VIOMUNDO

Aloy Jupiara e Chico Otavio: Em troca de repressão a adversários, ditadura abriu espaço para bicheiros assumirem o Carnaval do Rio

05 de janeiro de 2016 às 19h34

Captura de Tela 2016-01-05 às 19.29.39

“Os porões da contravenção”, de Aloy Jupiara e Chico Otavio

Por Cláudia Lamego, no site da editora Record

reprodução parcial

Aloy Jupiara leu num documento que um agente da repressão virara segurança de um bicheiro. Chico Otavio entrevistou o coronel reformado Paulo Malhães e descobriu que ele era um dos mais importantes elos entre a ditadura e a contravenção no Rio de Janeiro.

A partir dessas e de outras informações os dois jornalistas decidiram investigar a fundo as relações entre o jogo do bicho e a repressão. O resultado foi, primeiro, uma série de reportagens sobre o assunto que ora deságua no livro “Os porões da contravenção – Jogo do bicho e ditadura militar: a história da aliança que profissionalizou o crime organizado”.

Com uma farta pesquisa em arquivos e jornais da época e entrevistas com militares, sambistas, historiadores e advogados, entre outras fontes, os dois autores revelam na obra como os agentes da ditadura passaram a atuar no crime organizado, em aliança com os bicheiros, após o desmonte do aparelho de repressão a partir do fim dos anos 70.

Esses últimos se beneficiaram da benevolência dos governos militares para garantir segurança, território e organização para seus crimes. A troca de favores era macabra: depois de fazerem desaparecer corpos dos inimigos políticos da ditadura, os agentes da repressão também matavam e torturavam os inimigos ou quem estivesse no caminho dos contraventores.

Sem serem incomodados pela repressão, e atuando em favor dela, por meio dos esquadrões da morte, por exemplo, os bicheiros ganharam poder. Mas faltava a fama e o prestígio: ela veio quando passaram a ocupar um dos mais representativos espaços da cultura carioca: as escolas de samba.

O negócio também se expandiu e eles passaram a explorar as máquinas de caça-níqueis. Três nomes sobressaem nessa história: Anísio Abraão David, capo da Beija-Flor, Castor de Andrade, “dono” da Mocidade Independente, e Capitão Guimarães, este egresso do Exército, que “tomou” a Vila Isabel do então presidente Miro, que se “instalou” depois no Salgueiro.

Como surgiu a ideia de fazer a série de reportagens que deu origem ao livro “Os porões da contravenção” e quais foram os maiores desafios para verter as matérias para o livro?

Aloy: Partimos de pontos diferentes. A motivação de Chico Otavio veio de contatos com Paulo Malhães, da vontade de desvendar aquele personagem, o que fizeram durante o regime e depois dele, instalado na Baixada Fluminense.

A minha foi movida por outra curiosidade. Lendo um documento vi uma referência a um agente da repressão que virara seguranças de um bicheiro. Falei sobre isso com Chico. Seria um caso isolado? Pensamos então na segunda metade dos anos 70, os anos que viram o desmonte do aparelho repressivo, o começo de uma guerra de poder na contravenção e a ascensão de escolas de samba bancadas por bicheiros, como a Beija-Flor e a Mocidade.

Mergulhamos na investigação – analisamos documentos em arquivos; entrevistamos militares, sambistas, advogados; lemos jornais da época; consultamos historiadores – e constatamos que agentes da repressão, torturadores, foram cooptados pelo jogo do bicho e isso levou a contravenção a um novo patamar, a uma nova forma de organização, a se estabelecer como crime organizado. O maior desafio foi conseguir colher depoimentos daqueles que participaram da aliança bicho-repressão.

Como o trabalho da Comissão Nacional da Verdade facilitou o trabalho de apuração do livro? Acham que ainda há o que ser investigado, arquivos a serem abertos, depoimentos a serem dados?

Chico Otávio: Há muito a ser investigado e esclarecido. A Comissão Nacional da Verdade deve ser vista como o início de um trabalho, não seu fim. Com certeza há arquivos que ainda não revelados e pessoas que se mantêm em silêncio sobre a repressão no regime militar.

O livro mostra não só a associação entre os contraventores e os homens dos porões da ditadura como também deixa clara a impunidade aos chefões, que eram monitorados pelos órgãos de informação e poderiam ter sido reprimidos. A ditadura decidiu fazer vista grossa e, apesar de eles terem sido presos algumas vezes, nunca cumpriram as penas por crimes como os assassinatos dos desafetos e o contrabando. Vocês enxergam nessa omissão a origem de tantos problemas de segurança e violência que a população do Rio enfrenta hoje?

Chico Otávio: Foi um jogo de mão dupla, uma lavava a outra. A ditadura se valeu dos bicheiros, os bicheiros se valeram da ditadura.

Ainda que monitorados pelos órgãos de informação, bicheiros estiveram livres para erguer impérios do jogo a partir de uma guerra nas ruas pela tomada de territórios.

Excluindo a prisão de bicheiros após o AI-5, o regime militar não viu ou não quis ver perigo no bicho, não avaliou a periculosidade dos bicheiros e de sua aliança com agentes da repressão, isso que tornou o jogo a organização criminosa, estruturada como a máfia, que é hoje.

O jogo do bicho e o carnaval são duas “instituições” da cultura carioca. Os bicheiros “tomaram” as escolas e criaram a LIESA numa tentativa de serem aceitos pela sociedade, mas também para terem poder de decisão sobre o dinheiro do carnaval. Como vocês veem a relação da imprensa, dos governos e dos fãs com as escolas de samba que são dirigidas por bicheiros que já foram acusados de crimes e até presos? Como explicar essa contradição entre a tradição do carnaval e a influência negativa dos contraventores?

Aloy: A ideia de que o carnaval não sobrevive sem os bicheiros é um clichê recorrente. As escolas são instituições que nasceram como espaço de convivência, lazer e arte dos sambistas.

Quando o desfile das escolas se popularizou, atraindo a classe média, cresceu e virou espetáculo, os bicheiros se apropriaram de agremiações para ganhar exposição, tentar limpar a imagem e passar a ser vistos como mecenas.

Eles se aproveitaram da falta de recursos dos sambistas, que não tinham como bancar carnavais cada vez mais caros. Os bicheiros tinham capital de giro, o dinheiro da jogatina; com ele, as escolas não precisavam esperar a subvenção pública para começar a fazer as alegorias e fantasias.

O poder nas escolas, claro, mudou de mãos. Sambistas tradicionais, como as Velhas Guardas, foram afastadas da tomada das decisões. Antes, eles falavam, ouviam e decidiam. Quem passou a decidir foi o banqueiro do bicho.

Como o carnaval é uma disputa e os sambistas querem que suas escolas sejam campeãs, aceitaram o jogo. Conversando com sambistas mais velhos a gente vê como essa situação é triste: muitos não se sentem valorizados, se consideram colocados de lado; há quem conte que foi barrado ao entrar nas quadras porque os seguranças não sabiam quem eram (muitas vezes esses sambistas são filhos ou netos de fundadores das escolas). Mas há o medo: como se opor a um bicheiro?

Como enfrentar alguém que vive cercado por seguranças, muitos deles policiais? Atualmente, quando tantas empresas investem milhões em patrocínios de enredos, quando o poder público reconhece que as escolas ajudam a mover a economia da cidade, os sambistas não podem gerir e tomar as decisões nas escolas que seus avós e pais criaram porque a contravenção ergueu um muro em torno de um “negócio” que considera seu.

O livro “Os porões da contravenção” surgiu de uma série de reportagens para o jornal O Globo. Num ano de crise nos meios de produção do jornalismo, especialmente dos jornais impressos, o que significa pra vocês a realização de um livro que junta os ingredientes clássicos do jornalismo: uma boa pista, muitas fontes, extensa apuração e um texto bem escrito?

Chico Otavio: A palavra e o sentimento são de realização mesmo. Esperamos que os leitores gostem. Queríamos contar uma história que ainda não tinha sido contada. Contar histórias é o nosso trabalho diário.

A crise no meio jornal não é uma crise da notícia, mas do meio, do modelo de negócio. As pessoas querem, cada vez mais, estar bem informadas, e há diferentes plataformas onde elas podem buscar a informação. Isso nos motivou. Nós acreditamos na força da reportagem.

PS do Viomundo: No livro O Lado Sujo do Futebol, escrito em parceria com Leandro Cipoloni, Amaury Ribeiro Jr. e Tony Chastinet, tratamos da relação entre o então presidente da CBF, João Havelange, o bicheiro Castor de Andrade e o então superpoderoso da Globo, Boni. Além do Carnaval, os bicheiros também lavaram dinheiro no futebol. O repórter André Caramante comprou e leu o livro dos colegas Jupiara e Chico Otávio e diz que é um daqueles que você começa a ler e não consegue parar.

Leia também:

Canetada inconstitucional de Aécio leva a 60 mil demissões

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

6 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

06/01/2016 - 06h28

Num outro blog eu falei justamente sobre isso, esse poder de remissão de pecados para uns e de intolerância com outros, que alguns grupos possuem.
A Globo por exemplo, deu legitimidade aos bicheiros para poderem influir nas escolas de samba. Praticamente se associou a contravenção que sempre foi crime no Brasil, que ainda é crime no Brasil. Mas isso não merece investigação. Criou mais essa distorção cultural de um País onde esses principalmente gritam que o querem sério.
A Globo, mas não somente ela como suas coirmãs, tem sido responsáveis por criarem uma personalidade distorcida no nosso povo baseado na distorção da personalidade de seus donos que fazem tudo por dinheiro. São os mais hipócritas do Brasil e fazem escola.

Responder

Cláudio

06/01/2016 - 04h13

:
.:.
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo A(s) Voz(es) do Bra♥♥S♥♥il e postando:
.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *
.:.
Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !
.:.
* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

Deixe uma resposta