VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Breno Tardelli: Passou da hora de repensar a corte que toda semana elimina um direito da população

29 de outubro de 2016 às 23h24

TF plenária direito de greve-001
Quando STF elimina direito de greve de servidores, passou da hora de repensá-lo

por Brenno Tardelli, no Justificando

Algum limite tem que ser pensado pela sociedade civil – esqueça as instituições – a uma corte que toda semana resolve mexer na Constituição para eliminar um direito da população.

Nesta última de outubro, a aposentadoria e o direito de greve de servidores públicos – estes mesmos, na base da pirâmide, esquecidos pelos burocratas que usufruem de todos os privilégios lá do alto – foram as mais recentes vítimas.

A decisão vem após o anúncio de apoio à PEC 241 pela Presidente da Corte Min. Cármen Lúcia, a pior à frente do cargo que me lembro.

Vem depois da intragável sessão que eliminou a presunção de inocência, inesquecível para quem cultiva o mínimo do mínimo de compromisso com a Constituição Federal.

Essa onda reacionária que tomou o Judiciário parece que não ter hora para acabar. Enquanto se acotovelam atrás de flashes da mídia e frases “contra a corrupção”, “contra a impunidade”, os ministros decidiram descontar o salário do servidor em greve sem que seja necessária decisão judicial nesse sentido.

Dirá o empedernido burocrata que a decisão não “elimina” o direito de greve, mas apenas o adequa para que o país não pare.

Nas palavras do ministro Fux, conhecido por “matar no peito”, “o que ocorre numa visão realista, nós estamos num momento muito difícil e que se avizinha deflagrações de greve e é preciso estabelecer critérios para que nós não permitamos que se possa parar o Brasil”.

São condicionantes políticas e factuais interferindo no texto da Constituição – tempos, portanto, da maior insegurança política possível.

Os servidores públicos em greve costumam ser aqueles no piso da relação pública.

Por exemplo, escreventes de cartório em Judiciário, que não votam, não participam das decisões, não recebem aumento, são humilhados e desestimulados; agora, sequer poder de reação frente à corte brasileira essas pessoas têm.

Para quem desconhece o cenário, tenha em mente que o funcionalismo público não se resume ao baronato, embora, ao mesmo tempo, seja ele que massacra e agora tira as esperanças da base da pirâmide ver dias melhores.

Não haverá muito tempo para se comover com os servidores sem direito de greve, pois certamente se aproxima o dia em que a corte composta por ministros e ministras medíocres decidirá eliminar outros direitos da população.

No momento atual do Brasil, a única certeza da vida no atual momento brasileiro é que todo dia algum burocrata vai lhe arrancar um direito.

Brenno Tardelli é diretor de redação do Justificando.

Leia também:

Eloísa Machado: A decisão do Supremo parece ter sido feita sob encomenda

 

6 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Macunaíma

02/11/2016 - 13h14

Enquanto o povo brasileiro nao entender que cabe a ele dirigir seu destino, o Brasil nao avancara. Pobre povo brasileiro!e

Responder

Antonio

31/10/2016 - 08h36

O stf já provou que é fascista e agora prova que também age como quadrilha!

Responder

lulipe

30/10/2016 - 13h05

O autor deveria ir choramingar com Dilma e Lula, afinal indicaram 8 dos 11 que lá estão!

Responder

    Macunaíma

    02/11/2016 - 13h19

    Vc tem toda razão. Todo poder emana do povo é em seu nome deve ser exercido. Não era hora de errar ou vacilar.

FrancoAtirador

30/10/2016 - 11h53

.
.
Efetivamente, “Passou da Hora de Repensar a Côrte”.
Nos Últimos 14 Anos, Oportunidades Não Faltaram.

Por exemplo, quando Escolheram Cézar Peluso,
Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Cármem Lúcia …
.
Definitivamente, Enfrentem a Realidade Histórica!
Convençam-se de que o Brasil não é uma Redoma.
.
Vivemos numa Guerra Mundial – Não Declarada –
em que estão em Disputa as Riquezas Naturais.
Até a Água Doce do Planeta é Objeto de Ganância.
.
A Europa e a América Anglo-Saxã precisam Alimentar
e, portanto, dar Emprego a seu Bilhão de Habitantes.
E as Reservas se Esgotaram no Hemisfério Norte.

Aí a Dívida Pública gira em torno dos 100% do PIB. (*)
E o Dólar, Sem Lastro, Não Sobrevive Muito Tempo.
.
As Decisões Políticas e Econômicas de Washington,
Manhattan, Londres, Berlim e Bruxelas nos afetam aqui.

Vejam a Lei Anti-Terror: Não foi Idéia do Governo do PT
nem do Congresso Nacional, mas Imposta de lá para cá.
Pressão Externa Idêntica revogará a Partilha do Pré-Sal.
.
De Outro Lado, China e Índia têm de evitar a Convulsão
de 3 Bilhões de Bocas Famintas, à Beira do Desespero.
E o Japão Estagnado com uma Dívida de 230% do PIB.

A Rússia – com seu Exército de 100 Milhões de Soldados
que apavoram a Vocalista Chapada Advogada do PSDB –
não agride, mas guerreará até a morte para se preservar.
.
Foi Esse Resguardo de Soberania que não se viu no Brasil.
Democracia, no Capitalismo, é só para Tempos de Paz.
.
*(http://pt.tradingeconomics.com/country-list/government-debt-to-gdp)
.
.

Responder

FrancoAtirador

30/10/2016 - 00h33

.
.
https://twitter.com/melvieirav/status/792550522326806528
.
.

Responder

Deixe uma resposta