VIOMUNDO

Elias Cândido: “Não podemos permitir que destruam o Paulo Henrique”

25 de fevereiro de 2012 às 16h47

Elias Cândido: “A tendência do racismo em si é aumentar. Não porque há mais racistas, mas por conta da resistência”

por Conceição Lemes

Nos últimos dias, assistimos na internet a uma verdadeira cruzada contra o jornalista e blogueiro Paulo Henrique Amorim, visando carimbá-lo como racista. Espalharam a informação de que  teria sido condenado por racismo no processo movido pelo também jornalista Heraldo Pereira, pelo uso da expressão “negro de alma branca”.

Só que: 1) não houve condenação, mas um acordo, ainda em primeira instância; 2) o autor do processo reconheceu, ao assinar o tal acordo, que não teria havido ofensa de cunho racista.

Paulo Henrique ganhou apoio e solidariedade de leitores, jornalistas e blogueiros.  Militantes do movimento negro saíram em defesa de PHA. Elias Cândido é um deles. Estudioso da história do negro no Brasil, militante de combate ao racismo, professor e presidente do PT da Vila Matilde, Zona Leste da capital paulista, ele foi taxativo num texto que postou no Facebook:

Eu, modestamente estudioso da história do negro no Brasil, conheço bem os negros de alma branca. Posso reconhecê-los à distância pela linguagem, pelo olhar medroso, pelo jeito janota de se vestir e pela sintaxe entreguista.

Reconheço o trabalho de PHA pelos negros, apoiando programas voltados a essa população e denunciando o racismo da grande mídia. Ele tem todo o meu apoio.

Que os negros e pessoas bem-intencionadas não se confundam: uma ação contra o racismo jamais viria de alguém da Rede Globo, a maior propagadora de racismo deste país.

Decidimos, então, ouvir um pouco mais Elias Cândido.

Viomundo — O que significa “negro de alma branca”?

Elias Cândido — “Negro de alma branca”, na verdade, é como alguns brancos racistas,  se reportam a alguns negros.  São os negros que não se rebelam, que toleram passar por humilhações e que, segundo alguns brancos, “sabem o seu lugar na sociedade”.

O negro que reivindica o seu lugar é o negro “ negro”, isso do ponto de vista do racista.

Viomundo – Chamar alguém de “negro de alma branca” seria xingamento?

Elias Cândido –Seria um xingo. Seria exatamente aquela pessoa que, por querer ser aceito por aqueles que não a aceitam, se submete a humilhações em vez de buscar o seu espaço. Assim, do ponto de vista racista, equivaleria a um xingo.

Viomundo – Paulo Henrique se referiu ao Heraldo Pereira como um “negro de alma branca”. Essa menção seria racismo?

Elias Cândido — Não seria racismo, não. Quando o Paulo Henrique usa a expressão “negro de alma branca” não é para ofender a população etnicamente negra.  A intenção dele é chamar atenção para o comportamento do Heraldo Pereira, que é o comportamento daquele negro aculturado, que se submete a determinadas coisas, que se submete, por exemplo, às determinações da Rede Globo.  E a instituição Globo, eu diria, tem um comportamento racista.

Viomundo – Por quê?

Elias Cândido — A Rede Globo é racista. Se olhar com atenção o quadro de seus artistas, vai notar que a maioria é branca.  Se observar também o tratamento que é dado aos negros nas suas novelas, vai verificar que a Globo os coloca em posições que seriam de “negro”, que é escravo, segurança ou bandido. Isso é um comportamento completamente racista, porque induz a sociedade a enxergar o negro daquela maneira.

Já nos negros isso tem um efeito psicológico extremamente cruel. A pessoa passa a não almejar coisas maiores na sociedade a não ser aquelas coisas que lhes são impostas, dado o poder cultural das novelas da Globo  sobre o nosso povo de um modo geral.

Lembra-se da época em que Xuxa tinha as Paquitas e o sonho de todas as meninas era ser Paquita, uma menina loura, de cabelos lisos? Aquilo tinha efeito devastador na cabeça das meninas negras.

Isso sem falar dos noticiários que, de forma bastante sutil, dão mais atenção aos crimes cometidos pelos negros. Aliás, o seu diretor de Jornalismo, Ali Kamel, é bastante criticado por negar o racismo no Brasil, que mesmo os racistas admitem existir.

Viomundo – Na sua opinião, por que o Heraldo entrou com a ação contra o Paulo Henrique?

Elias Cândido – Por dois motivos. Primeiro, vestiu a carapuça. Ele tem cultura e inteligência suficientes para entender o que o Paulo Henrique estava falando.  Ele não fez confusão.

Agora o que possivelmente o estimulou foi a própria Central de Jornalismo da Rede Globo, que promove um combate ao Paulo Henrique Amorim, assim como promove combate aos blogueiros progressistas em geral e mesmo àqueles que não estão no seu rol de controle.

É bastante notório que alguns blogueiros, como Reinaldo Azevedo, se apressaram em acusar o Paulo Henrique, tentando impingir-lhe a pecha de racista, que, se pegasse, enfraqueceria bastante a influência do Paulo Henrique.

Daí a nossa pressa em sair em defesa dele, não só por ele não ser racista, mas principalmente pelo significado. A intenção deles era dizer que os blogueiros progressistas estavam atacando aquele negro que está fora do seu rol ideológico, como querendo dizer “esse negrinho é nosso”.

A intenção era levar a discussão para esse viés. Era levar  Paulo Henrique Amorim para o sacrifício em nome de uma ideia, que é para fazer com que o negro “se coloque no seu lugar”.

Viomundo — Como avalia o racismo hoje em dia no Brasil?

Elias Cândido — É importante entender que o modelo de racismo no Brasil é extremamente jovem, que é o racismo por cor. Algo em torno de 500 anos. Antigamente os escravos tornavam-se escravos porque eram derrotados em guerras, inclusive os povos negros da África.

Aqui no Brasil, como justificativa para a escravidão, foi introduzido o racismo por tonalidade da pele. Quanto mais claro tom de pele menos preconceito você sofre, mesmo sendo afrodescendente.  Quanto “melhor” o seu cabelo, menos você sofre também.

Esse processo está sendo refreado por conta de maior organização movimento negro e da ida dos negros às universidades. À medida que passamos a ir para as universidades, devido aos programas de cotas e à melhora de vida dos últimos nove anos, o racismo melhorou um pouco do ponto de vista social.

Mas ele aumenta do ponto de vista racial. Essas pessoas, que foram acostumadas a ter privilégios em relação à maioria excluída, começam a ficar mais desesperadas e mais reacionárias com o aumento de negros para as mesmas vagas, tanto na escola quanto no trabalho.

A tendência do racismo em si é aumentar. Não porque há mais racistas, mas por conta da resistência.  Isso fica claro na resistência ao modelo de cotas com argumentos de que “querem regalias só para negros”. É o tipo de argumento que não dá nem para a gente discutir.

Viomundo – Outras lideranças do movimento negro pensam como você?

Elias Cândido – Estive numa reunião na sexta-feira com várias lideranças para discutir outras questões e a gente acabou conversando sobre o caso. Elas não têm nenhuma dúvida: o Paulo Henrique não é racista. Ele caiu numa armadilha armada pela própria boca. Como é vítima de perseguições, ele deve tomar um pouco mais de cuidado nos seus pronunciamentos, porque a ideia é pegá-lo numa armadilha. Foi o que restou para essas pessoas. Aliás, a pecha de racista é usada inclusive por racistas para atacar as demais pessoas.

Por tudo isso, o momento é de a gente se unificar em torno do Paulo Henrique, produzindo mais textos, fazendo moções de apoio.  Não podemos permitir que destruam o Paulo Henrique.

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
98 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ana Maria Gonçalves - Paulo Henrique Amorim, o “negro de alma branca” e os demônios de cada um de nós - Geledés

10/12/2014 - 17h15

[…] Amorim, feita por brancos e negros, alegando armação de inimigos políticos e pedindo que “negros e pessoas bem-intencionadas não se confundam: uma ação contra o racismo jamais viria de alguém da Rede Globo, a maior propagadora de racismo […]

Responder

Cotas raciais e o racismo do movimento de negros | Amálgama

10/07/2014 - 13h10

[…] Henrique Amorim, que o chamou de “negro de alma branca”? Vou dizer onde ele estava: estava defendendo Amorim, com o argumento de que este era um oprimido, não um racista, o racista verdadeiro sendo Heraldo […]

Responder

    caue

    24/11/2014 - 14h07

    Causa indignação a recusa do jornalista PHA em admitir seu racismo óbvio em todas essas declarações contra o jornalista heraldo pereira. Um branco dizendo como um negro deveria se (com)portar e dizendo que ele não tem nenhum mérito pra estar onde está. Quando que isso não é racismo? Fico ainda mais espantado com centenas de comentários favoráveis ao PHA e partindo de pessoas supostamente de esquerda (ex-querda)…lamentável toda essa história. PHA deveria ter sido condenado por racismo e não por injúria racial. O militante elias cândido cai em profunda contradição quando diz que a expressão “negro de alma branca” é racista e é usada por racistas, para na sequência dizer que PHA não foi racista! Um jornalista não necessariamente concorda com a linha editorial do veículo em que trabalha (sabemos que Ali Kamel é um notório racista, enquanto heraldo pereira já deu diversas entrevistas abordando a questão do racismo com bastante lucidez e mesmo indignação, como por exemplo para a Marília Gabriela). E por último, a Record, da homofóbica Universal não é PIG? A igreja que mais combate as religiões afrobrasileiras. Seus hipócritas!

ADRIANA MARIA VIEIRA

21/11/2012 - 13h30

PREZADO ELIAS CÂNDIDO,NÃO ACREDITO QUE O RACISMO TENDE A CRESCER.LEVANDO EM CONTA QUE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL CLASSIFICA RACISMO COMO CRIME,E QUE O MESMO É PASSIVÉL DE PUNIÇÃO.MAS ATITUDE COMO A SUA EM DAR EXPLICAÇÕES QUE CLASSIFICAM A EXPRESSÃO “NEGRO DE ALMA BRANCA” COMO EXPRESSÃO NÃO RACISTA,CERTAMENTE DIFICULTA A CONQUISTA PELA IGUALDADE RACIAL

Responder

Almeida

13/03/2012 - 13h49

Postei uma resposta a um camarada lá em cima, mas compartilho com todos.
"Meu caro, o problema não é a expressão que ele usou. Sim, ele foi infeliz, cometeu um erro grave, se apresentou em frente ao juiz e se retratou. Por escrito. E ninguém aqui está defendendo o direito de o PHA usar essa expressão.
O problema que se discute, e a defesa que se quer fazer de PHA é o uso desse episódio pesadamente para se desacreditar um jornalista, como se tudo o que ele fez até hoje não prestasse ou devesse perder o crédito.
É esse movimento que a mídia, e principalmente a referida rede de TV, faz com quem lhe é considerado 'persona non grata', que é condenável."

Responder

    Gil Rocha

    04/05/2012 - 14h17

    Tudo o que ele fez é?
    Tudo mesmo ou só agora que
    é patrocinado pelo estado?
    Tem certeza?
    É interessante o depoimento deste professor
    que é presidente do PT em uma comunidade.
    Mais isento impossível não é?
    Já que é estudioso, deveria estudar a história
    do PHA lá pelos anos de Veja.

José Carlos Jotacê

08/03/2012 - 14h23

Estamos com você, Paulo Henrique.

Responder

Gildo Araújo

04/03/2012 - 13h58

Deu no Estadão: “Heraldo, a cor e a alma”. E Demétrio Magnoli mandou essa: “A adulação, reservada às autoridades, e a injúria, dirigida aos oposicionistas, são as ferramentas de trabalho de Paulo Henrique Amorim”.
Alguém deseja acrescentar algo mais? Fala sério!

Responder

    Luiz Vidal

    09/03/2012 - 01h01

    É como se alguem dissesse:Magnoli….ahhhhhhhhhhhh italianinho fachista……só pode ser!!!!!!E não é…raça ,cor ou religião não fazem uma pessoa melhor ou pior que a outra .como dizia Jesus Cristo"O mal não é o que entra mas o que sai da boca do homem…..

mamapress

29/02/2012 - 22h59

O Paulo Henrique Amorim teria encerrado esta discussão logo no início se admitisse ter dado um escorregão racista. Mas isto seria exigir demais de um brasileiro branco, por mais progressista e defensor dos negros que seja. No arrazoado jurídico para justificar o não ser racista, Paulo Amorim enveredou-se em mais uma forma de racismo, que é o racismo do branco magoado com os negros ingratos, que não se ajustem ao seu modo de pensar.
Existem possivelmente muitas momentos para se atacar o Heraldo Pereira e sua atuação na Globo, servil ou não, mas a escolha do Paulo Amorim em ataca-lo justamente na entrevista da festa de 40 anos, talvez o único momento na vida global que Heraldo assumiu ser negro, foi de uma falta de sensibilidade total. Como vocês podem confirmar no vídeo http://youtu.be/4iejMOk4exc
Negro de alma branca entre outras conotações históricas, significa hoje em dia o "meu queridinho", aquele amigo negro que se comporta bem. Heraldo não aceitou ser assim chamado e , Amorim dançou. Na esquerda brasileira o termo "negro de alma branca", está hoje substituído, pelo "negro de alma progressista" " ou negro de alma consciente". Todos estas terminologias revelam uma estrutura racista e persistente. Éum reflexo de um comportamento em que somos selecionados, dissecados e catalogados pelo gosto do patrão, seja de direita ou de esquerda. O "negro só", ah! Este negro que não precisar mais ser definido pelo branco, para ser o que deseje. Ah, este negro não vai sair por aí dando atestado de não racista para ninguém. E o branco só, aquele que encara o seu racismo, Paulo Amorim, não vai sair correndo atrás de "habeas pele", para justificar seu escorregões. Ainda vamos todos sentar na mesma mesa, botar nossos racismos prá fora, e resolver este problema crucial brasileiro, que é o racismo que cada um de nós carrega dentro da medula.

Responder

    olavo

    01/07/2014 - 11h28

    disse tudo, matou a pau,sem mais…mas tem muuito mais..
    valeu

Danilo Andrade

28/02/2012 - 12h17

Tenho acompanhado as discussões sobre a expressão “Negro de alma branca!”, e refleti sobre um sentido específico desta expressão que foi colocado.
É sobre aquele negro que vivia na “Casa Grande” mais próximo aos patrões, mas condescendente com as mazelas dos outros negros e por aí vai.

E alargando mais as observações não só aos negros mas a SOSIEDADE BRASILEIRA como um todo eu creio que existam “BRASILEIROS COM ALMA DE EUROPEU!” se é que podemos usar esta expressão.

Tem muito brasileiro agindo com condescendência as mazelas dos outros brasileiros! Defendendo intereses alheios aos do país por alguma benece.

Será que existem mesmos estes brasileiros ou estou enganado?

Responder

Paulo Henrique Amorim, o “negro de alma branca” e os demônios de cada um de nós, por Ana Maria Gonçalves | #rnblogprog

27/02/2012 - 12h19

[…] Amorim, feita por brancos e negros, alegando armação de inimigos políticos e pedindo que “negros e pessoas bem-intencionadas não se confundam: uma ação contra o racismo jamais viria de alguém da Rede Globo, a maior propagadora de racismo […]

Responder

Paulo Henrique Amorim, o “negro de alma branca” e os demônios de cada um de nós, por Ana Maria Gonçalves « Cirandeiras

27/02/2012 - 12h14

[…] Amorim, feita por brancos e negros, alegando armação de inimigos políticos e pedindo que “negros e pessoas bem-intencionadas não se confundam: uma ação contra o racismo jamais viria de alguém da Rede Globo, a maior propagadora de racismo […]

Responder

Luana

27/02/2012 - 11h01

Mais um texto que vale a pena conferir: Paulo Henrique Amorim, o negro de alma branca e os demônios de cada um de nós", da Ana Maria Gonçalves.

"Porque é simples assim: Paulo Henrique Amorim usou a cor de Heraldo Pereira para atacá-lo. É racismo e ponto. Tá na lei. Quem não concorda deve brigar para mudar a lei, e não para que Paulo Henrique Amorim esteja acima dela. Que o defendam porque o acham bom amigo, bom jornalista, bom ser humano; mas que entendam que pessoas assim também podem ter atitudes racistas. Pelo que li até agora, Paulo Henrique Amorim tem histórico na defesa de causas das militâncias negras, o que torna o caso ainda mais trágico, e triste, mas não excludente. Ele pode sim, com sinceridade, ser um dos poucos jornalistas de grande audiência a denunciar racismo e defender cotas, mas também ter cometido um ato racista."

Disponível no blog do Idelber Avelar: http://revistaforum.com.br/idelberavelar/2012/02/

É…o pior cego é o que não quer ver!

Responder

Paulo Henrique Amorim, o “negro de alma branca” e os demônios de cada um de nós, por Ana Maria Gonçalves « Dukrai's Blog

27/02/2012 - 10h48

[…] Amorim, feita por brancos e negros, alegando armação de inimigos políticos e pedindo que “negros e pessoas bem-intencionadas não se confundam: uma ação contra o racismo jamais viria de alguém da Rede Globo, a maior propagadora de racismo […]

Responder

Maurilio Gadelha

27/02/2012 - 09h22

"Negro de alma branca", a expressão metaforica, longe de ser racista. Incomodou, não por isto, mas por sua verdadeira significação, ou seja, bajulador, submisso, sudito, baba-ovo, babão, etc. Primor de metafora, arabens PHA, continue incomodando, necessitamos.

Responder

Zaca

27/02/2012 - 07h53

Nós Negros, Combatentes e Conscientes estamos juntos com Paulo Henrique Amorim e Outros/Outras Camaradas lutando lado a lado contra o mesma sujeira que atrasa o nascimento e desenvolvimento deste ajuntamento/país.
Nos encontramos numa Era em que a elite dominante se arma e propaga Ode a Hipocrisia e Sofismo e Ataque Preventivo sob a lógica de método de ataques de "Torcidas (mau)Organizadas".

Estas Ferramentas Bases São as Armas toscas e rudimentares usadas para os da linhagem que seguem a mentalidade oligarca e cultura colonialista-coronelista dos filhos bastardos da fracassada Classe Dominante que tem demonstrado mais o desespero e da tosquice do argumento e da formação da personalidade que se assim podemos chamar, do qual anda desenhando a mascara dos farsantes que tem sua alma enraizada dessa "cultura" de sofistas e de hipócritas.

Camaradas e Irmandade Fraternas! Esta Elite de Mentalidade Prematura é fraca e está caindo, tenhamos a importância de não sermos desatentos a preguiça dessa mentalidade de caráter reacionária que se sustenta com a hipocrisia e o sofisma, além dos ataques preventivos desferidos por eles em ordem de torcidas organizadas tentando dar a intenção da firmação de uma força atuante "virtual" de que o brasil agora suporta e é composta por gentes e expressões de ordem fascistas, não se deixem enganar…nem ao menos eles são organizados para isso, nem ao menos eles são um povo, nem ao menos eles representam uma real ameaça, não passam de pessoas de idade mental de "pirralhos" reclamando de seus docinhos não mais oferecidos pelo povo por temor dos sinhozinhos. São Choramingões ameaçadores virtualescos.

Essa gentinha que quer aparentar ser dura e fascista não oferece perigo a ninguém com seus gritinhos aos coronéis, elas dependem de capangas do estado ou de serviços de setores terceirizados privadas mau pagos que um dia se voltarão contra ela por serem mau remunerados, como disse não passam de uma ondinha de cidadão/cidadãs colonialistas mimadas reclamonas de idade mental de pirralhadas letradas que usam os "louros" para forjar mentiras e sofismas em bloquinhos de Torcidas Organizadas.

Não Brinquem com a inteligencia de nós negros militantes e engajados, combativos e guerreiros, somos lapidados e imunes do ataque de hipócritas… nós sabemos quem são os sérios e os pirralhos, Paulo Henrique Amorim é para nós, negros de luta, uma pessoa não só muito séria como um bravo guerreiro.

Todo Apoio para derrubar a torre da mentira da globo!

Parabéns ao Paulo Henrique Amorim!

Um Abraço Forte também a Irmandade Combatente e Consciente Negra em Guerra!

Estamos com você PHA e com todos que estão a disposição de cortar a raiz cancerígena da hipocrisia e da mentira do sofisma do alicerce da classe dominante e derruba-las e sem muita força cortar a cabeça do dragão e fazer malhação de judas para a diversão de nossos Erês!

Saudações Rebeldes!

Zacarias

Responder

Paulo Henrique Amorim, o “negro de alma branca” e os demônios de cada um de nós, por Ana Maria Gonçalves | Idelber Avelar | Revista Fórum

27/02/2012 - 05h14

[…] Amorim, feita por brancos e negros, alegando armação de inimigos políticos e pedindo que “negros e pessoas bem-intencionadas não se confundam: uma ação contra o racismo jamais viria de alguém da Rede Globo, a maior propagadora de racismo […]

Responder

emilio

27/02/2012 - 01h39

A fascistaiada da internet está exultante, feito pinto no lixo.

Responder

“Heraldo vestiu a carapuça” « Ficha Corrida

27/02/2012 - 00h26

[…] Conversa Afiada reproduz do Viomundo entrevista com o professor e historiador do racismo, Elias […]

Responder

FrancoAtirador

26/02/2012 - 23h36

.
.
Paulo Henrique Amorim e o Negro da Casa Grande

Por Marcos Rezende*, do site AfroPress, via Conversa Afiada

“É necessário saber que, historicamente, havia duas espécies de escravos: o negro da casa e o negro do campo. O negro da casa vivia junto do senhor, na senzala ou no sótão da casa grande. Vestia-se, comia bem e amava o senhor. Amava mais o senhor do que o senhor amava a ele. Se o senhor dizia: — Temos uma bela casa. Ele respondia: — Pois temos. Se a casa pegasse fogo, o negro da casa corria para apagar o fogo. Se o senhor adoecesse dizia: — estamos doentes. Se um escravo do campo lhe dissesse ‘vamos fugir desse senhor’, ele respondia: — Existe uma coisa melhor do que o que temos aqui? Não saio daqui. O chamávamos de negro da casa. É o que lhe chamamos agora, porque ainda há muitos negros de casa.” (Malcolm X)

Em um dos seus discursos, cujo trecho reproduzi acima, Malcolm X, um dos maiores ativistas negros pelos direitos civis posicionava-se frente a muitos negros que agem a serviço dos brancos. Negros que não honram a sua negritude e assim prestam um desserviço a comunidade negra, pois aos olhos menos atentos parece que ele ascendeu, mas, na verdade, ele é uma fração que age como serviçal e se coloca sempre ao lado do não negro por algum benefício, seja salarial, seja “meritocrático”, ou por algum tipo de honraria que recebe como forma de gratidão a “serviços prestados”.
O nigeriano Wole Sowinka, primeiro negro a receber o prêmio Nobel de Literatura pronunciou a célebre frase:
“O tigre não precisa proclamar a sua tigritude. Ele salta sobre a presa e a mata”.

Na verdade a postura de alguns jornalistas como Heraldo Pereira demonstra como a frase de Sowinka é tão atual.
Ora, é este o mesmo jornalista que se apresenta como um funcionário ou um negro da Casa Grande da Rede Globo e nunca fez um comentário sequer quando a emissora se posiciona contra as cotas, contra as comunidades quilombolas e sobre qualquer tipo de avanço da comunidade negra. Este mesmo jornalista não fez ou faz um único comentário ou reflexão acerca do livro “Não somos racistas” escrito pelo seu chefe, o diretor de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel. Este mesmo repórter se curva frente ao ministro Gilmar Mendes, atitude diametralmente oposta à postura digna, honrada e altiva do Excelentíssimo Ministro Joaquim Barbosa que o enfrenta e diz a verdade acerca da postura de um ministro que representa a elite branca, burguesa, aristocrática, ruralista, machista e homofóbica deste país.
Eis que, de repente, o repórter Heraldo Pereira, sempre silencioso frente às maiores questões raciais deste país, sente a sua negritude desrespeitada pelo Jornalista Paulo Henrique Amorim. Sem dúvida a postura é a mesma que Malcolm X dizia em seu discurso. Um verdadeiro negro da Casa Grande.
O histórico de Heraldo Pereira o coloca como um indivíduo subserviente a serviço da elite. E toma para si a dor do seu chefe, tentando desqualificar um jornalista com posição de vanguarda e anti-racista como Paulo Henrique Amorim e assim colocá-lo na posição de racista. Logo Paulo Henrique Amorim, um dos poucos jornalistas da grande mídia deste país que enfrenta verdadeiramente os representantes da elite e que é curiosamente processado por todos eles. Só para exemplificar Ali Kamel, o famoso “não somos racistas”, foi testemunha de acusação neste processo juntamente com o próprio Gilmar Mendes.
Daí cabe um desagravo à figura de Paulo Henrique Amorim que, ao utilizar o termo negro de alma branca, nada mais fez do que trazer à tona um debate antigo, mas de forma antagônica à maneira tradicionalmente utilizada.
O que Paulo Henrique Amorim fez foi descortinar a expressão e colocá-la como de fato deveria ser. O termo “negro de alma branca” deste modo caracteriza-se como um negro a serviço de um determinado setor, uma pessoa que não dignifica a sua ancestralidade e origem, ao se dispor a fazer determinado papel, e quando não assume responsabilidade para com os seus. É como imaginar um judeu nazista de pensamento ariano.

*Marcos Rezende é bacharel em História, membro do Fórum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos. Atua com destaque no Coletivo de Entidades Negras (CEN). Também é Conselheiro Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça.

Íntegra em:

http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/02/2

Responder

Rodrigo

26/02/2012 - 20h00

Parece-me que é um caso clássico de dois pesos e duas medidas. Heraldo trabalha na Globo, então, segundo alguns comentaristas aqui, pode ser criticado até mesmo com uma expressão de profundo mau gosto, que qualquer jornalista, por chinfrim que seja, pensaria duas vezes antes de usar. Mas, como Heraldo é "global" e PHA é "progressista", aí pode, tem que ver o contexto etc. Gostaria muito de ver esse mesmo cuidado, essa mesma compaixão, nas críticas que dirigem a outras figuras.

O grande problema das discussões políticas — e esta é uma — é essa propensão a ver tudo em termos de "nós vs. eles", sendo "nós" os bons e virtuosos, sempre certo no combate ao inimigo. Isso não passa de um recurso emburrecedor, muito bom em comícios, mas prejudicial na vida real. PHA, que adora falar em PIG, experimentou um pouco da mesma arma que usa contra os outros. Tem todo o direito de reclamar se o que foi noticiado distorce algum fato, mas não de encontrar toda essa predisposição contra ele; colhe o que semeia.

No mais, o problema é menos ser de direita, centro ou esquerda, e simplesmente de ter um pouco mais de cuidado com o próximo, mesmo quando se diverge.

Um abraço,
R.

Responder

    Almeida

    13/03/2012 - 13h48

    Meu caro, o problema não é a expressão que ele usou. Sim, ele foi infeliz, cometeu um erro grave, se apresentou em frente ao juiz e se retratou. Por escrito. E ninguém aqui está defendendo o direito de o PHA usar essa expressão.
    O problema que se discute, e a defesa que se quer fazer de PHA é o uso desse episódio pesadamente para se desacreditar um jornalista, como se tudo o que ele fez até hoje não prestasse ou devesse perder o crédito.
    É esse movimento que a mídia, e principalmente a referida rede de TV, faz com quem lhe é considerado 'persona non grata', que é condenável.

» Jornalista acusado de racismo se defende O Primeiro Abraço

26/02/2012 - 19h45

[…] Afiada reproduz do Viomundo entrevista com o professor e historiador do racismo, Elias […]

Responder

O Virtual

26/02/2012 - 14h46

Ás vésperas da segunda disputa FHC-Lula, em 1998, o Paulo Henrique Amorim, então na TV Bandeirantes, denunciava uma operação financeira que permitira a Lula comprar um apartamento em São Bernardo do Campo. Foi uma cruzada repetida em todas as edições do principal jornal da Band, durante longos minutos e com vários recursos de edição.
Lula processou Paulo Henrique Amorim e a Band, esta pediu desculpas públicas. Quando o PT era oposição, Lula era a sua anta, quando o PT ganhou a eleição Lula, Paulo Henrique Amorim fez um acordo com Lula que retirou a acusação contra ele, e assim Lula tornou-se seu Deus. Em contrapartida Paulo Henrique Amorim fundou o PIG – Partido da Imprensa Governista.

Responder

Elias Cândido: “Não podemos permitir que destruam o Paulo Henrique” « Blog do EASON

26/02/2012 - 14h26

[…] por Conceição Lemes no Blog Vi O Mundo […]

Responder

Julio Silveira

26/02/2012 - 13h51

Vou me ater ao pano de fundo do assunto o PHA. Anteriormente observando as colocações de alguns criticos do PH, que antipatizam com ele por causa de sua reiterada critica a elite paulista, rançosa, aristocratica e presunçosa elite paulista. Alguns paulistas menos versados nas nuances de suas observações verdadeiras tomam como ofensa pessoal ao ser paulista. A sssas pessoas, algumas até que se identiticam com os ideiais do Paulo, só posso classificar como pessoas sem o dote da perspicacia. Acompanho o PH a bastante tempo e sei que muitas das bandeiras ora levantadas por muitos dos navegantes partiram dele, ou pelo menos por seu intermédio inicial, por sua voz. Tem gente com uma divida de liberdade com ele e sequer sabe, mas para se perceber esse tipo de coisa tem que se ter pelo menos raciocinio e grandeza. Força PH e todos os amigos do bom Brasil e da verdadeira liberdade e democracia.

Responder

Zé Brasil

26/02/2012 - 13h30

Partindo da hipótese que alma possa existir, alguém poderia me dizer qual é a cor dela? Amarela, branca, preta, vermelha, verde-escuro, azul-claro? Qual seria? Alguém já viu uma alma ? Se é energia como muitos apregoam, qual a cor da energia? Coitados dos mosquitos…..

Num País com uma justiça tão tíbia como a nossa, causa espécie uma figura de retórica virar peça de acusação de racismo.

Onde estão os aúlicos de sempre da defesa da liberdade de imprensa que por qualquer me dá cá minha palha gritam e esperneiam e agora, covardemente, se calam?

Responder

Teo

26/02/2012 - 12h32

Elias, no fundo o que existe são as diferenças ideológicas, ou seja, de classe, exacerbadas pelo racismo etcétera e tal. Parabéns por lutar contra isso. TEO

Responder

João Carlos

26/02/2012 - 12h22

Parece que produziu um efeito contrário a calúnia assacada contra PHA, pois promoveu uma tsunami de solidariedade ao "ansioso blogueiro" na blogosfera.
A entrevista é de alto nível. Só não pesquei a referência a um tal de Reinaldo Azevedo. Quem é esse cara?

Responder

Eunice

26/02/2012 - 12h13

Eu conheci um negro, que dizia, " se todo negro estudar que nem eu…blá, blá, vai ser bem sucedido …" Então eu perguntava, mas "você é ponto fora da curva, assim como há pontos fora da curva entre brancos, japoneses, etc"
???? Ele não tinha argumentos que explicassem como é que os negros, sem escolas, sem chances, provindos de recente escravidão, sem dinheiro, morando longe, convivendo com miséria total nas favelas daqueles tempos, com maus tratos e humilhações vindas dos brancos – que fazem a pessoa perder muita energai – iriam sair da própria curva. Mas ele continuava negando o racismo mesmo sem argumentos. Que negro é esse?! Um negro de alma branca, ele tinha que fazer isso para se justificar de sua falta de solidariedade aos negros. Ele saiu do buraco e não queria ajudar ninguém. Não que os brancos o façam, mesmo entre si.

Responder

alexandre

26/02/2012 - 12h11

Aí algumas coisas já começam a ser perseguição, adoro os textos do PHA, acho ácido e gosto de estilo assim, nem sempre concordo com tudo, mas curto.

Agora o 247 critica o PHA por publicar o artigo de Marcos Rezende : negro da Casa Grande, só que o site 247 faz a mesma coisa ou seja publica aquilo que o PHA publica criticando por publica -lo……. assim fica fácil. permita colocar o link do site http://migre.me/83ONf

Responder

Ricardo Oliveira

26/02/2012 - 11h22

Ser taxado de "negro de alma branca" é uma ofensa muito forte. Isso é inegável! Independente do contexto, a expressão por si só é forte demais. O acordo feito pelas partes mostra claramente que o PHA enxerga isso. A questão que se coloca é o trabalho de divulgação que se faz com isso, querendo comprometer toda uma história profissional, e comprometimento com causas nobres, por um momento de infelicidade. Isso deve ser combatido com veemência.

Responder

“Heraldo vestiu a carapuça” | Conversa Afiada

26/02/2012 - 11h22

[…] Conversa Afiada reproduz do Viomundo entrevista com o professor e historiador do racismo, Elias […]

Responder

Jose Mario HRP

26/02/2012 - 11h10

Com essa baboseira toda ganham a gentalha dos blogs tipo Reinaldão, Flanela Paulistana(extrema direita) e outros nazi fascistas!
O Paulo usou uma expressão culturalmente na boca de todo mundo, assim , a direita passa por boazinha, agragadora e solidaria!
Fala sério, o Paulo batalha todo dia contra essa ralá nazista e agora vão se virar de costas para o cara?

Responder

trombeta

26/02/2012 - 10h18

Depois que o PSOL começou a defender polícia que bate em pobre, a novidade, agora, é a direita preocupada com a condição do negro.

hehehe….

Responder

Jose Antonio Batata

26/02/2012 - 10h15

O PIG quer destruir Paulo Henrique Amorim . O PIG acha que todo munido é IDIOTA… VIVA O PHA… Ele é o nosso herói..Quanto mais baterem em PHA mais importante ele será para nós. VIVA o PHA..

Responder

EUNAOSABIA

26/02/2012 - 10h11

Qual será a cor da alma de Elias Cândido?? acho que o Paulo Henrique Amorim deve saber.

O que será que Elias Cândido pensaria sobre Paulo Henrique Amorim, se o Negro de Alma Branca, fosse ele, chamado por Paulo Henrique Amorim, e não um jornalista da Globo?? iria defendê-lo também como faz agora?

Uma dúvida, Paulo Henrique Amorim foi ou não processado por Lula? o único em toda a sua vida, tenho essa dúvida, sim ou não?

Na boa velho, vocês estão acendendo vela pro santo errado.

Responder

Luana

26/02/2012 - 09h50

A meu ver, ninguém foi mais lúcida e sensata do que a Sueli Carneiro ao escrever sobre o caso PHA X Heraldo Pereira. Segue um trecho de "Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa":

"Há também incontáveis razões para criticar a Rede Globo e muitos de seus funcionários, mas, isso não autoriza ninguém a supor, sugerir ou inferir que um negro global tenha a “alma branca” por jogar o jogo da emissora.

Paulo Henrique Amorin errou em relação a Heraldo Pereira, ele sabe disso, deve pagar. Nenhuma pessoa negra que tenha dignidade aceita ver qualquer negr@ ser tachado de “negro de alma branca”, ou por qualquer outro pejorativo relativo a sua raça. Ser progressista, de esquerda, não é, necessariamente, antídoto contra o racismo; nem um cheque em branco para desvios dessa natureza."

Responder

Inez Barros

26/02/2012 - 09h46

Excelente texto, Elias. Longa vida aos "Blogueiros sujos". …a caravana passa…

Responder

E S Fernandes

26/02/2012 - 09h34

Parabéns Eias Cândido!

Força e vida longa ao PHA!

Responder

Tomudjin

26/02/2012 - 09h34

Apesar da receita ser a mesma, tanto Lula quanto PH sempre cresceriam, se alguém insistisse em bate-los.

Responder

Lu_Witovisk

26/02/2012 - 09h10

Aeee Conceição, parabens!!! Que entrevista boa! Compartilhada!
Sobre o PHA, tava na cara que logo logo arranjariam algum pelo em ovo, mas ele sairá dessa bonito, pq afinal "ate o mundo mineral sabe" que ele não é racista.

Responder

Romanelli

26/02/2012 - 07h35

re re re

que desimportância tem o significado das palavras por aqui não ?

Apresentação do entrevistado : líder do movimento NEGRO e "contra" o racismo

bem que o ómi não esquece as aparências e o tom da cara em ? ..e a alma, como vai, vai bem ?

By Romanelli, líder do movimento dos bronzeados, um CARA que não vai pelas aparências, que abomina o racista de qq matiz, inclusive as cotas que ele defende só para o seu bem

Responder

    cronopio

    26/02/2012 - 10h24

    Eis que o racista mostra a verdadeira face, inclusive com preconceito linguístico (como se o líder do movimento negro, por ser negro, seria necessariamente caracterizado como alguém que fala "errado"). O tempo acaba mostrando quem é o verdadeiro racista. Mais um fascista sai do armário…

    Romanelli

    26/02/2012 - 11h37

    caro Cronopio ..quem vê cara NÃO vê coração

    sou a favor das cotas SOCIAIS, pros pobres, esquecidos e feridos de todo sistema

    se queremos o fim do racismo devemos levar às últimas consequências, e não ficarmos vivendo de conceitos que tocam em APARÊNCIAS

    desculpe, mas eu não vejo NENHUMA diferença entre o pleito do branco se pedir da Alemanha nos anos 30 , dos agora aqui Negros contemporâneos de Pindorama

    reparação histórico de culpados MORTOS feita por inocentes vivos, eugenismo, o tal só pros meus primeiro ..lamento, mas em essência, esta ânsia por vingança e julgo de aparências, lamentavelmente, dá tudo no mesmo ..RACISMO, isso mesmo

    se pra um pra todos, ou para ninguém, é isso que defendo e que aprendi a querer do bem ,,pela CIDADANIA indistinta, e a quem precisa, independente de

    penso que NÃO há, NÃO há a mínima necessidade e justificativa em adotarmos este modelo ALIENÍGENA, um aonde aonde os países que o fizeram, tanto vítimas quanto algozes estavam VIVOS (tipo EUA) ..penso que não há a mínima necessidade de esquecermos de outros dos nossos pequenininhos só porque a cor deles não encaixa numa dada régua de narizes e matizes

    abraços

    nf – quando olho um afro descendente de etnia negra ou um brasileiro de origem chinesa, vejo UM CIDADÃO, não um mostruário de tom e cor

    cronopio

    26/02/2012 - 14h43

    Como se a gente não te conhecesse, romaninho. Você que apoiou pinheirinho, que apoiou a PM na USP e na cracolândia, agora vem agora defender os "esquecidos e feridos". Sai do armário, fascistão…

    Romanelli

    26/02/2012 - 18h23

    não meu caro ..vc não me conhece, nem aos membros da minha família ..e sequer me lembro de ter dialogado com vc antes ..a menos que estejas escondido em nick falso

    No mais, argumentos e NÃO mentiras e distorções, tens ? então não me ofenda, me convença !!!

    Sobre Pinheiro, fui e sou contra a desocupação ..mas jamais esquecerei que os governos Federal, Municipal e Estadual tem culpa no enrosco e tiveram tempo de sobra pra solucionar aquele drama ..que a JUSTIÇA bobeou em devolver um bem a um delinquente como Nahas ..fora ainda de condenar os movimentos POLÍTICOS de MALANDROS que insuflam o povão a invadir áreas em litígio ou de 3os dando-lhes ilusão da posse e solução, pra depois tentar VENDER, alugar e até explorar a eles com comércio irregular

    SOBRE a USP ..OPA, fui e sou contra a depredação de espaço público SIM ..fora que o enrosco começou SIM pela defesa de jovens que estavam delinquindo (tenho parentes e amigos que estudam ali) ..se querem discutir a descriminalização (que apoio) que o façam primeiro, mas na marra, isso prum país que sequer conseguiu equacionar o álcool e fumo direito, desculpe, mas não acredito em ingênuos neste tema

    ..e sobre o jovem que foi agredido ..FIZ a minha parte, protestei o qto pude nas comunidades ..vamos ver se em novembro parte de meus protestos serão ouvidos

    que mais ? ..ah sim, cracolândia ..bem, qual a sua proposta para aquele drama ? Será que deixar a turma escondida e estocada era a melhor saída ?

    será que em os deixando se matar, estuprar, roubar, abusar e humilhar, desde que mantidos naquele gueto, será que era o ideal ? ..não não melhor assim, que agora toda a sociedade saiba o que os DESpoderes públicos escondiam ali por décadas ..e que agora que a sociedade se mobilize não só pra combater, como para educar e prevenir dos vícios ..e que agora os traficantes tenham que ter um pouco mais de trabalho pra escoar suas mercadorias, tipo como o estão tendo com as UPP no rio, estas que foram condenadas pelos movimentos da PSEUDO esquerda, os esquerdopatas de que tanto falo

    viu ..viu ? em democracia é assim, quem acha que tem os melhores argumentos (UM DIREITO) que os defenda com respeito ..quem acha que não, que aprenda ..mas ofender como faz você, pra que?

    abrá

    abolicionista

    27/02/2012 - 20h55

    Cronópio, não há diálogos com fascistas, a gente sabe disso. não perca seu tempo respondendo.

    Luana

    26/02/2012 - 11h49

    Documentário interessante sobre Carlinhos Brown e sua relação com o bairro pobre em que nasceu em SSA. Ganhando o prémio ou não, Brown já é uma referência para aquelas crianças carentes. A direção é do espanhol Fernando Trueba

    O documentário também nos faz pensar sobre a situação do negro e sua cultura.

    O Milagre do Candel http://www.youtube.com/watch?v=t2QqKVSpxeM

    cronopio

    26/02/2012 - 12h39

    Continua o mesmo fascistão, hein Romanelli?

    L. Andre

    26/02/2012 - 13h48

    PEÇO LICENÇA AO cronopio PARA REPETIR O TEXTO…

    Eis que o racista mostra a verdadeira face, inclusive com preconceito linguístico (como se o líder do movimento negro, por ser negro, seria necessariamente caracterizado como alguém que fala "errado"). O tempo acaba mostrando quem é o verdadeiro racista. Mais um fascista sai do armário…

    Esse tal de Romanelli deve ser fã do Ali Kamel.

    Dennys

    26/02/2012 - 14h01

    Como bem observou Elias Cândido, com o aumento dos direitos dos negros (como está ocorrendo nas universidades federais, com o sistema de cotas), há o recrudescimento do racismo. O seu comentário contra as cotas é só uma manifestação disso. Pelo jeito vc é um dos leitores do livro-lixo do Ali Kamel, que defendem que não há racismo no Brasil.

    Romanelli

    26/02/2012 - 18h43

    não sou fã de ninguém não

    Espero que vc já tenha lido outros dos meus comentários pra ter uma ideia melhor do que penso e defendo ..e eu aceito contra-argumentos ..aliás, sou ávido por eles, só que na maiorias das vezes recebo ofensas e adjetivações ,,de ciência e racionalidade mesmo, pouco, muito pouco mesmo

    eu defendo o CIDADÃO, independente da cor, credo, sexo etc, o CIDADÃO ..a minha vida toda aprendi que o certo era lutarmos para que todos tivessem das mesmas chances e direitos ..mas sem se esquecer do mérito e dos deveres entre os indivíduos ..sem nos esquecermos do papel dos pais, das famílias, e da sociedade (e seus valores cultivados, tipo BBB) no processo

    Não pense vc que não sou solidário aos miseráveis e famélicos e que desconheço a história ..só que em minhas fórmulas (cotas sociais) eu busco não discriminar nenhum que hoje peça por socorro nem me utilizar das mesmas armas que outros no passado o fizeram

    sinceramente, reitero, NADA, pra mim nada justifica esta guinada RACISTA que tivemos nestes últimos tempos ..a não ser as falsas bandeiras que alguns movimentos lançam para ascenderem ou se manterem no poder

    Penso mais, digo que o BRASIL de há muito não é um país INSTITUCIONALMENTE racista como alguns insistir em nos desmerecer ..aqui ninguém é proibido de estudar, de trabalhar, de trafegar ou ficar pela cor, e se o fizer leva PAU .mas que temos racistas sim entre nós, e em todos os matizes e extratos ..e que estes deveriam, como o eram e o são, deveriam ser combatidos legalmente e instruídos para reverem suas posições

    abrá

    O que sempre digo é que o BRASIl NÂO é um país INSTITUCIONALMENTE racista ..aqui as leis de há muito sempre foram feitas para todos ..se eram eficazes ou se as faziam valar (incluso pro ICO) isso é outra batalha ..mas a mim nada justificou esta guinada RACISTA que revisionistas estam nos impondo

    abolicionista

    27/02/2012 - 20h50

    Por favor, defina "instituição".

Joao Junior

26/02/2012 - 02h56

Ninguem é idiota.

Todos entenderam a colocação que o PHA fez.

Passa longe de ser racista.

É uma crítica ideológica.

Isso está nítido. Evidente. Salta aos olhos.

Basta ler a publicação de PHA.

Noutro giro, sou contra as cotas raciais.

Minha irmã de sangue é negra e eu sou branco.

Não é justo que ela tenha acesso facilitado à faculdade e eu não!

Caso ela tenha, é viável um mandado de segurança contra a administração publica assegurando o mesmo direito a mim ou a qualquer pessoa na mesma situação.

Pronto falei.

Responder

Antonio

26/02/2012 - 02h03

Para quem consegue enxergar as verdadeiras intencoes do PIG / PSDB / DEM este episódio de chamar PHA de racista nao passa de uma piada ou se falam sério, acham que somos tolos. PHA sabe o que ele representa para milhares de pessoas que aprenderam com ele entender o jogo sujo da elite brasileira.

Responder

Marcio H Silva

26/02/2012 - 01h35

Está aí um grande exemplo de descaramento midiático. Deturpam a notícia e não se retratam, com exceção do portal terra que exibiu e corrigiu o êrro. E o ministro bernardo continua olhando pra lua….

Responder

João-PR

26/02/2012 - 01h17

Sou leitor, e de vez em quando colaboro com algumas sugestões de pauta ao site Conversaafiada (do PHA).

Posso lhes afirmar que, embora sem o convívio pessoal com o Paulo Henrique Amorim, o tenho em alta conta somente pelo contido no referido blog.

Paulo Henrique é uma pessoa que poderia estar em casa, cuidando da vida, curtindo os netos, sem se preocupar com o coletivo. Ao contrário, tanto ele quanto Azenha, Rodrigo Vianna, Eduardo Guimarães e tantos outros acreditam que este país pode mudar, e ser melhor para todos.

Acusar Paulo Henrique Amorim de racismo, é o mesmo que acusar Milton Friedman (Escola Liberal de Economia de Chicago) de ser socialista.

Responder

João Maria

26/02/2012 - 00h38

Perguntar não ofende e gostaria realmente de saber:

Quais são os atores, apresentadores, ou mesmo reporteres, negros de destaque na Record?

Responder

João Maria

26/02/2012 - 00h33

Perguntar não ofende e gostaria realmente de saber:

quais são os artistas, atores, apresentadores, ou mesmo reporteres, negros de destaque na Record?

Responder

George A.F. Gessário

26/02/2012 - 00h30

A expressão "negro de alma branca" tal qual empregada pelo PHA de fato não tem cunho racista, tem de se ser MUITO mal intencionado pra se concluir o contrário, ainda mais se conhecendo o currículo e o histórico de textos do PHA sobre o tema, com destaque para a desconstrução do mito de q no Brasil não há preconceito racial,
PORÉM tal expressão é mais um dos ridículos rótulos q muitas vezes "progressistas" usam simplesmente pra taxar quem pensa diferente sobre algum ponto q defendam, no caso rotulam-se negros q não defendam os programas propostos pelos movimentos ligados ao combate ao racismo no Brasil, tal tipo de prática é um defeito, UM ERRO dos "progressistas" e não passa de um argumento ad hominem que em nada enobrece qualquer debate…

Responder

Don Giovanni

26/02/2012 - 00h01

Todo o nosso apoio a PHA!!!!. Felizmente pelo Brasil afora o esclarecimento e a informação progressista está se espalhando. Ou seja, a capacidade de se distinguir a verdade da lorota ideológica das elites e de seus lacaios midiáticos, é algo que está ganhando uma considerável dimensão entre nossos cidadãos. Viva a internet livre!. Viva a blosgsfera! Banda larga acessível a todos já!

Responder

Eduardo

26/02/2012 - 00h51

PHA apenas expressou a sua opinião,com a qual estou de inteiro acordo.
Sou negro,entendi perfeitamente o que ele quis dizer- e disse.
Todos sabemos quem é PHA e quem é Heráclito.
Longa vida para PHA !

Responder

Jonas Resende

26/02/2012 - 00h49

Essa foi mais uma, aliás, uma das melhores defesas que o PHA poderia receber! Muito bom, Azenha, aos poucos, vai caindo, de novo, mais uma tentativa do PiG de prejudicar aqueles que defendem o governo Lula/Dilma!

Responder

Wilder

26/02/2012 - 00h36

Taí um negro que sabe o seu lugar.

Responder

Fátima

26/02/2012 - 00h17

O valor do ser humano não está na cor, está no caráter.
PHA, terá sempre o nosso apoio

Conceição, parabéns pela entrevista ao verdadeiro cidadão brasileiro Elias Cândido. Azenha como sempre nota mil.

Responder

JULIO/Contagem-MG

26/02/2012 - 00h02

Todo apoio ao grande Paulo Henrique Amorim. Quanto ao eraldo pereira, só me resta qualificá-lo de lacaio,
das zelites branca de zoios azuis.

Responder

Lenin

25/02/2012 - 22h54

Elias dá aula;e fez o q outros resolveram n fazer,se "apressou" na defesa em publico.

Responder

    Rômulo

    26/02/2012 - 14h53

    É certo.
    Temos que vir a público, em massa, defender o PHA,que sempretravou o bom combate diante de todas as causas justas, desde estudante secundarista.
    A direita fascista tem por ele um ódio mortal.
    Já a maioria dos brasileiros que têm acesso à informação conecem muito bem o competente e corajoso trabalho do PHA em prol de melhores dias para todos os brasileiros.
    Acusar o PHA de racista não vai colar mesmo. Vá de retro direita fascista.

marcelo santanna

25/02/2012 - 22h31

Isto me lembra duas músicas de Caetano:

Quando você for convidado pra subir no alto
Da fundação casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos e outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados…

Agora outra música:

Isso aqui, ioiô, é um pouquinho de Brasil iaiá
desse Brasil que canta e é feliz, feliz, feliz,
é também um pouco de uma raça…

Responder

    MARCELO

    27/02/2012 - 11h11

    O Caetano escreve para O GLOBO toda semana.É um funcionário do Sistema Globo,igualzinho
    ao Heraldo Pereira.Se liga,xará!

Francisco

25/02/2012 - 22h22

Esse trolóló de Heraldo Pereira é de quebrar qualquer um… PHA é o único (isso mesmo!), único jornalista a ser contundente na denuncia do racismo no Brasil. PHA é totalmente afro-brasileiro. Ele fez e confirma todos os dias uma clara definição politica pela cor dos trópicos. Ninguém se rasga, se esguela, se queima, se estropia pelo que não lhe inplica. Etnicamente, PHA é "brasileiro" total. E etnia é uma auto definição (assim como a orientação sexual). PHA é dos raros profissionais de mídia que já ultrapassou o ponto de gritar em defesa do negro para gritar em defesa do "brasileiro".

A percepção estratégica e politica da auto-estima étnica para o futuro do projeto Brasil de PHA é vinte degraus acima da bizarra acusação de racismo. Heraldo conseguiu algo que dá um trabalho danado conseguir: ser um mané. Um mané histórico.

Responder

    Luís

    26/02/2012 - 14h59

    Bravíssimo Francisco!
    Falou tudo. Heraldo ganha mesmo qualquer concurso para o rei dos manés históricos.Essa palhaçada dele garante-lhe o título.

Luana

25/02/2012 - 22h49

Todos sabem que PH não é racista. Mas a frase negro de alma branca, é um trocadilho. Na verdade, o termo branca de alma negra, foi utilizado por Vovô, presidente do Ilê Ayê, quando Daniela Mercury foi aceita para cantar nos ensaios do Ilê. Ela ficou conhecida como a branquinha mais pretinha da Bahia. E a branca de alma negra, por divulgar a cultura negra, focada no samba-reggae.

Todos sabem em que contexto PH utilizou o termo, quem lê seu blog sabe muito bem disto. Gostei da entrevista do sr. Elias. Que o negro e sua cultura têm um longo caminho a percorrer neste país, ah isto tem.

Responder

Regina Braga

25/02/2012 - 22h28

E alguém vai destruir o PH? Nem em sonhos…PH é um colecionador de artes,prá cada processo ele ganha um troféu…Sua coleção é farta….Grande Jornalista!!!

Responder

professor3f

25/02/2012 - 20h27

Paulo Henrique Amorim não seria destruído por isto. Não, não seria, nem será. Afinal, ele não é racista. Disto estamos todos convictos, e sobram evidências de que não é. Então, não é sequer necessário (embora seja bem vindo) o apoio de todos. No entanto, para proferir frases racistas não há a necessidade de ser racista. E a frase é racista como bem diz a sequencia de resposta dada nesta matéria (isto se seguirmos a lógica). Desta forma, PHA, e agora o senhor Elias Candido, deveriam considerar o senhor Heraldo Pereira em sua plenitude (e em sua negritude) e cessar as ofensas. Confundem a guerra contra o preconceito, com uma luta contra trabalhadores. Eu não me alinho a esta vertente de pensamento. Não a aceito. Acredito desnecessária.
Fico portanto com o que já postei em:
http://partidodaimprensagolpista.wordpress.com/20

e com o que MARIA FRÔ postou
http://partidodaimprensagolpista.wordpress.com/20

Responder

    Lenin

    25/02/2012 - 23h47

    Sou negro,se é q importa (-e vc tbém,ídem)…PH foi racista ou n?-no meu "humilde" e limitado entendimento,n!Mas,"hulmilde",reconheço q alguns argumentos da suely tém lá pontos interessantes…Embora admita importância do movimento negro,vejo q,na sua tendência mais poderosa,há um certo melindre em certos assuntos -por exemplo.Poupa-se,num exagero de melindres,os negros "bem sucedidos" q renegam a negada(termo baianíssimo),n fazendo a menor questão de esconder (-eles tranformam-se em poderosas armas contra nós;afinal,sendo referenciais,alimentam a introgeção da negação nos afro-descendentes);outro exemplo.Há um n sei q de elitismo no movimento negro…grupos e grupelhos parece n gostar da popularização das discussões,fecham-se em si…N sou um radical negro de esquerda -muito antes pelo contrário;mas estou 'cadinho ressaquiado dessas inúmeras e insuperáveis coincidâncias q rondam o movimento negro brasileiro…Se me permite,e n é deboche,proporia ao geledes e outros,q iniciem campanha p/ haver mais beijos entre negros nas novelas -é;mesmo n havendo muitos personagens negros,vamos criar uma polemicazinha com isso.Um casal,par,romântico negro -da forma como vai,sairemos do triângulo Lázaro Ramos-Camila Pitanga-Thais Araújo,e cairemos naquilo q o falabella pensa q é comédia às 19 hs…É uma modesta sugestão;q,claro,n será levada à sério -mesmo pq,a insignificância,simboliza (…é evidente q sentimentos n estão presos a tez da pele) padrões q as próprias lideranças,e seus destaques,negros n gostam de teclar.

    professor3f

    26/02/2012 - 00h39

    Lenin, achei muito relevante seu comentário. E não me havia sequer percebido isto sobre a questão de beijos entre personagens negros em novelas.
    Talvez seja porque não somos racistas (segundo o livro enaltecido pela Platinada).

Flavio Lima

25/02/2012 - 20h21

Todo apoio ao Paulo Henrique Amorim!

Responder

Polengo

25/02/2012 - 20h00

Vejam que maravilha: mestre Hari sempre fantástico!

Blogueiro comunista condenado por desobedecer Kamel http://www.hariovaldo.com.br/site/2012/02/25/blog

Responder

Rita

25/02/2012 - 19h53

Quem nasce para HP jamais será PH.

Responder

Jacó do B

25/02/2012 - 18h51

Em breve a discussão estará nas redes sociais e vai despertar a curiosidade das pessoas que não tem conhecimento real do episódio. Vão pesquisar e comparar o engajamento dos dois – Heraldo e PHA – e estarão ao lado do PHA. Basta ler os posts do Conversa Afiada sobre o tema e ler artigos (existem?) do Heraldo Pereira sobre os negros no Brasil, racismo, ouvir suas opiniões sobre o tema etc. Heraldo nunca defendeu seus iguais, sendo que por falta de tribuna que não é. A Globo fala do Oiapoque ao Chuí. Quem é o racista?

Responder

    Luciano Oliveira

    26/02/2012 - 10h56

    Heraldo não precisa defender ou se manifestar como militante da causa negra! ELE É NEGRO!!!
    Para defender um partido político, militante e militontos são capazes de chegar ao fundo do poço.
    Ter um negro de destaque ofende. Heraldo é a prova viva de que quando há oportunidades, a cor da pele perde seu valor. Se Heraldo fosse um cantor, dançarino, jogador de futebol… tenho certeza que todos estariam ao seu lado. Um negro de causa tem que ser cotista, receber bolsa-família, ser ptista e submisso.
    Prego que se destaca leva martelada.

Fabio

25/02/2012 - 18h48

Azenha e se fosse alguem do “PIG” como foi com o Boris Casoy que pediu desculpas,por ter ofendido os lixeiros, nos blogues ditos “sujos” queriam a cabeça, tronco e pernas do infeliz. e mais 300mil de indenização .Dois pesos e duas medidas errar é humano. O PHA quis ofender , agora fica este contorcionismo para justificar a bobagem, pede desculpas assume o erro e paga de alguma forma e pronto , esta situação pode acontecer com qualquer um da "direita" ou "esquerda". Pimenta nos olhos dos outros é refresco.

Responder

Zé Francisco

25/02/2012 - 19h42

PHA está para o racismo assim como madre Tereza está para a luxuria. Simplesmente ilógico.

Responder

souza

25/02/2012 - 19h38

em acordo com o sr. elias digo que a intenção de atingir o ilustre PHA visa reduzir a resistência a imoralidade que impera no grande escalão do judiciário, legislativo. não só PHA mais muita outras grandes vozes da resistência da imoralidade devem ser preservadas, vozes de imúneros blogueiros, assim com do blog que aqui falo, como tantos outros.

Responder

Gustavo Pamplona

25/02/2012 - 18h37

O mais interessante é que somente “negros de alma branca” é que se dão bem neste país, não acham?

Querem um exemplo disto: Glória Maria… aquela ali sabe que é negra, mas o fato é que não se "comporta" como negra. Eu explico:

"O dia que o negro deixar de se considerar inferior ao branco vai acabar o racisno no mundo."

Bom… alguns tem o racismo por base na cor de pele, bom… se nem existe gente branca no mundo… mesmo os albinos não são inteiramente brancos

Somos essencialmente uma espécie que vária de tons beges rosados (europeus) e amarelados (asiáticos) até marrons e pretos… enfim… basicamente um copo de café com leite (e as vezes com morango) misturado nas mais diversas proporções.

Aliás… neste ponto: Os asiáticos são mais racistas que muitos brancos por aí… existem muitas famílias orientais que detestam misturas inter-raciais porque isto iria despurificar a "espécie".

Outros tem por base o racismo no fato que os brancos tem os narizes mais finos enquanto os negros são achatados, mas isto é o de menos…

Agora sobre o lance dos cabelos: Bom… este é o ponto… todo mundo sabe que os rastafáris, os dreadlocks são algo bem nojento de se olhar… não falo da aparência em si… falo é da higiente para manter aquilo já que muitas vezes não são devidamente lavados porque se lavar demais o "penteado" desmancha.

Mesmo em brancos com rastafáris ou "brancos" com cabelos crespos até sofrem de piadas, vide os dois CQC's Felipe Andreoli e Marco Luque

Tanto a Glória Maria como o Heraldo e até alguns atores/atrizes negros(as) da Globo sabem disto… não se portam como negros fazendo estas atitudes de negros como defender a raça, etc.

Eu se fosse negro… não faria também… afinal… eu não defendo nem a raça branca.

—-
Desde Jun/2007 não defendendo raças no "Vi o Mundo"! ;-)

Responder

    Miguel

    26/02/2012 - 04h35

    voce acha mesmo que isso que escreveu ai e' "defender racas no viomundo"? ta precisando de um pouco mais de esclarecimento…

    Luciano Oliveira

    26/02/2012 - 10h38

    Muito estranho alguém que se diz militante concordar em ver um outro negro sendo humilhado por um branco!
    Por ter estudado, por ser um jornalista de sucesso, por despertar inveja em muitos… Heraldo é um 'negro de alma branca'!
    Negros só podem ter destaque na musica, dança e no esporte para serem reconhecidos como negros?
    Você só pode estar de brincadeira! Tentar defender PHA, só mostra o quanto nossa sociedade é racista. Medo, inveja… são ingredientes para alimentar um comportamento racista.
    Heraldo é um homem que venceu e isso incomoda negros e brancos que passam grande parte de suas vidas culpando outros por suas derrotas.

Julio Rocha

25/02/2012 - 19h17

Todo me apoio a Paulo Henrique! Perfeita analise prof. Elias.

Responder

pperez

25/02/2012 - 19h09

Se, neste episódio, o PHA fosse um ministro do governo Dilma, já estaria demissionário,porque a edição de amanhã da Veja viria estampada na capa a imagem do Heraldo no pelourinho!
Só que PHA não tem rabo preso com ninguem e tem autoridade etica,moral e profissional mais que suficiente para extinguir no nascedouro este tipo de calunia!
Pra frente PHA! estamos com vc, segura nas mãos de Deus e vá!

Responder

FrancoAtirador

25/02/2012 - 17h50

.
.
Campanha sórdida de bandidos midiáticos mafiosos

contra o honrado jornalista Paulo Henrique Amorim.
.
.
Os ataques rasteiros a PH Amorim

Por Rodrigo Vianna, no Escrevinhador

Inimigos de Paulo Henrique Amorim (seria tolo chamá-los, apenas, de adversários) utilizaram a internet nas últimas horas para espalhar a informação de que ele teria sido condenado por racismo. Mentira dupla: não houve condenação (mas um acordo, ainda em primeira instância) e o autor do processo (o também jornalista Heraldo Pereira, da Globo) reconheceu (ao assinar o tal acordo) que não teria havido ofensa de cunho racista.

Figura emblemática na internet, PH Amorim fez muitos inimigos nos últimos anos. Claro que os inimigos tentaram aproveitar a situação para atacá-lo. Dizer (ou insinuar) que PH Amorim é racista foi a vingança de parte dessa gente que vive nas sombras – protegida pelos cargos oficiais, pelas amizades político-financeiras ou pelas posições ocupadas em Redações da velha mídia. Claro que essa gente não botou a cara pra bater; preferiu utilizar sites e/ou portais que fazem o serviço pesado para o PIG.

Esse é o método dessa gente. Senti isso na pele quando sai da TV Globo em 2006, e recebi ataques sistemáticos daqueles que agiam de forma dissimulada para agradar meus ex-patrões: apareceram notas plantadas nos jornais, comentários maldosos na web (vindos até de gente que hoje se esconde na Itália).

Isso posto, vale esclarecer mais dois pontos:

1) Não concordo com a expressão utlizada por Paulo Henrique Amorim nas críticas a Heraldo Pereira (“negro de alma branca”); ele utilizou a expressão de forma irônica, vá lá, justamente para relembrar a forma dissimulada como parte da “elite branca” se refere a negros que aceitam fazer o jogo dessa elite. Ainda assim, foi infeliz – além de injusta com Heraldo.

Isso, no entanto, não pode (e nao vai) apagar a luta incansável de Paulo Henrique que – ao longo dos últimos anos -vem-se dedicando a denunciar a tentativa idiota de negar o racismo no Brasil. O diretor da TV Globo Ali Kamel escreveu um livro (“Não Somos Racistas”) para “provar” que o racismo não existe. Heraldo Pereira – que trabalha na Globo- foi à Justiça porque se sentiu atingido pela frase de Paulo Henrique Amorim. Então, o racismo não existe, Ali?

2) Considero Heraldo Pereira um ótimo sujeito; e até onde sei, é um jornalista correto. Assim como qualquer um que exerce atividade pública, ele está sujeito a críticas. E tem o direito óbvio de buscar a Justiça quando se sentir atacado de forma exagerada ou injusta. Ao aceitar um acordo na primeira instância, Heraldo mostrou grandeza, mostrou que não pretende usar processos como arma de intimidação política e/ou econômica.

Não é o caso de outros personagens, conhecidos, que utilizam a Justiça (a mesma que às vezes prefere proteger Naji Nahas a garantir o direito à moradia de centenas de famílias) para intimidar e calar os críticos… A mim, não intimidam.

Paulo Henrique Amorim recebeu muitos ataques rasteiros nas últimas horas – vindos, inclusive, da turma que se diz de “esquerda” (é aquele povo que Brizola e Darcy Ribeiro definiram tão bem: “a esquerda que a direita adora”).

Mas PH Amorim recebeu também a solidariedade de milhares de leitores e colegas jornalistas.

Entre tanta coisa que se escreveu, reproduzo aqui a reflexão de Leandro Fortes* (outro jornalista e blogueiro que não se intimida com ataques e processos)…

RACISTA É A PQP, NÃO PHA
Por Leandro Fortes

*Ver texto publicado no Viomundo sob o título: "Uma acusação injusta" (A psicologia reversa)

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/leandro-f
http://www.rodrigovianna.com.br/palavra-minha/os-

Responder

JoseIvanAquino

25/02/2012 - 17h27

Somos todos/as PHA! Valeu Sr. Elias. Estamos juntos na defesa do Jornalista Paulo Henrique Amorim e do Blog Conversa Afiada. Obrigado ao Viomundo pela excelente e oportuna entrevista com o militante Elias Cândido.

José Ivan Mayer de Aquino
Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e Pela Vida

Responder

Francisco Nogueira

25/02/2012 - 17h07

Em meu humilde entendimento, concluo que o PHA vai sair mais fortalecido deste episódio. É aquela coisa, é dado um tiro, se não matar, a fera volta mais feroz. É com orgulho que vejo os negros tendo uma visão correta do problema. Fico mais feliz ainda em ver que situações armadas, como esta, mesmo parecendo uma novela, terminem com um final feliz, abrindo a visão de quem ainda a tem um pouco turva, todos sabendo o que cada um pensa. Claro que antes do fim, a GROBO queira 'estender' os capítulos fazendo com que soframos durante um tempo maior, desnecessário. O Brasil não é determinado por uma cor, por uma opção pessoal, etc, ele feito de brasileiros como o PHA, pelo Elias Cândido e por todos os que os dois representam.

Responder

    Fabio_Passos

    25/02/2012 - 17h49

    Só os notórios racistas da rede globo e revista veja poderiam acreditar que os negros condenariam PHA.
    Desmereceram mais uma vez a inteligência dos negros… e se estreparam.

    Polengo

    25/02/2012 - 19h52

    É verdade.
    Só lê isso e acredita quem não conhece ele ou não aceita seu ponto de vista.
    Desses, já não se pode dizer que queriam alguma coisa boa pra ele.

Deixe uma resposta