PATROCINE O VIOMUNDO

SOMOS 31.817 FAÇA PARTE !

Ildo Sauer: “O ato mais entreguista da história”

publicado em 18 de janeiro de 2012 às 19:13

O ato mais entreguista da história foi o leilão de petróleo para Eike

reprodução da revista da Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (ADUSP), número de outubro de 2011, sugerido pelo leitor ES Fernandes

O professor Ildo Luís Sauer, diretor do Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEEUSP), se diz um “fruto do programa nuclear brasileiro”, pois, quando estudante, o regime militar — interessado em formar quadros para tocar as dezenas de usinas que pretendia construir no país após o acordo com a Alemanha — lhe concedeu bolsa de iniciação científica, “bolsa para fazer o mestrado e o doutorado em engenharia nuclear e outras coisas mais”. Ao longo de sua trajetória acadêmica, porém, Sauer convenceu-se de que a energia nuclear não convém ao Brasil, e passou a dedicar-se mais à energia elétrica e ao petróleo.

Foi diretor de Gás e Energia da Petrobras entre 2003 e 2007, período que cobriu o primeiro mandato do presidente Lula e o início do segundo, e no qual tinha a expectativa de amplas mudanças na área de energia e petróleo. Orgulha-se de haver participado das decisões que levaram à descoberta das jazidas do Pré-Sal. Mas frustrou-se ao constatar que, ao invés da reforma que ele e o físico Pinguelli Rosa propuseram a pedido do próprio Lula, o governo tomou medidas que fortaleciam os agentes privados, em detrimento das empresas públicas e da sociedade em geral.

Nas páginas a seguir Sauer desfecha contundentes ataques às políticas de energia do governo, com destaque para a continuidade do modelo do setor elétrico herdado de Fernando Henrique Cardoso e — em especial — para a realização do leilão de “áreas de risco” da franja do Pré-Sal que acabaram por ser arrematadas por Eike Batista e sua OGX, fazendo desse empresário um dos homens mais ricos do mundo. O diretor do IEE não mede palavras ao opinar sobre o que ocorreu: “O ato mais entreguista da história brasileira, em termos econômicos. Pior, foi dos processos de acumulação primitiva mais extraordinários da história do capitalismo mundial. Alguém sai do nada e em três anos tem uma fortuna de bilhões de dólares”.

Quanto à contestada Belo Monte, Sauer, diferentemente de uma parte dos críticos, considera que a usina preenche todos os requisitos técnicos de operação. O problema, afirma incisivamente, “não é técnico, não é econômico, o problema lá é simplesmente político”, porque, em função dos erros do governo e da falta de planejamento, “ressuscitou-se um projeto longamente gestado pelo governo militar”, e assim “de certa forma um governo democrático e popular se serve da espada criada pelos militares para cravá-la no peito dos índios e camponeses, com métodos que não deixam nada a dever à ditadura de então, em relação à forma como a usina foi feita, de repente”.

Procuradas pela reportagem, as assessorias de comunicação da presidenta Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula informaram que eles não comentariam as declarações do professor.

A entrevista foi concedida a Pedro Estevam da Rocha Pomar e Thaís Carrança e ao repórter-fotográfico Daniel Garcia

Revista Adusp. Recentemente assistimos a algo impensável em outras épocas: o Procon-SP, pertencente ao governo estadual do PSDB, solicitou à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) intervenção na AES-Eletropaulo, uma empresa privatizada pelos próprios tucanos na década de 1990. O pedido decorria da constatação de que a AES mostrou-se totalmente incapaz de restaurar a energia em diversos bairros de São Paulo, dias depois de uma tempestade que derrubou o abastecimento. Mas a resposta do diretor da ANEEL também foi surpreendente: ele ironizou a solicitação, dizendo que se tivesse de intervir em uma concessionária teria de intervir em todas, tais as deficiências existentes. Como você avalia essa situação de apagões, de desrespeito à lei e de incertezas no tocante às questões que envolvem a distribuição e o consumo de energia elétrica no país? Lembrando que o próprio campus do Butantã da USP tem sofrido apagões.

ILDO SAUER. A própria pergunta já é uma resposta e serve para reafirmar a perplexidade diante do relatado e o grau de irresponsabilidade de todos os últimos governos. Nos anos 1990, em que venderam a pílula mágica da privatização como saída e cura para todos os males, a promessa então era aumento da qualidade e redução do preço. Hoje, a qualidade está completamente deteriorada e o Brasil, para os consumidores cativos, tem a tarifa mais cara do mundo. Isso é uma tragédia e causa perplexidade. Mais ainda, o regime tucano foi que deu início e continuou as propostas proclamadas pelo governo Collor do neoliberalismo, então não deixa de ser uma fina ironia que agora eles próprios se revoltem, os criadores contra suas criaturas. Mas não podemos deixar de perceber também que essa criatura foi tratada a pão-de-ló e com muito carinho pelos oito anos de governo Lula e o primeiro ano do governo Dilma Rousseff. A ocasião para reformular todo esse modelo era 2003.

O governo Lula, em parte, nasceu da derrocada do neoliberalismo consolidada pelo racionamento de energia elétrica de 2001. Os múltiplos apagões, “apaguinhos” e o racionamento de uma certa forma foram a pá de cal. Então, dentro do Instituto de Cidadania, dentro do Partido dos Trabalhadores, gestou-se uma proposta muito abrangente, que daria conta da reconstrução do setor elétrico brasileiro. Aliás, esse é o título de um livro cujos principais autores somos nós e o professor Pinguelli Rosa, uma equipe aqui da USP, uma equipe da UFRJ, feito a pedido do então candidato, depois eleito presidente, e da sua ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff.

Ficou pronto no final de 2002 [A reconstrução do setor elétrico brasileiro, Campo Grande: Paz e Terra, 2003]. O que causa perplexidade é que, ainda que em grande parte a proposta lá consolidada teria reconstruído o setor elétrico, o fato é que a lenta, gradual, porém contínua metamorfose no seio do governo, a partir de 2003, metamorfoseou aquela proposta numa outra: aquela onde, declaradamente – em apresentações públicas da então ministra de Minas e Energia e de sua assessora jurídica, Erenice Guerra — dizia-se claramente que o novo modelo não é fruto de uma decisão do governo e, sim, uma agenda negociada com os agentes; que o governo só se manteve no papel de árbitro, quando havia divergências. Negociada entre os mesmos operadores de negócios que levaram ao racionamento de 2001 e aos apagões.

Então não surpreende que dez anos depois, depois que se esgotou o potencial de sobra de energia, devido à queda do consumo de mais de 20% ocorrida em 2001-2002, não se colocou no lugar a mudança do espírito da regulação, para que novamente se passasse a ter comando e controle, que as empresas fossem obrigadas a fazer um planejamento de médio e longo prazo, contratar toda a demanda, fazer a manutenção.

O contrato de concessão no Brasil tem os dois pontos que mais favorecem ao empreendedor, ao concessionário. Se na Inglaterra, no auge do neoliberalismo, criou-se a tarifa-preço, incentivada, que só periodicamente seria revista, com regulação mão-leve, no Brasil manteve-se o preço-teto junto com o equilíbrio econômico financeiro. Toda vez que há uma ameaça de perda, devido à má gestão, os consumidores são chamados a pagar. Então se o concessionário no Brasil tem a seu favor os contratos feitos, já de 1995 até 2001-2, tudo a seu favor, 2003 era a hora de fazer uma profunda intervenção regulatória, alterar aquilo que deu errado. A proposta estava feita, havia ambiente político para fazê-lo e, no entanto, em troca de manter o ambiente com os empresários e investidores privados, preferiu-se não ressuscitar os instrumentos públicos, usar mão da Eletrobras.

As empresas públicas foram descapitalizadas com a criação do mercado livre, no qual 600 empresários e cento e poucas empresas comercializadoras compravam energia a 20% do custo e a revendiam a preço cheio para os consumidores finais e a meio preço para os grandes consumidores, dilapidando-se o potencial de capital das empresas públicas, que eram as principais geradoras. As principais pontas da geração eram as empresas públicas, principalmente as ligadas à Eletrobrás e às estatais do Rio Grande do Sul, mas principalmente aqui do Paraná, Minas Gerais e São Paulo.

Revista Adusp. Pode citar algumas?

ILDO. Cesp, Copel, Cemig, mas principalmente Eletronorte e Eletrobrás, Furnas, Chesf e Eletrosul, e a CGTEE do Rio Grande do Sul, que são federais. O governo Lula manteve a descontratação, de maneira que a energia ficou sem contratos de venda. E os empresários ditos livres não precisavam se recontratar, porque criminosamente se criou o preço de liquidação de diferenças como equivalente ao custo marginal da água. Para alterar o sistema é preciso saber se se usa água ou se se usa combustível hoje, tendo em vista a previsão de chuvas futuras, tendo em vista a previsão de demanda, o estado dos reservatórios e o custo dos combustíveis. Isso é um índice de média para orientar a operação; nunca, jamais poderia ser transformado em preço.

O governo Lula, através da ministra de Minas e Energia, converteu isto, Custo Marginal de Operação (CMO), em Preço de Liquidação de Diferenças (PLD), que servia como que um preço spot, que — como houvera um racionamento e a demanda era muito menor que a oferta — caiu para o limite mínimo decretado legalmente em R$ 18 o MWhora, quando o custo da energia oscilava entre R$ 60 e R$ 140 o MW/hora. Então todos os grandes consumidores, que em 2005 já consumiam 8 mil MW médios, 25% do consumo de eletricidade do Brasil, chegaram a 12 mil MW logo em 2008 — comprados por R$ 18 a R$ 20 o MWhora, quando a energia custava às estatais, em média, R$ 100.

Portanto houve uma dilapidação. Uma transferência econômica em torno de R$ 20 bilhões, nos oito anos do governo Lula, favorecendo agentes, comercializadores e grandes consumidores, que não a repassaram à redução do preço dos seus produtos, só aumentaram seus lucros. Isso obviamente gerou um ambiente de muita popularidade da ministra junto a esses centros empresariais, tanto que depois ela foi premiada com outros cargos.

A outra história é que se renovaram os contratos do alumínio, iniciados em 1984-5, em Tucuruí, para a Alcoa, Alcan exportarem alumínio, que pagavam 20% do custo da energia. Pois, incrivelmente, em 2004 os contratos venceram depois de 20 anos, e foram renovados por mais 20 anos por preço da ordem de R$ 53 o MW/hora, metade do custo. Por isso a Eletronorte continua afundada em prejuízos, que são resgatados pelo Tesouro Nacional.

Revista Adusp. O Tesouro está subsidiando compradores de energia barata.

ILDO. Sim. Isso tudo foi feito com o loteamento da área de energia no governo. Isso são só dois ou três exemplos do que se fez ao invés do que se deveria fazer. O que deveria ter sido feito em 2003 era reformar radicalmente todos os contratos de concessão, para inclusive retirar aquela fórmula mão-grande, que todo ano tomava R$ 1 bilhão dos consumidores, porque a fórmula colocada no contrato era contra a lei, e portanto bastava uma ação administrativa da ANEEL naquele tempo já. Mas, em nome da sacrossantidade dos contratos, no começo do governo Lula ninguém quis mexer em nada.

Prometeu-se mudar, mas a metamorfose foi na outra direção. E, com isso, os encargos continuaram aumentando, não se fez o que foi prometido, que era fazer um planejamento, um inventário de todos os recursos energéticos hidráulicos. Fazer estudos energéticos, econômico, técnico, e também um estudo social e um estudo ambiental, separando definitivamente a questão social da ambiental.

Não tem razão nenhuma de o Ibama, que cuida de flora e fauna, cuidar de seres humanos, como se os habitantes ribeirinhos dos grandes empreendimentos, índios, camponeses, fossem uma extensão da flora e da fauna. Isso é um absurdo. No entanto, não se fizeram os estudos, a economia começou a retomar um pouco do seu crescimento em 2005, começou a haver risco de falta de energia, e o governo apelou para contratar usinas a óleo combustível e carvão importado.

Houve a crítica, aí se apelou para os projetos do tipo criado no governo Fernando Henrique, na parceria de Furnas com o grupo Odebrecht, as usinas do rio Madeira, Santo Antônio e Jirau. E logo a seguir, ressuscitou-se um projeto longamente gestado pelo governo militar. E, de uma certa forma, um governo democrático e popular se serve da espada criada pelos militares para cravá-la no peito dos índios e camponeses, com métodos que não deixam nada a dever à Ditadura de então, em relação à forma como a usina foi feita, de repente.

Se o governo tivesse cumprido sua obrigação — reformar o setor elétrico, recuperar o controle social sobre a qualidade e os preços da energia, fazer inventário dos potenciais hidráulicos, eólicos, de cogeração com bagaço de cana, de conservação de energia, para expandir a oferta futura, fazer os estudos sociais e ambientais, ranqueá-los, escolher na ordem os que têm mais atributos favoráveis — nem Santo Antônio e Jirau, nem Belo Monte seriam necessários agora.

Haveria um conjunto muito anterior e esses grandes projetos polêmicos teriam mais tempo para o debate social, para o debate político, para a avaliação ambiental, para então depois serem definitivamente descartados, ou então, feitos num processo de coerência, de diálogo respeitoso com as populações locais.

Tudo que vemos hoje no setor elétrico brasileiro é uma deterioração por falta de organização, de planejamento e de gestão. Então não surpreende que o diretor geral da ANEEL venha dizer que tinha que intervir em todas. Tinha que intervir mesmo! Por quê? Porque os últimos oito anos, nove anos, foram de degradação da qualidade dos serviços, de rapinagem do patrimônio público, porque é patrimônio concedido, a concessão é patrimônio público gerido privadamente.

Foi degradado porque não há um sistema de comando e controle regulatório, porque a regulação continua na ANEEL, em Brasília, centralizada, para cuidar de Campina das Missões (RS), de Xapuri (AC), de Olivença (BA). Ou aqui em São Paulo.

É em Brasília, onde todo mundo sabe que, na história da regulação, há um processo de lenta e gradual captura do regulador pelo regulado. O regulador só está em contato direto com as grandes empresas — de distribuição são 63, tem as de geração e transmissão, são umas 100 empresas permanentemente presentes.

A população está ausente e pouco a pouco sai da agenda dos reguladores, para ficar apenas aquilo que ficou em 2003, anunciado publicamente pela ministra e sua assessora jurídica, de que os grandes agentes negociaram o modelo entre eles e o governo apenas interveio para arbitrar diferenças. Por isso foi mantido inteiramente no setor elétrico brasileiro o espírito da privatização e do neoliberalismo dos anos 1990.

Houve uma pequena intervenção, o acolhimento de um dos elementos da proposta do Instituto de Cidadania, que foi dizer que a gente agora devia contratar de longo prazo a demanda. Só que a forma como isso está sendo feito tem dois graves problemas. O primeiro: tiraram dessa obrigação de contratar de longo prazo, para ter transparência, os consumidores livres que são um quarto da demanda. Então periodicamente tem ameaça de falta de energia porque eles não são transparentes, ninguém sabe se estão contratados ou não, eles representam metade do PIB industrial brasileiro e, com seu poder de barganha, o ônus está sendo transferido para o mercado cativo, que é 75% do consumo.

Uma usina hidrelétrica leva tipicamente cinco anos para ser construída, uma termoelétrica de dois a três anos. Então, se os contratos para expandir a oferta não são feitos com essa antecedência, há o risco de as usinas não estarem prontas, nem a linha de transmissão, nem o sistema de distribuição. Então se contrata de longo prazo, mas 25% estão fora. Não há transparência, então o governo vai lá e contrata energia de reserva.

Ora, a tarifa que o consumidor cativo paga prevê segurança mínima de 95%, então ele não precisa de energia de reserva; no entanto, o governo fez um leilão e contratou energia de biomassa como reserva, quando é a que menos serve para ser reserva. Quem paga, 75%: os cativos. Quem deu origem a essa necessidade foram os 25%, só que 75% dessa conta foram transferidos para nós, por isso a tarifa é das mais caras do mundo. Então esse é o primeiro problema, seríssimo, desse modelo. Se manteve a contratação como proposto, só que não para todo o mercado.

O segundo problema, obviamente, é que os custos não são apropriados entre os dois. É um único sistema de produção, com dois mercados diferentes. O que virou predominante está permanentemente predando em cima do mercado cativo. Consumiram energia tendo a tarifa mais barata do mundo; e o cativo, uma das mais caras do mundo, era a terceira ou quarta mais cara. Agora, com o câmbio, o Brasil foi alçado a campeão mundial da tarifa.

Revista Adusp. Cativo é a plebe?

ILDO. É a plebe, são 50 milhões de consumidores, que consomem mais ou menos 75% da energia. É o pequeno e médio consumidor industrial e residencial e serviços públicos, enquanto que os 25% restantes são de cerca de 660 grandes consumidores, intermediados por mais ou menos 150 comercializadoras. Então o primeiro problema é 2003: o modelo ficou mais ou menos igual ao de antes, com esse acréscimo de contratação. Como ele não é pleno, a segunda parte é que em 2003, 2004, como eu já disse, foi renovado o contrato do alumínio, engendrou-se esse mercado livre, que transferiu assimetricamente custos e benefícios, e acima de tudo o governo manteve a energia emergencial, aqueles 1.800 MW que o governo contratou depois do racionamento, pagando R$ 6 bilhões por aluguel de usinas por três anos.

Revista Adusp
. São as termoelétricas?

ILDO. São as termoelétricas emergenciais. A proposta era acabar com aqueles contratos e integrar aquelas usinas como reserva de capacidade das estatais. O governo Lula pagou R$ 6 bilhões de aluguel, seguro-apagão, e as usinas sumiram do mapa. Foram pagas três vezes e não tem nenhuma agora. Esse contrato terminou em 2006.

Revista Adusp. Como é possível sumir do mapa?

ILDO. Porque elas eram do proprietário que as alugou ao governo, depois de três anos ou ele vendeu — como a Termocabo, no Cabo de Santo Agostinho, ou a Termopetrolina, em Petrolina — ou foram desmobilizadas. Só que a população pagou três vezes para a usina e não tinha quando precisasse. E aí o governo contratou mais energia de reserva: 2 mil MW de usinas a bagaço de cana. De forma que por essas e por outras é que a tarifa explodiu e o governo não retomou o controle, nem sobre a qualidade, nem sobre o preço.

Em 1995, Fernando Henrique Cardoso prorrogou as concessões das usinas hidráulicas por 20 anos, quando elas já tinham sido amortizadas antes. As concessões venceram naquele período, porque já tinham, muitas delas, 30 anos, 40 anos. Agora tem usina com 50 anos, 55 anos de produção; já foi amortizada duas, três vezes pelos consumidores cativos. E se você olhar na imprensa tem lá um grande anúncio dos consumidores industriais, possivelmente aqueles mesmos livres, dizendo que a energia brasileira não é competitiva, que é uma das mais caras do mundo.

Só que isso para um mercado regulado, dos cativos, enquanto que eles pagam tarifas das mais baixas, que agora, como a sobra acabou, não tem mais; então eles estão querendo se abonar dos 22 mil MW, quase duas Itaipus de usinas antigas, as melhores do Brasil, que, pela lei, cabem ao poder público: terminada a concessão, são patrimônio público. Essas usinas gerarão, aproximadamente, 110 milhões de MWhora por ano, mais ou menos 25% do consumo brasileiro hoje, ao custo de cerca de R$ 10 o MWhora, valendo pelo menos R$110. Portanto são geradores líquidos de um valor da ordem de R$ 10 bilhões por ano, como se diz na Bahia, “por vida”.

O sol move o ciclo hidrológico dessas usinas e elas estão aí, com baixo custo de manutenção. A  proposta que o pessoal mais popular faz é que se crie uma Hidrobrás, uma estatal brasileira, que passe a gerenciar a operação dessas usinas, que pode até ser fisicamente operada pelas atuais empresas, como é o caso da Cesp, como é o caso de Furnas etc., mas o excedente econômico vai para um fundo público, para financiar educação e saúde pública, fazer a reforma urbana, a reforma agrária, proteção ambiental, transição energética, assim como deve ir o dinheiro do Pré-Sal também.

A AES do Brasil é que sustenta sua matriz americana, desde a crise de 2008. Presta um péssimo serviço, a ANEEL não interveio antes para cobrar dela planos de investimento, espera o sistema se degradar, aí diz: “Ah, não posso fazer nada”. O contrato de concessão feito depois de 1995 de fato previa a regulação mão leve, apenas define o preço, como se a qualidade fosse algo natural, e os investimentos da manutenção de transformadores e ampliação de redes acontecessem. Havia um incentivo perverso para que fizesse o mínimo de investimento, para remeter o máximo de lucro.

O governo sabia disso. Não se mudou regulação para distribuição; não se mudou a regulação e organização do sistema para transmissão; não se mudou na geração. Pois estamos colhendo os frutos daquilo que não foi feito quando era a hora, em 2003-4. Muito embora a pessoa que capitaneou esta linha, que levou o governo por este caminho, evidentemente foi muito bem premiada: foi conduzida à Presidência da República.

Revista Adusp
. Você mesmo mencionou que, com o crescimento econômico, há necessidade de expandir a capacidade de geração de energia. Agora, o modelo preferido pelo governo é esse, é o das grandes usinas hidrelétricas. E você mencionou alternativas. Que alternativas o Brasil teria a essas grandes usinas hidrelétricas?

ILDO. Não sou, por princípio, contra as grandes, desde que todas as questões sociais, ambientais e econômicas sejam resolvidas. Para simplificar: o Brasil hoje, o território brasileiro, tem um potencial estimado em 250 mil MW de usinas hidráulicas; 82 mil MW já estão funcionando e outros quase 20 mil MW estão em construção, então chegaremos a 100 mil MW, dos 250 mil MW. É verdade que a parte significativa do potencial remanescente de grandes usinas vai para a direção da Amazônia e, principalmente, também no Centro-Oeste, todos rios que descem do Planalto Central.

Há ainda em outras regiões do Brasil 17 mil MW de pequenas centrais. O potencial eólico brasileiro foi estimado em 143 mil MW, para torres de 50 metros de altura; quando se dobra a altura, se dobra esse potencial para 300 mil MW.

Há uma complementariedade muito importante no Nordeste: no período com menor intensidade hidrológica, há mais intensidade eólica, e vice-versa. De uma certa forma, o regime de ventos do sertão do Nordeste e do litoral do Nordeste é complementar à hidraulicidade dos rios Tocantins, Xingu, Tapajós, Paraná e São Francisco. Existe ainda também, com o incremento da produção de energia de etanol, bagaço de cana, que pode ser usado em cogeração. Queima-se o gás natural, aumentando seu consumo em 30%, e esses 30% viram eletricidade e os outros continuam produzindo o vapor necessário, o calor, seja num hotel, num shopping center, numa indústria química, numa refinaria, onde for.

Também é fato que não necessariamente o paradigma de crescimento econômico que o Brasil está seguindo hoje tem que ser seguido. Não há um vínculo tão direto entre consumo de eletricidade e bem-estar. É possível produzir unidades de Produto Interno Bruto com maior ou menor intensidade de uso da energia, dependendo de em que área isso seja. A economia na área de serviços consome pouca energia.

Já produzir alumínio e ferro-ligas consome muita energia. Então é também uma matéria de escolha, com que paradigma nós vamos participar da divisão internacional do trabalho. É matéria de escolha, não é de destino. De forma que recursos naturais no Brasil não faltam. Eu citei então cerca de 300 mil MW de usinas eólicas, tem cerca de 1 mil MW já prontos de eólicas funcionando.

Revista Adusp
. Só 1 mil MW?

ILDO. Mais ou menos 1 mil MW hoje. Está crescendo muito no Brasil, especialmente depois da crise de 2008 na Europa, havia uma produção internacional de usinas de aerogeradores e os programas incentivados da Europa e do Estados Unidos foram descontinuados. Então, com isso, a energia eólica no Brasil está muito mais barata do que a nuclear; e mais barata do que a de gás natural nos últimos leilões. Nesse sentido, então, não necessariamente as grandes usinas têm que ser feitas primeiro.

O problema é que a EPE [Empresa de Pesquisa Energética] só foi criada em 2005, ela devia ter sido criada em 2002, para fazer o que ela faz, ou poder ter recuperado o papel que antigamente a Eletrobrás fazia. A EPE foi criada como uma espécie de agência reguladora neutra, para as privadas terem confiança nela. Porque a Eletrobrás não tinha usinas, quem tem são as subsidiárias, a Eletrobras perdeu o sentido agora. Ela era uma empresa que fazia estudos de planejamento, organizava e financiava investimentos. Era uma espécie de BNDES do setor elétrico. Ela ficou num limbo. Como uma organização para alavancar negócios privados nas parcerias, para assumir os riscos. Para fazer linha de transmissão, fazer usina, toda vez é um grupo privado com um grupo estatal, uma empresa do sistema Eletrobrás mais os privados.

Quando o negócio vai bem, o privado prevalece. Quando começa a ir mal, se estatiza, e a muleta da Eletrobrás está lá. De forma que quem deveria ter feito os estudos é o governo. Ele preferiu uma empresa dita neutra, que é contratada num regime de prestação de serviço pelo Governo Federal, e serve para organizar os leilões. A EPE, junto com a ANEEL, faz os leilões. Não se quis que fosse uma empresa estatal de porte, para exatamente sinalizar para os empresários que o governo Lula vai manter a hegemonia do capital privado no setor de energia.

Não é surpreendente por isso que, de uma certa forma, haja um movimento hoje em curso, com utilização da influência do governo via fundos de pensão, Previ, Petros, etc., que têm investimentos em distribuidoras elétricas, para fazer da Camargo Corrêa, que hoje controla a CPFL, a campeã nacional das redes elétricas. Como já se fez, depois daquele enorme imbróglio da BrT, Telemar e Tim, se transformou a Andrade Gutierrez na dona da telefonia celular no Brasil e da telefonia em geral. Como se manobrou a Petrobras para converter a Braskem, do grupo Odebrecht, na dona da petroquímica nacional. Como se está fazendo no petróleo, ao criar o homem mais rico do mundo em menos de três anos, dando-lhe o que hoje já são 10 bilhões de barris de petróleo, em pouco mais de três anos.

Quando ele recolhe dentro da Petrobras o núcleo estratégico de planejamento e de exploração e produção, comandado pelo gerente executivo Paulo Mendonça: saíram 15 a 16 pessoas desse núcleo, que junto com o contrato dado, mantido pelo governo Lula em novembro de 2007, formou patrimônio, para quê? Contratou leilão, formou a empresa em julho de 2007, obteve as concessões em novembro; e, em julho de 2008, fez a Initial Public Offering e a empresa já valia US$ 10 bilhões. E agora, depois de alguns anos de exploração, anunciou essa semana que tem 10 bilhões de barris de petróleo de reservas, quando a Petrobras, em mais de 50 anos antes do Pré-Sal, conseguiu chegar a 20 bilhões de barris, produziu cinco e tinha 15.

Isso é uma empresa privada, a OGX, que daqui a oito anos vai estar produzindo mais petróleo do que a Líbia produz hoje. Os Estados Unidos têm 29 bilhões de barris de reservas e ele anuncia que tem 10 bilhões de barris. Portanto, um senhor só controla hoje o equivalente a um terço das reservas de petróleo dos Estados Unidos.

Isso tudo foi a operação do governo de 2003 a 2006, na área de energia, para permanentemente se associar aos capitais nacionais, em adição aos internacionais, que já tinham vindo aqui na época da hegemonia da teoria da dependência associada. Vieram os estrangeiros pelo governo Fernando Henrique, e no governo Lula criaram-se os campeões nacionais com a ajuda generosa do BNDES e de todas as estatais, que foram instrumentalizados para tal. Como a própria Petrobras de um lado, o sistema Eletrobras de outro e, acima de tudo, o BNDES em todas. De forma que na área de energia, petróleo, gás e eletricidade esta é a mensagem.

É dessa mensagem que resulta a deterioração, porque não é possível dar o melhor de tudo para os empresários, para os concessionários e os contratantes, sendo generosos em termos de não cobrar a qualidade, de não cobrar a redução de custos, e ao mesmo tempo querer atender a população. Alguém tem que ganhar, alguém vai perder nessa história. Até agora o perdedor tem sido o consumidor cativo do setor elétrico e também o de biocombustíveis, como nós vimos no tumulto todo em torno dos carros flex fuel e da mensagem subreptícia que foi passada, de que álcool sempre estaria disponível e barato, quando isso era impossível, pelo outro arranjo, no outro setor.

Parece muito simplório dizer isso, mas eu posso demonstrar com dados que o fato de não terem sido refeitos os contratos de concessão, para criar novas obrigações, para reequilibrar a equação da tarifa com a qualidade, e ter instrumento de permanente acompanhamento local, é que gerou a deterioração na distribuição, que gerou os apagões, gerou os “apaguinhos”, a descapitalização das empresas estatais, que operam grandes linhas de transmissão, como aquelas de Itaipu. E o privilégio que se dá para as estatais jogarem todo o dinheiro novo delas para fazer parcerias com as privadas na expansão de grandes usinas, como Belo Monte, Santo Antônio e Jirau, ou linhas de transmissão, fez com que elas não usassem o dinheiro para fazer a manutenção das redes de transmissão, e muitas vezes as próprias usinas de geração antigas, que poderiam ser modernizadas e repotenciadas.

Revista Adusp. De Belo Monte se diz que, além dos impactos ambientais, dos danos causados às populações humanas, a usina não compensaria os investimentos, que são enormes, uma vez que parte do seu potencial seria inaproveitável durante a estação seca. Queria saber, em primeiro lugar, se esse argumento na sua opinião procede. E, sobre as pequenas hidrelétricas, se você as considera viáveis para eventualmente substituir essas usinas gigantes, ou se seriam apenas uma fonte complementar de energia.

ILDO. Sobre Belo Monte, eu estive pessoalmente em dezembro de 1992, junto com a CABA, Comissão dos Atingidos por Barragens da Amazônia, que era uma subsidiária de então do MAB [Movimento dos Atingidos por Barragens], junto com a CUT e a Comissão Pró-Índio. Eu e o professor David Zilberstein estivemos lá dando um curso de duas semanas para camponeses, lideranças indígenas e sindicatos em geral. Com essas duas semanas e o livrinho que nós produzimos aqui no Instituto ajudamos a manter a resistência das comunidades locais ao projeto, que então ainda era herança direta do governo militar nos anos 1990, que visava fazer grandes usinas naquela região, para subsidiar a produção de alumínio de exportação, principalmente usando bauxita do rio Trombetas, em Oriximiná e no Carajás. O projeto entrou em ocaso, porque a economia brasileira entrou em crise.

Com a resistência local e a índia Tuíra, que afiou seu facão e o colocou no pescoço do então presidente da Eletronorte, os projetos ficaram fora. Eis que, de repente, no final do segundo governo Lula, ressuscita-se Belo Monte, como um desespero extraordinário, para salvar a lavoura brasileira. Tudo porque, como eu disse antes, não se fez o estudo do inventário adequado, em termos energéticos, econômicos, técnicos, ambientais e sociais, do potencial hidráulico remanescente.

A usina de Belo Monte, do ponto de vista natural — é uma controvérsia que precisa ser esclarecida — tem atributos muito favoráveis. Todos os rios da Bacia Amazônica têm a hidrologia muito sazonalizada, caindo sua vazão muitas vezes para um quarto durante o período seco. O período chuvoso começa em novembro, vai até maio, tipicamente, depois começa a seca, que vai até novembro de novo, e aí os caudais são extremamente menores.

Não obstante, mesmo assim, ainda que Belo Monte custe 50% mais do que foi anunciado no orçamento, chegue a R$ 30 bilhões, ainda assim, do ponto de vista econômico, é um dos aproveitamentos com bons atributos. O problema de Belo Monte não é nem a geologia: pode haver dúvidas sobre a geologia, mas parece que esses problemas foram resolvidos.

Então o problema não é técnico, não é econômico, o problema lá é simplesmente político. É o desrespeito que o governo Lula impôs à população que estava já há mais de 20 anos em pé de guerra, desde os anos 1970, contra o projeto. O mínimo que se esperava era que os estudos ambientais tivessem sido aprofundados, não levassem à demissão de vários técnicos no âmbito do Ibama.

Isso não é um tratamento politicamente aceitável, vindo de um governo que foi eleito como democrático e popular. De repente, parece que a pressão sobre a demanda e a pressão das grandes empreiteiras conjugaram-se — e o governo Lula achou que tinha força política, mediante a ameaça de racionamento, sem reconhecer que, se houvesse risco, era só porque ele não tomou as precauções e medidas necessárias para produzir energia de outras formas.

Como eu já disse antes, os números são eloqüentes: há mais de 150 mil MW de outras usinas hidráulicas, cerca de 300 mil MW de usinas eólicas, cerca de 15 mil MW de bagaço de cana, cerca de 10 mil MW a 15 mil MW com cogeração a gás natural, um potencial grande de racionalização do uso possível, conservação de energia, e, acima de tudo, 17 mil MW de pequenas centrais hidrelétricas.

A dotação de recursos naturais, capacitação tecnológica, recursos humanos e financiamento generoso do BNDES, está tudo aí. Dá para escolher qualquer projeto para atender, basta planejar, gerir e organizar. Três coisas que não foram feitas no setor energético, apesar do que deveria ter sido aprendido com o racionamento e os apagões que precederam 2001. Tanto que o governo Lula teve dois apagões nacionais em dois anos; o governo Dilma, em poucos meses, já empatou.

De forma que Belo Monte tem atributos naturais, essa polêmica em torno da sazonalidade não se sustenta, até porque todas as usinas são assim. O reservatório lá vai ser pequeno, mas dá para conjugar com o reservatório das outras grandes usinas que ainda existem, os reservatórios de acumulação. Belo Monte vai ser uma usina tipicamente a fio d’água, praticamente toda a água que passa é turbinada, e a que não é turbinada vai para o vertedouro, não é acumulada como previa o projeto antigamente, que ia inundar todo o rio Iriri, que é outro afluente do Xingu, e o próprio Xingu, quilômetros e quilômetros a montante das duas barragens que estavam previstas lá, que eram Babacuara e Cararaú, os nomes originais desses empreendimentos.

Então essa é minha visão sobre Belo Monte: tem um projeto com atributos naturais, isso não quer dizer que deva ser feito. Como ninguém hoje está propondo barrar as cataratas do Iguaçu, nem as do Niágara. Quando há situações muito fortes que se sobrepõem, não se precisa fazer, até porque não há necessidade, há outros recursos.

Quanto às pequenas centrais hidrelétricas, não se pode falar genericamente, porque cada caso é um caso: depende sempre da hidrologia, topografia, geologia e da proximidade com os demais centros. Normalmente, as pequenas centrais elétricas têm enormes vantagens. Porque elas, evidentemente, causam algum impacto no meio ambiente, mas têm reservatórios só de regularização diária ou semanal, no máximo, portanto são menores, servem para piscicultura, servem para recreação e servem como depósito de água para uso em irrigação e mesmo em abastecimento público.

Casos muito interessantes para se olhar são, por exemplo, as usinas do Departamento Municipal de Águas de Poços de Caldas, que praticamente tornaram a cidade autônoma em energia há muito tempo, e geraram lazer, com pousadas, hotéis, para recreação no entorno dessas usinas. Então muitas vezes elas têm custo favorável e têm esses benefícios colaterais. O potencial estimado é de 17 mil MW, é mais do que Itaipu, Itaipu hoje está com 14 mil MW.

No Brasil hoje, então, o que se pode dizer como síntese é que recursos naturais não faltam, o que falta é planejamento, gestão e organização do sistema e atributos. Porque o setor de energia é marcado pela presença de um fenômeno que se chama de possibilidade de geração de rendas absolutas e diferenciais, ou então lucro suplementar, ou super-benefício. É uma condição na qual o capital e o trabalho alocados socialmente têm um retorno muito maior do que teriam se fossem alocados no sistema de capital concorrencial.

Tipicamente o retorno para ele é hoje de 8%, 10% ao ano. Numa usina hidráulica ou num posto de petróleo, esse lucro suplementar é de uma enorme dimensão. É o que eu falei antes das usinas hidráulicas amortizadas: elas têm custo de R$ 10 o MW/hora, no máximo; produzem algo que vale R$ 110; sobram R$ 100, que é o lucro suplementar, que nós propomos que seja apropriado publicamente e não em benefício do grande capital, como quer essa campanha pública que já está nas manchetes dos jornais, subrepticiamente, e com notas, como saiu na Folha de S. Paulo.

Revista Adusp. Que campanha é essa?

ILDO. É uma campanha para que as usinas hidráulicas cujas concessões vencem até 2015 sejam destinadas à chamada modicidade tarifária do sistema produtivo brasileiro. Quer dizer, eles querem comprar energia a R$ 10 o MW/hora, ao invés de ajudar… Porque depois de quase nove anos de “Luz para Todos”, dos 12,5 milhões de brasileiros que estavam às escuras ainda têm 2,5 milhões às escuras. Em três anos era possível ter eletrificado todo mundo, no entanto, nove anos depois ainda tem 2,5 milhões às escuras, e o governo ainda prorrogou o “Luz para Todos” para 2014. Por quê? Falta de recursos.

Ora, onde é que está o recurso? A Constituição diz que o petróleo de subsolo é da nação, que os potenciais hidráulicos são da nação. Se as usinas já amortizadas, pagas duas ou três vezes pelo consumidor brasileiro, agora pertencem ao Tesouro Nacional, só esses 22 mil MW cujas concessões vão vencer até 2015 dariam, como eu disse antes, uma geração líquida da ordem de R$ 10 bilhões a R$ 15 bilhões por ano. É o volume que é gasto com Bolsa Família, poderia fazer uma nova educação pública, saúde pública.

Revista Adusp. O Brasil pretende construir hidrelétricas em sete países da América Latina. Além das críticas ambientais, tem as críticas das populações locais de que se trataria de imperialismo.

ILDO. Subimperialismo, sim. Eu vejo isto como uma das faces da chamada mudança, em homenagem à “Carta aos Brasileiros”, que o Lula acrescentou à política hegemônica do Fernando Henrique Cardoso. Eles se valeram do discurso teórico dos cepalinos, que viam a necessidade de induzir a construção de grupos econômicos nacionais e aí, além de fazer aquilo que eu disse antes no Brasil, com a petroquímica e tal, ainda alçaram a África e a América do Sul às quatro grandes empreiteiras, com financiamento do BNDES, para criar algo que se aproxima de um subimperialismo regional.

Impor essas usinas, muitas vezes negociadas com processos politicamente questionáveis com as lideranças locais. E aí vê o escândalo que foi uma empresa do porte da Odebrecht fazer a usina no Equador, US$ 500 milhões, e a usina não funciona. Com dinheiro do BNDES. E o governo brasileiro entrando em arbitragem nos fóruns jurídicos internacionais para obrigar o pobre povo do Equador a pagar por uma usina que não funciona. Isto é uma vergonha.

Isso está acontecendo, eles fazem qualquer obra, a qualquer custo, desde que as autoridades locais aceitem. Isso tanto na África como aqui, para fazer biocombustíveis e obras hidrelétricas, rodoviárias, principalmente, e outras usinas. Está sendo feito. O mais grave foi Inambari, no Equador. Veja, Inambari fica 700 km para lá de Santo Antônio e Jirau, que ficam a 2,4 mil km de São Paulo.

Nós temos o potencial tão grande aqui no Brasil que citei há pouco. Na dissertação de mestrado da Juliana Ricosti nós mostramos que, se a gente usar parte desse potencial que eu citei há pouco, em 2020 — quando a população, segundo o IBGE, vai se estabilizar em 220 milhões de habitantes — será possível dobrar o consumo per capita de hoje, usando apenas cerca de 50% do potencial eólico e 70% do potencial hidráulico, complementados com essas outras coisas que eu disse, e ainda sobraria. Isso daria 1.100 milhões de MW/hora.

Hoje nós possuímos cerca de 400 milhões de MW. Então sobraria ainda energia com potencial remanescente para, por exemplo, transformar grande parte da frota de veículos de combustíveis líquidos para elétricos, assim ajudando a despoluir o ar das grandes metrópoles, que é um grave problema de saúde pública hoje.

Por que ir para o Peru? Não teria sentido fazer hidrelétrica no Peru ou na Bolívia para mandar energia para cá, porque vai ser mais cara, instabiliza mais ainda o sistema elétrico, por causa das longas linhas de transmissão. A única razão é o negócio em favor das empreiteiras, que são o sócio predileto. Citei as quatro grandes, como elas criaram um naco do capitalismo brasileiro: Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS e Camargo Corrêa.

Estão em toda América do Sul, na África e na América Central também, com dinheiro do BNDES, e a Eletrobrás entra como garantidora. Que opera [no exterior] inteiramente livre dos controles públicos do Tribunal de Contas da União. O ambiente é mais livre, tem mais agilidade para fazer negócios. E o BNDES tem sido a mãe de todos, porque o governo pega dinheiro do público a 12,5%, capitaliza o BNDES, que passa a emprestar a 6%, 7% ao ano.

Tem, além dessas relações complicadas com as populações locais, relações complicadas com líderes políticos, muitas vezes desprestigiados, como o que saiu do Peru agora. Sempre permanece em brumas e obscuridade o que foi negociado nesses projetos.

Revista Adusp. Vamos para outro “departamento”. A Alemanha acaba de sepultar o seu programa de energia nuclear. O Brasil deve abandonar a energia nuclear, desativar as usinas de Angra? Ou, ao contrário, deve persistir nessa seara?

ILDO. Este é meu campo predileto, porque sou engenheiro nuclear. Eu abandonei a energia nuclear em 1991, quando vim para a USP, porque já então eu achava que era um caminho não prioritário para o Brasil. Havia outros recursos, como já discutimos há pouco. Isso porque o impacto de Three Mile Island havia sido um tsunami financeiro já então. Não mais do que isso, porque não houve problemas de radioatividade fora do controle em grande escala. Chernobyl revelou a face que a falta de cuidado pode significar, em relação ao permanente risco da opção nuclear, porque o critério de segurança lá era muito primitivo, eram usinas sem barreira de proteção múltipla.

Há países onde a opção nuclear dificilmente tem condição de ser abandonada, se não for substituída por carvão, como é o caso da China. Então eu separo o debate dentro do Brasil e fora. Como repositório natural de energia herdado do Big Bang e do seu reprocessamento ao longo de corpos celestes, que depois vieram formar a Terra, evidentemente o urânio, o deutério e o trítio representam uma fonte enorme de energia natural e não pode ser descartada.

Mas no caso brasileiro, particularmente, a previsão do acordo nuclear Brasil-Alemanha era de que em 1990 teríamos oito usinas nucleares, mais Angra I; em 2000, 40 usinas nucleares; em 2016, 160 usinas nucleares no Brasil. Essa era a previsão dos militares, quando criaram o programa nuclear brasileiro, quando me deram bolsa para fazer o mestrado e o doutorado em engenharia nuclear e deram bolsa de iniciação científica e outras coisas mais. Então eu sou fruto do programa nuclear brasileiro.

No entanto, Angra I levou vinte e poucos anos para ser concluída; Angra II, 21 anos; e Angra III deveria ter sido abandonada. Já está em R$ 10 bilhões o orçamento a ser utilizado para concluir Angra III. O governo está propondo no seu plano ainda mais quatro usinas nucleares, juntas elas vão custar mais R$ 40 bilhões.

Na dissertação de mestrado da Juliana Ricosti, que está à disposição de vocês, simulamos a retirada de todas as usinas que entrariam depois de 2015, as quatro nucleares, só não tiramos Angra III porque eles já estão querendo concluí-la, todas as usinas a carvão e a óleo, e simulamos colocando eólica. Concluímos que o custo de fazer só eólica e hidráulica, com complementação térmica, seria muito menor.

Como eu disse antes, o Brasil não precisa das nucleares, tem outros recursos, é uma condição diferente da dos demais países. Poderíamos simplesmente abandonar as quatro nucleares novas. É importante notar que o governo está fazendo um processo de aliciamento no Nordeste, nas margens do São Francisco, que precisa de água para resfriamento, eles estão anunciando que as nucleares poderão ser a salvação contra a pobreza, porque ser vizinho de uma usina nuclear vai render royalties, como rende em Angra, rende uma contribuição anual às prefeituras. É uma espécie de compra pelo direito de colocar algo perigoso no seu quintal.

No Brasil, então, a conta que eu fiz foi a seguinte: ao invés de gastar R$ 40 bilhões ou R$ 50 bilhões para fazer Angra III mais quatro nucleares, você pode com R$ 25 bilhões fazer a mesma capacidade de geração de energia usando hidráulicas, eólicas, complementadas termicamente. Gastar só metade e praticamente não vai queimar combustível, nem vai deixar piscinas inteiras, cada uma delas, para cada reator que operar 30 anos, com mil toneladas de elementos combustíveis queimados ao longo da vida útil, que exigem cuidado.

Se você for reprocessar, quebrar e separar, você precisa de 300 anos para cuidar dos resíduos. Se não reprocessar, são cerca de 2 mil anos para esperar que fiquem inofensivos. Deixar de herança para nossos netos, bisnetos, gerações futuras, a carga de cuidar de elementos radioativos, que vão exigir custos por séculos, se não milênios, é absolutamente despropositado.

O absurdo de Angra III é o seguinte: eles ressuscitaram um contrato que estava hibernando por duas décadas, com a Andrade Gutierrez. Os primeiros contratos da era nuclear o presidente Geisel deu a seu amigo Norberto Odebrecht. Para evitar o monopólio da tecnologia nuclear na mão da Odebrecht, o terceiro contrato quem ganhou foi a Andrade Gutierrez. Décadas depois, eles conseguiram ressuscitar o contrato.

Ironicamente, é a mesma Andrade Gutierrez que herdou também as telecomunicações do país. O grande monopólio privado, como dizia o ex-ministro para mim: “Nós não podemos colocar tudo na mão das empresas estatais e do governo, temos que ajudar essas empresas, que podem nos ajudar.” Eu não entendia o que era “nos” ajudar nessa conversa.

Revista Adusp. Vamos para o Pré-Sal. Você foi diretor de Gás e Energia da Petrobras.

ILDO. Cinco anos.

Revista Adusp. A descoberta das reservas do Pré-Sal sugere que o país reforçou extraordinariamente a sua condição de produtor de combustível fóssil e que, com isso, obterá recursos financeiros de tal monta que poderá investir maciçamente em áreas até agora relegadas, tais como educação, ciência e tecnologia. Por outro lado, quando mais se fala em energia limpa, o Brasil se compromete enormemente com fontes fósseis de energia, cujo potencial poluidor é conhecido. Como você analisa esse quadro contraditório?

ILDO. Não acredito que o regime capitalista tenha condições, sem se aprofundar numa crise mais violenta do que a que já viveu até hoje, de abrir mão dos recursos remanescentes do petróleo. A população era de 700 milhões de habitantes em 1750. A Era do Carvão a elevou para 1,7 bilhão, com o incremento extraordinário da produtividade do trabalho social. A Era do Petróleo praticamente se aprofunda de 1910 a 1920, e é hegemônica ainda até agora, como processo de incremento extraordinário da produtividade do trabalho e da circulação de mercadorias, no âmbito industrial, urbano e de circulação, conquanto a eletricidade foi mais para alguns tipos de fábrica e algumas coisas do ambiente urbano.

Lenin dizia que socialismo é soviete mais eletricidade. Ele tinha razão porque a eletricidade chegando, a produtividade do trabalho aumentava, saía-se da era de quase caçador e coletor, pré-revolução agrícola, para uma era pós. Então não há que desprezar o que aconteceu na União Soviética em termos de fenômeno de produção. Incremento extraordinário com apropriação social da energia.

A apropriação do petróleo pelo capitalismo para incrementar a produtividade do trabalho fez a população pular de 1,7 bilhão, em 1910, para 6 bilhões de pessoas, 100 anos depois. Produz-se em escala sem precedentes, circula-se em escala sem precedentes. O PIB mundial hoje é de US$ 60 trilhões, mais ou menos; o excedente econômico do petróleo sozinho é US$ 3 trilhões.

Hoje um barril custa menos de US$ 10, vale mais de US$ 100. Produzem-se hoje 85 milhões de barris por dia, que dá uns 30 bilhões de barris por ano. O excedente é US$ 100 por barril, vezes 30 bilhões, isso dá US$ 3 trilhões por ano, que é um excedente econômico disputado com todas as armas para incrementar a acumulação capitalista.

Isto é produção de valor sem alocar trabalho de capital, é o chamado lucro suplementar. Então se invade o Iraque, se ameaça a Venezuela, se cria a 4ª Frota para vigiar o Atlântico Sul quando o Pré-Sal brasileiro vai até 300 km mar adentro e não é reconhecido que isso é mar territorial pelos países.

Os Estados Unidos têm 30 bilhões de barris de reservas: dá para três anos se eles quiserem produzir seu próprio petróleo, consumindo cerca de 9 bilhões/ano. O capitalismo mundial não consegue operar sem o petróleo, por esses atributos. Substituir o petróleo significa gastar muito mais trabalho, muito mais capital, para fazer a mesma produção.

Quando o mundo de hoje precisaria, se fosse possível pensar utopicamente, satisfazer as necessidades dos 2 bilhões de famintos que vivem abaixo da linha de pobreza, dos outros 2 bilhões de remediados; significa que deveríamos produzir mais, portanto incrementar a produtividade industrial do trabalho, mas, acima de tudo, redistribuir melhor o produto social do sistema econômico. Esse é o dilema. Isso evidentemente agrava a questão ambiental global da biosfera. Só que eu não vejo saída, a não ser uma saída gradual.

Não é possível imaginar, como muitos da sustentabilidade vulgar fazem crer, que os processos são circulares, que retornam sempre ao mesmo ponto. A história só anda para frente, é um processo dialético permanente de rupturas e mudanças. Achar que o mar sempre vai ser do mesmo jeito, a atmosfera, é ilusão. E aí, como é que eu coloco o Pré-Sal nessa história?

Primeiro, que a demanda mundial de petróleo vai ser satisfeita, independentemente de com que recursos, ou vai ser substituído por coisas piores como carvão liquefeito, por um processo Fischer-Tropsch. Você usa carvão para separar a molécula da água em hidrogênio e oxigênio, combina os hidrogênios com carbono e faz qualquer cadeia de combustível, que pode ser GLP, pode ser gás natural, pode ser gasolina, pode ser querosene, pode ser óleo combustível.

Quanto custa? US$ 80, que aliás é o preço diretor, o preço social de produção da energia. Marx já previa isso, ele estava correto. É o carvão que determina o preço do petróleo, porque ele é o único substituto em escala global.

Então, do ponto de vista da apropriação da renda absoluta, renda diferencial, todos aqueles que controlam o oligopólio do petróleo não abrem mão dele, a não ser pelo seu preço social alternativo, que é dado pelo preço social de produção do carvão, que seria a alternativa em escala mundial, capaz de satisfazer as necessidades energéticas.

Talvez no futuro, se a tecnologia evoluir muito, podem ser os renováveis, ou então a nuclear. Porque o bolsão de petróleo remanescente convencional hoje é de cerca de 1,8 trilhão de barris. Nós estamos consumindo hoje 30 bilhões de barris por ano, portanto teria, teoricamente, [estoque para] 60 anos.

No entanto, nesse quadro, eu não vejo como se poderá abrir mão do petróleo. Ainda que fosse um desejo de apropriar mais energia renovável, aumentar a produtividade dos sistemas tecnológicos que apropriam energia do sol, o recurso menos disponível na Terra é o do petróleo. Energia natural não falta. Aquela que é disputada é a que permite maior excedente econômico, especialmente aquela que gera o lucro suplementar tão grande quanto é o petróleo hoje.

Não há nada que se compare. Mesmo num sistema socialista, se eu me lembro bem do que disse o Lenin, também não se poderia abrir mão daqueles recursos que permitem produzir mais com menos trabalho, para satisfazer mais necessidades, ao invés de só acumular e botar no balanço das empresas, que é o que o capitalismo faz — essa é a grande diferença.

No entanto, nesse quadro, é absolutamente inaceitável o modelo que foi aprovado, depois que o Pré-Sal foi confirmado, em 2005, quando se furou o poço de Paraty. No poço de Paraty, debaixo do sal, havia petróleo, confirmando uma suspeita de três, quatro décadas. Em 2005 foi Paraty, 2006 Tupi chegou.

Revista Adusp. Você ainda estava na Petrobras?

ILDO. Eu ajudei a tomar essa decisão. Nós tomamos essa decisão, não sabíamos quanto ia custar. O poço de Tupi custou US$ 264 milhões, para furar os 3 km de sal e descobrir que tinha petróleo. O Lula foi avisado em 2006 e a Dilma também, de que agora um novo modelo geológico havia sido descoberto, cuja dimensão era gigantesca, não se sabia quanto. Então, obviamente, do ponto de vista político, naquele momento a nossa posição, de muitos diretores da Petrobras, principalmente eu e Gabrielli, que tínhamos mais afinidade política com a proposta do PT de antigamente, a abandonada, achávamos que tinha que parar com todo e qualquer leilão, como aliás foi promessa de campanha do Lula.

Na transição, ainda a Dilma falou, “não vai ter mais leilão”. Mas se subjugaram às grandes pressões e mantiveram os leilões. Fernando Henrique fez quatro, Lula fez cinco. Lula entregou mais áreas e mais campos para a iniciativa privada do petróleo do que Fernando Henrique.

Revista Adusp. Mas Gabrielli era contra e acabou concordando?

ILDO. Não. A Petrobras não manda nisso, a Petrobras é vítima, ela não era ouvida. Quem executa isso é a ANP [Agência Nacional do Petróleo], comandada pelo PCdoB, e a mão de ferro na ANP era da Casa Civil. Então a voz da política energética era a voz da Dilma, ela é que impôs essa privatização na energia elétrica e no petróleo. Depois do petróleo já confirmado em 2006, a ANP criou um edital pelo qual a Petrobras tinha limitado acesso. Podia ter no máximo 30% ou 40% dos blocos, necessários para criar concorrência. Porque, em 2006, Tupi já havia sido furado e comunicado.

O segundo poço de Tupi, para ver a dimensão, foi feito mais adiante, esse ficou pronto em 2007. Só que o Lula e a Dilma foram avisados pelo Gabrielli em 2006. Muitos movimentos sociais foram a Brasília, nós falávamos com os parlamentares, os sindicatos foram protestar. O Clube de Engenharia, que é a voz dos engenheiros, mandou uma carta ao Lula, em 2007, pedindo para nunca mais fazer leilão.

Em 2005-6, o [Rodolfo] Landim, o queridinho do Lula e da Dilma, saiu da Petrobras. Porque o consultor da OGX, do grupo X, do senhor [Eike] Batista, era o ex-ministro da Casa Civil, e ele sugeriu então que Eike entrasse no petróleo. Aí ele contratou o Landim, que começou a arquitetar. Como o centro nevrálgico da estratégia da Petrobras é a gerência executiva de exploração, o geólogo Paulo Mendonça, nascido em Portugal, formado aqui na USP, e o Landim, articularam para em 2007 criar uma empresa nova, a partir dos técnicos da Petrobras. E o senhor Batista queimou alguns milhões de dólares para assinar os contratos e dar as luvas desses novos cargos, que estavam dentro da Petrobras mas, desde que o Landim foi trabalhar com o senhor Batista, ele já estava lá para arrancar de dentro da Petrobras esses técnicos.

Aí chegou o fim de 2007, todos nós pressionando para não ter mais leilão, o Lula tira 41 blocos… Veja, vamos voltar a 2006. Em 2006, quem anulou o leilão foi a justiça, por discriminação contra a Petrobras, feita pelo governo do PT, comandado pelo PCdoB na ANP, a mando da Dilma. Como diz o próprio PCdoB, o Haroldo Lima só executou ordens do governo, como fiel cumpridor, não é iniciativa dele fazer essas coisas. Ouvi isso da Jô Moraes, num debate na Câmara dos Deputados.

Só que aí se criou o seguinte imbroglio: um ex-ministro do governo Lula e dois do governo Fernando Henrique, Pedro Malan e Rodolpho Tourinho, foram assessorar o Eike Batista. Ele já tinha gasto um monte para montar sua empresa de petróleo. Se o leilão fosse suspenso, ele ia ficar sem nada, e já tinha aliciado toda a equipe de exploração e produção da Petrobras.

O que caberia a um governo que primasse por um mínimo de dignidade para preservar o interesse público? Cancelar o leilão e processar esses caras que saíram da Petrobras com segredos estratégicos. Por que não foi feito? Porque tanto Lula, quanto Dilma, quanto os ex-ministros, os dois do governo anterior e um do governo Lula, estavam nessa empreitada.

Revista Adusp. Quem era o ex-ministro?

ILDO. O ex-chefe da Casa Civil, antecessor de Dilma.

Revista Adusp. José Dirceu?

ILDO. É, ele foi assessor do Eike Batista, consultor. Para ele, não era do governo, ele pegou contrato de consultoria, para dar assistência nas negociações com a Bolívia, com a Venezuela e aqui dentro. Ele [Dirceu] me disse que fez isso. Do ponto de vista legal, nenhuma recriminação contra ele, digamos assim. Eu tenho contra o governo que permitiu se fazer. E hoje ele [Eike] anuncia ter 10 bilhões de barris já, que valem US$ 100 bilhões.

Até então, esse senhor Batista era um milionário, tinha cerca de US$ 200 milhões. Todo mundo já sabia que o Pré-Sal existia, menos o público, porque o governo não anunciou publicamente. As empresas que operavam sabiam, tanto que a Ente Nazionale Idrocarburi D’Italia (ENI) pagou US$ 300 milhões por um dos primeiros poços leiloados em 2008. Três ou quatro leilões foram feitos quando o leilão foi suspenso pela justiça. Até hoje, volta e meia o [ministro] Lobão ameaça retomar o leilão de 2008, 2006. A oitava rodada. Para entregar. Tudo em torno do Pré-Sal estava entregue naquele leilão. No leilão seguinte, o governo insiste em leiloar. E leiloou. E na franja do Pré-Sal é que tem esse enorme poderio.

Como é que pode? A empresa dele foi criada em julho de 2007. Em junho de 2008 ele fez um Initial Public Offering, arrecadou R$ 6,71 bilhões por 38% da empresa, portanto a empresa estava valendo R$ 17 bilhões, R$ 10 bilhões dele. Tudo que ele tinha de ativo: a equipe recrutada da Petrobras e os blocos generosamente leiloados por Lula e Dilma. Só isso. Eu denunciei isso já em 2008. Publicamente, em tudo quanto é lugar que eu fui, eu venho falando para que ficasse registrado antes que ele anunciasse as suas descobertas. Porque fui alertado pelos geólogos de que lá tinha muito petróleo.

Foi um acordo que chegaram a fazer, numa conversa entre Pedro Malan, Rodolpho Tourinho e a então ministra-chefe da Casa Civil, em novembro, antes do leilão. O Lula chegou a concordar, segundo disse o pessoal do MST e os sindicalistas, em acabar com o leilão. Mas esse imbroglio, de o empresário ter gasto dezenas de milhões de dólares para recrutar equipe e apoio político nos dois governos fez com que eles mantivessem…

Tiraram o filé-mignon, mas mantiveram o contra-filé. O contra-filé é alguém que hoje anuncia ser o oitavo mais rico do mundo. E tudo foi mediante essa operação no seio do governo. Contra a recomendação dos técnicos da Petrobras, do Clube de Engenharia, do sindicalismo. Foi a maior entrega da história do Brasil. O ato mais entreguista da história brasileira, em termos econômicos. Pior, foi dos processos de acumulação primitiva mais extraordinários da história do capitalismo mundial. Alguém sai do nada e em três anos tem uma fortuna de bilhões de dólares.

A Petrobras durante a vida inteira conseguiu descobrir 20 bilhões de barris de petróleo, antes do Pré-Sal. Este senhor, está no site da OGX, já tem 10 bilhões de barris consolidados. Os Estados Unidos inteiros têm 29,4 bilhões de barris. Ele anuncia que estará produzindo, em breve, 1,4 milhão de barris por dia — o mesmo que a Líbia produz hoje.

É esse o quadro. Ou a população brasileira se dá conta do que está em jogo, ou o processo vai ser o mesmo de sempre. Do jeito que foi-se a prata, foi-se o ouro, foram-se as terras, irão também os potenciais hidráulicos e o petróleo, para essas negociatas entre a elite. O modelo aprovado não é adequado. Mantém-se uma aura de risco sem necessidade, para justificar que o cara está “correndo risco”, mas um risco que ele já sabe que não existe.

Qual é a nossa proposta? Primeiro, vamos mapear as reservas: saber se temos 100 bilhões, 200 bilhões, 300 bilhões de barris. Segundo, vamos criar o sistema de prestação de serviço: a Petrobras passa a operar, recebe por cada barril de petróleo produzido US$ 15 ou US$ 20, e o governo determina o ritmo de produção.

Porque há um problema: a Arábia Saudita produz em torno de 10 milhões de barris, a Rússia uns 8 milhões de barris, depois vêm os outros, com 2 a 4 milhões de barris por dia: Venezuela, Iraque, Irã. O Eike Batista anuncia a produção de 1,4 milhão de barris, a Petrobras anuncia 5 milhões de barris e pouco. Significa que o Brasil vai exportar uns 3 ou 4 milhões de barris. Já é o terceiro ator. Não se pode fazer mais isso.

Toda a longa trajetória da história do petróleo culmina a partir de 1960 com a criação da Opep [Organização dos Países Exportadores de Petróleo]. Tudo para que? Para acumular o excedente econômico, a renda. Então você não pode ter alguém no mercado que não opere de maneira coordenada. E a lógica dos contratos de concessão — já entregaram 28% do Pré-Sal e dos de partilha que querem fazer — é de que de você assina o contrato, tem um prazo para começar a explorar, concluir a exploração, depois tem uns 20 anos para retirar o mais rapidamente o petróleo.

No caso, a urgência urgentíssima do Congresso Nacional era de que tinha urgência para fazer fundos sociais. Essa é a maior falácia que eu já vi na minha vida. A Petrobras tem dois, três anos para fazer a exploração; depois dois, três anos para começar a botar as plataformas, é 2016-17. Daí a três anos vai começar a produzir o óleo-custo, estamos em 2020. Aí ela pagou todos os custos, a partir daí o óleo-lucro é dividido entre o governo e a empresa. Aí vai para o fundo no exterior. Em 2022, talvez, vai começar a mandar dividendos para cá. E tinha urgência urgentíssima para mandar dividendos do fundo social, que vai investir preferencialmente em ativos no exterior. Está na lei.

Não há nenhum ativo no mundo que vai ter mais rentabilidade do que o petróleo certificado debaixo da terra. Qual moeda? O derretido dólar? O derretido euro? O yuan? O yen? Eu faço essa pergunta desde 2007. Entro no Congresso Nacional, “Vocês querem investir em quê?” Em petróleo na Arábia Saudita, talvez fosse melhor, se eles deixarem.

Só que não tem onde comprar petróleo. Maluquice. Então minha proposta para o Pré-Sal é muito simples: que se delimitem as reservas; que se defina um plano nacional de desenvolvimento econômico e social: quanto para a educação, todo ano um orçamento, tipo R$ 100 bilhões a R$ 200 bilhões por ano, para a educação, para a saúde pública, para a reforma urbana, reforma agrária, proteção ambiental, infraestrutura em geral, ciência e tecnologia e, acima de tudo, transição energética.

Muito investimento em tecnologia para apropriar as formas renováveis. Com essa agenda, você define qual o orçamento de médio e longo prazo e aí ordena o ritmo de produção com alguma folga para atender a isso. E vai acumulando no fundo só o do orçamento do ano seguinte.

É uma loucura arrancar debaixo do seio do oceano brasileiro todo o petróleo, convertê-lo em moeda, para submeter à lógica do capital financeiro internacional. É o que todo mundo quer, porque todo mundo ganha com isso. Ganha o empreiteiro que faz a plataforma, a empresa que opera, ganham os bancos, ganham os políticos. Imagine um fundo lá fora de US$ 1 trilhão na hora de uma crise política, que maná.

Defendo o seguinte: deixa o petróleo lá, como reserva de valor, produz o necessário para financiar a transformação da base social e produtiva do Brasil, só. E ambiental. Não arranca de lá mais do que isso. Se nós temos isso, podemos abrir espaço para as outras fontes de energia: solar, fotovoltaica, eólica, tudo mais. Isso pode ser feito. E a Petrobras está pronta para fazer — claro que tem que reformar a Petrobras. Na minha opinião tudo isso vale também para a Vale do Rio Doce. Tem que se apropriar do excedente econômico da indústria mineral.

Nós fizemos um plano estratégico na Petrobras, algumas ações, inclusive tomar a decisão de investir em exploração para chegar ao Pré-Sal, e me orgulho de ter participado disso. De investir fortemente em exploração, porque lá, um bom marxista sabe disso, lá está o excedente econômico, o lucro suplementar. Na exploração. Na renda do petróleo. Não está nas outras indústrias: refino, petroquímica, tudo é capitalismo convencional concorrencial, onde o retorno médio é o retorno médio da acumulação do capital apenas. Se tivéssemos feito o que queriam muitos, teríamos só construído coisas por aí, feito termoelétrica, que nem o Fernando Henrique fez, e algumas refinarias, para atender os lobbies.

Só que a Petrobras opera como empresa capitalista, e quanto mais ela está sendo loteada entre os grupos da base do governo, ela passa a ser um capitalismo meio estranho, que de um lado atende à pressão dos lobbies, e do outro tende a maximizar a acumulação. Só. Ela tem que mudar, como a Vale tem que mudar.

Revista Adusp. A Vale continua privada.

ILDO. Mas isso é muito simples, eu já escrevi sobre isso. O capital dela é majoritariamente público ou para-público.

Revista Adusp. Via fundos?

ILDO. Fundos de pensão. Estatiza os fundos de pensão. Toda vez que os fundos de pensão têm prejuízo, são as estatais públicas que pagam, porque a Secretaria de Previdência Privada é obrigada a supervisionar…

Revista Adusp. A Petrobras controla o Petros, por exemplo?

ILDO. Sim.

Revista Adusp. Diretamente?

ILDO. Quem controla é o governo. Então a Petros, todos eles, são um instrumento paralelo de governo, privado. O governo faz o que quer, porque não presta contas a ninguém. Eu prefiro que estatize os fundos. Por isso a Vale será estatal, a Petrobras será mais uns 15% estatal.

Revista Adusp. Estatiza formalmente então?

ILDO. Formalmente. Faz uma lei decretando que os mutuários do fundo têm os direitos que estão no estatuto garantidos pelo governo federal. É melhor do que ter essas gestões privadas ditas de parceria, onde os trabalhadores não opinam e os governos impõem uma agenda de rapinagem, obrigam a comprar títulos que interessam aos parceiros. Isso foi profundamente feito no governo do Fernando Henrique e continua sendo feito hoje, no governo Dilma. Então prefiro que estatize. Escrevi isso para os engenheiros.

Revista Adusp.Você ficou até 2008 na Petrobras?

ILDO. Saí de lá 24 de setembro de 2007, um pouco antes desse último leilão. Eu reclamava muito internamente. Mandei oito cartas ao governo Lula, criticando a política do setor elétrico, propus uma reforma na direção do que nós falamos no começo, já em 2005-6 eu fiz isso. Fiquei esperando, o troço não mudava, então resolvi escrever. Fui a público, dei entrevistas ao Valor Econômico criticando a postura do governo nessa área. Eu não falava em petróleo publicamente, mas agíamos com o MST, os sindicatos de petroleiros, todos os deputados amigos nossos, eles iam lá. Eu ia pressioná-los, eles iam lá reclamar, não tinha eco. Porque o Lula só acreditava, gostava de acreditar no que a Dilma fazia.

A Dilma gostava de fazer o que o Lula pedia. Ela praticava estratégia que eu considero de assédio moral contra os subordinados, em todas as linhas, os funcionários de governo, todos os ministérios e das estatais. Ela impunha uma estratégia de ataque, de grosseria, então cada um faz o que ela quer. Ela sempre mandava os outros fazerem esses negócios, de vender energia no mercado livre, de organizar essas coisas. Usava desse poder de quem está em cima para mandar fazer e, ao mesmo tempo, do outro lado, ela era vista com extrema simpatia. Tinha uns arroubos com os privados, mas em geral estendia tapetes. Era essa estratégia que o Lula via, por isso ela virou candidata dele.

O Lula se revelou ser aquilo que o Coggiola [professor Osvaldo Coggiola, da FFLCH] tinha antecipado no prefácio do livro O filho do Brasil. E o Florestan Fernandes também tinha antecipado. A precária formação política, muito superficial, e valores extremamente conservadores. Eu só li o prefácio depois que voltei. Encontrei o Coggiola, fui ler o prefácio. E o Lula me deu o livro, portanto eu não devia reclamar dele. Cada um tinha um Lula, achava que o Lula era um paradigma da transformação — e ele era o que era, capitalista, conservador. E surpreendentemente para mim, ele queria chegar lá. Queria se converter num Pelé da política, para deixar o Palocci virar o Pelé da economia, e assim todo mundo ter salário de Pelé.

José Dirceu e Eike Batista contestam professor

Além da presidenta Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula, também o Ministério das Minas e Energia e a ANEEL deixaram de se manifestar a respeito das declarações do professor Ildo Sauer. Contudo, o ex-ministro José Dirceu e a empresa OGX, de Eike Batista, procurados pela Revista Adusp, encaminharam textos em que contestam as acusações formuladas pelo diretor do IEE-USP.

O ex-ministro José Dirceu sustenta jamais ter feito “uso de influência política” para desenvolver seu trabalho e nega que tenha participado do leilão citado ou nele representado os interesses da OGX: “É no mínimo equivocada a hipótese de que profissionais desligados do serviço público ou de empresas estatais não possam retomar suas atividades na iniciativa privada. Pensar desta forma é banir do mercado de trabalho quem dedicou uma parcela de sua vida à construção de um país melhor. Cabe a cada profissional que cruza esta fronteira manter-se alinhado aos mais elevados padrões éticos”, diz.

“Desde 2005, quando deixei o governo, me dedico às atividades de advogado e consultor e jamais fiz uso de influência política para desenvolver o meu trabalho. Não tive nenhuma participação no leilão citado e não representei os interesses da OGX. Por determinações contratuais — comuns à advocacia e à consultoria — não posso tornar público quem são os meus clientes.”

“Insinuações”

A OGX, empresa pertencente ao Grupo EBX, repudia “toda e qualquer acusação de que tenha recebido favorecimento na aquisição de suas concessões na 9ª Rodada de Licitações da ANP”. Acrescenta que tais “insinuações” refletem desconhecimento da legislação que rege o setor do petróleo, e considera completamente equivocada a informação de que o empresário Eike Batista tenha “surgido do nada” há apenas três anos.

“Neste leilão, aberto e transparente, do qual os blocos do Pré-Sal foram retirados por decisão do CNPE, a empresa desembolsou R$ 1,4 bilhão pelos direitos de exploração em águas brasileiras, o maior valor já pago por uma empresa privada nos leilões promovidos pela ANP. Nunca uma empresa privada ousou assumir tantos riscos na indústria do petróleo no Brasil como a OGX”, declara. “Não são verdadeiras as insinuações de que a empresa teria tido acesso a informações privilegiadas. Todos os dados referentes aos blocos ofertados no leilão foram tornados públicos pela ANP na ocasião, garantindo isonomia no acesso às informações técnicas a todas as empresas interessadas”.

Ainda segundo a OGX, “o processo de geração de riqueza por parte do Grupo EBX e de seu empreendedor Eike Batista foi iniciado na década de 80, com as atividades de comércio e exploração de ouro e diamantes” e a entrada em atividade de oito minas de ouro no Brasil e no Canadá e uma mina de prata no Chile. “A partir de 2004, o grupo voltou seu foco para o setor de recursos naturais e infraestrutura e abriu o capital de cinco empresas. O Grupo EBX, que já produz minério de ferro em Minas Gerais e no Mato Grosso do Sul, está investindo US$ 15,5 bilhões entre 2011 e 2012, nos setores de petróleo, logística, energia, mineração e indústria offshore no País”.

Leia também:

Celio Bermann: Belo Monte serve a Sarney e às mineradoras

Fátima Oliveira: Governo Dilma submete corpo das brasileiras ao Vaticano

Fausto Pereira: Nem toda gestante será cadastrada

A triste despedida do trema

Gilson Caroni Filho: Por que o ódio da imprensa a José Dirceu?

 

196 Comentários para “Ildo Sauer: “O ato mais entreguista da história””

  1. [...] críticas ao governo federal/Lula/PT no Viomundo, bastando clicar dentre dezenas de outros lugares aqui, aqui, aqui,aqui ou [...]

  2. [...] críticas ao governo federal/Lula/PT no Viomundo, bastando clicar dentre dezenas de outros lugares aqui, aqui, aqui, aqui ou [...]

  3. [...] (Se o Zero Hora se desse ao trabalho de investigar antes de escrever besteira, encontraria críticas ao governo federal/Lula/PT no Viomundo, bastando clicar dentre dezenas de outros lugares aqui, aqui, aqui,aqui ou aqui). [...]

  4. [...] críticas ao governo federal/Lula/PT no Viomundo, bastando clicar dentre dezenas de outros lugares aqui, aqui, aqui, aqui ou [...]

  5. [...] Ildo Sauer não quis confirmar, no debate, o que disse a Revista da Adusp, e publicado pelo Viomundo, sobre negócios lesivos feitos por José Dirceu e Dilma Rousseff. [...]

  6. [...] Ildo Sauer: O ato mais entreguista da história [...]

  7. [...] Ildo Sauer: O ato mais entreguista da história [...]

  8. ter, 14/02/2012 - 10:54
    Jayme

    Incongruente fica esta gritaria atribuindo um capacho-entreguismo típico dos demo-tucanalhas ao lulo-petismo.

    Não teve este esperneio todo nos 4 primeiros leilões da era caótica de FHC quando muitos blocos exploratórios foram arrematados por empresas estrangeiras.

    Cumpro destacar que acaba sendo protegido desta história o FHC, pior presidente da história deste país, foi o subserviente que criou e regulamentou os leilões da ANP, reduziu os quadros da petrobras de 50 para 30 mil trabalhadores, fragmentou a empresa e reduziu os investimentos nela, reduziu participação estatal na empresa a 31%, tentou mudar seu nome para Petrobrax e tinha como meta sua privatização, só não o fez porque não conseguiu fazer o sucessor. Este fantoche FHC, que queria acabar com a Petrobras, rebaixou o Brasil de 9.a para 16.a economia do planeta, minou as reservas de 65 bi deixadas por Itamar, esmolou 2 x com o FMI, multiplicou por 7 a dívida pública, sumiu com o dinheiro das privadoações, etc, Aliás o capacho FHC fez nada que presta, já que plano Real de estabilização da moeda, de Itamar Franco, morreu em 1999, com a maxi-desvalorização do real. O fantoche FHC entregou para Lula, a Taxa Selic a 23%, Risco Brasil a 2000 pontos, dólar a 3,85, dívida pública a 64% do PiB e dolarizada. 30 bi para o PROER e entregar uma VALE pelo preço de 1 mês de seu faturamento para ele foi justo.

    Voltando ao assunto, lembro-me do berreiro da midiota e sequazes dos demos e PSDBbostas, já na era Lula, defendendo os leilões da ANP, quando petroleiros sindicalistas, petistas, até membros da Aepet e blogueiros de esquerda (blogosfera) divulgavam artigos e lutavam contra a continuação destes leilões.

    Ninguem esperneou ou suspeitou quando a OGX arrematou tantos blocos. Aliás foi uma louvação no tucano PiG (partido da imprensa Golpista, cuja principal meta
    era derrubar Lula: FSP, Globo, Estadão, Band, etc).

    Incongruente ainda não terem divulgados ou esperneados, na mesma proporção, acerca da tal "informação privilegiada" na época em que saíram os 12 executivos da Petrobras
    rumo a OGX que, pelo menos, menos mal, é uma empresa nacional.

    Ildo Sauer, jamais conseguiu disfarçar sua frustração pela demissão da diretoria de Oleo e Gas da Petrobras, acabou cirando um ranço anti-petista, aliás, a tal elite docente da USP sempre foi tucana, e quando suas profecias anti-Lula revelaram-se equivocadas, inócuas, caíram no buraco, ficaram um falando com outro, já que perderam credibilidade. Ah sim, é só pesquisar na internet as profecias destes urubólogos tucanos da USP na era Lula.
    “Nunca tive simpatia pela maneira como Dilma trata as pessoas”, diz o professor Ildo Sauer, demitido pela ministra da Diretoria de Gás e Energia da Petrobras. “Ela não conversa, só dá ordens. "

    Enquanto a OGX for brasileira e os dividendos ficarem no Brasil, tudo bem. Se a OGX for internacionalizada, elegeremos um Chávez, e resolveremos facilmente.

    Maior prejuízo que o Brasil tem hoje é com a enorme evasão de divisas dadas remessas de lucros exorbitantes que a Teles estrangeiras fazem para suas matrizes. Restatização já.

  9. ter, 31/01/2012 - 9:21
    Sá Machá

    Pelamordedeus, né?
    Os mesmos comentaristas que criticam o PiG e seus pitbulls, quando querem defender algo utilizam o mesmo artifício: desqualificar a pessoa que critica ou associa-lo a um partido (neste caso chamam de tucano, no PiG são petistas).
    Acho que devem parar de fazer as visitas diárias nesses blogs e se munirem melhor de argumentos.

    Tem comentários que chegam ao ponto de defender o pobre Eike, nosso herói bilionário.
    Hoje, Eike é praticamente dono do Rio de Janeiro, tem a Marina da Glória, o Hotel Glória e mais uma penca de empreendimentos. No Norte Fluminense tem atitude dos melhores magnatas: entra de sola na questão social, passando por cima do interesse público. Seu interesse pessoal deve ser maior.

    No governo Federal é claro sua influência. Às vezes me pergunto se foi uma dança das cadeiras, saiu o "maquiavélico" Daniel Dantas e entrou o "geração-saúde" Eike Batista e suas empresas X.

    Os argumentos furados tentando atribuir partidarismo nas opiniões do professor Sauer só esvaziam o debate de algo muito importante: Queremos financiar o primeiro lugar de Eike Batista na Forbes?
    Precisamos de um "megonário", quando discutimos a redistribuição de renda no país?
    Se fosse um estrangeiro controlando os poços de petróleo seria um absurdo? Por que não é, então, com Eike?
    Porque ele é Brasileiro?
    Nacionalidade de poderosos está no banco, não importa de que país.

    Pelo menos no Rio, para ficar completo seu poder sobre o Estado, só falta Sérgio Cabral e Eduardo Paes cederem os espaços da Prefeitura e do Palácio Guanabara ao grande empresário.

  10. dom, 29/01/2012 - 11:15
    damirso

    Esse prof. Ildo Sauer é um tucano disfarçado para disseminar a cisânia nas hostes do governo progressista de centro-esquerda Lula-Diolma. É só isso e mais nada. Não merece atenção.

    • dom, 29/01/2012 - 14:21
      Moacir Moreira

      Sem dúvida nenhuma qualquer crítica ao governo popular da dobradinha de grandes heróis nacionais dignos de todas as honrarias, Lula-Dilma, é intriga da oposição e manipulação da Veja e da Globo.

      Nem leiam essa entrevista.

  11. qua, 25/01/2012 - 15:41
    Ana

    http://www.correiocidadania.com.br/ Correio da Cidadania "Lagarde e o Petróleo de Nigéria e Brasil". Façamos a reflexão.

  12. qua, 25/01/2012 - 15:39
    Ana

    Correio da cidadania: "Lagarde e o Petróleo de Nigéria e Brasil", Wladmir Coelho. …"A diretora do FMI esteve no Brasil no mesmo mês de dezembro de 2011 e seguiu rigorosamente o script. Elogiou o modelo econômico nacional e declarou que o país pode servir de exemplo para as potências em crise.Obediente, o governo brasileiro não demorou em dar o exemplo. Somando-se aos cortes rotineiros à educação e saúde, o ministro Edison Lobão anunciou a decisão da presidente Dilma Rousseff que autoriza os novos leilões para o setor petrolífero neste ano de 2012.A exploração predatória do petróleo no Brasil está em marcha e segue o modelo internacional no qual as normas de segurança tornam-se supérfluas, conforme prova o vazamento da Chevron, somado ao aumento de acidentes envolvendo os trabalhadores do setor".Lembre-se: a atual política econômica do petróleo retirou da Petrobrás o monopólio, existindo inúmeros entraves em função da abertura do mercado nacional e a fixação de preços desconsiderando-se o preço internacional. É exatamente isso que acontece na Nigéria.

  13. dom, 22/01/2012 - 15:54
    Justiça!

    Um vídeo para aprofundar o debate.
    http://www.youtube.com/watch?v=AoxvShd3mZ8

  14. sex, 20/01/2012 - 0:58
    Tomas N. Teixeira

    A grande realidade é a seguinte: de patranha em patranha o futuro dos brasileiros vai se esvaindo com a sangria das únicas coisas que nos davam o sonho de em algum dia integrarmos o primeiro time. Quando todos os recursos naturais se forem não sobra mais nadinha. Nadinha mesmo. Não importa quem esteja a frente do governo, todo o sistema político foi capturado e é o interesse privado que impera sobre o público. Um povo rebanho, totalmente acrítico e desinformado ao sabor da voracidade dos donos dos mercados.
    O interesse que prevalece não é o estratégico e o nacional, mas sim o do imediatismo financeiro e o do capital internacional. Como reverter isso? No cenário atual acho impossível! Nem estudantes, nem trabalhadores, tampouco a classe média. Um rebanho inteiro na mais completa escuridão sem a menor noção do que as coisas relatadas por Ildo Sauer significam.

  15. qui, 19/01/2012 - 22:23
    luiz pinheiro

    Não há leilão na pré-sal. Leilão é feito no regime de concessão, no qual a empresa que dá o lance vencedor fica com a concessão da área e com todo o petróleo que encontrar lá. Para o pré-sal, tendo em vista a magnitude, a importância estratégica das reservas de petróleo, o governo Lula propôs e o Congresso aprovou um outro regime, o regime de partilha. A Petrobrás vai estar à frente, vai comandar todos os consórcios empresariais formados para a exploração do pré-sal, não vai ter Eike Batista à frente coisa nenhuma. E esses consórcios vão receber sua parte da partilha em dinheiro. O petróleo do pré-sal é considerado por lei patrimônio da Nação, vai ser comercializado, refinado, exportador, seja lá o que for, por decisão do governo brasileiro, executada pela Petrobrás. Não há entrega de pré-sal ao Eike. O que ele ganhou, em leilões passados, foram outras áreas, fora de pré-sal.

  16. qui, 19/01/2012 - 18:52
    Philipe

    Uma das melhores análises sobre o setor energético brasileiro que já li. Esta de parabéns o Viomundo por ter publicado está excelente entrevista do prof. Ildo e não ter caído nos devaneios partidários reinantes nos comentários deste site. Já passou da hora de o povo acordar que partido no Brasil, com algumas raras exceções, só muda o nome, na estrutura e na atuação é tudo a mesma coisa.

  17. qui, 19/01/2012 - 18:25
    kruguer

    Estranho nunca vi uma noticia sumir tão rápido assim da capa do blog.

  18. qui, 19/01/2012 - 18:07
    Eliane

    Na minha humilde opinião, não diz lé com cré. Qdo se vai pesquisando os itens, dá tanta controvérsia. .. Est pouco abalizado e não traz provas. Tudo no achismo.

  19. qui, 19/01/2012 - 17:24
    Roberto

    Esse Ildo costumava ser um cara bem informado e inteligente, mas ultimamente tem dito tanta asneira ,que começo a duvidar de sua sanidade mental. O que ele está dizendo sobre o pré-sal é um absurdo tão gritante que nem dá pra comentar. Internação imediata ao Ildo,o cara pirou de vez, deve estar sofrendo do esquizofrenia maníaco depressiva.

    • qui, 19/01/2012 - 20:05
      beattrice

      Os defensores contumazes do governo precisam aprender a usar argumentos e não desqualificação sumária dos adversários.
      Essa estratégia é antiga e não convence mais ninguém.

    • qui, 03/05/2012 - 20:26
      Antonio Abreu

      Salta aos olhos o ciúme ê mágoa que êle sente da Dilma, afinal êle era o bam bam bam e dançou. Que pena, era um bom quadro.

  20. qui, 19/01/2012 - 16:26
    Ivan

    Sou do tempo O PETRÓLEO É NOSSO. Se fosse nosso eu e os demais teríamos que ter gasolina de graça. Como sou tomador e pago, logo não me interessa quem está fornecendo se A ou B, contanto que tenha qualidade e preço competitivo. O governo devia se intrometer menos e cobrar mais eficiência e aplicar bem os impostos recebidos. Temos o sistema de ensino de pior qualidade e a saúde, sem comentários. Onde foi parar o dinheiro da CPMF, o dinheiro das loterias (alguém ja olhou o quanto se arrecada e o quanto se paga de premios), o dinheiro da privatização. O QUE NÃO EXISTE POR PARTE DO GOVERNO É FISCALIZAÇÃO EFICIENTE (ANEEL, ANAC, etc). Sauer leia o livro utilizado na disciplina administração nos cursos de engenhari "HISTÓRIA DE RIQUEZA DOM HOMEM" – Leo Huberman. Por fim leia a constituição brasileira, ela é soberana. A pode ter a reserva que quiser, porém, se o país (BRASIL) estiver sob ameaça, ele vai ficar rapidinho sem as reservas.

  21. qui, 19/01/2012 - 16:03
    De Paula

    Trata-se de mais uma aplicação da estratégia de fogo-de-encontro. A matéria é de outubro de 2011. Atenção galera!… Sugestão do leitor ES FERNANDES. A CPI da Privataria vem aí e a oposição tucana busca algo de impácto que possa neutralizá-la. Me surpreende muito o Azenha ir nessa.
    A Veja faria melhor esse papel

    • dom, 06/05/2012 - 1:41
      Mário SF Alves

      Êpa! De fato. Seria bom saber como é que você se sai dessa, prezado Azenha?
      Tá municiando o adversário, cara? Tomara que não, pois, se tiver, vou ter de reler O Capital e adotar o materialismo-histórico-dialético como sendo A REPRESENTAÇÃO da realidade. E se assim tiver de ser, que seja bem-vinda a tese do quanto pior melhor, (inclusive as presepadas anti-republicanas do cachoeira) e que venham as circunstâncias (que nunca virão) para, enfim, fazer eclodir a derradeira, a revolução.
      Nesse ínterim, amigo, adeus PT, adeus enfrentamento político e adeus credibilidade dos blogs sujos.
      Claro que estou a caçoar. Mesmo porque, negar voz aos contrários seria negar a própria dialética e, como tal, desacreditar a força das idéias em oposição a força das armas. Mas, aqui pra nós, francamente, que a entrevista teve TNT suficiente pra dar uma sacudida nas minhas convicções, ah! isso teve. Ufa! Ainda bem que existe debate entre os comentaristas do Viomundo.

  22. qui, 19/01/2012 - 15:58
    Alexandre Bueno

    A entrevista do Ildo encaixa-se na categoria rancor científico. Por exemplo, das distribuidoras de energia ainda sob comando do estado tem um desempenho pífio. Horroroso. Eletronorte, estatal, possui contratos de amigo com clientes livres e o pior. A falácia descontextualizada de que poderiam ter-se inventariado, ranqueado e priorizados aproveitamentos no início do governo Lula. Ele, melhor do que ninguém, sabe que àquela época o IBAMA e o MMA estavam sucateados e completamente sem quadros. Havia empresas sem caixa, quebradas, assim como o planejamento que estava dentro da Eletrobras foi completamente desmantelado.

  23. qui, 19/01/2012 - 15:55
    mariazinha

    Daqui até as eleições veremos essa farsa tomar conta dos bloguinhos sujos pois aí esta a força do povo; ninguém mais quer saber da imprensa alienígena venal, brasileira, eles colocarão seus espiões de prontidão, invadirão nossos bloguinhos mais frequentados e sujinhos, para destilarem ódio, mentiras e discórdia. Com isto, pretendem reerguerem-se da lama em que se atolaram .

  24. qui, 19/01/2012 - 15:19
    JOSE DANTAS

    Há pouco tempo atrás na farra da derrubada dos ministros, o PIG era sistematicamente acusado de condenar por antecipação sem nenhum julgamento.
    Bastou um indivíduo descontente com o governo do qual fazia parte, por ter sua vontade contrariada, derramar o seu veneno pra cima dos antigos aliados para que todo mundo caia de pau, já alguns falando em prisão do Lula, da Dilma e no mínimo do primeiro escalão que atua nessa área, sem nenhuma evidência de que tenha havido crime de qualquer espécie, pelo menos por enquanto.
    No caso do PIG e dos ministros, havia uma razão explícita para aquela conduta jornalísticas, já que eles são invariavelmente do contra. E nesse caso, qual a razão para a "justiça pelas próprias mãos" – já que nada se apurou e nem julgou – por parte daqueles que procedem de maneira idêntica ao PIG inclusive em relação aos aliados?

    • qui, 19/01/2012 - 18:52
      marreta

      Caro José Dantas, as pessoas que estão aqui condenando (sem ouvir o contraditório) são a direita e a UDN de esquerda (PSOL e assemelhados), eles atuam juntos em diversos foros da internet. O que os une são o rancor e a inveja de um governo que elevou o Brasil a outro patamar, Sauer, assim como Lessa, Cristovam Buarque e outros que foram demitidos porque falavam demais e trabalhavam de menos, estão todos os dias dando entrevistas como se fosse sábios incompreendidos, tem copa franca no PIG para destilar suas mágoas mas não passam de ressentidos.

  25. qui, 19/01/2012 - 15:18
    eunice

    Até os gatos sabem estas novidades que ele entrega. Ocorre que fazer uma falcatrua é muito mais fácil politicamente do que desfazer a mesma. E lá estavam no Congresso os mesmos que apoiaram a privataria. Como é que eles iriam votar a destruição do que eles mesmos fizeram – e com contrato , aí ele disse bem, de até 50 anos? Claro que Lula não fêz o que deveria fazer, mas de acordo com o julgamento da exigente esquerda. Agora, jamais pode ser reclamado em sua atitude pelos privatas, e pelos apoiadores de cartéis e cartórios todos já muito conhecidos. Falácia e nada de novo. O segundo capítulo ainda deve vir por aí.

  26. qui, 19/01/2012 - 14:47
    tereza

    O problema não é o Eike, é que os governos petistas continuaram com os leilões. É isso. E isso, infelizmente, não se restringiu a área de energia. Quase tudo continuou/continua como dantes.
    E o dr Ildo entupiu fez a festa de contratações terceiras na área de gás e energia da petrobras quando lá esteve.

  27. qui, 19/01/2012 - 14:15
    del39

    o governo atual entregou quantos petroleiros? quantos técnicos e engenheiros treinados? quantos poços prefurados? quantos poços produzindo?

    sim, porque na privataria, FHC entregou as empresas funcionando! com clientes cativos, mão de obra especializada formada, prédios, toda estrutura operacional montada, e ainda bancou as aposentadorias precoces (pdi) e o passivo das ações trabalhistas!

    entreguista é FHC, não dá pra comparar…

  28. qui, 19/01/2012 - 14:13
    Energético do setor

    Não sou troll, votei na Dilma e Lula (e pretendo votar novamente), porém o prof. Ildo levanta algumas questões que, desde a década de 1990, outro especialista, o Prof. José Goldemberg, também levanta.

    O setor energético brasileiro está mal planejado e executado. Há muitos "burocratas", como disse o Prof. Goldemberg em alguma entrevista (infelizmente não vou lembrar em qual) que não querem ouvir a palavra de especialistas do setor.

    Não levando em conta as 'alfinetadas' que o entrevistado dá no governo (alguém confirma se o Prof. Ildo é desafeto pessoal da Presidenta Dilma?), fica claro que falta aos governos, desde o fim do período militar, ouvir e deixar nas mãos de especialistas do setor o planejamento e execução de projetos ligados à energia. 'Burocratizou-se' ou 'politizou-se' a questão energética nacional, quando ela deveria ser tratada com todo o cuidado, atenção e tecnicidades necessárias, pois é um setor estratégico para qualquer país.

    Enquanto essa questão não for tratada como deve ser, isto é, de maneira técnica e como estratégia de soberania nacional, teremos um sistema energético pouco competente, sub-aproveitado, mal planejado e sujeito aos oportunistas de plantão. Independentemente do partido ou governo.

    PS: pra provar que não sou troll, alguns passarinhos pousam na minha janela e sugerem que o Prof. Ildo, que tem uma vasta cabeleira branca, usa chapéu para se proteger do sol e gosta de exibir uma coleção de móveis antigos de madeira, não costuma ter relações, digamos, "educadas" e "cordiais" com seus subordinados no instituto onde é diretor. Independentemente disso e, excetuando-se as declarações de cunho político e pessoal, as palavras de ordem técnica do entrevistado devem, sim, ser ouvidas.

    • qui, 19/01/2012 - 17:25
      pedro cavalcante

      Diante do sub-do-sub, tucanos atacam Brasil e bajulam Washington

      http://www.viomundo.com.br/denuncias/diante-do-su

      e
      Jose Goldemberg é dos tucanos bajulador

      • sáb, 21/01/2012 - 16:52
        Energético do setor

        É uma pena ele ser um bajulador tucano, porém fica a pergunta: isso desqualifica o trabalho técnico-científico dele?

        Vou repetir o que escrevi: enquanto essa questão não for tratada como deve ser, isto é, de maneira técnica e como estratégia de soberania nacional, teremos um sistema energético pouco competente, sub-aproveitado, mal planejado e sujeito aos oportunistas de plantão. Independentemente de partido ou governo.

    • seg, 20/01/2014 - 16:55
      Francisco

      A politização da gestão das empresas públicas se sobrepondo a competência de profissionais qualificados tem sido uma das principais causas dos problemas, no Setor Elétrico não é diferente, temos de colocar a bandeira partidária de lado e observarmos racionalmente.

  29. qui, 19/01/2012 - 14:09
    Nedi

    O povo brasileiro, através dos NEO-BOBOS (PROFESSOR cardoso à frente), PAGOU PAGOU e PAGOU, para DOAR a Vale a Telefonia e a Eletrificação nas "PRIVATARIAS" implementadas por eles (NEO-BOBOS), dado que tinham chegado a conclusão de que a História tinha acabado.
    Agora tá cheio de neguinho (e branquinho também) VOMITANDO indignação contra os governos do "sapo barbudo" e da "terrorista".
    Me engana que eu gosto!!! Indignação SE LE TI VA!!!

  30. Pura substituiçào: Privataria Tucana por entreguismo petista. não engana ninguém. Rodas faz seu papel.

  31. qui, 19/01/2012 - 14:07
    eunice

    Ele está desviando o assunto de que as empresas estão indo até para o Paraguuai devido ao preço da energia. E Ninguém faz nada.

  32. qui, 19/01/2012 - 13:56
    eunice

    Ah! Tá legal, que Lula poderia ter feito algo. …………..Ele teve chance nenhuma. A Turma do contra estava armada até os dentes para dar o troco de oposição à sua oposição anterior, e a mídia em cima. E a cabeça do povo lavada. Haja vista que na privataria da CSN no Rio os únicos corajosos que haviam tido a coragem de jogar umas pedras, foram os caras da Convergência Socialista. Lula teria sido morto pelas costas com apoio da midia criminosa. Não vem não sinhô!

  33. qui, 19/01/2012 - 13:46
    Benjamin

    Uma coisa tenho que dizer em favor do ze dirceu, ninguém diz que não sabe de nada e nega tudo com cara tão lavada. Sem contar que costuma dizer que "está cada vez mais convencido de sua inocência"…

    Só não entendi o “É no mínimo equivocada a hipótese de que profissionais desligados do serviço público ou de empresas estatais não possam retomar suas atividades na iniciativa privada." desde quando esse senhor foi "consultor" antes de ser do governo? Qual a empresa e qual a área de atuação? Seria bom para esclarecer a massa ignara.

  34. qui, 19/01/2012 - 13:44
    Nedi

    Esse ilustre cientista é um homem preocupado inclusive com os índios, caramba!!! a Dilma poderia dar um ministério a ele, né não?

  35. qui, 19/01/2012 - 13:42
    Rafael

    Depois que li esse post comecei a me informar sobre quem é Ildo Sauer. Em 2008 o próprio Ildo deu uma entrevista muito parecida com esse para o próprio José Dirceu, isso foi em 8 de dezembro de 2008 e obviamente não falou uma palavra sequer. A questão é por que somente agora ele sobre essa questão do pré-sal? Importante lembrar que o que lldo comenta como entreguismo aconteceu antes da entrevista para Dirceu. Fao que nos leilões que ocorreram durante governo Lula a Petrobras foi quem mais levou os campos de longe. Outro dado estranho é o Eike Batista dizer que tem 10 bilhões de barris, a Petrobras tem 16 bilhões e explora centenas de vezes mais que o Eike Batista. Outro fato Eike Batista nada mais é que garoto propaganda, quem fez alguma coisa foi o pai do Eike Batista, Eliezer Batista esse foi ministro das minas e energia e presidente da Vale do Rio Doce durante regime militar e herdou fortuna do pai, não é como Ildo diz que Eike Batista saiu do nada. Agora independente de maior parte do que Ildo diz não ser verdade, fato é que Eike Batista se deu muito bem com os leilões e por extrema coincidência Eike Batista "dou" para campanha do Lula e da Dilma. Outro fato é que o PT não pode ser comparado com o PSDB em questão de entreguismo, de sacanagem com patrimônio público. Se estivéssemos um governo do psdb ninguém ouviria falar em pré-sal e Petrobras hoje já seria Petrobrax que por outra coincidência levaria o mesmo "X" que as empresas do Eike Batista tem.

    • qui, 19/01/2012 - 15:22
      mariazinha

      Muito bem, Rafael! Desmontando a farsa. Procurei sobre o tal, quis saber sobre ele, sua origem, nada! Mas achei essa pérola publicada em 25/04/2011:
      [...]“Nunca tive simpatia pela maneira como Dilma trata as pessoas”, diz o professor Ildo Sauer, demitido pela ministra da Diretoria de Gás e Energia da Petrobras. “Ela não conversa, só dá ordens. Mas é um doce com quem está acima dela”. Como a guerrilheira obediente aos comandantes dos grupos clandestinos, como a mulher dócil no trato com os maridos, como a secretária que nem piava nas reuniões do governo gaúcho, a ministra sempre sabe com quem está falando. Sabe, portanto, a hora do grito e a hora do sussurro.[... Responder

  • sáb, 21/01/2012 - 16:59
    joaozinho de jesus

    "Um amiguinho da óia, da ditadura".

    Pesquise mais, você não tem a menor noção do que está dizendo.

  • qui, 19/01/2012 - 13:27
    Carlos J. R. Araújo

    O Ildo Sauer sempre foi um cientista diferente. Diferente pelo estardalhaço de suas colocações, pensamentos, alusões e por aí vai. Enfim, um cientista excêntrico e cujo lugar natural de atividade, dada a sua genialidade, deveria ser o laboratório, a sala de aula, os colegiados universitários, os congressos científicos, etc.

    Não é a primeira vez que ele age desta forma e, ainda que houvesse plausibilidade de suas manifestações, no passado, elas nunca geraram consequências dignas de nota, até porque, na época de FHC, o PIG tucanado ficou no silêncio. Além do mais, que eu saiba, o Sauer nunca foi processado judicialmente por suas declarações. Qual a razão do silêncio dos "denunciados" por Sauer? Penso eu que o silêncio se deve à inépcia e à ausência de credibilidade de suas denúncias.

    Qual a diferença das denúncias de ontem e as de hoje? Uma única: o fato de que a revista da ADUSP empresta certa dignidade (acadêmica?) à manifestação do entrevistado. Detalhe: salvo engano, nem o PIG tucanado, desconfiado e com olhos no passado de denuncista excêntrico de Sauer, utilizou as "denúncias" dele como instrumento de combate ao governo petista.

    Por fim, um outro detalhe que não deve ser esquecido: a Petrobrás não tem condições econômicas e técnicas para, sozinha, extrair toda a riqueza energética do pré-sal. É inevitável a concessão/terceirização do pré-sal para as empresas privadas, concessão que não é gratúita, ressalte-se. E este não é um modelo brasileiro, pois, mesmo as grandes potências, hoje, terceirizam a exploração de suas riquezas minerais, principalmente o petróleo e o gás.

  • qui, 19/01/2012 - 13:12
    Alexandre

    Esse eike é um daniel dantas repaginado e muito mais escorregadio. Se o país fosse composto de pessoas sérias esse senhor já estaria no xilindró.

  • qui, 19/01/2012 - 12:52
    Bonifa

    Sobre o Eike, o cientista tem razão. O Eike é um capitalista e o dinheiro não tem pátria. Amanhã ele pode vender tudo a algum desentranhado capitalista global, e o país poderá ficar vulnerável em setotres estratégicos e no prejuízo de um modo geral. Mas sobre as hidrelétricas ele não tem razão. Sua visão de horizonte estratégica carece de amplitude política. Sua visão social e até ambiental é também limitada, eivada de falsa informação internacionalizada pela National Geografic. Quanto a providências que poderiam ser tomadas pelos governos trabalhistas em relação à exploração de petróleo e não foram tomadas, todos acompanhamos e somos testemunhas da tremenda dificuldade para derrotar e minimizar as gigantescas pressões internas e externas que se levantaram diariamente, com apoio total da imprensa, contra qualquer mudança nos modelos entreguistas consolidados pelo governo Fernando Henrique. Levando isso em conta, não foi pouco o que se conseguiu fazer, embora se deva pleitear muito mais.

    • qui, 19/01/2012 - 20:39
      beattrice

      Um exemplo que ilustra o que vc disse sobre as empresas da griffe EIKE.
      Recentemente o maior conglomerado em Portugal simplesmente mudou-se,
      vou repetir, mudou-se.
      Levou toda sua parte fiscal para a Holanda em troca de benesses dentro da Zona do Euro e Portugal perdeu a maior receita fiscal corporativa que tinha.
      Do dia para a noite.

  • qui, 19/01/2012 - 12:48
    Bernardino

    Meu caro RAFAEL nao gaste sua inteligencia e proucupaçao com um pais Canalha como o NossoEssa colocaçao que faço foi feita por Zé Lins do REGO ao seu amigo Gilberto Freire na decada de 30 quando este estudava nos EUA e se correspodiam.Aqui a esquerda Rouba com a mao esquerda,a direita com a mao direita e o centro com as duas.A Privatari Tucana parece será pinto perto da Bandalheria petista e esquerdisra que virá a tona já,já!!O sr LULA é um fanfarrao e Frouxo em audiencia no Planalto a Gilmar mendes e PELUSO este teria colocado o dedo na cara do Lula e o mesmo nem reagiu,fosse outro expulsa-lo-ia da sala.O EIKE é o DAniel Dantas do PT e D DILMA outra comparsa do Lula como diz o SAUER fazia o jogo do LULA no afã de ser candidata.A falta de estudo faz falta e o sr LULA sabe disso,enfraquede a Personalidade.Por isso os dois nao fizeram a regulaçao da midia por que tem rabo presos com as elites economicas que mandam na Imprensa canalha.Vão continuar dando bolsa esmola pra raler e bolsa de estudo pra engordar o ensino PRIVADO,pessimo e de ma qualidadeCPI DO PRE_SAL URGENTE!!!

    • qui, 19/01/2012 - 18:45
      Bonifa

      Bernardino, é preciso entender a revolta de homens como Zé Lins do Rêgo com as circunstâncias de seu tempo. Sem isso, citar o mesmo é disseminar o mau entendimento histórico. Disseminar a confusão não ajuda a entender, quanto mais combater. O aparente caos tem origem e pontos de referência. É só estudar e procurar saber. Sabendo quem são os canalhas do Brasil e como agem, você verá que o país em sí nada tem de "canalha".

    • qui, 19/01/2012 - 19:29
      beattrice

      Sou obrigada a concordar, quem não deve não teme.
      Essas denúncias merecem uma CPI tanto quanto a PRIVATARIA.

      • dom, 06/05/2012 - 17:57
        Mário SF Alves

        Condordo. E se a nossa frágil República suportar, por que não uma CPI do Sauer na sequência à da Privataria Tucana?

  • qui, 19/01/2012 - 12:25
    sérgio

    Se existe exagero nas palavras do prof. Ildo Sauer é que menos importa, o que devemos refletir são fatos que por ele colocados: Fato que pagamos maior tarifa de energia elétrica do mundo quando geramos em grande parte atraves de fontes renovavéis, é fato que temos um recurso extraordinário em nosso subsolo que pode reduzir nosso atraso social, educacional, na saúde e meio ambiente, logo devemos nos mobilizar e cobrar de Lula e Dilma que de fato realizem mudança em pro da maioria de nossa população!

  • qui, 19/01/2012 - 12:06
    Carlos Ribeiro

    Quanto rancor no coração desse rapaz!

    • dom, 06/05/2012 - 18:06
      Mário SF Alves

      Rancor?!! Isso é ódio acumulado. O tucanos e o PIG estão a ponto de explodir. E se dependesse deles o Lula já teria virado pó a muito tempo. Mas, como deus não asas a cobras, então, ficam assim: qualquer Sauer/sauro que fale qualquer coisa que lembre coisa com coisa contra a integridade do PT, dá nisso, faz potencializar e extravasar esse delírio.

  • qui, 19/01/2012 - 11:46
    joni

    Esse é o costume deles. Vamos criar algo semelhante à Privataria Tucana, para mostrar que todos os políticos são iguais. Se colar, colou.

  • qui, 19/01/2012 - 11:17
    Felipe

    Longe de querer defender o eike, mas dizer que ele ele "saiu do nada" e virou bilionário é forçar a barra.

    Ele já tinha uma boa herança das mutretas do pai dele…

  • qui, 19/01/2012 - 10:55
    Filipe Rodrigues

    Esse sujeito sofre da síndrome de Cristovam Buarque: o cara ocupa um cargo público, não sabe o que fazer, deixa o cargo por incompetência e depois fica atirando críticas em todos.

    Esses leilões foram feitos ainda no regime de concessão, quando ainda não havia a certeza sobre o real tamanho das reservas do Pré-sal, felizmente o modelo de concessão foi substituído a tempo pelo governo para se evitar os mesmos erros.

    O engenheiro Fernando Siqueira (AEPET) não tem as mesmas opiniões do entrevistado, além de conhecer muito mais a área de petróleo que o Ildo Sauer: http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMos

    Os governos petistas pecaram mesmo na área de Transportes (quase 9 anos sobre o comando do corrupto PR), não se preocuparam em criar condições para o transporte ferroviário de passageiros e não vejo protesto da esquerda contra a concessão de aeroportos.

  • qui, 19/01/2012 - 10:52
    Horridus Bendegó

    Em processos históricos que produzem mudanças sólidas, incontestes, irreversíveis, para o alto, só acredito na força do canhão.

    Uns contra outros.

  • qui, 19/01/2012 - 10:50
    leandro

    O Eike Batista era um riquinho marido da Luma de Oliveira, veio o governo lula e virou a oitava fortuna do mundo e, segundo ele, até 2015 vai ser a primeira. Assim é fácil. Mas, vai ver é um gênio das finanças como o filho do Lula.

  • qui, 19/01/2012 - 10:39
    leandro

    Tá explicado o porque do governo não se empenhar para a CPI da privataria. Ia ter que sair também a CPI do pré-sal.

  • Esse assunto é complexo, é preciso um outro "especialista" para debate-lo, inclusive haver um contraponto. Um dos aspectos importantes é entender o custo da energia no processo de produção em níveis mundiais. Subsídios podem estar relacionados com a manutenção da indústria (e dos empregos) no país. Por outro lado, muitas vezes (não necessariamente neste caso) os que criticam a "sacrossantidade" dos contratos são os primeiros a jogarem pedras se (e quando) o governo se mete a fazer alguma reforma estrutural, a exemplo de qualquer ação para controlar a mídia. O discurso de defesa do meio ambiente alheio ao ser humano é discurso dos mauricinhos que militam no PV (eu discordo = meio ambiente é tudo)… ideal seria criar um debate ao vivo entre dois especialistas de lados diferentes mediados por alguém que também conheça o assunto.. jogar pedras no Zé Dirceu é covardia, para dizer o mínimo…

  • qui, 19/01/2012 - 10:30
    SILOÉ-RJ

    Pelo que eu entendi, todas as multinacionais podem, a OGX não???
    Curioso. também não vi nenhuma manifestação sua contra a tentativa de roubo da CHEVRON na camada do pré-sal, que só veio á tona porque o óleo vazou.

  • qui, 19/01/2012 - 10:02
    Thiago Silva

    Ildo, você aloprou. O que é "franja do pré-sal"? Os anos nos quais você conviveu com técnicos na Petrobras não te deram a menor noção de geologia do petróleo. Veja os prospectos da OGX, é tudo do Eoceno ao Albiano Ildo, tá na página deles na Internet. O pré-sal é bem mais antigo, tá na Wikipedia. E daí que está "do lado" no mapa? Ahhh Ildo, que decepção……

  • qui, 19/01/2012 - 9:57
    SILOÉ-RJ

    Não me lembro de ter lido nenhuma manifestação do sr. Ildo Sauer, contra os leilões das PRIVATIZAÇÕES do governo FHC.
    Além do mais a PETROBRAS não poderá arcar com toda a exploração. Sendo assim, quanto mas empresas brasileiras ou consórcios que as incluam, melhor. Todas serão muito bem vindas.

    • qui, 19/01/2012 - 20:36
      beattrice

      O Sauer, como o Pinguelli e outros atacaram impiedosamente FHC durante o apagão, mas agora como o ataque vem em direção contrária pretende-se desqualificá-lo.

  • qui, 19/01/2012 - 9:35
    leandro

    Tá explicado porque o governo e nem o PT se esforçaram para a CPI da privataria sair. Telhado de vidro.

  • qui, 19/01/2012 - 9:32
    José Tadeu

    Prezado Azenha;

    Será que o Ildo está tão mal informado que não sabe a Projeto de Lei do Marco Regulatório do Pré Sal ( PL-5939/2009) enviado ainda no governo Lula e que a oposição (psdb e dem) insistem teimosamente em obstruir?

    Quem tiver curiosidade por favor leia o referido projeto , que preve: Sistema de Partilha, criação da PETRO SAL e o Fundo Social.

    Será que depois disto restará dúvida de quem é que realmente quer entregar o pré-sal??

    Na campanha de 2010 o serra criticou duramente este projeto de lei.

    Para mim não resta dúvida, ou melhor resta uma qual o motivo do Ildo estar tomando esta posição???????

    abraços

    José Tadeu

    • qui, 19/01/2012 - 14:17
      Ricardo JC

      Perfeito José Tadeu.

      Analisar o que se passa com base em uma informação é temerário. A questão do pré-sal deve ser analisada de modo integral e, o que vejo, é uma ação do goverrno brasileiro com o intuito de defender os nossos recursos.

      Se acham que está ruim…votem no PSDB, porque a posição deles é clara, ou seja, vender a Petrobras. Depois só não podemos reclamar.

    • qui, 19/01/2012 - 15:29
      João Aragão M. H.

      Motivo: talvez pessoal? Contra quem? Se alguém resolver apurar, acho que descobre…

    • sex, 20/01/2012 - 19:58
      luiz pinheiro

      José Tadeu, felizmente para a soberania nacional esse projeto já venceu a obstrução faz tempo, foi aprovado pelo Congresso e sancionado pelo governo, com sistema de partilha, Petrosal (parece que essa empresa vai ter outro nome) e Fundo Social. O problema é que junto o Congresso aprovou o problema da divisão dos royalties por todos os estados e municípios do país, por critérios semelhantes ao do Fundo de Participação. Isso o governo vetou, e o Congresso ameaça derrubar o veto. Para evitar a ameaça, está em negociação um projeto alternativo de divisão dos roialties. Mas a União está sob ameaça de perder boa parte dos recursos, o que prejudicaria o Fundo Social. Há risco de pulverização dos recursos, ou seja, a chamada "doença holandesa" entrando pela porta dos fundos. Mas pelo menos o regime de partilha, o controle estatal do pré-sal, já estão garantidos.

    • seg, 13/02/2012 - 12:39
      Oswaldo

      Depois que foi demitido do goveno Lula, esse senhor só tem "destilado" sua mágoa e frustração… e perdendo cada vez mais o pouco de credibilidade de conhecimento que tinha nessa área.

  • qui, 19/01/2012 - 9:31
    Indio Tupi

    Aqui do Alto Xingu, os índios reclamam que um texto postado cerca de 10h da manhã de 19.1.12 não foi publicado. Censura?

    • qui, 19/01/2012 - 15:34
      Alberto

      Comigo já aconteceu algumas vezes. Em duas dessas vezes os comentários tinham links para o site do PSOL. Será que é por isso?

  • qui, 19/01/2012 - 8:15
    Indio Tupi

    Aqui do Alto Xingu, os índios estão pasmos com a apatia do Congresso Nacional, do Ministério Público Federal e da própria Petrobrás, que, ao que se saiba, até agora não moveram uma palha para investigar o roubo de segredos estratégicos da Empresa — controlada pelo Tesouro e, portanto pelo povo brasileiro — segundo a entrevista, por um grupo restrito de engenheiros daquela empresa, os quais, nessa verdadeira operação de rapina e predação de caráter colonial, saíram da Petrobrás levando e entregando valiosíssimos mapas geológicos onde estariam as jazidas do pré-sal, para entregarem, de bandeja, a uma empresa privada — não importa se nacional ou estrangeira — em troca de polpudos contratos profissionais.

    Face às gravíssimas denúncias do Engenheiro Ildo Sauer, os índios, perplexos, não sabem qual é o maior escândalo: Se o denunciado roubo de segredos da Empresa, se a apatia do Congresso Nacional em investigá-lo, se o alheamento do Ministério Público Federal, se a desídia da própria Empresa (Conselho de Administração, Conselho Fiscal, Comitê de Auditoria, Diretoria) em deixar de apurar a gravíssima denúncia, ou das próprias Entidades sindicais, das diversas associações de classe e demais entidades da sociedade civil, que não fizeram um movimento nacional para a apuração das responsabilidades e a cominação das penalidades judiciais aos culpados, quaisquer que sejam eles. De espantar o silêncio sepulcral da mídia corporativa e financeirizada.

  • qui, 19/01/2012 - 8:03
    Braulio

    Me desulpem a heresia, Geisel neles! ( pelo menos era nacionalista)

  • [...] Ildo Sauer: “O ato mais entreguista da história” | Viomundo – O que você não vê na mí… Rate this: Sirva-se:Gostar disso:GostoSeja o primeiro a gostar disso post. Deixe um comentário [...]

  • qui, 19/01/2012 - 6:36
    Marcio Leandro

    Nossa, quanto blá-blá-blá desse cara. Seria cômico se não fosse trágico ver alguns tucanos vindo aqui dizer que todo o petróleo do pré-sal deveria ser explorado pela Petrobrás, rá rá rá, mas vocês agora defendem a "Petrossauro"? Quanto a crítica à Belo Monte, o professor diz que o projeto é tecnicamente bem feito, então que seja construída e pronto.

  • qui, 19/01/2012 - 2:18
    luiz pinheiro

    Nunca houve leilão na área do pré-sal. Lá, o regime é outro, proposto pelo governo, votado pelo Congresso, e que garante a Petrobras sempre à frente do empreendimento. Portanto, é pura e simplesmente mentiroso o subtitulo do Viomundo "dando o pré-sal ao Elke"

  • qui, 19/01/2012 - 2:14
    Nadja

    A única oposição verdadeira do PT é o próprio PT… Nunca vi um símbolo tão adequado a um partido quanto a estrela para opartido! cada um é uma estrela cheia de pontas e umas espetando as outras…

    Faz tempo que as práticas do PT no governo andam meio esquisitas… quem é de Recife sabe o que é a nossa bancada de vereadores governistas,o lider e o nosso prefeito…

  • qui, 19/01/2012 - 1:49
    beattrice

    Lendo e relendo o texto, torna-se necessário contextualizar o grupo que denuncia a política energética desde os tempos de FHC, com Ildo, Pinguelli e Tomalsquim.
    São técnicos, conhecem a área como poucos, e denunciam claramente o que ocorreu e continua ocorrendo, com as grandes empreiteiras controlando pouco a pouco todos os setores estratégicos, fora os que não vem sendo desnacionalizados.
    O problema é que tem gente que ainda não quer ver.

    • qui, 19/01/2012 - 14:34
      Ricardo JC

      E o que você propõe? Reestatização do setor elétrico e de telecomunicações, por exemplo? Não acredito que isto seja a solução, ainda que, como você disse (e concordo), haja uma tendência de que grandes grupos de empreiteiras controlem estes setores e outros estratégicos para o país. É óbvio também que após o (des)governo FHC estamos vivendo um período complicado, em que o Estado precisa se reestruturar (o desmonte foi evidente) até para poder ter capacidade de gerenciar novamente os setores mais importantes. No momento, prefiro cobrar um aporte mais intenso em setores essenciais (saúde, educação, habitação, previdência social, etc.) do que ficar lutando contra algo que não vai e não deve acontecer. É importante também frear o processo (acho que isto está acontecendo…) de entrega dos ativos do Estado com a valorização de empresas públicas. O notável fortalecimento e expansão da Petrobras (e também do BB e da Caixa) nos últimos dez anos provam que isto está acontecendo. Se for para brigar por algo, prefiro também tentar lutar a favor da recuperação de nossas reservas minerais (que foram entregues à Vale), que são tão estratégicas quanto o petróleo do pré-sal. No mais, a entrevista do Ildo Sauer não menciona tudo. O que ele chama de franja do pré-sal são áreas de alto risco (pode não haver muito petróleo por ali para justificar o alto investimento na exploração e extração…) e, portanto, sem garantia de alto retorno financeiro. Já parou para pensar que nestes casos talvez seja mais conveniente para o Estado permitir que um ente privado explore a área? Se houver petróleo ele será retirado, processado no próprio país e utilizado aqui (certamente a um custo mais baixo do que o de importação de derivados…). Se não houver…quem perde dinheiro é o outro.

  • qui, 19/01/2012 - 1:45
    Juan

    Se isso tudo for verdade, fico pensando então, que não tem mais solução para o Brasil. Se for verdade, então fico sem esperança.

  • qui, 19/01/2012 - 0:40
    Janah

    Isso é coisa do Serra

  • qui, 19/01/2012 - 0:01
    Sergio Santos

    Tal fato merece toda a publicidade que foi dedicada às demais privatizações. Mas o Sr. Eike já se apropria de decisões equivocadas há muito tempo. Basta lembrar da termelétrica que ele construiu, na esteira do apagão tucano, que nunca forneceu energia pra valer e a Petrobras, de tanto pagar sem retirar energia, foi obrigada a comprar, engordando ainda mais os bolsos do Sr. Eike. Sua "genialidade" nos negócios não é tão elogiável assim. Triste constatar que, no fim das contas, políticos são políticos… sempre terão pontos obscuros de convergência "pragmática".

  • qua, 18/01/2012 - 23:48
    Rafael

    Sempre defendi o PT, sempre votei no PT, depois que leio uma notícia dizendo que o Brasil importou 1 BILHÃO de litros de etanol dos EUA e isso agora sobre o pré-sal começo a pensar qual realmente a diferença entre o PT e o PSDB. Votei no PT porque pensava que defenderia o pré-sal que o serra já negociava com a chevron, o etanol foi entregue para as multinacionas, dominaram tudo por aqui com erteza porque o governo deixou. Começa a parecer que única diferença entre o PT e PSDB é o fato do PT defender o bolsa-família e só mais nada, no resto toda aquela sacanagem dos tucanos que sempre me revoltou, entreguismo, destruição do patrimônio público parece que o PT também gosta. Lastimável. Espero que o PT saiba que o voto de um cidadão vale o mesmo que o voto do Eike Batista e que exite somente um eike batista enquanto cidadão comum que se revolta com essa sanagem existem uns 100 milhões.

    • qui, 19/01/2012 - 1:32
      Lucas

      Pode ser, mas um Eike Batista contribui muito mais dinheiro nas campanhas do que o cidadão comum, e, portanto, espera um bom retorno para o seu "investimento".

    • qui, 19/01/2012 - 1:42
      beattrice

      Eles ainda não sabem, mas vão descobrir logo, em 2012.

      • qui, 19/01/2012 - 12:26
        Leider_Lincoln

        Realmente… Meu voto será do PSOL e acreditem, farei o que for possível para levar juntos comigo.

      • dom, 06/05/2012 - 18:29
        Mário SF Alves

        É isso. Vamos abandonar o navio. E nem precisa investigqar as denúncias do Sauer/sauro, não. Pra quê? Tá tudo tão claro, né não? Santa ingenuidade!

    • qui, 19/01/2012 - 9:06
      Walter Jr

      Mais do que o voto, o Imposto de Renda de um servidor publico que ganha 4 mil reais por mes é o mesmo do Eike Batista, 27,5%.Que distribuição de renda é essa? Os remediados viram pobres, e os ricos ficam cada vez mais ricos. O PT é igual ao PSDB, tudo paulista, tudo joga para a banca e para o mega empresariado.

      • qui, 19/01/2012 - 12:17
        Edmilson

        Foi FHC quem acabou com a alíquota de 35% (Everaldo Maciel ainda explicou que "alíquota alta estimula sonegação" – queria saber se os sonegadores deixaram de sonegar depois dessa redução…). E, caia na real, se o Congresso acaba até com CPMF de 0,18% que seria destinada integralmente à Saúde, imagina se vai aprovar aumento de alíquota de IR para os mais ricos…

      • qui, 19/01/2012 - 13:49
        leandro

        "…tá…."seria destinada exclusivamente a saúde"….no dia que o sargento garcia prender o Zorro.

      • qui, 19/01/2012 - 20:08
        beattrice

        O FHC acabou… e depois de 9 anos de base aliada na mão o PT não conseguiu corrigir?
        Ah… conta outra.

      • qui, 19/01/2012 - 16:51
        Sagarana

        Lêdo engano meu jovem Walter Jr. o Eike, como empresário, paga apenas 15%, nada mais. HELLOOOWWWW!!!

      • qui, 19/01/2012 - 20:07
        beattrice

        E fale-se em correção das alíquotas e tributação de grandes fortunas que o alto comando do partido estrebucha e baba, será em defesa própria como se deduz da entrevista do professor?

    • qui, 19/01/2012 - 10:10

      Discursinho bobo, assim como o artigo. Deve ser por isso que a Petrobras está quebrando.
      O quê? Não está? Está crescendo? Mas como?

      • qui, 19/01/2012 - 13:47
        leandro

        Como??? Vendendo a gasolina pelo preço que vende e sem concorrência. Pelo menos na Venezuela e Bolívia as estatais retornam para a população os benefícios que conseguem com o monopólio vendendo a gasolina a um preço simbólico, já aqui………..nós pagamos a conta. Por isso esse lucro todo que nunca volta para nós.

  • qua, 18/01/2012 - 23:44
    marreta

    Lula e Dilma entreguistas?… deve ser por isso que a direita, os barões da mídia, os EUA, Israel, o sistema financeiro apóiam tanto seus governos.

    hehehe….

    • dom, 06/05/2012 - 18:39
      Mário SF Alves

      É isso aí, marreta. Chuta logo esse balde! Valeu. E é fato: que tem petista que vale menos que aquilo que o gato enterra, tem. Que tem petista de “alta patente” comendo nas mãos de ex-governadores corruptos, ah! isso tem. Mas, daí, virar as costas para tudo o que fizemos até agora e abandonar a estratégia PT – a mais promissora desde nunca dantes na história desse País – seria melhor sair por aí a dar milho aos pombos.

  • qua, 18/01/2012 - 23:35
    Rafael

    Se for verdade o que Ildo sauer diz eu torcerei para ver morrer o PT assim como torci e hoje vejo a morte do PSDB. É repugnante. O psdb o povo todo sabia qual era a do psdb, partido dos ricos e tudo mais, a sacanagem da privatização não surpreende vindo do psdb, mas o PT se isso for verdade é pior que qualquer fato que ainda apareça sobre a privataria tucana, é a maior traição ao povo da nossa história. Torço para que seja um rancor que Ildo tenha por ter saído da Petrobras ou alguma richa com alguém do governo. Espero que daqui uns anos não apareça uma livro sobre privataria do pré-sal petista.
    Pelo que parece é decepcionante não exisitir um partido sério, que respeite as riquezas do Brasil.

    • qui, 19/01/2012 - 12:24
      SILOÉ-RJ

      Precisamos nos inteirar das normas que regulam esses leilões, mesmo porque toda a extração será vendida, cabendo ao povo brasileiro um pecentual do lucro independentemente de quem explore.

      • qui, 19/01/2012 - 22:21
        luiz pinheiro

        Não há leilão na pré-sal, Siloé. Leilão é feito no regime de concessão, no qualm a empresa que dá o lance vencedor fica com a concessão da área e com todo o petróleo que encontrar lá. Para o pré-sal, tendo em vista a magnitude, a importância estratégica das reservas de petróleo, o governo Lula propôs e o Congresso aprovou um outro regime, o regime de partilha. A Petrobrás vai estar à frente, vai comandar todos os consórcios empresariais formados para a exploração do pré-sal, não vai ter Eike Batista à frente coisa nenhuma. E esses consórcios vão receber sua parte da partilha em dinheiro. O petróleo é defuinido como patrimônuio da Nação, fica com o Brasil, vai ser comercializado, refinado, exportador, seja lá o que for, por decisão dio governo brasileiro, executada pela Petrobrás. Não há entrega de pré-sal ao Eike. O que ele ganhou, em leilões passados, foram outras áreas, fora de pré-sal.

  • qua, 18/01/2012 - 22:33
    beattrice

    Trocando em miúdos,
    para o setor elétrico o governo também recomenda o "controle remoto"?
    Lamentável.

  • qua, 18/01/2012 - 23:21

    O que me deprime é saber por que raios o governo não comenta as declarações do professor… Seria bom ouvir a justificativa para essa “entrega”, como se coloca. Mas também me parece simplista dizer que ou se entregaria o projeto a Eike ou à Chevron ou ainda, está no comentário de alguém, ao MST! Parece que o MST continua assustando algumas pessoas. Deve ser mais complexo do que isso, por isso me parece primordial que alguém apareça com a posição oficial, e logo.
    Por fim, o comentário sobre a China no meio disso tudo… Mostraram um documentário por aqui sobre as condições de trabalho em uma das maiores fábricas chinesas; coisa de assustar. Assim, essa ideia de “esquerda chinesa” parece piada. Segundo informam, qualquer iniciativa para se formar um sindicato rende dois anos de cadeia…mas trabalhar numa fábrica daquelas, que fornece para os wall marts da vida, já é como estar na prisão.

    • qui, 19/01/2012 - 12:16
      SILOÉ-RJ

      Essas manifestações todas retratam o desespero dos perdedores lançando cada vez mais discórdia, e o pior e que muitos embarcam sem sequer questionar.

  • qua, 18/01/2012 - 23:16
    Rato

    Agradeço ao Ildo e ao seu pupilo por ter sucateado as telecomunicações da Petrobras. Será que ele já sabe a resposta da célebre pergunta: "O que fazem as telecomunicações da Petrobras na diretoria de Gás e Energia?"

  • qua, 18/01/2012 - 23:05
    Anver

    Ao responder a última questao, fica meridianamente claro que é um sujeito rancoroso, destilando fel por entre seus dentes, só por não ter tido o espaço que queria no governo. É um Cristóvão Buarque sem classe.

  • qua, 18/01/2012 - 22:51
    Sagarana

    Espero, sinceramente, que essa entrvista detalhadamente bombastica nao faca explodir a taxa de suicidio no Brasil.

  • qua, 18/01/2012 - 22:46
    professor3f

    http://partidodaimprensagolpista.wordpress.com/20
    Falam em que Eike é o Dantas do PT.

  • qua, 18/01/2012 - 22:29
    quepan

    Grato por não publicar ! Embora pareça haver alguns aloprados do Xiaoping!
    Creio que os organizadores que trouxeram esta matéria deveriam contrabalançar …para que o entrevistado não sinta mais um revés, que um debate de ideias.

    Fiquei …com o ególatra.

    parabéns pela matéria – melhor não publicar este também – boa noite!

  • qua, 18/01/2012 - 22:27
    Anver

    É um tucano devidamente apeado do governo.
    Desde então ele deita falação contra o governo do PT. É isso. Não merece fé.

  • qua, 18/01/2012 - 22:10
    Marcos de Almeida

    Eu sei que na teoria o Eike é o homem mais rico do mundo.Se ele tem 10bilhões x 100 USD da 1 trilhão de dolores.So que ele não consegue tirar tudo de uma vez, ele vai de gota em gota so aumentando.Acho que vou voltar aplicar na ogx, quem sabe da que a 12 anos e que é o ano que aposento vou ta milionário também.kkk

  • qua, 18/01/2012 - 22:09
    EUNAOSABIA

    Vendilhões da pátria.

    • qui, 19/01/2012 - 10:21
      SILOÉ-RJ

      Quem???? Nós ou FHC/SERRA???

      • qui, 19/01/2012 - 11:38
        EUNAOSABIA

        As estatais são troco perto do pré-sal, e Lula entregou tudo de mão beijada.

        Vendilhões da Pátria.

      • qui, 19/01/2012 - 13:54
        Valdeci Elias

        E FHC que ia vender a Petrobrás, antes do Brasil descobrir o Pré-sal. Serra ia ganhar uma boa bonificação da Chevron. Depois era só comprar participção na firma de sua filha, nas Ilhas Cayman.
        Depois quando a Chevron descobri-se o Pré-sal, mostrariam ao Brasil como as estatais são ineficientes, ao contrario da iniciativa privada.

      • qui, 19/01/2012 - 20:10
        beattrice

        Essa de comparar o lobo mau com o lobo pior que ele não vai funcionar para sempre, aliás já não funciona mais.

      • qui, 19/01/2012 - 20:09
        beattrice

        TODOS.

    • qui, 19/01/2012 - 12:28
      Leider_Lincoln

      Rochard, meu querido, estava com saudades! E São Paulo, como está? Vão eleger mais um demotucano amparados na imensa popularidade do Kassab ou na confiança que a palavra do Serra inspira?

  • qua, 18/01/2012 - 21:51
    Fabio_Passos

    Entrevista excepcional.

    A descrição dos efeitos da terra arrasada privata-neoliberal que aprofundou nosso subdesenvolvimento, o fabuloso potencial energético brasileiro mal explorado devido a falta de um Estado forte investindo e controlando o setor… e finalmente a constatação de que ainda não rompemos com o modelo e continuamos privatizando nossas riquezas (pré-sal por ex) e assim comprometendo nosso futuro.

    A verdade é que, se desejamos ser uma nação próspera e justa, precisamos avançar muito em relação ao governo Lula. E infelizmente neste primeiro ano de Dilma vivemos retrocessos.

  • qua, 18/01/2012 - 21:50
    Janah

    Não será mais um da turma do Serra? Coisa estranha!

  • qua, 18/01/2012 - 21:48
    ZePovinho

    O engraçado vai ser a tollada querendo nos ensinar o verdadeiro esquerdismo ou a ética,dizendo que todo mundo no PT é como Dirceu.
    O ex-ministro tem todo o espaço para se defender.

  • qua, 18/01/2012 - 21:46
    ZePovinho

    Há mais de 15 dias te enviei essa matéria,Azenha.Nunca escondi que não aprecio o ex-ministro.

  • qua, 18/01/2012 - 21:45
    Paulo

    Vocês levam a sério um sujeito que faz uma análise tão superficial e equivocada de um político como Lula cuja personalidade e seus feitos são tão complexos quanto determinantes para o desenvolvimento recente deste país??

    "A precária formação política, muito superficial, e valores extremamente conservadores. Eu só li o prefácio depois que voltei. Encontrei o Coggiola, fui ler o prefácio. E o Lula me deu o livro, portanto eu não devia reclamar dele. Cada um tinha um Lula, achava que o Lula era um paradigma da transformação — e ele era o que era, capitalista, conservador. E surpreendentemente para mim, ele queria chegar lá. Queria se converter num Pelé da política, para deixar o Palocci virar o Pelé da economia, e assim todo mundo ter salário de Pelé."

    Tenham dó…

    • qui, 19/01/2012 - 8:18
      zezinho

      Finalmente alguém comprovando o que antes eu já pensava. Para muitos seguidores do Lula, o simples fato de ele estar presente foi determinante para o desenvolvimento que o Brasil alcançou nos últimos anos. Ninguém consegue elencar as medidas concretas e reformantes que ele liderou, apenas olham ao seu redor e repetem: É só olhar em volta e ver como Lula mudou o Brasil. É um mito.

      • dom, 22/01/2012 - 0:58
        Paulo

        Zezinho, cite um político brasileiro que encabeçou mais mudanças sociais em 8 anos do que Lula. Alguém que liderou um governo com a mesma, ou mesmo a metade da distribuição de renda e desenvolvimento econômico. Um presidente que foi aclamado que Lula em mais países durante e depois da vigência de seu mandato. Eu espero…te aguardo uns 50 anos pra que você possa terminar sua pesquisa

    • dom, 29/01/2012 - 14:24
      Moacir Moreira

      Dizem que o Lula é realmente um personagem muito complexo que inclusive fez curso nos EUA para aprender como é que se administra um sindicato.

      Mas isso deve ser intriga do sistema Globo/Veja e associados.

  • qua, 18/01/2012 - 21:44
    Luci

    As revelações do professor Ildo Sauer, são de quem esteve dentro da política de planejamento e execução ele conhece tudo e todos, é um grande prejuízo para a democracia e um chamado à reflexão sobre métodos políticos e quem é quem.
    É o esmagamento da confiança nos discursinhos. Prestem contas ao povo sobre esta denúncia.
    Lembrei-me de do artigo do prof. Fabio Comparato "Duas Caras".

  • qua, 18/01/2012 - 21:40
    Marcelo

    É … definitivamente, a CPI da privataria não vai sair.

  • qua, 18/01/2012 - 21:37
    Vlad

    Meretrix !
    PC Farias

    Meretrix Reloaded !
    Sérgio Motta

    Meretrix Revolutions !
    Zé Dirceu

    Bem-vindos à realidade.

    º,..,º

  • Li todo o texto.
    Estou me sentindo desanimado.

  • qua, 18/01/2012 - 21:29
    quepan

    Lendo o que pensa este aficcionado aos ideais do Big Brothel neoliberal, podemos entender porque da pasmaceira que temos. Uma classe "média" ególatra ou neogringa, um que doa 49 milhões aos marinho e muitos morrem e ninguém o denunciou até hoje, e depois expulsa agricultores e doa terras deles ao Xiaoping e ainda tem quem aclame ….kkkk

    O gabriel pensador fez uma música que fala muito deste complexo de sub sub!….

  • qua, 18/01/2012 - 21:09
    Neo-tupi

    O Sr. Ildo ocupou o cargo até 2007, sem pedir demissão, durante 4 ou 5 leilões da ANP (2007 depende da data):
    Rodada Cinco (2003)
    Rodada Seis (2004)
    Rodada Sete (2005)
    Rodada Oito (2006)
    Rodada Nove (2007)
    Depois que ele saiu, o último e único leilão foi em 2008, e após não teve mais nenhum com a descoberta do pré-sal e a mudança no marco regulatório.
    Mesmo com leilões, a maioria dos blocos foi a Petrobras quem venceu.
    Há muita gente respeitável que critica os leilões. Pena que o Sr. Ildo parece ter chegado atrasado.

    • qui, 19/01/2012 - 0:43
      ZePovinho

      O problema do Ildo Sauer é que ele e a turma da USP dançaram junto com Dirceu.Aí ele usa as merd…. do Dirceu para sujar o PT inteiro.
      Como tem gente vaidosa na academia!!!

  • qua, 18/01/2012 - 21:06
    Sagarana

    UAU!!!

  • qua, 18/01/2012 - 21:05
    Geraldo

    Eike Batista é o Daniel Dantas do PT.

    Dantas ganhou a Brasil Telecom na "privatização" da Telebrás.

    Eike ganhou as "franjas" do pré-sal nos "leilões" da Petrobrás.

    Simples assim.

    • qui, 19/01/2012 - 1:37
      Auguto Sperandio

      Como assim: leilões da Petrobrás??????
      Onde e quando a Petrobrás faz leilões??? E do que?????? Móveis e utensílios usados?????
      Acho que está muito desinformado!!!!!!!!!
      Pra dar opinião deveria se informar melhor!!!!!!!!

    • qui, 19/01/2012 - 10:12

      Temos um candidato para escrever a "Privataria Petista". Quando sai, Geraldo?

    • qui, 19/01/2012 - 10:58
      Sagarana

      Tolinho, o Daniel Dantas também é do pt. Ou você acha que eles sumiram com o Paulo Lacerda e indiciaram o Protógenes a troco de quê?

      • qui, 19/01/2012 - 12:34
        Ronald

        Concordo e vou além..alguém já se prontificou a entrevistar o Delegado Paulo Lacerda? Pq tamanho silêncio por parte dele? Algum jornalista ou blogueiro sujo já o procurou? Entrevistou? Eu gostaria de saber disso…

      • qui, 19/01/2012 - 20:02
        beattrice

        O delegado foi transferido?
        Para onde?
        para o fim do mundo?

  • qua, 18/01/2012 - 21:02
    Tarso Freire

    Esse professor já deu curso com o David Zilberstein à população da região de Belo monte, contra a Usina, como ele mesmo falou. Então, é melhor colocarmos a barba de molho!

    • qua, 18/01/2012 - 22:29
      Almeida Bispo

      Cê não percebeu o tamanho do bico, não? Dá pra ver a centenas de quilômetros. Claro, aqui ele é até aliado dos petistas.

    • qua, 18/01/2012 - 22:36
      beattrice

      Deu um curso com o David ou deu um curso organizado pelo David?
      Dar um curso concomitantemente a outro profissional não serve de referencia positiva nem negativa para rigorosamente nada.

  • qua, 18/01/2012 - 20:49
    JOSE DANTAS

    "Eu não falava em petróleo publicamente, mas agíamos com o MST, os sindicatos de petroleiros, todos os deputados amigos nossos". E os outros? O povo brasileiro se resume a isso aí?
    Ele é do tipo que acha que o Brasil deveria ser doado para o MST e transformado num sindicato.
    Na verdade não tenho terras, não sou sem terras, não quero as terras dos outros e não acho que o pré-sal nas mãos do Eike Batista seja pior para o Brasil do que nas mãos do MST.

  • Quando eu li essa parte ….
    ¨….Como eu já disse antes, os números são eloqüentes: há mais de 150 mil MW de outras usinas hidráulicas, cerca de 300 mil MW de usinas eólicas, cerca de 15 mil MW de bagaço de cana, cerca de 10 mil MW a 15 mil MW com cogeração a gás natural, um potencial grande de racionalização do uso possível, conservação de energia, e, acima de tudo, 17 mil MW de pequenas centrais hidrelétricas….¨

    Eu até achei que era sério…
    Bagaço de cana pelo que eu saiba é usada pela propria usina de açucar ou alcool para prover sua propria necessidade energética na sua propria produção. Não há sobra dessa energia para ser socializada não .

    Assim fica dificil, fica muito dificil falar de energia alternativa caro professor. Gas natural é otimo mas se for o processo termodinámica há perda de 80% dessa energia para produzir apenas 20% de conversão eletrica. Todos motores termicos tem essa perda padrão. Então acho que gas só em situação de emergencia.

    O gas é muito bom no uso direto na cozinha ou no banheiro, este ultimo poucos lugarem do Brasil tem instalação para gas no banheiro agora se for realmente usina termoeletrica de conversão a gás, não vale a pena com o menor dos preços do gas natural.

    Agora concordo em uma coisa, tanto estado quanto municipios não usam o metano dos lixões como deveria, mas isso demanda organização local algo que as comunidades locais devem pressionar cada governador ou prefeito para assim pensar. Acho que o ministério do meio ambiente associado com das minas e energia podem até fazer essa pressão, contudo esse metano não tem padrão de aproveitamento, afinal cada municipio tem seu tipo de lixo, volume varia .

    Agora ficar cobrando do estado federal essas pequenezas é não ver que o Brasil é um pais continental. Temos que cobrar dos governadores tanto politicas sanitárias quanto aproveitamento total do lixo.

    Com relação ao Eike e ao Dirceu, acho que o professor está equivocada, afinal se houvesse algo de ruim nos contratos do Eike a boa e bela Chevron está aí pra isso mesmo, pra melar qualquer brasileirinho que queira investir.

  • qua, 18/01/2012 - 20:26
    Indio Tupi

    Aqui do Alto Xingu, os índios não conseguem atinar como isso ainda não resultou numa CPI, na apuração das responsabilidades pela entrega descarada de patrimônio nacional e na imposição de penas exemplares a todos quantos a justiça venha a declarar culpados nesse infamante processo de expropriação de bens públicos, ou seja, do povo brasileiro.

  • qua, 18/01/2012 - 20:19
    E S Fernandes

    Foi o que eu postei comentando o texto de Caroni Filho:

    José Dirceu foi usado pela latrina midiática para constranger as forças de esquerda do país

    Mas atuou favorável ao tal Eike Batista, com o infeliz aval de Lula.

    Isso doi muito; me deixa triste. Porém nunca devemos esconder a verdade.

    Se Dirceu e Lula fizeram bem ao país, não tenho dúvida.

    Mas mal também

  • qua, 18/01/2012 - 20:05
    Roberto Ribeiro

    Taí a senha para um trabalho semelhante ao "A Privataria Tucana".
    Então, o Pré-Sal não é do Povo Brasileiro?
    O Pré -Sal é do Eike Batista?
    Bomba Atômica!
    O Que o Prof. Ildo Sauer diz é gravíssimo, e se confirmado, pode colocar Lula, Dilma, Dirceu, Eike Batista e Cia atrás das grades, como vis traidores da Pátria.
    Isso é gravíssimo.
    Essas acusações são aterradoras e podem transformar o livro do Amaury Ribeiro Jr. em um gibi.
    Ou então, o Sr. Sauer é um tremendo de um irresponsável.
    O Congresso Nacional precisa ouví-lo urgentemente!

  • qua, 18/01/2012 - 19:55
    Rodrigo Leme

    José Dirceu, o "operador político", segundo o gênio Gilson Caroni. Operador do bolso alheio.

    • qua, 18/01/2012 - 22:02
      João Paulo

      Roberto Jefferson, na sua peça de defesa declarou que o mensalão não existiu. Logo, é a melhor peça de defesa do José Dirceu.
      E operador do bolso alheio foi quem doou a Vale do Rio Doce, que se ainda fosse estatal, compraria as produções das pequenas siderúrgicas de todo o Brasil, ajudando a manter empregos, na silvicultura, no transporte de cargas e na siderurgia, e impedindo com isso que a LUCAPE, uma pequena siderúrgica de Alfredo Vasconcelos MG, fechasse suas portas e desse um tremendo golpe na economia do município. Sei disso porque Alfredo Vasconcelos fica a nove quilômetros de onde moro.

    • qua, 18/01/2012 - 22:28
      Paulão

      Lembro que o Pinguelli Rosa e Sauer e outros auxiliares sairam porque Lula teve que fazer um governo de coalização, não podia fugir disso, é o really poilitik, fazer o que. Agora o maior prejuizo mesmo foi dado pela privataria tucana, as cifras chegam passam da casa dos trilhões de reais. Fora os bilhões que foram para nos bolsos dos tucanos, não é mesmo troll Leme

      • qui, 19/01/2012 - 8:39
        Rodrigo Leme

        Maior prejuízo menor prejuízo não tipificam crime. E a diferença do maior prejuízo pro menor prejuízo é q vc considera tucanos culpados e o Zé Dirceu inocente. Grande cidadão.

  • qua, 18/01/2012 - 19:52
    Eduardo Simão

    É melhor entregar o pré-sal ao Eike Batista ou à Chevron? Texaco? British Petroleum?

  • qua, 18/01/2012 - 19:50
    Marcelo de Matos

    A Veja desta semana vai tratar da carreira de Eike Batista. O título é Eike Xiaoping. Nunca assinei a revista, mas, deve tratar da abertura econômica promovida pelo líder chinês que possibilitou o surgimento de milionários como Eike. Talvez a esquerda chinesa já aceite a convivência com o grandes empresários nacionais. A nossa, pelo jeito, vai demorar a superar essa sua aversão, se é que um dia irá superá-la.

  • Comentar