VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

“O terrorismo financeiro, apesar de vestir terno e gravata, é tão perigoso quanto o nazismo nos anos 30″

09 de fevereiro de 2016 às 17h15

monedero - podemos

Criador da sigla espanhola Podemos teme retrocesso na América Latina

Eleonora de Lucena, na Folha de S. Paulo

09/02/2016  02h00

Colapso econômico, mudanças radicais no sistema político, escalada bélica, grande desemprego: tudo isso aconteceu nos anos que precederam a Primeira Guerra Mundial, no início do século passado. Tudo isso ocorre hoje, e as semelhanças das situações são inquietantes.

O alerta é do cientista político Juan Carlos Monedero, 53, um dos criadores do Podemos, o novo partido espanhol surgido em 2014, na esteira dos protestos contra a austeridade, e que se tornou a terceira força política no país nas eleições de dezembro passado.

Para ele, a “única varinha mágica” para sair da crise é gerar emprego — o contrário do que governos estão fazendo. E ataca: “O terrorismo financeiro, apesar de vestir terno e gravata, é tão perigoso quanto foi o nazismo nos anos 30 do século passado”, declara em entrevista à Folha.

Professor da Universidade Complutense de Madri, Monedero teme uma regressão política na América Latina. “Na Argentina, a metade do país não vai permitir que [Mauricio] Macri acabe com os avanços sociais dos últimos anos. Alguns, especialmente os EUA, não teriam problema em converter a América Latina em uma guerra civil permanente, como na Líbia, na Síria ou no Iraque. Confio que os governantes da esquerda estejam conscientes desse risco”, diz.

Ex-assessor de Hugo Chávez, ele afirma esperar que “a politização evite essa regressão”.

Na sua análise, as esquerdas latino-americanas cometeram os mesmos erros que as europeias: atacaram a pobreza, mas não conseguiram engajar os cidadãos, que se tornaram apenas proprietários e consumidores.

Autor de “La Rebelión de los Indignados” (2011) e de “Que no nos Representan!” (2011, com Pablo Iglesias, o líder do Podemos), Monedero foi integrante da executiva do partido.

Avalia que as últimas eleições espanholas enterraram o bipartidarismo no país.

Nesta entrevista, ele fala dos pontos em discussão em curso para a formação de um governo de coalizão com o tradicional PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol): freios a privatizações, a demissões e ao TTIP, tratado que liberaliza negócios.

Folha – Como o sr. explica o avanço eleitoral do Podemos?

Juan Carlos Monedero – Numa campanha eleitoral, é mais difícil esconder a mensagem; as estratégias de ocultamento funcionam pior. Podemos, como um partido emergente, tem recebido muitas críticas de praticamente todo o espectro político, o que o havia enfraquecido. Nas eleições, ele pode contar quem é.

A eleição de dezembro significou o fim do bipartidarismo na Espanha?

Sem dúvida. Em comparação com outros momentos, quando [PP e PSOE] chegaram a ocupar mais de 80% dos assentos, hoje os dois principais partidos não podem formar um governo juntos. Além disso, as decomposições do PP, pela corrupção, e do PSOE, por sua falta de rumo, atestam que o problema do bipartidarismo é estrutural.

Só erros profundos do Podemos poderiam dar alento ao bipartidarismo. Mas não parece que essa possibilidade esteja no horizonte. As coisas têm sido bem-feitas até agora e não há razão para enganos no futuro próximo.

Quais são as prioridades do partido se chegar ao poder em coalizão com o PSOE?

Foi apresentada a Lei 25, em referência ao artigo 25 da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Trata-se de garantir soluções a pessoas em situação de urgência econômica.

Ela propõe medidas contra a pobreza energética –luz, gás–, estabelece alternativa habitacional a vítimas de abusos, evita despejos para quem não tem onde morar e acaba com o co-pagamento farmacêutico.

Na proposta de governo em coalizão com o PSOE, o Podemos reivindica a defesa da justiça social, freio a cortes de pessoal e a privatizações, além da revogação das reformas trabalhistas do PP e do PSOE. Em relação aos meios de comunicação, se deveria trabalhar por uma RTVE [mídia estatal] independente, com profissionais independentes. Na educação, saúde e serviços sociais, trata-se de garantir os direitos sociais e reverter as privatizações.

É relevante resolver o problema territorial, assumindo a plurinacionalidade da Espanha. Com a vitória da coalizão Em Comú Podem, na Catalunha, se reivindica que um membro dessa coalizão (Xavi Domenech) seja ministro da Plurinacionalidade. Na defesa, se trata de obter um sistema integral de defesa comum, à margem dos lobbies de armas, e que trabalhe para uma defesa europeia que irá substituir a Otan.

Na Europa, temos que travar o TTIP [sigla em inglês para Transatlantic Trade and Investiment Partnership, tratado comercial e de investimentos, em debate, que reduz barreiras e regulações para os negócios] e fomentar a cooperação para o desenvolvimento, ajudando a reverter a ideia de uma “Europa fortaleza”, não solidária e distante dos direitos humanos.

Na Espanha, o pior da crise já passou?

As perspectivas são melhores do que na França ou na Itália, mas muitos indicadores apontam que virá um ano problemático em todo o mundo.

Quais são os impactos da crise migratória, econômica e dos ataques terroristas para a Europa?O que deve ser feito para a retomada do crescimento?

A única varinha mágica é o emprego. É a única forma de aumentar o consumo, a produção, a atividade econômica, os rendimentos, além de provocar redução no resultado da equação entre gasto público menos gasto em desemprego. É o contrário do que se está fazendo agora.

São desafios que exigem política europeias que busquem a raiz dos problemas. As migrações podem ser muito benéficas. A crise deve ser resolvida com o aumento da integração europeia. Ataques terroristas se enfrentam com inteligência e ajudas econômicas –não lançando bombas ou demonizando, ações que só ajudam a aumentar o ódio e as fileiras dos extremistas.

É possível comparar a situação atual com os primeiros anos do século 20 que antecederam a Primeira Guerra Mundial?

Há contornos parecidos inquietantes: colapso econômico, mudanças radicais no sistema político, escalada bélica, grande desemprego. Como disse Antonio Gramsci (1891-1937) naqueles anos, ao pessimismo do intelecto se deve opor o otimismo da vontade. Insisto: devemos ver essas condições como desafios para evitar a paralisia.

Segundo: a conivência com as velhas formas invariavelmente tem levado ao problema da corrupção às novas formações políticas. A vacina da participação popular não foi implementada. E isso dá à direita revanchista chance de tentar legitimar a sua ideia de que o poder lhe pertence por nascimento.

Na América Latina, que o sr. conhece bem, a esquerda sofreu derrotas na Argentina e na Venezuela. Como o sr. explica esses reveses? Onde a esquerda errou? Há avanço da direita no continente? O que deve ser feito?

Como resumiu Boaventura de Sousa Santos: reformas constitucionais reais e mudança na hegemonia. Esclareço com dois pontos. Primeiro: a América Latina tem cometido o mesmo erro que a esquerda europeia –tirou a maioria da pobreza, mas não a converteu em cidadãos comprometidos, senão em proprietários e consumidores que acabaram voltando a votar em seus carrascos.

O Brasil vive uma crise política e uma recessão econômica. Qual sua avaliação do país e o que deveria ser feito?

Não sou eu quem vai dizer o que o governo de Dilma Rousseff deve fazer. Mas é terrível pensar que depois de uma década seja possível regressar ao passado sem nenhum conflito. Confio que a politização evite essa regressão.

Estamos vendo que na Argentina a metade do país não vai permitir que [Mauricio] Macri acabe com os avanços sociais dos últimos anos. Alguns, especialmente os EUA, não teriam problema em converter a América Latina em uma guerra civil permanente, como na Líbia, na Síria ou no Iraque. Confio que os governantes da esquerda estejam conscientes desse risco.

Petróleo e China estão no centro das atenções mundiais. Como o sr. analisa essas situações?

A geopolítica está golpeando a economia. A morte de [Hugo] Chávez e o assassinato de [Muammar] Gadaffi foram também a morte da Opep. A Arábia Saudita se aproveita disso para debilitar o Irã e arruinar as empresas de fracking [de exploração de xisto]. Mas isso está afetando a economia mundial.

A demanda menor da China termina por fazer o resto. Enquanto isso, recente informe da Oxfam afirma que 62 pessoas têm tanto dinheiro como 3,6 bilhões de seres humanos. As desigualdades são um fator terrível de desestabilização econômica.

E enquanto meia centena de pessoas tiver tanto dinheiro quanto metade da humanidade não haverá solução para os problemas do mundo.

O terrorismo financeiro, apesar de vestir terno e gravata, é tão perigoso quanto foi o nazismo nos anos 30 do século passado.

Leia também:

Quando Serra, Paulo Preto e Delson Amador serão ouvidos pelo MP paulista? 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

18 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nelson

11/02/2016 - 17h19

“El terrorismo es un arma militar de la guerra psicológica. Es la guerra por vías del terror y el miedo colectivo. Quien controla el terrorismo, controla por el miedo antes que por la acción militar. Por el temor al ataque, más que al ataque mismo.”

O trecho acima faz parte do artigo “Para qué le sirve el terrorismo a EEUU”, escrito por Manuel Freytas, jornalista e investigador argentino, que pode ser lido em https://paginatransversal.wordpress.com/2014/08/26/para-que-le-sirve-e-terrorismo-a-eeuu/.

Responder

Bacellar

11/02/2016 - 15h58

Bom, eu que sou imaginativo estava cá a pensaire…Apenas uma ilação que fique claro…Uma grande financeira ou banco que tenha financiado o começo da expansão do fracking (e financiado também veículos de comunicação que o venderam como a solução energética do futuro) e tenha obtido no momento certo os dados decepcionantes sobre a rápida exaustão dos poços desse tipo de técnica vendendo as ações no pico do oba-oba do xisto e que esteja agora invertendo tal lucro em petróleo no rés-de-chão, está faturando uns trocadinhos hein? Se de quebra ainda debilitam inimigos geoestratégicos e governos hostis…Seria irritantemente genial, não?

Responder

FrancoAtirador

11/02/2016 - 14h09

.
.
“A liberdade da democracia não está segura se as pessoas tolerarem
o crescimento do poder privado ao ponto em que ele se torna mais forte
do que o próprio estado democrático.
Isso, em sua essência, é fascismo – a propriedade do governo por um indivíduo,
por um grupo ou por qualquer poder de controle privado”
.
Franklin Delano Roosevelt
Presidente dos United States of America
1938: (http://www.presidency.ucsb.edu/ws/?pid=15637)
.
Estado, Liberdade e a “Grande Mentira”
.
A maior estratégia de subordinação de um povo é incutir o mito
de que nada de positivo é possível pelo Estado.
Na ausência do poder do Estado, exercido de forma democrática,
quem irá controlar e inibir os excessos dos mais poderosos?
.
Por Everton S. Tibiriçá Rosa, no Brasil Debate, via GGN
.
(http://jornalggn.com.br/noticia/estado-liberdade-e-a-%E2%80%9Cgrande-mentira%E2%80%9D-por-everton-s-tibirica-rosa)
.
.

Responder

Urbano

10/02/2016 - 14h31

A Lei do retorno não serve apenas para o indivíduo, não. As Nações respondem igualmente perante Ela. Coitados dos ianques, pois as parafernálias bélicas serão totalmente inócuas para tal ‘embate’, a exemplo de algumas que já foram desativadas; e pior… totalmente a revelia deles.

Responder

FrancoAtirador

10/02/2016 - 12h35

.
.
Os Líderes do PSDB e os Donos da Mídia acabarão assim.
.
.

Responder

Nelson

09/02/2016 - 22h37

“A geopolítica está golpeando a economia”.

Que não se fale disso aos petistas, pelo menos aos que estão no poder. Afinal, a forma como eles pensam e agem parece demonstrar que não acreditam que a geopolítica exista.

Seguem entregando as riquezas – recursos do país – ao grande capital para pagarem a dívida pública. Pagamentos que vão parar nas mãos do próprio grande capital, que, assim, acaba ganhando nas duas pontas. Parecem fazer de tudo para ficarem iguaizinhos aos tucanos.

Vale lembrar que, há mais de 40 anos, o grande Eduardo Galeano, em seu magistral “As Veias Abertas da América Latina”, já nos alertava de que “na América Latina sempre se entregam os recursos em nome da falta de recursos”.

Com poucas exceções, a esquerda de Nuestra América segue desdenhando do alerta de Galeano.

Responder

FrancoAtirador

09/02/2016 - 20h48

.
.
Enfim, na Guerra ao Terror,
quem venceu foi o Terror.
Perderam os Aterrorizados.
.
.

Responder

    Nelson

    11/02/2016 - 15h21

    Até porque meu caro Atirador, “querra ao terror” é apenas um eufemismo utilizado pelo Sistema de Poder que domina os EUA para disfarçar sua tática de empregar o terrorismo como arma de guerra.

    Com o monstruoso aparato de propaganda ideológica a seu dispor, tal Sistema pode mostrar-se como o “lado bom”, o do “mocinho”, como o defensor da justiça, da liberdade, da democracia e dos direitos humanos ao mesmo tempo em que imputa aos outros a pecha de “maus”, de “bandidos”.

    Este trunfo dá ao Sistema uma grande margem de manobra. Na cabeça alienada de milhões, ou bilhões, por mais cruel que seja, o Sistema sempre estará “pegando leve” na comparação com o que os outros, os “maus”, poderiam fazer se ele não estivesse a defendê-los.

    Noam Chomsky afirma que o governo dos EUA faz uso da tática que qualquer advogado mediano recomenda a seu cliente: “ao ser flagrado com a mão no bolso de alguém, seja o primeiro a gritar: ladrão! ladrão!”

FrancoAtirador

09/02/2016 - 20h37

.
.
Hora a Hora = Carta Maior: (https://twitter.com/cartamaior)
.
.

Responder

wendel

09/02/2016 - 20h28

” Na sua análise, as esquerdas latino-americanas cometeram os mesmos erros que as europeias: atacaram a pobreza, mas não conseguiram engajar os cidadãos, que se tornaram apenas proprietários e consumidores.”

“Alguns, especialmente os EUA, não teriam problema em converter a América Latina em uma guerra civil permanente, como na Líbia, na Síria ou no Iraque. Confio que os governantes da esquerda estejam conscientes desse risco.”

Precisa comentar mais ??????????

Responder

Mauricio Gomes

09/02/2016 - 18h56

Por favor, alguém envie essa entrevista para a Dilma e o PT para ver se eles acordam a tempo de evitar o desastre de uma guerra civil por aqui, que é o sonho de consumo da plutocracia internacional e nacional para saquear nossas riquezas. Ninguém pode ser ingênuo no momento em que vivemos, especialmente quem governa um país rico em recursos naturais como o Brasil.

Responder

FrancoAtirador

09/02/2016 - 17h44

.
.
!!! É ISSO !!! É ISSO !!! É ISSO !!!
.
.

Responder

Deixe uma resposta