VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Fuga do dólar, maior ameaça à hegemonia dos Estados Unidos

28 de junho de 2012 às 22h54

O colapso financeiro que enfrentamos: quando é “mais cedo ou mais tarde”?

por Paul Craig Roberts, no Centro de Pesquisas da Globalização, sugerido pelo Marco Antonio

em 05.06.2012

Desde o início da crise financeira e do Quantitative Easing [QE, equivalente a emissão de dólares pelo Tesouro dos Estados Unidos] há uma questão diante de nós: como o Banco Central norte-americano pode manter taxa de juros zero para os bancos e taxa de juros reais negativas para poupadores e acionistas quando o governo dos Estados Unidos está acrescentando 1,5 trilhão de dólares à dívida nacional todo ano, através dos déficits de orçamento? Não faz tempo o Banco Central anunciou que manteria a política por mais 2 ou 3 anos. Na verdade, o Fed [BC norte-americano] está preso a esta política. Sem a taxa de juros artificialmente baixa, o serviço da dívida nacional seria tão grande que levantaria dúvidas sobre a qualidade do crédito do Tesouro dos Estados Unidos e a viabilidade do dólar, e os trilhões de dólares em derivativos relacionados à taxa de juros e outros derreteriam.

Em outras palavras, a desregulamentação financeira que levou à jogatina de Wall Street, a decisão do governo dos Estados Unidos de resgatar os bancos e mantê-los flutuando e a política de juros zero do Banco Central colocaram o futuro dos Estados Unidos e de sua moeda em uma posição perigosa e insustentável. Será impossível continuar a inundar os mercados de ações com 1,5 trilhão de dólares em novos papéis todo ano quando a taxa de juros dos papéis é inferior à taxa de inflação. Todos os que compram papéis do Tesouro estão comprando um bem em depreciação. Além disso, o risco de investimento nos papéis do Tesouro é muito alto. As baixas taxas de juros significam que o preço pago pelo papel do Tesouro é muito alto. Um aumento na taxa de juros, que virá mais cedo ou mais tarde, vai provocar o colapso do preço dos papéis do Tesouro e provocar perdas de capital dos investidores, tanto domésticos quanto estrangeiros.

A pergunta é: quando é mais cedo ou mais tarde? A proposta deste artigo é examinar a questão.

Vamos começar respondendo a uma pergunta: como esta política insustentável conseguiu durar tanto tempo?

Um número de fatores contribui para a estabilidade do dólar e do mercado de ações. Um fator muito importante é a situação na Europa. Existem problemas reais lá e a imprensa financeira mantém nosso foco na Grécia, na Europa e no euro. A Grécia vai deixar a União Europeia ou será expulsa? Os problemas da dívida soberana vão se estender à Espanha e Itália e essencialmente a todos os lugares com exceção da Alemanha e da Holanda?

Haverá o fim da União Europeia e do euro? São todas questões muito dramáticas, que mantém o foco longe da situação norte-americana, que provavelmente é muito pior.

O mercado dos papéis do Tesouro também é ajudado pelo temor que os investidores individuais sentem em relação ao mercado de ações, que se transformou num cassino pelas “negociações de alta frequência”.

“Negociação de alta frequência” é negociação eletrônica, baseada em modelos matemáticos. Firmas de investimento competem na base da velocidade, capturando ganhos em frações de um centavo e ficando de posse dos papéis por apenas alguns segundos. Não há investidores de longo prazo. Contentes com seus ganhos diários, eles liquidam suas posições ao final de cada dia.

“Negociações de alta frequência” são responsáveis por de 70 a 80% do mercado de ações. O resultado é a azia dos investidores tradicionais, que estão deixando o mercado de ações. Eles acabam comprando papéis do Tesouro, porque estão incertos sobre a solvência dos bancos, que pagam quase nada de juros, enquanto os papéis de dez anos do Tesouro pagam taxa nominal de juros de 2%, o que significa, usando o Índice de Preços ao Consumidor oficial, que os investidores estão perdendo 1% de seu capital por ano [diferença entre a taxa de juros paga pelo Tesouro e a inflação].

Usando a medida correta de inflação dos Estados Unidos, de John Williams (shadowstats.com), os investidores/emprestadores estão perdendo mais. Ainda assim, a perda é cerca de 2 pontos percentuais menor que se o dinheiro ficasse depositado nos bancos. Ao contrário dos bancos, o Tesouro pode pedir ao Banco Central dos Estados Unidos que imprima dinheiro para resgatar seus papéis. Assim sendo, o investimento nos papéis do Tesouro pelo menos dá um retorno nominal, ainda que o valor real de retorno seja muito menor.

A mídia financeira prostituta nos diz que a fuga de investidores na dívida soberana europeia — do euro em risco — e a fuga de investidores do contínuo desastre do mercado imobiliário, em direção ao papéis do Tesouro, acabam fornecendo o financiamento para os déficits anuais de U$ 1,5 trilhão de Washington. Investidores influenciados pela imprensa financeira podem, de fato,  estar respondendo assim. Outra explicação para a estabilidade das políticas insustentáveis do BC norte-americano é o conluio entre Washington, o Banco Central e Wall Street. Trataremos disso mais adiante.

Ao contrário do Japão, que tem a maior dívida nacional de todas, os norte-americanos não são donos de sua própria dívida pública. A maior parte da dívida dos Estados Unidos é de propriedade de estrangeiros, especialmente da China, Japão e da OPEP, dos países exportadores de petróleo. Isso coloca a economia dos Estados Unidos em mãos estrangeiras. Se a China, por exemplo, for indevidamente provocada por Washington, poderia jogar U$ 2 trilhões em bens denominados em dólar nos mercados mundiais. Todos os tipos de preço desabariam e o Banco Central dos Estados Unidos teria de imprimir dinheiro rapidamente para comprar os instrumentos financeiros despejados pela China.

Os dólares impressos para comprar os bens descartados pela China expandiriam a provisão de dólares nos mercados de moedas e derrubariam a taxa de câmbio do dólar. O Banco Central dos Estados Unidos, sem moeda estrangeira para comprar os dólares, teria de apelar para swaps cambiais com a Europa, com seus problemas de dívida soberana, por euros; com a Rússia, cercada pelo sistema de mísseis dos Estados Unidos, por rublos; com o Japão, um país até o pescoço com seus compromissos com os Estados Unidos, por ienes. Assim, o BC norte-americano compraria dólares com euros, rublos e ienes.

Estes swaps cambiais seriam registrados contabilmente, seriam irresgatáveis e tornariam o uso de novos swaps problemático. Em outras palavras, mesmo que o governo dos Estados Unidos fosse capaz de pressionar seus aliados e marionetes a trocar suas moedas fortes por dólares depreciados, não seria possível repetir o processo. Os integrantes do Império Americano não querem ficar com dólares mais que os BRICs.

No entanto, para a China se livrar de seus bens em dólares todos de uma vez, seria custoso, já que o valor dos bens cairia no momento em que eles começassem a ser descartados. A não ser que a China enfrente um ataque militar dos Estados Unidos e precise enfraquecer o agressor, a China, como um ator racional, preferirá sair do dólar lentamente. Nem o Japão, a Europa ou a OPEP querem destruir sua própria riqueza, acumulada com os déficits comerciais dos Estados Unidos, mas há indícios de que todos pretendem se livrar de seus bens denominados em dólar.

Ao contrário da imprensa financeira dos Estados Unidos, os estrangeiros que têm bens em dólar observam o orçamento anual dos Estados Unidos e o déficit comercial do país, observam a economia que afunda, observam a jogatina a descoberto de Wall Street, observam os planos de guerra da hegemonia delirante e concluem: “Tenho de ser cuidadoso para sair disso”.

Os bancos norte-americanos têm um forte interesse em preservar o status quo. Eles são donos de grandes quantidades de papéis do Tesouro e potencialmente serão maiores donos ainda. Os bancos podem emprestar do BC dos Estados Unidos a taxa de juros zero e com esse dinheiro compram papéis do Tesouro, de vencimento em 10 anos, que pagam juros de 2%. Ou seja, os bancos têm lucro nominal de 2% para usar contra eventuais perdas em derivativos. Os bancos podem emprestar dinheiro do BC de graça e usá-lo como garantia para suas transações em derivativos. Como diz Nomi Prins, os bancos não se livram dos papéis do Tesouro porque isso seria jogar contra seus próprios interesses e sua fonte de financiamento grátis. Além disso, no caso de uma fuga estrangeira dos dólares, o BC dos Estados Unidos poderia aumentar a demanda estrangeira por dólares exigindo que bancos estrangeiros que operam nos Estados Unidos aumentassem suas reservas, que são denominadas em dólar norte-americano.

Eu poderia prosseguir, mas acho que é o suficiente para demonstrar que mesmo os atores envolvidos no processo, que poderiam acabar com ele, têm muito a ganhar não balançando o barco. Preferem, silenciosa e lentamente, sair do dólar, antes que a crise bata. Isso não é possível indefinidamente, já que o processo gradual de saída do dólar resultará em quedas contínuas dos bens denominados em dólar, que levarão a uma corrida em busca da porta de saída, mas o povo norte-americano não é o único povo delirante no mundo.

O lento processo de saída do dólar pode derrubar a casa norte-americana. Os BRICs — Brasil, a maior economia da América do Sul; Rússia, a economia com armas nucleares e produção independente de energia, da qual a Europa ocidental (marionete de Washington) depende para energia; a Índia, que tem armas nucleares e é um dos dois gigantes da Ásia; a China, que tem armas nucleares, é o maior credor de Washington (depois do próprio BC dos Estados Unidos), fornece produtos manufaturados e de alta tecnologia e é o novo espantalho para justificar a próxima guerra fria lucrativa do complexo industrial-militar;  a África do Sul, maior economia da África — estão em processo de formação de um novo banco. O novo banco vai permitir a estas cinco grandes economias conduzir comércio entre si sem usar os dólares norte-americanos.

Além disso, o Japão, marionete dos Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial, está próximo de fechar um acordo com a China pelo qual o iene japonês e o yuan chinês serão trocados diretamente. O comércio entre os dois países asiáticos será conduzido em suas próprias moedas, sem o uso do dólar. Isso reduz o custo do comércio entre os dois países, ao eliminar o pagamento de comissões na conversão dos ienes e dos yuans em dólares e de volta em ienes e yuans.

A explicação oficial para este novo relacionamento direto, que evita o uso do dólar norte-americano, é conversa de diplomata. Os japoneses esperam, como os chineses, sair da prática de acumular cada vez mais dólares estacionando o dinheiro dos superávits comerciais em papéis do Tesouro dos Estados Unidos. O governo marionete do Japão espera que Washington não exija o cancelamento do acordo com a China.

Agora chegamos aos detalhes. A pequena porcentagem de norte-americanos que está informada sobre o que está acontecendo fica em dúvida sobre o motivo pelo qual os banqueiros escaparam de seus crimes financeiros sem serem processados. A resposta pode ser que os bancos “muito grandes para falir” são adjuntos de Washington e do Banco Central dos Estados Unidos na manutenção da estabilidade do dólar e do mercado de papéis do Tesouro, diante da política insustentável que acabamos de explicar.

Primeiro vamos dar um olhada em como os grandes bancos podem manter a taxa de juros dos papéis do Tesouro baixas, menores que a inflação, apesar do constante aumento da relação dívida/PIB dos Estados Unidos — preservando assim a capacidade do Tesouro de sustentar a dívida.

Os bancos muito grandes para falir têm um enorme interesse em manter a taxa de juros baixa e no sucesso das políticas do Fed [Banco Central]. Os grandes bancos estão em posição de garantir o sucesso da política do BC. O JPMorganChase e outros bancos gigantes podem derrubar a taxa de juros dos papéis do Tesouro e, com isso, forçar alta no mercado de ações, ao vender Interest Rate Swaps (IRSwaps), swaps de taxa de juros.

Uma companhia financeira que vende IRSwaps promete pagar taxa de juros flutuante em papéis com taxa de juros fixa. O comprador está comprando um acordo que requer dele pagar uma taxa de juros fixa em troca de receber uma taxa de juros flutuante.

A razão para o vendedor do IRSwap fazer o negócio é sua crença de que a taxa de juros vai cair. A própria venda faz a taxa cair, provocando aumento no preço dos papéis do Tesouro. Quando isso acontece, como demonstram os gráficos aqui, há uma recuperação no mercado de papéis do Tesouro que a mídia financeira prostituta atribui a “fuga em direção ao porto seguro do dólar e dos papéis do Tesouro”. Na verdade, há indícios de que os swaps são vendidos por Wall Street sempre que o Banco Central precisa evitar o aumento da taxa de juros para proteger sua política insustentável. A venda de swaps cria a impressão de uma fuga em direção ao dólar, mas nenhuma fuga acontece. Como os IRSwaps não exigem troca de valores ou bens reais, são apenas uma aposta nos movimentos da taxa de juros, não há limite no volume de venda de IRSwaps.

Este aparente conluio sugere a alguns observadores que a razão pela qual os banqueiros de Wall Street não foram processados por seus crimes é que eles são parte essencial da política do Banco Central de preservar o dólar norte-americano como moeda mundial. Provavelmente o conluio entre o BC e os bancos é organizado, mas não tem necessariamente de ser. Os bancos são beneficiários da política de juros zero do BC. É do interesse dos bancos apoiá-la. Um conluio organizado não é necessário.

Vamos agora tratar do ouro e da prata. Baseado em análises confiáveis, Gerald Celente e outros analistas previram que o preço do ouro seria de 2 mil dólares por onça no fim do ano passado. Ouro e prata continuaram durante 2011 sua alta de dez anos de duração, mas em 2012 o preço do ouro e da prata foram derrubados, com o ouro caindo 350 dólares de seu valor recorde, de U$ 1.900 por onça.

Em vista da análise que apresentei, qual é a explicação para esta reversão? A resposta mais uma vez é a aposta na queda dos preços. Gente que tem conhecimento do setor financeiro acredita que o BC (e talvez também o Banco Central Europeu) faz vendas a descoberto através de bancos de investimento, garantindo quaisquer perdas com o apertar de uma tecla de computador, já que bancos centrais podem criar dinheiro do ar.

Gente de dentro me informa que uma pequena porcentagem dos que compram querem a entrega física do ouro ou da prata, mas se contentam depois com acordos financeiros. Não há limite para a venda de opções de ouro ou prata. Estas vendas podem exceder o valor total da quantidade conhecida de ouro ou prata.

Gente que tem acompanhado o processo por anos acredita que a venda dirigida pelo governo de opções de compra de ouro ou prata acontece faz muito tempo. Mesmo sem participação do governo, os bancos podem controlar o volume das negociações de papel lastreado em ouro e lucrar com as oscilações decorrentes. As vendas recentes tem sido tão agressivas que não apenas reduzem a alta de preços dos metais, mas provocam sua queda. Essa agressividade é sinal de que o sistema está prestes a dissolver?

Em outras palavras, “nosso governo”, que alegadamente nos representa, em vez dos poderosos interesses privados que elegem “nosso governo”, com suas contribuições multimilionárias de campanha, agora legitimado pela Suprema Corte republicana, está fazendo o possível para nos privar — meros cidadãos, escravos, trabalhadores escravos e “extremistas domésticos” — do direito de proteger nossa riqueza da política de deboche da moeda praticada pelo Banco Central. Vendas a descoberto [naked short-selling] evitam que aumento da demanda por barras físicas de ouro ou prata aumentem o preço dos metais.

Jeff Nielson explica outra forma pela qual os bancos fazem vendas a descoberto de ouro e prata, ainda que não os possuam fisicamente. Nielson diz que o [banco] JPMorgan é curador do maior fundo de prata existente e é também o maior vendedor de prata a descoberto. Sempre que o fundo aumenta sua reserva de barras de prata, o JP Morgan vende uma quantidade igual a descoberto. As vendas compensam o aumento que resultaria de maior demanda física pela prata. Nielson também diz que os preços de metais podem ser contidos com o aumento das garantias exigidas dos interessados em comprar ouro ou prata. A conclusão é de que os mercados de ouro e prata podem ser manipulados tanto quanto os mercados de papéis do Tesouro e de taxas de juros.

Por quanto tempo podem continuar as manipulações? Quando a proverbial m…. vai atingir o ventilador?

Se soubessemos a data precisa, seriamos os próximos megabilionários.

Seguem alguns catalisadores que podem detonar o fogo que consumirá o mercado de papéis do Tesouro e o dólar norte-americano:

Uma guerra, exigida pelo governo israelense, contra o Irã, começando na Síria, que interrompa o fluxo de petróleo e, portanto, afete a estabilidade das economias ocidentais ou que leve os Estados Unidos e suas marionetes da OTAN a um conflito armado com a Rússia ou a China. O aumento nos preços do petróleo degradaria ainda mais as economias dos Estados Unidos e da União Europeia, mas Wall Street ganharia direito nas vendas de petróleo.

Uma estatística desfavorável que acorde os investidores para o estado da economia dos Estados Unidos, uma estatística que a mídia prostituta não consiga esconder.

Um confronto com a China, que leve o governo chinês a decidir que derrubar os Estados Unidos para um status de terceiro mundo valha um trilhão de dólares.

Outros erros no mercado de derivativos, como o recente do JPMorganChase, que derrube de novo o sistema financeiro dos Estados Unidos e nos relembre que nada mudou.

A lista é longa. Existe um limite para o número de erros estúpidos e políticas financeiras corruptas que o restante do mundo está disposto a aceitar dos Estados Unidos. Quando aquele limite for atingido, acabou para o “único superpoder do mundo” e para os donos de bens denominados em dólar.

A desregulamentação financeira converteu o sistema financeiro, que no passado serviu a empresas e consumidores, num cassino cujas apostas não estão cobertas. Estas apostas descobertas, juntamente com a política de juros zero do Banco Central, expuseram o padrão de vida e a riqueza dos norte-americanos a grande declínio. Aposentados que dependem de sua poupança e investimento não ganham nada e são forçados a consumir seu capital, com isso acabando com o capital dos herdeiros. A riqueza acumulada é consumida.

Como resultado da transferência de empregos para o exterior, os Estados Unidos se tornaram um país dependente de importações, de bens manufaturados, roupas e sapatos estrangeiros. Quando a taxa de câmbio do dólar cai, os preços nos Estados Unidos sobem e o consumo nos Estados Unidos sofre. Os norte-americanos vão consumir menos e seu padrão de vida vai cair dramaticamente.

As sérias consequências dos enormes erros cometidos em Washington, em Wall Street e nos escritórios das corporações estão sendo enfrentados como uma política insustentável de taxa de juros baixa e por uma imprensa financeira corrupta, enquanto a dívida se acumula. O Banco Central já passou por esta experiência antes. Durante a Segunda Guerra Mundial o Fed manteve as taxas de juros baixas para ajudar o Tesouro a financiar a guerra, reduzindo assim os juros pagos na dívida acumulada no esforço de guerra. O BC manteve os juros baixos comprando papéis da dívida. A inflação resultante, no pós-guerra, levou ao Acordo BC-Tesouro de 1951, pelo qual o Banco Central deixou de monetizar a dívida e permitiu o aumento das taxas de juros.

O presidente do Fed, Bernanke, tem falado sobre um “estratégia de saída” e disse que quando a inflação ameaçar, ele poderá evitá-la tirando dinheiro do sistema bancário. No entanto, ele só pode fazer isso vendendo papéis do Tesouro, o que significa aumento na taxa de juros. Um aumento na taxa de juros ameaça a estrutura dos derivativos, causando perda no mercado de ações e aumento no custo das dívidas privada e pública. Em outras palavras, evitar a inflação causada pela monetização da dívida causaria problemas mais imediatos que a inflação. Em vez de provocar o colapso do sistema, o BC não escolheria inflacionar?

Eventualmente, a inflação erodiria o poder de compra do dólar, o uso dele como moeda de reserva mundial e a nota do crédito do governo dos Estados Unidos seria rebaixada. No entanto, o Fed, os políticos e os gângsters financeiros prefeririam uma crise mais tarde, em vez de uma crise agora. Entregar um navio que afunda para a próxima geração é melhor que afundar com ele. Enquanto os swaps de taxa de juros puderem ser usados para impulsionar os preços dos papéis do Tesouro e enquanto as vendas a descoberto de ouro e prata puderem ser usadas para evitar o aumento no preço dos metais, a imagem falsa dos Estados Unidos como porto seguro para os investidores pode ser perpetuada.

No entanto, os 230 trilhões de dólares em apostas em derivativos feitas por bancos norte-americanos podem trazer suas próprias surpresas. O JPMorganChase foi obrigado a admitir que sua perda recente de 2 bilhões de dólares em derivativos foi maior que isso. Quanto mais, ainda não sabemos. De acordo com o Controlador da Moeda, os cinco maiores bancos dos Estados Unidos emitiram 97,7% de todos os derivativos. Os cinco bancos que emitiram 226 trilhões em derivativos são jogadores comprometidos. Por exemplo, o JPMorganChase tem um total de U$ 1,8 trilhão de bens em carteira, mas U$ 70 trilhões em apostas em derivativos, uma relação de 39 dólares em apostas em derivativos para cada dólar na carteira. Tal banco não precisa perder muitas apostas até sucumbir.

Bens, naturalmente, não são capital sem risco. De acordo com o relatório do Controlador da Moeda, em 31 de dezembro de 2011 o JPMorgamChase tinha U$ 70,2 trilhões em derivativos e apenas U$ 136 bilhões em capital. Em outras palavras, as apostas do banco em derivativos são 516 vezes maiores que o capital que cobre aquelas apostas.

É difícil imaginar uma posição mais irresponsável e instável para um banco, mas o Goldman Sachs é o campeão. Com apostas de U$ 44 trilhões em derivativos, o banco tem apenas U$ 19 bilhões em capital, resultando em apostas 2.295 vezes maiores que o capital do banco para cobrí-las.

Apostas na taxa de juros representam 81% de todos os derivativos. São estes derivativos que sustentam os altos preços dos papéis do Tesouro, apesar dos massivos aumentos da dívida dos Estados Unidos e de sua monetização.

As apostas em derivativos dos bancos dos Estados Unidos, de U$ 230 trilhões, concentradas em cinco bancos, são 15,3 vezes maiores que o PIB dos Estados Unidos. Um sistema político falido que permite a bancos desregulamentados fazer apostas 15 vezes maiores que a economia dos Estados Unidos é um sistema destinado a fracasso catastrófico. Quando se espalhar a informação sobre esta fantástica falta de responsabilidade dos sistemas político e financeiro dos Estados Unidos, a catástrofe vai se tornar realidade.

Todos querem uma solução, então vou sugerir uma. O governo dos Estados Unidos deveria simplesmente cancelar os U$ 230 trilhões em apostas em derivativos, declarando-as nulas. Como bens reais não estão envolvidos, apenas a jogatina em valores, o único grande efeito de cancelar todos os swaps seria tirar U$ 230 trilhões de risco do sistema financeiro. Os gângsters financeiros que querem continuar a lucrar enquanto o público subscreve suas perdas iriam gritar e protestar alegando a santidade dos contratos. No entanto, um governo que pode matar seus próprios cidadãos ou jogá-los na masmorra sem processo legal pode perfeitamente abolir todos os contratos que quiser em nome da segurança nacional. E, com certeza, ao contrário da guerra contra o terror, purgar o sistema financeiro da jogatina dos derivativos melhoraria muito a segurança nacional.

* Paul Craig Roberts foi secretário assistente do Tesouro dos Estados Unidos, editor assistente do Wall Street Journal, colunista da Business Week e professor de economia. 

Leia também:

Diana Johnstone: A guerra realmente fria, no Ártico, e a contenção de dois BRICs

 

 

39 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Roberto Locatelli

12/07/2012 - 07h43

Para o sujeito sugerir, publicamente, que o governo estadunidense decrete como nulos derivativos no valor de U$ 230 TRILHÕES, é porque a situação está simplesmente insustentável.

Responder

Nouriel Roubini: A tempestade global perfeita, em 2013 « Viomundo – O que você não vê na mídia

09/07/2012 - 20h40

[…] Fuga do dólar, a maior ameaça à hegemonia dos Estados Unidos […]

Responder

Fuga do dólar, maior ameaça à hegemonia dos Estados Unidos | Papo Inteiro (Wholespeak)

03/07/2012 - 10h23

[…] no VioMundo, por sugestão do Marco Antonio. Republico aqui para que continue em evidência, devido a […]

Responder

Bonifa

02/07/2012 - 18h42

Já que não há sinais viáveis de mudança estrutural do Sistema e que o Sistema está sendo sustentado por uma política financeira insustentável e por uma mídia que mente e omite informações, então o caminho natural que se apresenta a este país é o da guerra. Resta saber se os cidadãos americanos poderão ser convencidos de que interesses supremos da Nação estão clamando por seus sacrifícios da própria vida. E resta saber se a guerra será global ou regional. Se a guerra for suficientemente devastadora, talvez abra espaço internamente para uma revolução de transformação de estruturas. Quanto a nós outros, devemos tentar sair devagarinho do dólar mas também aumentar nosso nível de defesa até o ponto em que seja bastante para desestimular qualquer ataque insano, que acarretaria perdas substanciais aos agressores. Muita gente, à beira da Segunda Guerra, ainda acreditava que era puro delírio a possibilidade de que a mesma acontecesse.

Responder

laura

02/07/2012 - 14h01

Oi Azenha, olá a todos,
Tendo em vista a fragilidade do dolar e do Euro,
Gostaria de saber como ficam as reservas brasileiras e papéis da dívida externa que estão rolando por aí.
enfim, o que acontece com o Brasil, no quadro descrito pelo autor do artigo?
gostaria de ter algum esclarecimento sobre isto.
Talvez se o viomundo convidasse algum economista (digno desse nome)…? também poderia ser bom.

Responder

Arthur Schieck

02/07/2012 - 12h45

É incrível que o único político americano de peso que apresentou uma solução concreta para esta crise tenha sido solenemente ignorado por toda a midia: Ron Paul. Para quem não conhece, ele é um político conservador (e isso nos EUA significa ser quase fascista) e foi o único a sugerir que o país não pode mais sustentar dezenas de bases militares pelo mundo. Era constantemente vaiado por isso nas convenções republicanas.

Responder

Ana Cruzzeli

30/06/2012 - 12h24

É por essas e outras que as eleições na Europa são de suma importancia para evitar o efeito cortina de fumaça pretendida pelos ianques diminuindo o poder intervencionista da OTAN. Eles vem atiçando a Russia e China para a 3a grande guerra mundial e graças ao bom Deus eles estão fazendo tudo até agora de maneira perfeita. Depois da Libia
-Berlusconi caiu
– Sarcozy está pra ver o sol nascer quadrado
– A França de Hollande já entendeu o processo e está fazendo de surdo mas ouvido tudo o que interessa se colando nos BRINCS e sua postura com relação ao Paraguai é mais do que mensagem é um grito,
– A Itália como sua historia já diz é um pouco mais lenta talvez o Berlusconi volte, vamos aguardar, com a Italia todo cuidado é pouco.
– Dilminha já colocou a Espanha na roda no caso do Paraguai, fato diplomático INÉDITO. Essa para mim é mensagem que a Espanha já entende que deve largar os ianques a propria sorte.

E agora?
-É esperar a insurreição da Grecia, Portugal e Irlanda ( não foi a toa que a rainha deu a mão ao esquerdista irlandez essa mensagem é simbolica que o Reino de sua Majestade teme o pior).

O que nós latinos podemos fazer?

O fortalecimento do Mercosul é um caminho, agora com a Venezuela e provavelmente Cuba como membro e quem sabe uma ligação mais estreita com os Chineses seria um grande caminho.

Que EUA estão falidos e vão a banca rota, como diz bem o artigo, são favas contadas o que se pergunta : Eles terão a ousadia de fazer uma 3a grande guerra? Eis a questão. Graças a meditação transcendental dos chineses é possivel que eles ( os ianques ) venham a cair antes disso. Faço votos e grito isso todos os dias e com o Lula apertando as mãos de todos os esquerdistas pelo mundo, esse caminho está proximo, o ingles de esquerda que perdeu para Cameron está com pé dentro do poder bretão, é questão de tempo desse atrapalhado do Cameron cair em desgraça e com ele essa IDIOTA da rainha que vem atrapalhando a PAZ MUNDIAL.

Tirando Blair que era um falso esquerdista, o outro pelo menos parece ser mais sensato, e se não for o reino da rainha em ruinas lhe dará a sensatez necessaria. Só precisamos disso, de um esquerda no reino da Elisabeth para começar a OTAN ruir, já temos o Hollande e sua maldita campanha : EU SOU NORMAL.

O MUNDO ESTÁ CANSADO DOS DOIDOS DE PLANTÃO.

Responder

Alexandre Gomes Marques

30/06/2012 - 11h25

E o autor de “OURO DE TOLO”, Raul Seixas, é quem era o louco. Eles, com suas CIAs, MOSSABs e afins de SSs, matam, esquartejam, torturam, até às próprias mães, se estas se opuserem às suas sandices. As oligarquias sempre agiram como o escorpião acuado e a única coisa que está impedindo a histórica saída dos mercados para suas crises agudas é o medo, real, de que seus bunkers nas montanhas não serão suficientes para protegê-los de uma hecatombe nuclear. Até quando?

Responder

marcio gaúcho

29/06/2012 - 22h17

Os USA jamais quebrarão. Quebrarão, sim a nossa cara. Nada como uma guerra para ajeitar as coisas. Armamento e tecnologia eles tem de sobra. Para evitar essa guerra mundial, os países credores terão de baixar as calças, mais uma vez. E ficar bem quietinhos!

Responder

    Pedro Paulo

    30/06/2012 - 09h32

    “Armamento e tecnologia eles tem de sobra”, e sofreram uma derrota humilhante e acachapante dos vietnamitas. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Acorda Márcio, arma e tecnologia não ganha guerra; Rússia e China também tem arma e tecnologia. Aprendam a ser MACHO como os vietnamitas; os americanos são um bando de covardes; tem arma e tecnologia, mas não tem soldado.
    No Iraque, no Afeganistão, na Líbia, na Siria… eles são tão covardes que botam a OTAN no front enquanto os soldados deles ficam na retaguarda.

    marcio gaúcho

    30/06/2012 - 18h14

    Caro Pedro Paulo!
    Ofensas à parte, não importa quem os EUA vão usar para fazer o serviço sujo. Mas, certo é que o farão para salvar a pele. Até o Brasil já se prestou a esse tipo de serviço, quando invadiu o Paraguai juntamente com Uruguai e Argentina, aniquilando tudo pela frente, matanto todos os homens para que a nação demorasse séculos para se organizar novamente, tudo em nome e por conta da Inglaterra em troca de facilidades para com a divida externa na época. Portanto, não subestime.

    Bonifa

    02/07/2012 - 19h14

    Caro Márcio, tente saber mais sobre a Guerra do Paraguai. Essa versão é reducionista e está completamente furada.

    Roberto Locatelli

    12/07/2012 - 07h39

    Marcio, nada é para sempre. Muito menos os impérios. A humanidade já viu muitos impérios se erguerem e caírem, porque simplesmente é uma lei natural.

    Quanto aos EUA, eles já estão em declínio há décadas. Mas atualmente o declínio é mais acelerado. Depois das eleições presidenciais de outubro, a crise ficará mais aguda.

Fabio

29/06/2012 - 21h31

Azenha ouvi que o Brasil e a China irão fazer comercio com uma moeda propria esta informação procede?

Responder

    laura

    02/07/2012 - 12h26

    Não sou o Azenha, mas adianto que: sim China e Brasil realizaram um acordo bi-lateral para comerciar sem o dolar, em suas própris moedas.

demetrius

29/06/2012 - 21h22

geralmente, quem vangloria arma nuclear não acredita em mais nada, muito menos no poder de mudança da política.

Responder

Marc

29/06/2012 - 21h20

O que me deixa mais preocupado é que quando não puderem mais segurar o rojão eles vão virar a mesa, ou seja, vão pro espaço os poucos escrúpulos que restaram, vai ser fascismo puro sem disfarce.
O Brasil tem de fortalecer a Unasul a qualquer preço, pois se nos militarizarmos sozinhos os EUA nos isolarão de nossos vizinho e os usarão como plataforma de ataque.

Responder

Eduardo Raio X

29/06/2012 - 21h00

E naquele tempo em que o PSDBaixando as FHCalças dizia que o exemplo máximo a ser seguido era os EUArruinado??? Meu Deus!!!! Se eles estivessem no poder já estaríamos no Fi o Fó do urubu!

Responder

Jaime

29/06/2012 - 16h38

Visite logo os Estados Unidos da América do Norte…

Responder

Roberto Locatelli

29/06/2012 - 14h55

O dólar está a um passo de deixar de ser a moeda universal do planeta.

No entanto, muitos especuladores ainda não perceberam isso. Por esse motivo é que acontece aquela reação esquizofrênica: quando as notícias do dia nos EUA são boas, o dólar cai. Quando as notícias do dia nos EUA são ruins, o dólar SOBE!!

Responder

betinho

29/06/2012 - 12h58

Restam poucos dias para a Cabala (banca e mídia prostituta) cair de podre. Fiquem atentos para as prisões que começarão já a partir da próxima semana.
Vem ai uma total reformulação do sistema financeiro, com anistia geral de dívidas e nova moeda sustentada em ouro, prata e platina. Ouro, prata e platina estão sendo e vão ser desapropriados dos grandes “171” do sistema financeiro, pois os papeis que venderam e nada valem, foram transformados nos 3 metais e escondidos. Serão totalmente desapropriados para fazer o lastro de novas moedas.

Responder

    Willian

    29/06/2012 - 16h41

    Tudo isto está para acontecer e o único que sabe é o Betinho. Quem é Betinho? Meda…

    betinho

    29/06/2012 - 19h33

    Tem muita gente que sabe caro Willian, porém fora desse meio em que costumamos “circular” na Web. Portanto a surpresa será grande quando iniciarem os eventos, que serão muito além das prisões que acima citei.
    Teremos uma grande Declaração e uma não menor Revelação…além do encontro com nossos irmãos de outras galáctias que aqui aportarão para nos dar apoio na transição, e também os Agartianos, nossos irmãos intraterrenos se apresentarão para o reencontro após milhares de anos de separação.

Mabelle Schaff

29/06/2012 - 12h27

Azenha, eu sou economista e estive recentemente nos EUA a trabalho e o que eu pude perceber é que a situação, para que se possa melhor entender, é semelhante a um prédio que está condenado, não tem outra solução que seja demolir.
Como o Paul Craig explicou, o destino dos países que investiram no Tesouro Americano – o Brasil incluído – na melhor das hipóteses será uma moratória de 50 anos; o mais provável é que os EUA não paguem nunca.

Esse acontecimento irá marcar o fim de uma era; o fim do Dolar como moeda global.

O GEAB está prevendo que os 5 maiores bancos dos EUA irão a falência em setembro próximo. As previsões do GEAB são levadas muito a sério na Europa.

http://resistir.info/crise/geab_66.html

Responder

andre ribeiro

29/06/2012 - 12h19

http://usdebt.kleptocracy.us/

Site muito interessante pra tentar entender o cassino norte americano.
Jogo de azar onde só a banca ganha… bem familiar.
Administra uma jogatina, recorre às armas para resolver qualquer problema comercial e compra quem puder ser comprado. A diferença entre o presidente norte americano e um bicheiro é que lá tudo é feito “legalmente”.

Responder

Valdeci Elias

29/06/2012 - 11h42

Do BRICs, Brasil é o unico pais, que não tem arma nuclear. Até a India , tem bomba atômica. Pode ser que o governo brasileiro, confie no Itamaraty e na diplomacia, pra garantir a segurança nacional, nessa época de mudanças.

Responder

    Roberto Locatelli

    29/06/2012 - 14h52

    Por isso eu acho que o Brasil tem que ter armas nucleares. Quem as tem é mais respeitado. Não podemos ser ingênuos e entrar nesse conto de fadas de que não queremos armas nucleares pois somos pacíficos.

eunice

29/06/2012 - 11h15

Até que enfim descobriram a maneira de tirar o poder. Tirando o dinheiro.
É a vingança do ópio.
Parabéns China e Japão.

Responder

ZePovinho

29/06/2012 - 11h00

O artigo,para mim,traz essa informação que resume tudo e nos permite perceber que Essa procura dos EUA para controlar a riqueza dos outros países só tem uma explicação:eles precisam lastrear o lixo tóxico em títulos e o papel pintado deles(o dólar) com os ativos de outros povos:

……….As apostas em derivativos dos bancos dos Estados Unidos, de U$ 230 trilhões, concentradas em cinco bancos, são 15,3 vezes maiores que o PIB dos Estados Unidos. Um sistema político falido que permite a bancos desregulamentados fazer apostas 15 vezes maiores que a economia dos Estados Unidos é um sistema destinado a fracasso catastrófico. Quando se espalhar a informação sobre esta fantástica falta de responsabilidade dos sistemas político e financeiro dos Estados Unidos, a catástrofe vai se tornar realidade.

Responder

RicardãoCarioca

29/06/2012 - 09h51

Isso nos dá uma ideia da montanha de informacões que o PiG se esforca para esconder dos seus leitores.

Responder

Nicanor Duarte

29/06/2012 - 09h18

Estamos vendo ai como nos EUA, eles emitem papeis sem lastro e se houver uma crise ela será mundial. E pela previsões a catástrofe atingira os cinco maiores bancos dos EUA. Não há escapatória!
Os EUA sempre viveram as custas do Mercado financeiro, mas esta odisseia está por um fio.

Responder

Mardones Ferreira

29/06/2012 - 09h16

E depois a Globo está com medo da inadimplência de 8% dos brasileiros. Bom mesmo é a posição descoberta do JPMorgan e a do Goldman Sachs.

Isso é que é um artigo de economia.

Depois do Vi o Mundo, falar de economia ficou mais fácil.

Parabéns pela aula sobre a ”segurança do dólar” e de como os EUA manipulam sua riqueza e solidez econômico-financeira.

Responder

reinaldo bordon carletti

29/06/2012 - 08h12

porque quando ele estava no governo, não gritou para o risco? ou alguem acha que o rombo americano só começou em 2008?
reinaldo carletti

Responder

    Athos

    29/06/2012 - 10h10

    Porque ele não é político.

    Paciente

    29/06/2012 - 21h43

    E também porue um empreguinho no governo é massa…!

Alexandre

29/06/2012 - 00h50

A T E R R O R I Z A N T E !

Responder

    Roberto Locatelli

    29/06/2012 - 14h53

    Fascinante!!

    Mário SF Alves

    29/06/2012 - 22h07

    E até que ponto não seria fascistizante?

Deixe uma resposta