VIOMUNDO

Diário da Resistência


As flores e as eleições
Amor Nos Tempos de Cólera 01/10/2018 - 13h38

As flores e as eleições


Por Marco Aurélio Mello

A Folha de S. Paulo noticia que o bispo Edir Macedo vai orientar os fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus a votarem em Jair Bolsonaro.

Faz assim o movimento, tardio, de desembarcar da candidatura do Santo, Alckmin, e do generoso PSDB que, no Governo do Estado, não poupou à mídia amiga fartas verbas publicitárias, a exemplo do que bem faz o morador do Palácio do Jaburu, o presidente golpista em exercício, Michel Temer, outro cadáver político ainda insepulto.

O movimento de Edir cria um constrangimento adicional para a emissora arquirrival, a Globo.

A emissora dos Marinho não teve coragem, ainda, de declarar votos no candidato que espalha ódio e que tem sido rechaçado sob um mantra feminino em forma de hashtag: #elenão.

As duas emissoras do mesmo lado não costumava ser algo tolerável, nem para o bispo, nem para os irmãos.

Mas sabe como é, na hora que a água começa a bater no pescoço, a saída é nadar e, se preciso, compartilhar a bóia.

Ainda que o primeiro turno esteja praticamente definido, outras variáveis ainda estão em jogo.

Quem serão os Governadores?

Qual será o tamanho da bancada progressista no Congresso Nacional?

Vai haver a tal onda vermelha?

As bancadas da bíblia, da bala e do campo crescerão?

E as bancadas alimentadas pelos interesses transnacionais, a se considerar o petróleo e a  mineração?

No segundo turno, a depender de todo este mapeamento, não vai ser possível pregar neutralidade, nem voto nulo.

O negócio vai ser fazer acordo com o diabo, se preciso for.

É o que está claramente descrito na carta que o ex-presidente Lula endereçou ao Jornal do Brasil este fim de semana.

Uma vez aliada à barbárie, não restou à Globo outra escolha, senão flertar com o fascismo.

Mas há outro poder em campo, o Judiciário.

É lá que está literalmente o fiel da balança.

E é com ele que a mídia hegemônica conta.

Controlar o Estado através da ‘jurisprudência’ parecia ser o caminho mais seguro.

Seguro até que a metade da corte que estava em desvantagem sob a batuta de Carmem Lúcia equilibrou o jogo mais recentemente.

E, “para não dizer que eu não falei das flores”, tem o crime organizado, o narcotráfico.

Este sim, à espreita e, quem sabe, “organizando o movimento” na clandestinidade.

Se por acaso a gente achou que as emoções estavam serenando, não cabem ilusões: a tempestade começa mesmo depois do primeiro turno.

E se, depois do segundo turno, o resultado não for favorável, ainda tem o terceiro, o Golpe.

Vamos precisar de muitas flores ainda.

Afinal de contas, as baionetas estão em punho.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.