VIOMUNDO

Diário da Resistência


Transparência Total
Amor Nos Tempos de Cólera 07/05/2017 - 16h18

Transparência Total


Por Marco Aurélio Mello

por Marco Aurélio Mello

Aconteceu de no velório dela a família querer saber o porquê de uma vida de tanta reclusão e silêncio.

Afinal o que só ela sabia a seu próprio respeito?

Alguém ponderou que morto não tem mais direito à privacidade.

Outro considerou uma afronta, um desrespeito a quem não pode mais exprimir sua vontade.

Mas a pressão dos curiosos foi tanta que ficou decidido: no telão, em vez de fotos de época e de família, eles iam abrir seu feicebuqui, e exibir suas últimas trocas no messenger e no whatsapp.

Também estavam dispostos a mostrar tudo: nudes e vídeos salvos no dispositivo móvel e na nuvem.

Seria uma devassa, uma espécie de juízo final terreno.

O evento deu tão certo que virou moda.

Logo apareceram empresas especializadas em preparar as transmissões.

Uma dessas firmas, a Pandora Live, enviava aos presentes, depois do enterro, um arquivo com as melhores e mais curiosas reações do público.

Quanto mais súbita fosse a morte, mais concorrido era o acontecimento.

E, assim, tudo o que todo ser humano fazia, mas não admitia por pudor, tabu, preconceito, timidez, ou censura deixou de ser um mistério.

Não demorou muito para as máscaras começarem a cair também em vida.

Só as pessoas certificadas com o selo de transparência total passaram a ser aceitas.

Com o tempo tudo foi permitido e tolerado, mandaram às favas o juízo moral e os bons costumes porque afinal, a vida não passava mesmo de uma grande hipocrisia…

Agora estavam todos sem privacidade, sem segredos, sem nada mais a esconder da sociedade.

No momento seguinte, até pensamentos puderam ser lidos instantaneamente.

Instaurou-se primeiro a República da Clareza, logo depois veio o Império dos Bons.

Era o ID no comando, ou id, como preferiam os cientistas mais críticos e conservadores.

Funcionava assim: desejo, vontade, necessidade imediata e… dane-se o resto!

Claro que virou barbárie, onde o que valia era a lei do mais forte.

De um lado as feras à solta e de outro os fracos unidos, a resistência.

No final sobrou muito pouca coisa.

Foi quando nasceu o desejo sincero de começar tudo de novo.

Era o amor de volta, não por decreto, mas por princípio.

Leia também:

Lena Lavitas: Como o Bolsa Família também serve aos bancos

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.