VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Jornalista pernambucana: Agora eu vou falar do Lula que eu conheço desde antes das Diretas

18 de fevereiro de 2016 às 13h20

2016-02-17 10.14.43 (1)

Agora eu vou falar do Lula que eu conheço.

por Sheila Oliveira, especial para o Viomundo

A gente sempre se esbarrou por aí.

Eu era estudante quando aquele barbudo juntou uma turma e fundou o Partido dos Trabalhadores. Um bando de peão, gente de esquerda, igrejeiro… tudo se metendo em política, “na disputa institucional do poder”, coisa que eu nem sabia direito o que era porque nasci na ditadura.

A elite, que eu ainda nem notava que era tão branca, desdenhou. Ignorou. Quando tinha uma greve forte, um movimento mais geral, o exército logo aparecia. Prendia. Chamava de marginal. Inventava um monte de coisa.

Foi quando esse cara também ajudou a tirar os sindicatos do oficialismo de Estado e fundar a CUT (Central Única dos Trabalhadores). A maior da América Latina.

Logo depois a gente estava nas ruas para que tivessem ELEIÇÕES. Isso mesmo!

Ninguém aqui escolhia presidente (variação de gênero nem pensar). E adivinha: milhões nas ruas e nas TVs nem sequer uma nota ou imagem.

E aquela voz rouca, de sotaque igual ao meu, me falava como a voz das ruas.

Entusiasmou gerações para a luta social. Pelo direito à liberdade, à democracia.

Demorou!  As “DIRETAS” não foram aprovadas.

Esse Lula e seus companheiros do PT denunciaram a manobra e não participaram do “Colégio Eleitoral”. Dos milhões, ficamos bem pouquinhos os que diziam: Esta Nova República é a velha burguesia.

No Congresso, os “300 picaretas com anel de doutor” traçaram a Nova Constituição. Foi uma luta… avançou umas coisas. Mas, no fundamental, defendia a propriedade privada, atrelava o Estado à religião, restringia o Direito de organização e um monte de liberdades individuais… E a gente continuava minoria da minoria quando não assinou a Carta.

Já tinha um bocado de cidade experimentando o jeito de governar que esse cara defendia. O mundo começou a ver que no Brasil estava rolando uma alternativa. Era possível trabalhar direitos sociais com participação e começar a mudar os lugares e a vida das pessoas.

Finalmente veio a eleição para presidente. Desta vez a TV não ignorou. Bateu. Mentiu. Armou. Tiraram a eleição do peão como quem tira o brinquedo de uma criança. Um golpe de debate editado na TV. Com ameaças, calúnias, jogo sujo.

Foi então que ele resolveu fazer o caminho do pau de arara de volta.

Andou cidade a cidade deste país. Juntou o povo sofrido. Registrou dor e fome.

Lembrou das coisas que já tinha passado.

Pegou uma semente “olho de boi” que tirou da panela de uma família (em Mirandiba) como única refeição do dia e guardou na valise. Andava com aquilo para nunca esquecer que existia a fome.

Quando a seca apertou, começaram os saques no Sertão. Inconformado com a barbárie, pediu pra gente ajudar, juntar Igreja, Sindicato, Movimento Social e Organizar essa luta. Não era possível gente morrendo, saqueando, sendo preso, virando bandido porque tem fome.

E jogou pesado com a gente que estava embrenhado nas disputas internas do PT. O Partido era para ajudar na luta do povo. Se fosse para fazer igual aos outros não precisava ser PT. E olha que o bicho se metia! Queria porque queria impor alianças com cada “peça” por aqui.

Assim fomos. Perdemos, perdemos, perdemos… E aprendemos que às vezes se ganha perdendo e também se perde ganhando. Unir aliados para eleger e governar é importante, mas ficar refém da  “governabilidade da base aliada” é um perigo. Principalmente para quem está só no Executivo no meio de vários outros espaços de poder da burguesia. A correlação de forças só muda com a luta social, com o povo organizado e mobilizado.

Um dia acho na minha bagunça o primeiro autógrafo do Primeiro Presidente Operário do Brasil. A memorável posse no Congresso e no Palácio jogou a energia para dentro do governo.

Já no governo, sempre, sempre, sempre atencioso, carinhoso, ligado nas pessoas.

Entrou ali em Brasília Teimosa, quando tudo era palafita, com todos os ministros. Meteu o pé na água, subiu e desceu de barraco. Endoidou a segurança, que ainda era a de FHC.

Outra vez, Siqueira, um metalúrgico do Recife, foi barrado no palanque. Ele avistou lá de cima, chamou Siqueira pelo nome, juntou com outros peões, tirou onda, contou piada… e o cerimonial de boca aberta.

Mesmo nos momentos mais difíceis, como em 2005, sabe quem mais animava a tropa? Quem procurava alternativa, caminhos?: mexeu com ele, mexeu comigo!

Programa a programa só tinha um sentido: fazer o que tinha que ser feito pra combater a pobreza. Dar visibilidade a quem nunca teve. Botar o povo nas planilhas. Abrir os palácios para a turma sem terno.

E a primeira mulher presidenta do Brasil recebeu a faixa desse peão nordestino. Quer mais simbologia?

É isso que dá tanta raiva a quem nunca precisou dividir poltrona de avião. Esperar na fila. Usar o  mesmo perfume da manicure. Pagar direitos das domésticas. Perder cargo público porque não quer trabalhar para pobre. Disputar vaga de Universidade com Estudante de escola pública.

E, pasmem! Ele também erra.

Quanto mais ele acredita em lobos com pele de cordeiro, ele erra.

Para o nosso projeto dar certo tem que enfrentar o latifúndio, não pode acreditar nos barões da mídia,  tem que mexer mais no bolso dos poderosos. Não pode dar mole para a Direita nos espaços de poder, nem jogar a crise no colo dos trabalhadores. Acabou esse convívio pacífico. Essa turma, quando vê farinha pouca, quer seu pirão primeiro. Destila o ódio de classe contra o povo.

E Lula é isso, minha gente! Esse ser humano que eu conheço faz tempo, de classe, de projeto, de trajetória, de história e de Brasil Mudado.

Sheila Oliveira é jornalista pernambucana, dirigente e militante do Partido dos Trabalhadores

Leia também:

FHC usou a Brasif para bancar ex-namorada no exterior

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

8 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Silvia

19/02/2016 - 13h22

Eu vi o que ele viu. Senti o que ele sentiu. O pobre sendo escravo de uma pseudo elite, saindo do sertão, analfabeto, nos ônibus da Itapemirim, para morrer nas indústrias em São Paulo, ou de fome nas capitais. Vi filhas de lavadeira, negras, seguindo a única profissão que conhecia, e as mães ficarem inválidas pelo esforço sem qualquer benefício social. Vi alunos do Mobral sendo alfabetizados somente para ter um título de eleitor e assinar seu nome. E pior que isso, a resignação da pobreza, achando que era normal um filho não ter direito à educação, à saúde, ao lazer. Quando vejo hoje os jovens filhos de serventes, pedreiros, empregadas domésticas, vendedor de lanche, prostitutas, estarem cursando universidade, sinto um orgulho imenso de der sido o Partido dos Trabalhadores, através de Lula, que resgatou a dignidade dessas pessoas, que me fez ter orgulho de ter nascido no Brasil. Você que está sendo afrontado com esse novo modelo, que não aceita seu filho ter estudado em colégios caríssimos e não ter o rendimento no ENEM de um filho de um sapateiro, mecânico, empregada doméstica, que continue com seus discursos vazios, porque só quem sabe o que é fome de comida, de saber, sabe valorizar cada migalha, cada centavo que entra na sua casa. Somos muitos, somos fortes. Obrigado Lula!

Responder

Iara Lopes

19/02/2016 - 12h16

“Quero ter olhos pra ver, a maldade desaparecer”. (Nelson Cavaquinho). Lula Presidente do Brasil em 2018. O fim da história do Bem e do Mal. Assim Seja!

Responder

Lenita

19/02/2016 - 09h49

Muito bom este depoimento ! O mais importante é de fato o legado deixado por Lula e o PT. Esse Brasil que ele mudou precisa continuar o caminho que ele traçou através horizontes tão diversos. Corrigir os erros de uns e outros é dever de todos nos. Devemos assim honrar esse homem que conseguiu como ninguem representar o povo brasileiro atraves da cidadania nunca antes conquistada; essa luta ainda é longa mas com certeza suas raizes estão bem desenvolvidas.

Responder

lulipe

18/02/2016 - 21h40

Quase cheguei às lágrimas…..

Responder

Lukas

18/02/2016 - 18h31

Inédito, uma militante do PT defendendo o Lula,

Daqui a pouco aparece por aqui uma freira ou um padre falando bem de Jesus Cristo.

Responder

    roberto

    18/02/2016 - 22h45

    Defender o Lula é fácil, quero ver defender o boca de sovaco, o vampiro da mooca, o picolé de chuchu, o aero neves, o aloysio 300 mil…

Urbano

18/02/2016 - 15h35

Avatares existem!!! O Eterno Presidente Lula prova isso por A+B.

Responder

Salvador

18/02/2016 - 13h44

Piegas, muito piegas. Não sensibiliza nem uma freira. Dada as circunstâncias defendo Lula e o PT, mas estou longe de avalizar toda a sua atuação. Vejo neles falhas (grandes e enormes – incluindo uma certa soberba) de se acharem messias de uma nação inteira. Jamais volverei à direita, mas não sou cego para os erros de alguns oportunistas.

Responder

Deixe uma resposta