VIOMUNDO

PT: Cobertura enviesada da mídia tira Brasil do contexto econômico mundial

07 de janeiro de 2016 às 20h04

Captura de Tela 2016-01-07 às 19.55.20

do PT na Câmara

Desde o estouro da crise econômica mundial em 2008, com a falência do banco Lehman Brothers, nos Estados Unidos, a maioria absoluta das grandes economias do planeta enfrenta um ciclo de recessão, baixo crescimento, endividamento e seguidos déficits orçamentários.

O Brasil não é exceção e tem sofrido os efeitos da crise, sobretudo a partir de 2014, mas ainda possui uma das situações fiscais mais equilibradas entre os 20 países mais ricos do mundo [confira a lista abaixo].

Considerando o déficit no orçamento – em relação ao PIB – dos 20 países com maior PIB (Produto Interno Bruto) e mais Argentina, Colômbia e Chile, o Brasil tem o 4º menor déficit entre os 23 países.

Deste grupo, apenas a Alemanha obteve um superávit no orçamento em 2014, bastante modesto, equivalente a 0,7% do PIB.

Contudo, nem mesmo a maior economia europeia ficou de fora dessa tendência e apresentou déficit orçamentário durante quatro anos seguidos: em 2008 o déficit da Alemanha foi de 0,1% do PIB; em 2009, de 3,1%; em 2010 chegou a 4,1% e em 2011 foi de 0,9%.

Ao contrário do que faz sistematicamente a grande mídia brasileira – que enfoca a crise econômica como se fosse um problema exclusivo do Brasil e causado por incompetência do governo federal – na cobertura econômica diária, um olhar amplo e global sobre os indicadores demonstra facilmente que o País não está à beira do precipício, como querem fazer crer os porta-vozes da oposição de direita no Congresso e na imprensa.

“Superávits orçamentários não têm sido regra no mundo desde a crise de 2008, muito ao contrário. A crise inaugurou um ciclo que se perpetua até hoje. Dentro do contexto internacional, entretanto, temos uma situação equilibrada e por isso saudamos a capacidade do governo e da sociedade brasileira de administrar esse período de crise com esse desempenho fiscal, inclusive com previsão de superávit de 0,5% para o orçamento de 2016”, destaca o deputado Afonso Florence (PT-BA).

“Esse desempenho tem permitido a continuidade das obras do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] e das políticas públicas que garantem a inclusão social através da transferência de renda, da valorização do salário-mínimo e de manutenção dos empregos”, acrescenta Florence.

O parlamentar lembra ainda que o rebaixamento da nota do Brasil pelas agências de avaliação – que estiveram diretamente envolvidas na eclosão da crise em 2008 – se deu mais por questões políticas do que pela situação econômica do País.

“A própria Fitch apontou isso, que o rebaixamento do Brasil se deveu à crise política criada pela oposição golpista e à agenda de ‘pautas-bombas’ no Congresso liderada por Eduardo Cunha. Todos os elementos do cenário político apontam agora para a superação da crise política e temos bons indicadores de reindustrialização, estabilização do câmbio, recuperação da balança comercial, entre outros, que vão nos levar a uma conjuntura econômica mais positiva neste ano”, argumenta Florence.

Confira a lista com os dados sobre déficit orçamentário dos países do G20 (mais Argentina, Chile e Colômbia) em relação ao PIB:

Captura de Tela 2016-01-07 às 19.55.37

Leia também:

Damous: A censura de Eduardo Cunha à TV Câmara

 

14 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Liberal

08/01/2016 - 08h13

Só faltouum pequeno grande detalhe, os juros da dívida brasileira é muito maior do que a dos países listados. Isso torna a aparente menor dívida muito mais difícil de pagar.

Responder

    Sidnei Brito

    08/01/2016 - 10h37

    E quem é que sempre faz lobby para aumento de juros mesmo?

Julio Silveira

08/01/2016 - 08h04

Tem uma coisa que me indigna, é perceber que esse locaute politico tem vindo, principalmente, dessa mídia orquestrada, para reduzir o tamanho do Brasil. E que produz um desiquilíbrio politico por que enquanto enfraquece a maioria do eleitorado aumenta o poder desses donos dessas mídias, fazendo deles eleitores mais importantes que os que decidiram a eleição. Tenho muitas duvidas se o maestro dessa orquestra é brasileiro, já que nesses tempos de cidadanias mundiais pode ser que se vejam numa grande família exclusiva, a do ricos mundiais, e para tal sigam a determinação de algum líder estrangeiro, numa grande congregação de irmãos, que convergem economicamente para um neoliberalismo, que facilita o centralismo de um mundo unipolar.
Cada vez fico mais convicto que esses proprietários não tem uma gota de empatia com o país. Vêm a pátria sob ótica particular, outros primas, muito mais privada, como um grande latifundio.

Responder

Rodrigo

08/01/2016 - 02h21

“um olhar amplo e global sobre os indicadores demonstra facilmente que o País não está à beira do precipício, como querem fazer crer os porta-vozes da oposição de direita no Congresso e na imprensa.”

Tudo invenção da mídia golpista, coxinha, fascista, que mora nos jardins. É só uma marolinha, vocês verão.

E os milhares de desempregados que não sabem como fechar a conta do orçamento de casa no final do mês, simples. economizem ainda mais água e luz e vão catar papelão na rua. É bom que fazem exercício, saem da fila do sus e ainda ajudam o meio ambiente. Perfeito!

Responder

    Joao Só

    08/01/2016 - 15h24

    A outra perna do golpe é a Lava-jato com a extinção de centenas de milhares de empregos e sucateamento da indústria de construção pesada.
    Junte-se o papel principal da velha mídia no falseamento/terrorismo econômico, minando perspectivas de investimento e vai-se chegando ao quadro atual de nossa economia.

Lukas

07/01/2016 - 22h54

Foram estes, que vocês acusam de cobertura enviesada, que diziam há dois anos que a economia ia degringolar. Estavam certos.

Estarão certos de novo?

Responder

    Luiz

    08/01/2016 - 07h11

    Não COXINHA MANIPULADO, eles falam todos os dias, desde que o PT assumiu o governo, mas quem QUEBROU o país foi o seu partido CORRUPTO o grande PSDBOSTA….

    Mauricio Gomes

    08/01/2016 - 07h53

    São esses também que diziam que haveria apagão ano sim outro também, que a crise da Grécia era culpa do PT, que a economia mesmo estando bem sempre apontavam um mas, contudo, todavia, entretanto. Só os parvos e ingênuos acreditam nas opiniões desses e$peciali$tas.

    FrancoAtirador

    08/01/2016 - 10h05

    .
    .
    Oráculos da Mídia Jabáculê.
    .
    .

    Sidnei Brito

    08/01/2016 - 10h39

    Lukas, você afirma que eles diziam isso há dois anos?
    Sério?
    Onde você estava nos dez anos anteriores?

Mauricio Gomes

07/01/2016 - 21h07

E por qual motivo o governo continua a dar de bandeja bilhões de reais para essa mídia vendida, golpista e corrupta? Não estamos em tempo de crise? Então a primeira medida seria cortar o bolsa-pig da mídia mais safada do mundo.

Responder

Deixe uma resposta