VIOMUNDO

Antônio David: Stalinismo nos olhos dos outros é refresco

06 de março de 2016 às 14h38

Luciana Genro

por Antônio David, especial para o Viomundo

Gostemos ou não do ex-presidente Lula, gostemos ou não de seu governo, gostemos ou não do PT, só há uma tomada posição honesta e correta em face da ação midiática promovida contra Lula: defendê-lo.

Defender Lula não é defender suas ideias políticas nem seu governo. Defender Lula nesse momento e nesse caso é defendê-lo de denúncias sem provas.

Qualquer um, seja de que partido for, merece ser defendido quando for alvo de perseguição política, sobretudo quando a perseguição vem disfarçada de crimes tipificados no código penal.

O que está acontecendo é que órgãos do poder judiciário estão sendo mobilizados para, de maneira arbitrária, casuística, seletiva, à margem da lei e contra a lei, criminalizar e incriminar com fins político-eleitorais.

Em última instância, para aniquilar adversários políticos.Dito isso, é no mínimo curiosa a tomada de posição de Luciana Genro, principal figura pública do PSOL, em face da condução coercitiva de Lula ocorrida no último dia 4 de março.

Enquanto até mesmo Sérgio Moro foi obrigado a declarar que a “condução coercitiva não significa culpa de Lula”, haja vista as críticas que recebeu de inúmeros juristas, Luciana parece estar convencida da culpa do ex-presidente.

Em sua conta no facebook, a candidata à presidência da República em 2014 afirmou: “as revelações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal são graves e contundentes”.

O detalhe é que, dentre as “revelações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal” contra Lula, não há nenhuma prova que o incrimine.É sintomático, aliás, que em sua declaração Luciana não tenha feito uma só menção a nenhum crime que Lula tenha supostamente cometido.

O fato de a principal liderança do Partido dos Trabalhadores ter recebido recursos financeiros de empreiteiras é um erro político e, como tal, deve ser alvo de uma crítica política. É possível criticar politicamente Lula e defendê-lo das acusações que vem sofrendo.

Essa é, aliás, a linha que muitos vêm seguindo, inclusive no PSOL.Lamentavelmente, a principal figura pública do PSOL ignora a diferença entre um erro político e um crime tipificado no código penal.

Ignora também a diferença entre dirigir uma crítica política a Lula e aplaudir promotores públicos usando seu cargo para incriminá-lo sem provas.

Em sua declaração, Luciana faz criticas políticas a Lula, mas o faz para corroborar uma ação que visa incriminá-lo.Não ficou nisso.

Para coroar, Luciana afirma que “a delação de Delcídio, não confirmada mas também não desmentida por [Lula], se for de fato real, e ainda somada às investigações da PF e MPF, indicam o que suspeitávamos”.

Essa frase soa como uma confissão.

Luciana e outros – não sabemos exatamente quem – “suspeitavam” de algo. E esse algo de que “suspeitavam” foi confirmado pela delação de Delcídio – que a própria Luciana reconhece não saber se foi real! – e pelas investigações da PF e do MPF.

Antes de mais nada, surpreende o fato de haver tamanha convergência entre, de um lado, as suspeitas de Luciana e seus correligionários e, de outro, as ditas investigações e delação.Será que a conduta da PF e do MPF no caso em questão é de fato republicana, ou seja, neutra, impessoal e imparcial, ou será que delegados e promotores estão agindo partidariamente, acusando sem provas com fins político-eleitorais?

E será que a delação de Delcídio, se de fato existiu, é verdadeira, ou será que ele falou o que supostamente falou para tirar o foco de si – dando para a mídia e para a direita o que ela quer – e com isso salvar a própria pele?

Surpreende que Luciana não tenha feito essas perguntas.Por que não fez? Não fez porque não convinha fazer. E não convinha fazer porque a já mencionada delação e as ilações de membros do MPF vieram à calhar para Luciana e o grupo do qual ela é porta-voz.

Em uma palavra, não importa que Lula esteja sendo acusado sem provas por uma ação à margem da lei. O que importa, para Luciana, é que o show midiático contra Lula pôde ser aproveitado politicamente por ela e por seus correligionários.

O raciocínio de Luciana é simples: pouco importa se Lula está sendo acusado sem provas; sendo ele seu principal adversário político, vale é surfar nessa onda.Como todos sabemos, a ex-deputada pelo PSOL não é a única que raciocina e age de maneira oportunista.

Tanto mais oportunista quando o que está em jogo é a incriminação sem provas de uma pessoa.

Luciana poderia tranquilamente ter criticado politicamente Lula e, ao mesmo tempo, tê-lo defendido da perseguição que vem sofrendo. A vida é feita de escolhas.

Acusar sem provas, colocar a polícia no encalço, ameaçar de prisão, em suma, perseguir, incriminar e submeter o adversário a linchamento público a fim de aniquilá-lo, não é exatamente esse o método do stalinismo?

Para a trotisquista Luciana, certos stalinismos são convenientes. É como diz o ditado popular: stalinismo nos olhos dos outros é refresco.

Leia também:

Globo chama militares — e jararaca passeia no Jardim Botânico

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

25 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

marco

28/03/2016 - 06h58

Sr.Antonio David! Eu o conheço tanto,quanto o senhor,ao respeito de STALINISMO.A dita aí,sofre da SÍNDROME DO MAU HÁLITO,razão pela qual,é tão amarga,ao respeito de qualquer coisa.Quanto a STALINISMO,todas as descrições feitas aos seus ” MÉTODOS”,TODAS,eu disse TODAS,foram feitas pelos seus inimigos.Inclusive o Sr.Goebels,e o Sr.Hitler,e outros CANALHAS da história,que os ESTORALISTAS, construíram como heróis,e nunca foram,senão CANALHAS ,cujos filhotes e netotes e bizanetotes estão espalhados pelo mundo afora,pregando sempre o mesmo,o CAPITAL é o nosso DEUS,quem não gostar,que se lixe.Mas repito,somente as descrições feitas pelos seus INIMIGOS e INIMIGOS DA ECONOMIA PLANIFICADA,todos eles,me fazem suspeitar que o dito STALIN,não era tão ruim assim como querem nos fazer crer.Inda mais agora,que estamos a lutar contra o NAZIFASCISMO aqui no Brasil.Um homem inteligente e honesto,teria outros exemplos bem mais conhecidos,para usar-se como adjetivos.Como exemplo,posso lhe garantir que os detratores do sr.Stálin,afirmam que ele mandou matar 60 milhões de russos.Ora,sr,à época,viviam na RUSSIA,cerca de 70 milhões de pessoas.Se ele mandou matar 60 milhões,com os vinte milhoes que morreram,comprovadamente,na segunda regra,faltou gente,nas contas DESSA CANALHA.Ou os russos,conseguiram procriarem-se das RENAS e as renas teriam que ser extremamente PROLIFERAS.Pense um pouco nisso,sr.Antonio David.

Responder

Hell Back

11/03/2016 - 00h54

Realmente o malabarismo semântico dela não me convenceu. A argumentação dela carece de lógica. Será que depois ela se arrependeu do que disse?

Responder

Sérgio Rodrigues

08/03/2016 - 12h14

Em briga de troskos tem que ter Stalin pelo meio com as versões a gosto destes!

Responder

Patrice L

07/03/2016 - 16h26

Luciana Genro e Marina Silva têm se excedido na competição para ver quem é mais oportunista e golpista!

Responder

Teresa Nunes

07/03/2016 - 14h50

A imbecilização da política brasileira e seus cúmplices: o PT e a Dilma tinham em 2016 a oportunidade de provarem o quão ineficientes estariam diante dessa crise mundial, porque, talvez, todas as encruzilhadas escolhidas poderiam mostrar um fracasso memorável. E com certeza em 2018 nem o “Lulinha paz e amor” seria capaz de salvar do buraco negro tamanha incapacidade governista. Mas, aí, entram os incompetentes de direita, somados a uma oposição trôpega e cambaleante, fazendo desse quadro promissor o mais distante possível da realidade, coroando na figura de Luiz Inácio Lula da Silva a grande mudança capaz de recolocar o país no rumo de um crescimento inimaginável. Pois é, estão criando um mito que a HISTÓRIA está fazendo questão de eternizar, porque estes mesmos imbecis não são capazes de alcançar a dimensão da figura de um mártir midiático, e por pura carnavalização de um descompasso estratégico, arrastam para o lixo da política suas convicções, enlameadas por um poder carcomido e ultrapassado, respirando por aparelhos, tal qual doente terminal. O Brasil está parado assistindo a uma partida de poker, envergonhado com as trapaças mais grotescas. Mas cada nação tem o povo e os políticos que merece!!!!!

Responder

Otto

07/03/2016 - 10h13

Ou seja, Lula é santo e inquestionável…

Responder

Sérgio

07/03/2016 - 00h59

Ótimo momento para uma declaração desse tipo. A hora é de união das esquerdas. Hora de união de todos os democratas e progressistas, dos que amam este País.

Responder

FrancoAtirador

06/03/2016 - 23h26

.
.
Entrevista: Kenneth Serbin
.
Chefe do Departamento de História da Universidade de San Diego, Califórnia, EUA.
.
O Brasilianista Kenneth Serbin é o Pesquisador Norte-Americano
que estudou o Período do Regime Militar Autoritário no Brasil
e tratou da Relação entre a Igreja Católica e a Ditadura (1964-1985)
no livro “Diálogos da Sombra”, publicado pela Companhia das Letras.
.
Presidente da Brazilian Studies Association entre 2006 e 2008,
o Historiador Serbin conversou por telefone com o Jornalista
Andre Azevedo de Oliveira do Jornal Espanhol El País
fazendo questão de ressaltar sua visão como a de um observador externo
que não tem a pretensão de medir o calor exato das situações,
mas que é capaz de analisar e traçar correlações históricas
e internacionais com o cenário atual brasileiro.
.
El País: Como você avaliou essa última fase da Operação Lava Jato [OLJ]
e a Condução Coerciva do ex-Presidente [Lula] para depor?
.
Kenneth Serbin: O próprio Lula falou que tudo isso foi feito para ter impacto na mídia,
mas eu não sei dizer ao certo por que os Policiais e o Judiciário agiram dessa forma.
Concordo que foi estranho eles não terem chamado o ex-presidente para depor
antes de irem até a casa dele do jeito que foram.
Foi necessário levar pessoas armadas na casa dele?
Talvez não tenha sido necessário.
Mas, talvez, uma explicação para isso seja justamente passar a ideia
de que ninguém está acima da lei.
Agora, o que é estranho nessa investigação sobre o apartamento e o sítio
é que, em comparação com outras investigações, ela é minúscula.
É importante dizer que ninguém é culpado até que seja provado.
Mas, supondo que as suspeitas sejam reais, continua sendo coisa de varejo
perto, por exemplo, da conta milionária de Eduardo Cunha no exterior.
É pedalinho em comparação com contas em paraísos fiscais.
Se as coisas ficarem nessa discussão sobre apartamento e sítio,
o que vai acontecer é que o Lula vai sair ganhando politicamente.
Agora, se as notícias sobre o Delcídio do Amaral estiverem certas,
a coisa pode mudar de nível.
.
El País: Como é a Relação de ex-Presidentes [da República] com Empresas nos Estados Unidos?
.
Kenneth Serbin: Nos EUA é uma coisa normal um ex-presidente fazer palestras
e ganhar muito dinheiro com elas.
Por exemplo, Ronald Reagan ganhou muito dinheiro com poucas palestras.
Bill Clinton ainda ganha muito dinheiro e faz muitas palestras.
E quem paga por isso? Depende, mas comumente é algum Governo, Empresa ou Associação de Empresas.
Isso é uma atividade normal e, até onde sei, ninguém nunca foi questionado ou processado por isso.
Aqui há também as chamadas bibliotecas presidenciais.
Elas são espécies de museu com local de pesquisa e o público pode visitá-las.
É diferente do Instituto Lula ou Fernando Henrique Cardoso que têm uma atuação política,
mas essas bibliotecas existem e para montá-las é necessário doações.
O Clinton, por exemplo, arrecadou milhões de dólares para a dele.
Quem doa? Empresas e pessoas físicas.
.
Íntegra em:
(http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/05/politica/1457212237_536019.html)
.
.

Responder

Jorge Leite

06/03/2016 - 22h46

Juro que comecei a ler o texto pensando que era dela.
Depois, caí na real e constatei como a moça é fraquinha.
O país num momento desses e a idiota surfando…

Responder

Marcelo Teixeira

06/03/2016 - 21h21

Não sei se age assim por ambição ou por imbecilidade.
Talvez esteja unido as duas coisas e produzindo um neologismo:
Ambecil

Responder

Nelson

06/03/2016 - 20h58

É. Eles não aprendem. Em 2010, a Dona Heloísa Helena tinha uma oportunidade de, mesmo no pouco espaço televisivo de campanha que tinha, iniciar um debate aprofundado com o povo brasileiro sobre as questões estruturais a serem resolvidas para o país almejar a um futuro melhor.

Pois a Dona HH resolveu pegar o mote da corrupção e ficou o tempo inteiro batendo na tecla do mensalão, para detonar Lula e o PT. Limitou-se a questões de moralidade pública e nas de fundo, estruturais, nem tocou. Postura mesquinha, de uma esquerda que estava muito aquém daquela de que o povo necessitava.

O tempo se encarregou de dar a Dona HH o que ela merecia: o ostracismo. Quantos brasileiros ainda lembram o nome dela? Um pequeno punhado e só. Infelizmente, pelas declarações da Dona Luciana Genro, parece que o PSOL segue sendo o mesmo de 2010.

Responder

anac

06/03/2016 - 20h29

Luciana só quer surfar na onda golpista para se dar bem e não importa se a onda é stalinista, fascista ou hitlerista. Não importa para Luciana se o Brasil vai ser lançado em mais 20 anos de ditadura.

A Luciana que é se dar bem, tirar sua casquinha. O que vai ser bem difícil para uma trotskista como ela, ou seja, de uma ideologia de esquerda, que a direita quer mais é destruir por não ser confiável.

Não sei se Luciana se lembra mas no governo ditatorial de direita até os ideologicamente da direita que participaram ativamente do golpe em 1964 foram sacrificados. Carlos Lacerda foi expulso do país e morto no exílio.

Luciana tua hora chegará, não espere por esperar, se o golpe contra a democracia vingar. Luciana é a esquerda dos sonhos da direita. A esquerda folclórica que nunca vai ameaçar o poder da direita.

Responder

    José Carlos Vieira Filho

    07/03/2016 - 08h50

    Vocês se lembram da fotografia da figurinha comemorando a derrubada da CPMF no congresso? Essa dona Genro parece ser feita do mesmo material.

Lukas

06/03/2016 - 20h10

O PT só admite dar ordens. Esquerdista bom é o que diz “sim, senhor” para o PT, ou melhor, pro Lula.

Aprendam de uma vez.

Responder

    anac

    06/03/2016 - 20h39

    Coxinha, esquerdista bom para a direita é o que na ditadura só unia na prisão, para conversar abobrinha.O que nunca ameaça o poder da direita. A esquerdista folclórica, como luciana, balzaquiana boazinha, para a direita, que não ameaça seu poder.

    Luciana a esquerdista que não tem nenhum apreço pela democracia, pelos direitos e garantia individuais. Não tem nenhum apreço pela presunção da inocência, pelo direito a ampla defesa e ao contraditório, pelo ônus da prova é de quem acusa, etc.

    Carlos

    07/03/2016 - 06h59

    Acorda coxinha e vai ler a veja e ver a globo

José Carlos Vieira Filho

06/03/2016 - 19h36

Já ouviram falar de revoluções coloridas financiadas pelos milionários que mandam em Washington (p.ex. George Soros)?
Parece que Luciana Genro está surfando nessa onda, e a onda é forrada de grana.

Responder

Mauricio Gomes

06/03/2016 - 18h42

Essa é a esquerda que a direita adora. Os caras prestes a implantar uma ditadura judicial e essa idiota apegada a rancores por ter saído do PT. Foi a mesma coisa com o Getúlio, quando parte da esquerda recusou-se a entender o momento e lavou as mãos. Será que não conseguem enxergar além de ambições partidárias? Acham mesmo que, caso haja a consumação de uma ditadura judicial-policial tirarão proveito disso? Serão varridos em menos de um segundo, são ingênuos, oportunistas ou burros (ou talvez uma combinação dos três).

Responder

    anac

    06/03/2016 - 20h42

    A onda da luciana é frequentar o apartamento de 450 m2 com adega de vinhos caríssimos de fhc no bairro nobre e caro de higienópolis sum paulo.

JoãoP

06/03/2016 - 16h39

Não tem estofo para entender a gravidade do momento.

Responder

Urbano

06/03/2016 - 16h10

Esperar-se o quê de bandidos fascistas?

Responder

Ninguém

06/03/2016 - 15h42

Luciana Genro nada mais é do que uma arrivista ressentida. Dia sim, outro também, só comprova que o PSOL é a esquerda que a direita adora.

Responder

    anac

    06/03/2016 - 20h48

    É a esquerdista dos sonhos da direita, uma esquerdista folclórica, que acabara como Heloísa Helena, a candidata a presidente que acabou no ostracismo como vereadora na cidade de Maceió em Alagoas, Luciana acabará nos ostracismo como vereadora em Porto Alegre no RG do Sul.

Deixe uma resposta