 13h45

Muito bom! É assim mesmo que se combate o totalitarismo woke: cortando o mal desses fundamentalistas pela raiz.
Não precisamos dessa escória liberal-fascista nas nossas salas de aula.

Responder

Zé Maria

15 de março de 2022 às 06h25

Excerto

“A escola me enviou cópia da mensagem de uma mãe reclamando da linguagem que usei no site. Em sala de aula, não uso gírias, nem pronomes neutros”

No texto do e-mail enviado ao professor,
a escola usa o termo “versão contemporânea
de caça às bruxas” [SIC]* para se referir à
reclamação dos pais.

*[É uma Confissão da própria Escola, de Perseguição
por Preconceito Discriminatório contra o Professor.]

William Rezende Quintal:
“Bacharel em Gravura pela Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG (2000).
Especialização em Arte Moderna pela PUC Minas (2003) Especialização em Gestão Educacional pela Universidade Católica de Brasília (2013).
Mestre em Arte pela UnB (2018)
Tem experiência na área de Artes Visuais,
com ênfase em História da Arte e Arte-educação,
atuando principalmente nos seguintes temas:
arte-educação, educação indígena, indigenismo,
relações interculturais e apropriações ou trocas
culturais e visuais nas artes visuais brasileiras.”

https://www.escavador.com/sobre/8590892/william-rezende-quintal

Realmente, essa Elite de BH não está à altura do seu Currículo, Professor Quintal.
Procure um estabelecimento educacional onde haja Respeito e Dignidade pelo seu Trabalho.
Sem antes, porém, entrar com um processo contra
essa entidade supostamente de ensino, que não lhe
merece, Professor, muito menos os tais pais que fazem
Patrulhamento Ideológico, “não-gentes” que pretendem formar “não-gentes”: (https://bh.santoagostinho.com.br/agostinianos).

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura