VIOMUNDO

Diário da Resistência


Quer mudar o mundo?
Amor Nos Tempos de Cólera 20/07/2017 - 10h56

Quer mudar o mundo?


Por Marco Aurélio Mello

por Marco Aurélio Mello

O sujeito é assalariado de classe média, tem uma pequena reserva que serve apenas para dez dias de férias, ou para uma emergência, como um carro quebrado, um exame que o plano de saúde não cobre…

Aí ele entra numa agência bancária e com sua conta “master plus diferenciada” é levado a acreditar que é um investidor, como aqueles aposentados lindos que jogam golfe nos cartazes, ou brindam com senhoras igualmente lindas em restaurantes de luxo.

Só que a classe média, por mais que almeje um futuro assim, vive tendo que se equilibrar entre as aparências e as contas a pagar.

Com a recente piora da situação econômica do país e com o aumento do desemprego, a insegurança aumenta.

Sinal disso – interpretação que a mídia omite – é que os depósitos em caderneta de poupança têm superado os saques nos últimos dois meses.

Aliás, num volume sem paralelo em quase 15 anos.

As pessoas deixam de gastar e quando sobra algum passam a escolher investimentos mais conservadores, como a caderneta de poupança, por exemplo.

Quem tem aplicações de mais risco também busca refúgio na poupança, o investimento mais seguro do mercado.

Só que menos risco para banco é sinônimo de menos lucro.

Uma amiga consultou a gerente dia desses para tirar seu dinheirinho da renda fixa e se refugiar na caderneta de poupança.

Foi desestimulada porque a aplicação que ela tem (fundo DI) paga cem por cento do depósito interbancário, uma modalidade que, segundo a gerente, nem existe mais.

É claro que o investidor pensa: se ela está dizendo que eu vou perder, quem sou eu para dizer o contrário?

É sempre bom lembrar: poupança não paga imposto e é a única aplicação garantida 100% pelo Governo.

Quem dá duro na vida tem um sonho: um dia viver de renda.

Desejar isto não é ilegítimo.

No entanto, pode parecer estúpido para muita gente, mas fugir do mercado financeiro é ganhar.

O rentismo é a maior praga do capitalismo.

O rentismo destrói empregos, salários e, pasme, renda.

O rentismo é aquele dinheiro que fica parado para os bancos acumularem emprestando aos governos e aos indivíduos desesperados ou que se desorganizaram.

Se a gente quer mesmo mudar o mundo que tal começar a negar esta lógica?

Associar-se a bancos e obrigar seu país a pagar os juros mais extorsivos do planeta, em detrimento a políticas sociais de combate à pobreza e distribuição de renda, é uma maneira de legitimar tudo aquilo que mais criticamos.

Esta nossa omissão enche o bolso de 5 das 15 famílias que controlam sozinhas 5% do PIB do país: os Safra, os Moreira Salles, os Villela, os Aguiar e os Setúbal.

Famílias que controlam os bancos Itaú, Bradesco e Safra.

Bancos que anunciam grandes volumes na sua porta-voz preferencial, a Rede Globo, da famiglia Marinho, uma das mais ricas do globo terrestre!

Nossa vontade de mudar o mundo é sincera e juntos temos meios para isso.

E não é necessária nenhuma ação de guerra.

É uma mudança de comportamento, sem que seja preciso esquecer o sentimento mais nobre do mundo: o amor.

Neste caso, amor ao próximo, amor ao que não tem o que investir, aliás muitas vezes não tem nem o que comer todos os dias.

Pense nisso.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.