VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Altamiro Borges: Limpeza ideológica?

20 de maio de 2010 às 19h14

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Paulo Nogueira e o macartismo da Folha

por Altamiro Borges, em seu blog

Preparando-se para a guerra eleitoral, a mídia demotucano já iniciou a “limpeza ideológica” nas suas redações. Na semana passada, o Grupo Abriu demitiu o editor da National Geographic do Brasil, Felipe Milanez, que criticou no seu twitter as distorções grosseiras da revista Veja. Agora, é a Folha de S.Paulo que dispensa o economista Paulo Nogueira Batista Junior, atual diretor do Brasil no FMI e um dos poucos colunistas que ainda justifica a leitura deste pasquim golpista.

O argumento usado é risível. A famíglia Frias alegou que “sua coluna é das mais longevas”, só não explicou porque outros antigos colunistas nunca foram molestados. Paulo Nogueira sempre foi um ácido crítico das políticas neoliberais de desmonte do Estado e da nação. Ele nunca deu tréguas aos tucanos colonizados, com seu “complexo de vira-lata”. Na luta de idéias em curso na batalha eleitoral, o economista seria um estorvo para José Serra, o candidato do Grupo Folha.

Relembrando as perseguições de 2006

Para disfarçar a sua política macartista de “caça às bruxas”, a Folha anunciou um novo plantel de colunistas, que inclui o Antonio Palocci. Com isso, ela tenta preservar a falsa imagem de “jornal pluralista”. Mas, como ironiza o jornalista Paulo Henrique Amorim, a jogada é rasteira. “Antônio Malloci, ex-ministro da Fazenda, como se sabe é um notável tucano que eventualmente milita no PT. Paulo Nogueira Batista Junior era um dos últimos vestígios de talento que a Folha exibia… A Folha, com um novo conjunto de ‘colonistas’, aproxima-se cada vez mais da treva sem fim”.

O clima de perseguição ideológica nas redações da mídia “privada” não é novidade. Na sucessão presidencial de 2006, ele também produziu suas vítimas, entre elas o jornalista Rodrigo Vianna, que não aceitou as baixarias da TV Globo na cobertura da campanha. Franklin Martins e Tereza Cruvinel também sentiram o ódio do “senhor das trevas” das Organizações Globo, Ali Kamel. Nos jornais e revistas, a perseguição fascistóide silenciou vários outros jornalistas.

A quem serve a liberdade de expressão?

Como afirma o professor Venício A. de Lima, estes episódios revelam “a hipocrisia geral que envolve as posições públicas dos donos da mídia sobre liberdade de expressão e liberdade de imprensa… As relações de trabalho nas redações brasileiras, é sabido, são hierárquicas e autoritárias. Jornalistas e editores são considerados, pelos patrões, como ocupando ‘cargos de confiança’ e devedores de lealdade incondicional”. Caso tentem manter a ética no seu trabalho jornalístico, eles são demitidos sumariamente.

Com a aproximação da eleição presidencial de outubro, o clima tende a se deteriorar ainda mais nas redações, comprovando a falsidade do discurso dos donos da mídia e das suas entidades – como Abert, Aner e ANJ – sobre a “ameaça autoritária” do governo Lula contra a liberdade de imprensa. “Episódios como este nos obrigam a perguntar, uma vez mais, para quem é a liberdade de expressão que a grande mídia defende?”, conclui o professor Venício A. de Lima.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

18 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

23/05/2010 - 00h28

Imagino como devem se sentir alguns profissionais desses que se encontram entre a dignidade e o 'pãozinho' acre…

Responder

Marat

22/05/2010 - 21h38

Limpeza ideológica… combina com os neoliberais, os ditadores do pensamento único… percebo em minhas conversas com as pessoas que a credibilidade da imprensa (nacional e estrangeira) caiu bastante. As pessoas têm a percepção de que jornalistas ganham grana para falar bem ou mal de a ou b, de acordo com a grana que recebem dos poderosos. É triste, mas é a realidade. Além do mais a RSF e outras instituições similares estão infestadas de capitalistas, amantes do dinheiro e inimigos da verdade!

Responder

Glecio_Tavares

21/05/2010 - 21h02

Por comentarios como os que vi aqui é que o Al ckmin esta em primeiro lugar. os paulistas precisam acordar, mas os da esquerda precisam respeitar os politicos que representam o PT hoje em SP. O Lula é um deles. Mercadante tem discurso e postura, mistura-lo a outros politicos so interessa a trolls.

Responder

PFiga

21/05/2010 - 23h09

No tempo em que fui dirigente sindical, fno Sindicato dos Engenheiros, fiz uma proposta que era das Centrais Sindicais elaborarem em conjunto com os Sindicatos um Jornal Pluralista e com noticias Nacionais, Estaduais e Municipais, que seriam distribuidos aos trabalhadores. A minha justificativa para o Projeto era que os custos para a elaboração dos Jornais de cada Sindicato eram muito elevados (consumiam grande parte dos recursos arrecadados) e as matérias não tinham cunho jornalistico amplo (faltavam esportes, cultura e cotidiano das cidades). Ou seja, os jornais não consquitava ou cativava os trabalhadores. O conteúdo da maioria dos jornais sindicais eram "recheados" de textos longos e distanciados da realidade dos trabalhadores. Seria o momento dos Sindicatos e Centrais pensarem no assunto e atuar como mais um contra ponto dos atuais jornalões e controladores da mídia.

Responder

Donizeti

21/05/2010 - 14h58

Prezados Azenha e Altamiro. No sábado na reunião do Centro de Estudos da Midia Alternativa ouvi uma colocação que me gravou fundo na mente.

Foi do Professor Marcos Figueiredo, ele disse o seguinte:

– Não adianta termos a ilusão de que a sociedade conseguirá democraticar veículos de comunicação como uma revista Veja, um Estadão, uma rede Globo, Folha. Isso provavelmente nunca acontecerá.

O que a mídia alternativa tem que fazer, é se viabilizar como um contraponto a essa mídia hegemonica conservadora. Mas para que ocorra esse enfrentamento, a mídia alternativa tem que ir buscar a noticia, disputar com os meios monopolísticos a notícia, gerar fatos e não simplesmente ficar divulgando sua opinião. Isso acaba sendo falar para nossos convertidos.

Faz sentido, apesar de também entender que o enfrentamento da opinião publicada como notícia pela mídia hegemônica é necessário ser feito pela mídia alternativa. Isso tem sido um contraponto importante na fase em que estamos nessa luta.

Responder

Carlos

21/05/2010 - 12h43

Algumas perguntas para uma eventual entrevista com PNBJr.:

Quais outros países representou (ainda representa?) no FMI?
Como era e como está a dívida de cada um deles?
Foram difíceis as negociações em relação à dívida brasileira?

Responder

mariazinha

21/05/2010 - 12h37

Mas o que acontece com o ESTADO DE SÃO PAULO, minha gente!
As almas paulistas/paulistanas foram abduzidas pelos alienígenas!
Cruzes!

Responder

Hilário

21/05/2010 - 13h19

No estrado de hj, um mellado destila um fel insustentável, mostra as garras da besta, e termina em "gran finale" demitindo toda a equipe de governo… heehehe, sofre reaça sofre!!

Responder

O Brasileiro

21/05/2010 - 13h02

As organizações Folha e Globo são as únicas que pagam bem?
Se não, melhor os jornalistas procurarem emprego em empresas éticas! (como muitos fizeram!)

Responder

desinformacaonao

21/05/2010 - 09h53

Só acho que podemos ficar revoltados e tristes com este tipo de atitude tomada pelo PIG.

Mas não surpresos.

Só gostaria de saber o que vai acontecer em seguida. Com o Serra perdendo a eleição, quem irá abrigá-lo? O caderno de Economia da Força Serra Presidente? Será que ele vai ligar pra Globo e pedir a cabeça da Mirian Leitão e vai ocupar o cargo dela?

Responder

francisco.latorre

20/05/2010 - 23h21

máscaras caem.

bom assim.

..

Responder

Fabio_Passos

20/05/2010 - 22h24

A fsp troca Paulo Nogueira Batista Jr por malloci… este jornal é uma porcaria inacreditável.

Depois o frias não sabe porque a fsp é cada vez menos relevante.

Responder

Tweets that mention Altamiro Borges: Limpeza ideológica? | Viomundo - O que você não vê na mídia -- Topsy.com

20/05/2010 - 21h59

[…] This post was mentioned on Twitter by Lucas Santos, Evandro Souza. Evandro Souza said: Altamiro Borges: Limpeza ideológica? – http://tinyurl.com/244a3op (via @viomundo) […]

Responder

Jairo_Beraldo

20/05/2010 - 20h32

"Malloci, ex-ministro da Fazenda, como se sabe é um notável tucano que eventualmente milita no PT"…
E que tem também Mercadante, Zé Eduardo Cardoso, Greenhalg, Gushikan, como notáveis tucanos que eventualmente militam no PT…e todos paulistas!

Responder

    Leider_Lincoln

    21/05/2010 - 06h59

    Ah, São Paulo. Merece mesmo Folha, Veja e Estadão, o estado da "Revolução de 1932", a fascisteia desvairada…
    Me surpeende é que ainda existam esquerdistas de verdade naquele estado. Afinal, Plínio de Arruda Sampaio vive!

    Marat

    22/05/2010 - 21h39

    Leider, aqui há muitos que ainda pensam e desejam o melhor para o Brasil. Talvez sejamos 30%, mas fazemos um trabalho diário de conscientização!!!

    Gerson Carneiro

    21/05/2010 - 08h16

    Mas também há as "interestaduais" Marina Silva e Heloísa Helena. Seriam nomes fortíssimos para integrar o rol de colunistas pluralistas da Folha?

Deixe uma resposta