VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Chargista do Zero Hora errou “apenas” o personagem que recebeu U$ 100 mi

18 de janeiro de 2016 às 15h13

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora online e receba na sua casa!

 

11 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mauricio Arruda

20/01/2016 - 17h54

É muita canalhice desse chargista acéfalo!

Responder

Nelson

19/01/2016 - 09h16

Tudo normal para uma mídia que já não tem um pingo de compostura, pois apodreceu já faz muito tempo.

A tira do M Aurélio apenas reflete a que nível (nulo) chegou a liberdade de imprensa e de expressão em um dos órgãos da mídia hegemônica que sempre se mostra defensor empedernido, fanático até, da… liberdade de imprensa e de expressão.

Responder

Roberto Locatelli

19/01/2016 - 08h20

O chargista “errou” o personagem ou foi cacoete ideológico de falsificar?

Responder

olivires

19/01/2016 - 01h50

parece proposital. “erra” e assim publicam duas vezes a mesma charge mentirosa.

para um público desinteressado, fica o desenho de lula negando ganhar 100 milhões, em dois dias distintos.

zero hora é do grupo rbs, afiliado à rede globo e metido na zelotes.

Responder

Patrice L

18/01/2016 - 23h45

Que republique com o personagem correto e também com a moeda correta: porque foi em US$, ou seja, muito, mas muito mais grana!

Responder

Marco André

18/01/2016 - 23h14

Curioso… Para se retratar do erro, republica o erro no pedido de desculpas.

Isso é que é divulgação!

Responder

Mauricio Gomes

18/01/2016 - 21h10

Agora o dublê de “jornalista” e decorador que insultou a honra do Chico Buarque escreve uma cartinha patética pedindo desculpas pelas merdas que disse. Espero que o Chico não faça como o Mantega e retire a ação, esse covarde está é com medo de levar um tunga da justiça pelas barbaridades que disse. Tem que ser como no verso da música do Chico: “mas vou até o fim”.

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/jornalista-que-chamou-chico-de-ladrao-e-canalha-pede-desculpa/

Responder

Sidnei Brito

18/01/2016 - 17h54

Digamos apenas que foi um erro conveniente.
Talvez foi até consciente por parte do chargista. Viu, desse modo, a possibilidade de ter seu trabalho publicado.
Se tivesse feito o certo, ou seja, a charge com FHC, a publicação seria vetada.
E ao apresentá-la, o chargista teria que escrever ao editor: “podemos redesenhar, se achar melhor”!

Responder

roberto

18/01/2016 - 17h27

O Marco Aurélio esse, é um chargista totalmente desinformado, de cada 10 de suas charges, 8 são barrigas ou chutes.
Os gaúchos já estão acostumados com suas mancadas e não dão mais a mínima importância para ele ou o próprio jornal, respirando por aparelhos,pois não vende 5% do que vendia há 15 anos e os anunciantes fugiram para a Internet, que é a mídia do presente e do futuro. A Zero Hora é passado.

Responder

Deixe uma resposta