VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Ato contra o massacre de Gaza: USP, 11 de agosto

02 de agosto de 2014 às 13h21

chegaGaza

do Blog da Boitempo

Com coordenação de Osvaldo Coggiola, ocorre na segunda-feira, dia 11 de agosto, às 19h, o “ato contra o massacre em Gaza” no departamento de História da USP. Em regime de greve, falam, no ato, representantes estudantis, funcionários e docentes de várias faculdades da USP, além de representantes de diversos partidos de esquerda, movimentos sociais e institutos culturais: 

Arlene Clemesha (Docente USP)

Guilherme Boulos (MTST)

Magno de Carvalho (Sintusp)

Dirceu Travesso (CSP-Conlutas)

Fabiana Marchetti (DCE-USP)

Lincoln Secco (Docente USP)

Mauro Iasi (PCB)

Sean Purdy (Docente USP)

Chico Miraglia (Docente USP)

Gilberto Maringoni (PSOL)

Valter Pomar (PT)

Valério Arcary (PSTU)

Jamil Haddad (PCdoB)

Soraya Misleh (Instituto de Cultura Árabe)

Jorge Luiz Souto Maior (Docente USP e Juiz do Trabalho)

Osvaldo Coggiola (Docente, USP)

Leia também:

Rashid Khalidi: Punição coletiva em Gaza, um laboratório de armas

 

9 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nelson

03/08/2014 - 19h17

O governo de Israel está apenas reagindo ao assassinato de três adolescentes israelenses, pelo Hamás (acusação feita, mas não comprovada), como vimos a mídia hegemônica e seus comentaristas repetirem?

Então, a coisa é assim? Imagine que uma gangue qualquer da tua cidade vá até a cidade mais próxima e lá acabe matando alguns jovens.

Poderíamos admitir quem, em represália, é dado o direito às “forças armadas” dessa cidade próxima iniciarem um bombardeio indiscriminado sobre casas, escolas, hospitais, estações de tratamento de água, esgoto e de fornecimento de energia elétrica da tua cidade, além de matar, matar e matar crianças, mulheres, idosos e quem mais aparecer pela frente, inclusive, você mesmo e ou teus parentes?

Estaria o povo da cidade vizinha usufruindo de seu direito de se defender?

Responder

Euler

03/08/2014 - 13h23

A cultura ocidental dominante adora apresentar filmes do Holocausto contra os judeus, como sendo o pior genocídio contra um povo, quase que o único, o que está longe de ser verdadeiro. Muitos genocídios foram realizados ao longo dos últimos séculos desde o surgimento do sistema capitalista. Os negros africanos e os índios latino-americanos, por exemplo, foram vítimas, durante séculos, de todo tipo de massacre, escravização, destruição de suas culturas, humilhação e matança generalizada. Os judeus certamente se inscrevem, até a Segunda Guerra Mundial, como um dos povos vítimas das mais duras perseguições e massacres.

Contudo, nos dias atuais, justamente o estado que diz representar os judeus, Israel, protagoniza uma das mais vergonhosas ações de genocídio contra um povo indefeso. Gaza é um dos pequenos pedaços de terra do que sobrou da ocupação israelense no antigo território da Palestina. A Faixa de Gaza tem área total de 365 Km2, que vive cercada pelo exército israelense, que mantém um bloqueio criminoso, proibindo a entrada de comida, de máquinas, de remédios e de assistência humanitária, até, aos quase dois milhões de palestinos que ali residem. Para se ter uma ideia do tamanho do território de Gaza: se você pegasse um ônibus no centro de Vespasiano até o centro de Belo Horizonte – cerca de 40 km – você já teria atravessado todo o território de Gaza. Juntamente com o território da Cisjordânia, Gaza foi o que restou da antiga Palestina para os seus antigos moradores.

Nesta nova incursão do treinado e bem equipado exército israelense contra este território cercado e dominado, um verdadeiro campo de concentração a céu aberto, estamos assistindo a um massacre, um genocídio, a matança criminosa de centenas de crianças, mulheres e idosos. Os tanques e mísseis de Israel já destruíram hospitais, escolas, milhares de casas, as fontes de energia e estradas; mas, o pior: já mataram quase dois mil palestinos, feriram milhares, e expulsaram de suas casas quase meio milhão de palestinos, desesperados, com suas vidas destruídas.

Aliás, os palestinos que vivem em Gaza já tinham a sua vida quase destruída. Imaginem morar num bairro ou numa cidade cercada por um exército inimigo, que controla ou impede a saída e a entrada de pessoas, de alimentos, de máquinas. Que proíbe a relação dos habitantes deste território com o mundo, e que transformou esta área numa espécie de prisão a céu aberto? Parte dos habitantes que ali residem pode, no máximo, sair durante o dia para prestar serviços aos judeus e retornar a noite, sempre sob total controle e vigilância, como se faz com prisioneiros que cumprem prisão em regime semi-aberto. O que você faria se vivesse num lugar assim, sabendo que antes, até bem pouco tempo, seus pais e avós e bisavós e tataravós eram os donos de toda a Palestina?

Imaginem se um outro povo – por exemplo, os norte-americanos – resolvessem que o Brasil agora é território dos EUA e que, dos 200 milhões que moram aqui, uma parte será expulsa para os países vizinhos, e os que resistirem e quiserem permanecer aqui serão TODOS colocados em um ou dois territórios separados entre si? Ficariam uns 70 milhões no Espírito Santo e uns 70 milhões em Sergipe. Outros 60 milhões de brasileiros seriam expulsos. E estes territórios viveriam cercados, com total controle do exército norte-americano, que impediria qualquer forma de autosubsistência do antigo povo que habitava o Brasil. O que você faria se vivesse assim, nestas condições?

Pois é mais ou menos isso o que acontece com os palestinos hoje, que vivem em Gaza. E o mais vergonhoso é saber que o exército deste estado invasor, Israel, é formado por judeus cujos pais, avós e bisavós e tataravós foram vítimas do holocausto nazista e de muitas diásporas, desde Roma Antiga. E por ironia da história, desde o surgimento do Islã e do império islâmico que dominou uma vasta área desde a Ásia Central até a Península Ibérica, durante muitos séculos, foram os muçulmanos que estabeleceram melhores relações com os judeus, que conviveram com eles, que não obrigaram que eles se tornassem “cristãos novos” para sobreviverem. Ao contrário do Império Romano antes, do Ocidente cristão durante séculos na Europa, dos pogroms na Rússia dos czares, e finalmente do holocausto nazista. Os judeus foram vítimas de todos estes impérios, menos do império islâmico.

E é justamente o governo que diz representar o povo judeu que hoje pratica este massacre contra os palestinos, que são árabes, na sua maioria muçulmanos, e que conviveram na Palestina pacificamente com os judeus durante décadas.

Querer agora atribuir ao Hamas a culpa por este novo massacre é uma piada de mau gosto. O Hamas surgiu quase como organização humanitária, que prestava serviços assistencialistas ao povo palestino, e que inicialmente, para fazer frente ao Fatah – organização do falecido líder palestino Yasser Arafat – recebia até apoio camuflado dos israelenses. Quando o Hamas cresce e se torna uma expressão política organizada dos palestinos de Gaza, passam a ser perseguidos e cassados como qualquer outra organização que se recusa a aceitar aquela forma sub-humana de vida dos palestinos. Qualquer organização palestina que defenda o direito do seu povo de se constituir enquanto nação é imediatamente taxada de terrorista pelo governo de Israel e pela mídia ocidental. Mas, afinal, quem são os terroristas ali?

Os foguetes do Hamas são feitos de forma artesanal, com misturas químicas e materiais que se encontram quase que em qualquer loja de produtos agrícolas. O estado de Israel, ao contrário, desenvolveram, com a ajuda do seu aliado incondicional e protetor – EUA – um sofisticado sistema de defesa contra os foguetes do Hamas que torna praticamente nulos os efeitos destes ataques. De cada 1000 foguetes lançados por Hamas em territórios que antes eram deles e agora estão ocupados por assentamentos judaicos, apenas um ou dois acertam algum alvo distante. Raramente chegam a causar algum estrago. Dos milhares de foguetes lançados, provavelmente tenha causado duas ou três vítimas. Ou seja, até um assalto a mão armada em qualquer rua do Brasil ou dos EUA ou dos países da Europa é capaz de provocar mais mortos e feridos do que os foguetes do Hamas.

Mas, a covarde imprensa ocidental, praticamente toda ela conivente com o massacre em Gaza, transmite as notícias como se ali acontecesse uma guerra entre dois estados, como se o Hamas fosse um poderoso grupo terrorista capaz de destruir a humanidade, até. Os cinquenta e poucos soldados israelenses que morreram até agora, após a incursão militar do exército de Israel em Gaza, foram vítimas da consequência desta incursão num território densamente povoado. Nem de longe isto se compara com o massacre de civis palestinos desarmados, crianças, mulheres, idosos e até enfermos nos hospitais, todos dizimados covardemente, com a conivência de governos do Ocidente – EUA e países ricos europeus à frente, mas não somente.

Numa guerra você tem dois ou mais exércitos que se enfrentam, todos com algum nível de estratégia, de equipamentos, de poder fogo. Em Gaza não há uma guerra, mas um genocídio, um massacre covarde contra seres humanos. Fico impressionado com a insensibilidade de alguns comentaristas que se dizem jornalistas. Alguns aqui de Minas mesmo, que chegam a defender Israel e a dizerem que no Brasil morre mais gente durante o ano do que o número de palestinos mortos em Gaza. Nada mais pobre, desumano e canalha do que uma comparação infeliz como esta. Os mortos num Brasil de 200 milhões de habitantes têm várias origens: briga entre vizinhos, disputa de ponto de droga entre traficantes, assaltos a mão armada, acidentes no trânsito, enfim, coisas próprias de um sistema mundial chamado capitalista, que transforma o dia a dia das pessoas numa disputa pela sobrevivência desigual e desumana. Mas, é totalmente diferente de um massacre deliberado e concentrado de um poderoso exército contra um povo cercado, desarmado, dominado, humilhado durante anos e anos.

Quem não se lembra do massacre de Carandiru em SP, que já virou livro, filme e documentário? Ali, dezenas de prisioneiros foram executados covardemente pela polícia de São Paulo, totalmente armada e que atirou contra prisioneiros do estado brasileiro, sem chance de se defenderem. O que acontece em Gaza é uma espécie de Carandiru em escala ampliada. Os palestinos de Gaza são prisioneiros do estado de Israel, que está punindo coletivamente a quase dois milhões de seres porque uma organização tida como terrorista pelos EUA e Israel, e que defende o povo palestino, e que é parte deste povo, o Hamas, se atreveu a resistir e a lançar foquetes artesanais em resposta às milhares de arbitrariedades que o estado de Israel pratica diariamente contra os palestinos.

Não dá para ficar neutro numa história desta. Nem brasileiros, nem judeus que vivem fora de Israel – lá dentro existe uma lavagem cerebral com os judeus, o que faz com que mais de 90% daquele povo apoiem este massacre, embora haja uma heróica minoria que proteste contra o genocídio em Gaza. Assim como o povo norte-americano, que na sua maioria apoiou o governo dos EUA na invasão, ocupação e destruição do Iraque. Hoje, praticamente todos os países do Oriente Médio estão destruídos em função desta geopolítica criminosa dos EUA e dos países ricos da Europa. A vizinha africana Líbia, cujo povo tinha uma das melhores condições de vida da África, está destruída; a Síria, outro povo que vinha lentamente construindo o seu futuro, está dividida e destruída. Iraque e Afeganistão, igualmente destruídos. Por enquanto, praticamente o Irã, país de origem persa, com predominância do islamismo, ainda não foi destruído, embora os EUA não se cansem de conspirar, promover boicote, e programar a invasão e a destruição daquele povo.

A imprensa ocidental, formada por cretinos mercadores de opinião, com raras exceções, está com as atenções voltadas para a Ucrânia, que vive conflitos antigos, mas que vivia em relativa paz interna antes de sofrer as “tentações” e provocações dos países ricos da Europa e dos EUA. A Rússia mantinha relações com aquela antiga república soviética muito vantajosas para os ucranianos, dependentes que são das fontes energéticas dos russos. E que vendem o gás a preço abaixo do mercado para aquele país, coisa que não se imagina, por exemplo, acontecer numa relação entre EUA e qualquer outro povo do mundo. Aliás, a única exceção feita pelos EUA talvez seja justamente com Israel, cujo estado recebe doações de bilhões de dólares, treinamento militar e tecnologias de ponta. Por que será?

Claro, Israel é uma espécie de linha avançada dos EUA para a sua geopolítica de dominação no Oriente Médio. Israel é um estado que vive para a guerra, para o massacre, para incentivar ocupações e divisões no Oriente Médio. E contam com isso com a ajuda de alguns governos árabes daquela região, cujas elites lucram com a venda do petróleo e o financiamento das guerras. E a indústria bélica é uma das principais fontes de recursos dos EUA. Não se imagina a manutenção da economia norte-americana e dos países ricos da Europa num mundo sem guerra, sem destruição. A indústria bélica gera trilhões de dólares todos os anos, e sustenta campanhas eleitorais dos governos de direita, que em conjunto com os donos dos bancos e os aparatos estatais sustentam a mídia empresarial do mundo ocidental. Por isso vivemos este cerco midiático de opiniões quase consensuais entre as maiores redes de TVs, rádios, jornais e revistas. Inclusive no Brasil, com as Globos, Bands, Itatiaias, Vejas e Folhas, entre outras. Todos eles apoiando políticas neoliberais; todos eles justificando sob mil falsos argumentos o massacre contra o povo palestino; todos eles fazendo campanha diariamente contra os governos progressistas e populares da América Latina: Dilma no Brasil, Maduro na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Rafael Correa no Equador, Daniel Ortega na Nicarágua, etc., etc.

Por isso, pessoal, não me convidem mais para assistir, de uma hollywood igualmente dominada por estes interesses de minorias ricas, a qualquer filme sobre o holocausto. Não teria estômago, e passaria mal toda vez que me lembrasse do que muitos dos descendentes daqueles judeus estão fazendo agora contra os palestinos de Gaza, desonrando a memória daquelas vítimas. Sob o olhar cúmplice dos governos que têm algum poder militar e econômico e diplomático capaz de uma intervenção mais forte, como é o caso dos EUA e países ricos da Europa. Todos silentes, covardemente. Quem se manifestou contra? Justamente os governos do Brasil, Venezuela, Chile, Nicarágua, Bolívia, Equador. Além dos povos do mundo inteiro, claro. O que me torna neste momento orgulhoso de viver num país sul-americano, com os governos que temos atualmente, com todas as limitações conhecidas. Nossa América do Sul e Central, de Bolívar, de Sandino, de José Martí, de Farabundo Marti, de Zumbi dos Palmares, de Marighella, e, por que não, de Hugo Chávez, de Fidel, de Lula e de Dilma. Mas, acima de tudo, de um povo que sempre lutou, tais como os povos de todo o mundo, inclusive os europeus, os árabes, os africanos, e os judeus não defensores do massacre que faz o estado de Israel, entre outros.

Que a humanidade dos de baixo tenha a capacidade de esboçar alguma reação para impedir o extermínio total dos palestinos. Eu não sei o que sugerir aqui. Uma semana mundial de protestos, uma campanha por boicote aos produtos de empresas que apoiam o estado de Israel, uma pressão para que a ONU considere Israel um estado criminoso e oriente todos os países do mundo a romperem relações econômicas e diplomáticas com aquele estado (que sonho mais distante!). Enfim, a humanidade está assistindo a um massacre e não pode permanecer inerte, como se fosse algo natural, pois isto seria a aceitação da nossa total desumanização. Que o capitalismo já tenha nos desumanizados bastante, isto já sabemos. Mas, não podemos perder as últimas gotas de sensibilidade que nos unem à ideia de sermos… seres humanos.

Responder

Elias

03/08/2014 - 10h44

Não podemos esquecer que palestinos, sírios e outros povos são semitas tanto quanto o povo judeu.

Não devemos ser antissemitas.

O câncer do mundo é o sionismo.

Abaixo o sionismo assassino que comanda as tropas de Israel.

Sionismo e Nazismo, duas faces da mesma moeda.

Desde o século 19 se revezam na criação de guerras e na matança de inocentes.

Responder

FrancoAtirador

03/08/2014 - 02h40

.
.
U.S.A.
Ato em favor de palestinos reúne milhares diante da Casa Branca

CHILE
Milhares de Chilenos pedem rompimento de relações com Israel

FRANÇA
Milhares de franceses participam de atos em apoio a Palestinos

(http://ggnnoticias.com.br/fora-pauta/milhares-protestam-em-frente-a-casa-branca)
(http://jornalggn.com.br/fora-pauta/governo-chileno-e-pressionado-a-romper-relacoes-com-israel)
(http://jornalggn.com.br/fora-pauta/milhares-de-franceses-participam-de-atos-pro-palestinos)
.
.

Responder

Marcelo

02/08/2014 - 19h26

caraca, escondam seus Iphones é mto esquerdista desocupado junto

Responder

Urbano

02/08/2014 - 16h36

E os massacres reichtorianos já foram tratados e sarados??? Ademais, o de plantão vai permitir tal injúria aos princípios básicos???

Responder

Jair de Souza

02/08/2014 - 16h10

Por outro lado, todo meu apoio ao ato na USP.

Responder

Jair de Souza

02/08/2014 - 16h09

Eu não assino nada que venha da Avaaz, uma organização comprometida até a medula com o imperialismo. A causa é justa, mas quem promove o abaixo assinado não é. Daí, sempre fica a expectativa de tramoia, jogo de interesses. Fora com a Avaaz.

Responder

XAD

02/08/2014 - 14h40

ASSINE A PETIÇÃO: Israel-Palestina: uma solução para o conflito

Nossos governos fracassaram. Enquanto falam de paz e aprovam resoluções da ONU, eles mesmos (e grandes empresas internacionais) continuam financiando, apoiando e investindo na violência. A única maneira de interromper esse ciclo infernal no qual Israel confisca as terras palestinas, famílias palestinas inocentes são punidas colectivamente diariamente, o Hamas continua a lançar foguetes e Israel não cessa seu bombardeio à Gaza, é tornando o custo econômico desse conflito alto demais.

Sabemos que essa estratégia funciona. Quando os países-membros da União Europeia emitiram diretrizes para não financiar os assentamentos israelenses ilegais, a medida fez o chão tremer nos gabinetes. E, quando uma campanha cidadã persuadiu com sucesso um fundo de pensão holandês, o PGGM, a retirar seus recursos dos assentamentos, foi um alvoroço político.

Talvez não pareça que esse tipo de ação acabe com a matança atual, mas a história nos ensina que aumentar o custo financeiro da opressão pode abrir o caminho para a paz. Vamos pressionar os 6 principais bancos, fundos de pensão e negócios com investimentos em Israel a retirarem tais investimentos. Se cada um de nós tomar essa atitude agora e ajudar a fazer pressão, eles poderão retroceder, a economia de Israel vai sofrer um impacto e poderemos derrubar os extremistas que lucram politicamente com essa situação infernal.
Para muitos, principalmente na Europa e na América do Norte, pedir que empresas retirem seus investimentos, diretos ou indiretos, da ocupação de Israel sobre território palestino parece algo completamente enviesado. Mas não é — essa é a estratégia de não-violência mais poderosa para acabar com o ciclo de violência, garantir a segurança de Israel e alcançar a libertação da Palestina. Comparados a Israel, o poder e riqueza palestinos são mínimos. Mesmo assim, Israel se nega a interromper a ocupação ilegal de territórios. O mundo precisa agir ou o custo disso será insuportável.

O fundo de pensão holandês ABP investe em bancos israelenses responsáveis por patrocinar a colonização da Palestina. Bancos de peso, como Barclays investem em fornecedores de armas israelenses e outras empresas envolvidas com a ocupação. A britânica G4S fornece amplo equipamento de segurança utilizado pelas Forças de Defesa de Israel na ocupação. A Veolia, da França, opera o transporte para os colonos israelenses que vivem ilegalmente em terras palestinas. A gigante da informática Hewlett-Packard oferece um sistema sofisticado que monitora o movimento dos palestinos. A Caterpillar fornece tratores que são usados para demolir casas e destruir fazendas palestinas. Se criarmos o maior apelo global da história para que essas empresas retirem seus investimentos em negócios ligados à ocupação, vamos mostrar claramente que o mundo não será mais cúmplice deste derramamento de sangue. O povo palestino está pedindo ao mundo que apoiemos essa solução e israelenses progressistas também a apoiam. Vamos nos juntar a eles!

ASSINE A PETIÇÃO! Aos presidentes da ABP, HP, Veolia, Barclays, Caterpillar e G4S:

https://secure.avaaz.org/po/israel_palestine_this_is_how_it_ends_loc/?pv=197&rc=fb

Responder

Deixe uma resposta