VIOMUNDO

Ministra Iriny Lopes: A Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557

12 de janeiro de 2012 às 22h43

Ministra Iriny Lopes: “Eu não recebi minuta da Medida Provisória para opinar, eu não fui chamada para nenhuma discussão de mérito, eu não fiz parte de nenhum grupo de estudo ou de análise do que estava sendo proposto”. Foto: Lena Azevedo

por Conceição Lemes

Na  entrevista que o doutor Fausto Pereira dos Santos, assessor especial do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, concedeu ao Viomundo, eu perguntei:

—  Mas eu não participei, não!, disse-me, no início desta noite, a ministra Iriny Lopes, da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República.

— Como?!

— Eu não participei! Eu pago todos os preços das coisas que eu faço e falo, mas do que eu não fiz, não.

A Medida Provisória 557 institui o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna. Além da presidenta Dilma Rousseff, assinam-na os ministros Alexandre Padilha (Saúde), Guido Mantega (Fazenda) e Miriam Belchior (Planejamento).

Prossegue a entrevista, que foi solicitada pela própria  ministra ao Viomundo, para esclarecer a participação da Secretaria de Políticas para as Mulheres na elaboração da Medida Provisória 557.

Viomundo – Quando a senhora tomou conhecimento da MP 557?

Iriny Lopes – Quando ela foi publicada [27 de dezembro, no Diário Oficial da União].

Há uns dois ou três meses atrás [precisamente no dia 27 de outubro de 2011], eu procurei o ministro Padilha para que a gente pudesse ter um comportamento uniforme e tranquilo em relação ao caso Alyne (veja PS do Viomundo), sobre o qual o Brasil tem de se manifestar.  É um caso que a gente tem tratar com toda a delicadeza que merece.

Nessa reunião, o ministro fez um comentário en passant de que seria um bom momento  para se tomar outras medidas em relação à mortalidade materna.  Mas não passou de um comentário.

Eu não recebi minuta da Medida Provisória para opinar, eu não fui chamada para nenhuma discussão de mérito, eu não fiz parte de nenhum grupo de estudo ou de análise do que estava sendo proposto.

Depois da Medida Provisória publicada, estimulada pelos comentários nos blogs feministas, eu fui procurar me informar mais sobre aquilo que as mulheres estavam fazendo referência.

Viomundo – Se a senhora tivesse participado, que sugestão teria dado?

Iriny Lopes – Por questões de natureza ética, eu prefiro não me manifestar sobre o mérito da MP, neste momento. Temos,  primeiro, de debater o assunto no interior do governo. Depois, eu posso até me manifestar.

Agora, não posso deixar passar a ideia de que eu tinha conhecimento do conteúdo da MP e concordava com ele. Isso não é na verdade, eu não participei nem fui chamada para participar da elaboração da Medida Provisória. A Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557.

Viomundo – Em relação ao caso Alyne, como ele tem de ser conduzido na sua opinião?

Iriny Lopes – Nós não podemos negá-lo nem tergiversar sobre o assunto.  O caso correu o fato e, na minha opinião, poderia ter sido evitado.

Eu acho que a maneira mais coerente e mais afirmativa que o Brasil tem de enfrentar uma situação como essa é dar o mesmo tratamento que demos ao caso Maria da Penha. Ou seja, ao ser denunciado,  partimos decididamente para a construção de algo afirmativo, que não nega o problema mas que busca solução. Temos de fazer o mesmo em relação ao caso Alyne e à mortalidade materna.

É o mais correto. Temos de admitir que o problema ocorreu, porque quando não se admite, não se muda. Isso é fundamental. E, a partir daí, buscar uma maneira afirmativa de superação do problema identificado. É o melhor não só para o Brasil mas para as mulheres brasileiras.

PS  do Viomundo: Em 2002,  a afro-brasileira Alyne da Silva Pimentel, então com 28 anos de idade e 27 semanas de gestação, procurou uma casa de saúde particular em Belfort Roxo, na Baixada Fluminense, RJ, pois estava vomitando e tinha dores abdominais. Uma ultrassonografia constatou a morte do feto.

A casa de saúde transferiu Alyne para um hospital público da região, para que fosse retirado o feto. Como não encaminhou junto qualquer documento que indicasse o seu estado clínico, ela ficou esperando horas no corredor  por atendimento. Aí, entrou em coma e morreu por falta de cuidados médicos adequados. Uma morte perfeitamente evitável.

Em função do caso Alyne, o Brasil foi condenado recentemente pelo Comitê para a Eliminação da Discriminação contra a Mulher (Cedaw, entidade que monitora o cumprimento da Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher).

“Além da reparação adequada da família de Alyne, incluindo indenização financeira, o Brasil foi condenado a implementar uma série de recomendações para reduzir a mortalidade materna”, afirmou a advogada Beatriz Galli em entrevista ao Viomundo.

Leia também:

Ministro Padilha: Cadastro não ferirá privacidade da gestante

Fausto Pereira: Gestante que não aderir ao pré-natal está dispensada do cadastro

Sônia Correa: Em nome do “maternalismo”, toda invasão de privacidade é permitida

Fátima Oliveira: Governo Dilma submete corpo das brasileiras ao Vaticano

Maria José Rosado, das Católicas pelo Direito de Decidir: O que é isso, Presidenta?

Fátima Oliveira: Sem cuidar do aborto inseguro, combater morte materna é miragem

Beatriz Galli: A MP 557 é um absurdo; em vez de proteger gestantes, viola direitos humanos

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

170 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Presidente Dilma Roussef assina MP 577 - SPW - Português

28/07/2015 - 18h28

[…] > Ministra Iriny Lopes: A Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557 […]

Responder

Conselho Federal de Psicologia se posiciona contra Cadastro Nacional de Gestantes | Psicoviver

08/02/2012 - 19h49

[…] Ministra Iriny Lopes: A Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557 […]

Responder

Sex Politics » Blog Archive » Pelo mundo

16/01/2012 - 15h50

[…] > Ministra Iriny Lopes: A Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557 […]

Responder

Alberto

16/01/2012 - 14h38

O nível dos padilhantes e et caterva aqui não é baixo e sim tipo escada de tirar maxixe, ou seja, rasteirinho, rasteirinho. Quem diria!

Responder

beattrice

16/01/2012 - 10h49

No fundamentalismo e nas ambições políticas todas as religiões se igualam e se unem.
O caso das chamadas denominações protestantes e dos católicos é exemplar neste sentido.
Dentro de suas agremiações disputam os fiéis escravos dos dogmas e das crenças, movidos por fé inabalável, sincera e as vezes desesperada, acusando uns aos outros por transgredir as notas de rodapé da bíblia e os costumes.
No Congresso unem-se para disputar cargos, verbas, projetos e mover o país em direção ao medievo,
onde se sentem por assim dizer "em casa".
Mas isso vale para todas as tropas de choque em nome da fé.

Responder

    JOSE DANTAS

    16/01/2012 - 19h52

    Difícil convencer o povo brasileiro a botar fogo na bíblia e seguir uma minoria feminista que nem sabe direito o que quer. (minoria reconhecida nos próprios meios feministas) Quem duvidar acesse o endereço abaixo: http://www.fafich.ufmg.br/~revistasociedade/edico
    Essa questão de estado laico só vale quando está em jogo os interesses das minorias, sejam elas quais forem. Não seria um absurdo um estado laico ou qualquer outra coisa que não levasse em conta os setores mais representativos da sociedade em termos quantitativos? Como a comunidade cristã distribuída entre católicos, evangélicos e espíritas?

Jorge

16/01/2012 - 08h12

Gerson Carneiro tem feito excelentes comentários aqui. Tem participado desta luta ativamente. Vale a pena ler seus questionamentos de por que o Padilha não apareceu para se declarar depois da entrevista da ministra Iriny, que o coloca na vala comum dos mentirosos. Ele e seu preposto Dr. Fausto. Espero a indignada fala do ministro muito macho. Ele não virá. Ele não é maluco e sabe que uma militante petista disciplinada como a ministra Iriny jamais procuraria O Vi o Mundo para desmenti-lo sem uma ordem ou aceite expresso da presidenta Dilma Rousseff. Aqui ninguém e menino e sabe ler nas entrelinhas.

Responder

Margareth

15/01/2012 - 23h58

Pessoal do Vi o mundo é impressão minha ou vocês receberam uma tropa de choque kardecista conservadora aqui no site? Chegaram um pouquinho atrasados mas vieram com a corda toda, né não. E fazem exatamente como os demais grupos conservaodres de outras denominações, reduzem a doutrina a seus interesses de controle de corações e mentes.

Será que o pessoal que sustenta o site da Frente Nacional contra o Aborto?

Responder

    Fabio_Passos

    16/01/2012 - 07h10

    Tipos que declaram a fé como uma ferramenta para defender interesses políticos atrasados.
    Eles pensam que ninguém percebe… são espíritos do mal.

Jorge

15/01/2012 - 21h23

A troupe do Padilha, vamos combinar é 100% pior do que a do Serra. Será que Dilma não está vendo isso? OU não pensa no perigo dessa gente se voltar contra ela, digo Dilma? O cara é profisisonal da esculhambação desde os tempos da UNE. Ou não sabiam?

Responder

    João Carlos

    16/01/2012 - 00h45

    Pior não sei, mas tão grudenta quanto.
    Agora conta essa história aí direito que eu quero saber da UNE etc.

Dani

15/01/2012 - 20h19

Realemnte eles entraram em desespero total. Vão comer o fígado um do outro. Era o esperado. E os padilhantes fazendo o jogo sujo e sórdido. Bom a gente conhecer o caráter do priemiro escalão. SE Padilha está certo, porque o desespero?
,

Responder

    Margarth

    15/01/2012 - 23h24

    Boa pergunta!

beattrice

15/01/2012 - 20h07

Pois é e neca da MP 557 do Torquemada & cia na pauta.

Responder

Gilda

15/01/2012 - 07h48

Uma mulher que demonstrou coragem, sobretudo porque enfrentou o estrelinha do Planalto cheio de empáfia

Responder

    Lila Xavier

    15/01/2012 - 23h42

    Concordo plenamente!

Inês Brandão

15/01/2012 - 00h31

Ministra, gostei!!!

Responder

emerson57

14/01/2012 - 22h01

terá sido perdido o respeitoso comentário que fiz traçando um paralelo entre a não participação da ministra da área na tomada de decisão de matéria pertinente à sua pasta e à futura privatização dos aeroportos de guarulhos, viracopos e brasilia a ser realizada em 06/02/2012 ?
terá o comentário se perdido no éter?

Responder

Maria Libia

14/01/2012 - 20h09

Se os homens estão contra o aborto, saibam que quando a mulher quer abortar ela decida e aborta, seja em hospitais de 5 estrelas onde entra e o pagamento é feito em dinheiro vivo ou faz com agulha de trico. A mulher do Serra abortou e parece-me que ela ainda não aceitou, pois falar com alunas a respeito é porque a situação ainda não foi resolvida. Quem trabalha na saúde sabe o que ocorre nos casos de aborto mal feito.

Responder

    JOSE DANTAS

    15/01/2012 - 20h35

    Não é bem assim. Não existe essa regra de homem ser contra aborto, muito pelo contrário, é comum o próprio homem induzir a mulher a fazer aborto para se livrar da responsabilidade enquanto pai. Afinal, por mais que queira se isolar a mulher no processo de geração de um ser humano, existirá sempre a figura do macho, nem que seja na condição de estuprador e quem é contra o aborto não pode condenar somente a mãe quando há o consenso entre o casal, se é que possa se denominar assim.

FrancoAtirador

14/01/2012 - 19h16

.
.
Preliminarmente:

O ARTIGO 11 DA MP 557 É INCONSTITUCIONAL

Objetivamente, o artigo 11 da Medida Provisória (MP) nº 557 (26/12/2011) fere o inciso X do artigo 5º da Constituição Federal (CF) de 1988, pois viola a intimidade e a vida privada das mulheres gestantes que eventualmente se cadastrarem no Sistema Nacional instituído nos artigos 1º e 2º da mesma MP:
.
.
MP 557
Art. 1º Fica instituído o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna, no âmbito da Política de Atenção Integral à Saúde da Mulher, coordenada e executada pelo Sistema Único de Saúde – SUS…
Art. 2º O Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna é constituído pelo cadastramento universal das gestantes e puérperas, de forma a permitir a identificação de gestantes e puérperas…
(…)
Art. 10. Fica a União autorizada a conceder benefício financeiro no valor de até R$ 50,00 (cinquenta reais) para gestantes cadastradas no Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna…
(…)
Art. 11. Será de acesso público a relação das beneficiárias (INCONSTITUCIONAL!!!) e dos respectivos benefícios de que trata o art. 10.
Parágrafo único. A relação a que se refere o caput terá divulgação em meios eletrônicos de acesso público (INCONSTITUCIONAL!!!) e em outros meios previstos em regulamento.
.
.
CF 1988
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
(…)
X – são invioláveis a intimidade (!!!), a vida privada (!!!), a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-201
http://www.dji.com.br/constituicao_federal/cf005….

Responder

    Amália

    14/01/2012 - 19h48

    Nada a ver uma coisa com a outra

    João Carlos

    15/01/2012 - 03h19

    Disso vc entende né Amália, o que vc diz nunca tem a ver uma cosia com a outra…rsssssssss

Antônio Roberto

14/01/2012 - 14h43

Depois de ler um comentário lá no artigo dos soldados americanos no afeganistão, eu que não tinha opinião formada sobre o aborto, sai da dúvida.
Aborto é profanação de corpo, igual o que fizeram os soldados, ou ainda pior.

Responder

Dora

14/01/2012 - 13h40

ok

Responder

Julio Silveira

14/01/2012 - 12h07

Como quase tudo no Brasil, também mais esse assunto é tratado com hipocrisia.
Aqui a pretensão de uma constituição laica é mais uma dessas estratégias politicas levadas a termo por grupos carolinhas cristãos, que cometem desvios rotineiramente (com absolvição garantida com algumas novenas e perdão de seus parocos favoritos) para serem politicamente corretos ou ainda alinhados com a determinação ocidental de que fundamentos religiosos na poltica geram fanaticos, dedos em riste sempre apontados para os muçulmanos. Infelizmente para a humanidade quase nada vale a pena por que quase sempre as almas são pequenas.

Responder

Dani

14/01/2012 - 10h11

Os padilhantes parece que sumiram no rabo de foguete das mentiras? E levaram o nascituro?

Responder

    Fabio_Passos

    14/01/2012 - 11h03

    Reunião no grupo de jovens.
    Querem afinal descobrir quem é o maior mentiroso da paróquia.

Ana Cruzzeli

14/01/2012 - 07h21

Vixe, a confusão está montada.
Se a ministra diz que não recebeu a minuta da MP para OPINAR, resta a ultima pergunta:
– A sua secretaria da mulher efetivamente recebeu a minuta? Isso faz grande diferença
Você não ser chamada para mesa redonda não significa não opinar. Volto a dizer se a minuta não foi enviada para a secretaria da mulher o Fausto mentiu, se foi enviada e a ministra não opinou pode ser classificado como ruido de comunicação.

Responder

    beattrice

    14/01/2012 - 10h10

    Depois que foi achada até a digital do pelo no ovo,
    agora tentam quebrar o ovo pra esconder o pelo na gema derramada.

    Fabio_Passos

    14/01/2012 - 11h05

    Que ovo cabeludo!

Alice Matos

14/01/2012 - 07h13

Preocupante é o PT demonstrar que não tá nem aí para a ideia de trabalho coletivo, pois quando se vê que um ministro não se importa sequer de comunicar a outro interessado o que está pensando em fazer. Mudou pra pior. Lamentável

Responder

Magaly

14/01/2012 - 00h21

Conceição, parabéns!
Parabéns também toda a equipe do Vi o mundo que realiza essa tarefa inglória de seguir firme garantindo a qualidade do debate sobre MP 557! Esse espaço é um oásis comparado com aqueles que só fazem criticar as feministas de forma preconceituosa e repetitiva.

A entrevista com a Ministra Iriny Lopes lança luzes sobre o lusco-fusco criado pelo MS para confundir os desavisados e municiar os governistas. Iriny Lopes foi corajosa, muito corajosa dado o atual cenário político em Brasília. Resta agora perguntar se aquela lista fornecida pela assessoria de imprensa do MS, como nome de várias entidades, organizações e órgãos do governo também não foram citadas apenas para despiste, apenas para produzir uma legitimidade para a MP que nunca existiu. O governo federal anda fazendo isso, se reúne com vários segmentos da sociedade depois tira um documento a portas fechadas e diz que foi acordado na reunião X, Y, Z onde tais e tais organziações estiveram presentes etc.

Seria o caso de pelo menos parte daquelas organizações virem a público dizer se, de fato, foram consultadas e se concordam com o teor da MP. A lista foi publicada junto com a entrevista de Fausto Pereira, assessor de Alexandre Padilha: http://www.viomundo.com.br/entrevistas/fausto-per

É necessário desmnstar essa farsa!

Responder

Fabio_Passos

13/01/2012 - 23h58

Uma mensagem fundamental ao padre padilha e seus seguidores:

"A Verdade vos Libertará"
JC

Responder

Artur

13/01/2012 - 22h06

Enquanto milhares de brasileiros não têm atendimento em hospitais e morrem nas portas ou corredores dos mesmos, o SUS vai pagar INTEGRALMENTE a cirurgia de mulheres pouco decentes para a retirada das próteses de silicone que deixaram seus seios mais fartos.
E as pessoas que precisam da cirurgia bariátrica ?
E as pessoas que estão morrendo de câncer ?
Conheço um rapaz que já não consegue nem respirar direito, devido ao seus excesso de peso, e ele não tem o mesmo tratamento das seliconadas…
Em outro caso, um senhor gastou 23 mil reais para uma cirurgia de câncer e morreu. Isto porque não teve a cobertura do famigerado SUS.
E não vou nem comentar sobre as cirurgias de troca de sexo que também estão sendo custeadas pelo governo com o nosso dinheiro…
Este País é uma vergonha com um governo ordinário.
E o aumento dos aposentados que ganham mais de um salário mínimo com correção menor que a inflação ? Por que nenhum jornalista comentou em seu blog ? Cumplicidade com este governinho ?

Responder

Paula Santos Leite

13/01/2012 - 21h49

Fiquei espantada. Acho que o governo se perde em meio a tantos egos e quem fica no prejuízo é o povo brasileiro. Dificil aceitars em duvidar o que aconteceu com essa MP 557, desde a sua elaboração, à descoberta do seu conteúdo duvidoso. O ministro padilha deve explicações ao povo brasileiro de sua conduta no mínimo suspeita, que para ami acoberta o nascituro.
Em nenhum momento ele se refere a esse nascituro que não deveria estar na MP, ao contrário enrola falando sobre todas as bondades e deixa o nascituro intacto. Há ou não suspeitas forte?
Também acho estranhod e repente a avalanche de ranzinzas defesnsores do nascituro. Não é comum esse tipo de defesa, e ele tem sido exagerada ao ponto de chamar a atenção. Nova suspeita. Considero tudo nisso muito grave.

Responder

    beattrice

    14/01/2012 - 00h17

    Por favor acrescente ao seu excelente resumo que o preposto do Torquemada alegou que houve uma "confusão" entre nascituro e recem-nascido, esse detalhe é trepidante.

Eudes H. Travassos

13/01/2012 - 21h05

Essa não é prática do PT, se é do PMDB, não sei, só sei que a Presidenta Dilma deve se preocupar com este tipo de comportamento dentro do Governo.
Como se faz uma MP dessa natureza e não se dialoga com os setores da sociedade envolvidos na questão? Estes movimentos não são apenas organismos com domínio tecnico, são de luta tambem, não se pode menosprezà-los. Mas o pior é ter uma scretaria especial diretamente envolvida com a questão e não ter sido cosultada.
Alianças…alianças…que a convivcência ensine a quem precisa.

Responder

João

13/01/2012 - 20h20

Na verdade essa questão do aborto somente será esclarecida e sua prática abandonada quando a transcomunicação instrumental sair dos círculos de estudo laboratorial e se tornar corriqueira entre a população.

Quando por exemplo, o Espírito do tataravô ligar do além, no celular, e dizer pra tataraneta:
" olha, eu estava designado e autorizado pelo plano espiritual de voltar ao seio da família terrena, e você me abortou".

Se informem sobre o que já está comprovado científicamente a respeito de "Transcomunicação Instrumental", tem centenas noticias na net.

Será a substituição da comunicação mediúnica pela instrumental, e ai não mais haverá cunho religioso para negar o que é ciência.

Tanto é que o Kardecismo é CIÊNCIA, FILOSOFIA E RELIGIÃO, e esse "religião" na sua verdadeira acepção, ou seja RELIGARE, religar os humanos encarnados com Deus.

Responder

    Marta

    13/01/2012 - 20h40

    Uma coisa a gente deve a este debate, aparece cada "notícia" que faz a literatura de ficção ficar com inveja.

    Antônio Roberto

    14/01/2012 - 14h53

    Interessante, vou procurar mais informações

    João Carlos

    14/01/2012 - 15h13

    O FEBEAPÁ dessa gente "religiosa" tem fim não né?
    Quando tu pensa que já leu de tudo ainda tem mais!

    João Carlos

    14/01/2012 - 19h25

    Mas que argumentação "do outro mundo" hein?
    Quando é que as pessoas vão entender que acreditem no que queiram
    mas não podem impor ao coletivo as suas crenças e superstições?

    Beatriz

    15/01/2012 - 23h50

    Não João…
    infelizmente essa argumentação é desse mundo mesmo, eu sou kardecista e essa argumentação é a cosia mais fajuta que tem em termos doutrinários.

    João Carlos

    16/01/2012 - 00h41

    Então está incluida na categoria superstições.

    Maria Luiza P

    16/01/2012 - 01h00

    Beatriz
    Você não é Kardecista. Tenha respeito pelo Kardecismo e seus verdadeiros seguidores. Você deve ter no máximo ido em algum Centro tomar passe, sem no entanto estudar sua doutrina. Por sinal, são muitos nessa condição. Como o Sr. Jorge escrece, a Transcomunicação Instrumental vem sendo arduamente estudada e comprovada por Kardecistas, por estar em consonância com seus princípios doutrinários, principalmente no que diz respeito a um de seus tripés, a ciência.Mas não só por Kardecistas, também por cientistas autônomos, bem como na USP tem pesquisas a respeito.

    Almeida

    16/01/2012 - 02h38

    Beatriz
    Quem sabe então você fala do SEGUNDO CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSCOMUNICAÇÃO promovido pelo Kardecismo, conforme vídeos no Yotube (todos)?

EUNAOSABIA

13/01/2012 - 19h58

Ainda bem que não teve nenhuma participação, né?

Responder

José Maia

13/01/2012 - 18h10

Mudando de assunto: Está na hora de encontrar a Tese do Serra nos EUA. Aquela que sumiu da biblioteca da universidade americana na época da campanha.

Responder

    Marcelo

    13/01/2012 - 18h33

    Alto lá, o assunto aqui é a tese do Ministro Padilha que o cadastro é bom.
    Tese reprovada….rs

    Morvan

    13/01/2012 - 20h16

    Boa noite.

    José Maia, não seja maldoso¹:

    Olha aqui o SSerra defendendo Tese sobre "Çaúde" (Gripe dos porquinhos): [youtube -HdWug_4IyI http://www.youtube.com/watch?v=-HdWug_4IyI youtube]
    Ah, ah, ah…
    :-) Morvan, Usuário Linux #433640.

    Morvan

    13/01/2012 - 20h21

    Boa noite.

    José Maia, não seja maldoso²:

    Olha aqui o SSerra defendendo Tese sobre "Mathematica" (Observe o "chute"): [youtube CQszzzhLITo http://www.youtube.com/watch?v=CQszzzhLITo youtube]
    Ah, ah, ah…
    :-) Morvan, Usuário Linux #433640.

fabio

13/01/2012 - 17h53

No Brasil, a constituição garante a mulher o direito de optar pelo aborto para interromper uma gravidez indesejada ?
Enquanto esse direito não for garantido, qualquer ação para evitar esse "crime" é válida.
Antes de qualquer coisa mudem a constituição, agora criticar uma medida que previne o que a constituição determinada com prática ilegal
é o fim da picada. E tem gente que fica arrotando a constituição para afirmar que o Brasil é um estado Laico. Hipócritas.

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 18h37

    Seu raciocínio é particularmente tortuoso, mas vamos ver se entendi:
    o senhor sugere que as mulheres vítimas de aborto inseguro sejam tratadas com cadeia
    ao invés de médicos e hospitais, correto?
    Para sua informação: http://www.abortoemdebate.com.br/arquivos/Aborto_

    Morvan

    13/01/2012 - 19h56

    Boa noite.

    Isso mesmo, Fabio. Houve uma tentativa de mudar a Constituição. Mas não foram os "aborteiros" quem tentou.
    Quem tentou foi quem emitiu, no final do ano, época totalmente impropícia para [qualquer] discussão e através de MP, a "MP do Vaticano", como eu a chamo; isto sem nenhuma urgência que desse fundamento a se publicar uma MP. O sentido jurídico do uso da antidemocrática MP é a urgência. Não há.
    Também não "arrotando a Constituição", pois justamente a "MP do Vaticano" ou "MP do Nascituro" corrompe a Constituição ao colocar como "cavalo de Troia" o nascituro, o qual não é preconizado pela Constituição.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

Lista de links atualizada sobre a polêmica em torno da MP 557 | Viomundo - O que você não vê na mídia

13/01/2012 - 17h33

[…] Ministra Iriny Lopes: A Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557 […]

Responder

JOSE DANTAS

13/01/2012 - 17h28

Ocorre que as mulheres brasileiras não são feministas e muito menos representadas pela "Secretária" Iriny Lopes que representa essa classe. Portanto se o assunto era a saúde da maioria das mulheres e não o direito de praticar o aborto por parte da minoria feminista, acredito que a Sra. Iriny não tinha mesmo o que fazer por lá, tanto é que não foi chamada a participar.
Afinal, se os homens são quase todos machistas, como alegam por aqui, não estaria na hora de se criar um "ministério machista"? Esse é um típico caso de "dois pesos e duas medidas".

Responder

    Binah Ire

    13/01/2012 - 22h02

    E quem decretou que "as mulheres brasileiras não são feministas" ? Você amigão? Vá pesquisar a respeito do feminismo pra depois vir falar uma asneira dessas. Feminismo e machismo não são duas faces da mesma moeda, o primeiro é um movimento social nascido para combater o segundo, marca cultural da opressão das mulheres pelo paternalismo nasci do maldito "pecado original".

    JOSE DANTAS

    15/01/2012 - 18h19

    “Veja o endereço abaixo, não fui eu que decretei: http://www.fafich.ufmg.br/~revistasociedade/edico
    Só 8% das entrevistadas são efetivamente feministas, segundo essa própria matéria feminista.
    “O primeiro passo que tomamos foi analisar as respostas para a questão que
    indagava se a entrevistada se considerava feminista ou não. De acordo com a subamostra
    “A”, 22% das brasileiras consideram-se feministas, sendo que, desse total, 8%
    consideram-se totalmente feministas e 14% parcialmente feministas; enquanto 78%
    não se consideram feministas. Desse total, 41% não se consideram efetivamente feministas,
    24% disseram não compreender o que seria o feminismo ou não souberam
    classificar-se e 13% disseram ser feministas, mas confundiram feminista com feminina,
    conforme pergunta-controle posterior sobre o que entendiam por feminismo.”

    Margareth

    14/01/2012 - 00h03

    Quem disse que o mandato da SPM é sobre aborto???? O comentário de Jose Dantas demonstra que tipo de forças estão a jogar alto em favor dessa MP.

    beattrice

    14/01/2012 - 10h07

    Mais um tacho de alhos com bugalhos.

    JOSE DANTAS

    15/01/2012 - 20h26

    Além do tacho, sou um cidadão comum, marido, pai, avô, filho e neto de mulheres que jamais rezaram pela cartilha feminista, já que cultuamos uma sagrada instituição que se chama família e tem como principal pilar de sustentação o amor, assim como a maioria das pessoas que frequentam esse espaço, inclusive mulheres, que estão a favor da MP 557, imaginem no meio da rua qual a opinião predominante.

Morvan

13/01/2012 - 17h19

Boa tarde.

Não era necessário ser gênio ou assemelhado para ver que esta "MP557" ou "MP do Vaticano" era uma tremenda arapuca para o movimento feminista e para toda a sociedade brasileira. A sucessão de falas enviesadas do ministro Torquemada, do seu preposto, e dos defensores incondicionais deste golpe contra o Estado laico deixou isso muito evidente. Agora vem a Ministra Iriny Lopes e derruba todo o castelo de areia dos fundamentalistas. Sim, fundamentalistas não são, como se vê agora, os que eles retroacusavam, bem a la SSerra!
Parabéns a todos os que alertaram, discutiram, questionaram e cerraram fileiras contra esta afronta ao Direito e ao Estado. Min. Iriny, Fátima Oliveira, Sônia Correia, Beatriz Galli, ao Gerson Carneiro, companheiro dos "bão", a coerente e intrépida Beattrice e a Mari (a Mari trouxe dados muito esclarecedores sobre a retificação da famigerada MP577 e discutiu elegantemente, sempre). Não posso citar todos, pois é só um Post. Quem lutou pela verdade se sinta, por favor, citado. Ahhh, ao pessoal do Blog, claro. "Comer" uma bronca dessas não é pra qualquer um,definitivamente.

E eu fico aqui, comemorando a verdade, que é a legítima filha do tempo.

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

Paulo

13/01/2012 - 17h14

Então ficamos sabendo que o Ministro comentou com a Ministra há três meses que era momento de tomar medidas preventivas para que casos como o de Alyne não ocorressem. Interessou-se a Ministra pelo envio de sugestões? Aí sai a MP 557,versando sobre assistência à saúde de grávidas, pré-natal, parto e puerpério,assunto específico do campo da saúde. MP que vai para o Congresso onde poderá ser alterada ou até rejeitada. A Ministra demonstra sua insatisfação.
Mas ela não pode dizer o que pensa sobre a MP 557 porque tem que ouvir todo o Governo antes. Mas para desgastar o colega Ministro não precisou ouvir nem o próprio, nem outros colegas do ministério que assinaram a MP,nem a pr'pria Presidenta. Entendi toda a "filosofia" da Ministra Irany.
Se a MP é útil ou não,se prevenirá morte de Alynes,morte de bebês, isso pouco interessa. Interessa é crucificar o Ministro. O PIG não faria melhor.

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 18h43

    Inacreditável.
    Certo mais uma vez está o Morvan, o doravante denominado ministro Torquemada
    desfruta da companhia de defensores que só encontram paralelo na "SANTA" Inquisição!!!
    A culpa invariavelmente será das mulheres, ou seja, das bruxas!
    Sobrou até para a ministra por ter desmentido e posto a nu as estrepolias do Torquemada & seus amestrados.

    Gerson Carneiro

    13/01/2012 - 23h54

    Estou cada vez mais com nojo da blogosfera.
    Sabe a dúvida que bate quem é o PM e quem é o bandido?
    Pois é…

    JOSE DANTAS

    15/01/2012 - 18h49

    Nojo da blogosfera ou de quem discorda da sua opinião? Isso aqui é um espaço democrático que deixará de existir na hora que todo mundo caminhar para um lado só. Sem discórdia não há debate e nem diálogo e um simples "OK" resolve a parada.

    Gerson Carneiro

    15/01/2012 - 20h17

    Dizem que Santos Dumont se suicidou de desgosto ao ver seu invento ser utilizado para o mal. Se ele tivesse inventado a blogosfera provavelmente estaria indo pelo mesmo caminho.

    Gerson Carneiro

    13/01/2012 - 19h05

    A Ministra Irany e seu Ministério foi envolvida, pelo preposto do Ministro Padilha, em polêmica na qual a Ministra e seu Ministério não tiveram participação. A Ministra vem à público esclarecer que não teve participação naquilo que o preposto do Ministro Padilha disse ter, e é a Ministra quem é a vilã da história?!

    Terrível sua tentativa de inversão, embora sua cópia da metodologia do PIG esteja perfeita.

    JOSE DANTAS

    15/01/2012 - 18h51

    A Ministra Iriny deve satisfações em primeiro lugar a quem a nomeou, então para bater de frente precisa primeiro pegar o boné.

    beattrice

    13/01/2012 - 19h18

    "PiG" virou o rótulo pós-moderno com que se carimba os críticos ao governo DILMA.
    Não cabe o termo.
    O PiG gosta muito do governo, gosta do Bernardo por exemplo e principalmente.

    Lila Xavier

    14/01/2012 - 00h00

    Paulo,
    se o MS ignora o resultado das duas conferências nacionais sobre políticas para as mulheres realizados em madatos do PT na Presidência da República, se ignora as comissões, comitês e reuniões técnicas sobre o tema cujos resultados estão publicados, se ignora as decisões tomadas no madnato Lula, se ignora o Pacto Nacional de REdução da Mortalidade Materna, que sugestões você gostaria que a Ministra Irirny enviasse? Talvez alguém para lembrar que no Brasil, há muito tempo, mas desde o PAISM tem debatido problema da mortalidade materna. Pesquisas são realizadas, séries históricas com dados esão disponíveis e tudo aponta para o péssimo serviço no SUS. Não é por falata de cadastro ou dinheiro que os indicadores de mortalidade materna por causas evitáveis são ruins no país.

    Marília

    14/01/2012 - 14h37

    Lila
    Nada mudou do Governo Lula para o Governo Dilma na questão do aborto, simplesmente porque as pessoas que defendem a descriminalização do aborto e a realização de aborto volúntário na rede pública não obtiveram a adesão da maioria do povo brasileiro às suas idéias. E a democracia é ainda o governo da maioria,ou não?
    Pessoalmente sou favórável a ambas as medidas porém reconheço qual é a realidade e não entro nessa de ficar procurando atacar o Governo que apenas apresentou uma medida voltada para um assunto específico,qual seja, pré-natal, parto e assistência no puerpério. Medida essa de ampla aceitação entre a maioria do povo brasleiro. É só perguntar a quem já tomou conhecimento da medida e verificar o que estou afirmando.

    Lila Xavier

    15/01/2012 - 23h42

    Marilia,
    em primeiro lugar quem falou em aborto foi vcê, não eu no comentário acima. Se vc veio aqui para fazer campanha contra o aborto o problema é teu, mas não fale na maioria do povo brasileiro pensando a partir do teu ponto de vista.

    A questão que vocês querem fazer cortina de fumaça e que é a minha principal preocupação é que a MP 557 é inócua para o que diz que vai fazer.

    Por último, eu não espero que a maioria do povo brasileiro vá aderir a realização do aborto na rede pública, o sistema tem que oferecer serviço mas a decisão sobre a gravidez é da mulher, nem todas as mulheres desejam ou necessitam interromper a gravidez. Não é uma questão de adesão.

    Margareth

    15/01/2012 - 23h33

    Boa tentiva Paulo! Nada como gastar tempo e letras para desviar a atenção jogando a culpa dessa triste MP nas costas da ministra. Estão achando que a MP vai prevenir as mortes de Alynes etc. Não leram e nem viram os noticiários dessa semana então!

    Os noticiários mais uma vez dão provas de que o problema/solução não é inventar um novo cadastro, aliás inútil já que o sistema de registro e notificação já é complexo, um novo comitê, os comitês de morte materna é que tem que ser implementados e funcionar direito, e muito menos dar uma merrequinha para o trasnporte. Não foi por falta de nada disso que os noticiários contaram a hsitória de um bebê a beira da morte esperando uma vaga numa UTI neonatal, e uma gestante que morreu. O problema foi um só: ineficiência do sistema, precariedade e descaso. A culpa não é das gestantes, elas não precisam ser vigiadas! Quem precisa de vigilância é o MS e a presidência por jogar o dinheiro dos contribuintes no lixo e zombar da capacidade de entendimento das pessoas. O endereço dessa MP não é a prevenção da morte materna, é o acordo político com o cosnervadorismo brasileiro.

Bárbara Hora

13/01/2012 - 16h59

Parabéns a ministra Iriny Lopes pela postura coerente e firme de ter dito a verdade em relação a MP 557 que a mesma não participou dos espaços de discussão. Alexandre Padilha que coisa feia!

Responder

fabio

13/01/2012 - 16h16

Pensando na seguinte situação.
Um casal tem uma gravidez indesejada.
O homem quer a criança, mas a mulher não, vamos dizer que o aborto esteja legalizado.
Ela teria o direito de abortar ?

Agora vamos a outro caso. A mulher quer a gestação e o homem quer que ela aborte.
O homem seria obrigado a assumir os deveres de uma parternidade indesejada pela recusa da mulher em realizar o aborto ?

Por essas e outras questões que considero que aborto vai muito além dos desejos da mulher.

Uma vida sexual ativa exige graus de maturidade e responsabilidade das partes que praticam. Quem não possui isso, vai ter que se responsabilizar até o fim por seus atos, seja contraindo uma doença ou garantido a vida de um ser. E esse segundo caso tem um agravante um novo ser não é um virus ou uma bacteria hospeira, é uma vida humana em desenvolvimento.Não dá para tirar e jogar num lixão hospitalar.

Mas sou a favor do aborto em caso de estrupo ou risco de vida da mulher.

Responder

Heloisa de Almeida

13/01/2012 - 16h06

Se de fato estamos interessados em algum tipo de avanço na solução dos impasses e do constrangimento da ética espiritual dos seres humanos, precisamos olhar com mais vontade de clareza o jogo que está sendo jogado, e os sub-jogos que estão sendo enfiados goela abaixo dos seres já nascidos.

Quanto aos que estão por chegar, nestes tempos de roubo, usura e controle, melhor será arregimentá-los ainda no ventre.

As mulheres são parideiras descartáveis, dentro desse mesmo sistema , sistema esse que tem como ferramenta mais conveniente seus ministérios-caixas, alí, bem alí, onde a reza principal é : “Fazei de mim, intrumento da tua vontade” Daquilo que não vem hesitando em deixá-las morrer,ou no mínimo fazê-las mutiladas, por descaso, no que se vê aparente, ou por cálculo, no que se deduz, pelo que é dito, e pelo que não é dito. São numerários, elas, num sistema ortodoxo e masculinamente teocrático. Desprotegidas, aviltadas e tripudiadas, o passo agora é que sejam controladas e monitoradas por sabe-se lá quem, no absoluto sigilo a que têm acesso as forças controladoras do que é bem ou mal para os outros, com as justificativas esfarrapadas de que a máquina que as aniquila vai agora melhor poder poupá-las! Poupem-nos dessa falácia! Se não nos pouparem, porque não estão em grau, esses tecnocratas, poupemos-nos nós mesmas, mulheres de carne e osso, de alma e espírito, da subserviência às custas da nossa dignidade e vida, e da dos nossos filhos.

Para que não sejam aqueles filhos…, no futuro, que por uma trouxa de ilusão de poder e controle, vituperem o próprio feminino gerador, a própria Mãe!

Responder

Heloisa de Almeida

13/01/2012 - 15h55

O(s) governo(s) brasileiro(s) vêm desenhando seu perfil ao ponto de fazê-lo claro aos olhos de quem tenha olhos para ver. A sociedade brasileira está sendo tratada, em sua maioria representada, como escória, um tipo de sub-produto humano dos interesses de uma suposta elite. Acham, os políticos, em relação a si mesmos, que é chegada a hora de exercerem os seus poderes carregados de ódio, frustrações , ressentimentos e confusões sem “Vontade ao Bem”. Vai ficando muito nítido, para alguns de nós, como o sistema político brasileiro vem imulando o que há de mais nefasto e supressivo na atual civilização humana, sobre aqueles considerados comandados, passíveis de tutela e de guia.

Esse desenho é claro, e suas cores são cinza e negro, aos olhos de muitos. Cada passo, cada “Medida Provisória”, cada arranjo, cada mentira proferida, cada roubo, cada arbitrariedade, tendem à precisão do cálculo importado, por esse mesmo sistema, ultrajando e subestimando, na mais completa cara-de pau, a inteligência e a prerrogativa dos seres de procurarem escolher o que melhor lhes serve dentro da conjuntura que se apresenta.

Desenho sistêmico, sistematicamente reforçado, no passo a passo da supressão dos tão falados direitos humanos. Buscam os zumbis políticos e os tecnocratas, antes buscados, por outros, por seus perfís de subserviência, eles mesmos, dispersar a atenção da platéia pasma em confusão, e fazê-la perder-se em detalhes de banalidade, desperdiçando tempo com discussões em círculos, e ataques pessoais, à medida em que avançam em suas agendas.

O pano de fundo e a base “ideológica”, é a promoção da confusão entre tendências, ao ponto da esculhambação! Quém é quem, será que dá prá saber? Não importam os personagens, aqui no caso. São uniformes, colaboram entre si, no silêncio e na zoeira.

Responder

Bruno Vergueiro

13/01/2012 - 15h21

Quanto à tramitação, o fato de ter sido assinada no dia 26(?) ou algo assim, é muito comum, vejam que outras foram assinadas no mesmo dia, se faz pensando na estratégia de tramitação das mesmas no Congresso em relação ao prazo de perda da eficácia.
Isso colocado, vejo na MP diversas falhas que podem levar as mulheres grávidas a perda de independência, principalmente com a criação do cadastro, porque por melhores que sejam as intenções do governo e do Ministro, não sabemos quem será governo daqui á 3 anos e em que mãos cairá o cadastro.
Sobre a questão do nascituro, acho que não era necessário usar o termo, mas pensar que o uso desse termo é perigoso, sendo que no código civil fica claro que o nascituro não tem direitos, mas existe um projeto de lei no Congresso sobre o tema, é forçar a barra demais. O projeto precisa ser aprovado, o que leva muito tempo ou na maioria das vezes, nunca é. E mesmo aprovado, cabe o veto da presidência, então não há risco real nesse caso.

Responder

    Dani

    13/01/2012 - 19h35

    Bruno, suas colocações são cabíveis e nos ajudam a pensar

Bruno Vergueiro

13/01/2012 - 15h19

Demorei muito pra entrar nessa discussão porque não sou especialista na matéria, e mesmo depois de tanto ler ainda tenho dificuldade em entender tanta grita contra a MP e principalmente contra a postura do Ministro Padilha.
Vou começar pela única parte que conheço dessa história, o rito de tramitação das MPs dentro do governo e no Congresso e os bastidores da decisão sobre um texto no governo.
As MPs são elaboradas primeiramente, através de exposição de motivos inter-ministeriais. Portanto, quanto a essa é importante saber qual a posição do Ministério da saúde na sua exposição de motivos para ver se o Ministro Padilha pensa como o texto da MP, ou ele está se posicionando em defesa do que foi definido pela Casa Civil. Existe a possibilidade de o Ministro ter outra posição, mas estar defendendo a posição fechada na Casa Civil, o que é uma obrigação dele enquanto subordinado hierárquico.

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 19h22

    A exposição de motivos circula em link na internet
    e a justificativa foi defendida pelo proprio ministerio da saude.
    Conceição Lemes,
    seria possível disponibilizar o link da justificativa?
    Foi citado nas entrevistas inclusive.

    beattrice

    13/01/2012 - 21h30

    O link localizado da exposição de motivos: http://t.co/1vD2xvOu

    Assinada por Alexandre dos Santos Padilha.

Alberto

13/01/2012 - 13h19

Boa pergunta rsrsrs

Responder

Fabiana

13/01/2012 - 11h36

É admirável a coragem da ministra. Ela está certísisma em denunciar: “Eu não recebi minuta da Medida Provisória para opinar, eu não fui chamada para nenhuma discussão de mérito, eu não fiz parte de nenhum grupo de estudo ou de análise do que estava sendo proposto”.
Está mais do que comprovada a arrogância do ministro Padilha.

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 12h14

    E a falta com a verdade.

    Vlad

    13/01/2012 - 16h16

    Não vi coragem nenhuma. Esquivou-se mais que o Bruce Lee.
    E, sobre o mérito, equilibrou-se eticamente sobre o muro.

    Marta

    13/01/2012 - 18h47

    Essa mulher foi de uma coragem maravilhosa!
    Quem se esquiva há semanas é o seu herói, o ministro, que ao invés de debater,
    distribui notas como se isso fosse uma ditadura.

Gerson Carneiro

13/01/2012 - 11h23

Perfeição
Legião Urbana – Renato Russo

Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos
Covardes, estupradores
E ladrões…

Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação…

Celebrar a juventude sem escolas
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião…

Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade…

Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta
De hospitais…

Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras
E seqüestros…

Nosso castelo
De cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia
E toda a afetação
Todo roubo e toda indiferença
Vamos celebrar epidemias
É a festa da torcida campeã…

Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar o coração…

Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado
De absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos
O hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
Comemorar a nossa solidão…

Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada…

Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta
De bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isto
Com festa, velório e caixão
Tá tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou
Essa canção…

Venha!
Meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
Que o que vem é Perfeição!…

Responder

nadja rocha

13/01/2012 - 11h15

Se a mídia fosse um jornalismo ético isso seria uma bomba, mas como está comungada com a religião e a elite, deixam rolar.Afinal direitos da mulher não é assunto relevante

Responder

will

13/01/2012 - 11h10

bad.
o importante é não perder o foco da questão.

(mas pra dar os parabéns para a ministra, ela teria que se posicionar. manteve a ética superficial dentro do governo, mas deixou vazio um espaço em que a posição da qual a secretaria da mulher é obrigatório o preenchimento. como uma questão dessa ela não se prontificou ? ou ela não sabia da MP? seria falta de interesse? ficou em cima do muro? quem pode ficar só de observador é apenas a presidenta.)

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 12h16

    Muito claro na declaração,
    como ela iria se posicionar se só soube pela publicação no DOU,
    com o restante da sociedade brasileira?
    Posicionou-se agora!

    will

    13/01/2012 - 19h08

    Iriny disse: "Por questões de natureza ética, eu prefiro não me manifestar sobre o mérito da MP, neste momento. Temos, primeiro, de debater o assunto no interior do governo. Depois, eu posso até me manifestar."
    Tudo bem. seria estranho mesmo se ela se manifestasse contra ou a favor para o aborto na entrevista.
    feio para os 2 ministérios – Um por que falou o que não foi; outro por que comeu bola e nem ficou sabendo da MP…a MP pode nafraugar pelos termos políticos, e não pelo conteúdo.

    beattrice

    13/01/2012 - 21h53

    "Comeu bola"?
    A ministra comeu foi um "sapo" quando leu o D.O.
    e ainda soube que tinham usado seu nome em vão para justificar o injustificável.
    Mas teve coragem e devolveu o sapo ao brejo, isso sempre faz bem à saúde.
    De quem devolve, evidente.

Gerson Carneiro

13/01/2012 - 11h06

Perfeição – Legião Urbana

[youtube UueCjRrQLM4&ob=av2n http://www.youtube.com/watch?v=UueCjRrQLM4&ob=av2n youtube]

Responder

    Fátima Oliveira

    13/01/2012 - 15h01

    Conversa com Gerson Carneiro no twitter ontem à noite
    @oliveirafatima_ Fátima Oliveira
    @GersonCarneiro Tempo perdido é 1 música linda! Se acalme, ainda temos muito jogo pela frente; água rolando tbém; ah, penicos, idem!

    @oliveirafatima_ Fátima Oliveira
    @GersonCarneiro Ajuda: Precisamos comprar uma partida de penicos; coisa fina; pode ser de louça inglesa; mande de jegue http://migre.me/7vLxj

    @oliveirafatima_ Fátima Oliveira
    @GersonCarneiro Espie pra não errar; nada de penicos de plásticos, que não somos avarentos; Dona Lô vai pagar http://migre.me/7vLFx

    @oliveirafatima_ Fátima Oliveira
    @maria_fro @VIOMUNDO O nascituro virou miragem c/ desmentido da ministra Iriny, q/ só viu a MP557 após publicação no DO http://bit.ly/zRwJFR

    @oliveirafatima_ Fátima Oliveira
    Não duvidar de Guimarães Rosa: “Sapo não pula por boniteza, mas porque precisa” http://migre.me/7vNCq

Vlad

13/01/2012 - 10h55

Por que a "Secretaria de Políticas para as Mulheres" não foi chamada a discutir e formular a MP da Vigilância das Gestantes?
Aliás, nem estavam sabendo; souberam pelo Diário Oficial.
Pelo jeito, a pasta está meio desprestigiada. Ou é apenas panfletária?

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 12h17

    Isso não é sinal de desprestígio da pasta,
    é sinal de falta ética e desrespeito legal da parte de quem
    agiu às escondidas e não chamou.
    E ainda afirmou publicamente que tinha chamado, mentiu.

    Gerson Carneiro

    14/01/2012 - 08h49

    Como cansa explicar o óbvio, né beattrice.
    Estou exausto.

    beattrice

    14/01/2012 - 10h06

    Avanti, não desista.

Regina Braga

13/01/2012 - 10h44

Que coisa feia…mentir sobre a participação de outra pasta.E o pior,o Ministério, que mais deveria ser ouvido.Cuidado Padilha,o Eduardo Campos, foi chamado de coronel moderno pelo Estadão…puro preconceito, contra Nordestino.Imagine,vc…???

Responder

Jose Mario HRP

13/01/2012 - 10h11

Não acho que haja qualquer dessas "intenções" tão alegadas pelas feministas.
Direitos todos os temos homem/mulher são iguais.
Mas aborto é coisa séria para ser posto como método contraceptivo!
H´sa tantas formas de fazer sexo seguro!
Aos interessados procurar nas obras de Chico Xavier da autoria do espirito Emmanuel o livro ABORT.
Numa linguagem simples sem ufanismo, dogmas e preconceitos trata do tema e suas consequencias na evolução espiritual.

Responder

    nadja rocha

    13/01/2012 - 11h13

    Jose sua palavras soam igual a nossa constituição, somos todos iguais.
    O que está em jogo é o direito da mulher escolher. Gostaria de ouvri sua opinião caso o Ministério da Sáude obrigasse todos os homens a um cadastro para fazer vasectomia. Que tal?

    Jose Mario HRP

    13/01/2012 - 11h40

    Voce elevou o papo a feminismo barato, mas….. se voce provar que alguém vai obrigar alguém a alguma coisa com a tal MP volto ao papo.
    A questão é que aborto é um metodo animal, ridiculo e sujo(publiquem aí PÔ!, é minha opinião e a coloco e embaso), existem outras formas de mandar em seu corpo e mostrar que é livre , ou alguém aí quer chocar e demonstrar poder e independencia partindo fetos ao meio?
    Aproveita e eleva sua espiritualidade e leia o Aborto de Emmanuel!
    Tá te faltando buscar a beleza interior, do espirito.
    Não sou puritano ou preconceituoso, nem dá né , no país do carnaval e que tem como júbilo distribuir camisinha nessa época?!
    Só quero que mostremos um pouco de civilização nessa busca pela autodeterminação da mulher em se igualar aos homens em seus piores hábitos e costumes!

    KKKKKKKK……

    beattrice

    13/01/2012 - 12h13

    Aborto não é tema religioso
    quando se trata de política de governo e direitos humanos a serem garantidos pelo ESTADO, aborto é tema de saúde pública.

    E para corroborar, naturalmente
    quem faz um discurso fundamentalista contra o aborto
    vai também defender a abstinência sexual no carnaval,
    coisa que foi amplamente debatida naquele famoso encontro entre o senhor padilha
    e os fundamentalistas religiosos no MS, aquele em que ele citou a bíblia, etc etc

    Jose Mario HRP

    13/01/2012 - 12h48

    Pelo contrário.As pessoas praticando sexo seguro , com camisinhas não precisam fazer aborto.
    E sabe duma coisa, eu não pagarei para mulheres fazer aborto nunca, ora ora , serei taxado de puritano, mas com meu dinheiro não vou pactuar com gente irresponsável.
    Sexo é bom , pratique bastante , com quem quiser, mas não me faça pagar pela sua incapacidade de se previnir!
    Politica pública uma ova!
    Emmanuel e o espiritismo não falam em proibição , mas em consequencias de um metodo antiquado e arcaico além de asqueroso!
    Faltaou um pouco de capacidade de interpretação de texto:
    Eu apoio o uso da camisinha no carnaval, a liberdade, mas se voce quiser mostrar que manda no corpo manda ver na gandaia mas use um contraceptivo alternativo.

    Marcelo

    13/01/2012 - 13h21

    E vai me enganar que essa linguagem e essa mentalidade vc aprendeu lendo Chico Xavier?
    Vc é que não sabe interpretar texto cara!

    Luiz Fortaleza

    13/01/2012 - 14h15

    concordo… prevenir antes de violentar a mulher e um corpo que está dentro da mulher…

    Marta

    13/01/2012 - 18h48

    Certamente vc não tem noção do que seja violência ao corpo da mulher, para que se informe leia aqui: http://blogueirasfeministas.com/2012/01/voce-sabe

    Luiz Fortaleza

    13/01/2012 - 19h59

    existe vários tipos de violência, inclusive a ideológica…

    Marta

    13/01/2012 - 20h41

    Dessa quem entende é o Padilha, que violentou a ideologia dos direitos humanos.

    JULIO/Contagem-MG

    13/01/2012 - 13h18

    Para mim, o que está por trás disso tudo é a indu$$$$$tria abortista, alem de ONGs internacionais,
    com interesses escusos.

    Margareth

    15/01/2012 - 23h55

    Mais um repetindo o discurso da direita religiosa dos Estados Undios. Meu filho acorda! Esse papo é velho que nem andar pela frente. Foi inventado e distribuído pelas poderosas e ricas igrejas conservadoras dos Estados Unidos. As mesmas pessoas que financiaram, na década de 1990, os ataques, assassinatos e explosões de clínicas nos Estados Unidos. Incluindo o ataque ao edifício em Oklahoma!

    Joâo

    13/01/2012 - 14h09

    Os aborteiros de hoje sertão os abortados de amanhã

    "O escândalo há de vir, mas ai de quem por quem ele vier" (Jesus Cristo)

    João

    13/01/2012 - 15h24

    Reencarnação:

    "ninguem sairá daqui sem pagar ceitil por ceitil" (Jesus Cristo)
    "terás que RENASCER da água e do espírito" (Jesus Cristo)

    Aborto é crime contra o espírito reencarnante.

    fabio

    13/01/2012 - 19h27

    Concordo, vejamos o caso.
    Se a mãe quer o aborto e o pai não quer. Como fica essa situação
    E se o pai quer o aborto e a mãe não quer .
    O pai é obrigado a pagar pensão para um filho indesejado ?

    Se querem dar a mulher o direito total sob a vida gerada dentro de si.
    Limitem o papel do homem a um mero fornecedor de sêmen. E sejamos todos filhos da mãe.

Beatriz

13/01/2012 - 10h07

Ministra Iriny, a benção! Eu sempre a achei na sombra, nebulosa, só falando o que não poderia desagradar à presidenta, deixando as brasileiras falndo sozinha, mas hoje tem todo o meu respeito e gratidão eterna. Você é uma mulher de verdade que não se diexa intimidar por mentiras de gente que acha ser dona do Brasil e pode fazer o que quiser.

Responder

Fabio_Passos

13/01/2012 - 07h44

Vai ver tudo foi apenas uma confusão.
Ao invés de mandarem a minuta para a Iriny Lopes avaliar enviaram para o espirito santo em uma sessão de reza braba no gabinete do bispo padilha.

Responder

    Ivan Gonçalves

    13/01/2012 - 09h24

    Perfeito Fábio Passos!

    Morvan

    13/01/2012 - 17h01

    Boa tarde.

    O ministrinho Torquemada notificou a Secretaria das Mulheres. O detalhe de ter sido a "Secretaria das Mulheres para Assuntos do Vaticano" é que ele não se lembrou de dizer. Esquecimento. Menino atarefado.
    MP577, a MP do Vaticano.

    Enquanto isso, se o Vaticano estivesse [realmente] interessado na dignidade humana, expulsaria todos os pedo*filos da "Madre Santa". Isto teria um lado bom, além da justiça contra as crianças:
    abriria muitas vagas… adeus desemprego na Igrejinha.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    beattrice

    13/01/2012 - 18h39

    A Secretaria das Mulheres para Assuntos do Vaticano é aquela que fica ao lado da
    Secretaria de Direitos Humanos para Assuntos de Tortura?

    Morvan

    13/01/2012 - 19h47

    Boa noite.

    Isso. Boa sacada.

    Interessante a desfaçatez deste ministrinho "natimorto". A cabeça dele vai rolar, pois Dilma não come essa bronca nem que a rês sofra de espasmos involuntários abundantes em muco, ou seja, nem que a vaca tussa.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    João

    13/01/2012 - 17h25

    Informação de algum reporter da Veja?

    Fabio_Passos

    13/01/2012 - 23h41

    hã… parece até argumento da claque pró-MP 557, não é mesmo?
    É esse mesmo o objetivo. Tirar uma onda com o grupo de jovens da paróquia do padre padilha.

Gerson Carneiro

13/01/2012 - 06h59

Sexta-feira, 06h35. Lendo apenas o título da matéria, antes de ler a própria matéria, e muito antes de ler os comentários, já me ocorreu um questionamento. Pensei: vou observar até onde vai a criatividade dos defensores da MP 557 diante da revelação da Ministra Iriny Lopes que desmascara o Ministro Alexandre Padilha e seu assessor.

Li toda a matéria, e ao chegar nos comentarios, um total de 27, foi possível ter uma ideia. 12 estavam tergiversando ou desqualificando o fato. Continuarei na observação.

Até aonde vai a criatividade dos defensores da MP 557 (e do Ministro Alexandre Padilha) diante do desmentido da Ministra Iriny Lopes e sua afirmação de que a Secretaria de Mulheres não teve nenhuma participação na MP 557?

Dureza também é ouvir o silencio ensudercedor e cúmplice de feministas do meu Brasil.

Isso sim é jornalismo de verdade. Não faz média.

E digo mais: fosse o Serra o Presidente e o Ministro tivesse adotado esse comportamento (e teria com certeza), os defensores da MP 557 e do Ministro A lexandre Padilha, estariam aqui descendo a madeira.

Parabéns, novamente, ao VIOMUNDO.

Sr. Ministro Alexandre Padilha, continua aberto o espaço para o sr. vir prestar satisfação à Sociedade. Agora também sobre essa mentira acrescentada ao menu de vergonha do Ministério da Saúde.

Responder

    João

    13/01/2012 - 16h36

    Vc fala do pessoal que fica colocando vídeo e letra de núsica?

    Gerson Carneiro

    13/01/2012 - 23h23

    Quem não gosta de samba, bom sujeito não é.
    É ruim da cabeça, ou doente do pé

    JOSE DANTAS

    16/01/2012 - 20h05

    Quem ta cobrando satisfações é a minoria feminista e não a sociedade, que ta é se lixando para esse assunto. Ou não? Você já ouviu alguém falar nisso em algum lugar onde não exista algum debate em torno do assunto? Como no bar da esquina, no shopping ou no meio da rua?

José Antero Silvério

13/01/2012 - 01h58

As mulheres brasileiras têm toda razão de se indignarem contra essa MP-557. Só gostaria de pedir a elas – como um indignado afro-brasileiro – que usassem sua verve e poder para exortar as autoridades brasileiras e mundiais em favor das mulheres da Somália. Elas estão sendo usadas como espólio e troféu de guerra bem como moeda de troca na divisão dos butins. Os depoimentos daquelas que conseguem escapar deste "holocausto invisível" sãos chocantes. Segue um dos relatos:

"Ela (moça somali de 18 anos) disse ter sido estuprada por dois combatentes Al-Shabab (grupo militante rebelde) em um acampamento de pessoas deslocadas, em outubro. Segundo seu relato, os homens não se preocuparam em falar muito quando entraram em sua tenda. Eles apenas apontaram suas armas para o seu peito e proferiram três palavras: fique em silêncio."

Responder

João

13/01/2012 - 01h40

Surgiu nova espécie de Troll. Troll papagaio. Curupaco…curupaco…curupaco…curupaco

Responder

    José Antero Silvério

    13/01/2012 - 02h37

    Eu sei que estou forra do contexto, peço perdão. É que eu precisava aproveitar um espaço num lugar onde houvesse mulheres como a Conceição Lemes.

FrancoAtirador

13/01/2012 - 01h39

.
.
Este post acertou a cabeça da mosca.

Não há mais como tergiversarem sobre a MP 557.

Cumprimentos à Conceição Lemes e à Ministra Iriny.
.
.

Responder

João

13/01/2012 - 01h26

Eu acho é graça.
Agora investem contra a Ministra.
É a Veja terceirizando o serviço…rsrs

Responder

    beattrice

    13/01/2012 - 10h22

    Quem investiu contra a Ministra?
    Respondo:
    O ministro e seu assessor que usaram e abusaram da Secretaria de Mulheres
    numa tentativa vã de embalar a MP557 num pacote de respeitabilidade.

    Murilo

    13/01/2012 - 19h03

    Beatrice, eu acho que aí tem um engano da sua parte. Uma MP é um projeto tocado pela casa civil e a sri, não há Ministérios que comandam reuniões de governp sobre MP, não tem como dizer que o Ministério da Saúde não chamou a SEcretaria das Mulheres se quem chama as reuniões e pede as notas tecnicas sobre o tema da MP é a casa civil.
    MP é assim, portanto a responsabilidade está com a Gleize, Padilha e mais ainda com a Dilma. O Padilha tem a responsabilidade de ser a pasta temática, mas em relação a convidar para as reuniões, num tema tão claramente ligado as mulheres e não chamou para o debate fok a casa civil.
    Quando estamos falando em Casa Civil, estamos falando em posicionamento da Dilma. Depois da saída do Palocci, a casa Civil ficou muito mais no comando da Dilma, a Gleize faz muito o papel tecnico de analise dos andamentos das obras e projetos, mas os temas politicos ficaram na mao da assessoria direta da Dilma.

    beattrice

    13/01/2012 - 20h14

    Murilo, eu por outro lado acho que há um engano da sua parte.
    O Ministério da Saúde declarou em bom som e letra legível na entrevista ao VIOMUNDO que a Ministra Iriny da Secretaria de Mulheres havia corroborado com a MP e participado do debate.
    Isto é mentira, posto que foi desmentido pela própria.
    "Quem deveria ter convidado ou intimado quem" já se tornou supérfluo.
    Simples assim.

    Murilo

    13/01/2012 - 23h35

    Não estou falando sobre a mentira dita na entrevista, mas de responsabilidades.
    A culpa do texto da MP que é o mais importante é de responsabilidade do governo e principalmente de Casa Civil da Presidência da República. É esse órgão que convoca as reuniões e não chamou a Secretaria de Mulheres para o debate.
    É óbvio que uma questão que o governo coloca em uma MP é assunto de alta relevância, logo uma decisão de alto escalão. Quem decide os assuntos que serão tratados em Mp é a PR. Jogar tudo nas costas do Padilha é ingenuidade, não estou defendendo, pelo contrário, estou querendo levar a critica para o lugar certo, mas parece que você quer "polpar" a Dilma, é isso?

    beattrice

    14/01/2012 - 10h14

    Absolutamente não.
    Pau que bate em Chico bate em Francisco.

beattrice

13/01/2012 - 01h13

Muito obrigada pela informação Conceição Lemes.
Isto é jornalismo de fato, o que faz o VIOMUNDO.
Como diz o Gerson Carneiro, depois dessa VIMOSOMUNDO mesmo.

Pois a ministra Iriny LOPES mostra dessa forma coragem e integridade ao revelar mais um detalhe da estratégia da elaboração da MP 557, uma medida destinada às mulheres da qual
a Secretaria das Mulheres vinculada à Presidencia da Republica tomou ciência… pelo Diario Oficial!
Isso não constitui simplesmente indelicadeza, trata-se de
absoluta falta de comportamento ético e profissional.
Quanto à alegação do próprio ministério, mais um detalhe revelador.
Se faltam com a verdade com relação a isto, pode-se imaginar no que se refere ao cadastro,
à participação especial do nascituro no texto, etc etc…

Já fica muito claro quem NÃO participou da elaboração, afinal QUEM participou?

Responder

Luiz Fortaleza

13/01/2012 - 01h09

EN PASSANT…

Responder

    Conceição Lemes

    13/01/2012 - 02h14

    Obrigada, Luiz, vou corrigir. Uma amiga tinha acabado de alertar. abs

Dani

13/01/2012 - 00h55

Muita água ainda vai correr debaixo da ponte até a reforma ministerial ser concluída. Com esse gesto de falar a verdade Iriny pode estar garantida no cargo. Ela era uma das que perigava cair, todo mundo sabe, mas agora eu acho que fica. O gesto dela protege a presidenta Dilma Rousseff dos nascituristas do Ministério da Saúde. Esse nascituro órfão de pai e mãe ainda vai fazer muit cabeça rolar, caso não apareça nem o pai e nem a mãe.

Responder

Dani

13/01/2012 - 00h50

Abalaou Bangu. Achavam que mentira tinha pernas compridas, não era?

Responder

Alberto

13/01/2012 - 00h48

Sem dúvida uma BOOOOOOOOOOOMBA. E agora Padilha? O Dr. Fausto jogou o nascituro em seu colo. Veio aqui mentir e a ministra Iriny: crau "noceis" rsrsrrsrssr

Responder

    Fabio_Passos

    13/01/2012 - 23h55

    Depois desta mentirada descarada, nem santo espedito salva a MP do padre padilha.

    E reparou que o grupo de jovens da paróquia bom pastor sumiu?
    Será que estão ajoelhados no milho?

    beattrice

    14/01/2012 - 10h13

    Uns foram se reunir com o Malta, os outros correram para Guarulhos.
    Reunião das "bases".

André Oliveira

13/01/2012 - 00h10

Já que cada um aqui elenca sua violência preferida eu vou sugerir a Dilma baixar uma MP para promover a esterilização forçada de mulheres e homens que não reúnam condições de criar seus filhos. É violento e ilegal, mas a meu ver é mais justo do que assassinar os bebezinhos sem chance de defesa. Vocês defendem suas idéias e eu as minhas..

Responder

    Marcelo

    13/01/2012 - 00h51

    Mais um que ficou sem receita porque o médico saiu de férias.

Júlio César

13/01/2012 - 00h01

Chegaram no salve-se quem puder: ecos da reforma ministerial. Cada um por si. O fato é que o representante do ministro Padilha, o Dr. Fausto veio aqui no VI O MUNDO mentir!

Responder

    José Eduardo

    13/01/2012 - 00h52

    Mas ele não foi corrigido pelo ministro.

    Dani

    13/01/2012 - 00h56

    Entonce… o resto cê sabe, não é? rsrsrsrsrsrsrsrsrs

    beattrice

    13/01/2012 - 10h27

    Só pra corroborar:
    Não corrigiu aqui
    Não corrigiu no Cidadania
    Não corrigiu no twitter
    Então não é esquecimento certo?

@guivoluti

12/01/2012 - 23h56

Constrangimento no governo, necessário constrangimento.

P.S: Agora, que forma alienígena de classificar uma pessoa… "afro-brasileira". Temos "teuto-brasileiros" ou coisas afins?

Responder

    Conceição Lemes

    13/01/2012 - 00h21

    Gui, é assim que está no processo. abs

    José Antero Silvério

    13/01/2012 - 02h42

    É que prefiro esta expressão a uma outra muito usada: afro-descendente. Asim eu me afirmo com brasileiro nato.

    Gerson Carneiro

    13/01/2012 - 07h02

    Esse foi o primeiro comentário que li (o que encabeçava a lista às 06h35 da sexta-feira, 13/01/2012). Embora admita constrangimento no Governo, vislumbrou uma brecha para criar polêmica em cima do nada.

Mari

12/01/2012 - 23h49

Saudações a quem tem coragem!!!!

PENSE E DANCE
Compositor: Dé/ Frejat/ Guto Goffi

Penso.
Como vai minha vida
Alimento todos os desejos
Exorciso as minhas fantasias
Todo mundo tem um pouco de medo da vida

Pra que perder tempo
Desperdiçando emoções
Grilar com pequenas provocações
Ataco se isso for preciso
Sou eu quem escolho e faço
Os meus inimigos

"Saudações a quem tem coragem"
Aos que estão aqui pra qualquer viagem
Não fique esperando a vida passar tão rápido
A felicidade é um estado imaginário

Não penso
Em tudo que já fiz
E não esqueço
De quem um dia amei
Desprezo os dias cinzentos
Eu aproveito pra sonhar
Enquanto é tempo

Eu rasgo o couro com os dentes
Beijo uma flor sem machucar
As minhas verdades
Eu invento sem medo
Eu faço de tudo
Pelos meus desejos

Pense, dance, pense, pense, dance
De olho no lance

Responder

Edmar

12/01/2012 - 23h41

Não conheço o texto integral da tal "MP das grávidas" mas não consigo entender tanto AOÊ com esse assunto. Tudo que já ví do assunto me leva a concordar com seus termos e se pudesse votaria no congresso pela aprovação da matéria. O que realmente não presta na MP? Ou é só mania de ser do contra?

Responder

    CLÁUDIO LUIZ PESSUTI

    13/01/2012 - 09h27

    E aquela história, você não sabe nada sobre o assunto.Eu também não.Por causa disso,neste caso, procuro só ler e me inteirar , aos poucos , sobre o assunto.Senão a gente fala bobagem.
    Contudo, o foco da matéria, que somente 2 comentaram é o seguinte:o ministro José Padilha mentiu.E sem este papo de "assessor é que falou".Afinal, se o assessor destacado para falar mente, o ministro mente.Ponto final.Bem , quem mente uma vez, mente sempre.E não me venham com "PIG", que isto já virou escapismo petista.

    Angela Liuti

    15/01/2012 - 02h46

    Oi Edemar, é o seguinte: imagine se hoje o governo emitisse uma Medida Provisória que retirasse seu direito de cidadão e fosse tolhida sua liberdade de decisão individual, e o estado legislasse sobre o seu corpo, vc gostaria? O que está em pauta na MP em questão não é o aborto e sim o poder decisório da mulher, sua autonomia enquanto individuo, que passa a ser encarada como um útero somente. Não se trata de ser a favor ou contra aborto,e sim de direito civil. Quando o estado começa a legislar sobre o corpo dos cidadãos , em nome de sua defesa, o estado retrocede a uma ditadura e perde a democracia e é bom ficar atento para nçãose retroceder à idade média.Parabenizo Conceição lemos e o viomundo por trazer á tona este assunto da maisa alta importância, aliás, o governo retrocedeu e muito em não propiciar o debate com a sociedade civil organizada ou não. Como cidadã repudio a MP 557 e apoio a sua retirada da pauta .

    Margareth

    15/01/2012 - 23h47

    Edmar, meu querido.
    Se você não leu o texto integral da MP 557, provavelmente também não leu quem entende do fiado e critica a MP, o que você está fazendo que não vai ler logo isso tudo aqui no Vi o mundo?

    Assim você dar uma opinião a invés do achismo "papagaiante" que repete o que a tropa pró-Padilha e que tais vem postando nervosamente para fazer calar as críticas a MP.

pedro cavalcante

12/01/2012 - 23h38

"Viomundo – Em relação ao caso Alyne, como ele tem de conduzido na sua opinião?"
não seria
…como ele tem "sido" conduzido…?

Responder

    Conceição Lemes

    13/01/2012 - 00h12

    Obrigada, Pedro. Cochilei. Vou corrigir já. abs

Ronaldo Luiz

12/01/2012 - 23h30

Pô Azenha, este papo já está chato.

Responder

    Alberto

    13/01/2012 - 00h46

    Não é obrigado a ler

    Marta

    13/01/2012 - 00h53

    Então muda de estação, ou de debate.
    Boa viagem.

Mineirim

12/01/2012 - 23h10

É… parece que o cargo da Ministra Iriny Lopes subiu no telhado…

Responder

    Luisa

    13/01/2012 - 00h56

    Quem subiu no telhado foi quem envolveu a ministra nesta historia mal contada.

    Mineirim

    13/01/2012 - 11h26

    Ok, Luisa, pode ser, também. Grato

Deixe uma resposta