VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Luciano Costa: 97,6% de manchetes negativas sobre economia

02 de agosto de 2014 às 14h35

michele2

Falta d’água na Vila Madalena: foi Alckmin quem “fez” (Foto Michele Oliveira)

ESCOLHAS EDITORIAIS

O “manchetômetro” e a imprensa partidária

Por Luciano Martins Costa em 01/08/2014 na edição 809

Do Observatório da Imprensa

A Folha de S. Paulo acaba de descobrir que o racionamento de água que ocorre em São Paulo é racionamento mesmo, e não efeito colateral de obras de manutenção da rede. Essa constatação faz a manchete do jornal nesta sexta-feira (1/8): “Ação de SP na crise da água equivale a racionamento”.

No texto que se segue, o leitor fica sabendo que o racionamento que sofre na prática há um mês também é racionamento na teoria. O diário paulista só percebeu que o racionamento de fato é também um racionamento em termos técnicos quando alguns bares da Vila Madalena, região da boemia frequentada por jornalistas, tiveram que fechar por falta de água.

A nova interpretação da Folha para a crise de abastecimento chama atenção porque acontece ao mesmo tempo em que o jornal anuncia uma campanha para esclarecer aos leitores seu posicionamento diante de alguns temas tidos como importantes: casamento gay, pena de morte, cotas raciais, política econômica, aborto e legalização de drogas. A direção do jornal quer mostrar que, embora tenha posições claras sobre os assuntos, abre espaço para opiniões divergentes.

Essa mudança responde em parte a especulações feitas por protagonistas das redes sociais sobre a persistência da Folha de S. Paulo em pressionar o senador Aécio Neves (PSDB), candidato a presidente da República, a dar uma explicação para o caso do aeroporto privado feito em Minas Gerais com dinheiro público quando ele era governador do Estado.

Foi a Folha que revelou essa história, obrigando os outros jornais a seguirem a pauta, e o veículo que mais mantém o assunto em evidência. Com a insistência do jornal paulista, Aécio Neves finalmente admitiu que usou o aeroporto “algumas vezes” e, nesta quarta-feira, acusa a Agência Nacional de Aviação Civil de atrasar a homologação do campo de pouso, o que pode ter feito com que ele, “inadvertidamente”, usasse as instalações irregulares.

No mesmo dia, em editorial, a Folha exige mais explicações, acusa o ex-governador de haver privilegiado a cidade onde sua família possui terras, observa que a obra “no mínimo, é conveniente para ele e seus parentes” e conclui que a questão “não está mais que esclarecida”, como quis Aécio.

O Brasil da imprensa vai mal

Alguns leitores escrevem comentários dizendo que o jornal paulista se descola de seus concorrentes, que poupam quanto podem o candidato tucano. No entanto, é mais fácil explicar a aparente guinada da Folha em dois aspectos: o jornal sempre foi muito próximo do ex-governador José Serra, que, embora correligionário, não tem qualquer entusiasmo pela candidatura de Aécio Neves; a Folha, como os outros diários de circulação nacional, segue demonstrando seu partidarismo em favor do PSDB em outros aspectos, principalmente no que se refere aos problemas de São Paulo.

Se não fosse pela simples observação crítica que o leitor mais atento costuma fazer, o partidarismo dos principais diários do País vem sendo registrado por um grupo de pesquisadores da UERJ – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Suas análises da valência das informações destacadas pela imprensa mostram uma dicotomia presente nas escolhas editoriais, que reforçam aspectos negativos ou positivos dos acontecimentos conforme os protagonistas.

O Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP) da UERJ demonstra, com seu “manchetômetro” (ver aqui), como os jornais blindaram Fernando Henrique Cardoso e expuseram Lula da Silva no passado recente, como tratam desigualmente o governo federal e o governo paulista, como as notícias sobre Aécio Neves são mais equilibradas do que o material referente à presidente Dilma Rousseff, bombardeada na proporção de 182 informes negativos para apenas 15 positivos, por exemplo, e como esse bombardeio se intensifica no período eleitoral.

Além disso, o noticiário econômico apresenta um resultado consolidado de mais de 90% de notícias negativas, numa linguagem dicotômica e com poucas nuances, “interpretando os fatos e dados econômicos como sinais de uma crise, ou em andamento, ou prestes a acontecer”.

Os gráficos da cobertura agregada dos três jornais, por exemplo, mostram que a economia teve em julho 97,6% de notícias negativas contra apenas 2,4% de notícias positivas.

Se o Brasil fosse o que mostra a imprensa, estaríamos todos mortos de fome.

Essa é uma das evidências de que a imprensa hegemônica rompeu com o jornalismo.

Captura de Tela 2014-08-02 às 14.32.37

Com base nas manchetes de O Globo, Folha e Estadão

Leia também:

Antes do Santander, bancos previram fracasso da Copa e caos na economia

 

27 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Eduardo

05/08/2014 - 23h56

Caro Luciano Martins, sua análise esclarecedora e oportuna parte de uma visão a níveis Federal e eixo São Paulo/Rio.Voçe se sentira enojado se fizer seu trabalho em Minas Gerais.Existem lá substancialmente dois jornais escritos, o Estado de Minas e O Tempo, ambos praticamente distribuídos gratuitamente aos supostos leitores! Na verdade funcionariam como instrumentos de oposição governista, verdadeiros captadores de eleitores! São mesmo agressivos com os politicos da situação, insinuando e desqualificando-os, assim como a seus possíveis eleitores! Será que essa é a imprensa que o povo merece?

Responder

Mar da Silva

05/08/2014 - 10h18

A imprensa tem agido de forma a não ter jornalismo. Essa tem sido a campanha da mídia:

#Não-Vai-Ter-Jornalismo

Ass: Press-Tituta.

Responder

Urbano

04/08/2014 - 15h31

O interessante é que um humorista idiota, e já de cérebro bem branquinho de tão lavado, quis desmerecer os blogs, e nas entrelinhas essencialmente os Blogs Progressistas, dizendo que por aqui se inventam notícias. É ser muito cretino para inverter os reais valores, dessa forma tão abjeta. É… Em alguns, quando a criatividade se esvai, só resta a moral a ser vendida…

Responder

    Urbano

    04/08/2014 - 15h34

    Creio nem que nem estava no script, de tão espontâneo que foi.

Rodrigo Leme

04/08/2014 - 13h13

Um asurdo mesmo!!! Inadmissível!!! Como conseguiram produzir 2,4% de manchetes positivas sobre a economia?!?! Imagina o esforço pra conseguir achar algo positivo pra se falar. Isso é um escândalo.

Responder

jõao

03/08/2014 - 22h35

http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/2014/08/fique-sabendo-com-voces-nosso-novo.html

AUG
3
FIQUE SABENDO: Com vocês, nosso novo documentário: “Helicoca – O Helicóptero de 50 milhões de reais”
DCM
http://www.youtube.com/watch?v=i_hJDNvaeKM#t=355

Joaquim de Carvalho
Joaquim de Carvalho
Você conhece a história. Em novembro de 2013, 445 quilos de pasta base de cocaína foram apreendidos numa fazenda de Afonso Cláudio, no Espírito Santo.

A droga fora transportada num helicóptero da família Perrella, de Minas Gerais. Em menos dois meses, Zezé e Gustavo Perrella — pai e filho amigos e aliados de Aécio Neves — foram isentados de responsabilidade sobre o crime, segundo um delegado da Polícia Federal bastante apressado. Em seis, todas as pessoas autuadas em flagrante foram inocentadas.

O DCM contou as imbricações do escândalo em uma série de reportagens que batizamos de “O Helicóptero de 50 milhões de reais”. As matérias foram financiadas por nossos leitores num esquema de crowdfinding com a plataforma Catarse.

O experiente jornalista Joaquim de Carvalho realizou um trabalho notável. Conversou com juízes, advogados, promotores, políticos etc. Revelou que, na rota do chamado Helicoca (o apelido carinhoso que o processo ganhou na Justiça), houve uma parada num hotel fazendo em Jarinu, interior de São Paulo. Parte da carga pesada teria ficado ali. A polícia não deu prosseguimento à investigação.

Entrevistou o piloto da aeronave, Alexandre José de Oliveira Júnior, que trocou mensagens de celular, no dia da ocorrência, com Gustavo Perrella. Num encontro tenso, Alexandre contou que fora contratado para trazer “eletrônicos e medicamentos veterinários do Paraguai”. Para ele, “era contrabando de mercadorias, não tráfico de drogas”.

Em Minas, JC visitou a fazenda dos Perrellas. Antecipamos, com exclusividade, que o Ministério Público do Estado denunciou o deputado federal Gustavo Perrella por uso indevido de verbas da Assembleia Legislativa.

Lançamos agora o nosso documentário sobre o Helicoca. A direção é de Alice Riff, de “Dr. Melgaço”, o primeiro projeto de crowdfunding do DCM.

O vídeo levanta várias questões sobre a impunidade, sobre a guerra às drogas, sobre as relações promíscuas entre poder, justiça e polícia no país. Um capítulo pode ter chegado ao fim, mas o caso está longe de ser encerrado. Nosso compromisso continua sendo, como sempre, manter você a par de tudo.
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-dcm-apresenta-nosso-novo-documentario-helicoca-o-helicoptero-de-50-milhoes-de-reais/

Sobre o Autor
Diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.
Postado há 7 hours ago por Blog Justiceira de Esquerda

Responder

Leo V

03/08/2014 - 16h11

Boa entrevista:

Exclusivo: a professora Camila Jourdan fala ao DCM

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/exclusivo-a-professora-camila-jourdan-fala-ao-dcm/

Responder

Márcio Joffily

03/08/2014 - 16h08

Sabe de nada, INOCENTE !
Antes de celebrar o resultado do saldo comercial positivo, à parte o fato da reprimarização da pauta de exportações, analise-a à luz dos resultados da balança de serviços e transferências unilaterais, que dá como resultado as transações correntes no balanço de pagamentos. Aí, você verá as semelhanças entre o FHC e os governos petistas, isto é, a entrega do país ao capital financeiro.
25.07.2014 – Déficit em transações correntes soma US$3,345 bi junho, diz BC
O Brasil registrou déficit em transações correntes de 3,345 bilhões de dólares em junho, informou o Banco Central nesta sexta-feira, ao mesmo tempo em que os investimentos estrangeiros diretos no país somaram 3,924 bilhões de dólares.
No acumulado em 12 meses encerrados no mês passado, o déficit em conta corrente do país ficou em 3,58 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Responder

Gerson Carneiro

03/08/2014 - 13h36

Apois…

Com exportações recordes, superávit comercial do Brasil em julho foi de US$ 1,6 bi.

Tem muito país de “primeiro mundo” desejando uma crise dessa.

http://painelpolitico.com/com-exportacoes-recordes-superavit-comercial-do-brasil-em-julho-foi-de-us-16-bi/

Responder

DARCY BRASIL RODRIGUES DA SILVA

03/08/2014 - 09h36

A propósito do financiamento deste sítio, infelizmente, eu não tenho como contribuir, já que vivo com menos de 1000 reais por mês. Tenho tido que me virar para a despesa empatar com essa receita. Me desculpem !

Responder

DARCY BRASIL RODRIGUES DA SILVA

03/08/2014 - 09h33

A campanha eleitoral desse ano ( só faltam 2 meses) precisa combinar a militância na Internet, nas redes sociais , com a militância nas ruas, corpo a corpo. Além da defesa de nossos candidatos, da reeleição de Dilma Rousseff, deveríamos também , no meu modo de entender, encaminhar dois abaixo-assinados, solicitadores de duas reformas a serem apresentadas ao Congresso Nacional, quais sejam: a reforma política e a reforma dos meios de comunicações, a “Lei de Mídias”. Para tanto, denúncias como essa explicitada pelo artigo acima deveriam ser amplamente divulgadas. Não basta que tais denúncias circulem apenas entre nós. Penso que a maioria dos leitores do Viomundo, da Carta Maior,etc, já estão cientes dessa manipulação midiática, constituindo novidade apenas a sua intensidade, pois não me lembro de ter presenciado um empenho tão descarado por parte da grande mídia em influenciar o resultado eleitoral, fraudando o futuro pleito ao tentar induzir a opinião pública, massificando uma visão distorcida da realidade. O desmascaramento da mídia, particularmente da Rede Globo, FSP, Veja, Estado de São Paulo e Estado de Minas, deve ser tema de nossa campanha. O desmascaramento dos grandes financiadores de bancadas, como a dos ruralistas ou a “bancada da bola”, ou a bancada difusa de candidatos fisiológicos, vendedores de seus votos no Congresso, financiadores com o poder econômico do Banco Itaú, do Banco Santander, etc, também precisa ser amplificada para além de nosso círculo de eleitores, constituindo tema de campanha e elemento de justificação da reivindicação pela reforma política. Resumindo: campanha eleitoral tradicional, luta pela reforma política e Lei de Mídias devem caminhar juntas. Devemos organizar comitês de campanha que se perpetuem no tempo, para além do período eleitoral, para encaminhar a luta por estas duas reformas , produzindo na sociedade um grande movimento de pressão pela aprovação das mesmas.

Responder

sergio

03/08/2014 - 03h10

Agora, como já não dá para apostar no NÃO VAI TER COPA, eles – a velha e golpista mídia, apoiadora da ditadura militar, vem com o NÃO VAI TER ECONOMIA.

Responder

Luís Carlos

03/08/2014 - 00h34

Puxa, pensei que fosse 100% das manchetes. Então a grande mídia corporativa não mente, totalmente, só em 97%. Fiquei aliviado, afinal a ditadura mafiomidiática tem 2% de notícias boas sobre a economia nacional. Só não sabem o que é racionamento do Alckmim. Se fosse da Dilma, teria 101% de manchetes negativas.

Responder

FrancoAtirador

03/08/2014 - 00h32

.
.
Observe-se a sutileza dos Frias:

“Ação de SP na
crise da água
equivale a
racionamento”

(http://migre.me/kM8iA)

A ‘Ação’ foi de ‘São Paulo’…

Não há menção ao Governo Estadual,

nem ao PSDB ou a Geraldo Alckmin.
.
.
Mesmo recurso usado para o Aécioporto:

“Minas fez Aeroporto em
fazenda de tio de Aécio”

(http://migre.me/kM7RL)

Foi ‘Minas’,
não o próprio…
Sei…
.
.

Responder

Francisco

03/08/2014 - 00h28

Fico me perguntando quantos jornalistas da Folha tiveram de chegar à redação sem tomar banho, fedendo, para os editores ligarem essas três palavras num raciocínio lógico: Cantareira + Volume morto + Falta d’agua.

Quem sabe algum dia percebam que as três palavras: Transposição + Faraônico + Populista, não se aplicam necessariamente à transposição do Rio São Francisco…

PS. Esperar demais é crer que algum dia se deem conta que o governador do SUS de São Paulo, do Metrô, do Pinheirinho e da SABESP são a mesma pessoa…

Responder

ricardo silveira

02/08/2014 - 22h39

Se não fosse esse trabalho do “Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP) da UERJ” para comprovar o que todo cidadão atento sabe, embora não em dados objetivos, esse artigo nem teria saído. A mídia partidária e golpista vai se caracterizando no grande problema da democracia brasileira e do avanço do país. Essa mídia não pode continuar com o poder que tem, pois com ela o país não anda. Ela, na verdade, é a responsável pelo “Mentirão”, por esconder que o PSDB roupa S.Paulo desde o governo Covas, pelo fato de Aécio virar candidato, um verdadeiro deboche ao país, pois o PSDB já não mais existiria se não fosse essa mídia que encobre, desde o governo FHC, suas falcatruas. Ela é a responsável por esses movimentos que chegaram com tanto vigor em junho/13 e viraram, todos, em movimentos “sininhos” para jogar água no moinho da direita. A lei de meios é urgente para não impedir o país de avançar.

Responder

Julio Silveira

02/08/2014 - 22h30

Mais engraçado do que o dizes Marcelo, só tua pretensão em definir quem sou, e de onde venho. Como todo pretensioso, erras. Não sou de São Paulo, apesar de já ter estado lá, sai realmente das fronteiras de meu estado Natal, apesar dessa informação ser realmente irrelevante a tua provocação pueril. Mas, mais engraçado que sua afirmação é sua conveniência, preferes negar uma verdade que até tua mídia revela, por que impossível esconder, do que uma boa justificativa para acreditar estarmos melhor do que já estivemos, quando seus prováveis preferidos nos governaram, período caracterizado por gripes no exterior e pneumonias graves no Brasil. Acho sinceramente que neste mundo de incoerências tem gente que prefere o sofrimento, acho que é seu caso, se é que algum dia você teve necessidade de buscar algo em sua vida.

Responder

Anibal Paz da Silva

02/08/2014 - 18h13

Tudo o que é bom para globo (imprensa), é ruim para o Brasil. Tudo o que é ruim para esses golpistas, é ótimo para o Brasil, Leonel de Moura Brizola !

Responder

Francisco de Assis

02/08/2014 - 17h28

FOLHÃO RECLAMA DA FALTA D´ÁGUA PROS AMIGOS

Foi só a sua turma de Vila Madalena ter que tomar champã em copo de plástico para o Folhão começar a reclamar.

Imagina quando a turma deles em Higienopólis não puder mais limpar o furico de chuveirinho de esguicho, e tiver que fazê-lo com estopa molhada com água mineral ?

Responder

Zanchetta

02/08/2014 - 16h59

Por acaso teve alguma coisa boa na economia para virar manchete?!?!

Responder

    Julio Silveira

    02/08/2014 - 18h13

    Viaje pelo mundo, vá a Espanha, aos States, vá a Italia, a Grécia, de um esticada na França, visite a Bélgica, a Inglaterra, etc…, mas não como turista, nem como os correspondentes da Globo, que vão com emprego garantido. Vá procurando trabalho por esses países, aí você conhecerá a resposta para sua pergunta, e poderá, talvez, entender por que tantos deles olham pra nosso país com interesse profissional.

    Marcelo

    02/08/2014 - 19h31

    e disse o Julio. Rapaz, que nunca saiu de SP, nem a trabalho e nem a lazer

    lukas

    02/08/2014 - 23h08

    Julio, devemos fechar nossas fronteiras contra a invasao dos estadunidenses e europeus desempregados? rsJ

    Julio Silveira

    03/08/2014 - 11h20

    Não Lukas, não devemos. Mas também não devemos deixá-los nos governar.

    Ulisses

    03/08/2014 - 09h21

    PIB crescendo, investimentos públicos crescendo, emprego estável no máximo, salários crescendo. As refinarias novas vão começar a operar, reduzindo nossa importação de combustíveis. Isto é ruim para você Tucano?

    Zanchetta

    03/08/2014 - 12h27

    Estamos tomando o segundo 7 a 1 e vc todo felizinho, né petista?

    De Paula

    03/08/2014 - 09h58

    Está encontrando dificuldade para contratar empregada doméstica pagando salário mínimo? É por causa disso.

Deixe uma resposta