VIOMUNDO

Diário da Resistência


Pode não ser nada disso
foto: Victor Iglesias/Free Images
Amor Nos Tempos de Cólera 19/06/2018 - 12h12

Pode não ser nada disso


Por Marco Aurélio Mello

foto: Victor Iglesias/Free Images

por Marco Aurélio Mello

Pai e filho estudam para a prova.

É sexto ano do ensino fundamental II.

Para os coroas, como eu, equivale à quinta série do primário.

A disciplina? História.

O tópico? Roma.

Estudar as civilizações depois de tantos anos é interessante.

E chocante, por constatar que pouca coisa mudou nestes últimos 3 mil anos.

Veja só:

Quem tinha terras produtivas tinha fortuna e poder político.

Quem não tinha terras, mas tinha um padrinho rico, intermediava as relações entre quem mandava e quem obedecia.

Quem não tinha terras servia a quem tinha.

E quem tinha, ou dívida, ou era prisioneiro de guerra, virava escravo, incluindo seus dependentes.

Portanto, pela ordem havia: patrícios, clientes, plebeus e escravos.

Trazendo para o Brasil de hoje:

Há a plutocracia, que controla o poder político.

Há os prepostos: com cargo eletivo, funcionários públicos concursados ou de alto escalão e setores da classe média servil, que juntos fazem o “serviço sujo”.

Há os pequenos comerciantes e trabalhadores intelctuais e braçais “livres”.

E há os escravizados, quase todos pretos.

Só para relembrar, rapidamente:

A capital do império surgiu no cento da bota, a penílsula itálica, por volta de 750 anos antes do nascimento do redentor, Jesus Cristo.

Diz a lenda que a origem do que veio a ser o império Romano deveu-se aos irmãos Remo e Rômulo, dois bebês abandonados, alimentados por uma loba que, adultos, tomaram o poder.

O crescimento de Roma teria se dado na base da propaganda.

Muito em função da aptidão pelo comércio e pelas boas relações com os fenícios do norte da África.

Além dos etruscos, considerados povos originários, foram atraídos à região os úmbrios, latinos, sabinos, samnitas e gregos.

Depois do curto período monárquico, veio a República, regime que lá desembocou no império e que inspirou as democracias modernas.

Mas como funcionava aquele regime?

Quem governava era o Senado.

Só quem podia ser senador eram os patrícios mais velhos.

De tanto a plebe (soldados e comerciantes) reclamar, abriram espaço para dois representantes destes.

Em situações de ameaça interna ou externa o Senado nomeava um único representante.

Assim nasceu a figura do imperador.

A simplificação se deve ao fato de que trata-se de uma prova de sexto ano.

Quando ele crescer vai ver que não é nada disso, hehehe….

Hoje o Império é outro: o da América do Norte.

A Itália, a quem devemos parte de nossa miscigenação, cultura e culinária também nos deu o anarquismo, o trabalhismo, o fascismo, a República, as relações clientelistas (entre patrícios e clientes), a corrupção, a Operação Mãos Limpas, o Belusconi, o Sérgio Moro e, ao que tudo indica, nos dará em breve um Supremo Soberano, na figura de um imperador, ou imperadora.

Muito em breve.

Minha aposta? Carmén, a bizarra.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Roberto Quintas

20 de junho de 2018 às 05h50

“pelas boas relações com os fenícios do norte da África”. Puxa… Então as Guerras Púnicas foram apenas um mero desentendimento?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!