VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Dom Orvandil: Mirian Dutra abre o armário de FHC e joga na cara da sociedade brasileira os cadáveres do ex-presidente

22 de fevereiro de 2016 às 09h55

FHC, RobertoMarinho, ACM, Borhausen, Conti

Ex-amante arranca os cadáveres do armário fétido de FHC

seg, 22/02/2016 – 05:31

por Dom Orvandil, em Cartas Proféticas, sugestão de Antônio

Os ruídos em torno do caso sexual do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso são sintomáticos. As denúncias que sua ex-amante fez, a jornalista Mirian Dutra Schmidt, são gravíssimas e de interesse público.

Alerto que aqui não nos interessa o moralismo como critério de análise das relações íntimas de FHC. Deve-se respeitar quem se conduz por outros valores em sua vida privada.

Também não encaramos Miriam Dutra Schmidt como uma coitadinha ou uma “diaba” pelo fato de desenvolver um caso com um homem (homem?) casado e público.

Não, Mirian Dutra se comportou de modo covarde, oportunista e omisso com o que há de mais sério no que tange ao ex-presidente.

Como sabes, a jornalista, paga com dinheiro transitado internacionalmente de modo muito suspeito, envolvendo a empresa Globo, o BNDS, personalidades públicas brasileiras e muita corrupção, calou-se enquanto recebia polpudos e falsos salários para se manter em silêncio a fim de não atrapalhar os negócios através da jogatina que representou o governo desastrado de FHC.

Mirian Dutra vem a público agora para abrir o armário fétido de FHC e jogar na cara da sociedade brasileira os cadáveres podres do presidente mais desleal ao povo brasileiro e mais desonesto com os bens desta Pátria, que o Brasil já conheceu.

Um dos cadáveres passa pela intimidade da mulher Mirian. Ao articular com a Globo, com pessoas como o falecido presidente da Câmara dos Deputados, Luiz Eduardo Magalhães e de seu pai, o famoso senador Toninho Malvadeza, com o Banco Nacional do Desenvolvimento Social, com financiamento para enriquecer uma das famílias mais ricas do Brasil e do mundo, a Marinho, para manter a jornalista amante calada e exilada na Espanha, FHC foi cruel, machista, desumano, sem caráter e imoral.

Agora, Mirian Dutra joga na cara da sociedade brasileira esse cadáver insepulto e altamente revelador do mau caráter de quem iludiu o povo brasileiro através de eleições corruptas e sujas.

Outro cadáver mal cheiroso, nada novidade para quem conhece a moralidade da classe dominante que Fernando Henrique Cardoso representa, é o de o machista afirmar à amante que ela poderia engravidar de qualquer homem menos dele, para não atrapalhar seu plano de eleger-se e reeleger-se presidente da República.

Quando o então senador FHC viu Mirian pela primeira vez num jantar no famoso restaurante Piantella de Brasília, onde lideranças do Congresso Nacional e personalidades de todo o País se encontravam para articulações, impressionou-se com ela.

A partir daquele encontro, FCH emitiu inúmeros recados à jornalista falando de sua paixão por ela. Mesmo casado desenvolveu um affair com ela. Porém, sob o impulso da ambição pelo poder, o chamado Farol de Alexandria, o príncipe da Sorbonne, não teve a menor consideração pela mulher que engravidou de um filho fora do casamento, constrangendo-a a dizer que o filho não era dele, mas de um biólogo.

Ao revelar a fisionomia cruel, medieval e machista do ex-chefe da Nação, Mirian nos joga na cara o cadáver da mentira dele, que em nome do poder massacra e humilha, mesmo que isso signifique o sufocamento da mãe de um filho dele.

E assim FHC fez com todo o País. Seu governo era a demonstração de sua alma. Como fez com Mirian, mentiu que aquilo era fruto da democracia e de eleições, quando, na verdade, foi produto das alianças espúrias com bandidos, criminosos e golpistas provindos das entranhas da ditadura.

O programa de governo de FHC, em torno do qual gravitaram falsos democratas e sublegendas de direita, a mídia mau caráter da casa grande, do imperialismo, que no Brasil interveio o tempo inteiro de seu desgoverno antinacional, consistiu essencialmente em privatizar para assaltar os cofres públicos com o objetivo de enriquecer apaniguados com propinas, como se fossem corretores picaretas das vendas do patrimônio público. O desgoverno do machista FHC funcionou como verdadeira fábrica de miséria e de pobreza, servindo aos propósitos mesquinhos e desumanos da burguesia servil e colonizada.

Mas Mirian não joga em nossa cara apenas cadáveres insepultos. A ex-amante nos apresenta fantasmas desprezíveis, aí vivos e ativos, grudados no poder, sempre disponíveis a nos explorar e a golpear.

Um é o da sua irmã Margrit Dutra Schmidt, que recebe salário com nosso dinheiro público. A madame é “funcionária” do gabinete do autoritário e arrogante senador José Serra, sem trabalhar. Ela não aparece para trabalhar, embora bata ponto todos os dias.

Serra, mentiroso, mau caráter e cara de pau, saiu em sua defesa dizendo que Margrit trabalha em casa num projeto sigiloso. Ora, isso além de mentiroso, é proibido pelo regimento do Senado.

Mirian não tergiversou em indicar sua irmã como chantagista pervertida que se aproveitou da gravidez da irmã para pressionar FHC e seus aliados corruptos, ganhando muito dinheiro e enriquecer com vasto patrimônio.

O interessante que Margrit é uma das que gritou nas ruas contra Lula, Dilma e pela volta da ditadura militar.

Margrit é uma testemunha que sinaliza que os que gritam contra a corrupção não têm o menor interesse nessa pauta. O que mais lhes importa é o golpe contra a democracia para reforçar os armários onde se escondem como cadáveres ambulantes, sem vida a favor da justiça social, sem amor pelo coletivo e pelo povo.

A mídia com suas mentiras e manipulações, graças à omissão dos governos Lula e Dilma, que não promoveram a regularização constitucional do controle dos meios de comunicação, é outro traste velho e moribundo indicado por Mirian Dutra Schmidt.

Além das negociatas com canais de TV por FHC, para pagar seus protegidos pelos favores corruptos que lhe prestaram, o fato de o “jornalista” e editor executivo da revista Veja – verdadeiro catecismo dos analfabetos políticos e coxinhas – fabricou uma armação a mando do presidente amante para mentir que o filho de Mirian não era de FHC, mas de um misterioso biólogo.

Essa, aliás, é prática típica do que a mídia sempre fez visando manipular a opinião pública, buscando privilégios e dinheiro farto do poder público.

Enfim, a jornalista Mirian Dutra Schmidt, apesar de seu senso oportunista, covarde e omisso ao não denunciar no tempo certo esse homem com seu mau caráter, com seu compromisso com a classe dominante no afã enviesado contra o povo, ainda contribui com o Brasil para demonstrar a sujeira que corre por debaixo dos porões dessa oligarquia que destrói a verdade, a justiça social e a democracia.

Mirian aperta o saco lotado de baixaria de onde jorram chantagens, traições, ameaças, humilhações, mesquinharia, crimes e acertos entre os poderosos para mentir, manipular, fragilizar direitos e desmoralizar o povo brasileiro.

A direita brasileira certamente se contorce de vergonha desde as revelações de Mirian. Não porque esse segmento conservador ache errado o que FHC fez, mas porque o caso veio a público. Isso pode lançar suspeitas sobre todas as armações desses maus feitores, inclusive com seus candidatos nas eleições deste ano.

Certamente o público saberá de muito mais coisas. Muito mais. Quem viver verá! Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz sociais.

Dom Orvandil, OSF: bispo cabano, farrapo e republicano, presidente da Ibrapaz, bispo da Diocese Brasil Central e professor universitário, trabalhando duro sem explorar ninguém.

Leia também:

Kenarik Boujikian: O STF assumiu para si a desumanização desenfreada do sistema penitenciário 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

13 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Vilma Amaro

24/02/2016 - 11h03

Temos que exigir da Justiça que seja isenta e da Polícia Federal que não seja parcial.Tarefa para o Ministro Cardozo. Mas, alguém crê que isto vai acontecer ? Quando botarem a Dilma na rua e todos os seus ministros, assumindo um Berlusconi brasileiro- o Aécio é mais cotado- não adianta ficar chorando e dizer que erramos. Resistência ,já ¹ A luta é ideológica, acho que a Dilma sabe disso, mas fica contemporizando. Temos que exigir resposta do governo já . E das autoridades judiciárias e policiais que investiguem Aécio, o furnalão, todas as doações para todos os partidos ou parem com essa campanha anti-esquerda, anti-povo.

Responder

Urbano

23/02/2016 - 18h23

Que houvesse um harém imenso para passar em revista; problemas dele. Agora fazer a mesma coisa com o Brasil, não! De forma alguma permitiremos, nem ele nem ninguém.

Responder

Vicente

22/02/2016 - 15h55

Acorda Azenha, a notícia de hoje é a prisão do Feira…

Responder

carlos

22/02/2016 - 13h25

A Associação do Ministério Publico de São Paulo deveria ter vergonha na cara se é que uma associação tem cara, mas tem partido, deveria deixar o corporativismo de lado e orientar seus membros a trabalharem, e julgarem casos escabrosos como o da merenda escolar, e tantos outros que acontecem em São Paulo, e não questionarem decisões do CNMP, vão trabalhar seu bando de incautos.

Responder

Jadson Oliveira

22/02/2016 - 12h32

Companheiros editores Azenha/Conceição, me pergunto quando o movimento democrático, popular e de esquerda – incluindo nossos combativos blogueiros progressistas – vai se convencer de que, para enfrentar a direita com seus monopólios de comunicação, precisa lutar para construir uma forte e poderosa rede de mídia contra-hegemônica. Mando aí artigo sobre essa questão para apreciação dos senhores e dos seus leitores, abraços, Jadson Oliveira (Blog Evidentemente – http://www.blogdejadson.blogspot.com). (Enviei sugestão aos companheiros da frente Fórum 21 para debater a questão)

BLOGOSFERA PROGRESSISTA X MÍDIA HEGEMÔNICA: É PRECISO DAR UM PASSO À FRENTE

Há hoje no Brasil uma ofensiva devastadora contra valores humanistas e cristãos, uma ode permanente ao ódio, à violência e à intolerância entre pessoas que pensam e vivem distintamente. Temos que construir uma mídia contra-hegemônica e lutar por uma sociedade mais sadia e mais humana.

Por Jadson Oliveira (jornalista/blogueiro), editor deste Blog Evidentemente – reproduzido do site Dia e Noite no Ar, de 02/02/2016

A campanha suja dos monopólios da comunicação de massa é o principal respaldo à temporada de caça ao ex-presidente Lula (Foto: Internet)

De Salvador-Bahia – Diante do avanço das forças de direita e da ultradireita no Brasil (e também na América Latina), tendo como principal cabeça de ponte a mídia hegemônica – subsidiada por setores da Justiça, Ministério Público e Polícia Federal -, se fortalece a cada dia entre os companheiros da blogosfera progressista a percepção da prioridade absoluta da luta pela democratização dos meios de comunicação, em especial das concessões de rádio e TV.

Tal percepção inclusive ganhou nos últimos dias tons dramáticos ante a frenética temporada de caça deflagrada contra o ex-presidente Lula. A justificativa metida goela adentro duma população desinformada é a suposta luta contra a corrupção, a mesma fraude imposta pela imprensa para defenestrar Getúlio em 1954 e Jango em 1964.

Notam-se vozes representativas se somando ao clamor contra o cerco midiático do pensamento único. Cerco que já foi tratado pela presidenta Dilma, de forma inadequada, como “batalha da comunicação” – não há batalha, há um massacre diário, uma ofensiva demolidora contra as forças populares, democráticas, nacionais e de esquerda.

Há uma ofensiva devastadora contra valores humanistas e cristãos, uma ode permanente ao ódio, à violência e à intolerância entre pessoas que pensam e vivem distintamente.

Vozes representativas como, por exemplo, as do jornalista Mino Carta e do sociólogo Emir Sader, que recentemente sugeriram ao governo de Dilma encarar a imprensa dominante como inimigo (sugestão que, diante da fraqueza do governo, certamente cairá no vazio).

A cada dia ressoam novas vozes de jornalistas, blogueiros, acadêmicos, juristas e políticos contra os antidemocráticos e anticonstitucionais monopólios da mídia, uma luta que já vem sendo travada há muito pela militância do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e mais recentemente pelos companheiros do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé.

No recente encontro de inauguração em São Paulo do Fórum 21, uma nova e promissora frente política e cultural, o jornalista e professor Laurindo Lalo Leal Filho foi claro (ele e o professor Venício Lima são velhos batalhadores sobre o tema): “Cada vez mais, a sociedade brasileira necessita se organizar diante da poderosa organização que já existe há muito tempo e que é coordenada pela grande mídia nacional, contra os interesses nacionais e os interesses da maioria da população”.

Continua Lalo Leal: “Um órgão como o Fórum 21, com a estrutura que está se criando aqui, tem que ser muito imbricado pelo Brasil, porque é a única condição, o único caminho que temos para enfrentar esse partido monstruoso: o Partido da Mídia Brasileira, que é contra os interesses nacionais”.

O próprio Lula – no que pese não ter feito nada quando teve espaço político e institucional para fazê-lo e esbanjar habilidade para dizer um discurso para cada tipo de plateia -, reconheceu em entrevista aos blogueiros progressistas (ou “sujos”, como os viu o líder tucano José Serra) no último dia 20: “A imprensa tem lado”. E prometeu processar todo caluniador e difamador midiático, como de fato vem fazendo.

Do alto de seu rico cabedal de arauto da luta contra a pobreza e de maior líder popular do país, o ex-presidente acrescentou: “Graças a Deus a gente tem uma imprensa alternativa, que dá esperança de que a gente possa fazer um enfrentamento”.

De meros reagentes a agentes de nossa própria agenda

Agora, daqui da invisibilidade da planície, me atrevo a lançar meu grito – já rouco pela insistência e nenhuma repercussão: É PRECISO DAR UM PASSO À FRENTE (o “graças a Deus” do Lula reflete muito pouco, não nos iludamos).

É chato ser repetitivo: sem esse “passo à frente” nunca teremos condições mínimas para chegarmos a uma reforma democrática da mídia, uma reforma ao menos razoável. Nem a esta, nem a tantas outras de que carece, historicamente, o povo brasileiro – lembrem, se puderem, das “reformas de base” do defenestrado Jango.

E qual seria esse “passo à frente”? A construção duma mídia contra-hegemônica, uma expressão que sequer entrou no linguajar cotidiano da militância democrática no Brasil, embora já trivial na militância política de muitos países latino-americanos. Claro, primeiro seria necessário adquirir consciência e, em seguida, começar a luta pela construção…

Lula referiu-se a “uma imprensa alternativa” para fazer “um enfrentamento”. Não sei até que ponto isso merece alguma credibilidade para ser tomado como, por exemplo, uma proposta, pois o que temos é pouquíssimo, apesar do esforço heroico dos “guerrilheiros” da blogosfera e redes sociais.

Mas, vamos lá, é disso que se trata: é preciso construir uma forte e poderosa mídia alternativa que sirva de contraponto aos poderosos monopólios: uma rede de emissoras de rádio e TV, plataformas digitais e, se for o caso, até de jornais de papel (um tipo de mídia hoje em franca decadência), meios comunitários, populares, que podem ser também privados, estatais e/ou públicos.

Pensar grande, a médio e a longo prazo, assim: daqui a 10 ou 20 anos poderemos estar em condições de informar e formar consciências cidadãs abertas a valores apegados à solidariedade, à fraternidade e a utopias de um mundo mais saudável e mais humano.

Óbvio que outros fatores da atividade social estão também em jogo, a exemplo da educação e da cultura, mas é fundamental para se construir um mundo melhor uma mídia plural, criteriosa do ponto de vista jornalístico, comprometida com os interesses democráticos, nacionais e populares. Não só uma mídia capaz de reagir às diatribes da grande imprensa, mas capaz de ditar a sua própria agenda.

Aviso aos navegantes: não se trata aqui apenas de fazer e ganhar campanhas eleitorais – fator importante no jogo político -, mas de lutar por uma sociedade mais sadia e mais humana.

Responder

    Vilma Amaro

    24/02/2016 - 10h58

    Temos, de fato, que construir uma mídia democrática.Mas não vai dar tempo .Temos é que escancarar que a luta é ideológica. Direita, imperialismo , mídia, justiça parcial contra o Brasil e o povo brasileiro. Resistência já ! A direita está correndo célere , a Petrobras já foi para as cucuias,segundo o voto dos senadores vendilhões . Não foi á toa que os Estados Unidos nos espionaram e ainda dizem que a gente vê fantasmas no imperialismo.

Horácio féres

22/02/2016 - 11h08

achei muito bom o resumo neste caso passional, extra conjugal, de toda uma era maldita e sombria, o desvendamento de um homem sem nenhum caráter, dissimulado como se fosse algo do bem ao povo, de um homem abominável, desprezível, execrável, como exemplo mesmo, possibilitando neste contexto o desvendamento de um projeto de entrega das riquezas publicas brasileiras, tudo bem planejado numa mídia bandida, parceira dos crimes tucanos de lesa pátria/povo, que mentem, mentiram e omitem com todas as artimanhas o lado criminoso do entreguismo tucano, parabéns Dom Orvandil, o povo brasileiro agradece vozes e atitudes combatentes como a sua…obrigado…

Responder

carlos

22/02/2016 - 11h03

vejam o que escreve Por Gilson Sampaio:

Aloisio Biondi mostra em linguagem muito simples o “choque de gestão” aplicado nas estatais pra facilitar a sua entrega. Por exemplo: sucatearam a Telebras para baixar o preço e nas vésperas do leilão injetaram grana para investimento. E tem muito mais barbaridades, uma roubalheira monumental, e como diz o autor, um verdadeiro assalto a todos os brasileiros.

Coragem. Pode doer e decepcionar, mas, você nunca mais vai se deixar enganar pela tucanalhada entreguista.

I – O Brasil Privatizado: Um balanço do desmonte do Estado

II – Brasil privatizado II, O: O assalto das privatizações continua

O sonho de Serra é pesadelo pro Brasil

Responder

FrancoAtirador

22/02/2016 - 11h03

.
.
“Como sabes, a jornalista, paga com dinheiro transitado internacionalmente
de modo muito suspeito, envolvendo a empresa Globo, o BNDS,
personalidades públicas brasileiras e muita corrupção,
.
calou-se enquanto recebia polpudos e falsos salários
para se manter em silêncio a fim de não atrapalhar os negócios
através da jogatina que representou o governo desastrado de FHC.
.
Mirian Dutra vem a público agora para abrir o armário fétido de FHC
e jogar na cara da sociedade brasileira os cadáveres podres
do presidente mais desleal ao povo brasileiro
e mais desonesto com os bens desta Pátria, que o Brasil já conheceu”
.
.

Responder

FrancoAtirador

22/02/2016 - 10h47

.
.
“A Direita brasileira certamente se contorce de vergonha desde as revelações de Mirian.
.
Não porque esse segmento conservador ache errado o que FHC fez,
.
mas porque o caso veio a público.
.
Isso pode lançar suspeitas sobre todas as armações desses maus feitores”…
.
.

Responder

    Julio Silveira

    22/02/2016 - 14h29

    Me desculpe Franco, mas o que esse pessoal menos tem é vergonha. Expressões com significado parecido, como pudor, ética, etc… quando viram sentimentos passam longe dessa gente. O que fazem é apenas pensar nas consequências, quando elas advém, como agora quando uma represa arrebenta. De resto é como aquela frase celebre ” Estamos vivendo no limite da irresponsabilidade” dita por um “parceiro iluminado” do grupo, quando estes surfavam perigosamente lhes enchendo de adrenalina, demonstrando preocupação de quem ainda acreditava viver num país sério, em que seus feitos poderiam gerar consequências.

marcio ramos

22/02/2016 - 10h12

Muito bem dito. O que falta para prender o FHC? Fechar a Globo? Acabar com o partido criminoso PSDB?

Responder

Deixe uma resposta