VIOMUNDO

Diário da Resistência


Blog da Mulher

Mulheres Molotov


14/03/2010 - 20h00

por  Conceição Oliveira

Siga no Twitter

Esta seção do Viomundo vai falar sobre a mulher, de uma perspectiva feminina e feminista.

Tudo que nos afeta nos interessa.

Dito isto, falaremos de política no macro e no micro, de saúde, educação, direitos humanos, história, sociologia, antropologia, mídia. Falaremos do corpo enquanto objeto cultural, social, psicológico, físico, biológico.

Poderemos falar de Sarah Baartman, a ‘Vênus de Hotentote’, ou da Vênus de Botticelli; da erotização dos corpos, da Geyse Arruda da Uniban ou a do Sambódromo, da candidata à presidência dita ‘feminina/trabalhadora’ e da dita ‘autoritária/terrorista/aristocrata’…

Vamos falar da violência contra a mulher, mas não apenas a física- que ocorre no espaço privado/ou doméstico- ou da violência psicológica, moral, sexual, mas daquela que se estende pelo espaço público: a violência institucional contra o gênero feminino. Falaremos e vamos combater os preconceitos que endossam todas essas formas de violência.

Falaremos da criminalização do aborto e da luta feminista por sua descriminalização.

Ao falamos sobre o mundo da mulher temos de ter em mente que este mundo pressupõe diferenças dentro da diferença: a vida da mulher negra, na maioria das vezes, não é a mesma da mulher branca, assim como a da mulher urbana e a da que vive e trabalha no campo não são, como não são iguais as condições de vida da mulher de classe média e da mulher da periferia…

Para começar falemos de conquistas de direitos e de perdas dele.

A Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/06) uma grande conquista de proteção à mulher vítima de violência doméstica, lei da qual voltaremos a falar, sofreu, recentemente, um grave retrocesso: dia 24/02, por maioria, a Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) “entendeu ser necessária a representação da vítima nos casos de lesões corporais de natureza leve, decorrentes de violência doméstica, para a propositura da ação penal pelo Ministério Público” (veja aqui: http://www.stj.jus.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=96052)

Em outras palavras: com a lei Maria da Penha uma vez realizada a denúncia, não havia retorno, o agressor poderia ser processado sem a representação da vítima. Agora a ação penal depende da representação da ofendida.

No meu entender a vida dos homens que ameaçam as mulheres será facilitada: muitas mulheres, por coação ou outros motivos, não irão dar continuidade à denúncia e os agressores poderão seguir impune.

Esta decisão do STF demonstra que em nossa luta e mobilização para conquistas de direitos precisamos de muitas e muitas Marias da Penha.

A propósito: dos 11 ministros da 3ª Seção do STJ apenas 2 são mulheres.

PS 2: Carlos Latuff é autor do banner feito especialmente para o blog porque gosta da mulher e apóia nossas lutas.

* Conceição Oliveira assina o blog da Maria Frô





27 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

@victorjunger

23 de março de 2010 às 12h19

Isso ai Maria Frô, a sua luta também é nossa!???!!???
Já estou na espectativa dos textos. Acho que era o espaço q faltava ao viomundo.
Parabéns e boa sorte para todos!?!?!?!!?

Responder

Dica: Mulheres Molotov « Ofensiva contra o machismo

22 de março de 2010 às 07h27

[…] Acesse Mulheres Molotov AQUI […]

Responder

mlima

21 de março de 2010 às 17h17

Parabéns por mais esta iniciativa!

Postei no blog http://amigosdatvbrasil.blogspot.com

o artigo sobre a Dia Internacional de Lembrança às Vítimas da Escravidão e Tráfico

Acredito que como eu, poucos sabem da existência deste dia e poderiamos debater este assunto, ale'm de divulgar amplamente na rede.

Responder

Aldo Luiz

20 de março de 2010 às 01h38

Parabéns, vida longa e próspera ao novo espaço. A mulher é a vítima primordial. Abatida a mulher, abateu-se a mãe, abateu-se a prole. Está garantida a permanente escravização do homem pelo homem em benefício de uma classe dominante escravista e encastelada milenarmente no alto da pirâmide que nos despreza, oprime e explora para sua obscena opulência. Sou grato.

Responder

Fabiano (Jasck)

18 de março de 2010 às 12h35

Parabéns!!! Espero que não pare por aqui. Principalmente agora, com a proximidade das eleições. Moro aqui, no Tocantins, e é comum ver ainda, pessoas (homens – principalmente), dizerem que "mulher é traíra", que "mulher não vota em mulher". É o velho pensamento machista enraizado na nossa sociedade, e mantido ainda, por muitos. Infelizmente.

Responder

Fabiano (Jasck)

18 de março de 2010 às 12h21

Errata: "Esta decisão do (STF) STJ demonstra que em nossa luta e mobilização para conquistas de direitos precisamos de muitas e muitas Marias da Penha".

Responder

Zaíra Pires

16 de março de 2010 às 15h18

Ô neguinha,
Que bela conquista para você e para nós esse espaço.

Bem vinda, bem linda!

Um bjo.
Até!

Responder

Euler

16 de março de 2010 às 02h20

Que absurdo este retrocesso feito pelo STJ – aliás é muito estranho e antidemocrático estes ministros poderem alterar o conteúdo e o espírito de leis que foram discutidas e aprovadas no Congresso. Um atraso de vida. Obviamente que é comum que mulheres que sofrem agressão física de maridos machões não apresentem denúncias por medo, ou chantagem ou intimidação. O crime em si – a agressão física e moral – não deixa de existir pelo fato da vítima não ter feito a representação. A denúncia, de um vizinho por exemplo, serve justamente para que, através de um inquérito, toda a realidade seja esclarecida e o agressor punido. A Lei Maria da Penha na prática já não funcionava a contento, imagina-se agora como será. Por todo o país acontecem casos de mulheres que, mesmo apresentando denúncia acabam assassinadas pela omissão da Justiça, da polícia e de governantes, realidade esta que precisa mudar urgentemente.

Responder

Juliana Paiva

15 de março de 2010 às 21h29

Conceição,
Um grande alento esse espaço feminista no blog do Azenha. A mídia que não se curva às' 4 famílias' precisava mesmo, há tempos, investir na agenda feminista de maneira constante.

Não conhecia seu trabalho e fui ver seu blog…
Como historiadora, militante feminista e pesquisadora da escravidão no Brasil, não preciso nem dizer que fiquei mto contente contigo por aqui, né?
Texto inaugural excelente!
Gostaria bastante de ver em breve por aqui textos sobre as mulheres negras no Brasil (e do duplo stress social q carregam: mulher e negra) e da legalização do aborto ( enorme problema p/ saúde pública e a questão da ética privida)

Muito axé pra vc!
Torcendo muito mesmo para que esse espaço se torne um fórum ativo p/ nós!

Abraço carinhoso

Responder

patrick

15 de março de 2010 às 19h02

Parabéns pelo texto e pelo novo visual do Vi o Mundo. O novo mariafro.com.br também está com um visual impecável.

Responder

Paula Beiro

15 de março de 2010 às 16h08

Parabéns Maria Frô, mais um espaço para nós.

Responder

Nilva

15 de março de 2010 às 05h07

Boa sorte a você. Estaremos juntas nesta luta. A propósito da decisão do STJ, não é surpresa ,uma vez que os interesses daquela corte são infinitamente distintos dos da sociedade. E a questão de gênero no Brasil ainda é relegada
ao mais ínfimo patamar de civilidade. Talvez possamos nos mobilizar através de um abaixo-assinado virtual para revertermos essa decisão.
abs.
Nilva

Responder

Raphael Tsavkko Garcia

15 de março de 2010 às 01h15

A decisão do STJ segue sua linha eterna de desserviços à população, em conjunto com os demais órgãos da "justiça". Não surpreende. MAs deve ser combatida!

Responder

Stella

15 de março de 2010 às 03h45

Eu simplesmente amei esse espaço e tenho certeza que você saberá conduzi-lo brilhantemente! O Latuff é gênio! E taí uma definição que caberia muitíssimo bem na ministra Dilma: Mulher Molotov. Parabéns Conceição!

Responder

Fátima Oliveira

15 de março de 2010 às 00h37

Conceição, que o blog seja vibrante e tenha vida longa

Responder

    @maria_fro

    15 de março de 2010 às 00h42

    Obrigada, querida! E conto com você para ajudar alimentá-lo com sua visão libertadora.

Márcia Grião

15 de março de 2010 às 01h28

Lindo teu trabalho! Nós, mulheres, precisamos ecoar nossas vozes pelos quatro cantos do mundo…mostrar nossa força, inteligência e capacidade de transformação! Sem dúvida, vc é uma mulher que impulsiona as demais na busca do real reconhecimento! Força, coragem e voz ativa não lhe faltarão nunca! Um bjo no coração, sua mais nova fã!

Responder

@Scrivimi_mi

15 de março de 2010 às 01h21

Parabéns, Frô!__Estarei sempre por aqui.__No que me for possível quero colaborar.__Estamos juntas nessa árdua e LINDA luta.__Um beijo!

Responder

    @maria_fro

    15 de março de 2010 às 01h34

    Obrigada, querida! E sim, este é um blog da mulherada combativa, conto com todas vocês para que o blog tenha a nossa cara.

Thea Tavares

15 de março de 2010 às 01h11

Brilhante "manifesto" sobre a linha editorial da coluna! Serei leitora assídua:-) Quanto às alterações da Lei Maria da Penha aprovadas pelo Supremo (pressupõe-se última instáncia?), ainda há o que fazer? Vou passar seu texto para deputadas estaduais do Paraná e vereadoras de Curitiba para que se manifestem. Salve, salve as mulheres molotov! Era o que estava falatando para termos "visibilidade" e força de expressão. Parabéns!

Responder

    @maria_fro

    15 de março de 2010 às 01h33

    Sim, ainda há o que fazer, De acordo com Vladimir Aras, professor de Processo Penal e membro do Ministério Público Federal, o MP ainda pode recorrer, mas como é comum em relação a conquistas de direitos, temos de nos mobilizar.

    @theatavares

    15 de março de 2010 às 01h48

    Pode contar! O setorial de mulheres do PT-PR (que no ano passado reuniu mais de 600 pessoas) tem encontro marcado para o próximo dia 20 de março. Vou enviar para a coordenadora essa proposta de debate também. Como diz você, conquista de direitos exige mobilização.

Maurício Caleiro

15 de março de 2010 às 01h07

Agora eu sinto que a blogosfera tem um espaço para a luta feminista ser travada de forma objetiva, independente e informada, sem as muletas do academicismo empostado em – o que é pior – a importação de modelitos norte-americanos, transpostos, sem tradução, à nossa realidade. O post inaugural já revela isso, denunciando um retrocesso numa lei que, tal como originalmente concebida, era uma poderosa arma para punir esses covardes que agridem mulher. Força, KIRIDA!

Responder

@aarles

15 de março de 2010 às 01h02

Adorei tudo Frô!!! Parabéns pelo novo blog e muita sorte! :)

Responder

Leider_Lincoln

14 de março de 2010 às 23h35

Eu também gosto de mulheres e apoio a luta de vocês. Mas nem de longe, nem em sonhos, tenho o mesmo talento do Latuff… Todavia posso dizer um parabéns muito sincero!

Responder

    coliveira

    14 de março de 2010 às 21h35

    Obrigada, Leider. Latuff sempre põe seu talento em prol das boas batalhas :)

    @maria_fro

    15 de março de 2010 às 00h39

    Obrigada Leider, Latuff é parceiro de lutas sempre e põe seu talento em prol das boas batalhas :)


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding