VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Robério Machado: Precisamos traduzir urgente “não vai ter golpe, vai ter luta”

23 de março de 2016 às 21h33

Cópia de FullSizeRender (3)

A MÍDIA E O CONDOMÍNIO DO GOLPE

por  Robério Machado, especial para o Viomundo

O condomínio do golpe está constituído pela confluência de várias setores da sociedade. Para simplificar, denomino-os de “anéis”, dentre os quais se destacam, em ordem alfabética: o empresarial, o financeiro, o geopolítico, o judiciário e o midiático. Não é o caso de discutir a questão, importantíssima, sobre qual deles detém a primazia. Trata-se de um ponto não consensual, que nos levaria a delinear uma teoria da fase atual do capitalismo.

Importa aqui, porém, determinar o papel do anel midiático. Ele se tornou a face mais visível da movimentação golpista por conta de sua capacidade de difundir versões, isto é, de impor ideologias e mobilizar os indivíduos favoráveis ao impeachment. Estes são agrupados em uma massa informe disposta a ir às ruas em defesa de causas que pouco atendem a seus interesses materiais, satisfazendo sobretudo suas exigências psíquicas. O discurso midiático apela às pulsões primárias canalizando contra as figuras da presidenta e do ex-presidente ódios, ressentimentos etc., em suma, uma gama de afetos que destampam a agressividade.

Assim, muitos descrevem o golpe em curso como midiático ou judiciário-midiático. No entanto, ainda que seja um agente imprescindível em sua efetivação, seria demasiado atribuir-lhe o comando do condomínio. Isso não significa que não devamos combatê-lo e mesmo despender parte de nossos esforços em defesa da legalidade na luta cultural contra as ideologias que difunde.

No momento, convém chamar a atenção também para uma dimensão pouco explorada do discurso midiático. Uma das funções da atividade mediadora do oligopólio midiático consiste em preparar as massas para os próximos passos da agenda golpista, justificando-os previamente de modo a evitar decepções e deserções.

Uma leitura dos jornais nos últimos dias indica que Moro não deve prender Lula já. Enfáticos nesse sentido são o editorial de 18 de março da Folha de S. Paulo “Protagonismo perigoso”, e o artigo de 21 de março do colunista e blogueiro das Organizações Globo, Helio Gurovitz, intitulado significativamente “Moro não deve se precipitar”.

Um dos pressupostos desses textos é a consideração de que a detenção coercitiva do ex-presidente Lula gerou mais revesses que ganhos para a marcha golpista. A prevalência dessa análise, aliás, forçou Moro a tentar se redimir perante seus apoiadores por meio da divulgação ilegal de grampos que atingiam a presidenta, ministros e outros detentores de foro privilegiado, colocando em risco a legalidade de todo o processo.

Não cabe discutir aqui, embora não seja questão de menor relevância, se o condomínio do golpe não precisa mais dos serviços sujos do homem da camisa preta. No momento em que o Congresso se prepara para decidir no voto o destino da democracia brasileira, tudo indica que a luta jurídica terá doravante, por foro e palco o Supremo Tribunal Federal.

Os golpistas sabem que o ex-presidente Lula, por tudo que ele significa para o povo e para parcela majoritária da esquerda, constitui um bastião decisivo na resistência à ofensiva em curso contra o governo legalmente constituído. O anseio de vê-lo preso faz parte da pauta regressiva de supressão de direitos constitucionais e, sobretudo, da mobilização de pulsões violentas, cujo arquétipo ancestral talvez seja a figura do “escravo fujão” encarnada, na história brasileira, por Zumbi dos Palmares.

O objetivo do condomínio golpista, no entanto, consiste prioritariamente em derrubar a reputação granjeada por Lula no Brasil e no exterior e, em seguida, torná-lo inelegível, facilitando a eleição de um dos três candidatos tucanos em 2018.

O esforço em impugnar sua posse como ministro indica – e o recado foi dado por um dos atores mais proeminentes desse condomínio – que o apoio do STF ao golpe não é tão certo como alguns imaginam. Mas, acima de tudo, trata-se de uma tentativa de impedir que Lula mobilize em favor do governo sua experiência política, existencial e seu capital simbólico, responsáveis diretos pelo êxito das manifestações do dia 18 de março.

Do nosso lado, cabe urgência na tarefa de traduzir em ações o lema que tomou conta do Brasil: “Não vai ter golpe, vai ter luta…”

Robério Machado é jornalista. 

Leia também:

Líder do impeachment, Eduardo Caranguejo Cunha na lista da interne

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

12 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

cristian

27/03/2016 - 14h24

”Náo vai ter golpe”

Responder

Luiz Costa Lima

26/03/2016 - 00h42

São mensagens como esta que conseguem manter a esperança de que os setores que foram responsáveis por 1964 não hão de ter êxito agora. Tudo que pudermos fazer neste sentido terá um papel decisivo.
Luiz Costa Lima

Responder

Urbano

24/03/2016 - 13h36

Além de que, há um ensinamento Celestial que nos recomenda a evitar a palavra ‘não’, quando se quer evitar situações indesejadas. Quando se diz ‘não vai haver golpe’ é como se dissesse ‘vai haver golpe’. O certo seria, por exemplo, se utilizar ‘a paz permanecerá’ ou outra frase qualquer com o mesmo conteúdo energético. Isso independentemente da religião que se cultua. É uma bênção genérica, digamos assim (rsrsrs)…

Responder

valdemar oliveira

24/03/2016 - 03h17

Dilma fica ate 2018……………..

Responder

FrancoAtirador

23/03/2016 - 22h43

.
.
Triste é ver que determinadas Entidades Importantes, Representativas de Trabalhadores,
.
se deixaram levar pela Lábia Patronal da Redução de Carga Tributária ‘para o bem do país’.
.
(http://www.agorachega.org.br/#sec-parceiros)
.
.

Responder

FrancoAtirador

23/03/2016 - 22h32

.
.
E observe-se também onde os Dois Principais
Conselhos de Profissionais Liberais se encaixam:
(http://www.oab.org.br/noticia/29365/conheca-as-propostas-do-movimento-agora-chega-de-carga-tributaria)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    23/03/2016 - 22h33

    .
    .
    É a CPMF e o Imposto de Renda!
    .
    .

    FrancoAtirador

    23/03/2016 - 22h45

    .
    .
    Na Realidade, os Grandes Escritórios de Advocacia e as Clínicas Médicas são Empresas.
    .
    .

Deixe uma resposta