VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Marcos Coimbra: Barbosa passou dos limites em seu desejo de vingança

29 de novembro de 2013 às 18h20

Quem lida com pesquisa de opinião vê o aumento de eleitores que dizem odiar algo ou tudo na política

por Marcos Coimbra, em CartaCapital, encaminhada via e-mail por Julio Cesar Macedo Amorim

A figura de Joaquim Barbosa faz mal à cultura política brasileira. Muito já se falou a respeito de como o atual presidente do Supremo conduziu o julgamento da Ação Penal 470, a que trata do “mensalão”. Salvo os antipetistas radicais, que ficaram encantados com seu comportamento e o endeusaram, a maioria dos comentaristas o criticou.

Ao longo do processo, Barbosa nunca foi julgador, mas acusador. Desde a fase inicial, parecia considerar-se imbuído da missão de condenar e castigar os envolvidos a penas “exemplares”, como se estivesse no cumprimento de um desígnio de Deus. Nunca mostrou ter a dúvida necessária à aplicação equilibrada da lei. Ao contrário, revelou-se um homem de certezas inabaláveis, o pior tipo de magistrado.

Passou dos limites em seu desejo de vingança. Legitimou evidências tênues e admitiu provas amplamente questionáveis contra os acusados, inovou em matéria jurídica para prejudicá-los, foi criativo no estabelecimento de uma processualística que inibisse a defesa, usou as prerrogativas de relator do processo para constranger seus pares, aproveitou-se dos vínculos com grande parte da mídia para acuar quem o confrontasse.

Agora, depois da prisão dos condenados, foi ao extremo de destituir o juiz responsável pela execução das penas: parece achá-lo leniente. Queria dureza.

Barbosa é exemplo de algo inaceitável na democracia: o juiz que acha suficientes suas convicções. Que justifica sua ação por pretensa superioridade moral em relação aos outros. E que, ao se comportar dessa forma, autoriza qualquer um pegar o porrete (desde que se acredite “certo”).

Sua figura é negativa, também, por um segundo motivo.

Pense em ser candidato a Presidente da República ou não, Barbosa é um autêntico expoente de algo que cresceu nos últimos anos e que pode se tornar um grave problema em nossa sociedade: o sentimento de ódio na política.

Quem lida com pesquisas de opinião, particularmente as qualitativas, vê avolumar-se o contigente de eleitores que mostram odiar alguma coisa ou tudo na política. Não a simples desaprovação ou rejeição, o desgostar de alguém ou de um partido. Mas o ódio.

É fácil constatar a difusão do fenômeno na internet, particularmente nas redes sociais. Nas postagens a respeito do cotidiano da política, por exemplo sobre a prisão dos condenados no “mensalão”, a linguagem de muitos expressa intenso rancor: vontade de matar, destruir, exterminar. E o mais extraordinário é que esses indivíduos não estranham suas emoções, acham normal a violência.

Não se espantam, pois veem sentimentos iguais na televisão, leem editorialistas e comentaristas que se orgulham da boçalidade. Os odientos na sociedade reproduzem o ódio que consomem.

Isso não fazia parte relevante de nossa cultura política até outro dia. Certamente houve, mas não foi típico o ódio contra os militares na ditadura. Havia rejeição a José Sarney, mas ninguém queria matá-lo. Fernando Collor subiu e caiu sem ser odiado (talvez, apenas no confisco da poupança). Fernando Henrique Cardoso terminou seu governo reprovado por nove entre 10 brasileiros, enfrentou oposição, mas não a cólera de hoje.

O ódio que um pedaço da oposição sente atualmente nasce de onde? Da aversão (irracional) às mudanças que nossa sociedade experimentou de Lula para cá? Do temor (racional) que Dilma Rousseff vença a eleição de 2014? Da estupidez de acreditar que nasceram agora os problemas (como a corrupção) que inexistiam (ou eram “pequenos”)? Da necessidade de macaquear os porta-vozes do conservadorismo (como acontece com qualquer modismo)?

Barbosa é um dos principais responsáveis por essa onda que só faz crescer. Consolidou-se nesse posto nada honroso ao oferecer ao País o espetáculo do avião com os condenados do “mensalão” rumo a Brasília no dia 15 de novembro. Exibiu-o apenas para alimentar o ódio de alguns.

A terceira razão é que inventou para si uma imagem nociva à democracia. O papel que encena, de justiceiro implacável e ferrabrás dos corruptos, é profundamente antipedagógico.

Em um país tão marcado pelo personalismo, Barbosa apresenta-se como “encarnação do bem”, mais um santarrão que vem de fora da política para limpá-la. Serve apenas para confirmar equívocos autoritários e deseducar a respeito da vida democrática.

Leia também:

Banco do Brasil: Recuperar “desvios” do mensalão pode provocar reviravolta

 

77 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

CEZAR AUGUSTO FERNANDES DE ARAUJO

02/12/2013 - 16h53

+PARABÉNS PELA CLAREZA DE EXPOSICÃO!!!!

Responder

Calango

01/12/2013 - 18h36

* mau profissional

Responder

Calango

01/12/2013 - 18h32

A informação foi montada de uma forma tendenciosa, onde quem a lê sem maior atenção, não percebe que o mencionado post no facebook não é da pessoa a quem foi atribuído e que o fato de um médico ser contrário ao programa Mais Médicos não faz dele um mal profissional.

Responder

clovis

01/12/2013 - 17h47

Nossa, quem diria que o ódio a políticos nasceu com BArbosa. Parece que nunca tivemos políticos apedrejados (inclusive pelos mesmos que agora criticam a furia)… Deixe de ser hipócrita, o ódio a políticos sempre existiu e o que está a expandi-lo é justamente que diversas pessoas que tinham esperanças no atual governo estão perdendo em função das condenações. Quer falar mal do cara fale direito, ele se mostra desequilibrado mesmo, mas não é de agora. Quando ele ameaçou sair na porrada pela liberação do Dantas ele era herói! Agora não dá para reclamar!

Responder

Calango

01/12/2013 - 16h51

Impressionante a capacidade literata de argumentação e desvirtuação dos fatos, seja dos membros da quadrilha da esquerda ou da direita, cujo objetivo é e sempre será locupletarem-se e sucederem-se no poder, o PT, lógico, na quer largar osso e os ladrões da direita querem pegá-lo para roê-lo ainda mais, desmantelam uns o discurso fajuto do outro e, nós, pobre povo brasileiro, ao qual dizem defender, fica à mercê desses bandidos insaciáveis pelo roubo do dinheiro público. Aqui, nós,ou pelo menos eu, cuja conta corrente não entra nem um centavo, sem saber o porquê, ainda perco tempo quebrando a cabeça tentando entender as artimanhas da gatunagem política.

Responder

Flavio

01/12/2013 - 16h22

Eu concordaria com o texto se essa realidade “pretendida” fosse possível e presente em todos os os processos judiciais do Brasil e na defesa de todo e qualquer réu. …isso nunca vai vai existir. ..Então defender uma “justiça” ideal, em determinados casos, é no mínimo um equívoco de lógica!

Responder

    FrancoAtirador

    01/12/2013 - 17h02

    .
    .
    Fazer Justiça é mais que Ideal do Judiciário, é Dever de Ofício.

    Muito embora eventualmente cometa erros e pratique injustiças,

    como, neste caso concreto da Ação Penal 470, cometeu e praticou.
    .
    .

Márcio Ándrei

01/12/2013 - 13h22

Até quando aguentaremos, inertes, a estupida retórica do doutor Barbosa. Aquele mesmo que renega a senzala e defende a casa grande.

Responder

Calango

01/12/2013 - 13h16

Séria trágico se não fosse cômico. Agora, todo deputado, amigo, parente, jurista,jornalista e partidário do PT viraram como num passe de mágica cardiologistas gabaritados e respeitados, todos fazendo conclusões altamente técnicas sobre o estado de saúde do Sr. Genoíno, sendo que mal sabem tratar uma simples gripe em si próprio. Entre uma banca de servidores médicos da Câmara Federal, a qual prostituída e dominada pelo governo, portanto na realidade uma banca oficial do PT e, outra, formada por médicos da UNB, em tese uma banca alheia às conveniências e influências políticas, qual laudo deve ter mais credibilidade? Ademais, não se precisa comentar sobre os milhares de presos enfermos nas masmorras do Brasil, os quais nem em quimera, podem aventar a possibilidade, de mesmo presos, poderem fazer um tratamento durante o dia e voltar para cadeia a noite, algo totalmente possível para Sr.Genoíno, já que sua condenação é para o semiaberto.

Responder

    FrancoAtirador

    01/12/2013 - 16h40

    .
    .
    Junta Médica Barbosiana: Muito Técnica… em Antipetismo…

    Quem são os médicos de Barbosa que examinaram Genoíno

    Enviado por Miguel do Rosário on 27/11/2013 – 5:04 am

    O Cafezinho foi investigar quem são os médicos selecionados por Barbosa para fazer um laudo médico que justifique trazer Genoíno de volta para Papuda.
    Todos os laudos anteriores indicavam que seria muito mais seguro para Genoíno se tratar em casa.
    Barbosa não se deu por satisfeito e pediu um último laudo, feito com médicos mais velhos, a maioria professores, acadêmicos, ou empresários da saúde, que aceitaram o jogo de Barbosa e prepararam um documento que prima por ser “contra” o réu.
    É a primeira vez que eu vejo uma junta médica agir, deliberadamente, com apavorante frieza, com vistas à sabotar qualquer tratamento à Genoíno.

    Vê-se que Barbosa foi cuidadoso.
    Depois de trocar o juiz, escolheu cinco médicos perfeitos para executar sua missão.
    A maioria são médicos já maduros, com longa carreira acadêmica e donos de clínicas particulares.
    Barbosa não se arriscou com nenhum jovem idealista [daqueles que o jornal ZH da RBS/Globo odeia com ‘morbidez azevediana’: (http://www.viomundo.com.br/denuncias/o-jornalismo-a-morbidez-e-o-artigo-que-desanimou-os-gauchos.html)].
    Chamou só macaco velho.

    Vamos a eles.

    Os nomes são: Luiz Fernando Junqueira Júnior, Cantídio Lima Vieira, Fernando Antibas Atik, Alexandre Visconti Brick, e Hilda Maria Benevides da Silva de Arruda.

    Segue a ficha cada um:

    Luiz Fernando Junqueira Júnior, professor de cardiologia da Universidade de Brasília e presidente da junta:

    Há uma página no Facebook dedicada à turma Luiz Fernando Junqueira Junior – Medicina UNB.

    A página de Ribeiro Junior é repleta de acusações contra médicos cubanos, ódio contra o PT, festejos pela prisão dos “mensaleiros”. Essa é a turma do chefe da junta que foi examinar Genoíno.

    Hilda Maria Benevides da Silva de Arruda é mais nova e tem atuação mais discreta.
    Como a maior parte dos médicos brasileiros, odeia o programa Mais Médicos.
    E faz questão de deixar isso bem claro em sua página no Facebook: (https://www.facebook.com/hilda.arruda.94) [deletada depois do flagra do Miguel do Rosário do blog O Cafezizho].

    Não fosse o Print Screen, ninguém saberia:

    http://www.ocafezinho.com/2013/11/27/barbosa-contratou-medicos-antipaticos-ao-pt-para-tratar-do-caso-genoino#sthash.9j38QWvz.dpuf

    Íntegra em:

    (http://www.ocafezinho.com/2013/11/27/barbosa-contratou-medicos-antipaticos-ao-pt-para-tratar-do-caso-genoino)
    .
    .

    Calango

    01/12/2013 - 17h53

    Sejamos honestos, o que tem haver a pessoa de LUIZ FERNANDO JUNQUEIRA JÚNIOR com a pessoa de PAULO MACHADO RIBEIRO JÚNIOR? Você atribui uma declaração deste último como se fosse do primeiro, sinceramente não entendi. Quando uma turma se forma coloca-se um nome para distingui-la e, geralmente, homenageia-se um determinado professor, é tradição. Agora, se fizeram um perfil da turma no facebook, o qual tem o nome do professor, onde, os que fizeram parte dela tecem comentários diversos, pergunto, o que tem haver a pessoa de LUIZ FERNANDO JUNQUEIRA JÚNIOR com isso, o qual não tem poder sobre o que acontece neste perfil? Isso é brincar com a inteligência dos outros. A César o que é de César!

    Calango

    01/12/2013 - 18h20

    Sobre HILDA ARRUDA. Se vivemos numa dita democracia, onde há livre expressão de pensamento, por que desqualificaríamos determinada pessoa por pensar contrário ao que eu penso ou você pensa sobre determinada política de governo? Ora, todos nós humanos, seja qual for a profissão, temos convicções próprias. Há juízes a favor da pena de morte, mas nem por isso ele pode sentenciar alguém a ela, pois ele tem que se pautar pela legalidade e a ética. Portanto no caso da médica ser contra a vinda de médicos cubanos, isso não quer dizer que seu laudo esteja viciado, é uma opinião como cidadã e a qual deve ser respeitada, afinal não é para isso que se fala tanto em aprimorar direitos e garantias, tão caros à democracia.

OLAVO

01/12/2013 - 11h50

Barbosa é fraco e parece-me desequilibrado.A direita (sempre esperta) deve usá-lo para tentar derrotar o povo, nada mais.

Responder

Claudio Freire

01/12/2013 - 11h15

“O ódio que um pedaço da oposição sente atualmente nasce de onde?”

Na minha opinião, acima de tudo do tratamento que a mídia impressa e televisiva dá à política.

Tratamento não-plural, distorcido muitas vezes, maniqueísta e carregado de interesses comerciais e políticos. Esse ódio, a que corretamente se refere o Marcos Coimbra, é perceptível e é consequência da postura dessa mídia canalha que temos.

Responder

RicardãoCarioca

01/12/2013 - 10h56

Também não aprovo o comportamento do Assas JB Corp, mas acho que perdi alguma coisa. Afinal, o JB tem desejo de vingança de quê? Tem ódio do PT por quê?

Responder

Messias Franca de Macedo

01/12/2013 - 10h02

[‘A Pizza PAPUDA’ dos TUCANOS está sendo assada!]

Juiz quebra sigilo de ex-presidente da Siemens

O juiz Fábio Rubem David Müzel, da 6.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, ordenou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Adilson Antonio Primo (na foto), ex-presidente da Siemens no Brasil. Incumbiu o Banco Central de levantar as operações bancárias realizadas por Primo de 2001 a 2011, período em que ele comandou a subsidiária brasileira da multinacional alemã. E mandou a Receita Federal abrir as declarações de Imposto de renda apresentadas pelo personagem nos últimos cinco anos.
(…)
Sobre a conta aberta no estrangeiro, o juiz escreveu: “Há indícios da prática de delitos afetos à competência desta vara [crimes financeiros e lavagem de dinheiro], tendo em vista a informação de que o representado teria supostamente movimentado conta no exterior, razão pela qual se mostram pertinentes os pleitos [da PF] ”. Acrescentou: “Patente a necessidade-utilidade e a pertinência da quebra dos sigilos bancário e fiscal de Adilson Primo.”

FONTE: http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/12/01/juiz-quebra-sigilo-de-ex-presidente-da-siemens/

Responder

FrancoAtirador

01/12/2013 - 07h14

.
.
Assista trecho da Entrevista Coletiva concedida pelos Médicos Peritos da Câmara dos Deputados que avaliaram José Genoíno, contrapondo-se ao Laudo ‘ ‘Salvaguarda’ da Junta Médica Barbosiana*.

No Blog da Maria Frô:

Junta Médica da Câmara versus Junta Médica de JB

Opinião da Junta médica da Câmara sobre a saúde de José Genoino mostra omissões e contradições do laudo médico da junta médica escolhida por Joaquim Barbosa.

(http://mariafro.com/2013/11/30/laudos-de-genoino-junta-medica-da-camara-versus-junta-medica-de-jb)
.
.
*O LAUDO ‘SALVAGUARDA’ DA JUNTA MÉDICA BARBOSIANA

As conclusões do Laudo Pericial elaborado pela Junta de Médicos da UnB,
constituída por determinação do Supremo Presidente do Supremo Tribunal F.
para avaliar o estado de saúde do petista José Genoino, enfermo e preso,
poderia ser classificada de hilária, considerando as contradições freqüentes,
não fosse a crueldade subliminar contida nas afirmações categóricas,
nos 4 primeiros itens dessas mesmas ‘Conclusões’ da Junta Médica Pericial,
seguidas invariavelmente de ressalvas* que desmentem as próprias assertivas,
supostamente técnicas, mas intencional e premeditadamente colocadas
de forma a prejudicar o petista, cuja gravidade da doença já foi atestada
por diversos outros Médicos, em Laudos anteriores, além de ser pública e notória,
e testemunhada por todos os que o visitaram na Penitenciária do Distrito Federal.
Note-se que no corpo do Laudo Pericial é propositalmente repetida a expressão
“não sendo imprescindível [SIC], para tanto,
a permanência domiciliar fixa do paciente”,
para dar margem a que o Supremo Presidente do STF indeferisse, de plano,
o pedido de prisão domiciliar requerida por José Genoíno ao Supremo.

Entretanto, ao final dos itens 1, 2, 3 e 4 de tais ‘Conclusões’ da Perícia
são acrescentadas pelos Peritos Médicos da UnB salvaguardas (*), tais como:

“1) existência em passado recente de Aortopatia Aterosclerótica e/o Hipertensiva representada por Dissecção Aguda da Aorta Ascendente… Entretanto, o paciente deve se submeter a acompanhamento ambulatorial periódico da sua condição pós-cirúrgica.”

“2) portador atual de Hipertensão Arterial Sistêmica… salvaguardadas a oferta e administração do regime terapêutico.”

“3) portador de Dislipidemia… salvaguardadas a oferta e administração da medicação.”

“4) portador de circunstancial Distúrbio da Coagulação (Hipocoagulabilidade)… salvaguardadas as condições para o devido controle periódico do tratamento.”

Ora, essas aparentemente simples, porém absolutamente significantes, ressalvas*
condicionam o tratamento a uma situação que é incompatível e impraticável
no regime penitenciário em que se encontra o paciente preso, isto é,
os procedimentos terapêuticos recomendados pela Junta Médica Oficial
nas ‘Conclusões’ Periciais, somente poderão ser concretamente realizados,
se o doente crônico, caso de José Genoíno, não estiver na cadeia em Brasília.
Observe-se:

Íntegra do Laudo ‘Salvaguarda’ da Junta Médica Barbosiana em:
(http://imguol.com/blogs/52/files/2013/11/Laudo-JoseGenoino-STF-26nov2013.pdf)
.
.
(*) “SALVAGUARDADAS”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, (http://www.priberam.pt/dlpo/SALVAGUARDADAS) [consultado em 27-11-2013]:

fem. plu. part. pass. de salvaguardar

sal·va·guar·dar* – Conjugar
verbo transitivo

1. Proteger, defender, livrar de perigo.
2. Ressalvar*; acautelar. [!!!}

(*) “SALVAGUARDA”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, (http://www.priberam.pt/dlpo/SALVAGUARDA) [consultado em 27-11-2013]:

sal·va·guar·da*
substantivo feminino

1. Proteção concedida por uma autoridade qualquer.
2. Salvo-conduto.
3. [Figurado] O que serve de defesa, de amparo, de garantia.
4. Ressalva*; condição*; cautela. [!!!]
5. [Encadernação] Folha de papel do formato do livro, mas sobrando 5 mm no sentido do lombo. (Nesse excedente dá-se um pouco de cola e assenta-se o primeiro caderno sobre a salvaguarda, virando a área que tem cola sobre o festo para que fixe. Fica, assim, a salvaguarda segura ao caderno sem prejudicar a colocação da guarda. Executa-se a mesma operação ao último caderno.)
(http://www.priberam.pt/dlpo/Conjugar/salvaguardar)
.
.
No Blog O Cafezinho, do Miguel do Rosário, saiba quem são os ‘MAUS MÉDICOS’
que constituíram a Junta Pericial que avaliou José Genoíno em Brasília:

(http://www.ocafezinho.com/2013/11/27/barbosa-contratou-medicos-antipaticos-ao-pt-para-tratar-do-caso-genoino)
.
.
Leia, ainda, no DCM, do jornalista Paulo Nogueira:

Se Genoino morrer, dirão ao cadáver:
“Levanta e deixa de fingimento!”

(http://www.diariodocentrodomundo.com.br/se-genoino-morrer-dirao-ao-cadaver-levanta-e-deixa-de-sofrimento)
.
.
Detalhe:

A Mídia Bandida, como sempre usando de má-fé, só trata nas manchetes do item 5 do Laudo ‘Salvaguarda’ da Junta Barbosiana, que diz respeito à Cardiopatia, como se apenas pelo fato de o problema no coração, propriamente dito, não sendo grave, José Genoino não pudesse ter um infarto do miocárdio ou uma parada cardíaca, ou um acidente vascular por hemorragia interna, diante da gravidade das enfermidades narradas nos 4 primeiros itens do mesmo Laudo.

Aliás, é bom frisar, no item 2 a própria Junta Médica recomenda que o “tratamento medicamentoso deve ser coadjuvado por dieta hipossódica,
restrição de atividade física vigorosa, prática regular de leve a moderada
atividade física aeróbica e restrição da influência de fatores psicológicos estressantes…”.

Se a Papuda fosse um Presídio da Suécia, da Noruega ou da Holanda, ainda vá…

Por falar nisso, leia também:

Suécia e Holanda fecham prisões.
Brasil fecha escolas e abre presídios.

Por Luiz Flávio Gomes

(http://atualidadesdodireito.com.br/lfg/2013/11/19/suecia-e-holanda-fecham-prisoes-brasil-fecha-escolas-e-abre-presidios)
.
.

Responder

Fabio Passos

30/11/2013 - 23h28

Em 2014 o psdb-PiG será varrido do mapa.

A população está com asco deste carrasco covardão… que é famoso por bater em mulher e ameaçar idosos.

O PiG está perdido.
E as alternativas são um playboy cheirador de pó… ou um psicopata que sente prazer em punir inocentes. rsrs

Responder

Calango

30/11/2013 - 22h30

Um dos textos mais patéticos que já li nos últimos tempos.

Responder

    José

    01/12/2013 - 12h06

    Patético é achar tudo isso que esta acontecendo normal.

    Calango

    01/12/2013 - 20h24

    Sim, é anormal, pois estamos colocando bandidos poderosos na cadeia. Aí vão dizer: Ah, mas antes não ia, é perseguição! O processo demorou quase uma década, com direito, sim, a ampla defesa, ao contraditório e as mais sórdidas chicanas jurídicas, sem contar que o STF é composto em sua maioria por ministros indicados pelo PT, não entendendo desta forma o mimimi de petista, os quais, se fossem oposição e os réus do julgamento invertidos, estariam regozijando com a condenação dos bandidos e ladrões da direita. Quem dera, fizéssemos deste julgamento, um novo Brasil.

Calango

30/11/2013 - 21h07

Márcio,queria entender. Se o STF é composto por onze ministros, os quais a esmagadora maioria foi indicada pelo PT, por que a condenação somente de Joaquim Barbosa, já que a decisão é colegiada? Ora, por que a celeuma em cima da Teoria do Fato, já que na ciência jurídica há teorias e teorias, e, num julgamento, principalmente nos de grande envergadura,ganha aquela que sobrepuja a teoria menos eficiente? Sobre as badernas:Ora, por que toda a convulsão social de depredação do patrimônio público e privado, que iniciou-se em São Paulo, começou justamente por organizações não governamentais, como exemplo o Movimento Passe Livre, que recebe dinheiro do governo federal, mas posa de crítico e independente? Evidência intrínseca: Já leu os autos do processo do Mensalão? Será que a convicção jurídica da maioria dos ministros da mais alta corte do país não vale nada? Será que se basearam em espectros? Indenizações: Será que a farra de indenizações das ditas vítimas dos governos militares estão sendo feitas com critérios sérios? Será,apesar de algumas realmente merecerem, que pessoas que foram simplesmente intimadas a comparecer para prestar esclarecimentos em alguma delegacia ou coisa que o valha, já podem ser consideradas “vítimas” do regime e fazerem jus a gostosas indenizações, onerando o erário público?

Responder

    Márcio

    30/11/2013 - 23h10

    Calango: Pelo que me consta não discuti teorias jurídicas ou quaisquer outras, a não ser a da evidência intrínseca, i.é, a prova da existência do contrário sobre o BV e o Caixa 2 utilizados em campanha. Hora alguma mencionei esse ou aquele ministro, até porque o bom senso obriga-me a bem usar a caneta ou o teclado, evitando de imputar a essa ou aquela pessoa ou autoridade, a culpa de decisões em que não faço parte como testemunha ou jurado. Muito pelo contrário ao que você diz, em momento algum discuti sobre as indenizações de vítimas do governo militar. Não sei se você é militar ou não. Aliás, não quero nem saber, porquanto como cidadão, apenas cumpri o meu dever cívico de servir ao Exército no tempo que me foi imposto, na Polícia do Exército, embora em minha família existam tenentes-coroneis. Imposto, porque não fui voluntário. Servi sem reclamar e acredito que todo brasileiro deveria cumprir esse dever cívico. Nasci civil e morrerei civil, levando comigo o sentimento do dever cumprido, sem nunca ter levantado a mão para bater um soldados pegados sem uniforme, fora do horário de recolher-se ao quartel ou à residência ou pegos em bares, o que era proibido na época. A simples postura e voz de comando sempre me foram suficientes para cumprir o desiderato. Sobre o uso do dinheiro público, sim, faço questão de pedir àqueles em que votei uma prestação de contas. Você há de convir que as justificativas são verbais, eis que não existem mecanismos legais que os obriguem a mandar-me a prestação de contas. Portanto, Sr.Calango, continuarei pedindo aos brasileiros, mesmo os que vocês consideram “Porcos Chauvinistas”, ou nacionalistas extremados, como no meu caso, que não entrem nas badernas propostas por aqueles que gostam de ver o “Pau Quebrando” para depois colocar a culpa em militares despreparados para a abordagem de marginais e daqueles dilapidadores do patrimônio público, quebrando prédios e monumentos públicos, usando máscaras como marginais comuns. Aos 70 e tantos anos, orgulho-me de ser legalista, de nunca ter sido preso e fichado em quaisquer órgãos contra qualquer tipo de repressão. Fui filiado a partido político, sim. Fui do P.F.L., mas embora possua amigos na agremiação que, por desmotivada com a antiga sigla, mudou-a para DEM, não me orgulho de ter pertencido aos seus quadros, por razões e princípios particulares. Quanto a ter lido o processo você tem razão. Não o li, até porque não sou advogado e ele correu ‘sob’ segredo de Justiça e não ‘sobre’, isto é, às escondidas do brasileiro comum, menos igual aos brasileiros privilegiados. Mas, quando podia, ouvia as explanações pela televisão da Justiça e li todos aqueles artigos de juristas constitucionalistas que trataram do assunto em jornais e revistas que estivessem ao meu alcance. A minha questão é o diálogo e caso você tenha subsídios melhores, coloque os no comentário que terei muito prazer em discutir. Da discussão é que vem a luz. E sou ávido de luz. Discutiu-se o “Domínio do Fato”.

Paulo

30/11/2013 - 20h51

Não entendi. Se avoluma os que odeiam, mas a maioria não apoia o Governo Dilma e o PT? Acho que há algo de errado nessa lógica. Os desmandos da classe política é que está fomentando tal atitude. Quanto tempo se falou de que o brasileiro aguentava calado o que a classe política lhe impunha? Talvez agora tenha aprendido a gritar. Infelizmente, o Governo Dilma não consegue demonstrar seus feitos positivos em relação à melhoria da renda através dos programas federais. E aí, se demoniza a oposição, é mais fácil. Por sinal, boa parte da antiga oposição conservadora, hoje é governo. Será que não reside aí os problemas?

Responder

SILOÉ-RJ

30/11/2013 - 19h06

Para ficar em pé acima dos colegas, dizia ter problemas na coluna.
E agora depois da sequência de tiros no pé!!!!

Responder

Carlos Maia

30/11/2013 - 16h48

É bom que JB saiba dos destinos de Savonarola e Torquemada.

Responder

Leandro

30/11/2013 - 15h42

O bom da esquerda brasileira é essa coragem e disposição para ficar protestando pela net. Chorem a vontade, protestem na net porque não tem coragem de defender esses corruptos nas ruas.

Responder

    Urbante

    30/11/2013 - 16h14

    Pronto, o Leandro já se apresentou como Líder. Vamos às ruas, pessoal!

    Emerson

    30/11/2013 - 18h42

    Olha só quem fala…
    A diferença é que nós temos mais peso nas urnas que vocês. Logo, só lhe resta chorar.

    Zé Francisco

    30/11/2013 - 19h15

    Dilma sobe, oposição desde rsrs.

    Márcio

    30/11/2013 - 19h33

    Leandro, talvez você esteja confundindo alhos com bugalhos. Nossa intenção é dialogarmos, razão pela qual não precisamos fazer baderna. Não utilizaremos nem de máscara nem de quebra-quebra para manifestarmos. Queremos conversar, queremos saber qual a evidência intrínseca em que se basearam as autoridades competentes para julgar o dito mensalão do PT e quais os argumentos prevalecentes para não julgar outras agremiações que utilizaram os mesmos recursos para disputar as eleições desde tempos de antanho. Não temos que dar prejuízos a terceiros nem comprometer a União com as indenizações que terão que ser despendidas para ressarcir os prejuízos aos cidadãos que ganham sua vida honestamente, nem quebrar obras públicas, dificultando a locomoção de trabalhadores, colocando fogo e barricadas em estradas Não lhe daremos o prazer mórbido de denominar-nos vândalos.

    Calango

    30/11/2013 - 21h04

    Leandro, talvez você esteja confundindo alhos com bugalhos. Nossa intenção é dialogarmos, razão pela qual não precisamos fazer baderna. Não utilizaremos nem de máscara nem de quebra-quebra para manifestarmos. Queremos conversar, queremos saber qual a evidência intrínseca em que se basearam as autoridades competentes para julgar o dito mensalão do PT e quais os argumentos prevalecentes para não julgar outras agremiações que utilizaram os mesmos recursos para disputar as eleições desde tempos de antanho. Não temos que dar prejuízos a terceiros nem comprometer a União com as indenizações que terão que ser despendidas para ressarcir os prejuízos aos cidadãos que ganham sua vida honestamente, nem quebrar obras públicas, dificultando a locomoção de trabalhadores, colocando fogo e barricadas em estradas Não lhe daremos o prazer mórbido de denominar-nos vândalos.

    Queria entender. Se o STF é composto por onze ministros, os quais a esmagadora maioria foi indicada pelo PT, por que a condenação somente de Joaquim Barbosa, já que a decisão é colegiada? Ora, por que a celeuma em cima da Teoria do Fato, já que na ciência jurídica há teorias e teorias, e, num julgamento, principalmente nos de grande envergadura,ganha aquela que sobrepuja a teoria menos eficiente? Sobre as badernas:Ora, por que toda a convulsão social de depredação do patrimônio público e privado, que iniciou-se em São Paulo, começou justamente por organizações não governamentais, como exemplo o Movimento Passe Livre, que recebe dinheiro do governo federal, mas posa de crítico e independente? Evidência intrínseca: Já leu os autos do processo do Mensalão? Será que a convicção jurídica da maioria dos ministros da mais alta corte do país não vale nada? Será que se basearam em espectros? Indenizações: Será que a farra de indenizações das ditas vítimas dos governos militares estão sendo feitas com critérios sérios? Será,apesar de algumas realmente merecerem, que pessoas que foram simplesmente intimadas a comparecer para prestar esclarecimentos em alguma delegacia ou coisa que o valha, já podem ser consideradas “vítimas” do regime e fazerem jus a gostosas indenizações, onerando o erário público?

Messias Franca de Macedo

30/11/2013 - 14h46

Uma encrenca chamada Joaquim Barbosa

Por jornalista Luis Nassif

Há um pensamento majoritário na opinião pública leiga e um consenso no sistema judicial – incluindo desembargadores, juízes, procuradores, advogados. O pensamento majoritário leigo é de que o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa é um herói. O consenso no meio jurídico é que trata-se de um desequilibrado que está desmoralizando a Justiça e, principalmente, o mais alto órgão do sistema: o STF. No seminário de dois dias sobre “Democracia Digital e a Justiça” – promovido pelo Jornal GGN – Barbosa foi a figura dominante nos debates e nas conversas. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakai, lembrou a cena da semana passada, na qual Barbosa acusou todo o tribunal de fazer “chicana” – na linguagem jurídica, malandragem para atrasar julgamentos. A única voz que se levantou protestando foi a do calado Teori Zavascki. Os demais recuaram, com receio da baixaria – o mesmo receio que acomete um cidadão comum no bar, quando entra um bêbado ou um alucinado distribuindo desaforos. *** Hoje em dia, há um desconforto generalizado no meio jurídico com a atuação de Barbosa. O Código da Magistratura proíbe que juízes sejam proprietários de empresas ou mantenham endereço comercial em imóveis funcionais. O órgão incumbido de zelar por essa proibição é o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Barbosa é a única exceção de magistrado que desobedeceu a essa obrigação. Ao mesmo tempo, é o presidente do STF e do CNJ. Como se pode tolerar essa exceção? Se algum juiz federal abrir uma representação junto ao CNJ para saber se liberou geral, qual será a resposta do órgão? E se não abriu, como tolerar a exceção? *** Outro princípio sagrado é o do juiz natural. Um juiz não pode ser removido de uma função por discordância com suas opiniões. Barbosa pressionou o Tribunal de Justiça do Distrito Federal a remover o juiz da execução das penas dos condenados do “mensalão”, por não concordar com sua conduta. A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) entrou com uma representação junto ao CNJ, não contra Barbosa – respeitando seu cargo de presidente do STF, mas contra o presidente do TJ do Distrito Federal. Se o CNJ acatar a representação, automaticamente Barbosa estará incluído. E como conviver com um presidente do STF que não respeita a própria lei? Seu desrespeito a associações de magistrados, de advogados, aos próprios pares há muito ultrapassou os limites da falta de educação. Por muito menos, juizes foram cassados por tribunais por perda de compostura. *** No fechamento do seminário, o decano dos juristas brasileiros, Celso Antônio Bandeira de Mello, falou duramente sobre Barbosa. “Dentre todos os defeitos dos homens, o pior é ser mau. Por isso fiquei muito irritado com o presidente do STF: é homem mau, não apenas pouco equilibrado, é mau”. Na sua opinião, a maneira como a mídia cobriu as estripulias de Barbosa colocou em xeque a própria credibilidade dos veículos. “Como acreditar em quem dizia que Joaquim era o grande paladino da justiça e, agora, constata-se que é um desequilibrado? Devemos crer em quem?”. *** O fato é que o show midiático na cobertura da AP 470 criou o maior problema da Justiça brasileira desde a redemocratização. Ninguém do meio, nem seus colegas, nem os Ministros que endossaram seus votos, nem a própria mídia que o incensou, têm dúvidas sobre seu desequilíbrio e falta de limites. Mas quem ousará mostrar a nudez de um herói nacional de histórias em quadrinhos?

sab, 30/11/2013 – 08:08 – Atualizado em 30/11/2013 – 12:34

http://jornalggn.com.br/noticia/uma-encrenca-chamada-joaquim-barbosa

Responder

anac

30/11/2013 - 13h13

joaquim extrapolou os limites da insanidade. E está muito patente o que deveria ficar escondido, que os petistas foram julgados politicamente. São presos políticos. O PiG contratou um elefante para limpar as louças da loja, tarefa que deveria ser de uma moça prendada no ofício.

Chamar seus colegas de chicaneiros foi o máximo. Incluiu no rol a doce carmem lucia, o impoluto gilmar, o insigne marco aurélio, a pacífica rosa weber, todos os colegas que, na maioria das vezes ou todas as vezes, votaram com ele, mesmo sendo seu voto contrário a própria Constituição, que o STF como guardião tem o dever de zelar e cobrar o cumprimento.
Coisa de louco.

Responder

José Neto

30/11/2013 - 13h13

A MENTIRA DESCARADA DE AYRES BRITTO: VISANET É PÚBLICA??????

Realmente Freud tinha razão quando disse que quem governa a nossa mente é o Inconsciente, assisti as sesões da AP 470 e li partes do processo e embargos e não sou advogado. Mas procurei me inteirar principalmente sobre o eixo central da denúncia que tem como protagonista Henrique Pizzolato, que busca JUSTIÇA fora do Brasil, li as matérias de Conceição Lemes no Viomundo, as de Miguel do Rosário no Cafezinho e sempre me deparava com citações à fala de Ayres Britto na época presidente do STF, à qual assisti e fiquei estarrecido, mas o tempo passou e havia me esquecido da data e fui pesquisar no youtube, o que me custou um bom tempo, Quando ele estava pronunciando o seu voto, foi visível o seu esforço em manter a MENTIRA em apoio a Joaquim Barbosa nessa trama macabra. No link abaixo posicionando o vídeo aos 43,33 até os 46,31 poderão assistir ele tentanto sustentar a mentira repetindo ao menos 2 vezes a mesma frase, e citando a CBMP (Companhis Brasileira de Meios de Pagamento) VISANET como empresa Pública, é ai que entra a teoria de Freud sobre o “Ato falho” que o inconsciente se sobrepõe ao consciente e chama a CBMP de Companhia Brasileira de Meios de COMUNICAÇÃO. Eafirma com todas as letras que só por ter Brasileira no nome, já configuraria ser uma empresa pública como EMBRATEL, EMBRAER, EMBRAPA. E só pra tirar um sarro não poderíamos colocar a BRASTEMP nesta lista e outars que os amigos que lerem quiserem acrescentar. Abraço

https://www.youtube.com/watch?v=A9bte2JSjp0

Responder

    Messias Franca de Macedo

    30/11/2013 - 16h22

    INCRÍVEL: QUEM NÃO DEIXOU
    AYRES VOTAR O MENSALÃO TUCANO ?

    O Big Ben de Propriá foi fazer um lanche e na volta o mensalão tucano sumiu da pauta.

    Amigo navegante envia o vídeo-aula sobre um dos momentos mais sinistros da gestão (?) do Big Ben de Propriá – aquele que condenou o Dirceu a tempo de eleger o Cerra em São Paulo – na presidência do Supremo.

    (O que tem aquela cadeira de presidente do Supremo ? Que metamorfoses propicia ?)
    Ele estava para votar em votação se o mensalão tucano ia ser ou não apreciado pelo Supremo.
    Adiou a decisão.
    Adiou.
    Chamou intervalo para uma “merenda” de 30 minutos e na volta os tucanos se livraram da cadeia.
    Depois, ele admitiu ter sido pressionado.
    Por quem ?
    Quem imprensou o Big Ben no lanche ?
    Que ameaças fez ?
    Para beneficiar que réus ?
    (…)
    O Conselho Nacional de Justiça bem que poderia investigar o poder renovador de um lanche do Supremo.

    Publicado em 26/11/2013

    http://www.conversaafiada.com.br/tv-afiada/2013/11/26/incrivel-quem-nao-deixou-ayres-votar-o-mensalao-tucano/

José Souza

30/11/2013 - 12h49

Barbosão não passou dos limites porque ele não tem limites em suas sandices.

Responder

Messias Franca de Macedo

30/11/2013 - 12h31

BOMBA: Vídeo apresenta relato proferido por médico da junta médica do Barbosa! Relato sem a manipulação canalha e covarde do PIG!
O ESTADO
DE SAÚDE DE GENOINO É GRAVE
Genoino precisa de cuidados

Publicado em 30/11/2013

em http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/11/30/bomba-o-estado-de-saude-de-genoino/#comment-1327903

LÁ VEM O MATUTO QUE SENTE CHEIRO DE GOLPE DESDE O DIA EM QUE NASCEU EM PINDORAMA!
… Simplesmente: cadê a ABIN? Por “acauso” a ABIN sabe o que é pré-sal? Esses energúmenos golpistas carniceiros não têm o menor pudor! O Estado brasileiro se responsabilizará por este infame menosprezo, desrespeito atroz e acinte inimaginável aos Direitos Humanos – e eventual ‘[deliberado] assassinato anunciado’?… O Joaquim Barbosa está tranquilo: é um ser inimputável!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Bernardino

30/11/2013 - 11h51

alar so nao adianta tem que bater de frente contra esse ditador do judiciario , tem que peitar ele, tem que desafiar , tem mobilizar tdo mundo , todos os partidos que ainda restam um pouco de vergonha cara. se barrar esse sujeito asqueroso o ditador do judiciario ele vai dar o golpe , essa é a intençao dele. de dar o golpe ou ninguem percebeu isso. ate agora ta todo mundo borrando de medo dele, ate ele ta fazendo o que quer e ninguem faz nda. ninguem mesmo. o ditador do judiciario e aliado do pig manda e desmanda no brasil. infelizmente ta.
Responder

MINEIRO,texto IRRETOCAVEL,Direto e CORAJOSO!!!!

Quanto ao MARCOS Coimbra é uma analise PSICANALITICA e correta deste senhor Barbosa e do momento politico da Democracia que vivemos.

ESSE artigo deveria ser reproduzido aos MILHares pelos Blogs afora e objeto de Discurso no Parlamento se tivesssemos homens de Coragem ali
porem como só há FROUXOS e mediocres passará Despercebido como é pratica daquela CORJA.Até porque eles tem medo da Midia e do pseudo STF!!!!

Responder

Fabio Passos

30/11/2013 - 11h46

A covardia e a perversidade do psicopata do stf causam asco.

A maioria da população rejeita o PiG… por que aceitaria seu boneco pervertido?

Responder

Bertold

30/11/2013 - 11h39

Muito bom, só falta o PT ter a mesma coragem para enfrentar o caráter fascista de Joaquim Barbosa.

Responder

José Roberto

30/11/2013 - 11h30

“Em um país tão marcado pelo personalismo, Barbosa apresenta-se como “encarnação do bem”, mais um santarrão que vem de fora da política para limpá-la. Serve apenas para confirmar equívocos autoritários e deseducar a respeito da vida democrática.”

Puxa, se trocasse a palavra “Barbosa” por “Lula e o PT” a frase ficaria exatamente como mesmo sentido.

Quer dizer, isso quando o PT e Lula eram oposição, porque agora…

Responder

Jayme Vasconcellos Soares

30/11/2013 - 11h10

O Presidente do STF não é um homem mau. Ele é uma pessoa que parece ter um grande complexo de inferioridade, e por isto mesmo, sem uma necessária sobriedade e senso crítico, ele se deixa levar pelos cantos das raposas da direita entreguista, PSDB, DEM e congêneres. A impressão que se tem é que Joaquim Barbosa, através esforços sobre-humanos de sua vida, dedicou-se freneticamente aos estudos, para provar à sociedade perversa discriminatória em que vivemos, que ele poderia ser um ser superior. Falta a ele, entretanto, a maturidade de saber que o homem é grande quando ele tem o saber em prol da verdade e da honestidade, que devem ser usadas para o bem e o equilíbrio da sociedade. Infelizmente Barbosa se identifica com partidos e pessoas inescrupulosas, corruptas, e por isto não contribui para a existência de uma sociedade justa, cidadã. Ele jamais poderia estar como o Presidente de um Supremo Tribuna, uma posição que requer uma conduta integra, imparcial. Ele não é mau, mas não esta bem colocado , no papel que vem exercendo; o melhor lugar para ele é o de candidato do PSDB, DEM ou qualquer partido que se identifique com a direita privatista, entreguista.

Responder

    Bonifa

    30/11/2013 - 17h45

    Barbosa ilustrou-se em um único sentido, que Piaget identificaria como de sentido primário do aprendizado, que se estagna em torno dos 14 anos de idade. Ilustrou-se em música, no aprendizado de línguas e na tecnicidade do Direito. Falta-lhe a cultura geral básica, conhecimento de História, categorias filosóficas e a própria filosofia do Direito ainda que fale alemão, humanismo de uma maneira geral. Não é um homem que se possa chamar de culto.

Miranda

30/11/2013 - 10h38

Li hoje que o estado de Mato grosso vai desembolsar 7,4 milhões para pagamento de auxilio refeição para juizes. Esse pagamento, segundo o site “Midia News” será retroativo de cinco anos. Fiquei pensando se um juiz que começa ganhando 19 mil reais precisa realmente de auxilio alimentação. Por outro lado, não vi manifestações de indignação das pessoas que combatem raivosamente o programa bolsa familia.

Responder

    José X.

    30/11/2013 - 11h17

    O judiciário brasileiro lembra bastante a aristocracia feudal.

    Isso aí lembra bastante as taxas que os plebeus pagavam aos nobres durante a idade média, porque…bem, porque sim e ponto final.

    O judiciário brasileiro precisa ser destruído e recriado novamente, em alguma futura constituinte. Por enquanto temos que ir convivendo com esse estrupício que é o judiciário atual.

mineiro

30/11/2013 - 09h45

falar so nao adianta tem que bater de frente contra esse ditador do judiciario , tem que peitar ele, tem que desafiar , tem mobilizar tdo mundo , todos os partidos que ainda restam um pouco de vergonha cara. se barrar esse sujeito asqueroso o ditador do judiciario ele vai dar o golpe , essa é a intençao dele. de dar o golpe ou ninguem percebeu isso. ate agora ta todo mundo borrando de medo dele, ate ele ta fazendo o que quer e ninguem faz nda. ninguem mesmo. o ditador do judiciario e aliado do pig manda e desmanda no brasil. infelizmente ta.

Responder

Maria Thereza

30/11/2013 - 09h28

Que texto!! Lavou a lama. Agora, que jb já passou dos limites há muito tempo, é sabido.Diversas entidades e pessoas de responsabilidade já se manifestram contra as “reinações” de JB, inclusive em termos bastante duros. Entretanto, as instâncias que poderiam por um freio nas arbitrariedades e até mesmo ilegalidades que ele vem cometendo, estão caladas e inertes. Alguns alegam que a saída dele poderia faze-lo um “herói perseguido” (pelo PT, claro). Outros não dizem nada. O mal que ele está fazendo ao Brasil não é de se desprezar e achar que é uma coisa passageira. Como diz o Marcos Coimbra nem os ditadores mais recentes despertaram esse sentimento de ódio irracional e que está chegando às pessoas comuns. Não há mais espaço para debtes. É ódio, ódio e mais ódio. O que mais estranho é o silêncio dos colegas de JB. Parece que tem medo. Não dele, que é mesmo um fantoche de interesses maiores e mais nefastos. Será que todos tem alguma coisa a esconder e podem ser passíveis de chantagem?

Responder

    Bonifa

    30/11/2013 - 17h59

    Só esperamos que na hora da consumação do golpe, se não for dado monocraticamente por Barbosa, seus colegas saibam resistir à pressão da “opinião pública” midiática, em nome da paz social, da Democracia e do futuro do país.

Malvina Cruela

30/11/2013 - 09h20

G E N U I N O
I N G E N U O
G E N U I N O
I N G E N U O
G E N U I N O

Responder

Bonifa

30/11/2013 - 09h02

Só um cego, surdo e mudo não percebe que esta onda de ódio de que fala Coimbra vai, em breve, desembocar em sérios atentados terroristas. E já que há ódio suficiente estocado também contra a própria Nação, vai desembocar também em sabotagens muito graves ao desenvolvimento nacional. E Barbosa, na qualidade de herói destacado da extrema direita, será um dos principais responsáveis pela inspiração do que venha a acontecer. A propósito, sem medo de teorias conspiratórias, já se sabe qual a origem da explosão ouvida por testemunhas, que deu início ao incêndio do Memorial da América Latina, e que começou no auditório Simão Bolívar?

Responder

FrancoAtirador

30/11/2013 - 01h09

.
.
Excelente a abordagem sociológica de Marcos Coimbra: ‘A Fera Está Solta’.

Uma boa referência para a elaboração de um trabalho de pesquisa acadêmica.

Há algum estudante universitário da área de Ciências Sociais interessado?
.
.

Responder

Mário SF Alves

30/11/2013 - 00h32

“A figura de Joaquim Barbosa faz mal à cultura política brasileira.”

______________________________________
Será?

Não é o que parece:

__________________________________________________

Bom, retiro o que disse. Até porque isso daí tem muito pouco a ver com cultura política. Tá mais pra política menor, politicagem.

Responder

Messias Franca de Macedo

30/11/2013 - 00h20

DA SÉRIE “OS ESQUELETOS DO MENTIRÃO”! III

#################

Por jornalista Luis Nassif Do Jornal GGN

AS GAMBIARRAS NO INQUÉRITO

Sem Dantas, como justificar os recursos que financiaram o mensalão? Apelou-se para essa nonsense de considerar que a totalidade da verba publicitária da Visanet (R$ 75 milhões) foi desviada. Havia comprovação de pagamento de mídia, especialmente a grandes veículos de comunicação, de eventos, mas tudo foi deixado de lado pelos PGRs e pelo relator Barbosa. Em todos os sentidos, Gurgel foi um continuador da obra de Antonio Fernando. Pertencem ao mesmo grupo político (…) e compartilhavam as decisões com uma única subprocuradora – Cláudia Sampaio Marques, esposa de Gurgel. Dentre as acusações de engavetamento de inquéritos, há pelos menos dois episódios controvertidos, que jamais mereceram a atenção nem do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) nem da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) – esta, também, dominada pelos “tuiuius”: os casos do ex-senador Demóstenes Torres e do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda. Tanto na parte conduzida por Antonio Fernando, quanto na de Gurgel, todas as decisões pareceram ter como objetivo esconder o banqueiro. É o caso da “delação premiada” oferecida a Marcos Valério. O ponto central – proposto na negociação – seria imputar a Lula a iniciativa das negociações com a Portugal Telecom. Sendo bem sucedido, livraria Dantas das suspeitas de ter sido o verdadeiro articulador das negociações. A “delação premiada” não foi adiante porque, mesmo com toda sua discricionariedade, Gurgel não tinha condições de oferecer o que Valério queria: redução das penas em todas as condenações. (…) Mas, na verdade, na época, sua decisão [a do procurador Antonio Fernando] blindou Daniel Dantas, a quem Valério servia. Agora, na proposta de “delação” aceita por Gurgel não entrava Dantas – a salvo dos processos – mas apenas Lula. (…) Mas como explicar que TODAS as decisões, todas as análises de provas tenham sido a favor do banqueiro? OS MOTIVOS AINDA NÃO EXPLICADOS Com o tempo aparecerão os motivos efetivos que levaram o Procurador Geral Roberto Gurgel e o relator Joaquim Barbosa a endossar a posição de Antonio Fernando e se tornarem também avalistas desse jogo. Pode ter sido motivação política. (…) Uma disputa pelo poder não poderia expor Dantas, porque aí se revelaria a extensão de seus métodos e deixaria claro que práticas como as do mensalão fazem parte dos (péssimos) usos e costumes da política brasileira. E, se comprometesse também o principal partido da oposição, como vencer a guerra pelo controle do Estado? Ou como justificar um julgamento de exceção. Vem daí a impressionante blindagem proposta pela mídia e pela Justiça. É, também, o que pode explicar a postura de alguns Ministros do STF, endossando amplamente a mudança de conduta do órgão no julgamento. Outros se deixaram conduzir pelo espírito de manada. Nenhum deles engrandece o Supremo. Poderia haver outros motivos? Talvez. (…) E com a mídia majoritariamente a favor, reduz a possibilidade de denúncias ou escândalos sobre as posições pró-Dantas. É o que explica os contratos de Antonio Fernando com a Brasil Telecom jamais terem recebido a devida cobertura da mídia. (…) Com a anulação completa dos freios e contrapesos, Antonio Fernando viu-se à vontade para negociar com a Brasil Telecom. De seu lado, todas as últimas atitudes de Gurgel de alguma forma vão ao encontro dos interesses do banqueiro. Foi assim na tentativa de convencer Valério a envolver Lula nos negócios com a Portugal Telecom. (…) Mas é evidente que o resultado maior foi fortalecer as teses de Dantas junto ao STF, de que a Satiagraha não passou de um instrumento dos adversários comerciais (…) E não se vê um movimento em defesa de seus membros por parte da ANPR. Quando a Satiagraha foi anulada no STJ (Superior Tribunal de Justiça), o Ministério Público Federal recorreu, tanto em Brasília quanto em São Paulo. Na cúpula, porém, Dantas conseguiu o feito inédito de sensibilizar quatro dos mais expressivos nomes do MInistério Público Federal pós-constituinte: os ex-procuradores gerais Antonio Fernando e Aristides Junqueira (que ele contratou para atuar junto a Roberto Gurgel), o atual PGR e o ex-procurador e atual presidente do STF Joaquim Barbosa. Levará algum tempo para que a poeira baixe, a penumbra ceda e se conheçam, em toda sua extensão, as razões objetivas que levaram a esse alinhamento inédito em favor de Dantas.

http://jornalggn.com.br/blog/procurador-geral-que-livrou-dantas-do-mensalao-ganhou-contrato-da-brasil-telecom

Responder

Messias Franca de Macedo

29/11/2013 - 23h22

DA SÉRIE “OS ESQUELETOS DO MENTIRÃO”! II

#################

Os sinais de Dantas
Por jornalista Luis Nassif Do Jornal GGN

(…)
No livro “A Outra Historia do Mensalão”, Paulo Moreira Leite conta que a Polícia Federal apurou um conjunto de operações entre a Brasil Telecom [de Daniel Dantas] e a DNA [de Marcos Valério]. A executiva Carla Cicco, presidente da BT, encomendou à DNA uma pesquisa de opinião no valor de R$ 3,7 milhões. Houve outro contrato, de R$ 50 milhões, a ser pago em três vezes. Era dinheiro direto no caixa da DNA – e não apenas uma comissão de agenciamento convencional, como foi no caso da Visanet… Pagaram-se as duas primeiras. A terceira não foi paga devido às denúncias de Roberto Jefferson que deflagraram o mensalão. Apesar de constar em inquérito da Polícia Federal – fato confirmado por policiais a Paulo Moreira Leite – jamais esse contrato de R$ 50 milhões fez parte da peça de acusação. Foi ignorado por Antônio Fernando, por seu sucessor Roberto Gurgel e pelo relator Ministro Joaquim Barbosa. Ignorando-o, livrou Dantas do inquérito. Livrando-o, permitiu-lhe negociar sua saída da Brasil Telecom, ao preço de alguns bilhões de reais.

http://jornalggn.com.br/blog/procurador-geral-que-livrou-dantas-do-mensalao-ganhou-contrato-da-brasil-telecom

Responder

Messias Franca de Macedo

29/11/2013 - 23h09

DA SÉRIE “OS ESQUELETOS DO MENTIRÃO”! I

#################

Procurador Geral que livrou Dantas do mensalão ganhou contrato da Brasil Telecom

Por jornalista Luis Nassif Do Jornal GGN

– Em sua sabatina no Senado, o jurista Luiz Roberto Barroso considerou o julgamento do chamado mensalão “ponto fora da curva (…) Externou o que todo o meio jurídico comenta à boca pequena desde aquela época: foi um julgamento de exceção. (…) E, no começo do circuito, os financiadores. Se poderia ter se obtido a condenação fazendo o certo, qual a razão para tantas irregularidades processuais anotadas? Não se tratou apenas dos atropelos à presunção da inocência e outros princípios clássicos do ordenamento jurídico brasileiro. Há também a suspeita de ocultação deliberada de provas. 1. Ignorou-se laudo comprovando a aplicação dos recursos da Visanet. 2. Esconderam-se evidências de que o contrato da DNA com a Visanet era anterior a 2003. 3. Desmembrou-se o processo para que outros diretores do Banco do Brasil – que compartilharam decisões com o diretor de marketing Antonio Pizolato e assumiram responsabilidades maiores – não entrassem na AP 470. 4. Ignoraram-se evidências nítidas de que a parte mais substancial dos fundos do DNA foi garantida pelas empresas de telefonia de Daniel Dantas.

O contrato de Antonio Fernando

Aparentemente, desde o começo, a prioridade dos Procuradores Gerais da República Antônio Fernando (que iniciou as investigações), de Roberto Gurgel (que deu prosseguimento) e do Ministro do STF Joaquim Barbosa (que relatou a ação) parece ter sido a de apagar os rastros do principal financiador do mensalão: o banqueiro Daniel Dantas. Inexplicavelmente, ele foi excluído do processo e seu caso remetido para um tribunal de primeira instância. Excluindo Dantas, não haveria como justificar o fluxo de pagamentos aos “mensaleiros”. Todos os absurdos posteriores decorrem dessa falha inicial, de tapar o buraco do financiamento, depois que Dantas foi excluído do inquérito. Responsável pelas investigações, o procurador geral Antônio Fernando de Souza tomou duas decisões que beneficiaram diretamente Dantas. A primeira, a de ignorar um enorme conjunto de evidências e excluir Dantas do inquérito – posição mantida por seu sucessor, Roberto Gurgel e pelo relator Ministro Joaquim Barbosa. A segunda, a de incluir no inquérito o principal adversário de Dantas no governo: Luiz Gushiken. Aliás, com o concurso de Henrique Pizzolato – que acabou tornando-se vítima, depois de diversas decisões atrabiliárias dos PGRs. Foi tal a falta de provas para incriminar Gushiken, que o PGR seguinte, Roberto Gurgel, acabou excluindo-o do inquérito. Pouco depois de se aposentar, Antônio Fernando tornou-se sócio de um escritório de advocacia de Brasília – Antônio Fernando de Souza e Garcia de Souza Advogados -, que tem como principal contrato a administração da carteira de processos da Brasil Telecom, hoje Oi, um dos braços de Dantas no financiamento do mensalão. O contrato é o sonho de todo escritório de advocacia: recebimento de soma mensal vultosa para acompanhar os milhares de processos de acionistas e consumidores contra a companhia, que correm nos tribunais estaduais e federais.

http://jornalggn.com.br/blog/procurador-geral-que-livrou-dantas-do-mensalao-ganhou-contrato-da-brasil-telecom

Responder

    Bonifa

    30/11/2013 - 18h30

    O caso é tão conhecido que hoje não é perdoável que alguém faça qualquer confusão sobre ele. Não existiu o mensalão no sentido de “desvio de dinheiro público para a compra de votos no Congresso”. Entre aspas, está a definição oficial do mensalão. A compra de votos não pôde ser provada na ação, embora houvesse sobre ela tentativas aleatórias de comprovação. Mas entrou dinheiro de pelo menos um financiador para o caixa dois do PT, dinheiro usado para fins partidários e para saldar dívidas de campanha de aliados políticos. Dinheiro de Daniel Dantas certamente, talvez entre outros. Este crime, porque crime é, os acusados sempre confessaram que existiu, e tem ele natureza muito diferente do crime de desvio de dinheiro público, que não houve. Mas a oposição midiática e seus braços jurídicos não se conformariam com um mero crime de caixa dois, não só porque as penas seriam quase inexistentes, mas também porque todos os partidos o praticam quase que abertamente. Seu objetivo era político e quanto mais vantagem política pudessem usufruir, melhor. Então, ocultaram as provas de que havia dinheiro de Dantas no caso, e engendraram uma maquinação cheia de criatividade, para condenar os petistas e aliados por roubo do dinheiro público, que não existiu e está hoje provado às escancaras que não existiu.

Marco Aurélio

29/11/2013 - 22h31

Pobres Diabos, um dia o inferno que ajudam a construir irá abafá-los por completo. A nossa elite é de má índole. Seus métodos são cruéis. Seus valores são equivocados. “suas piscinas estão creias de ratos e suas idéias não correspondem aos fatos”.

Responder

Messias Franca de Macedo

29/11/2013 - 22h29

A alma de Joaquim Barbosa é pior que a de Thurgood Marshall, o primeiro negro da Suprema Corte Americana

Joaquim Barbosa foi o primeiro negro brasileiro a se tornar juiz do Supremo Tribunal Federal.
Thurgood Marshall foi o primeiro da Suprema Corte americana.
Ambos vieram de famílias humildes e tiveram dificuldades para poder estudar.
É possível que Marshall tenha servido de inspiração para a nomeação de Barbosa, mas as semelhanças param ai.
(…)
Lula e Lyndon Johnson acertaram ao decidir equilibrar a composição social das cortes supremas do Brasil e dos EUA, deixando-as com uma cor mais parecida com a do povo.
A pele de Barbosa é muito mais negra do que a de Marsha
Mas a alma – e o currículo -, não.
Ninguém percebeu: nem Frei Betto, nem Thomas Bastos, nem Lula.
Será que Dirceu percebeu?

Postado em 29 nov 2013por : Jura Passos

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/joaquim-barbosa-x-thurgood-marshall-o-primeiro-negro-da-suprema-corte-americana/

Responder

Messias Franca de Macedo

29/11/2013 - 22h12

IMPEACHMENT JÁ PASSOU DA HORA! Cadê a ABIN? Vai chancelar ‘o golpe anunciado’ patrocinado pela Cia, Pentágono et caterva?!… A ABIN sabe o que é pré-sal?!…

A PATIFARIA DO ‘FUMAÇA DO GOLPE’ NÃO TEM LIMITE! ENTENDA

############

Barbosa determina perícia médica para decidir pena de Roberto Jefferson
Do UOL, em São Paulo
29/11/201314h53 > Atualizada 29/11/201316h12

(…)
O procedimento de pedir uma perícia médica também foi adotado em relação ao deputado condenado José Genoino (PT-SP), que sofre de uma cardiopatia. No entanto, no caso de Genoino, a perícia médica foi pedida depois que o petista já estava preso. Ele chegou a ser internado em um hospital de Brasília após passar mal na prisão.
(…)

CACHOEIRA – perdão, ato falho -, FONTE: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/11/29/barbosa-determina-pericia-medica-para-determinar-pena-de-roberto-jefferson.htm

###############

LÁ VEM O MATUTO QUE SENTE CHEIRO DE GOLPE DESDE O DIA EM QUE NASCEU EM PINDORAMA!

O sádico rábula psicopata não sacia o desejo mórbido de humilhar seletivamente! E ainda tem a desfaçatez canalha de poupar um indivíduo reconhecidamente escroque!…

EM TEMPO DE GOLPISMO ORA EM CURSO: e a população brasileira assiste a tudo como se a tragédia inimaginável fosse mais um enredo de alguma novelinha chinfrim e obscena da Rede Roubo – perdão, ato falho -, organizações(!) globo!…

RESCALDO: leitor(a), prepare-se para chorar copiosamente… Após ler o laudo médico acerca do estado de saúde do chefe da quadrilha dos Correios, o delator do tal MENTIRÃO! Laudo médico generoso a ser expedido pela “junta médica” do ‘cilada da vez do golpe’!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Luís Carlos

29/11/2013 - 21h39

A violência de Barbosa, o ódio reacionário, o preconceito abjeto de ultra conservadores a negros e pobres, a extrema direita incitando agressões a partidários de esquerda, a violência extrema travestida de esporte no barbarismo orgåstico do UFC, tudo disseminado pela Globo, ponta de lança na orquestrada pauta da grande mídia. A doença da intolerância e violência é uma necessidade para o neoliberalismo. Disso se alimenta e com isso mata, reproduzindo seu metabolismo auto-fagocitário.

Responder

    Mário SF Alves

    30/11/2013 - 01h06

    É tenebroso tudo isso aí, prezado Luís Carlos.

    Mas, dos males o menor, pois, ante tanta cupidez “política”, tanta nulidade, tanto comportamento de risco, eles, os defensores do neoliberalismo a qualquer custo (social), os eternos defensores do capitalismo subdesenvolvimentista naZional, e ante tamanha rejeição nas urnas, já dão sinais de que estão em pleno abraço de afogados. Muito pela encruzilhada (im)posta pela arrogância do JB: ou mudam o roteiro ou morrem todos juntos.

Ulisses

29/11/2013 - 21h27

Sem dúvida é uma alerta que precisa calar fundo

Responder

lukas

29/11/2013 - 20h55

Do lado da esquerda, eu só vejo respeito pelos adversários.

Responder

    Jairo Fernando

    30/11/2013 - 02h47

    Detesto Serra, Aécio e Perillo.
    Mas, não desejo matá-los, nem torturá-los.
    Ou seja, detesto, mas não odeio.
    FHC, Alckmim e o governador do meu estado, Anastasia, nem detesto, apenas não concordo com suas posições políticas e governamentais.
    O PSDB, aliado à mídia, causa muita indignação às pessoas que entendem um pouco de política.
    Muito da aversão ao STF vem do uso do DOMÍNIO DO FATO, algo surreal, teoria alemã utilizada para condenar Dirceu. Isso eu jamais vou concordar. Vou reclamar sempre.

ricardo silveira

29/11/2013 - 20h39

Em suma, Barbosa é nocivo ao bem comum. Gente como esse senhor não interessa ao país porque é destruidora da democracia, não educa, infantiliza a política como a luta excludente entre o bem e o mal. Na verdade é, na melhor das hipóteses, um ignorante político, que se arvora por meio da “justiça” a fazer política. Não é assim que se faz justiça e muito menos política. Mostra-se, afinal, um ignorante útil, não inocente, porque por mais tapado que seja, não é possível não perceber que está sendo usado. Logo vão cuspi-lo fora, tanto mais cedo quanto mais cedo perceberem que o papel que desempenha não tem mais efeito para os interesses dominantes.

Responder

Edno Lima

29/11/2013 - 20h14

O que faz mal á política brasileira é a falta de punição a corruptos; o que faza mal á política é o sujeito achar que sendo de esquerda pode roubar; o que faz mal á política é atribuir a um só homem a decisão que foi de um colegiado;o que faz mal á politica brasileira é dizer que José Sarney tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse uma pessoa comum; o que faz mal á política é dizer que Fernando Collor teria a dar uma grande contribuição ao País com sua experiência de ex-presidente; o que faz mal á política brasileira é colocar na chefia do gabinete da presidência da república em São Paulo alguém íntimo e capaz manda falsificar um diploma para o ex-marido; o que faz mal á política brasileira é colocar na Agência Nacional de Águas alguém que fasilfica, e consegue reconhercer junto ao MEC, um diploma a pedido da chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo; o que mal á política brasileira é assessor de deputado andar com US$ 100.000,00 na cueca; o que faz mal á política brasileira é fato de integrantes de partidos políticos terem sido pegos com R$ 1.168.000,00 mais U$$ 248.800,00 para comprar um dossiê falso contra adversários, mas talvez sejam essas práticas que o Sr. Marcos Coímbra acha que fazem bem á política brasileira!

Responder

    anac

    29/11/2013 - 23h17

    A direita PÓde e ainda é garantido a impunidade. E tu ainda aplaude a roubalheira, porque o mensalão de fhc da reeleição PÓde. O senhor deve ter um estoque de oleo d eperoba em casa. melhor comprara mais.

    Jornal que levantou a denúncia em 1997, a Folha de S.Paulo reconhece identidade do homem que gravou deputados confessando venda de apoio a aprovação da emenda da reeleição.

    Um livro que faz críticas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) traz uma revelação histórica sobre a compra de votos no Congresso a favor da emenda da reeleição, em 1997. A obra desnuda o nome do homem que naquele ano gravou deputados admitindo a venda de votos. O Príncipe da Privataria foi escrito pelo jornalista Palmério Dória.
    http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/politica/noticia/2013/08/livro-contra-fh-revela-fonte-que-provou-compra-de-votos-pela-emenda-da-reeleicao-4253485.html

    endonça de Barros liga para Ricardo Sérgio pedindo uma carta de fiança do Banco do Brasil para o consórcio liderado pelo Banco Opportunity. Ricardo Sérgio diz que acabou de dar. E afirma estar no “limite da nossa irresponsabilidade”.

    Ricardo Sérgio – Alô.
    Mendonça de Barros – Oi.
    Ricardo Sérgio – Fala, jovem.
    Mendonça – Não, o seguinte. ‘Tá tudo acertado, os dois consórcios, né? Agora, o de lá está com problema com carta de fiança, entende? Não dá para o Banco do Brasil dar, ô Ricardo?
    Ricardo Sérgio – Luiz Carlos, eu acabei de dar.
    Mendonça – Dá? Deu?
    Ricardo Sérgio – É o seguinte…
    Mendonça – ‘Tá vendo como eu conheço você? (Risos.) Não é Embratel? É Telemar, né?
    Ricardo Sérgio – Não, é o seguinte. O que que eu fiz? O Daniel (Dantas, do Opportunity) conversou comigo…
    Mendonça – ‘Tá…
    Ricardo Sérgio – Ele falou: “Eu tenho para a Stet pro Citibank e pros fundos”.
    Mendonça – Isso.
    Ricardo Sérgio – Então eu dei pra Embratel e dei R$ 874 milhões para a…
    Mendonça – ‘Tá perfeito.
    Ricardo Sérgio – … Para a…
    Mendonça – ‘Tá perfeito.
    Ricardo Sérgio – ‘Tô viabilizando tudo.
    Mendonça de Barros – Eu sei, meu filho. Por isso que eu conto com você.
    Ricardo Sérgio – Nós estamos indo no nosso limite de irresponsabilidade…
    Mendonça – Não, não…
    Ricardo Sérgio – (Ri alto.) Eu dei uns três bi de fiança aqui hoje.
    Mendonça – (Ri alto também.) Não, mas olha…
    Ricardo Sérgio – Se der 30, só vai valer um pouco.
    Mendonça – É lógico. Mas isso aí nós ‘tamos juntos, pô.
    Ricardo Sérgio – Não, a hora que der merda, a gente diz: “Estamos juntos desde o início”. Escuta, estou aqui no BB e vou ficar aqui até sete e meia, oito horas. O telefone, em vez de ela estar ligando no meu celular, o telefone direto é 532…
    Mendonça – 532?
    Ricardo Sérgio – 55.
    Mendonça – 55.
    Ricardo Sérgio – 31.
    Mendonça – 31
    Ricardo Sérgio – Que às vezes o celular…
    Mendonça – ‘Tá, ‘tá bem, eu ligo aí.
    Ricardo Sérgio – ‘Tá bom?
    Mendonça – ‘Tá bom.
    http://www1.folha.uol.com.br/folha/circulo/pre_sp_30.htm

    A advertência foi feita em 1998 pelo ex-diretor do Banco do Brasil Ricardo Sérgio ao ex-ministro das Comunicações Luis Carlos Mendonça de Barros. Os dois combinavam a participação dos fundos de pensão de estatais na privatização da Telebrás. Fundos também usados na compra da Vale do Rio Doce, um ano antes. A frase era reveladora de como gestores públicos acertam nos bastidores o manejo de dinheiro para alcançar um objetivo

    Mário SF Alves

    30/11/2013 - 01h21

    Aí, anac, senta a real pra cima deles. E que a luz os faça abandonar as trevas.

    ___________________________________

    Ah, se fosse simples assim. Se bem que eles apagaram o Brasil várias vezes; vai ver é opção pela escuridão, mesmo.

    Nelson

    29/11/2013 - 23h21

    Certamente o que faz bem a politica é a lista de furnas, o mensalão tucano a venda do patrimônio brasileiro (a privataria), certamente o que faz bem para o Brasil é o trensalão tucano, o helicóptero do pó, o arrocho salarial imposto pelo PSDB/DEM ao País além do desemprego regado a juros estratosféricos. Certamente o que faz bem para o Brasil é a perseguição implacável a um único partido político, mesmo esse partido sendo avaliado nas urna com aprovação recorde.
    Isso certamente é um desfavor a Democracia, mais creio que você não saiba o que seja Democracia.
    O que queremos é puro e simplesmente igualdade, você já ouviu falar em ordem cronológica?
    E o antigo ditado: Pau que dá em Chico dá em Francisco?
    Mais um filhote de JB.

    anac

    29/11/2013 - 23h33

    É mais um coxinha defensor da turma da mais nova tese jurídica: O domínio do pó. Como envolve um HeLicoPTero is culpados são o PT e Lula. Vai continuar feliz lavando latrina com direito a óleo de peroba para lustrar a cara.

Coutinho

29/11/2013 - 19h55

Esse ódio foi demonstrado no Estadão, onde a autora de certa matéria demonstrava felicidade ao noticiar que José Dirceu iria trabalhar no porão de um hotel de Brasília sem ter a praça dos 3 Poderes como paisagem. Parece até comportamento de criança má. Está no Tijolaço.

Responder

zélia scorza pires

29/11/2013 - 19h49

Marcos Coimbra abre os olhos dos eleitores para o caso de Joaquim Barbosa candidatar-se à Presidência do Brasil, que não merece gente vingativa na direção do País. .

Responder

Caracol

29/11/2013 - 19h34

Senhores, eu nasci aqui e tenho quinhentos e treze anos de idade.
Para quem nasceu por aqui ontem, devo informar que aqui na Terra de Vera Cruz, desde o advento da República, é contumaz, sempre que alguém que não interessa que seja eleito ou reeleito corra o risco de ser eleito ou reeleito, apresenta-se – indefectivelmente – … um bunda.
Quanto mais bunda melhor, pois tendo ele consumado a tarefa de ser eleito, sendo ele bastante e suficientemente bunda, fica mais fácil de ser descartado em seguida, para que tudo continue como dantes, no quartel general de Abrantes.

Responder

    anac

    29/11/2013 - 23h25

    O vassalo de 1954, que levou ao suicídio Getúlio Vargas, foi o bundão Carlos Lacerda. Que repetiu em 1964 a mesma vassalagem, ajudando a defenestrar Jango do poder. Como paga por essa vassalagem teve cassado seus direitos políticos, sendo expulso do pais, morrendo misteriosamente no exílio sem ter atingido o objetivo: a presidência.

    Mário SF Alves

    30/11/2013 - 01h29

    É ou não é o eterno [e maldito] capitalismo subdesenvolvimentista naZional?
    ________________________________
    Tirando fora o tal arremedo de capitalismo, isso abunda há mais de quinhentos anos.
    ______________________________________________
    Haja bunda.

Riri Farinha

29/11/2013 - 19h21

Esse alerta do Marcos Coimbra deveria ser divulgado em letras garrafais por todos os blogs progressistas. Há que se assinalar a bravura intelectual do autor, conjugada com sua excepcional capacidade analítica da cena política brasileira atual. Parabéns ao Viomundo pela publicação. Abs.

Responder

Deixe uma resposta