VIOMUNDO

Intelectuais assinam manifesto contra Joaquim Levy e Kátia Abreu

24 de novembro de 2014 às 20h17

Captura de Tela 2014-11-24 às 20.16.43

Manifesto em Defesa do Programa Vitorioso nas Urnas, contra Joaquim Levy e Kátia Abreu

sugerido por Igor Felippe

A campanha presidencial confrontou dois projetos para o país no segundo turno. À direita, alinhou-se o conjunto de forças favorável à inserção subordinada do país na rede global das grandes corporações, à expansão dos latifúndios sobre a pequena propriedade, florestas e áreas indígenas e à resolução de nosso problema fiscal não com crescimento econômico e impostos sobre os ricos, mas com o mergulho na recessão para facilitar o corte de salários, gastos sociais e direitos adquiridos.

A proposta vitoriosa unificou partidos e movimentos sociais favoráveis à participação popular nas decisões políticas, à soberania nacional e ao desenvolvimento econômico com redistribuição de renda e inclusão social.

A presidenta Dilma Rousseff ganhou mais uma chance nas urnas não porque cortejou as forças do rentismo e do atraso e sim porque movimentos sociais, sindicatos e milhares de militantes voluntários foram capazes de mostrar, corretamente, a ameaça de regressão com a vitória da oposição de direita.

A oposição não deu tréguas depois das eleições, buscando realizar um terceiro turno em que seu programa saísse vitorioso. Nosso papel histórico continua sendo o de derrotar esse programa, mas não queremos apenas eleger nossos representantes políticos por medo da alternativa.

No terceiro turno que está em jogo, a presidenta eleita parece levar mais em conta as forças cujo representante derrotou do que dialogar com as forças que a elegeram.

Os rumores de indicação de Joaquim Levy e Kátia Abreu para o Ministério sinalizam uma regressão da agenda vitoriosa nas urnas. Ambos são conhecidos pela solução conservadora e excludente do problema fiscal e pela defesa sistemática dos latifundiários contra o meio ambiente e os direitos de trabalhadores e comunidades indígenas.

As propostas de governo foram anunciadas claramente na campanha presidencial e apontaram para a ampliação dos direitos dos trabalhadores e não para a regressão social. A sociedade civil não pode ser surpreendida depois das eleições e tem o direito de participar ativamente na definição dos rumos do governo que elegeu.

Confira a lista com as primeiras adesões:

LUIZ GONZAGA BELLUZZO – FACAMP/UNICAMP

JOÃO PEDRO STÉDILE – MST

LAURA TAVARES SOARES – UFRJ

LEONARDO BOFF – Teólogo

JOAQUIM ERNESTO PALHARES – Jornalista

LAURINDO LEAL “LALO” FILHO – USP

PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS – UNICAMP

ANDRE SINGER – USP

JOSÉ ARBEX JR – PUC/SP

IVANA JINKINGS – Diretora Editorial

IGOR FELIPPE – Jornalista

PAULO SALVADOR – Jornalista

ALTAMIRO BORGES – Militante Político

ROSA MARIA MARQUES (PUC-SP)

VALTER POMAR – Militante do PT

MST – Movimento Dos Trabalhadores Sem Terra

FORA DO EIXO

MÍDIA NINJA

REDE ECUMENICA DA JUVENTUDE (REJU)

CENTRO DE MÍDIA ALTERNATIVA BARÃO DE ITARARÉ

GILBERTO CERVINSKI – MAB – Movimento Dos Atingidos Por Barragens

WLADIMIR POMAR – Analista político e escritor

ANDREA LOPARIC – USP

BRENO ALTMAN – Jornalista

ALFREDO SAAD-FILHO (SOAS – UNIVERSIDADE DE LONDRES)

MARIA DE LOURDES MOLLO (UNB)

NIEMEYER ALMEIDA FILHO (UFU)

CARLOS PINKUSFELD (UFRJ)

MARCELO PRONI (UNICAMP)

PEDRO ESTEVAM SERRANO – PUC/SP

PEDRO ESTEVAM DA ROCHA POMAR – Jornalista

GENTIL CORAZZA (UFRGS)

RUBENS SAWAYA (PUC-SP)

PEDRO ROSSI (UNICAMP)

CONCEIÇÃO OLIVEIRA – Educadora e blogueira

LUIZ CARLOS DE FREITAS – UNICAMP

CAIO NAVARRO DE TOLEDO – UNICAMP

MARIA A. MORAES SILVA – UFCAR E UNESP

JOYCE SOUZA – Jornalista

EDUARDO FERNANDES DE ARAUJO – UFPA

LUIZ CARLOS PINHEIRO MACHADO – UFRGS – UFSC – UFFS

ANA LAURA DOS REIS CORREA – UNB

MONICA GROSSI – UF de Juiz de Fora

DANIEL ARAUJO VALENÇA – UFERSA

MARCIO SOTELO FELIPPE – Advogado

DEBORA F. LERRER – CPDA/UFRRJ

HORACIO MARTINS DE CARVALHO – Militante Social

GERALDO PRADO – UFRJ

ANTONIO MACIEL BOTELHO MACHADO –

JUAREZ TAVARES – UERJ

CLARISSE MEIRELES – Jornalista

HELOISA FERNANDES – Socióloga/SP

ARLETE MOYSÉS RODRIGUES – UNICAMP

HELOISA MARQUES GIMENEZ – UNB

FLAVIO WOLF AGUIAR – USP

FERNANDO MATTOS (UFF)

BRUNO DE CONTI (UNICAMP)

JOSÉ EDUARDO ROSELINO (UFSCAR)

ARIOVALDO DOS SANTOS – FEA/USP

LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE

Leia também:

Azenha: Dilma retoma pêndulo e cede ao Congresso dos conservadores

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
52 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

abolicionista

26/11/2014 - 14h55

Ou seja, era melhor ter perdido a eleição e mantido a legitimidade da esquerda, que o PT acaba de jogar na lata do lixo. O país está prontinho e embrulhadinho para o fascismo.

Responder

Mauro Assis

26/11/2014 - 08h42

“O terceiro turno está em jogo…” Galera, a oposição JÁ LEVOU o terceiro turno! E olha que ainda vem mais, falta muito ministro prá nomear e o PMDB tá com sangue nuzóio. O PT que se dê por satisfeito com a Secretaria de Igualdade Racial, isso se ela não for prá mão do outro Levy, o Fidélix.

Responder

mineiro

26/11/2014 - 07h49

a e outra coisa , o povo e os movimentos sociais ta cansado se ser feito de palhaços , uma hora pt e dilma a coisa muda. o sujeito de raiva vota contra.

Responder

mineiro

26/11/2014 - 07h46

nao tem essa de que votou nela , tem que aceitar tudo calado nao. tem que ir para cima mesmo , porque quem elegeu a pres. foi nos o povo , a esquerda e os movimentos sociais. se fosse , o playboizinho ja tava preparando para sentar no trono para destruir o brasil. e agora ela quer fazer a mesma coisa, chutando nosso traseiro para governar com as zelites. nao pode acontecer o aconteceu no primeiro mandato dela , tem que cobrar mesmo uma postura seria dessa pres. e o pt bundao, covarde. nao pde deixar essa direita covarde na pele do pmdb mandar nesse governo como mandou da outra vez. tem que entrar na briga mesmo , porque na hora de votar eles veem atras do povo e dos movimentos sociais e na hora de governar , eles querem governar é com as zelites chique.

Responder

Andre

25/11/2014 - 23h49

Garanto que todos que estão aqui defendo a escolha desses nomes para o ministério nos cometarios, vão correr para pedir o apoio dos fundamentalistas de viseira como alguém chamou em um comentário se houver um processo de impechment contra o governo dilma ou se a coisa ficar feia para o PT em 2018. Para votar, nos servirmos, mas e só para isso.Uma vez eleito o governo deve se justificar tudo, sem criticas.Depois o PT e seus apoiadores de viseira não conseguem entender porque ultradireita ganha cada vez mais espaço. Quem ajudou a chocar a serpente foram os fundamentalistas pragmáticos do PT com a interdição da critica. Agem da mesma forma que a ultradireita nesse ponto.

Responder

FrancoAtirador

25/11/2014 - 21h14

.
.
Luiz Gonzaga Belluzzo na Fazenda

Marcio Pochmann no Planejamento

Maria Lúcia Fattorelli no Banco Central

Servidor de Carreira na Previdência Social

Franklin Martins nas Comunicações

Luis Nassif na SECOM

Roberto Requião na Agricultura

João Pedro Stédile no Desenvolvimento Agrário

Pedro Stevam Serrano no Ministério da Justiça

Celso Amorim nas Relações Exteriores

Leonardo Boff nos Direitos Humanos
.
.

Responder

Molina

25/11/2014 - 21h01

Lista mixuruca de intelectuais. Vale ressaltar que Joaquim Levy foi recomendação de Lula, então cabe aos queixosos baixarem o facho e acatar a decisão de Dilma e a sugestão do grande mestre.

Responder

    Luiz (o outro)

    26/11/2014 - 06h43

    Falou, gênio!

edu

25/11/2014 - 19h55

A economia vai muito bem e sempre temos o caminho da Venezuela e Argentina né?

Responder

    Luiz (o outro)

    26/11/2014 - 06h44

    Quem afundou a Argentina foi o FHC deles, tem memória curta?

jane

25/11/2014 - 19h39

Se estes 2 for o salvador da pátria. …
Então titanic afundou de vez….

Responder

Gerson Carneiro

25/11/2014 - 18h01

Os intelectuais estão sabendo que Kátia Abreu agora é do PMDB e o PMDB está sentadinho na cadeira da Vice Presidência?

Responder

    Bertold

    26/11/2014 - 10h01

    …e que o suplente da Senadora Kátia Abreu é do PT?

    Maria Margarete de Oliveira

    26/11/2014 - 20h25

    Infelizmente.Sempre o PMDB como uma pedra no caminho…

Julio Silveira

25/11/2014 - 16h22

É um grito pela decência politica, o numero evidente é cada vez menor.

Responder

Zilda

25/11/2014 - 15h03

Todos podem assinar. Os intelectuais encabeçam o abaixo-assinado, mas todos que não concordam com as escolhas de Dilma podem e devem assina-lo.

Responder

Mário SF Alves

25/11/2014 - 14h03

“Messias Franca de Macedo

… E os representantes das entidades Médicas serão convidados para participarem dos convescotes de primeiro de janeiro de 2015 no Palácio do Planalto?!

Ou, quiçá, no Palácio da Alvorada, ou mesmo na Granja do Torto?!…

E a militância só comendo poeira – e ouvindo os desaforos dos(as) “cheirosos(as)” da DIREITONA fascigolpista!…”
_____________________________________
Prezado Messias,

Se me permite, entendo e respeito essa sua saudável indignação e mesmo RAIIIIIIIIVAAAAAAAAAAA. No entanto, com toda humildade e franqueza, queríamos o quê?

1) Olha a composição do Congresso; olha quem a população, o povo, elegeu.

2) Olha a tal Operação Lava [e vaza] à Jato; olha o tal Juíz, olha os tais delegados aecistas.

3) Olha a sabotagem descarada praticada pela criminosa revistinha de esgoto.

4) Olha quem foi “sorteado” para julgar as contas de campanha da presidenta Dilma.

Então, queríamos o quê?

Estamos na via institucional. Mais uma vez conquistamos – a trancos e barrancos – o governo, e não o Poder. Não conquistamos o Poder de Direito. Este ainda está a consolidar-se, e sua manifestação nas eleições foi, no mínimo, pífia. Recorda-te da composição do Congresso.

Enquanto isso, o poder de fato, o poder hegemônico, continua nas mãos de quem sempre esteve, sejam elas as de prepostos das corporações estrangeiras ou não.

_______________________________
Diante disso, a dúvida que fica é:

Não estaríamos nós, enebriados pela fulgurante vitória e ainda desgastados pelo calor de tão desigual luta, exigindo, sugerindo ou inconscientemente manifestando ideias autoritárias?

Digo isso, porque em meu entender o sistema ainda é o capitalismo subdesenvolvimentista naZional e a via política utilizada ainda é a institucional. Nestes termos, o quê efetivamente mudou? A correlação de forças alterou pra melhor? Como justificar a cobrança por total independência política na escolha de certos ministros?

Espero ter contribuído para a nossa imprescindível e maravilhosa oportunidade de reflexão.

Responder

    Marise Borba da Silva

    25/11/2014 - 19h36

    Mário SF Alves e Sergio Govea, acabei de vir de uma entre-conversa, ou inter-diálogos, melhor dizer assim, onde se falava sobre esta questão. Esta coisa de “os intelectuais” eu acho muito chata, é bem coisa das Ciências Humanas (dá para entender bem no livro de Snow, ‘As duas culturas'; depois ele escreveu As Duas Culturas e um segundo olhar, mas não li), em que ele fala de uma certa inveja das ciências humanas e sociais em relação às ciências naturais e exatas, por as primeiras não’terem o ‘método experimental’, não trabalharem com o ‘método científico’, como as segundas (e eu tenho as duas formações, mas isto me foi muito válido). Isso me parece a mesma lógica que exalta “os intelectuais”, mas aqui estão tão boas idéias expressadas, de quem não assinou este Manifesto. Gente inteligente, culta, sábia, neste debate.

    Mas, enfim, me identifiquei com os argumentos de vocês dois! Claro que foram notícias que me indignaram quando eu soube delas, mas eu não esperava que fosse diferente. Porque eu sei que vai levar um bom tempo ainda a que se possa dizer que a esquerda, ‘a legítima’, e não ‘a fundamentalista de viseira’, vai ter a voz final, a decisão final!

    Puxa vida, pés no chão, ganhamos com Dilma esta eleição ali, ali, a uns dois ou três pés do abismo (cerca de 2 ou 3 milhões de votos de diferença, não?)! Como poderia ser diferente agora, diante do que vivemos logo após as eleições: pedido de impeachment da Presidente, clamor por volta da Intervenção Militar (em inicias maiúsculas, porque é pra gente frisar mesmo), ataques ao Governo ainda pulverizados que vem de tudo quanto é lado e outras coisas mais.

    Coloquemo-nos no lugar de Dilma? Nossa, eu me sentiria como ‘aquela mulher na tábua do atirador de facas’, embora cercada de escudos de titânio, chumbo, ou metal mais forte ainda, que somos nós seus eleitores! Imaginem ainda uma alcateia de lobos mostrando os dentes pontiagudos e escorrendo fel e veneno pelo canto da boca, em cima dela e sua equipe! Ou alguém acha que a situação da Presidenta está diferente disso? E tem mais, ela comprometeu-se de governar o Brasil e fazer um governo para todos.

    Como ela (num sentido figurado, mera analogia), comparativamente a uma ‘galinha cheia de pintinhos’, decidirá quem vai abrigar sob suas penas?! Nós, seus eleitores, a sua ‘legião também de anjos da guarda’, muitos a chamam de ‘mãe’, ‘soberana’ etc., vejam bem, NÓS, SIM!, somos quem a blindou e a blinda! Somos aqueles que aqui na net suaram a ‘camiseta web’ pra caramba, trabalhando nas palavras, nas idéias de convencimento, utilizando os mais possíveis meios de persuasão e de comunicação (quantas vezes fui à madrugada, dias e dias), se não tivermos a ‘sabedoria’ para lidar com este momento delicado de agora, poderemos por tudo a perder!! Nos dividindo, enfraquecemos! Juntos, somos mais fortes que ‘Kátia Pica-Pau’ e ‘Joaquim não lhe vi”!!

    Dói, dói, sim, ver essas pessoas ocuparem as pastas que vão ocupar, como estou aqui aflita, sendo professora, em saber quem vai para o Ministério da Educação, até agora sem nunca ter tido nenhuma mulher à frente desse Ministério, e que me conste, nenhum deles que assumiu até agora foi ‘mais professor do que técnico ou executivo’ (desde FHC)! Anotem isto: a educação vai mal, obrigada, na sua essência. O MEC tem uma alma ainda medieval, e sua Proposta de Currículo é ainda para formar exatamente quem o nosso Capitalismo Tubarão Voraz do mundo e daqui deseja! Um para mandar, outros para servir! Disso entendo bem, é minha área.

    Fala-se em José Henrique Paim, 47 anos, como o novo Ministro da Educação. Quem é ele: “Formado em Economia e, desde 2006, ocupou o cargo de secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC). Exerceu as funções de presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), de 2004 a 2006; subsecretário especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República, em 2003; secretário estadual de coordenação e planejamento do Rio Grande do Sul, em 2002; coordenador de relações internacionais da prefeitura de Porto Alegre, em 2001. Também foi secretário municipal de captação de recursos e cooperação internacional de Porto Alegre, de 1995 a 2000; analista de projetos do Banco de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul (Badesul), de 1988 a 1994. É professor de economia do Centro Universitário La Salle (Unilasalle), licenciado.

    Ótimo. Professor de Economia. Como FHC, de Sociologia. Um bosta! Não falo do Paim, claro! Mas, como disse, mais um executivo, um técnico, e não um ‘ensinador que entenda, só um exemplo simples, o porquê ‘dos alunos da minha vizinha terem se evadido da escola durante o ano de 2013′, ou o ‘porquê de uma aluna nunca mais querer ter ido a aula, porque era chamada de burrinha (quando na verdade el tinha problemas de visão ou de audição)! Ou mesmo, porque se deve incinerar em praça pública esta Proposta Curricular de Ensino que se tem, zerar tudo, e construir o novo, o novo Brasil! Vcs me entenderam, não é, na educação nada vai mudar!

    Mas, estou pagando pra ver, não vou desistir, vou fazer as críticas que precisarem ser feitas, vou apontar problemas, mas também soluções, se possível, se for de minha competência, indicar caminhos, como alguém dessa legião de anjos, que não quer Kátia, que não quer o Levy, mas que tem a consciência de que nos tempos de hoje, nem sempre “quem sabe faz a hora, não espera acontecer”! A maré ainda tá muito alta. tem muito tubarão em nossa volta, na espreita de dar o bote! Abraços!

Elias

25/11/2014 - 12h46

Essa lista é insípida, inodora, inóspita e inoportuna. O povo elegeu a primeira mandatária de uma república chamada Brasil. Todo o comando da nação está nas mãos de Dilma Vana Rousseff, inclusive as Forças Armadas que deve obediência à sua comandante-em-chefe. Como se não bastasse os trogloditas apátridas que batem às portas dos quartéis pedindo golpe, temos de aturar fogo amigo por conta de puristas que fazem mimimi diante das escolhas de uma composição de ministério. Por favor! Entendam um pouco mais o modo de se governar um país como o nosso antes de inscreverem seus nomes nesses abaixo assinados totalmente estapafúrdios e desnecessários.

Responder

Luiz

25/11/2014 - 11h11

O grande problema é que quem paga as contas é o capitalismo. O socialismo conseguiu apenas plantar bombas-relógio. Se não chamarem quem entende de dinheiro para cuidar do dinheiro, explodiremos.

Responder

    Mário SF Alves

    25/11/2014 - 13h34

    Bomba-relógio? Capitalismo?

    Francamente 1)

    Não sei onde você consegue ver bombas-relógio. No Bolsa Família? Na construção das obras de infra-estrutura que sem as quais não se desenvolve este País? Onde?

    Francamente 2)

    Que estória é essa de capitalismo?

    Capitalismo no Brasil?

    Ora, Luiz, o que temos aqui no Brasil é ainda o sui generis subdesenvolvimentismo capitalista naZional, onde capitalista bom mesmo é o que vive de muletas à custa do Estado. Vide, por exemplo, a mídia fora da lei e a nata das empreiteiras. Ou você acha que a corrupção e sonegação de impostos não tem sido e sempre foi um grande e facílimo e promissor negócio? O que temos aqui, amigo, é mais comumente entendido como capitalismo selvagem. Isso, sim.

    E é isso que desativaria a tal bomba-relógio? Como? Só se for pelo retorno da velha, deplorável, desumana e injustificável política de exclusão social, alijando do consumo e de direitos constitucionais nada menos do que 50% dos brasileiros.

Edgar Rocha

25/11/2014 - 11h03

O PT, suas lideranças, seus porta-vozes que costumam fazer o meio de campo podem argumentar o quanto quiserem para garantir mais um pouco da imensa tolerância dos setores organizados da sociedade civil diante do pragmatismo que sempre sustentou a governabilidade.
Não importa. O que se deve ter em mente é que, se este pragmatismo não for capaz de ceder e escutar as forças que se empenharam em eleger Dilma, então não é pragmatismo coisa nenhuma. É safadeza da grossa! O argumento a favor de procedimentos como a escolha de ministros tão conservadores, se sustenta na necessidade de engolir sapos e evitar o bloqueio do que realmente é possível fazer. Em resumo, é coação. O governo não quer ceder, mas faz este imenso sacrifício em nome da causa, e devido à truculência de seus ‘aliados”.
Sendo assim, se o jogo é este, já passou da hora de ser um pouquinho truculento também em relação a Dilma, ao Lula e à bancada petista. Por que não? Deixa o Lula levar uma vaia daquelas, ao estilo Copa do Mundo, pra ver se não enfia aquela língua presa onde a Marisa não põe o dedo e passa a defender, um pouco que seja, o interesse dos movimentos sociais. Se ele não fizer isto é porque, o tempo todo, a agenda do governo era exatamente aquela a que todos desconfiam: manter-se no governo e dane-se o projeto de campanha. Que entendam os representantes da tropa de choque do PT, não é nada pessoal. É política! A política que tem sido imposta nestes doze anos. Depois do aperto pra eleger a Dilma, neguinho vier pedir paciência dos que esperam um pouco de respeito, isto sim, é pessoal. É chamar a todos os eleitores da Dilma de idiotas. Já basta o Alexandre Garcia.

Responder

    Mauro Assis

    25/11/2014 - 15h56

    Edgar,

    Essa tese que o PT faz com nojinho o que o PSDB faria com gosto não cola, né? Ou o PT passa a fazer o que prometeu na campanha ou tanto faz ter ganhado a eleição…

    Edgar Rocha

    25/11/2014 - 18h18

    Com nojinho é ótimo. kkkkkkkkk

    Também é o que eu penso.

sergioa

25/11/2014 - 10h44

Votei em Dilma, o PT ganhou mas parece que elegi o PSDB …

Votei na Dilma, o PT faturou a eleição mas pelas notícias que pipocam a cada instante, parece que eu elegi o Aécio e o PSDB.

Espero estar redondamente enganado, mas a demora em definir nomes e ficar testando qual agrada mais o mercado, qual a equipe economica traria a “confiança do mercado”, não me deixa com muita esperança.

Será que fui enganado? Será que ao brigar para defender o voto em DILMA eu fiz papel de bobo?

Responder

SAMWISE

25/11/2014 - 09h27

Quem precisa de inimigos? Temos excelentes amigos… É preciso perceber que o governo não governa apenas para os seus. Governa o país que, no nosso caso, tem uma sociedade multifacetada. A Presidenta precisa se equilibrar em meio às diversas pressões, não ceder totalmente a nenhuma delas e tornando ação as melhores partes de cada uma. Esta é a forma de unir a sociedade. A Presidenta não deve ser cobrada por suas nomeações antes de estas mostrarem serviço. Ela deve ser cobrada, assim como o PT, por sua inação diante do bombardeio de delações seletivas que vem da sua própria polícia. E por sua falta de políticas para atender a parcela da população que está se sentindo carente de atenção. O governo precisa mostrar ação, enfrentamento político, enfim, governar. Estudar e apresentar um pacote de ações para garantir e ampliar as conquistas da Classe C. Reconquistando a Classe C, especialmente a do Centro-Sul, o apoio popular será tão forte que acaba esse golpismo que está no ar e a base política reduz as cobranças estridentes. Na série de textos abaixo há uma reflexão neste sentido. O que a Classe C precisa? Recomendo a leitura.

http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR3.html

http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR2.html

http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR.html

Responder

O Mar da Silva

25/11/2014 - 08h57

Dilma terá quatro anos, a partir de 2015, para dizer o que fará pelo Brasil – mais do que já fez – e o que deixar para Lula tentar mais um mandato.

Eu também reprovo essas indicações, mas sei que um governo que optou pelo emprego, aumento real do salário, transferência de renda, Mais Médicos, ferrovias, concessão em aeroportos, Luz Para Todos e etc não entregará tudo isso ao inimigo.

Prefiro dar tempo ao tempo. E esperar que os movimentos sociais sigam assim atentos, cobrando as ações do governo. Porque não demos uma carta ao PT para mais 4 anos, demos um voto de apoio a um programa de governo que disse claramente ser contra o exemplo do arrocho que está destruindo a Espanha, a Grécia, a Itália e cia ltda.

Espero que a Dilma tenha uma equipe para ajudá-la nessa travessia, pois o Brasil mudou nos últimos 12 anos e deve aprofundar esse receituário de melhorias, melhorando onde não deu certo, como a Dilma reconheceu em seu programa.

Kátia Alves é o atraso do atraso. Uma pena para o MST e para quem sabe da importância da pequena propriedade rural para o mercado interno de alimentos saudáveis. À luta companheiros!

Levy foi aluno de nauFraga, o moço das medidas indecentes do Aécio. Mas Dilma levou e irá governar. Se ele destruir tudo que o PT construiu, Dilma terá 4 anos para tirá-lo de onde ela colocou. Com ou sem pressão, é a biografia da presidenta que está em jogo.

Dilma quer ser reconhecida como uma FHC ou uma Lula?

Responder

Antonio

25/11/2014 - 08h38

A presidente está terminando um mandato e se preparando para um novo.
Acredito que ela considere a correlação de forças entre os que a elegeram e
aqueles que votaram na oposição.
Estes são na prática, 45% da população brasileira e a presidente não
governa apenas quem a elegeu, governa todos e não pode dar as costas aos que sufragaram nomes da oposição.
O PT mais atrapalha do que ajuda, um bando afoito pelo poder e suas
benesses e a oposição quer o poder pelo poder para aplicar o que sabe
fazer, diminuir o estado.
A própria ida, na prática, de Eduardo Campos para a oposição foi o resultado do mimimi dos petistas enciumados com as deferências que Lula dava a ele como ministro. Penso que Lula estava cevando um bom candidato para substituir Dilma, tentou até o último momento.
Eu não vejo nada demais nos nomes veiculados até aqui. Se chegarem ao
ministério, serão ministros da presidente que tem seu programa e, pelo
que acompanho, sabe para onde vai e quer chegar.
Vindo que onde eles vem, podem dar sua contribuição ao governo. Aliás todos podem.
Canalhas e safados existem em todos os partidos e o PT não é exceção. Não preciso citar os patifes do PT, não é verdade!
A oposição que existe, principalmente em São Paulo e no Paraná, reelegeu os governadores do PSDB. Em São Paulo com 60% dos votos. Essa oposição é não é só contraria à melhoria das condições e da vida de muitos brasileiros. Essa oposição, entre tantas outras coisas, quer impedir a
modernização do país que passa necessariamente pelo bolso de muitos dos que participam das passeatas pró golpe.
O Brasil é essencialmente um país cartelizado em todos os setores da economia. Um país onde se praticam taxas de lucro pornográficas e todos os industriais e comerciantes culpam os impostos, mas jamais em tempo algum nenhum deles, mesmo usando um produto hipotético, demonstrou a real carga dos impostos no seu preço de venda. A modernização afeta todos estes oposicionistas, principalmente seus líderes os quais não aparecem.
Estão encastelados na FIESP e em outras entidades do mesmo tipo, querem continuar vendendo, mas querem muito mais manter seu cartel. Como por exemplo, a distribuição de alimentos em São Paulo, praticamente nas mãos de uma única empresa.
Multinacionais aqui, vendem seus produtos por quatro ou cinco vezes mais do que no seus países de origem. Que digam automóveis e os medicamentos.
Industriais culpam o dólar baixo por não venderem ao exterior. O dólar alto permite que vendam com as mesmas taxas de lucro que praticam aqui.
Reduzir estas taxas, nem pensar!
O capital brasileiro é rentista.
Quando começaram os problemas da presidente?
Quando reduziu os juros a níveis internacionais!
Desagradou meio mundo! Industriais aumentaram seus preços para compensar
a perda do rendimento, bancos e corretoras começaram a fazer terrorismo
usando a imprensa e o país perdeu.
O que foi descoberto na Petrobras é usual em toda empresa sediada no Brasil, das maiores as menores, incluindo as multinacionais.
Nas estatais deve-se à falta de caráter e integridade dos funcionários e empresários e a ajuda do sistema político.
Nas empresas privadas deve-se à falta de caráter e ambição dos executivos.
Nas pequenas, poder comprar o último modelo de automóvel, nas grandes SA’s aos bônus que receberão. Dois exemplos de executivos brasileiros, o dirigente da Veja, cantado e decantado como diretor de banco que era ético.
Ético enquanto foi seu interesse!
O presidente de uma multinacional de automóveis cujo sucesso se deveu as demissões em massa. É o que sabem fazer.
Procurem uma empresa brasileira ou multinacional sediada aqui que não pratique esses atos, que ganhe uma concorrência com seus méritos e não com o “por fora”.
Qualquer que seja o ministério, penso que o mais importante é a
presidente liderar, sob todas as formas, um movimento pela reforma
política.
Constituintes eleitos especificamente para esse fim.
Em seguida uma reforma no Código Penal e a reforma do Judiciário.
Não é possível mais continuar tratando e penalizando bandidos travestidos de empresários e ou funcionários públicos e de estatais como se fossem batedores de carteira.
E o PT poderá reclamar quando expulsar de suas fileiras um deputado que enquanto presidente da câmara teve o desplante de declarar frente a repórteres de TV que sua mulher teria ido pagar um carnê de TV a cabo quando na verdade foi receber seu trocado. Poderá reclamar mais ainda quando expulsar um certo ex-prefeito que abriu concorrência para comprar molho de tomates com ervilhas.
Poderá usar megafones e fazer exigências quando deixar de dizer: “Mas no tempo do FHC; esses problemas começaram no tempo de FHC.
Esse manifesto mostra bem o que é nossa esquerda, igual a esquerda no resto do mundo.
Não vi manifesto quando Lula recebia apoio de Sarney, Renan e outras excrescências no Congresso. Sem esses apoios, teria feito alguma coisa?
A presidente eleita, é a dirigente do país e deve convidar todos aqueles que ao seu ver podem contribuir para que seu governo chegue a bom termo.
No manifesto, esses intelectuais praticamente afirmam que na oposição só existem patifes sem olhar para o próprio rabo.
São os que menos sofreriam com um golpe, civil ou militar. Praticamente todos têm condições de recolher seus pertences para mudar temporariamente para a Europa. Nós ficaremos aqui!
Esquecem-se de João Goulart que mesmo tendo boas intenções, se esqueceu ou foi ajudado a se esquecer que havia uma oposição e deu no que deu em 64.
O golpe hoje não seria militar!

Responder

Adilson

25/11/2014 - 03h26

Depois de nós “bovinos e coniventes com a corrupção na Petrobras” termos eleito a Presidenta Dilma no 2° turno, o PT está fazendo o maior esforço para perder o 3° turno estabelecido pelos derrotados nas urnas. Sem convergência o PT vai ser facilmente tragado pelos golpistas. Ocorre que como bem lembrou o Lula se eles vierem para cima de nós o 3° turno será decidido nas ruas, mas seria de bom alvitre as cabeças pensantes do PT remarem para a mesma direção, pois a maioria da população brasileira escolheu o projeto do PT para governar o Brasil, falta o PT ajudar convergindo, pois a divergência só fortalece os golpistas.

Responder

    Antonio

    25/11/2014 - 10h24

    As ruas não decidem nada, não decidiram em 64.
    Decidem quando as passeatas são manipuladas pela direita como as que ocorreram e ocorrem em São Paulo.
    Jovens de hoje, em maioria, são imbecis que não enxergam um palmo à frente do nariz. São ótimos para a Marina trafegar com sua cantilena preservacionista e a direita criar comoção para derrubar o governo.
    A maioria que escolheu Dilma não é tão maioria, a vitória foi muito apertada graças a Marina e muitos erros do próprio governo, muitos deles de responsabilidade total do PT. André Vargas que o diga!
    Essa cambada que se aboleta no PT mais atrapalha do que ajuda.
    A presidente governa o Brasil, os 51% que votaram nela e os quase 50% que votaram na oposição que por pior que seja tem gente decente, assim como em todos os partidos.
    O PMDB de hoje é o PFL de ontem, nem se preocupam mais em ter candidato a presidente, bastam os governadores e deputados. O resto manipulam.
    Deixe de falar bobagem, veja a situação da Venezuela que aproveitou o abandono da oposição para tentar governar sem ela.

    abolicionista

    26/11/2014 - 00h32

    Afinal, o PT não investiu naquilo que Lula, ironizando, chamou de “luta ideológica” e preferiu se transformar numa máquina de ganhar eleições. O resultado está aí: 12 anos sem nenhuma reforma de base, um partido cada vez mais fraco e a esquerda desmoralizada perdendo o espaço das ruas para os fascistas doutrinados pela mídia que o PT relutou em democratizar (a Dilma aconselhou o controle remoto, não foi?). Mas a culpa é sempre dos outros, ah, os outros….

Emanoel

25/11/2014 - 00h56

ISSO!

Responder

Messias Franca de Macedo

25/11/2014 - 00h40

… O Fagner &$ a Fafá de Belém serão contratados para cantarem na festa da posse da presidente reeleita?!…

Responder

    Messias Franca de Macedo

    25/11/2014 - 00h48

    … E os representantes das entidades Médicas serão convidados para participarem dos convescotes de primeiro de janeiro de 2015 no Palácio do Planalto?!

    Ou, quiçá, no Palácio da Alvorada, ou mesmo na Granja do Torto?!…

    E a militância só comendo poeira – e ouvindo os desaforos dos(as) “cheirosos(as)” da DIREITONA fascigolpista!…

Messias Franca de Macedo

25/11/2014 - 00h32

… Luciano Coutinho… Paulo Nogueira Batista Junior…

Alguns nomes de economistas desenvolvimentistas e nacionalistas para o ministério da Fazenda!…

“Gente do Bradesco, não, mamãe!”

Responder

Messias Franca de Macedo

25/11/2014 - 00h24

LÁ VEM O MATUTO MEIO QUE INJURIADO E PERPLEXO!

… Acabei de assinar o manifesto!… Não votei em eufemismos! Eu votei no protagonismo do verdadeiro, sapiente, leal, impávido e honesto povo trabalhador brasileiro!

(A seguir a toada, daqui a pouco os energúmenos Bolsonaro e o MalaFALSA serão nomeados para os ‘miniSTÉRIOS’ da Justiça e das Comunicações, respectivamente!…)

Responder

    Messias Franca de Macedo

    25/11/2014 - 00h24

    … Daqui a pouco, ‘O PT da Governança’ irá convidar ‘o Pastor do Diabo everaldo’ ou o Levy (IN)Fidelix para comandar a Secretaria Especial dos Direitos Humanos!…

    Com status de ‘miniSTRO’!

    ‘Nois’ merece!(?)…

    Messias Franca de Macedo

    25/11/2014 - 00h29

    … Convoca (sic) logo o Trairão do ronaldo DENTUÇO para o ‘miniSTÉRIO’ dos Esportes!…

    Contrata outro trairão, o neymar, para ser o embaixador das Olimpíadas 2016!

    E o ‘peixe’ romário também da espécie traíra para o ‘miniSTÉRIO’ da Cultura!…

    Ô RRRAAAAAIIIIVVVAAAAAAAA!

Mancini

25/11/2014 - 00h23

Mais do que na hora, a direita não pode levar! http://refazenda2010.blogspot.com.br/

Responder

    Mancini

    25/11/2014 - 10h41

    Mas poderia ser assim, pelo menos com ka. Sábia constatação que uma amiga e colega, que tinha vindo de outra repartição: Lá, ‘os dos outro lado’, ficam em cargos, junto ao Chefe, mas não podiam fazer nada!…
    http://refazenda2010.blogspot.com.br/

Paulo Mendes

24/11/2014 - 23h45

Dilma está emparedada, entre a cruz e o diabo!E, agora, Dilma? Vai se aliar aos vendilhões da pátria, vai esquecer o que fizemos por vc, a amamos em plenitude, a defendemos quando o imperio do” mal” tentou destruí-la e mandá-la para fora do Planalto em uma carroça de mudança com passagem só de ida.
Por favor, Dilma, veja o governo de Mujica e de Evo o quanto teem dado certo. Dilma nãos e endireite.

Responder

    Mário SF Alves

    25/11/2014 - 14h19

    Paulo,

    Com todo o respeito, mas Mujica e Evo como referências pros nossos problemas no Brasil?

    Desculpa, mas não dá.

    E não nego de forma alguma a grande admiração que tenho por eles, mas, convenhamos, Brasil é Brasil, e Uruguai, Bolívia, Venezuela e/ou EUA são outros países, outras histórias.

    Quem sempre pensa assim, de modo tão tabula rasa, é a mídia empresarial pensamento único, sonegadora, sabotadora e fora da lei. E só quando a convém, que fique bem claro; ou seja, só contra os povos do mundo, em especial, contra o povo do Brasil.

    Mário SF Alves

    25/11/2014 - 17h18

    Ah, tem como entender sua sugestão, sim. Não sei o partido dele, mas ele, Mujica, não se envolveu com bandalheiras; abdicou de morar no Palácio do Governo e foi morar num sítio.

    Por outro lado, e tendo em vista apenas este aspecto, diria que não envolver-se em bandalheiras, isso a presidenta Dilma sempre fez. Só não mora num sítio. Mas, aí, né… consideradas as proporções e a geopolítica afeta a cada um destes países já seria politicamente impossível.

    Imagine a presidenta Dilma despachando de um sítio na periferia urbana de Brasília.

    _____________________________________

    Acho que nosso problema é outro. O povo brasileiro anda cansado de maus exemplos. E isso é de desanimar, mesmo. E é isso que tem de ser entendido, e com a máxima urgência possível.

    O presidente Lula tem um poder único de se comunicar com a maioria da população. E isso, por si só, já constitui um bom exemplo. Mas, as pessoas precisam saber mais. Precisam saber o quê, onde, quanto custa [uma noção de custo], e por que o governo faz. E fundamentalmente: o quê e o porquê do governo ainda não ter feito aquilo que tem de ser feito. Ou será que as pessoas não entenderiam a questão da dívida pública?

    Usem as concessões públicas de rádio e TV e mostrem a verdade. A verdade não ia vencer a mentira? Pois então. Tá na hora.

    A não que… o barco já tenha naufragado. Aí realmente não tem mais “esse” jeito.

Anderson

24/11/2014 - 22h37

Certos fatos são difíceis de entender….outros não …..são puramente pequenos sinais. A propósito , há propaganda constante do Iba Clube na pagina do Viomundo oferecendo 1 mês grátis da Óia…..pode?

Responder

José Mário Comini

24/11/2014 - 22h16

Não posso nem em sonho acreditar que depois de tanto sofrimento e luta pela reeleição da nossa Presidenta, ela vai nos decepcionar.

Quantos nomes de peso temos na intelectualidade da esquerda para montagem de uma excelente equipe.

Acorda Presidenta, esta letargia nos faz sofrer ainda mais.

Responder

    Sergio Govea

    25/11/2014 - 01h09

    Prezado José Mário,

    A esquerda não tem votos.

    A prova está no fato de ser o nordeste o grande eleitor de Dilma e ser o mesmo nordeste aquele que vota simultaneamente no pior dos piores conservadorismos de direita.

    O que eu entendi é que Dilma fez um necessário balanço geral de toda a eleição. Eleição proporcional e eleição majoritária.

    E o balanço geral se reflete num ministério possível e não num ministério dos nossos sonhos.

    Estive em diversos sites que dão destaque a esse tal “manifesto de intelectuais de esquerda”. Sinceramente, fico com a opinião que li no Blog da Cidadania. Mais (matematicamente) ponderada, ao meu ver.

    A bancada do PT encolheu na Câmara e a bancada conservadora aumentou.

    É esse o fator que não está sendo levado em consideração pelos que assinam o manifesto e por pessoas , de indubitável boa índole, como você.

    A sanha golpista existe e é forte. Entretanto, como já expus em outros comentários, não me parece que sairá vitoriosa.

    Muito menos pela falta de conhecimento político da população e muito mais pelos cenários possíveis, após um eventual golpe de Estado. Ainda que através da “Lava Jato”, passando pelo pedido de impedimento com a tal ” devida fundamentação jurídica”.

    Quanto a uma possível leniência do Ministério da Justiça, eu também devo acalmá-lo.

    Não posso aqui fazer exclamações comprometedoras, mas posso fazer perguntas esclarecedoras.

    Uma exclamação comprometedora seria chamar os tais “delegados tucanos” de “falsos tucanos”. Mas, a pergunta esclarecedora é: será que o Ministério da Justiça não trabalha com a contrainformação ? Será que a inteligência não é a verdadeira arma do Executivo ?

    Uma exclamação comprometedora seria dizer que Dilma não tem força perante Cardozo. Mesmo depois de tudo o que aconteceu no caso do chamado mensalão.

    Mas, a pergunta esclarecedora é: será que um governo capaz de realizar feitos muito relevantes, complexos e estratégicos, com diversas equipes, trabalhando de forma concatenada, constantemente, com a participação ostensiva de representantes civis e militares seria o mesmo governo que “deixaria o barco correr frouxo” na questão dos vazamentos seletivos e na questão dos delegados tucanos ?

    Não seria um equívoco subestimar o governo a esse ponto ? Você não acha que a sensação de “leniência” não seria também compartilhada por toda uma equipe especializada do Executivo ?

    Na hipótese de serem mesmo os “delegados tucanos” e o juiz Moro pessoas precursoras de golpe, poderiam esses falar confortavelmente ao telefone e/ou se reunir sem serem devidamente “ouvidos” ? Eles correriam esse risco ?

    Termino esse comentário , convocando-o à reflexão: Ao perceber uma rua deserta , num domingo de manhã…. veja a paz sem deixar de considerar a possibilidade de intensa atividade sob o asfalto.

    Valeu.

    Leo

    25/11/2014 - 10h07

    Concordo plenamente com o amigo. Se tem uma coisa que nomes históricos em torno do partido, não deviam fazer agora, é ajudar a sabotar o segundo governo nos prelúdios deste.

    Por mais absurdo que pareça ao projeto de esquerda, não se deve e não se pode, ignorar a necessidade de compor uma renovada coalizão centrista. Até porque, não existirá governo possivel e que avançe nas questões básicas, se em mais um ano o mercado financeiro com toda sua arrogância, derrubar mais uma vez as expectativas de investimentos privados.

    Queiram ou não, Levy seria uma forma de acalmar os ânimos do empresariado que já se arvora todo com a notícia de reformulação da meta do superávit primario. Que sabemos bem, ainda dará muito pano pra manga apesar de ser extremamente necessário, pra um governo q sacrificou-se na medida certa e anticíclica.

    Para a agricultura, Katia motosserra tem a capacidade de reter uma parcela do legislativo ao lado da base aliada, em especial de minar um pouco da resistência da turma do Cunha.

    Ao fim e ao cabo, o problema maior, é ainda a falta de comunicação desse governo com sua base. Ou mesmo com a população, mostrando e elucidando os motivos pelos quais tem determinadas atitudes e o q se esperar desta composição

Mário SF Alves

24/11/2014 - 22h08

“HORACIO MARTINS DE CARVALHO”

Meu inesquecível professor de Planejamento.

Ele ali, exercendo seu direito democrático e imprescindível papel de mostrar o outro lado da moeda, o contraponto entre o Brasil Um País de Todos e o BraZil Um País de Poucos e a realidade sem a intermediação de dramáticas conveniências conservadoras. E eu aqui; semi-morto, ainda acreditando na possibilidade da transição democrática pela via institucional. Ainda acreditando no bom senso dos que fazem o diabo em nome do BraZil Um País de Poucos.

A propósito, onde andará o valoroso professor Sebastião Pinheiro?

Responder

jony

24/11/2014 - 21h16

Não sou intelectual, apenas uma cidadã, mas estou com os que assinaram.

Responder

antonio

24/11/2014 - 21h16

Esses não são nada mais nada menos, que os nossos pitbul…… a gente sabia que uma hora qualquer eles iriam soltar as sua focinheiras e iram vir com tudo para cima.

Responder

Mariana

24/11/2014 - 21h11

Tem um artigo lah no 247 que parece que o Levy eh o super herói.

Salvou e deu a reeleição ao Lula.

Salvou e deu a reeleição ao Sérgio Cabral, além de garantir a eleição do Pezao.

Pois eh, e pergunta quem tem medo do Levy?

Medo eh uma coisa, rejeição eh outra. Levy eh a Escola de Chicago e o que ela representa. Dane se o mercado.

Chega de governos que ficam de quatro diante do mercado e de seus pressupostos econômicos.

Assim não dah.

Dane se tripé

Chega de Escola de Chicago.

A ideia que se tem ou que nos querem fazer crer eh que a solução para os problemas econômicos soh se resolve com os pressupostos do neoliberalismo, eh mais ou menos assim.

Não há salvação fora do neoliberalismo.

Responder

francisco pereira neto

24/11/2014 - 20h30

Me preocupa muito, encabeçar a lista, o consultor do governo Lula, Luiz Gonzaga Belluzo.
Já havia sugerido como minha preferência, o economista Paulo Nogueira Batista Jr.
Esse sim é um craque.

Responder

Deixe uma resposta