VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Chauí: Golpe agora fará 64 parecer pão doce; veja o vídeo em que ela ironiza FHC

16 de dezembro de 2015 às 14h26

IMG_2917

por Luiz Carlos Azenha

Surpreendentemente, o auditório da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, no centro de São Paulo, estava superlotado de professores e alunos.

Mais de 7.500 pessoas já assinaram o manifesto.

Dentre os mil que tiveram as assinaturas confirmadas, 264 são professores da Universidade de São Paulo, 66 da Unicamp, 59 da Universidade Federal do Rio de Janeiro, mas há centenas de assinaturas de professores de universidades federais e privadas de todo o Brasil e até do exterior.

Muitos deles são críticos do governo Dilma e do Partido dos Trabalhadores, como o filósofo Paulo Arantes. Porém, todos reconhecem que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff é apenas um passo no processo de retirada de direitos sociais e da instalação de um governo oligárquico no Brasil, sob forte influência da extrema-direita. É, portanto, um golpe.

Na mesa, o neurocientista Miguel Nicolelis teve um flashback de 35 anos atrás, de quando o Brasil sofreu um golpe militar. “Quero evitar que meus filhos e meus netos tenham de voltar aqui para protestar contra uma ditadura”, afirmou. “Não é uma presidência, uma pessoa, é a defesa do Estado de direito, da democracia, do império da lei”.

A economista Leda Paulani relembrou que “nenhuma Nação passa impune por 25 anos de ditadura”. Segundo ela, “é a construção democrática do Brasil” que está em jogo. Os que propõem o impeachment, segundo ela, “nunca foram democratas”.

Outro economista, Luiz Gonzaga Beluzzo, também relembrou o passado. Disse que em 64, depois do golpe, apanhou do Comando de Caça aos Comunistas (CCC) defendendo o governo constitucional de João Goulart e que o faria de novo, agora, se necessário for.

O jurista Dalmo Dallari afirmou que nunca foi filiado a partido político, que estudou a proposta de impeachment de Hélio Bicudo, Janaina Paschoal e Miguel Reali Jr. e que não existem atos da presidente Dilma que configurem crime de responsabilidade.

“Eu não diria que são falsos juristas, mas que são juristas incompletos”, afirmou. Nunca chegariam ao STF por terem demonstrado “notável ignorância jurídica”, aduziu.

Captura de Tela 2015-12-17 às 09.47.21

Paulo Arantes alegou que, por força da pergunta de um repórter, se sentia obrigado a explicar sua presença no ato, tendo em vista suas críticas recorrentes ao PT e ao governo Dilma.

“É em solidariedade às vítimas do processo em marcha. Saindo ou não saindo o impeachment, estamos diante de uma onda avassaladora que está se despejando sobre o Brasil”, afirmou.

Ele relembrou a manifestação na avenida Paulista em 2013, quando a esquerda apanhou de militantes direitistas quando comemorava a vitória do Movimento Passe Livre. Para ele, designar os pró-impeachment como “coxinhas é fofo”; no outro extremo, poderiam ser chamados de “milícias fascistas”.

IMG_2915

Para o fundador do PSDB, o economista Luiz Carlos Bresser Pereira, a democracia está ameaçada “pelos liberais”, que não aceitam premissas básicas dela, como os direitos civis e o sufrágio universal. Ele acrescentou que uma “classe média orfã” da política econômica fornece a militância para o que chamou de golpe.

Para Bresser, o impeachment falhará porque o Brasil tem uma sociedade plural, uma classe trabalhadora ativa e intelectuais como os que se reuniam naquele momento.

O professor Roberto Schwarcz disse que o impeachment vai enfraquecer a democracia e lembrou que, desde a apuração dos votos em 2014, a oposição trabalha para tornar o Brasil ingovernável de maneira a poder dar o golpe alegando que o país está desgovernado.

Para ele, se o governo atual for derrubado o impeachment estará legitimado como forma de resolver crises institucionais, mas o campo popular não terá acesso à imprensa, ao rádio e à TV, nem ao apoio da Fiesp, que representam “os interesses do dinheiro”.

O professor de Filosofia Marcos Nobre disse que a elite brasileira está “canalizando o sofrimento social” de uma crise econômica para dar o golpe. “É a energia sequestrada de uma sociedade”, disse. “A autodefesa de um sistema estruturalmente podre e corrupto”, segundo Nobre, resulta numa “enganação coletiva”: colocar os de baixo para apoiar uma proposta que basicamente beneficia os de cima.

Vídeo de Artur Scavone

Marilena Chauí afirmou que o impeachment é apenas a “cereja no bolo” da direita, que banca uma pauta extremamente conservadora no Congresso, incluindo da redução da maioridade penal à lei antiterrorismo.

Segundo ela, o que está sendo preparado “é a vitória completa do capital na luta de classes”. “Não é por acaso”, frisou, que “o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou em entrevista que o mercado é favorável ao impeachment, como se o mercado fosse um ente metafísico”. Para Chauí, a classe dominante conta com o apoio de uma classe média “proto fascista” para implantar um governo reacionário depois de derrubar Dilma Rousseff.

“Se o golpe vier, nós teremos uma ditadura que nos fará considerar 64 como um pão doce com bolacha”, previu sobre o futuro.

Para o jurista Fábio Konder Comparato, que encerrou o evento, no Brasil vigem duas Constituições. A de 1988, nunca totalmente regulamentada, e a “real, ditada pela oligarquia”. Para ele, o impeachment seria a vitória indiscutível desta constituição “de fachada”, que privilegia os de cima às custas dos de baixo.

Leia também:

Coxinha diz que polícia se assutou com gente “de cor”

 

27 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Levy Coelho

30/12/2015 - 18h29

Há de se ter bom senso para discordar, de questionar até que nos convençam do contrário. Criticar por criticar é na verdade ignorância política ou leviandade. Marilena tem conhecimento, experiencia política, reconhecidamente entre a intelectualidade brasileira. No plano político, tem passado brilhante e muito contribuiu e contribui para o processo de construção da democracia. Existe uma ala que faz coro para o quanto pior melhor para a aplicação do golpe. Para que tanto espanto. O que a direita está fazendo e levando boa parcela de ingênuos traduz-se em pura e simplesmente num golpe. A parcela de Rua não consegue apenas criticar os governos, ela está sendo aliada da extrema direita. As pessoas da oposição lutam por um terceiro turno. Isto é golpe. Discordem do governo, demonizam o PT. SERÁ QUE OS MILITANTES DO PT é isso tudo que dizem? Sou Petista e acredito na participação política do conjunto da sociedade para um Brasil melhor…

Responder

Sérgio

18/12/2015 - 03h17

A direita tem muitas qualidades. Mas nenhuma delas têm importância alguma.

Responder

Leo V

17/12/2015 - 17h00

Como assim a Marilena Chauí diz que a direita (que pra ela é ‘os outros’) está bancando a Lei antiterrorismo no Congresso?

Ou ela fala com má fé ou alguem tem que avisar a ela que foi o Poder Executivo que enviou a Lei ao Congresso.

Por isso eu não iria nesse evento. É um jojo de sombras.

Responder

wendel

17/12/2015 - 16h31

É isto aí !!!! A reunião de pessoas sensatas para as quais o Brasil é mais importante !!!!!! Não os interesses pessoais, sejam eles nacionais e principalmente internacionais, que querem solapar e desconstruir a Nação !!!!
As comparações com 64 e agora, me fazem refletir que naquela época, não tínhamos a internet, e as comunicações era feitas em mão única. Agora, fica fácil desmentir e confirmar as manipulações feitas naquele período, e se pensam, os fascistas, terem o mesmo sucesso, estão redondamente enganados !!!!!!!!!!!!
Pau neles, pois não passam de traidores da Nação e de seu povo !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

jossimar

17/12/2015 - 11h37

A direita só trabalha deste jeito. Agora mesmo estão boicotando a economia e o Brasil para derrubar um governo eleito democraticamente.
Na Venezuela, tão criticada por muitos, os empresário direitistas provocaram a escassez de produtos básicos á população para causar indignação popular.
Conseguiram e a direita venceu asa eleições legislativas. Agora, começam a aaprecer os produtos que os golpistas escondiam, muitos com prazo de validade vencido.
No Brasil utilizam a mesma tática de provocar o caos com apoio fundamental do judiciário.
Diante do provavelmente elevadíssimo custo de uma operação deste tipo, me pergunto: QUEM ESTÁ PAGANDO A CONTA?
Acredito que o pagamento do investimento será feito com a entrega do Pré-sal aos financiadores externos e retirada de direitos trabalhistas e mais juros para os financiadores internos.

Responder

Mário SF Alves

17/12/2015 - 10h44

“Se o golpe vier, nós teremos uma ditadura que nos fará considerar 64 como um pão doce com bolacha”, previu sobre o futuro.”
_____________________________________________
Sim, dessa vez, ainda pior do que no vergonhoso e trágico 64 – se o golpismo prosperasse – o Brasil real, o Brasil dos brasileiros e de quase 500 anos de iniquidades, sadismo injustificável e de apartheid social iria chorar lágrimas de sangue.

Responder

Dan

17/12/2015 - 01h43

Estes, sim, são verdadeiros intelectuais!

Responder

    Cesar

    17/12/2015 - 18h07

    A pergunta é: porque precisava esconder?
    Para de falso moralismo FrancoAtirador…
    quem estava na Venezuela sabe do que estou falando…
    para os amigos do “Rei” nunca faltou nada… agora sim, a população começa a respirar esperança!

    FrancoAtirador

    18/12/2015 - 11h48

    .
    .
    Venezuelanos recuperaram a Esperança de Comer
    .
    Alimentos Vencidos, porque Empresários Bandidos
    .
    esconderam a Comida, até se elegerem Deputados.
    .
    .

Cláudio

16/12/2015 - 19h13

:
.:.
: * * * * 19:13 * * * * .:. Ouvindo A Voz do Bra♥♥S♥♥il e postando: Golpe nunca mais ! ! ! !
.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *
.:.
Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !
.:.
* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

    Tiago

    17/12/2015 - 18h03

    ninguém merece Lula de novo né Claudio!!?
    A mudança é salutar…
    Coloca qualquer outro menos Lula e Dilma…

Nelson

16/12/2015 - 17h31

Há um país cujo presidente se reúne toda terça-feira com os agentes secretos de suas inúmeras agências de segurança. Estes agentes apresentam ao presidente os dados de inúmeros terroristas ou supostos.

Democraticamente, este mandatário escolhe qual ou quais suspeitos (é o que eles são até que um julgamento diga o contrário) de terrorismo será ou serão fulminados pelos drones.

Assassinato ou assassinatos, pura e simplesmente; coisa de ditadura totalitária.

A mídia hegemônica nos apresenta este mandatário como um grande democrata. E o faz de forma tão insistente, tão exaustiva, que gente esperta passa a acreditar nisso.

Há um país que, em pouco menos de 17 anos, realizou 20 consultas populares entre eleições e plebiscitos. Este país possui, possivelmente, o sistema eleitoral mais seguro, mais imune a fraudes, de todo o planeta.

Pois este país é retratado pela mídia hegemônica, a serviço da democracia que retratei acima, insistente e exaustivamente, como uma ditadura.

Utilizando-se regiamente da lição preconizada por Goebbels, essa mídia acaba por convencer gente que se diz esperta de que este país é uma ditadura bolivariana e que seu governo está a exportar sua ditadura para tudo que é canto do planeta, Brasil inclusive.

Responder

    Julio Silveira

    16/12/2015 - 19h46

    Pois é Nelson, e aqui parece que sequer temos serviço secreto para prevenir a governante sobre as pessoas perigosas que transitam por seu caminho. Temos sido um campo vasto para trairas a longa data.

Julio Silveira

16/12/2015 - 17h19

Não devemos esquecer, a guerra civil no Brasil foi predita pelo jornal conservador espanhol El País. Até hoje não me sai da cabeça que eles, para fazerem tal manifestação, tiveram fontes deste país ou até do exterior, movendo o processo nesta direção, para afirma-lo de forma tão afirmativamente intrusiva.
De qualquer maneira acho que devemos estar atento aos nomes. Também devemos marca-los como a marca 666 o numero da(s) besta(s). Por que se acreditam que as coisas ocorrerão da forma doce que ocorreu no passado, acho que desta vez estarão muito enganados, no meu modesto entendimento.

Responder

    Mário SF Alves

    17/12/2015 - 10h57

    Entende agora o significado da expressão “Pátria ou Morte”? Ainda estamos na Fase I do processo, ou seja, quase chegamos no “Democracia Constitucional ou Morte”. No entanto, não duvido muito de que, em breve, a prevalecer o ideário dessa opósição anti-Brasil, sobretudo, a midiática, logo, logo, estejamos na Fase II, “a definitiva”.

    ________________________________________
    Tomara que não. E tudo vai depender do cenário geopolítico/correlação de forças em nível mundial e, em especial, de um mínimo de bom senso dos entreguistas/vende-pátria locais.

Ninguém

16/12/2015 - 16h25

A luta continua! Não vai ter golpe!

Responder

FrancoAtirador

16/12/2015 - 15h45

.
.
braZil: A Arábia Saudita Judaico-Cristã.
.
Império Teocrático de Extrema-Direita.
.
.

Responder

    Mário SF Alves

    17/12/2015 - 12h30

    Brasil com S, essa eterna singularidade que só o verdadeiro intelectual conhece.
    __________________________________
    E aí, prezado Franco, como tem passado?
    Satisfeito com a demonstração de poder de resistência manifesto nas ruas ontem?

    FrancoAtirador

    18/12/2015 - 11h52

    .
    .
    Grande Mestre Mário.
    .
    Não Menospreze o Poder de Manipulação
    .
    Nem espere Bom Senso de Inescrupulosos.
    .
    .

    Mário SF Alves

    18/12/2015 - 12h35

    “Brasil com S, essa eterna singularidade que só o verdadeiro intelectual conhece.
    ___________________________________________________
    Ainda espero ter a chance de discutir tal singularidade. Se bem que não há, assim, digamos, muito o que desvendar sobre isso, basta entender os signos que nos saltam aos olhos dia sim, dia não, também.
    ______________________________________________________
    Mas… e quanto a estar satisfeito com a demonstração de poder de resistência manifesto anteontem?
    De minha parte, nunca estive tão grato e esperançoso.
    Aceite um forte e respeitoso abraço,
    Mário.

    FrancoAtirador

    18/12/2015 - 18h32

    .
    .
    Boa Perspectiva para um Recomeço da Esquerda.
    .
    Provou, ao menos, que, havendo um Alvo Único
    e com Significado de Real Grandeza para a Luta,
    a Unificação da Classe Trabalhadora é Viável.
    .
    Um Abraço Camarada e Libertário.
    .
    .

Daniel

16/12/2015 - 15h23

O que Schwarz disse é o que eu venho dizendo à meses… A extrema direita primeiro destrói o país para então poder aparecer como “salvadora da pátria”, confiando na histórica ignorância e estupidez do brasileiro médio. E o que mais me humilha nesta questão é como a população é estúpida ao ponto dos golpistas poderem usar um truque tão velho como este em plena luz do dia sem a menor necessidade de disfarçar, eles agem como se a opinião da população na questão fosse absolutamente irrelevante.

Já estou até prevendo o que este país vai virar para frente: Uma nação regredindo no tempo, voltando a ser mero exportador de produtos primários à granel com uma “elite” asquerosa e violenta governando à bala uma massa de gente miserável e mantida na mais profunda ignorância. E os chamados “coxinhas” entre estes miseráveis, se perguntando o que aconteceu com a promessa de que eles dividiriam o butim

Responder

Bacellar

16/12/2015 - 15h07

Sinceramente não me surpreende a casa cheia no evento.

Cada vez meis gente, de diversas tendências políticas, se dá conta da gravidade do momento e do avanço da oligarquia transnacional nos sistemas políticos do Brasil e do Mundo. Se as grandes potencias estão cooptadas (EUA, Alemanha, Japão) pelo financismo e pelas corps é uma continuação natural o tratoramento de países subdesenvolvidos (os brics são chave no processo).

Talvez Eua e Alemanha possam se dar ao luxo de governos aplicando esse terrível neoliberalismo-real. Mas em lugares ainda tão carentes, como o Brasil, isso representaria uma retrocesso humanitário inaceitável.

Se os tucanos ou a Rede chegarem ao poder oq veremos é o totalitarismo 2.0. – o sistema Alckimin – aplicado ao Brasil inteiro. Truculencia velada escondida pela mídia amiga, sistema jurídico corrupto e iníquo, privatização total (por um troco de pinga), cultura de massa imperialista, educação segmentada e acrítica…Enfim o grande “projeto do capital” para o Séc.XXI. Uma verdadeira distopia.

Responder

    Mário SF Alves

    17/12/2015 - 11h31

    Pois é, Bacellar, tem razão. Ainda bem que o que vimos nas ruas ontem, 16/12, foi prova concreta de que este País ainda tem líderes verdadeiros. E o que é igualmente importante: tem milhões de pequenos heróis anônimos dispostos a tudo pela defesa e fortalecimento da cidadania e da soberania do Brasil.
    _______________________________
    Pequenos heróis que como por milagre têm a sorte de mirarem-se no exemplo daquela que na flor da idade e em plena saúde física e mental, enfrentou algo ainda mais temível do que a própria morte, a tortura física e espiritual, e que, mesmo prevendo isso, em ira santa, lançou-se em armas contra a sujeição do Brasil ao terrível regime ditatorial engendrado por interesses internos e externos publica e democraticamente injustificáveis e inconfessáveis.
    Penso que hoje o alvorecer de uma nova era esteja em nossas mãos, nas mãos de todos esses pequenos heróis anônimos, como nunca houve chance de estar antes.

Cícero Lobato

16/12/2015 - 14h48

País ingovernável, é UMA ESTRATÉGIA DA CIA PARA DOMINAÇÃO DE PAÍSES RICOS EM RECURSOS NATURAIS.

Responder

    Maro Lau

    17/12/2015 - 10h50

    Humildemente, me limito a subscrever os cirúrgicos comentários supra citados e, lembrando às análogas situações de Getúlio em 1954, João Goulart em 1964 e hoje o governo popular do PT, mas essencialmente por trazerem em comum as concessões de benefícios ao povo. O que por si só, imperdoável pelas elites concentradoras da renda e demais prepostos do capital…

Deixe uma resposta