VIOMUNDO

Diário da Resistência


Blog da Mulher

internationalwomensday: Quero minha parte na dignidade das mulheres nos demais 364 dias do ano


08/03/2011 - 14h50

Por Conceição Oliveira do Blog Maria Frô, twitter: @maria_fro

#internationalwomensday: Quero minha parte em dignidade e equidade na relação de gênero.

#internationalwomensday: Quero a minha parte em igualdade de oportunidades.

#internationalwomensday: Quero minha parte na equidade de gênero na ocupação dos cargos políticos institucionais.

#internationalwomensday: Quero minha parte na plenitude de nossa dignidade, direitos e alteridade.

#internationalwomensday: Quero minha parte no combate ao racismo que extermina a juventude negra e mercantiliza nossos corpos negros.

#internationalwomensday: Quero minha parte na democratização das comunicações.

#internationalwomensday:  Quero minha parte na reforma agrária para que as mulheres do campo possam viver com dignidade.

#internationalwomensday: Quero minha parte na dignidade das mulheres representadas pela publicidade.

#internationalwomensday: Quero minha parte em mudanças de atitudes de nossos companheiros por meio da reflexão sobre o sexismo e o machismo e suas violências.

#internationalwomensday: Quero a minha parte no direito de decidir sobre o meu próprio corpo.

#internationalwomensday: Quero a minha parte na descriminalização das mulheres que abortam.

#internationalwomensday: Quero minha parte na proteção de nossas crianças e adolescentes contra o abuso sexual.

#internationalwomensday: Quero minha parte no fim do feminicídio.

#internationalwomensday: Quero minha parte na Justiça que puna os crimes praticados contra as mulheres.

#internationalwomensday: Quero a minha parte em um mundo no qual a violência contra a mulher seja coisa de museu.

#internationalwomensday Quero minha parte na dignidade das mulheres nos outros 364 dias do ano.





7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Victor Farinelli

23 de março de 2011 às 12h20

Já eu queria ver a mídia valorizando mais as mulheres realmente independentes, e conscientes das bandaeiras de luta femininas, e não as neodondocas chiques, ou as neoamélias, como disse a Cynara Menezes.

As que defendem a idéia de que a mulher deve se submeter ao homem, inclusive no contexto de mulher objeto, desde que seja com glamour. Numa mídia onde todo programa feminino ou encarte feminino de jornal é baseado somente em receitas, fofocas do mundo do espetáculo, dicas de sexo, saúde e beleza, e nada mais!

Queria ver as mulheres brasileiras se dando conta de que a frase "por trás de um grande homem tem sempre uma grande mulher" não é um elogio se não uma condenação: o máximo ao que vocês podem aspirar é isso, ser a fiel companheira de um realizador, e não ser uma realizadora.

Responder

Pedro Luiz Paredes

18 de março de 2011 às 03h00

Concordo com tudo isso.
Basta agora convencer as outras mais de 100 milhões de mulheres brasileiras a querem o mesmo e quem sabe, exigir.
Vi esses dias que a mulher tem medo de exigir aumento muito mais medo do que os homens, e exigem menos.
Vi também que mulher contribui menos tempo para a previdência, assim, seguindo uma linha ideológica da revolução industrial que exigia força bruta. Hoje nem é mais assim e ainda somos influenciados por essa política. Comecemos por aí, para elas se situarem um pouco.
Queria também que as mulheres se dessem mais ao respeito. Hoje em bairros da periferia as próprias mulheres só oferecem uma coisa e oferecem facilmente. A situação é revoltante! Escrevi para Dilma sobre isso.
Não se trata somente das mulheres negras, as brancas também o são mercantilizadas aqui e em outras partes do mundo, ou seja, isso é papo furado, só não acontece o contrário porque parar a mulher o sexo é mais fácil. Uma luta oculta de setores ultra conservadores contribui para isso, inclusive confrarias. Rebaixam as mulheres demais.
Sabemos o que influencia essa situação e porque essa influência é potencializada.
Caímos novamente na questão da educação; e a president"e" não esta nem um pouco preocupada com isso, o que é ultrajante por "ele" ser mulher.
Isso porque só querem saber de prepará-las para o mercado de trabalho quando as necessidades em prol da mudança nesse sentido vão muito além disso.
O ENEM é inconstitucional pois institucionaliza a diferença na qualidade da educação de base para as pessoas de classes sociais diferentes dizendo: "já que eles não vão passar no vestibular mesmo vamos criar outro método para tanto e disfarçar para a população brasileira burra e despolitizada, o desrespeito à esse princípio". Isso afeta demais as mulheres pela despolitização.
Agora pergunte para 10 mulheres que trabalham e ganham menos de 1200 reais, se elas se preocupam e se interessam (latu sensu) com as questões políticas, sociais e econômicas.
Já escrevi isso: "Antes levavam os homens, que trabalhavam e colocavam comida na mesa. Hoje precisam das mulheres e dos filhos trabalhando para se ter a mesma vida, ou quem sabe pior".
Isso é fruto da concentração de renda exagerada em função de práticas neoliberais.
Veja quantas mulheres em 100 fazem ideia do que estou falando ou querem fazer ideia, e veja quantas dizem que papo brabo, vamos falar das vaidades!
Os homens podem até ter ideias furadas e serem burros politicamente, mas por natureza são mais politizados. Espero que isso melhore daqui pra frente se é que me entende.
Cada um tem o lugar que merece dentro da sociedade. Num grupo de controle, se analisado, há mais mulheres machistas do que homens, principalmente entre os jovens. Enquanto as mulheres que se preocupam culpam os homens (como sempre) de tudo e não mobilizam outras mulheres. Quase que pedindo espaço. Êta dependência.
Lutem bando de vagabundas!!!!!!
Se compararmos essa situação com a situação política atual no Brasil, os homens são o PT e PMDB, e as mulheres são o DEM, desorganizadas e sem noção de como fazer para se organizarem em torno de medidas eficazes no caminho da igualdade de gêneros.
Gostaria eu, como homem, ser abençoado a ponto de poder ficar em casa vendo meus filhos crescerem e cuidando deles
É claro que isso visto sob uma perspectiva histórica não passa de um processo de adaptação que só vai se resolver daqui a não menos que 200 anos, mas então qual é a solução? Como agilizar esse processo?
Para mim, só com educação e muita organização entre as próprias mulheres!!!!!!!!!
Boa Sorte!

Responder

augusto

09 de março de 2011 às 15h46

é preciso que a conceiçao e suas colegas saibam.
a seguir é preciso que digam as outras.
que, por ex. se as mulheres tietassem mais as artistas mulheres em vez dos artistas homens, a luta
delas ja estaria mais longe.
que, se as mulheres fossem cosumidoras mais artigos e simbolos esportivos do futebol FEMININO, o futebol feminino – com tudo o que vem JUNTO…- ja estaria muito mais longe. No brasil e no mundo…
mas se preferem ficar culpando o outro lado, né mesmo?
e assim por diante.

Responder

    Pedro Luiz Paredes

    18 de março de 2011 às 03h07

    Essa atitude pedante delas é um grande problema.
    Nas relações interpessoais elas conseguem alguma coisa fazendo cafuné e pedindo com jeitinho; mas quando falamos de poder e espaço elas ainda são amadoras, apesar do enorme potencial.
    A Dilma é prova desse potencial.

Mauro A. Silva

09 de março de 2011 às 08h18

![youtube nzXBpcnYTQU http://www.youtube.com/watch?v=nzXBpcnYTQU youtube]
Justiça solta professora acusada de tortura.

Responder

assalariado.

08 de março de 2011 às 21h41

Conceição,não devemos apenas viver de "quereres",uma nova mentalidade/educação politica se faz necessário,mesmo via blog progressistas, não só para os homens mas,também para as mulheres.É bom avisar as mulheres socialistas que o socialismo não será socialismo se não houver a libertação da mulher. O 1º passo a se dar neste sentido, não tenho duvidas,é:Como colocar a mulher na luta politica,como agente libertadora de si mesma? Isso mesmo,companheiros de esquerda são tão machistas tanto quanto os de direita(sou de esquerda,será que estou neste meio,rs,rs,..). A questão de genero passa também pela questão da sociedade dividida em luta de classes,Quem explora quem? Quem domina quem? Isso mesmo pela esquerda ainda tem muito disso,embora as idéias socialistas pressuponham um olhar horizontal sobre a sociedade,e agora?

Mando este video:o ator Osmar Prado fala sobre isto. "…não se revolta um país inteiro,apenas com as idéias…" esta aqui:[youtube OseApZU_TX4 http://www.youtube.com/watch?v=OseApZU_TX4 youtube]

Responder

FrancoAtirador

08 de março de 2011 às 20h16

.
.
Iluminada Frô!

QUE, EM NOME DA CIVILIDADE, CONSIGAMOS TRANSFORMAR A POESIA EM FATO.
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding