VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas

Professora Amanda Gurgel cala secretária da Educação e deputados

18 de maio de 2011 às 11h38

Sugestão dos leitores Sandra Vaz, Maria Salete Magnoni, Zé Povinho e Henrique Pinheiro

 

365 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

prestamos online

24/12/2013 - 15h44

Excelente articulo,estos temas no son faciles de entender, pero con este tipo de articulos se entiende bastante bien,gracias.

Responder

Uilmara Machado

09/06/2013 - 17h39

EXTRAORDINÁRIA! É uma pena que não existam políticos com a consciência de AMANDA GURGEL; se existem, falta-lhes CORAGEM!!! Realmente, os políticos tratam a PRECARIEDADE da Educação como FATALIDADE, como se não fosse algo, previamente provocado pelos próprios políticos, que querem um povo ignorante, bem mais fácil de ser MANIPULADO! Quando eu era adolescente, minha mãe “aconselhou-me” a não fazer o Magistério, porque “professoras eram um bando de passa-fome” (palavras dela); menciono isso, para vocês terem uma noção, há quanto tempo, os profissionais da Educação são hostilizados! FLEXIBILIDADE (palavra comum aos políticos, que querem empurrar os problemas adiante e, consequentemente, para os próximos “governantes”) é, com certeza, contrária à OBJETIVIDADE (“caráter da atitude, ou do procedimento, que é, ou pretende ser, estritamente adequado às circunstâncias” – Dicionário AURÉLIO). Nós, que almejamos um país melhor (mais educado, mais seguro, mais saudável…) vivemos, hoje, essa UTOPIA aguardando que palavras judiciosas como as de AMANDA GURGEL não sejam, apenas, ouvidas nas redes sociais, mas que ecoem por todo o Brasil, na esperança de que, um dia, um POLÍTICO SENSATO E CORAJOSO, torne VERDADEIRA, a frase cantada numa musiquinha dos Anos 70: “ESTE É UM PAÍS QUE VAI PRA FRENTE! DE UMA GENTE AMIGA E TÃO CONTENTE! DE UM POVO UNIDO DE GRANDE VALOR! É UM PAÍS QUE CANTA TRABALHA E SE AGIGANTA! É O BRASIL DO NOSSO AMOR!”)!…

Responder

Amanda Gurgel se elege com mais de 30 mil votos « Viomundo – O que você não vê na mídia

11/10/2012 - 23h31

[…] PS do Viomundo: Desculpem, G1 e Faustão, mas o Viomundo foi um dos primeiros a bombar o vídeo, aqui. […]

Responder

batista

19/08/2012 - 15h14

hoje em dia existe poucas pessoas igual a senhora defendendo sua categoria; eu acredito que a senhora sofreu muitas represao. porque agente mora em um pais quando agente fala a verdade e repremida noa so na area de educacao mas sim em todas as areas,por isso acheivc uma pessoa de coragem. acredito q milhoes depessaos torce pela senhora

Responder

Luana dos Santos: Pela nossa dignidade, permanecemos em greve | Viomundo - O que você não vê na mídia

14/07/2011 - 11h12

[…] já foi dito pelos meus colegas que aqui deixaram seus escritos, a situação dos professores mineiros não difere muito da denunciada em vídeo pela professora poti… Além dos baixos salários, convivemos com jornadas extenuantes, condições precárias de trabalho […]

Responder

Os motivos de Amanda Gurgel para recusar prêmio | Viomundo - O que você não vê na mídia

05/07/2011 - 20h16

[…] Clique aqui para relembrar o depoimento-bomba da professora Amanda   […]

Responder

Você acaba de doar R$ 470 milhões à FIFA | Viomundo - O que você não vê na mídia

13/06/2011 - 23h31

[…] Veja aqui o protesto da professora Amanda Gurgel, do RN (teremos Copa lá!)   […]

Responder

nilton de souza

07/06/2011 - 16h09

professor

Responder

Ernesto Artur

28/05/2011 - 23h18

PARABÉNS, Prof. Amanda Gurgel. A senhora tem todo o meu respeito e admiração.
A sua insurgência contra esse sistema esdrúxulo é muito oportuna. É notória a inversão de valores. Hoje, valoriza-se o falso, o superficial, em detrimento da verdade, dos bons costumes e do que é essencial para a formação de cidadãos sadios e equlibrados. Um deputado semi-alfabetizado percebe mensalmente R$ 26.700,00 + benefícios. Um determinado jogador de futebol percebe 1,4 milhão só de salário por mês. Até aí é admissível, mas ser homenageado pela ABL é uma afronta. E o que dizer da portaria que entrou em vigor em 01/01/2011, que concede beneficio de R$ 862,11 para cada filho de presidiários, a fim de ampará-los enquanto o seu exemplar pai estiver preso? Enquanto isso, o professor que faz o mal de ensinar e eduacar os nossos filhos recebem uma ninharia, não importa quantos filhos tenham para sustentar. Professora Amanda, a senhora tem todo o meu apreço. Farei tudo o que estiver em meu acance para apoiá-la.

Responder

Rosely Rocha

28/05/2011 - 13h29

Também sou professora. Tenho 23 anos de servço prestado com competência , dedicação e sacrifíco.
Hoje estou de férias prêmio e novamente não tenho condições de viajar por 3 dias sequer porque o dinheiro não dá.
A situação da educação do país é caótica , A hora é agora. convoco todos os professores à luta.

Responder

    Ernesto Artur

    05/06/2011 - 11h49

    Professora Rosely Rocha, sou do tempo em que professores eram respeitados, bem pagos e valorizados em todos os aspéctos. Exerciciam a sua profissão com diginidade e altruismo. Eram verdadeiros educadores e formadores de cidadãos. Hoje, prefiro nem comentar. Somente peço a Deus que interceda por essa classe sofrida, porque só mesmo um milagre para mudar esse sistema nojento. E peço a vocês, professores, que se unam e parem geral. Deixem que as autoridades "competentes" façam o trabalho de vocês. À propósito: Em 1961, cursei o 1° ano do primário com a Prof. Maria Nelcy Rocha (é da sua família?) e, em 1964, cursei o 4° ano com a prof. Adila Cecília Ferreira.

William Blak

25/05/2011 - 11h35

Passados os 15minutos de fama da professora Amanda Gurgel,tudo voltou ao normal.Deputados,Senadores e Presidenta continuam em seus castelos inespugnáveis e insensíveis à Patuléia que os sustenta com sangue,suor e lágrimas.A mídia já colheu seus frutos.Mas,afinal,quem é mesmo esta ‘joana ninguém’ defensora dos frascos e comprimidos?.

Aos Professores: Esqueceram que antes de ser profissão éreis deuses? Esqueceram que antes de informar sois formadores? Esqueceram que sois voz? Esqueceram que tudo o que se diz em sala de aula fica gravado, indelével, nas mentes a formar? Mais não digo. Para bom entendedor meia palavra Bosta.

Responder

JOSE NEY

24/05/2011 - 23h01

VEJO QUE QUALQUER UM COMETE DESLIZES AO DIGITAR, CERTOS TROCADILHOS DE S / C….E MESMO QUE A IDEIA SEJA TOTALMENTE APROVEITAVEL, SEMPRE TEM ESSES POBRES DE ARGUMENTOS QUE FICAM O TEMPO TODO PISANDO NESSE ERRO. MESMO QUE SEJA UMA PALAVRA COM UM PEQUENO ERRO, ENTRE CENTENAS POSTADAS NO COMENTARIO.
ORA SENHORES, SEJAM GRANDES, POSTEM IDEIAS DIFERENTES, E SE LIMITEM A INFORMAR AO TITULAR DO ERRO, O EQUIVOCO QUE O MESMO COMETEU…..SERA QUE ESSES QUE FICAM CRITICANDO AO MAXIMO TAMBEM NÃO ERRAM……ESSES CRITICOS BESTOLADOS TEM MENTE PEQUENA. SE É QUE TEM.

Responder

    Conceição Lemes

    24/05/2011 - 23h30

    José Ney, por favor, letras minúsculas nos próximos comentários. abs

MEIRE

24/05/2011 - 20h46

Parabens moça bem inteligente e informada. O nosso País verde e amarelo, esta bem obscuro, com governantes com só se preocupam em encher os bolsos. VOCE BRASILEIRO QUE SE ENXERGA E LUTA COM DIFICULADES, QUER VOTAR MAIS EM ALGUEM NESSE PAÍS???? ELES SE DÃO AUMENTO. ISSO SE CHAMA DESAFORO
PELO VOTO QUE FOI DADO PARA CADA CANDIDATO. QUEREMOS VOTAR SIM, EM MILITARES. O BRASIL PRECISA DE ORDEM E PROGRESSO, COMO MOSTRA NA BANDEIRA.
VAMOS PENSAR NESSE CASO. O SISTEMA DE SAÚDE, NÃO EXISTE PARA SALVAR VIDAS.
É DESCASO MÉDICO POR NÃO SER BEM REMUNERADO. QUE PODEMOS ESPERAR DOS GOVERNANTES:??? VOCE VAI VOTAR??? PENSE NISSO. JA SABEMOS QUE NORDESTINOS QUE PASSAM MUITAS AMARGURAS, PRECISAM ACEITAR DOAÇÕES DE POLITICOS. POR ISSO ELES VOTAM. MAS VOCE QUE É BEM ESCLARECIDO, PENSE MELHOR, MUITOS BRASILEIROS JÁ ESTÃO BEM UNIDAOS PARA NÃO VOTAR MAIS. ABAIXO AO VOTO. ATE……

Responder

    Suêna

    25/05/2011 - 15h47

    Concordo com você Meire acerca do posicionamento da Professora, realmente essa é a realidade de nossa educação no país, acredito que se cada um de nós não temesse mostrar a cara e fazer como esta professora que veio ao público, poderíamos mobilizar a sociedade em prol de uma educação que pede socorro imediato.

    teixeira

    26/05/2011 - 10h57

    Cara Meire,
    “JA SABEMOS QUE NORDESTINOS QUE PASSAM MUITAS AMARGURAS, PRECISAM ACEITAR DOAÇÕES DE POLITICOS”
    Aí,na classificação do paulistano(generalizado)e grande parte do sul,está a maleita! Nesse nordestão(pejorativo e execrado),que elege os se orgulham de ser" filho de mãe analfabeta" Formam um aglomerado em um bloco único e acéfalo que serve a um propósito:manter tudo do mesmo jeito .Que serve unicamente para retirar vossa individualidade.Aqui, e no resto do Brasil nós dizemos:sou de Minas Gerais,ninguém diz que é do sudeste ou do Norte ou do Sul e sim de cada estado,independente de qualquer que seja.Com orgulho de ser dali.Urge que tenham identidade e não se escondam debaixo do mesmo guarda-chuva. Ai ,estão debaixo do mesmo estigma ,onde parece que é um motivo de orgulho daqueles que sonoramente dizem:"Sou nordestinoooooo!" Não é orgulho,é um estigma ,que o resto do Brasil sente,por vós.Aí, persiste o colonialismo secular,onde o rico daí vai montar shopping em Porto Alegre,ou vão gastar em Mal del Plata.Onde os Inocêncio de Oliveira(ou seria Pecador de Oliveira pois de inocente não tem nada) abrem poços profundos as custa do Povo, para benesse pessoal.Os ricos e poderosos daí não estão nem aí pra tais reinvidicações dessa moça inteligente e “viril”coisa que os cabra “machos”daí perderam a muito tempo, quando aceitaram o”cabresto”Os políticos daí têm os seus filhos estudando na Suíça,por que eles estariam preocupados com o nível da escola ser ruim ou ter muito aluno em sala de aula ou violência nas escola?Eles andam em carros blindados,moram em condomínios fechados e tem guarda-costas para toda a família.Tive um colega no tempo de escola que veio da cidade de Campina Grande ,sobrinho de um político, com notas impecáveis, recebidas por conta desse nepotismo.As notas dele, aqui, foram tão vergonhosas e deploráveis e o apadrinhamento ou influência não tinha tentáculos tão longos que ele teve que voltar, após uns dois meses de aula para sua terra, onde hoje deve ter um diploma e está mamando em alguma grande teta governamental. Ai tem um ditado que diz:” …a esmola ou mata de vergonha ou vicia o cidadão.”o governo viciou o “nordestino” que o mantém mamando nessas tetas do Brasil e dando migalhas para vossa sobrevivência.E se vós estudardes e aprenderdes eles serão “desapeados” desse poder,quem quer isso?Portanto,é preciso vos manter na ignorância,com pouca escola pra não aprenderem a pensar.Pois” ninguém detém um povo que aprende a pensar”.Não esperem nada mais do que isso,eles não irão tornar melhor as vossas escolas,pelo contrário querem rebaixar o sul e sudeste para o nível do nordeste,como essa nova cartilha onde pode-se escrever de qualquer maneira, que estará certo,Certo ,não. Adequado é a palavra da vez!
    Atenciosamente.
    JAT

BETE

24/05/2011 - 15h44

SOU PROFESSORA E TAMBÉM CONCORDO COM AMANDA GURGEL. LI AGUNS COMENTÁRIOS E EM PARTICULAR, ME CHAMOU A ATENÇÃO UM QUE FALA QUE AMANDA GURGEL SÓ FALOU DO SALÁRIO, MAS EM NENHUM MOMENTO FALOU DOS ALUNOS OU DE SUA PREOCUPAÇÃO COM ELES. NÃO SERIA PREOCUPAÇÃO DIZER QUE NÃO HÁ CARTEIRAS PARA OS ALUNOS, DAS SALAS SUPER CHEIAS, DAS MÁS CONDIÇÕES DOS ALUNOS EM SALA DE AULA? UM TANTO EGOÍSTA ESSE COMENTÁRIO…QUERO RESSALTAR AQUI QUE EM MEU MUCICÍPIO, SOMOS OBRIGADAS A PASSAR ALUNOS QUE NÃO TÊM NEM A METADADE DA NOTA ESPERADA PARA APROVAÇÃO. OS ALUNOS SÃO ´´EMPURRADOS“ SEM QUE POSSAMOS FAZER NADA. QUEM SERÁ PREJUDICADO COM ISSO?? ALGUÉM PERGUNTOU SE O ALUNO QUER SAIR DA ESCOLA SEM SABER NADA? ALGUÉM QUER SABER ONDE ELE ESTARÁ DAQUI A ALGUNS ANOS? QUE FUTURO ELE TERÁ? OS GOVERNANTES NÃO ESTÃO NEM AÍ. QUEREM NÚMEROS! 100% DE APROVAÇÃO É O QUE EXIGEM! SE NÃO PUDERMOS CONTAR COM UMA MUDANÇA POR PARTE DOS GOVERNANTES, ESTAREMOS CAMINHANDO PARA UM BRASIL ANALFABETO, MARGINALIZADO E DECADENTE, POIS A EDUCAÇÃO NÃO TÊM LUGAR NA SOCIEDADE.

Responder

    Keila Cabral

    24/05/2011 - 21h17

    Cara profa. Bete,
    Seria interessante que todo o vídeo tivesse sido exposto, pois a argumentação da professora Amanda perpassa por todas as dificuldades nas quais se encontra o sistema educacional brasileiro. Se isso tivesse sido possível, veríamos todas as questões que foram levantadas, inclusive, e exclusivamente, a preocupação com as condições físicas das escolas e, em especial, com a formação dos alunos. Mas temos que admitir que para prestamos bons serviços, temos que dispor de condições básicas necessárias (o que não vem ocorrendo). Temos que ressaltar que o descaso não está só nas faltas de carteiras. Vai além. Está na falta do giz e do pincel, da impressora que não funciona, no deslocamento do professor de uma escola a outra, e dos três turnos diários que se tem que trabalhar para se completar a garga horária semanal. Os entraves são muitos. A luta é grande. Vamos nos engajar na batalha!

    sidney figueiredo

    03/06/2011 - 21h57

    ela defende a classe massacrada e vc ainda critica sua colega isso sim eu chamo despeito

Mauro A. Silva

24/05/2011 - 11h00

[youtube gWphYx6Fr8U http://www.youtube.com/watch?v=gWphYx6Fr8U youtube]
Professora Amanda Gurgel quer comer o cuscuz dos alunos?
Salário de Deputado Estadual = R$ 19 mil
Salário de professora = R$ 930 reais
Merenda do aluno = R$ 0,21 centavos
Ouvir professora sindicalista dizer que
o professor come a merenda do aluno
porque não tem recurso para se
alimentar fora de casa.. = NÃO TEM PREÇO!!!

Responder

    maria jose

    24/05/2011 - 20h05

    Enquanto reinar a hipocrisia, os cidadãos, os trabalhadores comuns viverão nesta penúria, com a falta do básico:alimentação, educação, moradia, etc e principalmente respeito, enquanto outros esbaldam poderes, dinheiro, etc, mas nenhuma vergonha na cara. Onde vemos pessoas usurpar benefícios financeiros em cima da doença de outros, superfaturando em cima de remédios, se esquecendo do sofrimento físico e imediato de outras pessoas, que dirá da educação?
    Isso e mais que lamentável.

    Franklin

    26/05/2011 - 12h18

    Criticar é muito fácil quando você não dedicou anos de sua vida para o ensino e ver o rumo que a educação do nosso país está tomando: o analfabeto funcional. O professor é preparado para ensinar e repassar seus saberes por um salário de 930,00, enquanto pelo nosso país está cheio de depultados analfabeto. Se quer ajudar, então ajude se não fica calado.

Flav io Miranda

24/05/2011 - 10h40

Não temos o direito de nascer, crescer, estudar, comer, morar… e morrer. O meu nome é “Pobre Salário Miserável Brasileiro”

Responder

    Nick

    24/05/2011 - 18h37

    Mais um burguês, que só estudou em escola particular e nunca teve que comer merenda estragada, voltar para casa por falta de água na escola ou viu um professor cheio de olheiras, a beira de um colapso nervoso.

Francisco Velozo

24/05/2011 - 09h59

"O Brasil não é um país sério" A sociedade brasileira tem colhido exatamente o que plantou, nos últimos 500 anos. Não há inocentes na sociedade brasileira. Há hipocrisia, disputa, rivalidade Nossa cultura sempre deu ênfase a algumas atitudes que embora sejam consideradas ultrapassadas e "anti-éticas", continuam a ser praticadas e são potencialmente perigosas. Infelizmente a "memória do brasileiro" é muito fraca sempre vota em corrupto. Afinal, a "cara-de-pau" é uma "qualidade" nossa. Por que será?

Responder

    Walmir

    24/05/2011 - 19h54

    Nossa não!!!!! Fale e escreva apenas por você.

    Maria José

    24/05/2011 - 20h10

    Bom senso nunca fez mal a ninguém. Se existisse o mínimo de bom senso náo precisaria de tantas leis, conversas etc.

LEONARDO

24/05/2011 - 09h49

Gostaria de saber a opinião dos professores se vocês deixariam de trabalhar os três turnos de vocês para trabalharem somente um turno e ganhar nesse turno o valor de 10 mil reais? Ai eu pergunto novamente a vocês professores se um amigo de vocês trabalhasse os 3 turnos e ganhasse 30 mil reais (10+10+10) de cada turno; qual de vocês aguentaria somente trabalhar um turno e ganhar 10 mil reais e assim melhorar a qualidade de vida que vocês tanto reclamam e também melhorar a qualidade de ensino que vocês dizem está ruim porque os professores do nosso Brasil tem que trabalhar 3 turnos para se sustentar? Quando vocês escolheram essa profissão, já sabiam como ia ser e quanto iriam ganhar ou vocês são tão burros e não pesquisaram primeiro? Professores parem de reclamar e vão lesionar direito nas escolas e ensinar os jovens a pensar melhor e diferente de como vocês estão pensando hoje. Obrigado

Responder

    Neia

    24/05/2011 - 10h16

    Antes de vc criticar professores deveria relembrar que o que te ensinou a soletrar com certeza deve ter ensinado que se escreve LECIONAR e não LESIONAR……….

    Gregório Oliveira

    24/05/2011 - 12h02

    Caro Leonardo,
    Quando alguém escolhe uma profissão — pelo menos, uma profissão de verdade –, não é através de mera pesquisa de quanto vai ganhar ou quantas horas vai trabalhar. É por vocação. Pensa-se em como será bom viver fazendo aquilo de que se gosta. Isso é o mais importante. O salário e a carga horária, obviamente, devem ser levados em consideração. Não são, porém, o principal critério. Quem escolhe uma carreira simplesmente pelo salário está sendo egoísta, pensando apenas em ganhar dinheiro. Quem o faz por vocação, está pensando em usar suas habilidades para ajudar o próximo. Isso, sim, deve ser valorizado. Opiniões como a sua é que conseguem realmente LESIONAR a educação no Brasil. Aliás, como uma opinião dessas, não é de admirar que sua ortografia não seja das melhores.

    Mara

    24/05/2011 - 13h37

    Sr. Leonardo, respeito a sua opinião, mas acredito que o senhor deveria fazer umas aulas de portugues com a professora Amanda. O senhor escreveu"…vão lesionar direito…". Não seria lecionar, a escrita correta ?Volte para a sala de aula e pare de falar mal de coisas que o senhor, com certeza desconhece. Boa tarde.

    Decio

    24/05/2011 - 17h01

    Oi leonardo.

    LECIONAR DEDICAR-SE AO MAGISTÉRIO.
    LESIONAR: ATO QUE OCORREU COM VOCÊ QUE NÃO APRENDEU A ESCREVER NA ESCOLA

    Maria Jose

    24/05/2011 - 20h13

    precisa de um professor que lecione para vc.

    Lícia

    24/05/2011 - 22h56

    Leonardo, sou professora e o meu sonho de consumo é trabalhar apenas UM período. Não precisava nem pagar os 10 mil que voce citou, bastava eu receber o salário que tenho nos dois cargos, tendo apenas um( e olha que não chega nem a metade dos seus 10 mil…).

    Rosiléia

    25/05/2011 - 08h02

    Vc é um Baita ignorante e ainda por cima BURRO! Por causa de pessoas como vc que a Educação está cada vez pior,Pessoa que não olha o PROFESSOR e seu dignissímo trabalho com Valor!
    Vc nem deve voltar a estudar pq não merece que professor algum tenha o trabalho de te ensinar1IDIOTA!!!!

    Frank

    26/05/2011 - 12h28

    O que se espera é um salário digno para forma pessoas de bem que fazem o país crescer e se modernizar. Diferente de pessoas como você que deveria se colocar no lugar dos professores antes de falar MERDA.

    Ernesto Artur

    28/05/2011 - 19h40

    PARABÉNS, Prof. Amanda Gurgel. Declaro a Sra. meu profundo respeito e admiração.
    Eu não pertenço ao corpo docente, mas ao corpo discente. Me sinto prejudicado e desmotivado a fequentar a sala de aula por causa da greve.
    Mas sou totalmente solidário a essa classe tão nobre e ao mesmo tempo tão desrespeitada e desvalorizada, e que são responsáveis diretos pela formação intelectual de nossos filhos.
    Esse sistema mesquinho e esdrúxulo, atendendo a interesses escusos, inverteu os valores, priorizando o o falso e o efêmero, em detrimento da verdade, dos bons costumes e da Educação.
    Reitero o meu apoio à prof. Amanda Gurgel.

    Ernesto Artur

    28/05/2011 - 20h02

    Prof. Amanda, me tornei seu fã. A senhora é um exemplo de dignidade e coragem .
    Um prof., meu amigo, de nome Marício, me enviou uma mensagem que trata da inversão de valores. Fala sobre um Ronaldo Gaúcho (homenageado pela ABL) perceber R$ 1,4 milhão, um Tiririca R$ 36 mil e os professores a fortuna de pouco mais de mil reais por mês (piso). E que dizer da portaria que entrou em vigor dia 01/01/2011, que dá o benefício de R$ 862,11 por filho de presidiários. Professora Amanda, isso é de doer na alma da pessoa responsável que trabalha e paga seus impostos.
    Sociedcade brasileira, vamos entrar nessa luta que é de todos nós com ações efetivas tais como cobrar uma postura das autoridades, pois se não somos professores, nossos filhos são alunos.

    Raquel Francelino

    01/06/2011 - 20h34

    Leonardo, realmente você tem razão , quando você fez a critica porque você sendo jovem ou adulto não aprendeu nem a escrever "lecionar. Vai aprender a escrever e depois vem fazer alguma crítica.

Alex

23/05/2011 - 20h13

a merda p essa mulher ai…..pergunta se ela ja viveu tudo aquilo que a professora Amanda citou em seu discurso??
ela é so mais uma acomodada…

Responder

    teixeira

    26/05/2011 - 10h32

    Perdeste um chance de ficar quieto.Quem não o que dizer ou não sabe o que dizer,não diz.

LUCIANE

23/05/2011 - 20h10

Parabéns professora Amanda,como vc tbm sou professora e senti na pele tudo o que vc estava falando ,sou professora do municipio ,e o salario base daqui é uma vergonha(430,00 , para iniciantes ).Mas quem quer iniciar com um salario desses?Isso é uma vergonha ,mas é verdade .
Parabens pela sua iniciativa ,ESTAMOS TORCENDO POR VC .
BJUS

Responder

Antonio Francisco

23/05/2011 - 18h38

No Brasil professores e policiais são considerados uma classe sem valor , paguem um salário justo a estas categorias e poderão então exigir que os mesmos executem com dignidade as suas funções .

Responder

CESAR CARNEIRO

23/05/2011 - 14h29

Quero postar aqui a definição de "Politico Brasileiro" è um cidadão não preocupado em legislar , executar e promover o bem social do povo, preocupa apenas com o seu ALTISSIMO SALARIO e alguns deles ainda preocupam com os seus familiares e É SÓ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

anonimo

23/05/2011 - 13h22

Qual político aceitaria exercer um mandato recebendo apenas um salário de R$ 930,00. Sabe-se que os interesses da maioria , senão de todos, os políticos são justamente os altos salarios que eles recebem .

Responder

Adriana

23/05/2011 - 11h35

Lendo as postagens dos colegas, acho que devemos refletir nos que muitos disseram que um bom salario nem sempre quer dizer um bom professor, tb concordo, mas para isso tem solução, concurso publico não deve ser cabide de emprego,se o professor não é um bom professor o diretor deveria ter o poder de mandá-lo embora, se o diretor não é um bom diretor deve ser tirado do cargo. Temos que parar de ficar mascarando essas situaçãoes vergonhosas, nada disso justifica o que acontece dentro das escolas. Trabalho em uma creche conveniada com a prefeitura de São Paulo, o professor trabalha 8 horas direto e recebe um salário de 1.200.00 (fora os descontos…). No berçário cada educador fica com 7 bebes, quando uma está sendo alimentado as outras ficam com quem? Quando uma está sendo trocada as demais ficam com quem? E agora como se não bastassem os baixos salários, quantidade pequena de educadores, as ferias coletivas estão sendo banidas…não teremos mais, os educadores tirarão ferias em meses alternados,, mas não teremos ninguém para substitui-los. E como ficarão as crianças? Não temos apoio, somos cobrados de todos os lados…
Um abraço
Adriana

Responder

ARGENTO

23/05/2011 - 11h21

Passados os 15minutos de fama da professora Amanda Gurgel,tudo voltou ao normal.Deputados,Senadores e Presidenta continuam em seus castelos inespugnáveis e insensíveis à Patuléia que os sustenta com sangue,suor e lágrimas.A mídia já colheu seus frutos.Mas,afinal,quem é mesmo esta ‘joana ninguém’ pra se arvorar em defensora dos frascos e dos comprimidos?.

Responder

    AO ARGENTO

    24/05/2011 - 21h23

    Alguém que como nós ficamos diante do computador só teclando e criticando, enquanto outros vão a lutar.

Greve dos professores de Santa Catarina: Quem aderiu, não terá contrato prorrogado | Viomundo - O que você não vê na mídia

23/05/2011 - 10h59

[…] Veja aqui o vídeo da professora do Rio Grande do Norte que bombou no You Tube   […]

Responder

Saldanha

23/05/2011 - 10h32

Esta feita sua professor é implicante: Atinge de cheio o descaso público com a educação no Brasil. Vamos lá! Continue, use do espaço que você conquistou para irradiar os educadores brasileiros desta causa.

Responder

Raimundo Medeiros

22/05/2011 - 18h43

Parabêns a Professora Amanda Gurgel pela coragem de enfrentar a elite política, que engana a todos nós como aquele chove não molha de que só a educação pode mudar o país e trata nossos professores com desreipeito, o professor (a) que estudou toda a sua vida inteira, muitos mestrados, doutores, que gastou muito dinheiro para aprender e quando vai repassar esse conhecimento para seus seguidores (os alunos), recebe um mísero salário de R$ 950,00 por mês.

Vai só para constar:

Gosto muito do cara e sei que ele é apenas mais um a mamar nas tetas do governo:

O grande parlamentar brasileiro TIRIRICA foi diplomado em 17.12.2010……………..
Salário: R$ 26.700,00
Ajuda Custo: R$ 35.053,00
Auxilio Moradia: R$ 3.000,00
Auxilio Gabinete: R$ 60.000,00
Despesa Médica pessoal e familiar: ILIMITADA E INTERNACIONAL (livre escolha de medicos e clinicas).
Telefone Celular: R$ ILIMITADO.
Ainda como bônus anual: R$ (+ 2 salários = 53.400,00)
Passagens e estadia: primeira classe ou executiva sempre
Reuniões no exterior: dois congressos ou equivalente todo ano.
Mensalão: À COMBINAR!!!
Custo médio mensal: R$ 250.000,00
Aposentadoria: total depois de oito anos e com pagamento integral.
Fonte de custeio: NOSSO BOLSO!!!!!!

Fica a minha injuria.

Responder

    Luiz

    22/05/2011 - 18h57

    Lutemos pelo plebicito, pois o povo tem que decidir seu destino por suas próprias mãos…..

    25/02/2011 – 22:52
    Ivan Valente apresenta projeto de plebiscito nacional para garantir 10% do PIB para a Educação

    O deputado federal Ivan Valente protocolou esta semana na Câmara, um projeto de decreto legislativo propondo a realização de um plebiscito nacional em 2012 acerca da destinação de 10% do PIB para a educação pública no país. O texto, apoiado por mais de 180 parlamentares de diferentes partidos, parte do princípio de que a decisão política sobre a elevação dos recursos para o desenvolvimento da educação no Brasil é um desafio de natureza estratégica para o país.

    MARIA PAULA

    22/05/2011 - 20h37

    Assisti com tremenda estranhesa afirmarem que professores do ensino basico teriam salarios em torno de R$1.700,00, isto porque aqui dentro do nosso estado do rio de janeiro municipios como o de Saquarema-RJ não pagam mais de R$600,00 .

    Maria Ignes

    23/05/2011 - 10h16

    Raimundo Medeiros,

    Faço côro as suas palavras. Temos que botar a boca no trombone… temos que denunciar aberrações como essas. Tão visíveis, tão caladas, tão aceitas pelo nosso povo.
    Basta de tantas diferenças. Basta de tanto descaso para com o trabalhador deste país.

    Graças a Deus ainda temos pessoas como a Profa. Amanda Gurgel. Tão nova mas já uma mulher revolucionária e de fibra. PARABENS AMANDA!!!!!!!!!!!!!

    Roberto

    23/05/2011 - 10h24

    Os estados brasileiros nos quais foram eleitos os piores políticos, como; José Sarney, Renan Calheiros, Fernando Collor de Melo, Antônio Carlos Magalhães entre outras coisas ruim, são os estados mais pobres do país, pobre financeiramente e intelectualmente.

    jose

    23/05/2011 - 12h55

    também sou fã do tiririca como humorista. e acho um grande descaso com a educação e com os professores
    acho que politico não deveria ganhar mais que 2 ou 3 mil ta de bom tamanho, queria ver se 90% concoreria a reeileição.

Mauro A. Silva

22/05/2011 - 17h39

[youtube tFttsITRMkw http://www.youtube.com/watch?v=tFttsITRMkw youtube]
A mãe Cremilda Teixeira responde à professora-sindicalista Amanda Gurgel.

Responder

    Ana Dias

    22/05/2011 - 20h31

    Gostaria de saber quanto a sra. Cremilda recebe no cargo de secretária executiva da Comissão de Cidadania da OAB/SP, só por curiosidade.

    RSR

    22/05/2011 - 21h38

    SABE CREMILDA,ACREDITO QUE AS RESPONABILIDADES SÃO DE AMBAS AS PARTES.PROFESSOR,FAMILIA, E GOVERNANTES,SENDO QUE SE CADA QUAL FIZER A SUA PARTE,TEREMOS UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE.SABEMOS QUE A MAIORIA DOS SINDICALISTAS SÓ PENSAM EM SALARIOS,SALARIOS E MAIS SALARIOS,DIFICIL VE ALGUM DELES FALAR EM QUALIDADE DE ENSINO,NÃO ACREDITO QUE A PROFESSORA AMANDA SE PREOCUPA COM A QUALIDADE DO ENSINO,MAS NOTEI QUE ELA DEBOCHOU DAS AUTORIDADES ALI PRESENTES.
    MAS PENSO COMO VOCE,QUANDO O ALUNO FOR PRIORIDADE,E A FAMILIA SER CONSIDERADA O PATRÃO AS COISAS NO MEIO EDUCAIONAL PODEM MUDAR,PORQUE NINGUEM OBRIGA UM PROFESSOR DAR AULA,E OUTRA TAMBEM PENSO QUE SALARIO NÃO RESOLVE SE NAO HOUVER UM BOM MONITORAMENTO,PQ MESMO RECEBENDO POR H/A 2,000,00 REAIS E O PROFESSOR PODENDO TRABALHAR NOS OUTROS TURNOS,ELE CONTINUARÁ TRABALHANDO NOS 3 TRUNOS, ISSO É NATURAL.
    MAS NAO PENSO QUE A EDUCAÇÃO NO APIS ESTÁ TÃO RUIM ASSIM,PQ MUITOS QUEREM SER PROFESSOR…
    MAS SEI QUE É UMA DISCUSSÃO ONDE TODOS TEM SEU PONTO DE VISTA,MAS ESPERO QUE A GREVE DO RIO GRANDE DO NORTE,NAO VIRE MODA E O PAIS INTEIRO COMECE A PARALISAR AS AULAS.

    Conceição Lemes

    22/05/2011 - 21h40

    RSR, por favor, letras minúsculas nos próximos comentários. abs

    Angélica

    23/05/2011 - 10h03

    Essa mulher não frenquenta a escola e não entende nada de educação!!
    Queria ver se estivesse em sala de aula todos os dias como eu, estaria com o mesmo discurso. Ela fala isso porque tem um salário alto, não ganha uma miséria como os professores!
    NÃO SE PODE JOGAR A CULPA DA EDUCAÇÃO FALIDA DO BRASIL NOS PROFESSORES! É o sistema que é falido e ultrapassado.
    È Óbvio que aumentando o salário do professor não se resolve a educação do Brasil, mas é preciso pagar com dignidade e enchergar que esse profissional precisa de condições para trabalhar, e isso não lhe é dado!!!

    Cleciano

    23/05/2011 - 14h09

    É muito fácil para esta senhora agora, depois que ao público vai uma defensora de uma classe que é esquecida, e que essa senhora diz que respeita mas pelo contrário, que desmoraliza e tenta inverter tudo fora dito pela professora, ñ si discutiu tão somente o salário e sim o caos que a estrutura educacional do país se encontra, mas uma vez tenta-se mascarar a verdade e distorcer os fatos. Tudo nessa estrutura educacional é importante e tbm o "professor", e quem vos fala ñ é um professor e sim um aluno. Chega de hcresia

    Juci

    23/05/2011 - 18h28

    D. Cremilda deveria sentir na pela a realidade do professor, vamos deixá-la um mês em sala de aula para ver o que ela acha depois…se ela continuará achando que é o professor que afundou a escola.

    Lícia

    24/05/2011 - 23h04

    affffffffffffff, Cremilda…vai lavar um tanque de roupa ao invés de falar sem propriedade e sem conhecimento de causa.

    Prof

    26/05/2011 - 13h26

    A Sra. nao tem propriedade pra falar do professor, pois a sra. escolheu ser uma pessoa política e certamen te viu a facilidade de ganhar um bom salário e ter inúmeros benefícios e se aposentar com apenas 8 anos de VISITAS a Assembléia . A sra. esqueceu que foi ao palanque para pedir votos e não fez um discurso deste tipo. Se a eleição fosse hoje, tenho certeza que sua fala seria outra, seria de apoio ,por isso tenha cuidado com o que fala para não se arrepender no próximo pleito .Desculpe-me a sra."não sabe oque diz, nem diz o que sabe". Tenha mais respeito e dignidade!

    Lili

    02/06/2011 - 22h43

    Essa senhora é professora? Foi funcionária de alguma escola? Já passou alguns dias dentro de escola de 5ª a 8ª série? Sem dúvida, não, é a resposta a todas as perguntas.
    É muito fácil criticar quem reclama, agora passa uns dias dentro das escolas. Nem os pais dos prórpios alunos não conseguem ficar 1 hora dentro da escola, mesmo aqueles que voltarão para dentro de suas casas querem ser atendidos o mais rápido possível para sair logo de dentro do que eles próprios chamam de "loucura". Secretários executivos geralmente posisiconam-se atrás de alguma mesa e trabalham em cima daquilo que ouvem de seus assistentes.

    Ana Julia

    18/09/2011 - 09h41

    Será que a Dona Cremilda pode nos mostras os seus dígitos salariais? Será que ela já deu aula alguma vez na vida? Os anjinhos que são os alunos a que ela se refere é de qual favela?

Mauro A. Silva

21/05/2011 - 19h40

A mãe Cremilda Teixeira responde à professora Amanda Gurgel…

20/05/2011 08h33
Assembleia Popular

Maior rigor
Cremilda Estella Teixeira, secretária executiva da Comissão de Cidadania da OAB/SP, disse que melhores salários não resolverão os problemas da educação. Para ela, é preciso maior rigor na fiscalização dos professores.

***
O Programa Assembleia Popular é gravado todas as quartas na Assembleia Legislativa de São Paulo. Um resumo é publicado no Diário Oficial da Assembleia Legislativa de SP. E o programa é transmitido pela TV a cabo NET (canal 13) e pela TVA (canal 66) aos sábados, das 20h às 21h. O programa Assembleia Popular também pode ser assistido neste mesmo horário pela internet no seguinte endereço:
http://wwi.al.sp.gov.br/web/altv/alesp.asx

Responder

    josaphat

    22/05/2011 - 18h26

    Estando a Sra. Cremilda tão consternada e preocupada com a dignidade de nossas crianças, aquelas que são vilipendiadas por professores ruins e perversos, bem que podia ela levar alguns dos pobres adolescentes para criar em sua casa. Prestava um serviço à nação.
    Agora, queria saber onde na fala da professora Gurgel há desmerecimento dos alunos?
    E mesmo que o componente da violência em sala de aula – por parte das puras crianças – houvesse sido trazido na fala da professora, não seria justo? Só quem está em sala sabe…
    Ambas as falas trazem o viés ideológico, mas só a da professora traz a prática de ensino.
    A outra, que o Mauro trouxe aqui adjetivada como mãe, é que faz o discurso da pura ideologia desvinculada da realidade. O 'mãe' é o componente para vitimizar e para dar legitimidade de puro sofrimento, igual à ideia de que as crianças são a manifestação da pureza e ingenuidade.
    Queria ver o Mauro numa sala de aula de uma escola pública de periferia de um grande ou médio centro urbano.

    Marcel

    22/05/2011 - 19h27

    Este Mauro é um tucano dissimulado que não quer assumir. A quem ele pensa enganar? Resta saber porque não colabora mais em blogs reaças tipo Reinaldo Azevedo e outros…

    Armando

    22/05/2011 - 19h49

    Típico da elite conservadora paulista: professores e trabalhadores em geral organizados são um perigo para as tradições (cada um no seu quadrado, e bem quadrado, sem contestações ou reivindicações…), para as propriedades (ela odeia escola pública…as privadas estão bem????), para as famílias (as "bem nascidas" que agora importam babás, pois as daqui estão muito exigentes, não é?..). Esse vídeo em nada responde à nobre professora do Rio Grande do Norte!

    Elma

    23/05/2011 - 13h29

    Olha se asecretária pensa assim vem pra sala dar aula. O aluno não é culpado pela educação que recebe, a familia tambem não e o professor muito menos. não estamos brigando por salário e sim por resgate da dignidade do professor que infelismente começa com o resgate do salário. Concordo com você , aluno que aprende passa a exercer seus direitos como cidadão mas infelismente não aprende a votar . Não saos os professores cadidatos. A educação está sucateada, porem não fomos nós PROFESSORES que a sucateamos, foram voces politicos que fizeram uma lei onde o aluno passa sem saber , sem assimilar conteúdo pois assim sendo gera menos despesas e sobra mais para politicos corruptos. Atras de mesa de gabinete e muito facil falar o dificil é ensinar alunos que não querem aprender pois ao final do ano são aprovados. Se acha facil troca de lugar comigo

    Elma

    23/05/2011 - 15h58

    essa ai não teve professora é autodidata

Lucimara

21/05/2011 - 10h34

Caro Azenha,
Para não fugir do assunto, trago a circular enviada pela Secretaria de Educação de SC às escolas, sobre a greve.
Veja o direito à greve como é interpretado por aqui http://prod.midiaindependente.org/pt/blue/2011/05
Abraço,

Responder

    Maria Bernadete

    22/05/2011 - 19h57

    Cara deputada
    Não concordo com vc em muitos aspectos. Eu acho que o que falta é apoio ao professor. Ele também é vítima da escola ruim. Sou aposentada desde 1999. Adoro a educação. Fui professora muito dedicada. Mas os tempos eram outros. Eu tive uma boa formação. Eu sabia acordar o aluno para aprender. Estes professores não sabem.As autoridades devem acordar e encostar nos profissionais para ensiná-los a ensinar.,a aprender lidar com as diferenças. Só crítica não resolve. Que as escolas precisam estruturar os prédios também é verdade. QA política educacional está errada.

    Elma

    23/05/2011 - 16h22

    Caro Azenha deixar um Português dar pitaco nos problemas brasileiros é d+. Levaram nosso ouro podem pagar bem um professor. O nosso problema não será resolvido só com uma melhoria salarial , não queremos ganhar 50 (cinquenta mil ) se assim fosse entrariamos na politica. Queremos ganhar para se ter condição de viver com dignidade. Quanta a educação sucateada, não fomos nós que elaboramos essa lei fajuta que aprova aluno sem saber. Ainda ouvimos de Inspetores( aqueles que fiscalizam) se o aluno não aprendeu da um jeito. Como? Ele não precisa aprender no final do ano é aprovado. Posso ser saudosista mas na minha época que não ta tão longe assim se aprendia. Eu sei a tabuada. Eu aprendi e sei ensinar. Hoje as faculdades não ensimam e colocam no mercado de trabalho profissionais desqualificados. Não precisamos de vigias nas escolas . Precisamos sim de oportunidade de se poder trabalhar bem de garantir que nossos filhos tenham direitos basicos de sobrevivencia, saude, alimentação, vestuario, transporte e o sonho de todo professor EDUCAÇÂO- Acesso as faculdades federais a filhos de professores e não a filhos de deputados. É um absurdo termos que ficar distantes dos nossos filhos pois se veem obrigados a estudar na Bolivia ou buscar melhor de vida em outro pais. Sou professora tenho 30 anos de serviço, amo a minha profissão me orgulho de ver meus alunos que hoje são médicos e sei que dei um pouco de mim na sua formação. Quando preciso de atendimento médico enfrento a fila do SUS pois se tirar do meu salário comprometo meu orçamento e o nosso IPSEMG é um plano de saúde falido. desconto no meu pagamentofazem onde vai o dinheiro não sei. A hora é agora ACORDA BRASIL. Quem está contra a fala de Amanda Gurgel deve fazer parte da panelinha

Mauro A. Silva

21/05/2011 - 07h02

Digite o texto aqui![youtube 2ipaF7KKSMo http://www.youtube.com/watch?v=2ipaF7KKSMo youtube]
Aumento de salário não modifica mau professor
Em palestra proferida na Apeoesp (sindicato de professores de SP), o educador José Pacheco (ex-diretor da Escola da Ponte – Portugal) afirma que aumento de salários não modifica mau professor. Ele cita o exemplo de professores portugueses que estão trabalhando igual ou pior do que quando ganhavam pouco…
http://movimentocoep.ning.com/

Responder

    betina

    21/05/2011 - 19h09

    eu sou fã incondicional deste professor maravilhoso e tudo de bom

    Ana Dias

    22/05/2011 - 20h33

    E daí?
    E o bom professor? aumento de salário estimula o bom professor?
    O baixo salário não pode fazer do bom professor um professor pior?

Eduardo

20/05/2011 - 20h53

Estou lendo que algumas pessoas coloca a professora como oportunista nesta questão de salário, pois bem, 930,00 reais por mês, 3 condução por dia, escolas em estado de calamidade, tráfico de drogas dentro das dependências da escola, falta de equipamentos adequados para acompanhar a evolução do ensino, ameças e agressões aos funcionários, salas cheias com até 40 alunos, falta de alimentação para os professores, carga excessiva e fiquemos por aqui. A professora teve 8 minutos para dizer o mínimo dos fatos para uma pequena platéia composta de professores e uma mesa representada por uma fatia da elite que jura amar o Brazil com Z, e tem mais ela falou pouco colocando o dedo na ferida, enquanto formos governados por essa nata de gente que deita e rola e nada de braçada nas suas posições de prestígio e influência o Brasil com S será sempre um país de continentes de pessoas sem consciência, formação, saber, conhecimento, esclarecimento e espírito crítico dos próprios valores e de outrem, dominada por umas ilhotas de privilegiados gananciosos e egoístas.

Responder

    Adelaide Parra

    23/05/2011 - 09h12

    Amanda Gurgel PARABÉNS!!! Muita coragem para falar o que vivemos no dia a dia na sala de aula. Nosso salário é vergonhoso. E no est. de SP que devemos fazer uma prova para termos um aumento de salário. Qual seria a nota dos nossos governantes, caso eles fizessem a mesma prova?

FHC, o Facebook e a “coalizão de vontades” | Viomundo - O que você não vê na mídia

20/05/2011 - 20h41

[…] professora do Rio Grande do Norte, que protestou contra as condições da educação em seu estado, que reproduzimos aqui. No vídeo da professora, a apresentação enfática acrescentou força à […]

Responder

Erick

20/05/2011 - 18h19

Muito bom esta destemida companheira militante do PSTU em Natal Amanda Gurgel, sempre está na luta.

Responder

    Fernando Mota

    20/05/2011 - 21h39

    Fernando Mota

    20/05/2011 - 21h46

    Ao assistir o depoimento sofrido desta grande professora , que mostrou coragem e dignidade para mostrar a realidade , não só de seu estado , mas de todo o Brasil , podemos ter certeza que nem tudo está perdido , esto é um chamado a nossa categoria , que podemos mudar , que temos força , para enfrentar este marasmo político que a muito tempo vem desclassificando e maltratando todos aqueles que são responsáveis pelo destino deste país , nós professores . Fica aqui a coragem e o exemplo de Amanda Gurgel , pra que sirva de coragem para que possamos mudar … lembra da música ? quem sabe faz a hora não espera acontecer ….

Gustavo - BH

20/05/2011 - 13h30

Não tem PSDB, PV, PTB, PDT, ……..e muito menos PT. Nenhum deles prioriza educação neste país de mensalões, juízes e promotores corruptos, políticos que roubam merenda de crianças, ladrões de dinheiro de obras públicas.
Ajudemos a divulgar opiniões e manifestações inteligentes de profissionais não valorizados como os sempre mal pagos professores brasileiros

Responder

Gustavo - BH

20/05/2011 - 13h20

Concordo c/ a opinião que NENHUM GOVERNO neste país, prioriza a educação. Nem PSDB, PDT, PV, ……… e muito menos o tão defendido PT; que qdo oposição não acrescenta nada nas discussões de crescimento do país e qdo governo só se preocupa com diplomacia em países inexpressivos comercialmente para o Brasil, em arrumar empregos para sindicalistas amigos, ajudar MST e mensalões. A educação de um país não pode ter partido. Tem que ter projeto e pricipalmente execução destes projetos, mas sem políticos envolvidos e sim técnicos.
Parabéns professora Amanda. Os brasileiros precisam aprender a "brigar" c/ inteligência por melhorias; e isso começa aprendendo a escolher melhor nossos ditos "representantes" políticos.

Responder

Antonio C.da Silva

20/05/2011 - 11h37

ASSISTI O VÍDEO, MAS SERÁ QUE SECRETARIA DA EDUCAÇÃO ENTENDEU A MENSAGEM. TEM-SE QUE PROTEGER ESTA DESTEMIDA PROFESSORA AMANDA GURGEL DE RETALIAÇÃO. ATENÇÃO SINDICATO, FIQUEM DE OLHO, NÓS ESTAMOS DE OLHO EM VOCÊS !!! E NO QUE PODERÁ ACONTECER À DESTEMIDA AMANDA.

Responder

Gerson Carneiro

20/05/2011 - 05h23

"Desafio cada um a apresentar um único caso de professor demitido por baixo desempenho" – comentarista Mauro Alves da Silva.

Demitido por baixo desempenho realmente ainda não vi. Mas são castigados. Tanto aqueles de baixo desempenho quanto os de alto desempenho. A começar justamente pelo salário.

Recentemente em São Paulo teve professor que recebeu R$ 0,48 centavos de bônus da política enganosa de premiação inventada pelo José Serra e implementada pelo capacho Paulo Renato.

E sabe qual é um dos resultados dessa política enganosa de premiação inventada por José Serra?
Demitidos não são, mas estão sendo obrigados a pedir exoneração. Isso mesmo. Tem professores concursados pedindo exoneração por desilusão com o tratamento dispensado pelos sucessivos governos estaduais. (se quiser te mostro reportagem da Carta Capital de duas semanas atrás)

Outra coisa Mauro Alves da Silva: a professora do RN não é gananciosa não. R$ 930,00 é salário de estagiário. Se a professora é gananciosa o que dizer dos políticos que ganham muito mais que R$ 930,00 e aumentam repetinanmente os próprios salários?

Você foi muito infeliz dessa vez, meu caro. E não é nada pessoal. Até peço novamente para você me ensinar a postar foto. Só não vou te pagar R$ 930,00 por isso porque seria ganância de sua parte. Abs.

Responder

    Sergio Barbosa

    20/05/2011 - 10h28

    Este Sr. Mauro Aves da Silva,se diz defensor da comunidade(Pais e Alunos) quando na realidade defende o governo do estado de São Paulo e as políticas educacionais do PSDB,É SÓ CONSULTAR OS ARQUIVOS DO VI O MUNDO(2/10/2010) E OLHAR A SUA DECLARAÇÃO DE VOTO,PARA O GOVERNO DE SÃO PAULO,EM GERALDO ALCKMIN.

    Gerson Carneiro

    20/05/2011 - 10h52

    Se ele defende a "comunidade Pais e Alunos" então o discurso dele está coerente tendo em vista que o Governo de São Paulo envia questionário para a residência dos alunos para os pais dedurarem os professores. Tem mais essa. O Governo do Estado de São Paulo promove a caguetagem enviando cartas aos pais diretamente para as residências dos alunos.

    Mauro A. Silva

    20/05/2011 - 21h05

    Sergio,
    as minha posições são públicas. eu fiz a justificativa do meu apoio. Era para combater o mau corporativismo dos sindicatos de professores de SP.
    Uma curiosidade: por que você não informou que na "mesma declaração de voto" eu apoiei a candidata Dilma Rousseff?
    na questão da Educaçõ não dá para ficar preso aos vícios da política partidária.

    É isso.

    Mauro A. Silva

    20/05/2011 - 21h01

    Gerson,
    Um professor não é ganmancioso simplesmente por querer melhor salário…
    Ganancioso é o professor brigar por uma jornada reduzida ao mesmo tempo em que quer vender aulas em 3 escolas… e não ser cobrado em nenhuma delas.
    Eu não vejo problemas em pagar um professor um salário de R$ 2.700 (ou R$ 3 mil), desde que ele se dedique a uma única escola, em tempo integral; e que seja avaliado regularmente.

    PS.: para postar foto basta usar os tags "img src="… depois do sinal de "igual" você coloca o endereço onde está a foto…. tudo isso deve ficar entre os sinais de "mais e menos".
    Por exemplo: http://cremildadentrodaescola.files.wordpress.com
    <img src=http://cremildadentrodaescola.files.wordpress.com/2010/11/cegos_eelucasrasquinho.jpg>

    é isso.

Lucimara

19/05/2011 - 21h52

SC não paga o piso, mas a gestão anterior (Paulo Bauer, ex-secretário da educação; Luiz Henrique da Silveira, ex-governador) pagou mais de 300 MIL REAIS prá uma equipe da OCDE fazer um estudo sobre a situação da educação no estado.
Segue a notícia: http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/portal-soci
E o interessante relatório, que destaca as más condições de trabalho dos professores, carga horária elevada, classes superlotadas: http://www.sed.sc.gov.br/secretaria/documentos/do

Responder

Duda

19/05/2011 - 21h35

Caco Antibes diria "por favor, salvem a professorinha!", só que dessa vez não seria tão engraçado… excelente depoimento.

Responder

Palmas

19/05/2011 - 19h06

Amanda Gurgel é povo, é sangue vermelho de Brasileira. Enquanto isso na Bela Sant Catarina, a rede estadual também está em greve, sem mídia e com alguns professores furando greve com objetivos pessoais. Sim, aqui em Chapecó em um colégio estadual tem professor que está "trabalhando" porque tem objetivos pessoais a conquistar, inclusive da cadeira de história(pasmem). Profe,s conciciência de grupo, de coletividade não se constrói assim. E ainda ganham um salário de 650 merecas por turno? Queridos professores trabalhando de Chapecó vejam o vídeo de sua colega lá do Rio Grande do Norte, só isso.

Responder

Carmem Leporace

19/05/2011 - 18h39

O problema é o seguinte…

"Farinha pouca meu pirão primeiro"""…

O grande problema é que a professora só falou que ganhava pouco.. tudo bem… um bom salário é o mínimo que se espera para um professor… mas em nenhum momento ela mostrou preocupação com os alunos ou condições de trabalho…

Foi só salário mesmo….

Causa própria 100%.

Responder

    João

    19/05/2011 - 19h23

    A preocupação principal com os alunos ela mostra diariamente em sala de aula, ali ela estava falando da categoria. Não fale besteira.

    Carmem Leporace

    19/05/2011 - 19h51

    João??? sei.

    Valeu rapaz…

    Flávia

    19/05/2011 - 20h13

    Contratar um professor para ganhar 930 reais, trabalhar dois ou três turnos e pegar 2 ônibus ou mais para chegar na escola destinada, armá-lo com um giz e exigir que ele salve o Brasil é um absurdo. Os alunos também estão dentro da problemática, mas essa é tão grande que cabem nela muitas e muitas discussões( a situação dos alunos, das escolas e dos professores). A situação dos professores é igualmente importante na esfera da educação, tanto quanto a situação dos alunos.

    Flavia

    19/05/2011 - 20h14

    Profissões bem remuneradas comprovadamente são bem executadas. As condições de trabalho são extremamente relevantes para a QUALIDADE do trabalho exercido. E isso reflete diretamente na condição dos alunos. Por que você acha que são RARAS as escolas públicas de ensino médio que podem prover bons professores de física, química e matemática? Por que nenhum professor quer sacrificar seu intelecto e seus anos de graduação para ganhar 930 reais e não poder alimentar sua família direito. E quanto aos alunos sem bons professores? Como fica a perspectiva de vida deles? Será que eles passam no vestibular? O funil só aumenta e isso é matemática. Maus salários geram possíveis maus professores (e até a falta deles). E não sei você, mas é bem mais difícil aprender eletricidade ou geometria analítica sendo autodidata. E aí, quem você acha que passa no Vestibular? Vamos abrir os olhos.

    leila

    19/05/2011 - 20h42

    Querida, só quem é professor pode entender o caos da Educação e que a culpa de todo esse caos cai sempre na mão do professor, o que ninguém sabe é que se ainda existe escola pública neste país é porque os professores pensam nos alunos e não desistem.Professor é a única profissão que trabalha com a alma, com o coração e que sempre carrega consigo a esperança, a esperança de que seus alunos vivam num mundo melhor. Como professora quero agradecer a Amanda, ela foi a porta voz de todois os professores deste país.

    marcos

    19/05/2011 - 20h45

    Que troll mais aborrecida essa Carmem Leporace!!!! parece que e filiada ao PSDB

    Aline C Pavia

    19/05/2011 - 21h52

    Descobriu a América

    Jorge Augusto

    19/05/2011 - 21h05

    Carmem, acho que você não teve uma boa professora de português. A profª Amanda fez diversas referências à precariedade, inclusive estrutural, do ensino: salas superlotadas e falta de equipamentos básicos ou a presença daqueles meios que caracterizam uma educação do século XIX: lousa, cuspe e giz. Sugiro que a senhora Carmem possa se matricular em um dos diversos cursos de letramento.

    Gerson Carneiro

    19/05/2011 - 21h36

    Se há algo que admiro no Azenha é a sabedoria de manter idiotas como Carmem Leporace nesse blog.
    Não fosse isso seria uma mesmice.

    dukrai

    19/05/2011 - 22h22

    tava querendo entender, obrigado pela explicação, mas dispenso rs

    Gerson Carneiro

    19/05/2011 - 23h31

    Ironia fina, cumpadi. Ironia fina.

    dukrai

    20/05/2011 - 12h00

    kkkk eu juro que foi sem querer querendo.

    annecris

    19/05/2011 - 21h50

    Ela não falou apenas que ganhava pouco, e mesmo que falasse isso já seria o suficiente, pois somos professores e precisamos ganhar pelo nosso trabalho como qualquer outro profissional…não é sacerdócio! infelizmente o tempo era pouco para explanar tudo o que está entalado na garganta de muitos profissionais, que, ao contrario do que a senhora pensa, se preocupa com a qualidade do ensino daqueles que nos são confiados. Mas cada minuto que nos é propiciado para gritar o que querem que calemos deve ser bem utilizado. E ela assim o fez! Que pais e sociedade gritem conosco em favor de QUALIDADE de uma educação, que não é só dever do professor, mas sim, de TODA A SOCIEDADE.

    felipe

    19/05/2011 - 23h03

    Perdoe-me mas acho que vc nao viu o mesmo video que eu, sugiro que vc tente de novo minha amiga, e nao desista pois a reflexao nao é dom somente dons apenas de alguns

    MAMF

    20/05/2011 - 00h54

    Com certeza vc esta trabalhando no governo, pois se fosse professor entenderia o q ela estava falando… DEIXA DE SER BURRO.

    Renato de Mediros

    20/05/2011 - 08h25

    Cara Carnen Laporace você viu o video da Amanda Gurgel muito rápido. O discurso abordado pela Amanda Gurgel pleiteia não só o salario do professor, mas a situação geral da educação em nosso pais e particularmente no Estado do Rio Grande do Norte. Falo isso com propriedade porque sou professor em Natal/RN. O salario é apenas uma das mazelas que tem nos afligidos aqui na capital potiguar. As condições de trabalho são precarias, ganhamos pouco, estamos adocendo e adquirindo doenças psicosomaticas (cerca de 75 a 80% dos professores do RN vão a sala de aula através de uso de remedios psicotropicos, pois de outro modo não teriamos condições de dá uma aula satisfatoria), além da violência crescente nas escolas que não tem o mínimo de segurança e só tendem a crenscer ( obs: muitos professores sofrem agressões dentro e fora de sala de aula, seja por meio verbal ou físico). Entretando você diz que a Amanda fala em causa própria, mas observe que se for consultado o dicionário Aurelio da lingua portuguesa temos a definição de educação ligada a "1 – ato ou efeito de educar (se). 2 – Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral do ser humano. 3 – Civilidade, polidez", ou seja, na primeira definição, particularmente, e nas outras definições são os professores os grandes responsáveis pelo estabelecimento da educação. Portanto, seguindo esta linha de raciocinio temos propriedades e autoridade para reinvidicarmos melhorias, sejam eles salariais, sejam eles de melhoria da estrutura e do ensino. Portanto podemos finalizar dizendo que não é previlegio somente do professor, como categoria trabalhista, reivindicar melhorias tanto de salarios como de estrutura. A melhoria do salario esta intimamente relacionada a melhoria do todo da educação. Não sei se você é professora, mas se não for entendo o porque do seu pensamento, a maioria das pessoas que não estão ligadas diretamente a educação pensam assim. Mas me pergunto se um país que queira ser desenvolvido, o que pressupõe que todos eles só vieram a ser desenvolvidos através do forte investimento na educação, e, isso é comprovado por estudos tanto em paises europeus e naqueles paises asiaticos que em três decadas avanaçaram enormente na educação e que gastam muito tanto na estruturação material e física das escolas assim como pagam bons salarios dos professores, não poderiamos seguir o mesmo exemplo? acho que não, afinal ser professor e receber como recebemos criticas e pontos de vista como os seus, quando após vários anos de reclamações, finalmente, nos revoltamos somos enquadrados, em nosso discurso, apenas como pessoa gananciosas e egoístas que somos. Na verdade se pudessemos deixariamos o exercício do magistério e iriamos abandonas o país nas mão des pessoas como você que são tão generosas, Tente viver com um sálario de R$ 930,00 reais? Espero que não, pois o dinheiro é o menor dos problemas para o educador, falta de estrutura, de transporte digno para os estudantes, professores qualificados e que planejem melhores aulas, diminuição na violência nas escolas e muito mais. Desculpe o desabafo mas ler criticas como as suas nos faz quase disistirmos de lecionar e procurar outro meio de vida. Novamente me desculpe.

    Marcia

    20/05/2011 - 09h42

    é a falta de interpretação que te leva a esta conclusão. A professora está e MUITO preocupada com a educação, por isso que ela reinvidica um melhor salário! É ela e outros que ganham salários como estes e que ainda acreditam na ducação, que estão todos os dias fazendo o seu melhor em sala de aula. Mas são humanos e têm necessidades e desejos de melhoria tanto na vida pessoal quanto na educação. Os melhores professores são os que têm uma formação melhor, mas como melhorar senão temos dinheiro ou tempo para continuar a formação? Talvez a senhora, tenha uma solução para a educação e esta solução! Ou então tente ser professora e vivenciar a situação do PROFESSOR!

    Ana Paula

    20/05/2011 - 21h54

    E qual seria sua sugestão senão a greve para que os governantes ouçam os professores ? Escola pública não dá lucro imediato a ninguém, não para a produção ou a exportação de nada. Ou seja, quando nas grandes fábricas o funcionário cruza os braços, quantos milhões eles deixam de lucrar por dia ? Quando a educação para, quem perde ? O aluno ? Ninguém perde aquilo que não tem pois mesmo com professores em sala de aula o aluno já está perdendo uma vez que não há tempo para o preparo de uma aula melhor, não há tempo para a pesquisa em educação, não há tempo para troca de experiências, não há carga horária que facilite a vida do professor. Portanto,a educação publica no Brasil há tempos está na UTI, mas não será apenas o professor o responsável por esta situação.

    lourdes

    21/05/2011 - 21h17

    A preocupação esta embutida na fala da profesora, quando ela se refere ao fato de que sem o mínimo de dignidade é impossível tratar o outro com a dignidade que lhe é de direito.Formar cidadão é responsabilidade da Escola, mas como?

    Ligia Almeida

    22/05/2011 - 17h45

    Meu Deus, que falta de percepção. Amanda Gurgel usa o salário ridículo que recebe para demonstrar o nível de prioridade que Educação recebe no Brasil. Triste que talvez políticos também não tenham sensibilidade e inteligência suficiente, assim como a Sra. Carmem Leporace, para captar a essência do discurso.

    Nayanna

    23/05/2011 - 16h13

    Eu diria, cara colega, "farinha pouca, meu pirão primeiro", a todos, inclusive a você, que não está uma gota preocupada com nada neste Brasil. Falar do seu próprio salário é apenas um dos mínimos problemas da desvalorização de um profissional neste país, que ainda falta muito para crescer em consciência. Talvez você seria a chave perfeita para reproduzir os discursos daqueles que insistem em continuar na ignorância em vez de enxergar com luz a realidade dos fatos.
    Sou educadora do estado do Maranhão, quem nao é diferente de muitos Brasis afora, mas que sofre o descaso que os governos tem pela educação. Agora, imagina você. Será que foi falta de interpretação de sua parte, ou foi cegueira mesmo quando você escandalizou com suas palavras, o que é inerente a qualquer classe: o salário? Não podemos aceitar que precisamos apenas de um pouco de dinheiro e pão para matar a fome, só porque somos professores. E não venha nos falar que escolhemos essa profissão por falta de oportunidade ou por pouca inteligência, pois ser professor nesse país exige, sangue, pulso, inteligência emocional e intelectual, além de amor pela humanidade para educar pessoas que não são do nosso próprio sangue. Acho que você andou faltando nas aulinhas de português da sua professora, acho, desculpa.
    Lembre-se querida, você também paga os impostos, sabia? Não te ensinaram isso na escola? Então, aprenda agora.
    Pense: Se tivéssemos uma educação de qualidade, merenda boa, professores bem remunerados, acessibilidade, transporte, médicos, psicólogos etc, no interior da escola, imagine o quanto em seu dinheiro iria render em 100%, daria até para você comprar um imóvel, automóvel, roupas, objetos de decoração, tudo que você sonhou, se não fosse ter que bancar tudo isso pela educação dos seus filhos, ou até a sua mesma. Sobraria 100% para você.
    A professora Amanda gritou a voz dos milhões de professores que lidam todos os dias com inúmeras realidades, mas que nunca são ouvidos porque em todos os lugares existem pessoas como você, que sempre tem o que dizer de nós professores, como não se fizéssemos parte dessa nação.
    Acredito eu, que a professora Amanda esteja sim preocupada com a qualidade da educação, além do salário. As pelavras dela foram as mais honestas possíveis. Palavras de quem vivencia uma realidade e não poderia brincar de plenário para ser vista pela nação como heroína.
    Eu recebo querida, R$ 561,00(quinhentos e sessenta e um reais), isso pagaria o seu conforto? O seu cabaleireiro? Nunca!
    Por opção? Falta de oportunidade?
    A verdade é que professores e professores sempre acham que vão mudar o futuro de um país. Amor e esperança sempre foram o nosso lema. Ela está sim preocupada com os inúmeros casos de desprestígio e desvalorização dos profissionais da nossa classe, também com a parendizagem dos alunos que depende muito da nossa disposição e consciência de querer melhorar os números absurdos desse Brasil.
    Dinheiro é bom e todos gostam! Por acaso, quanto você ganha?
    Assim:
    Causa própria 100%
    Causa nossa+impostos que você paga para serem reaplicados em educação 100%
    Qualidade de vida 100%
    Bens e serviços 100%
    Educação de qualidade 100%
    Veja como é simples, assim você poderia comprar aquele belo par de sapatos para frequentar aquela festa sem se preocupar com tantas coisas…

    Xavier

    23/05/2011 - 17h28

    Ela tem que pensar nos problemas dela e de todos os professores mesmo pra poder se dedicar aos alunos não seja hipocrita

    Xavier

    23/05/2011 - 17h28

    OK

O_Brasileiro

19/05/2011 - 18h14

Vi um post que falava em lei de responsabilidade fiscal.
Só que os políticos não lembram da responsabilidade fiscal quando contratam, sem concurso, 40 funcionários para seus gabinetes. Nem quando pagam mais de 5.000 reais para auxiliares técnicos do judiciário. Nem quando os juízes e outros marajás ganham acima do teto permitido por lei.
Só lembram da lei de responsabilidade fiscal quando tem que aumentar os salários dos professores, dos médicos e dos policiais.

Responder

    Carmem Leporace

    19/05/2011 - 19h52

    Concordo.

    M. S. Romares

    19/05/2011 - 22h32

    Brasileiro, fique de sobreaviso: o seu carmem concordou com voce.

AugustoJHoffmann

19/05/2011 - 18h05

Talvez alguém já tenha informado, mas em Santa Catarina, o valor base é algo em torno de R$ 650,00. A moçada, com toda a razão, está de braços cruzados e chiando alto.

Responder

NELSON NISENBAUM

19/05/2011 - 17h34

Chamem agora o GUSTAVO IOSCHPE COSPE.

Responder

    Ana

    23/05/2011 - 20h39

    O sr. Gustavo Ioschpe deve estar com a agenda ocupadérrima, dando palestras $$$ sobre a educação, com base na sua especialização. Mas afinal, gostaria de saber como foi essa especialização, onde foi, teve um tempo em sala de aula, sabe bem como é a dinâmica escolar?

Armando S Marangoni

19/05/2011 - 16h50

Alô Sr. Moderador, cadê meu comentário?

Responder

ZePovinho

19/05/2011 - 16h26

Dica da Nivea Moreno:

[youtube sPD7j49_F6c http://www.youtube.com/watch?v=sPD7j49_F6c youtube]

Responder

    Luiz Fortaleza

    19/05/2011 - 17h45

    Pena q foi uma entrevista sem muita exposição, morna… mas cinco minutos… De qualquer forma, parabéns a professora por ser porta voz do grito das oprimidas em sala de aula…

    FrancoAtirador

    19/05/2011 - 22h57

    .
    .
    Esperava o que da TV Cabugi, afiliada da RGTV, do Coronel Alves ?

    Até achei muito convidarem a professora para dar entrevista.
    .
    .

Almerindo

19/05/2011 - 15h56

Fora do assunto, MAS…

Azenha, na "capa" da óia tem coisa grave. Veja no topo da capa, do lado direito da foto da lady gaga:
http://veja.abril.com.br/180511/pop_up_capa.html

Adianto: "como a narcoguerrilha arrecadava dinheiro no Brasil com a ajuda do PT"

É MOLE??? O PT não fará NADA???

Responder

Nivea Moreno

19/05/2011 - 15h19

Vejam a entrevista da Professora Amanda Gurgel hoje no RNTV 1ª edição (TV Cabugi afiliada da Rede Globo:
.
<object width="480" height="390"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/sPD7j49_F6c?fs=1&amp;hl=pt_BR&amp;rel=0"></param><param name="allowFullScreen" value="true"></param><param name="allowscriptaccess" value="always"></param><embed src="http://www.youtube.com/v/sPD7j49_F6c?fs=1&amp;hl=pt_BR&amp;rel=0&quot; type="application/x-shockwave-flash" width="480" height="390" allowscriptaccess="always" allowfullscreen="true"></embed></object>
http://www.youtube.com/watch?v=sPD7j49_F6c

Responder

Nivea Moreno

19/05/2011 - 15h16

Vejam a entrevista da Professora Amanda Gurgel hoje no RNTV 1ª edição (TV Cabugi afliada da Rede Globo)
. http://www.youtube.com/watch?v=sPD7j49_F6c

Responder

João Bahia

19/05/2011 - 15h12

As pessoas dão voltas, pulos, piruetas para não admitir o essencial: é preciso acabar com o ensino (obrigatório) privado, em todos os níveis. Faça isso hoje e amanhã começam a ser resolvidos todos os problemas relacionados com a educação. Enquanto houver uma educação para o pobre e outra para o rico não resolveremos esse problema…

Responder

Marcelo Silber

19/05/2011 - 14h48

Caros Amigos
Parabens a Profa. Amanda Gurgel.Que todos os funcionários da Secretaria de Educação do Rio Grande do Norte, de todos os Estados brasileiros e do Ministério da Educação vejam e reflitam sobre as palavras proferidas. Que um dia, uma educação de verdade e de qualidade possa ser oferecida a todas as nossas crianças e em todos os rincões do nosso pais e que todos os mestres e professores possam exercer sua profissão-missão com dignidade, altivez e respeito.

Responder

    NELSON NISENBAUM

    19/05/2011 - 17h30

    Grande Marcelo! Passei por aqui e deixo o meu abraço e minha total concordância com o teu texto.

ARGENTO

19/05/2011 - 14h38

"Parabéns à Professora Amanda Gurgel";últimas palavras da mesa diretora,acabou.As providência serão as Eleitoreiras de sempre.Néscios, acreditam que vivem em uma democracia apenas pelo fato de poderem chamar qualquer político ou partido de Filho(s) de Prostituta,não se dão conta do quanto são manipulados,pensa que vivem em uma democracia.Mal sabem,os pseudo-politizados,que estão fora da Oligarquia que manda.A Professora Amanda Gurgel apenas emprestou sua voz aos que não têm voz neste país de Discursos e Propaganda.Nada mais.

Responder

FrancoAtirador

19/05/2011 - 14h15

.
.
CAMPANHA PARA A FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM TODOS OS NÍVEIS

Encaremos a realidade: a estadualização e a municipalização da educação fracassaram.

Os motivos desse fracasso são tantos, que talvez seja impossível enumerá-los todos:

Faltam gerenciamento, planejamento, projetos, vontade política e interesse público.

E sobram desvio de verbas, descaso administrativo, sucateamento e precariedade nos serviços.

É o verdadeiro caos nacional.

Está na hora de repensarmos a estrutura do sistema educacional brasileiro.

Os estados e os municípios, salvo exceções esporádicas, se demonstraram incapazes de executar as Diretrizes Básicas da Educação previstas na LDB (Lei 9394/96).

O novo Plano Nacional da Educação, do governo federal, é muito bom, mas a quem cabe implementá-lo?
Aos 26 estados e aos 5.565 municípios, a maioria em situação econômica precária e sem um aparelhamento funcional, especialmente técnico-administrativo, sem condições, sequer, de elaborar projetos e encaminhá-los ao Ministério da Educação.

Decorre daí, por exemplo, o passeio da verba federal, que inúmeras vezes é liberada pelo Governo Federal, porém retorna ao Tesouro Nacional sem a devida execução orçamentária, simplesmente porque não foi elaborado um projeto pelo estado ou pelo município.

Sem falar no desvio desta mesma verba nos trâmites burocráticos internos.

Os problemas são de toda ordem: política, administrativa, financeira, legislativa e estrutural.

As maiores contestações e resistências, em relação a uma mudança radical no sistema, partem dos governos estaduais e dos grandes municípios, com orçamentos robustos, já que os caciques políticos regionais, notadamente governadores, senadores e aspirantes a tais cargos, jamais vão admitir esta alteração das competências administrativa e financeira, pois significará perda do poder político e econômico nos estados.

Certamente o tema é bastante complexo e precisa de amadurecimento, até porque envolve alteração de normas constitucionais, mas inegavelmente uma mudança radical na estrutura do sistema educacional é necessária e urgente.

Este debate sobre a Educação Brasileira é de suma importância para o País.

A proposta está lançada:

PELA FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM TODOS OS NÍVEIS !
.
.

Responder

    Olga

    19/05/2011 - 22h02

    Gostei da sua idéia. O fracasso é total.

    maísa paranhos

    19/05/2011 - 23h34

    Oi, Franco Atirador! Finalmente uma manifestação sobre a federalização da Educação, que tem ficado nas mãos de interesses escusos, e sem a devida vontade política tão necessária. Será um trabalho árduo mudar a competência da Educação. Se o governo Federal não tomar para si a responsabilidde total de algo sagrado como a Educação ela ficará fragmentada, sem unidade, sem responder, inclusive, aos interesses nacionais.
    Amanda toca no elemento primordial da Educação: o Educador. Se este não for cuidado, olhado, bem pago, pergunto, como será objeto ds necessária transferência para a garotada, na construção dos diversos saberes?

ru estr

19/05/2011 - 14h11

Estupendo…a voz e vez dos educadores …

Responder

Marcelo

19/05/2011 - 14h02

Um tapa na cara dos Paulos Renatos, dos Serras, Kassabs, Alckimistas, Mauros, Cremildas, Giulias e Glórias da vida (podre) que pululam por aí "preocupados" com a educação. Parabens Professora Amanda pela categoria!!!!!!

Responder

FrancoAtirador

19/05/2011 - 13h29

.
.
CAMPANHA PELA FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM TODOS OS NÍVEIS

O Viomundo abriu este espaço para um discussão importante.
.
.
O ZePovinho deu o mote:

"Vamos defender a criação de uma Rede Federal de Educação Básica (do maternal ao ensino médio).Estados e municípios não têm competência ( e nem vontade) de entregar educação pública de qualidade aos brasileiros que não podem pagar uma boa escola privada."

Eu aderi:

"Há tempos venho refletindo na questão e cheguei a esta triste constatação:
A estadualização e a municipalização da educação e da saúde fracassaram.
E os motivos desse fracasso são tantos, que talvez seja impossível enumerá-los todos:
Faltam gerenciamento, planejamento, projetos, vontade política e interesse público.
E sobram desvio de verbas, descaso administrativo, sucateamento e precariedade nos serviços.
É o verdadeiro caos nacional."

O Roberto Locatelli complementou:

"No primeiro mandato de Lula, ele iniciou um movimento pela federalização do ensino. Mas sofreu ataques furiosos da elite. E recuou. Será que não é o caso de se pensar nisso novamente?"

O Marco Tulio, por sua vez, assim se manifestou:

"Cara…que felicidade ler isso.
Não é de hoje que venho falando isso aqui e acolá, mas minha voz sozinha é muito baixinha para ser ouvida…quem sabe daqui do Viomundo que é um espaço respeitado e de grande repercussão na blogosfera possa germinar essa idéia e tomar corpo junto à opinião pública.
Enquanto a fase mais importante da educação, que é a fundamental, continuar gerida por essa cambada (exceções há, apenas para confirmar a regra) de prefeitos ignorantes e corruptos e incompetentes vamos continuar nessa situação patética.
Federalizar o ensino fundamental com URGÊNCIA é a única solução (objetiva e de curto prazo, como bem disse a Profª Amanda Gurgel, ainda que não sobre a federalização) para reverter esse quadro dantesco.

Paralamente, o Pedro Luis Paredes fez comentário no mesmo sentido:

"Esse passeio da verba federal seria encurtado se eliminássemos os Estados.
Assim as demandas seriam as mesmas em todas as escolas do Brasil pois teriam a mesma fonte e o mesmo padrão de gasto.
Sendo as mesmas demandas, a mobilização e a união do setor seria muito mais fácil, sempre pontual e com mais responsabilidade.
Hoje cada estado tem um piso, demandas diferentes, gargalos diferentes. Isto é um absurdo sob o ponto de vista constitucional.
Não alcançaremos a democracia de oportunidades dessa forma uma vez que a constituição quer justamente diminuir as desigualdades regionais…
A educação deve ser a mesma para o Brasil inteiro, não sofre de elementos circunstanciais e locais, então não cabe aos estados tomarem conta se no fim das contas quem executa são as cidades. O executivo dos estados estão de gaiato nessa estória…
A questão da segurança se estende aos carceres, drogas e oportunidade (educação).
As questão da saúde…dependem da educação que seria feita pelas cidades subordinadas diretamente à União.
Digo isso porque com boa educação diminuímos custos com saúde e segurança; diminuímos custos futuros.
Se querem mudar o Brasil, mudem a educação.
Se querem mudar a educação, unifiquem-na.
Estamos a quanto tempo mendigando mudanças?
Dando tiro no escuro?
Rodando em círculos?
Desde 1989?
Só por falta de força política?
Para ganhar merreca?
Não brinco com esse tipo de assunto.
O momento agora é perfeito pois precisamos de gente capacitada; o governo tende a ceder; até a rede bobo esta defendendo a melhora na educação (por razões diferentes é claro); e principalmente porque ainda precisamos.
Os professores desconhecem o poder que tem nas mãos. Se conhecem, não sabem como usá-lo."
.
.
Pergunto a todos:

Não seria o momento para ampliar esta discussão e transformá-la em um debate nacional sobre os rumos da Educação no Brasil?
.
.
Aguardamos adesões, especialmente dos educadores e dos blogueiros que lutam por uma educação de qualidade no País.
.
.

Responder

Magda Rejane

19/05/2011 - 13h04

Professora Amanda, verdade que todos já sabem e conhecem a situação da educação do RN e do Brasil, mais ninguém nunca conseguiu expressar através da fala com tanta maestria, se fazendo entender tão bem a situação dos nossos professores. Parabéns pela sua atitude e pelo seu preparo como educadora.

Responder

Audiência

19/05/2011 - 12h48

Secretarios de Estado e Municipios, Deputados, senadores, vereadores, Ministros de órgãos da Justiça, Ministros do governo Federal prefeitos, governadores, Presidente, concedam audiências públicas aos cidadãos brasileiros, os que votam e elegem pra que os senhores ouçam o que os cidadãos brasileiros tem a falar sobre a realidade de nossas vidas e suas ações de gestão pública.

Responder

Beleti

19/05/2011 - 12h38

Mandou bem!

Responder

Patricia

19/05/2011 - 12h38

Depois de um discurso que retrata de forma tão clara a siruação da educação do nosso pais soódemos dizer: Parabéns Amada!!!!

Responder

Mauro A. Silva

19/05/2011 - 12h02

Tem muito professor conivente com esta situção.
O governo não investe, e o professor não pode ser cobrado de nada…
Vamos ajudar a mateática da professora com 3 empregos? 3 X R$ 930 = R$ 2.790 !!!
Muitos professores não aceitam a dedicação integral a uma única escola, pois assim não serão responsabilizados pelo baixo desempenho de nenhuma delas!
Imaginem a droga de aulas que é dada por um professor ao final do dia, por exemplo.

S. Paulo, 19 de maio de 2011.
Mauro Alves da Silva http://movimentocoep.ning.com/

[youtube eDBVLYFb3TY http://www.youtube.com/watch?v=eDBVLYFb3TY youtube]

Responder

    Sebastião Medeiros

    19/05/2011 - 12h57

    Sr Mauro A. Silva por que o Sr. tem tanto ÓDIO CONTRA OS PROFESSORES?Maus Profissionais existem em toda área e a maioria dos professores são levados a se submeterem as condições mais humilhantes,degradantes E ESTRESSANTES possíveis,como jornadas de 70 horas semanais para ter um salário que cubra as suas despesas domésticas e além disso,levam trabalhos para casa,como provas e atividades dos alunos para serem corrigidos,sacrificando a sua família nos finais de semana e feriados.
    Sr. Mauro A. Silva analise os vários ângulos da quetão educacional e CHEGA DE TANTA RAIVA CONTRA UMA CATEGORIA PROFISSIONAL!

    Mauro A. Silva

    19/05/2011 - 13h21

    Não me meça pela sua régua.
    em todas ass profissões existem "bons" e "maus" profissionais… Mas,, no Brasil, professor(a) é sempre "santo-abnegado".
    A nossa principal crítica ao mau corporativismo é pela falácia da "isonomia": tabalhe bem ou trbalhe mal, o professor recebe sempre o mesmo contracheque.
    Desafio você e qualquer outro a citar um único professor que tenha sido demitido por baixo desempenho.

    Por último, vale destcar que a refeida professora nem mesmo está em sala de aula… está "afastada" por questão de saúde, está lotada na biblioteca da escola…

    josaphat

    22/05/2011 - 18h31

    De onde você traz os dados sobre demissões de professores? Se são confiáveis, você poderia nos mostrar uma relação com as demissões por justa causa – no caso, após processo administrativo – das demais categorias de servidores públicos?

    nora j. s. silva

    19/05/2011 - 13h40

    Sr . Mauro, o senhor não sabe nada do que acontece com a educação pública. O senhor escreveu tantas asneiras que nem tem jeito da gente lhe ajudar a desfazer tal equívoco. Então, para que o senhor mantenha
    o que lhe resta de dignidade, feche a sua boca e não fale mais daquilo que o senhor não conhece. .

    Molina

    19/05/2011 - 13h58

    Sempre aparece um urubu se aproveitando da situação. Aqui está um destes travestido de defensor da educação. É só consultar o bloginho dele…

    Mauro Alves da Silva

    19/05/2011 - 21h04

    Eu respondi às críticas. Parece que houve censura.
    A questão é que existem maus profissionais em todas a profissões. Mas só os professores são tratados como santos-abnegados. toda e qualquer crítica é tradada como heresia.
    Desafio cada um a apresentar um único caso de professor demitido por baixo desempenho.
    O Movimento Comunidade de Olho na Escol aPública foi criado para defender a educação pública pela visão dos alunos, pais e comunidade. Os professores já êm inúmeros sindicatos.
    Um dos principais objetivos do Movimento COEP é desmistificar a historinha da professorinha-santa-abnegada.
    Os professores devem ser tratados mo profissionais. Nem mais., nem menos.
    No caso concreto, identificamos que a professor é militante sindical, defende a greve… e não está em sala de aula… está atuando na biblioteca da escola…

    é isso.

    Sergio Barbosa

    20/05/2011 - 00h35

    Qual o problema da professora ser militante sindical e defender a greve.A sindicalização e a greve é um direito democrático de qualquer categoria profissional e consagrado na constituição federal de 1988,mas que sujeito AUTORITÁRIO é o Sr. Mauro A. da Silva deve ter saudade da ditadura militar.E outra coisa devido a falta de estrutura ,a falta de verbas e os baixos salários nos diversos sistemas educacionais do Brasil(Estaduais e Municipais) logo não haverá profissionais para atender a demanda educacional Brasileira.E se começarem a demitir professores por baixo desempenho não vai sobrar nenhum professor nas redes educacionais.
    PS:A professora do vídeo pode estar atuando na biblioteca devido a precariedade nas condições de trabalho que existe no atual sistema educacional.

    Mauro A. Silva

    20/05/2011 - 08h18

    Resposta 2 – ao Sérgio Barbosa:
    Não é "problema" a professora ser militante sindical. É um fato. Eu fiz o destaque porque o vídeo conta uma história parcial da grave crise educacional brasileira.
    Um professor que vende aulas em 3 escolas também faz parte da enganação a que são submetidas as crianças nas escolas públicas.
    Todas as mães e pais defendem que os professores sejam bem remunerados… quem seria louco de querer entregar seus filhos aos cuidados de um profissional mal pago?
    A questão fundamental é outra: o que fazer com o mau professor que já está atuando no sistema? Devemos tratar este mau profissional da mesma forma como vamos tratar o bom professor?
    Os sindicatos são corporativistas. Defendem os interesses do corporativismo. Estes interesses nem sempre são a favor da melhoria da educação. Por exemplo: a greve dos professores no Rio Grande do Norte defende que o professor tenha uma licença para fazer cursos de aperfeiçoamento… Mas já está mais do que provado: a capacitação e a formação continuada deve ser feita concomitante com a atuação do professor em sala de aula. Existem vários exemplos de professores que ficaram afastados para fazer os tais “cursos” e, ao voltarem para a sala de aula, não tiveram a capacidade de adaptar a “nova teoria” à realidade da sala de aula.
    Vejam as notas (Ideb) das escolas onde a professora vende suas aulas:
    – Escola Municipal Prof. Amadeu Araújo = nota 3,1 (9a serie do ensino fundamental); e
    – Escola Estadual Myriam Coeli = nota 2,4 (9a serie do ensino fundamental);
    Com estas notas ridículas, certamente a professora também faz parte da enganação a que são submetidas as crianças destas escolinhas da capital Natal, do Rio Grande do Norte.

    É isso, por enquanto.

    Mauro Alves da Silva
    Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública. http://movimentocoep.ning.com/

    Sergio Barbosa

    20/05/2011 - 10h47

    Sr. Mauro Alves da Silva os sindicatos e a luta dos trabalhadores são nessários para a evitar a super exploração dos trabalhadores de qualquer área inclusive na área educacional e outra coisa, como fazer um curso de aperfeiçoamento se o professor é obrigado a trabalhar 12 horas por dia em duas ou três escola devido aos baixíssimos salários,um professor aposentado,que trabalhou durante 30 anos, no Estado de SÃO PAULO esta recebendo em torno de 2000 reais na realidade o Sr. mas é um defensor das políticas educacionais neoliberais do PSDB DO QUE UM DEFENDOR DA COMUNIDADE ESCOLAR.

    Sergio Barbosa

    20/05/2011 - 11h37

    O professor aposentado esta ganhado em torno de 2000 REAIS no Estado mais rico da Nação,agora imaginem se não houvesse sindicatos como deseja o Sr. Mauro A. da Silva, quanto estaria ganhado um professor aposentado: 930 reais,salário mínimo ou uma cesta básica por mês.
    A Realidade da escola pública no Estado de São Paulo é a seguinte em muitas Escolas:Salas de aula super lotadas com até 55 alunos por classe,total falta de estrutura,falta de segurança que afeta tanto os professores como os alunos e a comunidade escolar em geral,falta de política pedagógica e além disso é claro os baixos salários!

    Mauro A. Silva

    20/05/2011 - 12h20

    Mauro Alves da Silva – Resposta 3
    Sr. Sergio,
    O Movimento COEP é a favor da liberdade sindical. Inclusive a favor do fim da unicidade sindical e de que os sindicatos sejam financiados com verbas do poder público. Mas isto é outra discussão.
    A questão dos 2 ou 3 empregos é um engodo, um falso álibi para o professor não ser cobrado pelo baixo desempenho de nenhuma da suas “2 ou 3” escolas!
    Em que outra profissão alguém poderia alegar baixo desempenho (e não ser demitido) alegando que isto se deve ao seu “outro emprego”?
    Um professor que vende aulas em três escolas (1 municipal, 1 estadual, e 1 particular) presta contas a “qual patrão”? Quais são os alunos que terão mais “atenção” de professor tri-atleta?
    A corporação dos professores também tem culpa na degradação do magistério. Como é possível aceitar que o sindicato dos professores de SP, por exemplo, façam uma greve para obrigar o governo a contratar “professores nota-zero”?
    Em SP, muito professores sentem-se “confortáveis” com os seus contratos temporários, que já duram mais de 10 anos… sem concurso público, eles também não são cobrados nas suas responsabilidades.
    Tachar os adversários do mau corporativismo de “neo liberais” não vai conseguir desqualificar os interlocutores… não resolve nada, nem mesmo pode ser utilizado para mobilizar os pais para uma “greve corporativa”… nem serve para garantir a presença destes mesmos pais em uma efetiva gestão democrática nas escolas públicas…
    Por último, esclareço que o Movimento COEP não foi criado para defender a “comunidade escolar”. O COEP foi criado para defender o ponto de vista dos alunos, dos pais e da comunidade na área da educação e no ambiente escolar, o qual sempre esteve dominado por interesses corporativistas.

    É isso.

    São Paulo, 20 de maio de 2011.
    Mauro Alves da Silva http://movimentocoep.ning.com/

    josaphat

    22/05/2011 - 18h34

    Eu acho é que o senhor não aproveitou muito bem as aulas de português. Com certeza ficava mais preocupado em amaldiçoar a professora.

    Anita C. Guimarães

    20/05/2011 - 11h55

    Sr Mauro, por acaso o Sr. já deu alguma aula, em classes como a da prof. Amanda? Eu já, e em escola com 1º, 2º, 3º anos juntos! Tenho a impressão que o sr. faz parte da corja dos assessores de deputados e seus ganhos, nas costas dos pobres, pelos impostos, fui professora por três períodos e sim uma ÓTIMA professora, que até hoje recebo elogios de alunos que encontro pelas ruas, mas o que consegui com meu marido trabalhando arduamente, foi criar meus filhos dando à eles uma educação decente e os formando à todos! 2 engenheiros, 1 advogada, 1 Auditora contábil e uma administradora, e o senhor? quanto ganhava para educar seus filhos???????Dando aulas?????
    Dando aulas, tive dois filhos que quase nasceram em sala de aula, e aí sr.? Só pude melhorar depois de sair do magistério e ir para a iniciativa privada!!!!!! Para ser ouvido neste país, tem mesmo é que subir no tamanco, rodar a baiana, senão ,fica como o coitado do índio pataxó queimado em Brasilia!!!!

    Anita C. Guimarães

    20/05/2011 - 11h57

    O senhor é um desaforado, se eu ainda estivesse exercendo o magistério eu o processaria por este vídeo de melô da professora gananciosa, pois é muita falta de ombridade, de honradez, o sr não merece ser chamado de homem e sim de um ser rastejante, asqueroso!!!!!!!!!!!

    Mauro A. Silva

    20/05/2011 - 13h19

    era assim que vc tratava os alunos que discordavam de suass posições?

    josaphat

    22/05/2011 - 18h38

    A única pessoa aqui que quer transformar professores em santos é você. Eu sou professor e não sou santo. Para você ter uma ideia, sonho com o dia em que seremos de fato corporativos e façamos uma linda greve deixando milhões de alunos sem aula por esse país afora. Mas por enquanto eu só vou mesmo é encher o saco de chatos como vossa senhoria.

Fernando

19/05/2011 - 12h00

A professora Amanda Gurgel criou um perfil no tweeter:

@amandapstu

Responder

    Nivea Moreno

    19/05/2011 - 15h28

    Falso. Ela não tem conta nem no Twetter, facebook, conforme a própria informou a poucas horas numa entrevista local aqui de Natal. Inclusive ela falou nestes perfis falsos que estão criando.

    FrancoAtirador

    19/05/2011 - 22h31

    Este é o perfil verdadeiro:

    Amanda Gurgel
    @amandapstu Natal/RN
    Professora da rede pública de ensino de Natal e do Estado do Rio Grande do Norte. Militante da Oposição ao SINTE/Conlutas e do PSTU.

    amandapstu Amanda Gurgel
    Olá, pessoal. Agora, além do @amandapstu, tenho também outro twitter: @amandagurgel930… Afinal, R$ 930,00 de salário…
    »
    amandapstu Amanda Gurgel
    @Juary_Chagas: Obrigada por me ajudar a criar isto… rs
    18 May
    »
    amandapstu Amanda Gurgel
    Olá, pessoal. Não tinha twitter até hoje, mas fui praticamente "obrigada" a fazê-lo pois começaram a surgir perfis falsos com o meu nome…
    18 May

Luciano

19/05/2011 - 11h58

Entrevista dela após toda essa repercurssão: http://tribunadonorte.com.br/noticia/eu-nao-enten

Lúcida e centrada!

Responder

Luci

19/05/2011 - 11h54

Educação nunca foi prioridade. Esta professora falou por milhões de brasileiros.Prioridade para sáude, educação e justiça.

Responder

Maria Luiza Tonelli

19/05/2011 - 11h52

Caro Azenha,
Veja a entrevista com a jovem, lúcida e corajosa Professora Amanda Gurgel, publicada no jornal Tribuna do Norte, em Natal.
“Eu não entendo essa repercussão” http://tribunadonorte.com.br/noticia/eu-nao-enten

Responder

Luca K

19/05/2011 - 11h50

Parabéns professora Amanda!!! Mandou bem demais!!

Responder

Luciano

19/05/2011 - 11h49

Fenomenal a tapa de luvas q essa guerreira dá na cara dos parasitas….

Responder

ARGENTO

19/05/2011 - 11h30

"Parabéns à Professora Amanda Gurgel", últimas palavras da mesa diretora;acabou aqui.Nenhuma providência será tomada, a não ser as Eleitoreiras de sempre.A Professora Amanda Gurgel apenas emprestou sua voz aos que não têm voz neste país de Discursos e Propaganda.O salário mínimo foi corrigido em 6,86% enquanto os Aumentos no salário de qualquer político gira em torno dos 50%.Néscios acreditam que vivem em uma democracia apenas pelo fato de poderem chamar qualquer político de Filho de Prostituta.

Responder

domingos

19/05/2011 - 11h10

É isso: querem que os professores salvem a sociedade brasileira.

Responder

Carmem Leporace

19/05/2011 - 10h49

Esquenta não fessora… o Lula arrumou uma copa do mundo no Brasiiiiiilllllll…

O Rio Grande do Norte vai construir um elefante branco de 700 milhões de reais… qua qua qua…coisas do Nunca Dantes… coisas da JK de saias…. pedra fundamental, pingo de solda, terreno baldio em Osasco que eles contam com universidade…. esse Nunca…. qua qua qua… fizeram mais de 40 por esses ""critérios""" tudo placa… kkkkkkkk…. tem obra ""inaugurada""" por ele que começa em 2026… qua qua….

Fessora… reclama não… o grande Lula arrumou essa copa do mundo pro povão votá na candidata dele que não seria eleita nem vereadora de bagé… qua qua…

Fessora.. tá reclamando do que??? vai ver a copa vai…

De onde vai sair os 700 milhoes para a construção do elefante branco que Lula inventou???

Não votaram nele??? toma na cabeça e vai ver a copa rapaz…

Responder

    Armando S Marangoni

    19/05/2011 - 11h01

    Carmem Leporace ilustra perfeitamente o status quo.

    rodrigo aguiar

    19/05/2011 - 11h17

    realmente, até 2002 os professores formavam uma classe profissional valorizada profissional e socialmente, com ótimo poder aquisitivo, em todos os estados do país e de todos os níveis escolares. como sempre, culpa do Lula…

    Aline C. Pavia

    19/05/2011 - 12h46

    Não alimente os trolls.
    São papagaios na gaiola transgênicos, alimentados com alguma ração da Kátia Abreu, e então passam a proferir essas sandices.
    Se alguém gostar, pode comprar pela módica importância de 25 ou 45 reais – dependendo da espécie e da gaiola – nas boas casas do ramo.

    jesumar

    19/05/2011 - 13h32

    carmem leporace(minuscolo mesmo), gostaria de saber quanto você ganha para falar tanta bobagem.No governo do farol de alexandria deve ter sido uma maravilhas para os nossos professores.

    lilica

    23/05/2011 - 19h26

    1. A educação escolar depende quase que exclusivamente dos governos dos estados e municipios. Lula e Dilma: representantes do governo federal. São esferas bem diferentes.
    2. Nosso país já é outro, não podemos ficar no discurso "ou isso ou aquilo". Dá pra tudo e um pouco mais.
    3. Precisamos, todos, parar de pensar como crianças. Vivemos, no ocidente pelo menos, um sistema cruel. A culpa não é do meu vizinho ou da professorinha. Vamos por o cérebro para funcionar.

Armando S Marangoni

19/05/2011 - 10h48

Querem saber? O primado do capitalismo não é a pessoa, o ser humano, a gente, o povo. É o público alvo, aquele objeto abstrato tratado nos briefings, nas reuniões do pessoal do marketing, nas estratégias da diretoria.
Parece viagem? Não é. Prestem atenção na forma das pessoas falarem hoje em dia. As palavras do dia-a-dia entre pessoas foram substituídas por termos econômicos: disponibilizar, alavancar…, como se fossemos todos máquinas no horário comercial, que hoje em dia se estende por 24 horas, com interrupções breves para idas ao banheiro e alimentação, atividades ainda necessárias.
O que importa é o capital. Danem-se os insumos, eles são substituíveis.
Quanto aos professores, eles são sim a redenção do país, pelo menos como estamos hoje, porque educação só aquela que ensina os seres serem o que devem ser para não atrapalhar os planos de desenvolvimento: partes da máquina, nada mais.

Responder

Luiz Fortaleza

19/05/2011 - 10h16

Do ponto de vista ético, está perfeitíssimo. Do ponto de vista real e prático, há problemas. Qto à questão do salário, é preciso saber até aonde a lei de responsabilidade fiscal restringe o pagamento de pessoal em até, acho, 52% do orçamento dos estados e municípios. Isso breca qualquer aumento salarial ao servidor público, logo teria q acabar com esse item da lei de responsabilidade fiscal. A questão da educação do Brasil não é só uma questão de salário, mas de professores preparados, e ainda tem mais a condição socioeconômica dos jovens, pq também é um problema familiar, muitos pais preferem os filhos trabalhando pra trazer comida pra dentro de casa do que na escola. Há um problema que é também educar os pais. A complexidade do problema educacional do país vai para além dessas questões pontuais que a professora colocou. Não é só uma questão de vontade política e prioridade, é uma questão revolucionária que envolva toda a sociedade. Pq ela também pensa nos marcos do fetiche do dinheiro. Cuba qdo resolveu acabar com analfabetismo, não houve essa questão de salário alto ou baixo, houve sim todo um envolvimento social, solidariedade humana em abolir o analfabetismo lá. Pq trabalhador também pensa com os mesmos pressupostos teóricos do capitalismo… ir para além desse discurso reivindicativo salarial é ser revolucionário. Eu no meu sindicato jamais vou atrás se eu tenho precatórios ou ganhos trabalhistas com o governo, pq minha prioridade de luta é ir para além dessa guerrilha cotidiana entre capital e trabalho. Mas é só pra provocar. Já disse, não tiro o mérito, mas o discurso dela ainda está dentro dos marcos do ideario social capitalista.

Responder

    Alceu Gonçalves

    19/05/2011 - 10h51

    Você deve estar de brincadeira, hein, Luiz? A Amanda foi clara no seu discurso e você vem com este blá, blá, blá de ver mais longe, além da comida na mesa. Cuba é Cuba, rapá! Este discurso repetitivo de comparar Cuba, um estado soberano que tem e merece todo o meu respeito, que mal chega ao tamanho e economia de muitos estados brasileiros, ao Brasil com todas as suas nuances sociais, políticas e culturais, é abusar da paciência alheia. E pior, são discursos iguais ao seu que entravam muitas negociações. A Amanda tá certa ao cobrar honestidade na política educacional, cobrar o direito do professor sobreviver com dignidade que só um salario justo é capaz de proporcionar. Simples assim.

    O resto é churumela de esquerdista saudoso das décadas de 50 e 60.

    AlceuCG

    Luiz Fortaleza

    19/05/2011 - 10h59

    vc não me leu bem, se leu, leu na aparência do discurso… jamais disse q o mérito dela do ponto de vista ético estaria incorreto, o meu discurso partiu de um ponto de vista revolucionário, a partir de uma consciência teória (maior nível de consciência q o trabalhador atinge) e não de uma consciência reivindicativa ou emotiva. Já dizia Marx, qdo a luta econômica se torna uma luta política, é a revolução q acontece. O que falei é q seu discurso ainda está nos marcos de um discurso sindicalista reformista. Mas que é compreensível, só que a questão da educação no Brasil é de uma complexidade muito maior do que ela colocou. A emotividade racional tem seus limites de reflexão, sim. Mas disse, que dentro do marco de raciocínio dela, ela está certa, mas incompleta.

    josaphat

    22/05/2011 - 18h42

    A questão é, sim, muito mais complexas. Mas não podemos pensar a solução fora do capitalismo.

    Gustavo Gonçalves

    19/05/2011 - 10h57

    Luiz concordo com você na analise sobre a amplitude do problema da educaçao. Pensar a educaçao implica pensar a justiça social e nosso projeto de sociedade. Gosto do discurso da professora justamente porque é real e prático. Aumentar o salário, é, no marco de uma sociedade capitalista, muito mais que ganhos pessoais para os professores. Tem por consequência aumentar o poder relativo deste setor da sociedade (alguns dirao da economia) que se ocupa do humano e pode (juntamente com outros setores) contribuir para maior justiça social.

    egidio

    19/05/2011 - 11h14

    Bravo, bravíssimo. O melhora da educação não é somente salário. É importante, mas nem é preponderante. A motivação, o envolvimento das pessoas (pais, comunidade, professores, autoridades) e sobretudo rumos e objetivos sem a política partidária como norte. Não sei quais os interesses, mas raramente se vê sindicatos reclamando de planos de ensino, da carreira dos professores, da melhoria dos métodos. Somente questões salariais.

    Fábio

    19/05/2011 - 11h37

    Prezado Luiz.
    Quando interessa os administradores públicos fazem "malabarismos contábeis" para driblar a lei de responsabilidade fiscal.
    Será que os poderes legislativo e judiciário respeitam a lei de responsabilidade fiscal?

    João Maria

    19/05/2011 - 11h58

    Companheiro, é claro que sua ideologia é contra o capitalismo, mas o discurso da colega não poderia ser diferente porque estamos vivendo no capitalismo e a luta de classes existe.

    Luiz Fortaleza

    19/05/2011 - 13h25

    e não disse o contrário, só disse q ainda está nos marcos de um discurso economicista sindical, como todo sindicato no Brasil… só q não podemos ficar presos a essa forma economicista salarial da luta… o movimento sindical tem que compreender e desenvolver outra estratégia de luta que vá para além desses parâmetros. A questão é: q tipo de educação nós queremos? A tecnicista, a da pura formação de mão de obra barata pra ser explorada pelo sistema? A educação política ou universal que forme o homem politikus e seja questionadora da ordem? Ou uma luta em que, resolvido o problema salarial, estará resolvido o resto? O horizonte da luta dos trabalhadores ainda fica muito limitado a essa questão salarial e os trabalhadores não entendem q isso jamais será solucionado no antagonismo do sistema entre salário versus lucro. Esse conflito será eterno e o processo de incremento da lucratividade do capital implica na subtração salarial, só que o salariato é a base do capital e precisa ser abolido com o tempo. Tenho consciência q minha questão é teórico-ideológica, mas precisa ser colocada para o debate, para ampliarmos a discussão…

    MAXIMUS SANTIAGO

    19/05/2011 - 12h24

    Pode estar delimitado pelos marcos do ideário capitalista e está corretíssimo, pois o país é capitalista até as pedras do calçamento. As prioridades elencadas pela professora deveriam ter como resposta imediata a presença dos parlamentares nas escolas e não uma história marota da velha PRÁTICA COLONIALISTA E ESCAPISTA DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL, QUE NÃO É LEMBRADA QUANDO OS MEMBROS DOS TRÊS PODERES SE ATRIBUEM SALÁRIOS QUE DEVERIAM SER PAGOS AOS PROFESSORES! E ONDE ESTÁ A LEI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL? Maximus Santiago.

ANALISE DA SILVA

19/05/2011 - 10h02

Posto novamente, pois não localizei aqui a postagem anterior. Obrigada!
Avalio que não é estudante o dia inteiro na escola; não é aumentar salário de professor; não é aumentar a carga horária anual; não é eleger diretor; não é aprovar sem saber; não é reprovar que resolve a qualidade da Educação. O que resolve é POLÍTICA PÚBLICA digna, decente, real e inclusiva prá efetivar a Qualidade Social da Educação. ESCOLA NÃO É DEPÓSITO DE CRIANÇA E ADOLESCENTE!!! Quem tem que sair da rua não é a criança. É o traficante. Além do que Educação é um direito que se acessa para acessar a outros direitos. A partir desse espaço onde se partilha saberes se descobre a existência de outros e o nosso direito a eles, sejam esses espaços físicos ou não. De novo até que nos ouçam e se movam. BJ!

Responder

Alceu Gonçalves

19/05/2011 - 09h48

Tudo neste video é lindo, perfeito. Começando pela professora, uma linda mulher, e sua fala direta e clara. E o detalhe que mais gostei foi de quando ela criticar secretária e autoridades presentes, olhar diretamente nos olhos dos cara de pau. Que coragem! Tal atitude é para poucos. E ao contrario de um comentário acima, ela deve sim militar na política, se transformar em voz e luta da sua classe.

AlceuCG.

Responder

Francisco Santos

19/05/2011 - 09h42

A Professora fala dos problemas sem soluções ocorridos no RN mas que valem para o resto do país.
Se o deputados, estaduais e federais, enfim toda classe polítiva tivesse filhos nas escolas públicas situações semelhantes teriam desdobramentos favoráveis mais rápidos. Alunos e Professores agradeceriam.

Responder

    Jocélio Lima

    19/05/2011 - 10h23

    é a proposta do Senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que todos os políticos dever ter seus filhos estudando na escola pública.

    Veja no link abaixo:
    Cristovam lança propostas sobre reforma política
    http://www.cristovam.org.br/portal2/index.php?opt

Mabel

19/05/2011 - 09h26

Isso dá orgulho, uma lutadora sem medo de ser feliz

Responder

Nivea Moreno

19/05/2011 - 09h15

Ontem por ocasião da Assembléia dos professores que estão em greve aqui em Natal, tive a oportunidade de conversar com Amanda, como ela é novinha, totalmente diferente desta imagem do vídeo, ela me falava que não esperava esta repercussão, neste momento o celular dela tocou, era a Produção do Domingão do Faustão, querendo converasar com a mesma. A partir daí não podemos continuar a nossa conversa, só posso dizer que estou muito orgulhosa como todos os professores daqui pois, ela deu verdadeiro tapa na cara dos enganadores da Educação e dos inimigos dos profissionais dessa área, além de mostrar que é preciso ter consciência do seu papael e lutar para que a educação melhore e que essa melhora não depende só do professor.

Já são 145.114 exibições só no youtube.

Responder

Jocélio Lima

19/05/2011 - 08h35

Gostei da fala da professora.

No entanto chamou a atenção dela, para não cair tentação de entrar em algum partido politico.

Como diz no meio da comunicação…..é 15 minutos de fama.

Abaixo alguns post sobre a fala da professora:

Parabéns à professora Amanda Gurgel. Sinto ainda mais orgulho de militar no Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU)!
svetoslavski1917

+++++++++++++++++++++++++
Ela será candidata a vereadora,prefeita em 2012?Ela pertence ao PSTU.
yoda3837

Fonte http://www.youtube.com/all_comments?v=yFkt0O7lceA

Responder

Edemilson

19/05/2011 - 08h29

Simplesmente uma profetisa do novo milênio. Parabéns professora!

Responder

Zhungarian Alatau

19/05/2011 - 08h08

Emocionante a fala da professora Amanda Gurgel. Sintetizou em poucos minutos aquilo que a elite perfumada leva horas, dias, meses, anos tergiversando. A situação da educação no Brasil é CAOS TOTAL. Com raríssimas exceções, o professor no Brasil e tratado com a mesma indigência com que são tratados os pacientes dos hospitais públicos.

Aposto que até os cachorros dos responsáveis pela Educação têm mais recursos.

Responder

Zé Luiz

19/05/2011 - 08h08

Que aula.. !!! A Professora Amanda foi perfeita.
"… em nenhum momento em nenhum governo, na minha cidade, no estado ou no país, a educação foi tratada como prioridade…"

Responder

    dukrai

    19/05/2011 - 09h05

    numa dessas bota todo mundo dentro do balaio e mostra que não existe diferença entre DEMoníacos e PTransformistas, dá uma bofetada na cara do coronelato pangaré da roça sem fim e detona com o marquetíngue bomocista do Fernando Haddad.

Rossi

19/05/2011 - 05h45

Essa professora me fez chorar.Não sei se a abraço ou pego no colo.Corajosa,porque verdadeira.Um nome a ser lembrado.Grande Amanda Gurgel.

Responder

Felipe Martins

19/05/2011 - 01h42

Excelente e corajoso depoimento da professora Amanda Gurgel. Uma informação interessante é que ela é militante do PSTU, conforme o blog Molotov (http://blogmolotov.blogspot.com/), que é o blog oficial do partido.

Responder

Fabio SP

19/05/2011 - 01h16

Caro Azenha. Nosso SANTOS precisa encontrar times melhores para fazer treino no fim de semana.

O último não era de nada. Por causa disso quase que a casa caiu hoje… Abraços

Responder

José Cláudio

19/05/2011 - 00h57

Pois é….maravilha….E DAÍ? Que sai disso? Nécas?

Responder

alexmabreu

19/05/2011 - 00h23

Vocês viram a "capa" da óia nova??? Aconselho que vejam…

Responder

ZePovinho

19/05/2011 - 00h00

Sugestão do André Garcia:
http://www.cartapotiguar.com.br/?p=8236

A bola da vez: desabafos de uma professora…

Por Amanda Gurgel de Freitas – Professora da Rede Municipal de Natal e da Rede Estadual do RN.

A economia mundial está beirando o colapso, as massas estão revolucionando o mundo árabe, a elite do agronegócio já comprou a sua bancada para o novo período legislativo, a inflação começa a dar mordidas consideráveis no salário [email protected] trabalhador(a) [email protected] e o combustível está custando os olhos da cara. Obviamente, todos esses temas tem espaço garantido na mídia, mas, mesmo assim, não chegam a desbancar aquele sobre o qual não há um dia sequer em que não assistamos a pelo menos uma matéria; o assunto que já rendeu inúmeros debates desde o período monárquico; o assunto que atingiu o apogeu do próprio caos, ascendendo assim ao posto de “bola da vez”: a educação brasileira.

Nas terras de Poti, somos a bola da bola da vez. Na esfera administrativa municipal, ganhamos visibilidade nacional em reportagem exibida no Fantástico do dia 08/05, e em tempos de governo Micarla de Sousa, o caráter da reportagem não poderia ser outro: denúncia. Lógico. A denúncia tratava do tema específico da merenda escolar – embora muitas outras de igual ou maior gravidade pudessem ser feitas. Já na esfera estadual, estamos assistindo a uma greve histórica, tanto pela adesão de 95% das escolas, quanto pela reação de indiferença e excessivo autoritarismo por parte da governadora, Rosalba Ciarlini, que após 19 dias de paralisação, ainda não apresentou uma proposta, por mais rebaixada que fosse, que servisse pelo menos para justificar o discurso do Governo apresentado pela secretária, Betânia Ramalho, de que a categoria está inflexível e não quer negociar, demonstrando, sem o menor constrangimento, o desprezo que essa gestão tem [email protected] profissionais, e [email protected] [email protected] que constroem as escolas do RN. ……………………………………………………….

Responder

P. Fernandes

18/05/2011 - 23h56

Ela é o MÁXIMO!

Responder

ZePovinho

18/05/2011 - 23h55

Agora chegou a hora do ZePovinho contar uma história.A família da minha mulher está no ramo de educação há mais de 40 anos.Somos uma das 5 escolas que estão nos primeiros lugares do ENEM.Fomos o primeiro lugar há alguns anos.
Da primeira vez em que fomos o primeiro lugar,um governo estadual nos chamou na secretaria de educação para ajudar na melhora do sistema.Fomos lá,conversamos,conversamos e o então secretário nos enrolando sem dizer como os recursos para o projeto seriam geridos.Depois de muita enrolação,fomos percebendo que desejavam usar nossa imagem para receber recursos da PHILLIPS,que tencionava entrar no projeto de melhora da educação nesse estado.
Em nenhum momento eles pensaram nos alunos e professores.Queriam receber recursos da iniciativa privada para aplicar ao bel prazer deles,nos usando como bucha de canhão.
O episódio acima relatado me convenceu, de vez, que estados e municípios(na maior parte do Brasil) só querem roubar o dinheiro da educação e saúde.Precisamos federalizar o sistema,centralizar os recursos no governo federal com a fiscalização da CGE,TCU,etc.
Não dá mais para esperar.O sujeito que faz uma educação básica ruim vai fazer um curso superior ruim,porque não vai ter a plasticidade necessária para absorver os conteúdos.Eu vi isso na minha vida acadêmica,quando os erros que os alunos de engenharia cometiam eram de nível básico.Os caras sabiam tudo que era dado em sala de aula(mecânica vetorial ou álgebra linear,por exemplo) e erravam um produto notável…..

Responder

    Aracy_

    19/05/2011 - 07h17

    E a Philips realmente deu dinheiro ao governo para um projeto que não saiu do papel?

    ZePovinho

    19/05/2011 - 11h08

    Outra pessoa fez o projeto.Nós saímos porque não sabíamos quem faria o gerenciamento dos recursos.Se a PHILLIPS colocou dinheiro eu não sei,mas logo depois um filho de deputado abriu uma escola grande para concorrer conosco.

    S. A. Rodrigues

    19/05/2011 - 12h47

    Caro Zé Povinho.
    Tenho visto coisas quase absurdas nos cursos de Engenharia e isso acontece em uma universidade estadual considerada de bom nivel. Muitas vezes me pego a matutar se vale a pena tentar ensinar variaveis complexas ou series de Fourier pra alunos que sentem certa dificuldade em somar frações. No mais, seu depoimento é bastante pertinente.

    Pedro Luiz Paredes

    19/05/2011 - 15h52

    Eu concordo plenamente!
    Nacionalização da educação já!
    Não falo de universidades; essas estão até bem servidas se comparado ao preparatório, precário e abandonado pelos estados.
    Ainda, como coloquei abaixo, fica mais fácil exigir uma coisa nacionalmente, com uma movimentação forte, do que cada um exigir uma coisa em seus estados.
    Essa atual situação comina com o interesse privatizador da educação de base e justamente contra a qualidade de ensino.

Manu

18/05/2011 - 23h50

Nossa!!! Assisti a esse vídeo por acaso e reconheci essa menina, hoje professora como eu, que morava aqui em Poções-Ba, lhe vi criança hoje tornou-se uma sofredora. Acredito que essa é a palavra, todos nós somos sofredores. Tentam valorizar o professor através de propagandas bonitinhas na Tv, pensam que nos enganam. Adorei a sua fala Amanda até parece a sua tia Eletícia por causa do sotaque. Parabéns pela sua garra e coragem!!!! Abraço.

Responder

    Luana

    19/05/2011 - 08h02

    Manu,

    Você sabe que imediatamente eu identifiquei que ela era baiana? Rsrrr

    Parabéns, Amanda, Cipriano Barata fez história na Bahia, o povo quando toma a tribuna os políticos estremecem, teve um prefeito na minha cidade que até dedo deu aos professores, esse infeliz vivia desviando o dinheiro do FUNDEB. Uma realidade na maioria dos municípios brasileiros. O que eu amo no povo baiano, não tem vergonha de dizer na cara dos políticos o que pensa deles.

    E o que é pior, se o infeliz for defenestrado já era. A Bahia de ACM que fez o que fez no Estado com o índice de baixa escolaridade que tem. Mas a Bahia de ACM é a de Ruy, Anísio Teixeira e Edgar Santos, pessoas que pensaram diferente dessa claque que se apossou da Bahia e até hoje luta para destruir o estado.

Dirce Bortotti

18/05/2011 - 23h40

Bravo! Bravo! Parabéns professora!

Responder

Ana Dias

18/05/2011 - 23h14

Azenha, os professores de Santa Catarina, estado que se coloca sempre entre os mais desenvolvidos do país, mas cujos professores da rede pública estadual recebem o salário mais baixo do Brasil, estão em greve.
Não vi nenhuma notícia sobre isso na grande mídia…

Responder

    Conceição Lemes

    18/05/2011 - 23h29

    Ana, vc é professora também? abs

    Ana Dias

    19/05/2011 - 23h29

    oi Conceição, sou professora, mas de universidade federal.
    Minha mãe é professora da rede pública estadual em SC e está em greve.

    Conceição Lemes

    20/05/2011 - 00h41

    Ana, uma proposta " indecente" (rs): vc toparia fazer um texto pra mostrar a situação dos professores aí de Santa Catarina? beijo

    Ana Dias

    20/05/2011 - 09h57

    oi Conceição. eu não moro em SC, mas em MG. Minha mãe é que mora lá e dá aulas de Língua Portuguesa na rede pública.
    Mas, se quiser, posso pedir a ela que produza um texto, ou peça a colegas para produzi-lo.
    podemos conversar melhor por email. Se puder, me passe seu email.
    bj

    Adilson

    18/05/2011 - 23h58

    Ana, acho que o menor salário do Brasil é o do Rio de Janeiro, pouquinho mais que o mínimo..

    É UMA VERGONHA A MANEIRA COMO O PROFESSOR É TRATADO NO BRASIL!

    Ana Dias

    19/05/2011 - 23h30

    Em SC o salário é 610 reais.
    Você tem razão, acho que é o 2o pior.

Andre Garcia

18/05/2011 - 22h46

Texto da professora no blog Carta Potiguar
http://www.cartapotiguar.com.br/?p=8236

Abraços

Responder

Andre Soares

18/05/2011 - 22h19

Esta é a realidade não só de um determinado local, mas no Brasil todo. Gostaria muito que este vídeo fosse visto por um dirigente governamental sério e que realmente se importasse com a situação do povo brasileiro. Quando é que eles vão compreender que sem uma educação de qualidade com um reconhecimento digno para os professores, continuaremos mascarando um crescimento que continua ocorrendo apenas para uma parte mínima da população.

Responder

    Adilson

    19/05/2011 - 00h03

    André, vc tem razão, essa é uma realidade do Brasil todo e não há governo que vá mudar isso.

    O descaso é tão grande, mas tão grande que a impressão que dá é que PT e PSDB, podem se revezar até o final do século no poder, que pelo visto nada vai ser feito pelos professores, infelizmente. Nesse ponto paracem concordar: A EDUCAÇÃO NÃO É PRIORIDADE E PONTO.

    william

    19/05/2011 - 11h52

    Mas me responda uma coisa, Educação da Voto? lembram da campanha Presidencial de 2002 Cristovam Buarque foi o unico Candidato que defendeu a Bandeira da Educação e teve votação pifia Lamentavel é de rasgar o coração. Abraço a todos os amigos

    Luiz Carlos Azenha

    19/05/2011 - 10h04

    Estão faltando carteiras em escolas do entorno de Brasília. Isso eu vi…

Gerson Carneiro

18/05/2011 - 22h03


Eu vou forrar as paredes
Do meu quarto de miséria
Com manchetes de jornal
Pra ver que não é nada sério
Eu vou dar o meu desprezo
Pra você que me ensinou
Que a tristeza é uma maneira
Da gente se salvar depois

Num trem pras estrelas
Depois dos navios negreiros
Outras correntezas

Um Trem Para as Estrelas
Composição : Cazuza e Gilberto Gil

Responder

Gerson Carneiro

18/05/2011 - 21h58

Dos seus salários de fome
É a esperança que eles têm…

[youtube 4O5oFmOr6o4 http://www.youtube.com/watch?v=4O5oFmOr6o4 youtube]

Responder

Gerson Carneiro

18/05/2011 - 21h52

[youtube 4O5oFmOr6o4 http://www.youtube.com/watch?v=4O5oFmOr6o4 youtube]

Responder

Messias Macedo

18/05/2011 - 21h49

Entenda o que significa desancar os eufemismos

… Aqui, na Bahia do PT da governança do ex-sindicalista Jaques Wagner, a realidade (des)educacional é análoga…. Professores universitários em greve – e com salários suspensos -, a mediocridade dos Planos de Carreira, a valorização do quantitativo em detrimento da qualidade…
Parabéns, professora Amanda Gurgel: os que têm sede de justiça não podem ser silentes… E jamais poderemos comungar com estes fariseus e estas fariséias, que nunca compreenderão a magnitude e a perspectiva do seu discurso impregnado de verdades – e de muita, muita, coragem pedagógica e civilizatória!
Professora Amanda, ah se todos os oprimidos fossem iguais a você, que maravilha ver a desintegração dos grilhões do atraso e do obscurantismo!…

Felicidades!

República de 'Nois' Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Vander Ribas

18/05/2011 - 21h46

Nao consegui segurar as lágrimas. A Professora Amanda sintetizou não a situação do RN, mas a situação da educação no Brasil. Parabéns Professora.

Responder

robledo duarte

18/05/2011 - 21h31

Enquanto isso não falta dinheiro para as empresas de consultoria de ex ministro canalha….

Responder

    JotaCe

    19/05/2011 - 00h37

    Caro Robledo Duarte,

    Nem para a festança do dinheiro frouxo que se esconde atrás da publicação do livro escolar… ,

    JotaCe

Roberto Ribeiro

18/05/2011 - 21h24

Em se tratando de políticos brasileiros fala da Professora Amanda Gurgel simplesmente entra por um ouvido e sai pelo outro.
Políticos brasileiros, gente fria e calculista

Responder

    JotaCe

    19/05/2011 - 01h08

    Há verdade no que você afirma, mas é importante saber que a exposição da Professora Amanda Gurgel é uma importante mensagem de alerta para todo o país. E através dela, o povo passa a tomar conhecimento da grandeza e urgência de solução para o problema da educação, em especial no nível básico, a partir do que se passa no RN. E, a começar daquele estado, de uma forma ou de outra passa a exigir mais da classe de políticos como os que existem e dos dirigentes em todos os escalões. Na realidade, o Brasil tem estado alheio às raízes da questão educacional. Na ausência de outro adjetivo, é de fato indecente o salário básico que ela mencionou. E, como ela dissertou muito bem, a educação não tem sido objeto de maior atenção de nenhum governo, a nenhum nível, e em tempo algum. Abraços,

    JotaCe

Marcelo Sales

18/05/2011 - 21h07

Sou professor da rede estadual do RN que está em greve. Acabou agora a pouco a plenária que decidiu pela continuidade do movimento.
O discusso de Amanda na Assembléia legislativa foi de arrepiar, colocou com muita classe a corja em seu devido lugar.
Ela estava na planéria e fiquei impressionado como é novinha e foi capaz daquilo tudo.

Responder

    Polengo

    19/05/2011 - 11h35

    Eu queria ter estado lá para ver.

    Ernesto Artur

    30/05/2011 - 18h03

    Fantástico!!! Fiquei impressionado com a firmeza que essa menina Amanda Gurgel transmite, mesmo a vendo pelo video.
    Eu também queria estar presente para dar-lhe um forte abraço e dizer-lhe que a apoio, mesmo à distância.
    Sei que, de agora em diante, novos protestos surgirão.

Borges

18/05/2011 - 20h56

Professora,
Sao pessoas como a sra que me fazem acreditar que este país ainda tem jeito. Emocionante! Que Deus te dê saúde e força e te abençoe! Me deu saudade de minhas professoras da década de 70, povo sabido a quem eu devo tudo que sei.

Responder

Camila

18/05/2011 - 20h51

Como profa da PMSP fiquei de queixo caído diante da fala da nossa colega! Demais! Arrasou! Expressou tudo e me sinto representada por ela e por sua fala. Meu abraço colega!

Responder

Fabio

18/05/2011 - 20h35

VALE LEMBRAR QUE aecinho DO BAFOMETRO FOI CONTRARIO AO PISO SALARIAL DOS PROFESSORES EM MG!!!

Responder

Alcioneide

18/05/2011 - 20h21

Que palavras maravilhosas essa EDUCADORA proferiu!Foi assertiva e destemida.Merece nosso aplauso sem dúvida nenhuma.Que essa fala ecoe e chegue aonde deve chegar.

Responder

Marcia Costa

18/05/2011 - 20h20

Professora: aceite minhas lágrimas sinceras pela sua dor tão certa. Nad amis a dizer.

Responder

marcia

18/05/2011 - 20h12

Arrepiada ainda.

O que me desanima é pensar que dou aula no Estado de São Paulo, responsável por 1/3 do PIB nacional, e a situação é identica à da Professora Amanda. Minto, aqui podemos comer a merenda.

Minhas salas de ensino médio tem 45, 46, 47, 48 alunos e alunas. Ganho 830 reais liquidos pra dar 12 aulas por semana. Gasto ao menos 2 horas por semana entre correções e preparação de aulas…

Mês passado um aluno disse q era melhor ser analfabeto e ser pedreiro do que ser professor, pq o pai dele ganhava mais de mil reais por semana.

Mas a culpa da merda que tá a educação é dos professores e professoras.

Responder

El Cid

18/05/2011 - 20h10

O Défict Zero em Minas – que piada !!!

[youtube Yws4SCLl1PE http://www.youtube.com/watch?v=Yws4SCLl1PE youtube]

[youtube j4Os_9EDnis&feature=youtu.be http://www.youtube.com/watch?v=j4Os_9EDnis&feature=youtu.be youtube]

Responder

    LuisCPPrudente

    18/05/2011 - 21h54

    O tal do Déficit Zero é pura propaganda do Aécio e a Rede Globo com o seu "noticiário isento e baseado na realidade" participa da produção jornalística a pedido do PSDB e do Aócio.

    JotaCe

    19/05/2011 - 01h16

    Tinha mesmo que ser notícia da Globo, especialista na arte de mentir. O ‘milagre’ do Aécio, segundo apregoa na matéria, seria devido a haver tomado a privatização como exemplo…É mesmo pra rir…

    JotaCe

Carmem Leporace

18/05/2011 - 20h09

Brasil foi ranquiado em último lugar do mundo em ensino superior… Esse Nunca Dantes…

Segundo FGV, Brasil se equipara ao Zimbábue em educação… Esse Nunca….

"""Eu vou mudar tudo isto que esta aí"""… qua qua qua… so lorota… loroteiro e enganador de ignaros e incautos… e tome bolsa na parada……

Mas aqui ele é o herói máximo deles… qua qua qua…

Responder

    Ala n

    18/05/2011 - 21h30

    Esqueceu de dizer que as diretrizes do ensino fundamental são federais, mas a execução é estadual e municipal. Na verdade, cada estado faz o que bem entender, vide "progressão-continuada-sem-repetência-sem-salário-sem-carteiras-sem-…"

    edv

    18/05/2011 - 21h38

    Quer dizer que o seu príncipe sociólogo deixou a coisa pior ainda que isso?!!!
    Pior que o Zimbábue?
    Que estrago, hein?

    Alan Nakamura

    18/05/2011 - 21h39

    Esqueceu de dizer que as diretrizes dos ensinos fundamental e médio podem até ser federal, mas a execução é estadual ou municipal (exceto as Técnicas Federais). Na verdade, os estados e municípios fazem o que bem entendem, vide "progressão-continuada-sem-repetência-sem-carteira-sem-salário-sem-…"
    O ensino superior anda capenga (na média), mas, depois da farra das faculdades/universidades particulares do FHC, vamos precisar de muitas doses de Prouni, Fies, cotas, etc.

    Silvio I

    18/05/2011 - 21h44

    Carmen Leporace:
    Assim que você acredita que e culpa e de Esse Nunca Dantes. Esse personagem chamado Lula tem feito pela escola, e ensino superior no Brasil, o que não se fez em cem anos, como mínimo.Isso vai a dar frutos, se tem que esperar.

    Gerson Carneiro

    18/05/2011 - 21h49

    Professores passando fome e você aqui nesse papo furado…

    A coisa tá pegando tocador de tuba a soldo.

    Tchau tocador.

    P Pereira

    19/05/2011 - 04h37

    Parei em "ranquiado".

    Aline C. Pavia

    19/05/2011 - 12h50

    Eu também. Em outros comentários ela não faz distinção entre "mas" e "mais". E vem falar de educação. Bento Carneiro, vampiro brasileiro… pluft!

    V. Souza Magalhães

    19/05/2011 - 12h58

    Caramba, a gente tratando de coisas sérias e esse idiota vem fazer apologia do Boca no melhor estilo "olha como eu sou estúpido". Já sabemos disso, seu carmem.

Sergio Barbosa

18/05/2011 - 20h06

O Grande problema é que depois do estrago feito na educação estadual pelo PSDB(Covas,Alckmin,Serra e Alckmin novamente)vai demorar 50 anos para consertar a educação no estado se São Paulo.Isto se a oposição ganhar a eleição para o governo do Estado em 2014 e possuir um bom programa para o sistema educacional paulista, poís caso contrário vai demorar um século para ter um sistema educacional,no mínimo,decente para Professores,Alunos,Educadores e Funcionários.

Responder

Maria José Rêgo

18/05/2011 - 19h59

Parabéns à professora Amanda. O que ela falaou na Assembléia do RN, está na garganta de todos os professores do Brasil. Principalmente da rede estadual. É um grito da classe oprimida.

Responder

Malu

18/05/2011 - 19h55

Só não concordo com o trecho que fala que nenhum governo federal até hoje priorizou a educação.
Lula priorizou. Deviam editar essa parte, porque é caluniosa.
A educação no Brasil melhorou 1000 por cento graças a essa década de governo do PT.

Responder

    sil

    18/05/2011 - 22h22

    Censurar a fala da professora? Muito democrático…..

    Seger

    18/05/2011 - 22h37

    Baba-ovo tem limite. Considero Lula o melhor presidente dessa república de bananas, mas dizer que ele transformou a educação do país é piada. Ele deu uma melhorada, seguindo o plano de universalização que já vinha desde FHC, e a lei do piso nacional também foi um passo importante. Mas se o governo do PT tivesse feito pelos professores o que fez pelos banqueiros e empreiteiros, com certeza nós professores estaríamos consideravelmente melhor.
    Meu pai é caminhoneiro e ganha 5x mais que eu. Considero que ele ganha o justo para quem viaja o Brasil inteiro e tem passado entre 3 e 5 meses fora de casa. Mas professor graduado ganhar 1200 por mês é brabo. Vivo em SC, um dos 3 estados mais ricos do país segundo dados recentes.

    JotaCe

    19/05/2011 - 16h18

    Cara Malu,

    Discordo de sua mensagem, prezada amiga. Não há porque substituir o livre debate pelo ato ditatorial de eliminar parte de matéria que não nos agrada, como faz o PIG. Também diria a você que votei em Lula todas as vezes em que se candidatou a cargos públicos. E cheguei até a votar com o mesmo entusiasmo neste presente governo que tem me decepcionado muitas e muitas vezes. Não sou professor, mas me identifico com a categoria pelo muito que tem dado ao país, e da qual participou a minha falecida mãe, que era professora no ensino básico. Mas dizer que Lula priorizou a educação ou que o PT melhorou o sistema educacional em cerca de 1000% é puro blá blá blá. Cordial abraço,

    JotaCe

    Renato de Medeiros

    20/05/2011 - 08h53

    Malu por acaso você é militante do Pt? por que se for, esta enganada a respeito dos limites do poder executivo, pois ele não é responsável pela educação estadual ou municipal só pela administração federal. ou seja, as escolas federais no Brasil. Portanto, são outros partidos que administram e gerenciam a escola pública e o assunto é relativo, quando mencionamos o ensino brasileiro a todo sistema de ensino em que estão nas mãos de gerenciadores inabeis. Quando o ministro da Educação fala da melhoria do ensino no país, ele o faz apenas baseado em números que muitas vezes não representam a ralidade educacional do pais. Penso que você não é educadora, e, espero que não seja, pois se for realmente merecemos comentários como este. Aliás eu sou petista, mas não sou alienado. Lula ou Dilma não vão mudar cabeças de politicos tradicionais e de pseudo políticos que são verdadeiras aves de rapina que não querem e não almejam melhorar a educação. Acompanhe a luta desta classe, que é uma luta historia pela educação e você terá uma melhor visão do assunto.

Aracy_

18/05/2011 - 19h20

Azenha, Conceição, uma entrevista do Viomundo com a educadora Amanda Gurgel urgente, por favor!

Responder

    ZePovinho

    18/05/2011 - 22h13

    Boa ideia!!Atenção,blogueiros do Rio Grande do Norte!!

    Polengo

    19/05/2011 - 11h37

    Apóio, e acho inclusive importante, porque se lá no RN tiver alguns "cabeças" igual aqui a SP, ela tá correndo risco.
    E também que ela continue aparecendo, pois é dessas que não se deve perder a oportunidade de ouví-la.

    Luiz

    19/05/2011 - 13h48

    Boa ideia, é um caminho a ser trilhado para que a fala da professora Gurgel não se perca, seja repetida e replicada posteriormente em outros blogs sujos, quem sabe se repercutindo não ganha força para entrar na agenda de outras mídias e se torne um assunto mais presente… Quando será que vamos ter um governo -nacional- que entenda que é preciso fazer uma verdadeira revolução educacional, profunda, de base, para fazer este país crescer de verdade?

FrancoAtirador

18/05/2011 - 19h16

.
.
Quando é preciso não ter medo.
.
.
Rondó da Liberdade
(Carlos Marighella)

É preciso não ter medo,

é preciso ter a coragem de dizer.

Há os que têm vocação para escravo,

mas há os escravos que se revoltam contra a escravidão.

Não ficar de joelhos,

que não é racional renunciar a ser livre.

Mesmo os escravos por vocação

devem ser obrigados a ser livres,

quando as algemas forem quebradas.
.
.

Responder

Morvan

18/05/2011 - 18h42

Boa noite.
Discurso duro, incisivo, cirúrgico. Atingiu o âmago da questão (educacional) e atingiu, por tabela, àqueles que acham que governar é administrar o caos, como a sra. Secretária da Educação do Estado em voga. A mestra Amanda Gurgel está de parabéns. Muito mais de parabéns estão os que foram e / ou serão conduzidos por esta senhora de fibra. Exemplo de profissional. Desmontou o discurso enviesado da burguesia que "administra" a Educação sem um pingo de raiva, agressividade ou desavença para com seus colegas e "superiores", como só conseguem os que já atingiram a maturidade de discutir o essencial.
Como pedagogo, mesmo não exercente, tive a honra de me sentir representado pela batalhadora Amanda Gurgel.

Morvan, Usuário Linux #433640

Responder

Lima

18/05/2011 - 18h39

Esse video tem que bombar na nnet. Que colega extraordinaria. Parabens.

Responder

Lazlo Kovacs

18/05/2011 - 18h12

Fala de um professor paulista amigo meu (justificando a sua exoneração): "Não quero gastar a minha vida para servir de bode expiatório para a má qualidade da educação; não estou interessado em 'educar' os pais dos alunos que votam no PSDB e que fazem coro ao Governo; não sou carcereiro".

Quem desgoverna o RN, se a minha fonte não é falha, é Rosalba Ciarlini do DEMO!

Responder

GilTeixeira

18/05/2011 - 17h57

Assisti a esse vídeo ontem pela manhã ao final no me contive: me levantei e aplaudi a professora!

Responder

divaldo

18/05/2011 - 17h51

Que pena que esta professora não tenha falado numa rede de TV para todas as Assembléias Legislativas de todos os estados do Brasil, principalmente estados legislados por tucanos que posam em ser perfeitos.
O que ela disse de forma magistral, serve para apontar o descaso das autoridades estaduais e municipais para com a educação e com os professores.
Eu, como ex-professor de escola técnica, fiquei até arrepiado com o seu maravilhoso discurso incisivo, abrangente, marcante e educado.
Parabéns e muito obrigado, Profª Amanda Gurgel.

Responder

Hélio Pereira

18/05/2011 - 17h19

Eu achei um absurdo os Professores não poderem nem se servir de pedaço de cuscuz,lamentável.
Os responsáveis pela Secretária de Educação deveriam pegar o boné e ir embora,caso o Governo do Estado não lhes de condições de resolver este problema.

Responder

liz maria

18/05/2011 - 17h18

Estou emocionada de ver alguém ter essa coragem , não encontro palavras p/ descrever o que senti e que gostaria de poder me expressar .Peço ao AZENHA, que junto a direção da rede Record , que coloque esse discurso da grande mestra no jornal da Recor ou no domingo espetacular, é preciso que esse discurso não morra mais que seja uma bandeira em que os professores possam se engajar em todo o país p/ que a educação seja algo imperioso …sinto orgulho de ver essa brasileira porreta colocar tanta verdade tanta realidade, dentro da sua autencidade…l lavou minha alma e de tantos que com ela passam pela mesma situação de humilhação e pouco caso…Parabens querida mestra, não desista nunca "Sou brasileiro e não desisto nunca…"

Responder

    JotaCe

    18/05/2011 - 22h31

    Bela sugestão a sua, Liz Maria. O discurso da Professora Amanda Gurgel emociona por tanta verdade explicitada com sinceridade, no melhor estilo, como convém a quem ministra conhecimentos. É como um bisturi cortante dissecando o que realmente acontece no corpo do ensino brasileiro, principalmente aos níveis estadual e municipal. A descrição que ela faz do que se passa no RN, se aplica praticamente a todos os estados do País, inclusive os detentores de enormes recursos, como é o caso de São Paulo. A este, o cerra defendia acusando os migrantes nordestinos pelas deficiências na educação. Cordial abraço, do

    JotaCe

Daniel

18/05/2011 - 17h18

Parabéns! Vamos divulgar para o BRASIL inteiro.

Responder

Daniel Pires

18/05/2011 - 17h10

Boa tarde Azenha,
teria condição de você aproveitar esse vídeo no jornal da Record?
Seria apoteótico, só assim será repercutido nacionalmente e desmascarará esse discurso de que a educação vai bem obrigado e chegará com celeridade a Presidenta Dilma Rousseff.

Responder

    joni

    23/05/2011 - 12h56

    Sr. Daniel. Quem prestou atenção às palavras da professora Amanda, ouviu, claramente, que professores esperam promoção, aumentos, valorização faz mais de vinte anos. E não é só no RN, não. Em quase todos os Estados. Em SP, faz muito mais tempo. Para quem não sabe, mas dá palpites, os resultados de uma boa ou má gestão educacional, não aparecem de imediato. São necessários no mínimo dez anos, para que resultados sejam observados. Todas as críticas que se ouvem agora, não são contra o governo Dilma, mas contra os governos anteriores. Todos os programas implantados pelo governo Lula, só poderão ser avaliados dentro de cinco anos. Em tempo: estados e municípios são os responsáveis pelo Ensino Fundamental e Médio. O Governo Federal repassa muita verba através do FUNDEB para que estados e municípios façam sua parte, bem feita, e a maioria não o faz.

Fábio Gomieiro

18/05/2011 - 17h09

Leia, divulgue!
Encaminhe aos "iluminados' que lhe enviam mensagem idiotas.

Responder

Thiago

18/05/2011 - 17h09

Sensacional!!! Mas a grande questão é: até quando pedagogos irão dominar e usar a educação brasileira para seus interesses partidários e corporativistas?

Responder

    Amanda

    19/05/2011 - 10h59

    Oi?

Eduardo Fortaleza/Ce

18/05/2011 - 17h07

Edu, tb gostaria de dar um abração nessa professora.
Obrigado, Amanda!!!

Responder

carlos silva

18/05/2011 - 16h43

Emociona aos brasileiros encontrar uma mulher decidida e possuidora de uma visão tão esclarecida sobre o problema, talvez o maior enfrentado pelo Brasil, da Educação. Não há reparos quanto à sua fala. É de lamentar apenas que a situação continuará do jeito que está enquanto não forem afastadps os cupins que infestam o tecido social brasileiro. Agripinos e Garibaldis são o câncer do país. O primeiro comsua pose de grande estadista é apenas uma caricatura dos coronéis nordestinos, nem a valentia de seus antepassados este cara tem, possui apenas o autoritarismo e a falta de caráter. O outro, Garibaldi, é um cara-de-pau, mamador das tetas públicas que ainda vai a audiências públicas criticar aposentadorias de pessoas que contribuiram com parte substancial de seus salários para fundos de pensão exatamente para não dependerem dos cofres públicos na parte final de suas vidas. Mas não vamos esquecer que os grandes culpados deste caos é o povo que elege tais excrescências…

Responder

    Donizeti

    18/05/2011 - 18h06

    Quem é bom já nasce feito, que capacidade de expressão, articulação e objetividade dessa jovem e batalhadora professora potiguar !

    Minha esposa também é professora de Educação Física titular do cargo, concursada no Estado de São Paulo e no Município de São Paulo, dá aulas de 2a. a 6a. feira, das 7,00 da manhã as 19,00 horas e ganha cerca de R$ 1.500,00 reais em cada emprego. No Estado e na Prefeitura ela é responsável por mais de 1.000 alunos e o quadro que a professora do Rio Grande do Norte coloca é o mesmo aqui em São Paulo, o Estado mais rico e poderoso da federação brasileira, parecia minha esposa falando dos problemas que os professores de são paulo enfrentam todo dia por aqui também.

    A escola é a porta de entrada para a vida de todos nós, hoje em dia uma pessoa que não domina a escrita e as operações matemáticas básicas é um ser humano sem a menor chance no futuro frente a esta nossa sociedade da informação tecnológica e em tempo real.

Armando do Prado

18/05/2011 - 16h39

Não muito pior do que a situação do estado mais rico da federação, onde os tucanos em quase 20 anos de desgovernos conseguiram destruir a educação pública, desrespeitando o professorado e humilhando milhões de alunos, que hoje ao sairem da escola, na maioria esmagadora, são analfabetos funcionais na melhor das hipóteses, ou simplesmente analfabetos.

Responder

    JotaCe

    18/05/2011 - 22h46

    Caro Armando,
    Situação que o cerra tentou ‘consertar’ utilizando os cassetetes policiais nos professores que ousavam protestar reinvidincando os seus direitos…Faço minhas também as solicitações já expressas por outros comentaristas ao Azenha: o discurso da Professora Amanda deveria ser transmitido pela Record num programa de audiência a mais expressiva poss’ivel, e a nível nacional. Abs,

    JotaCe

Leider_Lincoln

18/05/2011 - 16h27

Aqui em Goiás o MP também fez enormes DESSERVIÇOS para a Educação. Aqui em Goiás o vice governador teve a cara de pau de dizer que as pessoas não deveriam esperar educação e saúde do estado; aqui em Goiás PSDB e asseclas vão para os 16 anos de governo e a educação piora dia após dia.

Responder

    Pedro Luiz Paredes

    18/05/2011 - 17h59

    Realmente a educação em Goias é uma porcaria.
    …tem gente que confunde direita com esquerda.
    Um absurdo!

    LuisCPPrudente

    18/05/2011 - 18h21

    A situação em São Paulo não é diferente de Goiás, aqui o PSDB governa há mais de 16 anos, aqui o PSDB tem orgulho de pagar um vale coxinha para uma parte dos professores no valor de quatro reais (enquanto a maior parte dos professores nem esse vale-coxinha recebem, pois o governo tucano-pefelê alega que os professores recebem muito bem.

    O sindicato dos professores, a Apeoesp, pede que o governo do PSDB que "prioriza" a educação reponha imediatamente as perdas salariais de acordo com a inflação dos últimos quatro anos, essa perda supera os 36% e o governo do PSDB-PFL acena em pagar 42% ao longo de quatros anos!

Yarus

18/05/2011 - 16h27

É, Agripino… mais gente para assistir a professora Amanda Gurgeu, e menos para assistir as novelinhas e o Zonal Nacional da Redes dos Bobos,hein?

"Venda de PCs surpreende e chega a 3,6 milhões de máquinas no 1º tri

O mercado de computadores apontou números surpreendentes no primeiro trimestre deste ano, segundo o estudo Brazil Quarterly PC Tracker, realizado pela IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, consultoria e eventos para as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. Ao todo foram comercializados 3,6 milhões de máquinas, 22% a mais do que o número apontado no mesmo período de 2010." http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua….

Responder

Adilson

18/05/2011 - 16h21

Bravo!!! Parabés a essa colega e cidadã que me enche de orgulho de ser brasileiro!!!

Responder

heloisa villela

18/05/2011 - 16h00

Parabens professora,que aula!!

Responder

Depoimento da Professora Amanda Gurgel

18/05/2011 - 15h55

[…] no Vi o Mundo e declaro o meu aplaso a professora Amanha […]

Responder

Roberto Locatelli

18/05/2011 - 15h50

A hipocrisia da elite, vociferando contra o livro didático "prejudicial", enquanto condena os professores a disputar cuscuz com os alunos para não passarem fome.

Responder

Luizão

18/05/2011 - 15h42

Amanda: orgulho da categoria!!!

Responder

Jorge Zimbábue

18/05/2011 - 15h35

Ô Azenha,
Assisti o vídeo e como me emocionou a determinação e coragem da grande Professora Amanda Gurgel. Parabéns lutadora, parabéns brasileira! Infelizmente coisa melhor ela não pode esperar porque não virá. É o retrato da educação em todo país exceto no DF onde a categoria ganha mais que os R$ 930,00 mas luta com o mesmo cenário de abandono. Educação nunca foi prioridade no país, (sem falar do caos e falência múltipla de todos os órgãos que compõem a Saúde Pública) mas os Governadores assinam poupudos contratos com a Fundação Roberto Marinho na área de educação sem proveito algum com mais enrolação e o dinheiro da Educação sai pelo duto dos aproveitadores das fragilidades do estado brasileiro sem beneficiar nossas crianças, nossos jovens! Quer um exemplo: Governador Arruda de Brasilia, que renunciou ao cargo, assinou contrato milionário com o clã Marinho para trabalhar alunos com faixa etária superior aos demais na série que cursava. Deslocou professoras, enfim todo tipo de enrolação e os milhões foram para a rede… os alunos… abandonaram…

Responder

drounde

18/05/2011 - 15h28

lindo, lindo, muito lindo. só se esquecem que isso é parte da herança maldita dos líderes molusco e sociologo, incentivadores da idiotice graduada e do 'esqueçam do que escrevi'. o que foi feito nos ultimos 8, 16 anos em termos de educação nada mais foi que – resumidamente – encher de 'dinheiro$$' os cofres de empresarios da educação PRIVADA. evidências mais do que batidas – a falência do enem, a falencia do sistema.

Responder

Jacú do Mato

18/05/2011 - 15h23

Aqui em Curitiba, cidade modelo, (ah… ah… ah… – modelo de hipocrisia) os professores ganham menos que um motorista de ônibus. Enquanto estes trabalham só 6 horas por dia, aqueles têm que trabalhar 18 (aulas em mais de uma escola, correção de trabalhos e prova, preparo de aulas, etc). E com um detalhe, os passageiros de ônibus aqui mais perecem gado ou porco. Sim, porque a velocidade e as freiadas que os motoristas dão, só se for para ageitar os animais que transportam.

Responder

Yarus

18/05/2011 - 15h22

Será que o “aguerrido” senador Agripino Maia já viu? Será que teve orgulho? Acho que não. Deve estar contando o dinheiro dos panetones do Arruda. Tá metido até o pescoço mas o PIg nada fala.

Responder

maísa

18/05/2011 - 15h19

Excelente !!! Retrata muito bem, não só a realidade educacional do RN como a de todo o País. Que a Câmara Federal , o Senado,a Presidência da República e o MEC tomem ciência e ATITUDES diante do "caos ordenado" que são as diversas Redes Públicas de Ensino. Somos um País federado e a União não pode se abstrair da responsabilidade nacional com o ensino como um todo. Se os Municípios e os Estados não cuidam, como deveriam fazê-lo, da Educação, compete ao governo Federal a fiscalização, ou ainda tomar para si, tal função.
Parabéns, Amanda, sinto-me contemplada.

Responder

Maria Dirce

18/05/2011 - 15h18

E quem disse que eles se abalam com esse depoimento? quem disse que eles desconhecem essa realidade? ja disse aqui que dei aulas para 8 série em sala de lata, isso no estado de sp, imagino então em regiões mais inóspitas!!!!

Responder

Karl Aires

18/05/2011 - 15h18

Parabéns professora!!!
Eu sei exatamente o que você passa, pois também sou professor no município de Condeúba-Bahia, onde um professor graduado recebe apenas R$ 545,00 reais.

Responder

Ana Maria

18/05/2011 - 15h12

O discurso da professora deixou secretária e deputados com cara de paisagem.
A educação está nas maõs de teoricos que nunca pisaram em uma sala de aula e nem recebem o baixo salário imposto aos professores por governos que não tem nenhum compromisso com a educação. Aqui na chuiça as coisas não são diferentes, vinte anos de governo do PSDB e a educação está um caos em todos os sentidos.

Responder

Eduardo Bernardes

18/05/2011 - 15h09

Gostei do discurso da moça. Mas por que os professores, coletivamente, não processam o Estado?
É só engessar o sistema judiciário (e deixá-lo mais caótico do que já está) que as coisas talvez possam mudar, até porque, nunca houve e nunca haverá boa vontade e colaboração por parte do Estado, pelo menos no quesito "Educação".
Acredito que o grande problema educacional no Brasil é que boa parte dos profissionais já estão condicionados a reclamar muito e agir (muito) pouco. Reivindicar é importantíssimo; mas se não tiver mobilização, de nada adiantará tamanha revolta.

Responder

Sandro Livramento

18/05/2011 - 15h06

Amanda!

Que paixão!
Viva os professores, que como Amanda Gurgel, ainda acreditam na educação!
obrigado Amanda!

Responder

Avelino

18/05/2011 - 15h04

Parabéns a Amanda Gurgel, mas no Brasil, gente diferenciada e escravos são sinonimos.
Seguramente Marx adoraria a definição de gente diferenciada.

Responder

Walter Decker

18/05/2011 - 15h03

Brilhante. Porém o problema da educação é em todo o Brasil Eu já disse uma vez que Lula fez uma verdadeira revolução social no país. Não só em termos financeiros, mas até psicológicos, pois o povo sempre acreditou naquela piada do "povinho medíocre" que Deus teria botado aqui. Com Lula o povo passou a acreditar que poderia evoluir. Pela 1a vez, o povo tem uma auto-estima elevada. E essa nova classe média se fez pelo trabalho dos mesmos. É a chamada classe empreendedora, sem curso superior, como definiu aquele sociólogo. Porém agora os filhos dessa nova classe C tem que ter sim, curso técnico ou superior. E pra isso teria de haver agora com Dilma uma revolução na educação. Mas a coisa está no mesmo marasmo de sempre. Não pode. Mas vamos aguardar, quem sabe…

Responder

Marcelo de Matos

18/05/2011 - 14h37

Muito bom. Mandei para os meus amigos.

Responder

    abelardo

    18/05/2011 - 16h32

    Assim não pode, assim não dá, agora vão deixar o Kit Gay de lado para dar atenção a trololós de profesrorzinhos estéricos?! E como ficam os 11 milhões que o deputado Chico Alencar já arrumou para este program tão importante para o futuros das nossas "biancas" e "ricardos"?!
    Culpa do Lula!

Pedro Luiz Paredes

18/05/2011 - 14h22

Não vai ter conversa enquanto não nacionalizar e padronizar a educação "nacional"; e digo o mesmo da polícia e outros setores.
A descentralização administrativa foi feita justamente para evitar movimentos nacionais com potencial de pesar politicamente nas decisões do governo central, que esta mais preocupado em multiplicar os ganhos das grandes corporações para se manter no poder por mais tempo.
Enquanto os professores não se organizarem nacionalmente em volta desse tema a educação vai capengar.
Sim, essa culpa é deles também, pois não se unem.

Responder

    FrancoAtirador

    18/05/2011 - 16h15

    .
    .
    Caro Pedro Luiz.

    Embora você tenha acertado no enunciado, quando trata da falta de um padrão nacional para a educação, causada pela descentralização administrativa, equivocou-se ao enumerar os culpados.

    O Magistério é uma das mais unidas categorias de trabalhadores do Brasil
    e é quem mais luta pela educação de qualidade no País.

    Na realidade, o problema é legislativo, administrativo e estrutural.

    A verdade é que infelizmente a estadualização e a municipalização da educação fracassaram.

    Os estados e os municípios, salvo exceções esporádicas, se demonstraram incapazes

    de executar as Diretrizes Básicas da Educação previstas na LDB (Lei 9394/96).

    O novo Plano Nacional da Educação, do governo federal, é muito bom,
    mas a quem cabe implementá-lo?

    Aos 26 estados e os 5.565 municípios, a maioria em situação econômica precária
    e sem um aparelhamento funcional, especialmente técnico-administrativo,
    sequer para elaborar projetos e encaminhá-los ao Ministério da Educação.

    Decorre daí o passeio da verba federal, que inúmeras vezes é liberada pelo Governo Federal,
    porém retorna ao Tesouro Nacional sem a devida execução orçamentária,
    simplesmente porque não foi elaborado um projeto pelo estado ou pelo município.

    Sem falar no desvio desta mesma verba nos trâmites burocráticos internos.

    Tristemente a saúde e a segurança pública seguiram pelos mesmos descaminhos.
    .
    .

    Pedro Luiz Paredes

    18/05/2011 - 18h26

    Franco, acho que falamos da mesma coisa.
    Esse passeio da verba federal seria encurtado se eliminássemos os Estados.
    Assim as demandas seriam as mesmas em todas as escolas do Brasil pois teriam a mesma fonte e o mesmo padrão de gasto.
    Sendo as mesmas demandas, a mobilização e a união do setor seria muito mais fácil, sempre pontual e com mais responsabilidade.
    Hoje cada estado tem um piso, demandas diferentes, gargalos diferentes. Isto é um absurdo sob o ponto de vista constitucional.
    Não alcançaremos a democracia de oportunidades dessa forma uma vez que a constituição quer justamente diminuir as desigualdades regionais.
    Quanto a união dos professores, não se vê uma mobilização nacional forte.
    A simples centralização e padronização das políticas educacionais (não somente as diretrizes), trariam um benefício enorme para a educação de todo o país, na medida do possível, seguindo demandas unas, e principalmente por abrir o caminho para a mobilização conjunta.
    Se querem melhorar a educação, unifiquem-na.

    FrancoAtirador

    18/05/2011 - 19h35

    .
    .
    Caro Pedro Luiz.

    As maiores contestações e resistências, em relação a uma mudança radical no sistema,

    partem dos governos estaduais e dos grandes municípios, com orçamentos robustos.

    Por exemplo, se houver a federalização da educação básica, da saúde e da segurança pública,

    praticamente não haverá razão de existirem os estados e estes serão meras ficções jurídicas.

    Isso os caciques políticos regionais (governadores e senadores) jamais vão admitir.

    O tema é bastante complexo, mas certamente alguma mudança

    na estrutura do sistema educacional é necessária e urgente,

    assim também, no que se refere às competências administrativa e financeira,

    na área da saúde e da segurança pública.

    Este debate é de suma importância para o País.
    .
    .

    Pedro Luiz Paredes

    19/05/2011 - 00h58

    Com certeza Franco, há resistências.
    No entanto é mais fácil conseguir isso do que questões de diferentes naturezas, uma em cada lugar pois estarão todos focados em um só objetivo.
    Isso é liquido e certo pois no sistema atual não há avanços, muito pelo contrário, há retrocessos frequentes, ou seja, ainda não chegamos ao fundo do posso.
    Isso porque a tendência é não repassar cada vez mais verbas; as boas mudanças são sempre iniciativas do governo federal ou municipal, como a informatização das escolas e convênios municipais diversos.
    Veja bem, quanto a federalização, não cabe em todas as áreas.
    Por exemplo:
    A questão de infraestrutura e desenvolvimento seria melhor executada pelos estados e não pelo governo federal. Isso porque cada estado sabe qual as obras que devem ser prioritárias, condições geológicas, logísticas, geográficas, demográficas, entre outras, que normalmente são condições e circunstâncias regionais, que não cabem às cidades somente.
    Engloba política de saneamento básico, portos, aeroportos, transporte fluvial, inter-regional, rodoviário, polos industriais, turismo, trem, etc.
    Fala para o presidente passar as verbas do PAC para os estados que verá o que é resistência.
    A educação deve ser a mesma para o Brasil inteiro, não sofre de elementos circunstanciais e locais, então não cabe aos estados tomarem conta se no fim das contas quem executa são as cidades. O executivo dos estados estão de gaiato nessa estória.
    As questões das polícias são aparelhamento, capacitação, contingente e salários.
    A questão da segurança se estende aos carceres, drogas e oportunidade(educação).
    As questão da saúde deve ao mesmo tempo ser igualitária e levar em conta as diferenças regionais, ou seja, dependem das medidas dos estados quanto a saneamento, infra-estrutura e desenvolvimento. Ao mesmo tempo que dependem da educação que seria feita pelas cidades subordinadas diretamente à União.
    Digo isso porque com boa educação diminuímos custos com saúde e segurança; diminuímos custos futuros.
    Se querem mudar o Brasil, mudem a educação.
    Se querem mudar a educação, unifiquem-na.
    Estamos a quanto tempo mendigando mudanças?
    Dando tiro no escuro?
    Rodando em círculos?
    Desde 1989?
    Só por falta de força política?
    Para ganhar merreca?
    Não brinco com esse tipo de assunto.
    O momento agora é perfeito pois precisamos de gente capacitada; o governo tende a ceder; até a rede bobo esta defendendo a melhora na educação (por razões diferentes é claro); e principalmente porque ainda precisamos.
    Os professores desconhecem o poder que tem nas mãos. Se conhecem, não sabem como usá-lo.

    João

    18/05/2011 - 16h27

    Pedro, não seja mais um a criminalizar o Professor.
    A classe é unida sim. E, de vez em quando, faz greves sim. Não podemos (sou Professor), sozinhos, pressionar os governantes que foram eleitos com o voto de toda a sociedade.
    Por favor, reveja sua posição e, como disse a Professora no vídeo, vá às Assembléias dos Professores, entre em contato com eles, e você verá que triste a situação do Professorado brasileiro como um todo.
    Para finalizar, anote aí: vai faltar professores em pouco tempo. Sem demérito a um azulejista (profissão muito boa, por sinal), esse ganha mais do que um Professor, e não leva pilhas de provas e trabalhos para casa para serem corrigidas.

    Pedro Luiz Paredes

    18/05/2011 - 18h04

    De maneira alguma João.
    O detalhe no meu texto que o fez ter essa impressão foi direcionado para aqueles professores que acham greve coisa de bandido (e infelizmente existem professores assim).
    Digo isso pois sou rodeado de professores e sei que muitos não tem tanto espírito de união, o que prejudica e enfraquece todos os movimentos sociais.
    Abraço!

Nadja

18/05/2011 - 14h03

E olha que ela nem falou das agressões sofridas pelos professores pelos alunos…
Educada e objetiva. Uma paulada! Mas que não vai adiantar muito…
Alguns vão dizer que ela quer concorrer a um cargo público, outros que foi comprada e com o tempo esse fora brilhante que ela deu será esquecido e sem ninguém realmente compreender que é uma trabalhadora, leciona por que gosta e só quer a melhoria do ensino e das condições de trabalho… Mas a quem interessa isso não é mesmo?

Responder

ZePovinho

18/05/2011 - 13h58

O que é mais importante:educar bem os brasileiros ou dar dinheiro para os parasitas do Estado??????????
http://www.tijolaco.com/um-colonia-se-faz-com-men

Uma colônia se faz com mentes colonizadas

Os jornais brasileiros parece que descobriram o óbvio: a inflação brasileira está sendo alimentada pela diferença entre a taxa de juros baixíssima cobrada nas economias centrais e a altíssima paga aqui.

Vejam como é cândida a narrativa da matéria publicada por O Globo :

“A dívida externa dos bancos brasileiros dobrou nos últimos 15 meses – de US$ 63,6 bilhões em dezembro de 2009 para US$ 122 bilhões em março deste ano. É um ritmo bem superior ao endividamento externo total do País, que inclui empresas e o governo. Este saiu de US$ 277,6 bilhões para US$ 381,3 bilhões no mesmo período, uma alta de 37%.

O dinheiro captado pelos bancos no exterior preocupa o governo por causa do impacto que provoca na expansão do crédito no País. A lógica é simples: a instituição toma dólares emprestados lá fora, os converte em reais e aplica no Brasil, em crédito e/ou em títulos públicos.

Ao transformar o dinheiro lá de fora em empréstimo aqui dentro, os bancos estimulam o consumo, o que desagrada ao governo no momento em que são adotadas medidas para conter a escalada da inflação por meio da desaceleração da economia.”

Evidente que o Governo não poderia, de uma tacada, alinhar nossas taxas de juros à externa, porque isso retiraria todo o crédito do mercado e, de imediato, lançaria o país á recessão. Mas, também, mostra que uma elevação dos juros aqui não apenas não vai restringir a oferta de crédito de forma significativa, como não fez em toda a trajetória altista, tanto que teve de ser contida pela via do IOF aplicado sobre o dinheiro de curto prazo. Nada a ver com o de longo prazo, aplicado aqui também em créditos de longo prazo, como os imobiliários, por exemplo.

Quem quer mesmo aumento das taxas de juros no Brasil, além dos que especulam com a arbitragem entre taxas externas e internas são as autoridades monetárias das economias desenvolvidas. Os investimentos no Brasil e nos países emergentes são uma forma de “enxugar” a liquidez de suas moedas sem terem de elevar suas taxas públicas de juros e, assim, comprometer mais suas abaladíssimas estruturas econômicas internas, ainda demolidas pela crise de 2009 e com baixo índice de produção, emprego e, ainda por cima, enfrentando uma alta taxa de inflação.

Da mesma forma, quando estimulam a “guerra cambial”, forçando a desvalorização de suas moedas, que estimula as importações e desagrega as indústrias dos países emergentes, joga no crescimento de suas exportações como válvula de escape para seu consumo interno estagnado.

Mas diante destas obviedades, como nos convencer a tomar o remédio que talvez não os cure, embora com certeza mate o nosso crescimento?

O veículo é a mídia e a forma é o terrorismo inflacionário.

O economista Paulo Kliass observa com toda a razão em artigo publicado na Carta Maior:
“Esse processo é bem visível no debate atual das alternativas de política econômica em disputa no interior da equipe da Presidenta Dilma. A toda e qualquer tentativa de apresentar um mecanismo diferente da elevação da taxa de juros para conter a demanda, o financismo sai a campo para desmontar a possibilidade. A tática mais utilizada é a criação de um clima de catastrofismo nos dias que antecedem às reuniões do COPOM, de maneira a pressionar pela elevação da SELIC. Os jornais contribuem também ao municiar os leitores com informações alarmistas a respeito do risco da inflação escapar do controle. Gritam que a inflação está saindo da meta de 4,5% ao ano, mas nada mencionam a respeito do intervalo aceitável até 6,5%. Expõem as previsões para os índices de inflação, mas não analisam a sua composição para verificar o quanto a taxa de juros é ineficiente para reduzi-los.”

Todos nós devemos ter bem claro que parte importante da batalha econômica – a que se trava entre o “Brasil da Roda Presa” e o Brasil que cresce, produz, emprega e eleva a renda – é travada nas mentes e, portanto, a mídia é sua grande arma, uma arma letal.

Se nos ocuparmos de quinquilharias, se nos tornarmos desatentos ao essencial e – até – se não formos capazes de ter ações antiinflacionárias pontuais e corajosas, como foi a da entrada da Petrobras nos abusos do etanol, vamos dar combustível para os lança-chamas midiáticos.

Um país colonizado depende de que a mente de seus cidadãos seja colonizada e se prenda às “verdades incontestáveis” que lhe vem de fora. E que são ditas em sua própria língua.

Responder

    JotaCe

    19/05/2011 - 02h03

    ____ De Noam Chomsky LA ESTRATEGIA DE LA DISTRACCIÓN.____El elemento primordial del control social es la estrategia de la distracción que consiste en desviar la atención del público de los problemas importantes y de los cambios decididos por las elites políticas y económicas, mediante la técnica del diluvio o inundación de continuas distracciones y de informaciones insignificantes.´____La estrategia de la distracción es igualmente indispensable para impedir al público interesarse por los conocimientos esenciales, en el área de la ciencia, la economía, la psicología, la neurobiología y la cibernética.____“Mantener la Atención del público distraída, lejos de los verdaderos problemas sociales, cautivada por temas sin importancia real. Mantener al público ocupado, ocupado, ocupado, sin ningún tiempo para pensar…Abs, JotaCe

erica

18/05/2011 - 13h50

exato profa amanda: é nefasto ver a precariedade do ensino como uma fatalidade e não como uma má vontade política com a educação. emocionante!!!!

Responder

Messias Macedo

18/05/2011 - 13h48

… A maioria absoluta destes gestores educacionais são meros tecnocratas, ávidos por mamar nas tetas da viúva do erário, sob os holofotes da mídia a esquentar-lhes o ego, fazer parte da "panelinha" do patrão da vez… Compromissos autênticos com as transformações radicais que é bom só se for "os compromissos agendados com a 'socialite'" – e os interesses escusos!… Cambada de hipócritas – e (ir)responsáveis pelas nossas contemporâneas mazelas medievais!

RESCALDO: não há mais nefasta espoliação do que a exploração do trabalho humano!

República de 'Nois' Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

    Gersier

    18/05/2011 - 17h00

    "A maioria absoluta destes gestores educacionais são meros tecnocratas"..
    Concordo em parte.São eles que dizem que os professores que ganham um salário de mer…não podem sequer falar alto com alunos mal educados e agressivos.Colocar de castigo?Nem pensar.Não são tecnocratas,eu os qualifico de "burrocratas".
    Não conheço nenhum amigo da minha geração que ficou traumatizado porque uma professora ou professor o colocou de castigo,que os burrocratas e teóricos chamam de "constragimento".Ao contrário,muitos estão bem profissionalmente e agradecem hoje "os constragimentos" sofridos no passado.

    Messias Macedo

    18/05/2011 - 18h47

    Gersier, aproveito o seu comentário para fazer um ajuste de concordância, afinal, estamos tratando de educação:
    [Eu deveria ter escrito] … A maioria absoluta destes gestores educacionais é composta por meros tecnocratas…
    (ou, … A maioria absoluta destes gestores educacionais é a expressão da tecnocracia [desalmada, alienada, contraproducente, tépida, insossa…)

    Felicidades!

    República de 'Nois' Bananas
    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

edmil

18/05/2011 - 13h44

azenha estou triste envergonhado por que essa a realidade do meu estado é ainda pior digo o Rio de Janeiro
QUE VERGONHA DO MEU PAÍS,É TRISTE.

Responder

Rogerio

18/05/2011 - 13h37

Como cidadão eu estava precisando de receber esse carinho, essa força… Num país onde o cidadão e sua condição é neglicenciada por todos os seguimentos do estado, SEM EXCEÇÕES, ouvir com tamanha autoridade a fala de AMANDA GURGEL vai ser sempre um motivo de esperança e de fortalecimento.

Responder

FrancoAtirador

18/05/2011 - 13h15

.
.
QUE PAULADA DA PROFESSORA !!! BRILHANTE !!!
.
.
Observação:

O Rio Grande do Norte é o latifúndio urbano e rural da família Maia, do coronel Zé Agripino (DEM), e da família Alves, dos Coronéis Garibaldis (PMDB).

Na última eleição para o Senado, no estado potiguar, os coronéis José Agripino Maia e Garibaldi Alves Filho fizeram dobradinha para derrubar Wilma de Faria (PSB), e conseguiram.

Detalhe:

Na eleição para governador do estado do Rio Grande do Norte elegeu-se a senadora Rosalba Ciarlini, do DEM, que havia exercido apenas metade do mandato.

Sabem que assumiu a vaga de Rosalba, como suplente dela, no senado ?

O coronelão ancião Garibaldi Alves, do PMDB, pai do senador reeleito Garibaldi Alves Filho, atual Ministro da Previdência Social.
.
.
Nesse contexto, talvez dê para ainda melhor se situar

no depoimento da notável educadora, professora Amanda Gurgel.
.
.

Responder

    Klaus

    18/05/2011 - 14h11

    FrancoAtirador, como está a situação no restante dos estados nordestinos, principalmente naqueles governados pelos aliados do PT? Bem melhor?

    FrancoAtirador

    18/05/2011 - 15h18

    .
    .
    Ora, Klaus.

    Deixo aberto o espaço para você, que é um demotucano de carteirinha, responder.

    Aproveita a oportunidade e diz como está a situação da educação em São Paulo e Minas Gerais.
    .
    .

    Aline C. Pavia

    19/05/2011 - 12h53

    Obrigada. A "progressão continuada" que o diga, o desmonte do ensino técnico também.
    Sou química formada por uma escola do CEETEPS e SEI do que estou falando.
    Outros só falam de achismos.

    dukrai

    18/05/2011 - 15h23

    Klaus, não sei se a ignorância, do verbo ignorar, é motivada pela ignorância, do verbo idiotice, mas nos estados nordestinos governados pelo PT, Bahia e Sergipe, foram apeadas velhas oligarquias. a respeito dos outros estados nordestinos, informe-se vc mesmo.

    Klaus

    19/05/2011 - 09h25

    Qual a diferença entre uma velha oligarquia que foi apeada pela chegada do PT e aquela que o apoia, tipo Sarney, a maior oligarquia nordestina? A família Gomes, de Cid e Ciro gomes, se encaixam em seu conceito de oligarquia?

    dukrai

    19/05/2011 - 15h43

    pra vc ver, Maranhão e Bahia são dois exemplos distintos. no primeiro foi possível um pacto em nível federal, pela fragilidade política de Sarney, esse "imortal" que foi até presidente da República, ameaçado por outros oligarcas e com o próprio PT apoiando o PCdB na eleição pra governador. Na Bahia não houve composição e o pau quebrou de alto a baixo e como todos sabemos o Toninho Malvadeza perdeu as calças, cuecas e meias nesse jogo barra pesada. No Ceará é a mesma coisa, pode haver uma composição no nível federal que possibilite a vitória sobre a reação, Vampiro Brazileiro e geraldinho opus dei, mas na política local, onde houver forças organizadas de esquerda, o PT tem sabido se posicionar bem. algumas vezes dá arrepios,como o acordo feito pelo PT com Hélio Costa do PMDB na eleição para governo de Minas em 2010, replay do acordo do PT com o PS(D)B na disputa da prefeitura de BH, ambos acordos perpetrados por Fernando Pimentel.

    Luiz Gustavo

    18/05/2011 - 15h32

    Sou professor do município de Fortaleza, governado pelo próprio PT e lhe respondo:
    Igual, sem tirar nem pôr.
    Essa realidade é do Brasil, independente do partido que governa.

    Isabella

    18/05/2011 - 15h36

    Pra que serve Estado, pra jogar sua incompetência em cima do Governo Federal? Vamos parar por aqui!

    Elton

    18/05/2011 - 16h14

    Eis o "critico" em política. O PT é novo nos governos estaduais e no governo nacional. Por quanto tempo a Direita representada por "nomes poderosos" governou ou ainda governa estados e municípios utulizando-se das mesmas artimanhas históricas para jamais deixar o poder? Garanto-lhe que por mais de um século e meio……..consulte a história política dos estados brasileiros e veja você mesmo antes de apenas vir aqui "dar um tapinha" e sair de fininho. Costume bem peculiar a um paulista (ou gaúcho) que usa nick "alemão" no viomundo………e não suporta críticas ao capitalismo, às elites, ao psdb, etc, etc, etc…..adivinhou quem é??????

    Leider_Lincoln

    18/05/2011 - 16h23

    Diz aí primeiro como está a situação em Minas, Sr. Klaus!

    Klaus

    19/05/2011 - 09h27

    Em Minas? Muito ruim, mas muito ruim mesmo. Agora sua vez: como está a educação nos estados governados pelo PT?

    FrancoAtirador

    18/05/2011 - 15h07

    .
    .
    Outro detalhe biográfico dos coronéis, donos do estado do Rio Grande do Norte:

    As famílias Maia e Alves são bem sucedidas "empreendedoras" na área de telecomunicação.

    O coronel Zé Agripino Maia (DEM) é um dos proprietários da TV Tropical, afiliada da TV Record.

    O coronel Garibaldi Alves Fº é sócio da TV Cabugi, afiliada da Rede Globo.
    .
    .

Jair

18/05/2011 - 13h12

"Constrangidos", para não dizer "tomar vergonha na cara". Ela foi finíssima com os presentes.

Responder

Titina

18/05/2011 - 13h11

Parabéns para Amanda Gurgel. Eu me encantei com seu discurso. Palavras duras, pronunciadas com respeito e altivez. Políticos não estão acostumados a ver suas intenções desnudadas ao vivo e, pelo silêncio que se fez no recinto ao final da participação de Amanda, acredito que foram atingidos em cheio.

Responder

ZePovinho

18/05/2011 - 13h06

Vamos defender a criação de uma Rede Federal de Educação Básica(do maternal ao ensino médio).Estados e municípios não têm competência( e nem vontade) de entregar educação pública de qualidade aos brasileiros que não podem pagar uma boa escola privada.
Vamos lá,Dilma!!Vamos começar desviando 1%(cerca de 1 bilhão e 500 milhões de reais) dos juros da dívida pública para iniciar esse projeto!

Responder

    FrancoAtirador

    18/05/2011 - 14h13

    .
    .
    Caro ZePovinho.

    Há tempos venho refletindo na questão e cheguei a esta triste constatação:

    A estadualização e a municipalização da educação e da saúde fracassaram.

    E os motivos desse fracasso são tantos, que talvez seja impossível enumerá-los todos:

    Faltam gerenciamento, planejamento, projetos, vontade política e interesse público.

    E sobram desvio de verbas, descaso administrativo, sucateamento e precariedade nos serviços.

    É o verdadeiro caos nacional.
    .
    .

    Roberto Locatelli

    18/05/2011 - 15h53

    Você tem razão, FrancoAtirador. No primeiro mandato de Lula, ele iniciou um movimento pela federalização do ensino. Mas sofreu ataques furiosos da elite. E recuou. Será que não é o caso de se pensar nisso novamente?

    ZePovinho

    18/05/2011 - 17h32

    Vamos pegar essa bandeira,Roberto.Toda a blogosfera.

    Roberto Locatelli

    18/05/2011 - 22h17

    Prezados FrancoAtirador e ZePovinho.

    Eu topo levar essa bandeira. Vou fazer o seguinte: falar com a Márcia Brasileira, blogueira, professora, ligada nas questões da Educação. Vamos pensar juntos nisso.

    FrancoAtirador

    18/05/2011 - 18h24

    .
    .
    Caro Roberto Locatelli.

    Entendo que sim, está na hora mesmo de repensar a estadualização e a municipalização da educação.

    Na realidade, o problema é legislativo, administrativo e estrutural.

    Os estados e os municípios, salvo exceções esporádicas, se demonstraram incapazes

    de executar as Diretrizes Básicas da Educação previstas na LDB (Lei 9394/96).

    O novo Plano Nacional da Educação, do governo federal, é muito bom,
    mas a quem cabe implementá-lo?
    Aos 26 estados e os 5.565 municípios, a maioria em situação econômica precária
    e sem um aparelhamento funcional, especialmente técnico-administrativo,
    sequer para elaborar projetos e encaminhá-los ao Ministério da Educação.

    Decorre daí, por exemplo, o passeio da verba federal, que inúmeras vezes é liberada pelo Governo Federal, porém retorna ao Tesouro Nacional sem a devida execução orçamentária,
    simplesmente porque não foi elaborado um projeto pelo estado ou pelo município.

    Sem falar no desvio desta mesma verba nos trâmites burocráticos internos.

    E tristemente a saúde e a segurança pública seguiram pelos mesmos descaminhos.

    As maiores contestações e resistências, em relação a uma mudança radical no sistema,

    partem dos governos estaduais e dos grandes municípios, com orçamentos robustos.

    Por exemplo, se houver a federalização da educação básica, da saúde e da segurança pública,

    praticamente não haverá razão de existirem os estados e estes serão meras ficções jurídicas.

    Isso os caciques políticos regionais (governadores e senadores) jamais vão admitir.

    O tema é bastante complexo, mas certamente alguma mudança

    na estrutura do sistema educacional é necessária e urgente.

    Assim como também, no que se refere às competências administrativa e financeira,

    nas áreas da saúde e da segurança pública.

    Este debate é de suma importância para o País.
    .
    .

    Jorge Zimbábue

    18/05/2011 - 15h47

    Pego carona na idéia do colega, pedidndo o mesmo para a Saúde Pública. Federalizar a Saúde no país é por agora a única saída. Presidenta Dilma. alguém aí no Planalto acompanha o blog do Azenha? Vamos lá, esperamos muito de vc Presidenta, votamos em ti e sempre para mudar a cara desse país!

    Marco Túlio

    18/05/2011 - 22h13

    Cara…que felicidade ler isso.
    Não é de hoje que venho falando isso aqui e acolá, mas minha voz sozinha é muito baixinha para ser ouvida…quem sabe daqui do Viomundo que é um espaço respeitado e de grande repercussão na blogosfera possa germinar essa idéia e tomar corpo junto à opinião pública.
    Enquanto a fase mais importante da educação, que é a fundamental, continuar gerida por essa cambada (exceções há, apenas para confirmar a regra) de prefeitos ignorantes e corruptos e incompetentes vamos continuar nessa situação patética.
    Federalizar o ensino fundamental com URGÊNCIA é a única solução (objetiva e de curto prazo, como bem disse a Profª Amanda Gurgel, ainda que não sobre a federalização) para reverter esse quadro dantesco.

Scan

18/05/2011 - 12h58

Gostaria de ver os acontecimentos na sequência da fala.
Qual foi a resposta da secretária? Houve alguma?

Responder

    Elza

    18/05/2011 - 23h01

    Scan, vc acha que depois desse depoimento dessa grande mulher potiguar, nordestina, brasileira Amanda Gurgel existiu sequência? "Duvidê-o-dó", o q a secretária Betânia teria a dizer após essas colocações tão claras, tão reais? Que tal gora ficarmos vigilantes com o destino da profª Amanda, quem sabe uma transferência pra outra escola, tirá-la de sala de aula? São apenas conjecturas, coisas assim parecidas com as do diretor do FMI…..

Altanir Pessoa

18/05/2011 - 12h55

Sensacional esse video!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

sousa primo

18/05/2011 - 12h54

Quero aqui parabenizar, essa guerreira , mulher de coragem e de fibra. E ai gostaria de saber do ZEZAO AGRIPINO, o que ele tem a dizer sobre isso.

Responder

    Jorge Zimbábue

    18/05/2011 - 15h42

    O RN é um feudo assim como o MA, tem dono. Ora os Maias ora os Alves e assim vai. Um não prejudica o outro desde que suas mazelas fiquem ocultas. Alguém lembra como é a saúde pública no RN? Tb é um caos? Então educar o povo significa libertá-los da ignorância que os impedem de sufragar nas urnas outros candidatos que de fato querem trabalhar para o Bem Comum!

ZePovinho

18/05/2011 - 12h52

Vou passar as próximas 10 eleições(estaduais,municipais e federais) só votando em mulheres.Aconselho que façam o mesmo.

Responder

Bertold

18/05/2011 - 12h38

Eita profa. porreta! Ela tem qualificação e capacidade para ser educadora e faz realmente justiça a uma melhor renumeração. Sua fala bem articulada e eloquente, e com uma compreensão periférica muito clara da realidade social é, infelizmente, coisa de raridade entre a maioria dos professores. Ah… se todo(a)s fossem iguais a você! Não é Vinicius?

Responder

priscila presotto

18/05/2011 - 12h29

Amanda Gurgel ,parabéns professora e cidadã brasileira .

Responder

priscila presotto

18/05/2011 - 12h27

Amanda Gurgel ,parabéns professora e cidadã brasileira .
Bem feito para com os burocratas!

Responder

edu marcondes

18/05/2011 - 12h11

CALÔ! Gracinha, emocionante, incisiva, perfuntória. Fico na frustrante condição de não poder dar um abraço nessa Professora.. Parabens

Responder

Deixe uma resposta