VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Al Jazeera: Submarinos do Brasil visam proteger o pré-sal

24 de julho de 2011 às 14h00

Brasil:
Submarinos nucleares para defender a paz e o petróleo do pré-sal

23/7/2011, Fabiana Frayssinet, Al-Jazeera

Tradução do coletivo da Vila Vudu

Planos para construir submarinos nucleares que vêm sendo adiados desde os anos 1970s começam a sair do papel, agora que submarinos movidos a energia nuclear são considerados necessidade estratégica para proteger as reservas brasileiras de petróleo em águas profundas.

A presidenta Dilma Rousseff fez o corte simbólico da “primeira placa” de aço, dia 16 de julho, marcando o início das operações no estaleiro onde o primeiro submarino será construído.

“É momento muito especial”, disse a presidenta no discurso de lançamento do programa de desenvolvimento de submarinos da Marinha do Brasil (ProSub), que, de início, construirá quatro submarinos convencionais S-BR usando tecnologia francesa.

“O Brasil dá mais um passo na direção de afirmar seu status de país desenvolvido com indústria sofisticada, capaz de absorver, controlar e utiliizar tecnologias sofisticadas.”

O ProSub começou em dezembro de 2008, de um acordo entre o presidente francês Nicolas Sarkozy e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva do Brasil.

Nos termos daquele acordo, a França transferirá know-how tecnológico para as indústrias brasileiras envolvidas em desenvolver e construir submarinos.

Além disso, o trabalho começou na construção de um estaleiro, uma base naval e uma fábrica de estruturas metálicas e, de acordo com a Marinha, mais de 30 companhias brasileiras deverão começar a produzir os mais de 36 mil componentes necessários.

O Brasil formou uma empresa – Itaguaí Construçoes Navais (Itaguaí Naval Construction) – uma parceria entre a estatal francesa DCNS (ex- Direction des Constructions Navales et Services), a gigante da construção Odebrecht e a Marinha do Brasil, que tem direitos de veto.

O projeto é parte de um projeto mais ambicioso. Segundo o ministro da defesa, é “o primeiro passo em direção de construir um submarino movido a energia nuclear (SN-BR)”, que deverá ser entregue em 2023.

O Brasil já controla a tecnologia de enriquecimento de urânio necessária para produzir combustível nuclear, e espera usá-lo nesse submarino.

É tecnologia altamente sensível, atualmente só acessível para conjunto muito seleto de países: China, França, Rússia, Reino Unido e EUA.

Na opinião do cientista político Mauricio Santoro, da FGV-RJ, esse é o projeto mais importante e simbólico da Marinha do Brasil em várias décadas.

Paises desenvolvidos como os Estados Unidos consideram a propulsão nuclear essencial para suas frotas de guerra, Santoro afirmou. Assim, controlar essa tecnologia é “essencial” para a Marinha brasileira criar um “protótipo de produção” que pode ser usado subsequentemente em outros navios, como em porta-aviões.

A Marinha brasileira descreve os submarinos nucleares como “uma das naves mais complexas” já inventadas, por causa de suas vantagens táticas e estratégicas sobre os submarinos movidos a diesel-eletricidade, como maior autonomia de mergulho e velocidade, o que permite a eles patrulhas mais longas em áreas maiores de oceano.

Recursos de defesa, não de ataque

Como Santoro lembra, o Brasil tem razões históricas para insistir nesse projeto. O país foi arrastado para a II Guerra Mundial porque submarinos alemães atacaram um navio mercando brasileiro no Atlântico Sul, em momento em que o Brasil não tinha meios para defender o próprio território.

Além disso, como oficiais da Marinha do Brasil sempre lembram, a guerra de 1982 entre a Grã-Bretanha e a Argentina teria tido resultado diferente se a Argentina tivesse frota naval capaz de defender seu território.

“Do ponto de vista estratégico, os submarinos nucleares são provavelmente o meio mais efetivo de armamento de defesa” – disse Santoro.

O governo do Brasil tem destacado, em várias oportnidades, o interesse em construir arsenal de defesa, não de ataque.

“O principal objetivo do projeto é modernizar a Marinha e dar-lhe meios para dominar a tecnologia de produção de submarinos  movidos a energia nuclear, em contexto de defesa, não como arma de ataque. Nosso país está hoje comprometido com o princípio da paz” – disse a presidenta Rousseff.

William Gonçalves, especialista em Relações Internacionais da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, disse que essa fala da presidenta é importante, porque comprova que “o Brasil não tem qualquer intenção agressiva ou expansionista”, sobretudo em relação aos nossos vizinhos latino-americanos.

A mensagem é dirigida aos vizinhos latino-americanos, para que “entendam que o Brasil tem necessidades estratégicas específicas, mas não alimentará qualquer tipo de corrida armamentista, nem está interessado em converter-se em potência militar” – disse Gonçalves.

Para Gonçalves, a construção de um submarino nuclear é plenamente justificada, porque “as necessidades estratégicas do país mudaram”.

País de 190 milhões de habiantes tem o dever de proteger suas áreas nacionais de interesse econômico, também no mar, sobretudo agora, depois que se descobriram as imensas reservas de petróleo em águas profundas, em região submarina do pré-sal, com as quais poderá suprir as necessidades internas, com excedente exportável.

A presidenta Rousseff disse que “É perfeitamente justo que nossa Marinha tenha meios adequados para proteger as riquezas e a soberania desse país”.

Gonçalves lembrou também que o Brasil “tem hoje responsabilidades internacionais que jamais teve antes”, nas questões políticas, de energia, de comércio e de preservação do meio ambiente. “O Brasil não é nem aspira a ser potência militar, mas é interlocutor internacional cada dia mais infuente” – destacou.

Santoro disse que há também outros motivos estratégicos para esse projeto de construir submarinos nucleares, como a necessidade de proteger o trânsito de mais de 95% dos produtos comercializados pelo Brasil, para todo o mundo, que são transportados por mar.

O projeto dos submarinos nucleares evidencia “a importância que o Brasil dá a sua agenda de defesa”, e para ampliar suas capacidades tecnológicas.

O analista também mencionou a aspiração do Brasil a um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Em sua opinião, o país precisaria “de forças armadas melhor equipadas para exercer aquele papel”.

Como Gonçalves, Santoro acredita que o papel defensivo do Projeto ProSub está sendo enfatizado “para reafirmar a ideia do Brasil como país de tradição pacífica, que nunca investiu em objetivos expansionistas e não precisa nem ampliar seu território nem ocupar outros países e que não apóia nenhum tipo de corrida armamentista imperialista”.

 

118 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

wantemberg

18/01/2013 - 02h00

Espero que o governante Brasileiro a prece à construção do submarino nuclear, antes que seja tarde demais para o Brasil! Estamos chegando perto do ano de 2019. Existe uma forte tendência de uma nova crise mundial, que pode acontecer. Em relação aos países do Oriente Médio. Podendo o Irã e Israel ser criadores de um conflito grave. Que pode se alastrar por toda Europa, oriente médio e Ásia. Alguns países tomaram partido de Israel, e outros tomarão partido do Irã. Só deus sabe a onde isso vai terminar! Quando não houver mais lugares desconta minado pra se viver, todos aqueles que sobraram desse conflito, virão dividir as terras do mundo novo na marra!

Responder

SILOÉ -RJ

26/07/2011 - 22h18

O gato comeu.

Responder

Roberto Locatelli

26/07/2011 - 21h03

Sobre a questão dos vizinhos desconfiarem no Brasil, vale a resposta que a Secretária-geral da Unasul, a colombiana Mara Emma Mejia, deu na entrevista à Folha:

Folha – Não há desconfiança sobre os planos de modernização militar do Brasil?

Mara Emma Melia – Não vejo isso. Não sei porque você fala tanto de desconfiança, porque é o contrário. Há confiança, confiança, confiança. Em todos os setores, da política à defesa. Há a intenção de ser transparente, o que para mim é altamente positivo, pois é dessa forma que podemos crescer como região.

Responder

Fabio_Passos

25/07/2011 - 19h55

Ótima notícia.

O Brasil precisa muito fortalecer suas defesas.
As Forças Armadas foram arrasadas durante o desgoverno neoliberal de fhc – joaquim silvério dos reis! – e precisamos garantir nossa soberania.

Nossas riquezas são fabulosas… e os ianques larápios sanguinários.

Responder

    EUNAOSABIA

    25/07/2011 - 21h07

    Totalmente despreparado…. bla bla bla panfletário meia boca que nada soma…. outro inútil chamado ao debate.

    Gersier

    26/07/2011 - 08h31

    Melhor ser um despreparado consciente do que ser um "preparado" intelectualmente pelo PIG.Que o digam vc e seus "herois".Não fique acreditando que irei rebater suas imbecilidades.

    Almerindo

    26/07/2011 - 10h35

    Olha o TROLL DE NOVO AÍ, geeeennnnte!!! Toma rumo!!!

    Mariano

    26/07/2011 - 12h11

    Dali só sai isso, prezado, só lugares-comuns.

    Gersier

    25/07/2011 - 21h16

    Poucos se lembram e o PIG que fez questão de ressuscitar a lojinha da Dilma e sua ficha no porão da ditadura,mantem silêncio sobre o desaparelhamento das Forças Armadas no embrólio da compra dos caças.Pouco se lembram que os recrutas eram dispensados mais cêdo porque não tinha grana para alimenta-los.Poucos se lembram que o fgagac propôs inclusive diminuir o contigente com a desculpa esfarrapada de que "Estados Unidos e União Sovietica tinha se entendido." E tem gente que não acredita que DEUS seja brasileiro.Deixou essa turma de "intelectuais" governar(?) o Brasil para depois colocar um "anarfa" e mostrar que competência administrativa não se adquire só com diploma de terceiro grau e títulos.

    Fabio_Passos

    25/07/2011 - 23h04

    fhc está marcado para sempre como o maior entreguista da história do Brasil.
    O que este capacho ianque fez com as Forças Armadas é inacreditável.

    Klaus

    26/07/2011 - 18h48

    Caro FAbio Passos, acho que vc não existe de verdade. Vc foi criado como um personagem da novela do SBT e saltou da telinha. Só pode! Ah, já ia esquecendo: ianques go home!!!!

    Marcos Jansen

    28/07/2011 - 12h25

    Você ofendeu ao Joaquim Silvério dos Reis quando igualou-o ao FTHC, aquele que, quando fumou não tragou, e que, agora, traga sem acender. Assim sendo, penso que esse príncipe das vaidades obnubiladas vai esquecer tudo o que disse, escreveu ou falou… kkkkkk

Fernando

25/07/2011 - 18h47

o Brasil tem que possuir um arsenal nuclear umas 6 mil ogivas acopladas em mísseis balísticso intercontinentais!!! só assim sua soberania estará segura, só assim amazônia, Aqüífero Guarani e pré-sal continuaram a pertencer ao povo brasileiro!!!

Responder

    Heitor

    25/07/2011 - 22h35

    Que bom seria se pertencessem ao povo.

Nildo

25/07/2011 - 16h25

Quem dispõe de reservas minerais,hídricas e petrolíferas invejáveis,não pode se permitir em defender-se apenas com umas bazucas vencidas e alguns tanques ultrapassados.

Responder

milton

25/07/2011 - 15h56

A Al Jazeera não viria para o Brasil? Quando vai acontecer? É verdade ou mentira que teremos Al Jazeera aqui?

Responder

leandro

25/07/2011 - 13h04

Nada contra, acho que o Brasil deve mesmo investir em segurança, mas, não temos um único satélite. Estamos nas mãos da Star One do dono da Claro,Carlos Slim. De que adianta termos armas se não temos a propriedade sobre as comunicações? A China tem 60 satélites proprios e a India 6. E nós?
"Na prática, o Brasil é um simples locador de um retransmissor espacial que tem como função principal gerar lucros para o seu dono. Em uma situação de conflito, seja ele militar ou econômico, em última instância o locador tem o poder de simplesmente cortar o sinal do satélite, fazendo com que todo o moderno aparato militar que o País pretende adquirir se torne completamente inútil."
"A dependência a satélites estrangeiros não é um problema restrito à área militar. O governo também depende da boa vontade alheia, ao custo de vários milhões de dólares, para obter dados meteorológicos vitais para a prevenção de desastres naturais como enchentes, furacões e tempestades tropicais. Ficam ameaçadas também a transmissão de dados bancários e as comunicações sobre tráfego aéreo, que em poucos anos terá de ser feito via satélite, conforme determina o padrão internacional."

Responder

EUNAOSABIA

25/07/2011 - 12h53

Azenha, postei algumas respostas ainda pela madrugada, por favor veja se estão por aí ou se perderam….abs. se for o caso respondo de novo.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    25/07/2011 - 17h54

    Comunico o desaparecimento de dezenas de comentários nas últimas horas. Desculpem nossa falha. abs

EUNAOSABIA

25/07/2011 - 12h49

Serei obrigado a trazer um pouco de luz à área de comentários do Blog.

Tenho uma forte impressão de que esse interesse do Brasil na produção de um submarino nuclear nada tem a ver com o submarino em si.

Trata-se na verdade do seguinte, há no Brasil uma corrente de políticos e outros pensadores de esquerda e direita, que não se conformam com o fato do Brasil abrir mão do uso da energia nuclear para fins militares, ocorre que a própria CF já prevê que o Brasil abre mão do uso da energia nuclear para esses fins, esse é um ponto.

O outro é que o Brasil é signatário do TNP (não proliferação), e se compromete a permitir que inspetores internacionais tenham acesso as suas instalações nucleares.

E onde entra o submarino nuclear nisso??? entra no fato de que o TNP não abrange a inspeção de instalações nucleares para fins militares – se isso fosse possível, os Russos poderiam passar um final de semana no Quartel General do NORAD, no Complexo da Montanha Cheyenne – daí que a Marinha e seus cientistas ao começarem a desenvolver esse aparelho, poderão negar inspeção internacional alegando justamente o TNP, ou seja, vão dizer.."aqui não, essas pesquisas são para uso no submarino nuclear, fins militares portanto… "" ou seja, o TNP não alcança…

Acorda moçada… o Brasil não precisa desse submarino, pelo menos para essa função não, o que o Brasil quer é pesquisar energia nuclear e ficar livre das inspeções.

Responder

    SILOÉ -RJ

    25/07/2011 - 23h27

    Falou e disse, Farol de ALEXANDRIA!!!
    Tô vendo que seguiu o meu conselho e pesquisou bem.
    A gente vai acreditar que "vocêjásabia"e só perguntou por perguntar.
    Viu como o debate ficou mais elevado??? É isso aí, devagarinho a gente aprende!!!

Marco Túlio

25/07/2011 - 11h51

Preparem-se para a sabotagem.
Lembrai-vos do "acidente" de 22 de agosto de 2003, na Base de Alcântara.

Responder

    Wellington

    25/07/2011 - 17h55

    É uma possibilidade.

    Almerindo

    26/07/2011 - 10h40

    Marco Túlio, preocupante MESMO. FIQUEMOS ESPERTOS…

Julio Silveira

25/07/2011 - 11h16

A questão, hoje, deve ser entendida como de interesse interno. Nossos vizinhos duvidarem, ou não, a meu ver, pouco importa. Importante para eles é a nossa tradição pacifica, muito bem firmada (as vezes acho que até um pouco exagerada). Na verdade em muitos momentos poderão, até os próprios, se beneficiarem dessa nova estrutura com parecerias que vez por outra acontencem na compo militar.
Não nos esqueçamos que fazemos parte de uma nova america latina, que segue lenta, mais inexoravelmente, os moldes da União Europeia com acordos que farão a integração mais próxima e real.

Responder

Alexandre Felix

25/07/2011 - 11h05

Pode parecer ingenuidade minha…mas eu prefiro escolas a submarinos…abraço!

Responder

    Antenor L. Moreira

    25/07/2011 - 15h10

    Vamos ter escolas e vamos ter submarinos. Um projeto não inviabiliza outro.

miguelgrazziotin

25/07/2011 - 10h58

NORUEGA, ATENTADO E ISRAEL:SÓ COINCIDÊNCIAS?
http://miguelgrazziotinonline.blogspot.com/2011/0

Responder

    Klaus

    25/07/2011 - 12h06

    E aí Miguel, e o Che Guevara, é um assassino também ou só um soldado da causa? Acho que ele matou mais que o norueguês, não? Mas aí foi pelo bem da humanidade, tá desculpado, né? Tira sua camiseta com a foto dele do armário e desfile-a com orgulho pela cidade, ok?

    francisco.latorre

    05/08/2011 - 09h34

    campeão.

    realmente não há limites pra estupidez humana. humana?..

    ..

Klauss

25/07/2011 - 10h49

Qual é o problema de o Brasil ser uma potência militar? Por que não? Os outros países grandes podem ser e nós não? Abaixo o complexo vira-lata!

Responder

    Alexandre Felix

    25/07/2011 - 11h27

    Acredito que a maioria dos brasileiros não se sente como um cachorro, muito menos vira-latas…

    Gersier

    26/07/2011 - 08h36

    São minoria,mas infelizmente existem.Observe que diariamente temos a prova aqui neses blog.

    Rafael

    25/07/2011 - 13h10

    Para quê?

EUNAOSABIA

25/07/2011 - 07h54

O Azenha lançou um sub título totalmente pertinente e chamando ao debate, mas parece que ninguém entendeu bem.

Mas é claro que nossos vizinhos não vão engolir essa, por vários motivos.

Fiz uma pergunta abaixo pra ver se alguém sacava e nada, duas respostas falando da tecnologia em si, equivocadas em minha opinião, mas respeitosas, outros completamente fora da realidade, totalmente desinformados sobre o tema……

Volto a repetir, se for só para proteger nossa costa, já existem submarinos altamente silenciosos, mais baratos, com tecnologia mais acessível e que podem ficar por longo tempo submersos, só para pratrulhar nosso litoral esses bastam.

Submarinos a diesel são mais silenciosos que os nucleares, as marinhas de países desenvolvidos temem esses aparelhos justamente por isso.

Submarino nuclear é concebido para patrulhar o planeta, suas missões são de longuíssima duração, não é este o caso de uso pelo Brasil.

Volto a repetir, o objetivo do Brasil nesse caso é outro, vamos ver se aparece alguém que tenha sacado essa.

Responder

    Robin

    25/07/2011 - 11h19

    O caso é que a pergunta do Azenha não cabe no contexto da matéria. Só isso.

    augusto

    25/07/2011 - 11h29

    O nosso planeta, sr bizú de NÃO-sabença, tem 8000 km de AZUL e 4 milhoes de km de VERDE.

    Edson

    25/07/2011 - 12h26

    Sim, submarinos a diesel são mais silenciosos, pois os nucleares nunca podem desligar completamente, a bomba usada para refrigerar o nucleo do reator não pode ser desligada, e esse ruído pode ser captado por outros navios ou submarinos. Mas nós já temos submarinos a diesel e vamos construir mais, então não tem problema nesse ponto. E os submarinos novos vão ser contruídos ao mesmo tempo, não um de cada vez.
    Submarino nuclear é bom para assustar, é como a placa no portão dizendo que tem cão feroz na casa, já assusta a maioria dos assaltantes. O submarino nuclear é bem rápido e pode perseguir um alvo por muito tempo, coisa que um a diesel não faz.
    Para tornar um submarino nuclear ainda mais perigoso, o Brasil teria que rasgar os tratados internacionais que assinou se comprometendo a não possuir armas nucleares.

Eugênio

25/07/2011 - 03h43

Azenha, o subtítulo "Os vizinhos vão acreditar?" está completamente fora de contexto. Não aparece em nenhum momento do texto qualquer menção ou questionamento a esse respeito. Se esta é opinião ou um questionamento do Blog, que seja feito no rodapé e mencionando o Portal VI O MUNDO como autor, como acontece nos demais posts. E lógico ser menos arrogante faz bem a qualquer um.

Observe que um único SUB levará cinco anos para ser produzido e, daí é que virão os teste em mar para depois ser homologado, ou seja, se o prazo de cinco anos para a construção correr tudo bem, um ÚNICO SUB levará de seis a sete anos para entrar na ativa. E isso, o SUB Convencional… NÃO temos tempo para isso. O que deveria acontecer era comprar ao menos uns seis usados, no mercado tem muitos em excelente estado. Tem muita nação por aí quebrada se desfazendo de suas armadas, a Austrália e a Holanda são bons exemplos disso, sem contar Portugal e a Espanha. E os piratas ingleses já não tem como manter os futuros Destroyer Type 45, excelentes opções de compra imediata, cadê os Royalties da Marinha?? Foram para o Rio de Janeiro?? Como o Rio de Janeiro quer receber Royalties sem proteger seus mares?? Então o Rio de Janeiro que banque a proteção de "seus" mares não é?? Nestas horas a gente sabe de quem pertence o Pré-Sal, da UNIÃO e não, do segregador Rio de Janeiro!!!! E o Rio de Janeiro (fevereiro e março) usa recursos da UNIÃO para prospectar o petróleo não é?? Ou é o Rio de Janeiro é quem banca as plataforma e todos os estudos da Petrobrás??? Faz-me rir!!!
"O primeiro submarino com propulsão nuclear ficará pronto em 2023", é uma PIADA, nós precisamos deste submarino de propulsão nuclear pra amanhã!!! E, um só é a mesma coisa que nada, pois tem que ter outro para uso imediato quando o ativo voltar para manutenção, portanto, dois só não BASTAM. Como se protege 8.000 quilômetros de costa com um só SUB nuclear, alguém ainda acha que os convencionais podem ajudar tanto assim??? E quem vai adorar este Sub Nuclear brasileiro são as Malvinas da Cristina!!!
Cadê os Royalties do Pré-Sal da MARINHA do BRASIL e das Forças Armadas?? Para que possam protejer nossos mares e nossa Amazônia?? Isso ninguém fala, todos silenciam. Dilminha Paz & Love tem que entender que para ter uma população com o bucho cheio é preciso money para suas obras e projetos sociais, sem proteger de onde virá o money complica.
Sem dissuasão imediata e urgente fica muito difícil dissuadir piratas, a Líbia é o maior exemplo disso. Esse negócio de fabricar no BraZil com Repasse de Tecnologia é tudo o que os ianques e a OTAN querem, ATRASAR nossa Defesa de Dissuasão. As Malvinas, Curacao e a Guiana são tão pertinhos…
É de suma importância o Repasse Tecnológico, mas, para quem tem tempo hábil e, nossas Forças Armadas estão desatualizadas a mais de 20 anos. Lula ainda quebrou o galho, mas, precisamos URGENTE de DISSUASÃO de PRATELEIRA. Pergunto de novo: Cadê os Royalties do Pré-Sal das Forças Armadas???
Fabricar aqui leva tempo demais por causa do RT exigido atualmente pelos imbecis entreguistas que querem construir aqui com a mentira de criar emprego, como se mão-de-obra para Alta Tecnologia Militar fosse fácil de encontrar em nossas terras. Só é EXCELENTE para os EMPREITEIROS que contratam fora do BraZil esta mão-de-obra qualificada e especializada.
O exemplo da bobeira do beduíno está aí pra o mundo ver. Se ele estivesse armado, os passarinhos da OTAN PIRATA não estavam sobrevoando seu céu e matando civis inocentes.
Poxa, a Rússia vende de segunda mão qualquer brinquedo pra gente. Ora, deixaram de ameaçar o Irã porque??? Ora, Ahmad Vahidi vai mandar macaco pro espaço quanto mais… Inovação Tecnológica no páis Persa é gerado no ventre da mãe iraniana, não se aprende mais no ensino fundamental. Lá, as criancinhas iranianas já fazem doutorado em nanotecnologia.
E o Chile já tem Sub Nuclear e, o Brasil, pela sua extensão e riquezas naturais é o menos armado e o mais desatualizado, sem contar que a Amazônia vale 1000 vezes o Pré-Sal. Certo está é o Chávez armado até os dentes e defendendo o ORINOCO.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    25/07/2011 - 08h50

    Se a pergunta incomodou tanta gente, é porque acertei. abs e bom debate.

    Klaus

    25/07/2011 - 10h31

    Tá, mas se o Klaus e o Eunaosabia concordaram com você, você deve ter errado.

    Luiz Carlos Azenha

    25/07/2011 - 17h56

    Nossa, não esperava ferir tantas suscetibilidades por causa de uma pergunta em um subtítulo…

    diogojfaraujo

    27/07/2011 - 11h13

    A galera vive no mundo da fantasia… É a única explicação…

    Rios

    25/07/2011 - 11h19

    A pergunta é perfeita. A sua posição/comentário é que é se admirar. Ninguém questionou a pergunta, mas ainda considero que você a colocou como se fosse da matéria. E NÃO É. Esse é um quertionamento do VIOMUNDO e não de Fabiana Frayssinet, do Al-Jazeera. Você acaba por fazer o que tanto critica na Folha e no O Globo.

    Lucas

    25/07/2011 - 12h43

    O Azenha sempre adiciona questionamentos do Viomundo a matérias que ele publica. Afinal, o site é dele e ele tem o direito de questionar o que ele quiser.

    augusto

    25/07/2011 - 11h27

    "sentimos muito, srs. vizinhos, mas daquei a 15 -20 anos, com o preço do oleo na estratosfera, e a produçao mundial caindo, na hora em que vierem buscar, inclusive via cooptaçao de politicos tupiniquins a amazonia azul e ainda internacionalizar a verde, nao serão voces, prezados vizinhos, quem vai dissudi-los via negociaçoes, apaziguamento ou apelos."

    Bonifa

    26/07/2011 - 17h50

    Alguns estão reagindo como se os vizinhos fossem braços do imperialismo a nos ameaçarem. É claro que o Brasil bem equipado para defesa também será fator de segurança e alívio para todo o continente. Mas há também razão, e muita, no comentário do Eugênio. O Brasil precisa escapar o quanto antes desta armadilha diversionista de "transferência tecnológica" e armar-se muito bem com o que possa comprar agora. Uma coisa não invalida a outra. Depois de bons caças e navios, depois de bom treinamento humano que isso trará, virá a transferência tecnológica mais rápido ainda. Só quem é da blogosfera sabe que o mundo, de vez em quando, parece mergulhar de cabeça em uma explosão generalizada de pirataria. E deveremos estar preparados.

    Maria 1

    25/07/2011 - 11h56

    A pergunta, pelo que entendi, não "incomodou tanta gente". Apenas, como bem comentou o Robin, não cabia no contexto da matéria, pois deveria, como disse o Rios, constar de um PS do VIOMUNDO (acertei?). A estranheza foi com sua reação ao erro (de digitação, provavelmente) no nome do site, algo totalmente irrelevante.

    ZePovinho

    25/07/2011 - 11h11

    O Eugênio coloca grandes questões.Tomara que o debate continue e mais especialistas da área militar apareçam por aqui.
    O Seu Carmem entende da área,mas prefere nos insultar a conversar conosco civilizadamente.

    Roberto

    25/07/2011 - 19h01

    Discordo totalmente.
    Desenvolver a tecnologia ao maximo aqui no país é crucial mesmo que demore.
    Compra de prateleira é balela de quem não pensa no país seriamente,.

    Bonifa

    26/07/2011 - 17h54

    Uma coisa não invalida a outra, a não ser nas contas da UDN, que denunciou ao governo americano (conforme jornais da época) a tentativa de JK de comprar na Europa um reator nuclear. Com isso, melou nosso progresso atômico por décadas.

Mateus

24/07/2011 - 22h11

Acho que, não só os nossos vizinhos vão acreditar como também vão apoiar os submarinos nucleares do Brasil. O nosso objetivo não é crescer sozinho, mas sim crescermos junto com nossos vizinhos. E isso esta acontecendo. Com dificuldade, mas esta acontecendo.

Responder

    Klaus

    25/07/2011 - 08h35

    Claro, claro, tudo que nossos vizinhos querem é um Brasil poderoso e com supremacia militar. Ajudará muito a defender os interesses de Argentina, Venezuela e cia ltda. O mundo é lindo, passarinhos e abelhinhas voam pelo jardim, o sol brilhará para todos e daremos as mãos como verdadeiros irmãos, e juntos seremos um só povo! Priiiiiiiiiiiiiiiimmmmmmmmmmmmmmmmm, acorda pra vida!!!!!! O mundo é como é não como vc quer!

    Sergio F Castro

    25/07/2011 - 18h00

    E você é um ingenuo, se não coisa pior….

    SILOÉ -RJ

    26/07/2011 - 00h12

    Tempos atrás sugeri que desse uma volta pelo seu bairro, agora sugiro que pesquise o MERCOSUL.
    Aí, você verá que em breve, tudo isso e muito mais será possível.
    Não seremos um só povo, mas seremos um bloco unido e sem os erros da comunidade Europeia, com moeda própria também, e com petróleo do Brasil e da Venezuela jorrando como nunca.
    ACORDA PRÁ VIDA!!!! O MUNDO AGORA É COMO A (GENTE) QUER !!!

    Mateus

    05/08/2011 - 22h37

    Não podia deixar de completar meu comentário anterior depois de saber que o novo ministro da defesa é Celso Amorin. Grande Amorin. Com ele nessa nova empreitada, a construção dos submarinos como propulsão a base de energia nuclear, concertesa vai ganhar apoio dos outros países membros da America Latina.

yacov

24/07/2011 - 22h09

E uma tal de "força tarefa", formada por intelectuais e autoridades americanas e outros, faz elogios ao Basil e sugere o apoio dos EUA ás pretensões do Brasil a uma cadeira no CS-ONU. Quem diria, hein??? É o que diz o artigo do Celso Amorim, na CC. Estariam os EUA "costeando o alambrado" do Brasil???? Com que intenções??? Muita calma nessa hora… Estamos vendo coisas jamais vistas ou imaginadas… Eu não duvido de mais nada… Só sei que o ser humano precisa encontrar um equilíbrio mais fino entre suas pulsões de vida e de morte… Explodir o mundo, certamente não é a resposta. VIVA O BRASIL!!

"O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na glOBo é um braZIL para TOLOS"

Responder

Lucas

24/07/2011 - 21h57

Só gostaria que o governo gastasse pelo menos metade do tempo e dinheiro que gasta com novos brinquedinhos pros militares fazendo uma banda larga boa e barata para todos. É sempre assim, para a guerra, o Estado gasta tanto quanto for necessário, mas para a paz, diz que não tem dinheiro o suficiente, e diz que isso é responsabilidade da iniciativa privada.

Responder

Ronaldo Luiz

24/07/2011 - 21h00

O Brasil precisa se preparar. Hoje só somos cobiçados pelo minério extraido em regiões distantes do litoral, com o pré-sal, nos igualaremos ao Kwait, Iraque e Libia, que tem suas reservas, relativamente próximas do mar. E para algum país que precisa muito de petróleo, porque não arrumar alguma encrenca por aqui?

Responder

Pedro Luiz Paredes

24/07/2011 - 20h36

Saber que o inimigo não tem poder de ataque o coloca em posição privilegiada.
Abrir mão de armas suficientemente intimidadoras é ser submisso desde então.

Responder

SILOÉ -RJ

24/07/2011 - 20h35

TEM MUITO MAIS GENTE AINDA QUERENDO QUE ESSE PROJETO DO PRÉ-SAL NÃO DÊ CERTO, DO QUE SE POSSA IMAGINAR.
Não podemos nos esquecer da "P36" a maior plataforma de petróleo do mundo que explodiu e afundou numa tentativa de explodir e afundar com a desvalorização e a desmoralização também a PETROBRAS e a SOBERANIA NACIONAL juntas, SÓ para INFLUENCIAR NEGATIVAMENTE A OPINIÃO PÚBLICA e facilitar com isso a PRIVATIZAÇÃO. colocando dessa forma, sem nenhum constrangimento, UM POÇO DE PETRÓLEO NO BOLSO e que se DANASSE O BRASIL E OS BRASILEIROS.
Daí, toda tecnologia é válida e ainda é pouco, para essa PROTEÇÃO.

Responder

Eduardo Raio X

24/07/2011 - 20h16

Meus queridos amigos desse e tantos blogs sujos a melhor e mais poderosa arma de um povo é seu alto grau de conscientização e esclarecimento social e político. Ele não será manipulado, manobrado ou feito de pau mandado nem por beltrano, ciclano ou desclassificado que surgir . E estamos longe ainda para alcançar essa liberdade de triunfos e vitórias. O Brasil como nossa pátria mãe tem que ter sua defesa, proteção e segurança e ela começa pelo Amor de sermos brasileiros!

Responder

    augusto

    25/07/2011 - 08h41

    Sim.
    Tudo isso e mais uns cinco subs nucleares e uma duzia e meia de bombinhas, de tecnologia atualizada de forma permanente, mediante um percentual fixo (mas flexivel para cima) do orçamento. Tal como tem o Chile, por exemplo. (pergunte se o Peru acredita)

OzeiasLaurentino

24/07/2011 - 19h51

Temos que ter todas as armas de defesas possíveis, samos uma grande nação e não podemos ter medo das nossas responsabilidades. Parabéns presidenta DILMA.

Responder

Luís Carlos Oliveira

24/07/2011 - 19h48

O Projeto ProSub é estratégico para as contas nacionais da França. A Itaguaí Construçoes Navais terá o mesmo destino da Alcântara Cyclone Space que após anos de atraso em seus projetos deve desaparecer com a reestruturação da Agência Espacial Brasileira em consequência de cortes orçamentários do atual governo. Não há qualquer garantia neste contrato entre os países que dentro de quatro ou cinco anos a França, por pressões políticas, seja impedida de transferir tecnologia. Difícil acreditar que algum país com domínio de tecnologia para construção de submarinos nucleares repasse todo o conhecimento necessário sem salvaguardas.

Responder

    augusto

    25/07/2011 - 08h45

    …mas se o brasil quiser, ele a obtem assim mesmo.
    .. corte orçamentario deste ano, que fique bem claro.
    …a direção das pressoes politicas não tem a tendencia de crescer, ao contrario o
    mundo caminha para o inverso, a multipolaridade.

Sergio

24/07/2011 - 19h26

O Brasil é pacífico porque nossos governantes são corruptos e entregam nossa riquezas em troca de subornos milionários! O dia em que um presidente nacionalista assumir o governo os países ricos vão querer tomar à força o que sempre levaram na mão grande! Armamento nuclear urgente!

Responder

Roberto

24/07/2011 - 19h05

O submarino nuclear tem autonomia de submersão muito maior que o convencional, além de ser mais veloz. Mesmo sem armas nucleares sua construção é viável. Com a construção de alta tecnologia, cria-se alta tecnologia.
Não sou favorável a guerras, mas acho que prevenção sempre é bom!

Responder

Klaus

24/07/2011 - 18h54

Argentina e Venezuela vão ao mercado?

Responder

    Gerson Carneiro

    25/07/2011 - 05h29

    Ao mercado, não. Foram à uma feirinha alí no Paraguai :)

EUNAOSABIA

24/07/2011 - 17h24

Azenha, mas qual a necessidade na sua opinião, desses submarinos serem nucleares??? qual a finalidade disso?????

Os países que possuem submarinos nucleares, os usam para o lançamento de mísseis e ou torpedos nucleares…. podem lançar armas convencionais também, mas o uso estratégico é com armamento nuclear.

O Brasil não tem esse armamento… parece sem finalidade…

Responder

    alexandre de melo

    24/07/2011 - 19h01

    os submarinos convencionais, na verdade sao navios que afundam, eles teem que captar ar para os motores
    diesel carregarem as baterias e entao ter função submersa.
    nas malvinas submarinoos nucleares ingleses ficaram de plantao na foz do rio da prata a espera das melhores naus de guerra argentinas que nao poderam sair. a vantagem do sub-nuclear é esta, ficar varios dias submersos, mesmo com armamento convencional podem paralizar parte das forças inimigas.

    said

    24/07/2011 - 19h43

    Falar das coisa por "achar" é mostrar despreparo e falta de consiencia de suas limitações.
    Motor nada tem que ver com agressão. Uma coisa é estar preparado para longas missões, mesmo com armamento convencional. Outra é falar de coisas que não se sabe. Só por falr.

    Roberto Locatelli

    24/07/2011 - 22h56

    Acho que você não entendeu o comentário. Leia novamente, umas três vezes.

    Rodrigo Rod

    24/07/2011 - 19h50

    O submarino ser nuclear significa que possui propulsão decorrente de um gerador nuclear. Assim, pode ficar submerso meses sem emitir ruídos característicos dos de propulsão a diesel, aumentando sua capacidade de camuflagem e força de dissuasão.
    Quanto aos armamentos, podem ser de quaisquer tipos, assim como os submarinos diesel, que podem carregar ogivas nucleares também.

    Rafael

    25/07/2011 - 13h14

    Os submarinos a diesel não quer dizer que a combustão ocorra quando submerso e não pode. Acontece que com motor a diesel o submarino tem que emergir para carregar baterias que é o que move o submarino. Com o reator nuclear não há necessidade de emergir para recarregar baterias.

    Rafael

    24/07/2011 - 20h00

    Você não leu que esse tipo de submarino é muito mais eficiente?

    SILOÉ -RJ

    25/07/2011 - 00h28

    Cada vez mais acho seu "nick" apropriado, é isso mesmo que você tem que fazer PERGUNTAR ou PESQUISAR no GOOGLE, se é que é você mesmo e não o seu dublê de comentários.

    Gerson Carneiro

    25/07/2011 - 05h31

    A necessidade desses submarinos serem nucleares é porque os submarinos nucleares poupam mais energia e assim os marinheiros podem ficar até mais tarde assistindo os gols de domingo.

    Sergio F Castro

    25/07/2011 - 18h02

    O grande fato é que seu "nickname" está bastante apropriado, vc não sabe de nada mesmo!

Lucas

24/07/2011 - 17h10

"O país foi arrastado para a II Guerra Mundial porque submarinos alemães atacaram um navio mercando brasileiro no Atlântico Sul, em momento em que o Brasil não tinha meios para defender o próprio território."

Qualquer um que acredita nisso tem um conhecimento muito limitado de história. O ataque a navios brasileiros foram desculpa usada pra justificar a entrada na guerra, mas não a causa primária, muito mais ligada ao alinhamento de Vargas com os aliados em troca de ajuda econômica e militar estadunidense.

Quanto ao assunto principal do texto, gostaria que o governo gastasse pelo menos metade do tempo e dinheiro que gasta com novos brinquedinhos militares fazendo banda larga boa e barata para todos.

Responder

Aracy_

24/07/2011 - 17h01

Para este projeto ser bem sucedido falta substituir o atual ministro da Defesa por alguém genuinamente comprometido com a soberania nacional.

Responder

operantelivre

24/07/2011 - 16h39

Demorou para que houvesse um fortalecimento de nossas defesas. E isto vai demorar até 2023 para entregar um SubNuclear com Tecnologia de Hoje. O mais importante é a sinalização de que vamos cuidar do que é nosso.

O mundo vem mudando mais rapidamente do que o tempo para se construir um SubMarNuclear.

O que explica um país ficar passivo diante da agressão externa não é seu espírito pacífico e sim sua incapacidade de defesa.

Parabéns por esta iniciativa estratégica. Tem muito mais para ser feito para fortalecer as forças armadas. Não podemos deixar que um passado obscuro nos impeça um diálogo capaz de garantir um futuro "multipolar" e soberano. Espero que nunca precisemos entrar em conflito, mas precisamos estar prontos para nos defender de Organizações Piratas.

Não precisamos ser impérios mas podemos nos proteger dos discursos de ONU e OTAN e outras que mudam conforme os interesses de quem tem meios para garantir a defesa. Contudo, continuaremos vulneráveis se o governo não tiver controle sobre desenvolvimento tecnológico, fabricação e uso de diversos meios de defesa. Isto inclui fluxo de capital, conhecimento e informação estratégicos.

O Brasil vai se demonstrar efetivamente confiável se partilhar a estratégia de proteção com seus vizinhos.
Todo Bloco precisa estar empenhado na proteção aliados com o Brasil. Isto pode nos proteger de oportunistas e divisionistas.

Responder

    augusto

    25/07/2011 - 08h53

    Muito bom e direto aos pontos chave, sr. operante. Eu não conseguiria expor melhor.

Honestino Batista

24/07/2011 - 16h38

Tudo bem! É melhor dominar a tecnologia que nada. Mas, defender de quem. Imaginemos uma guerra quem vai defender estes superpetroleiros em alto mar? Ninguém né!
Quem pode querer levar nossas reservas na "mão grande"? Imaginam! É claro quem? Mas, se um dia fizerem isto, com o Poderio Militar que eles tem, a nossa armada é biscoito perto deles. É só observarem, se não é assim!

Responder

    Juliano

    25/07/2011 - 16h32

    Nossa armada pode ser, hoje, um "biscoito" perto de superpotências militares. Mas uma frota de submarinos nucleares bem armados pode representar um significativo poder de dissuasão. O biscoito vira um osso duro de roer.

Taques

24/07/2011 - 15h42

"Submarinos do Brasil visam proteger o pré-sal".

Rá, rá, rá.

Proteger de quem ??? Dos piratas da Somália ??? Rá, rá, rá …

Gostaria de saber como os futuros ladrões de nosso petróleo nos roubariam. Será que vai ser com um super canudinho de plástico ??? Rá, rá, rá …

Acho extremamente válido o Brasil ter o domínio desta tecnologia (vale lembrar que boa parte da tecnologia presente na família de jatos regionais da Embraer nasceu da parceria estabelecida com os italianos no desenvolvimento conjunto do caça AMX) .

Agora, convenhamos, não precisamos criar desculpas paranóicas para justificar nossas escolhas.

Afinal, o Brasil é ou não é soberano para escolher seu destino ???

PS: Não vai demorar muito e já já vão aparecer alguns gênios falando da possível ameaça dos EUA. Podem esperar …

Responder

    Elton

    24/07/2011 - 20h36

    Assim como apareceu um cego aqui (você!) a tentar antecipar-se na "falta de ameaça" que os EUA possam representar….

    SILOÉ -RJ

    24/07/2011 - 20h41

    A turma do seu ídolo tentou detonando uma plataforma.
    Sabe-se lá a que eles não fariam de novo???

    Ronaldo Luiz

    24/07/2011 - 21h13

    Quem tem petróleo tem que se prevenir. Quem invadiria o Iraque, se lá não tivesse petróleo? Ou achas que os bombardeios na Libia são com fins humanitários?

    Roberto Locatelli

    24/07/2011 - 23h03

    Taques, sua ingenuidade é comovente, mas perigosa.

    Vou lhe dar alguns dados que vão chocar você:

    – as guerras dos EUA no Oriente Médio não são por democracia, mas pelo controle do petróleo.

    – a mídia estadunidense (e a brasileira, que é subordinada a ela) fala mal de Chávez, mas quase não fala de Rafael Correa, Fernando Lugo ou outros presidentes de centro-esquerda da América Latina. Isso acontece porque a Venezuela tem uma enorme reserva de petróleo e esses outros países não têm.

    – as duas grandes guerras ocorreram não por motivos ideológicos, mas econômicos.

    Temos que ter submarinos nucleares, caças da melhor qualidade e navios de guerra muito bem armados se não quisermos que os EUA, num futuro próximo, declarem a Amazônia como seu território.

    El Cid

    25/07/2011 - 00h17

    sua ingenuidade fede demais, sabe…

    Quem tem petróleo a 200 milhas de seu litoral – muito, muito longe – precisa de ter não apenas submarinos convencionais, como os cinco em operação, de projeto alemão, ou os novos de projeto francês que serão construídos em Itaguai, mas, fundamentalmente, de submarinos nucleares, que poderão ficar meses submersos vigiando nossos campos de petróleo, especialmente os do pré-sal.

    Submarinos são a arma de ataque e defesa dissuasória por excelência, aquela que faz esquadras adversárias pensarem duas vezes antes de dar as caras.

    A guerra entre Grã-Bretanha e Argentina, em 1982, em termos navais, acabou depois que os ingleses colocaram um submarino nuclear em frente ao canal de acesso a Puerto Belgrano, sede da esquadra argentina e avisaram: Tentem sair de novo que afundamos o primeiro da fila e vocês ficarão décadas presos no porto.

    Qualquer interessado no petróleo do alto mar pensará duas vezes antes de se arvorar de “dono”, sabendo que subs nucleares e convencionais estarão a postos.

    E apenas a tecnologia do casco dos nossos nucleares (deverão ser seis, até o começo da década de 2040) será de origem francesa. O reator nuclear é todo de projeto da Marinha. Enfim, amigos, amigos, petróleo a parte….

    Taques

    25/07/2011 - 22h36

    Bem que eu avisei que os gênios apareceriam …

    A partir de hoje serei o oráculo do Viomundo. Agendarei consultas, podem ficar tranquilos.

    E como são idiotas esses "estadunidenses". Tem o México (vizinho de muro) e a Venezuela (praticamente vizinha) cheinhos de petróleo e eles vão arrumar briga lá longe, lá no oriente médio. Eita povo burro !!!

    Como comprovadamente explicado pelos gênios que os EUA só lutam por petróleo ou por razões meramente financeiras, alguém tem de avisar imediatamente o Obama que o Afeganistão, além de ser pobre pra caramba, não possui reservas de petróleo. Vai ser burro assim lá na Casa Branca !!!

    wellington

    16/05/2012 - 00h39

    Em resposta ao amigo taques,vê se logo o amigo conhece um pouco do afganistão é sim um país pobre em petrólio mais muito rico em urânio um metal tão estratégico e até mais cobiçado que o petróleo,fique vc sabendo que foi descoberto uma reserva do mineral com um total de 900.000 toneladas 3 vezes mais que as reservas brasileiras que os americanos estão doidinhos para meter a mão,e se o amigo não sabe tem empresas americanas esperando a oportunidade só não entraram lá porque os talibans não são os endidos do PIG e de um tal de sociólogo que andou comandando nosso país,procure se informar mais e pesquise sobre a fundação ford que financiou este tal sociólogo nada mais do que uma fundação financiada pela CIA,não foi brasileiro que falou não e sim escritores ingleses e franceses,é só pesquisar amigo.

Gerson Carneiro

24/07/2011 - 15h31

"É tecnologia altamente sensível, atualmente só acessível para conjunto muito seleto de países: China, França, Rússia, Reino Unido e EUA".

Será que no conjunto muito seleto de países acima também tem uma região chamada Nordeste que tem um Estado chamado Bahia que tem uma cidadezinha no interior chamada Caetité para onde é levado de forma clandestina o lixo atômico?

Será que a Dilma sabe disso? Será que a Dilma vai à Caetité jogar a primeira pá de cal sobre o lixo?
http://blogbahianarede.wordpress.com/2011/05/15/l

Responder

    Klaus

    24/07/2011 - 19h39

    Se Dilma não souber, a ABIN está sendo comandada pelo Smart, Maxwell Smart.

Ô de brek , ou não

24/07/2011 - 15h03

Olha ela novamente.

Odebrech. Perigo no próprio quintal. Maior perigo não há. Se até a aqui as empreiteiras tiveram um função que reprovamos o problema está em quem contrata.
Brasil de olho no contrato. Prazo. Aditivos. Elaboração do Edital. Brasil chama concorrêencia internacional.

Responder

Rios

24/07/2011 - 14h51

Azenha, o subtítulo "Os vizinhos vão acreditar?" está completamente fora de contexto. não aparece em nenhum momento do texto qualquer menção ou questionamento a esse respeito… se esta é opinião ou um questionamento do Blog, que seja feito no rodapé e mencionando o viamundo como autor, como acontece nos demais posts.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    24/07/2011 - 15h27

    Primeiro você tem de aprender o nome do site. Depois, podemos considerar o seu palpite. abs

    francisco p. neto

    24/07/2011 - 17h06

    Fala o que quer, ouve o que não quer.
    Ou escreve o que quer e lê o que não quer.
    Sujeito ranzinza!!!

    Ronaldo Luiz

    24/07/2011 - 21h08

    Azenha, tambem não entendi. Submarinos são armas de defesa, porque nossos vizinhos teriam algo a objetar? E olha que em 2010, o exercito recebeu centenas de modernissimos tanques de guerra alemães de última geração.

    augusto

    25/07/2011 - 09h01

    ronaldo luiz, panzers alemaes e modernos no exercito brasileiro, onde eu confirmo isso sem desgastar os dedos ?

    Ronaldo Luiz

    25/07/2011 - 21h51

    Li no ano passado no Jornal Zero Hora de Porto Alegre – RS. Não lembro a data.

    manoel penna

    24/07/2011 - 20h33

    Era leitor do site, e fiquei admirado com uma resposta tão desproporcional ao comentarista Rios.-.

    Gerson Carneiro

    24/07/2011 - 22h29

    Hehehehe… sou fã do Azenhão. Cabra booom!

    SILOÉ -RJ

    25/07/2011 - 00h12

    Colocação desproporcional a envergadura moral do site.

    Rios

    25/07/2011 - 11h14

    Sou leitor do seu blog a muito tempo, sempre posto comentários, SEI QUE SE ESCREVE "VIOMUNDO", desculpe o meu erro de digitação… você teve ter tido um péssimo dia, estava de cabeça quente, pois até onde eu sei VOCÊ NÃO É O ARROGANTE que se mostra nesse comentário. uma pena. o meu comentário foi construtivo, pois não considero o VIOMUNDO muito diferente da Folha e do Globo na questão do uso de "jogos de palavras" em matérias. Vocês não inventam opiniões, nem comentários… por favor não caiam no mesmo erro "deles".

    Roberto Locatelli

    24/07/2011 - 23h10

    Reforço a objeção do Rios. O Brasil, ao contrário dos EUA, tem tido excelente relacionamento com os vizinhos, a ponto do MercoSul e a UnaSul avançarem como nunca imaginamos há dez anos atrás.

    Não acho que a Bolívia, Argentina, Venezuela ou outro vizinho tenham motivos para temer uma invasão dos submarinos nucleares brasileiros. Ao invés disso, acho que esses submarinos têm tudo para se integrar a uma força-tarefa conjunta da região para proteger a todos de um país que fica um pouco mais ao Norte.

    A frase ficou totalmente fora de propósito.

ZePovinho

24/07/2011 - 14h45

Digite o texto aqui![youtube xmZnI2C_d7Q http://www.youtube.com/watch?v=xmZnI2C_d7Q youtube]

Responder

ZePovinho

24/07/2011 - 14h42

Todo apoio a esse projeto e outros que fortaleçam as Forças Armadas,mas temos de manter em mente o aviso do presidente dos EUA,Eisenhower,sobre o crescimento do complexo industrial-militar que no Brasil vai se conforamando como complexo "empreitarial-militar" com a empreiteiras(como a ODEBRECHT) virando empresas de armas.

[youtube T-xEcChFC6I http://www.youtube.com/watch?v=T-xEcChFC6I youtube]

Responder

Marat

24/07/2011 - 14h16

Brasil é pacífico e não é imperialista, expansionista e terrorista como EEUU e Israel. Portanto, não há nada a temer!

Responder

    eric

    24/07/2011 - 16h47

    Brasil pacífico. em que pais vc vive?
    já viu as taxas de assassinatos diários no brasil? tens consciência destas taxas quando comparadas ao resto do mundo, compare com os eua e com israel, ai sim verá qual é o país mais sangrento, senão o que eu moro, o BRasil, infelizmente.

    Elton

    24/07/2011 - 20h41

    Acho que o nobre cavalheiro aí não entendeu o comentário de Marat. Uma coisa é política externa, outra é situação social interna. Talvez tenha que desenhar…..

    Marat

    25/07/2011 - 11h27

    Nem meu país, nem a China invadiram e massacraram. Procure saber quem são os países que fazem isso desde sempre!!!

    Marcos Jansen

    28/07/2011 - 12h50

    Desculpe-me, mas a China invadiu o Tibet.

    Klaus

    24/07/2011 - 19h07

    Brail não é imperialista e expansionista porque não pode. Nenhum povo na história que chegou à uma posição de força deixou de usar seu poder para dominar outros. Seríamos os primeiros.

    yacov

    24/07/2011 - 22h15

    Nenhum outro país na História teve tantos recursos e um mercado interno tão promissores, tão ricos e inexplorados, o que nos dispensa de qualquer necessidade de uma aventura expansionista. Então, é chegada a hora de mudar essa "estória, da História", não é mesmo, amigo?!?!? PAZ&AMOR e VIVA O BRASIL!!

    "O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na glOBo é um braZil para TOLOS"

    Klaus

    25/07/2011 - 08h36

    Ok, então seremos os primeiros. Que bom, né?!

Deixe uma resposta