VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Doria promove seminário com investigados pela Lava Jato, paga passagem de repórter da Folha para posar de “apolítico” e lança candidatura em NY

17 de maio de 2017 às 14h54

Doria e ACM Neto, sob patrocínio do Bradesco; o jovem dirigente do Lide, filho do prefeito de São Paulo, é o “crème de la crème”; o amigo de Bloomberg também fez marketing com o Cunha

Da Redação

Os lobistas do autodenominado Grupo de Líderes Empresariais (Lide) pagaram a passagem de um repórter da Folha para cobrir o lançamento da candidatura de João Doria ao Planalto em Nova York. O valor não foi registrado pela empresa jornalística. Doria é dono do Lide.

A ocasião foi, oficialmente, a entrega do prêmio Homem do Ano promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, outro grupo essencialmente dedicado ao networking.

Doria aproveitou para juntar-se ao ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, uma jogada de marketing que reforça sua imagem de “apolítico”, ou seja, de flutuar sobre as sujeiras da política brasileira.

Enquanto isso, no Brasil, o Lide de Doria promovia de 20 a 23 de abril um seminário com cinco investigados na Operação Lava Jato, em Foz do Iguaçu.

O homenageado no evento foi o prefeito de Salvador, ACM Neto, que poderia compor algum tipo de aliança para levar Doria ao Planalto em 2018.

Como informou o UOL:

O delator André Vital Pessoa de Melo, ex-diretor superintendente da Odebrecht na Bahia, afirmou que a construtora doou R$ 1,8 milhão ao caixa 2 da campanha do prefeito de Salvador ACM Neto (DEM-BA), em 2012. Nas planilhas do departamento de propinas do grupo, seu nome aparece associado ao apelido “Anão”. Neto garante ter 1,68 metro de altura.

Também discursaram no evento o governador do Paraná Beto Richa, o presidente da Câmara Rodrigo Maia e os ministros Bruno Araújo e Mendonça Filho.

No rol dos palestrantes estava o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra Filho, que disse recentemente ao depor no Congresso que “se você começa a admitir indenizações muito elevadas, o trabalhador pode acabar provocando um acidente ou deixando que aconteça porque para ele vai ser melhor” (veja abaixo).

Após admitir candidatura, Doria diz que procurou Alckmin para se explicar

PAULO GAMA*
ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK
CATIA SEABRA
EM NOVA YORK

Folha de S. Paulo, 17/05/2017 09h46

O prefeito de São Paulo, João Doria, afirmou ter procurado o padrinho político, Geraldo Alckmin, na terça-feira (16) para explicar a declaração que deu em entrevista à agência Bloomberg, de que aceitaria ser candidato do PSDB à Presidência caso fosse escolhido por prévias do partido.

“Eu disse a ele: ‘Governador, oito jornalistas te entrevistando é um time de futebol. Oito contra um’. Ele deu risada. Evidentemente ele sabe o que é isso. Nada abala minha relação com ele.”

O prefeito disse ter tratado a conversa com naturalidade e afirmou que fala com Alckmin várias vezes por dia sobre todo tipo de assunto.

Na saída da cerimônia em que recebeu um prêmio oferecido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, na terça (16), o tucano reafirmou que deu a declaração depois de uma série de condicionantes, como ter o apoio de Alckmin para disputar as prévias e de que falava sobre uma possibilidade no futuro.

A fala de Doria se choca com as pretensões políticas do governador, que trabalha para ser o candidato do PSDB ao Planalto.

Apesar de reafirmar que o padrinho tem seu apoio para se candidatar à Presidência, Doria tem dado declarações que sugerem a possibilidade de entrar na disputa. No início da semana, já havia dito que o ano de 2018 teria de ser discutido em 2018 e que deveria ser candidato aquele que tivesse melhores condições no momento.

Doria e Alckmin estão nos Estados Unidos, onde fazem uma rodada de conversas com o mercado financeiro para tentar atrair investimentos para a cidade e para o Estado.

*O jornalista PAULO GAMA viajou a convite do Lide

Em premiação em Nova York, Doria é saudado como possível candidato

CATIA SEABRA
EM NOVA YORK
PAULO GAMA*
ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK
MARCOS AUGUSTO GONÇALVES
DE NOVA YORK

Folha, 17/05/2017 00h40

Na noite desta terça-feira (16), o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), foi homenageado em jantar de gala, em Nova York, numa cerimônia que marcou a entrega do prêmio Homem do Ano (“Person of the Year”), oferecido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

O evento teve ares de apoio à candidatura do tucano à Presidência, em 2018.

Em discurso para cerca de mil convidados, Doria citou repetidamente o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também presente ao evento, e atacou o ex-presidente Lula “e asseclas”, ocasião em que foi aplaudido.

As menções a Alckmin não estavam em versão de seu discurso apresentada por sua assessoria. Durante a tarde, Doria havia defendido, em entrevista à agência Bloomberg, que a escolha do candidato do PSDB ao Planalto fosse feita por meio de um processo interno da sigla. Questionado se aceitaria a indicação do partido, respondeu: “Respeitando a democracia, por que não?”

A frase foi motivo de conversas entre os presentes.

O publicitário Nizan Guanaes leu uma carta na qual o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz que o prefeito paulistano tem “inegável capacidade de comunicação”. “Gestos e palavras são meios adequados para ser a chave da política contemporânea”, escreveu o ex-presidente.

Guanaes acrescentou que Doria não é apenas o homem do ano, “mas o homem dos anos que estão por vir”. Foram exibidos vídeos da vitória na eleição municipal do ano passado. O presidente Michel Temer também enviou uma saudação pelo prêmio.

O jantar reuniu pesos-pesados do setor financeiro, como Murilo Portugal, presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, Roberto Setubal, acionista e presidente do Conselho do Itaú, e Sérgio Rial, presidente do Santander no Brasil. Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, também participou da homenagem.

Em sua fala, Doria prometeu uma “grande virada” na cidade a partir da efetivação de seu amplo programa de privatizações. Entre os bens que podem ser vendidos ou concedidos à iniciativa privada citou “autódromo, centro de convenções, serviço funerário, mercados municipais, terminais de ônibus, estádio de futebol, terrenos e propriedades inúteis”.

“Esperamos arrecadar mais de US$ 2,5 bilhões com a venda e concessão desses ativos”, estimou. O tucano assumiu o compromisso de destinar os recursos a um fundo municipal voltado para investimentos “prioritariamente em saúde, educação, habitação popular, serviços e obras para a cidade”.

*O jornalista PAULO GAMA viajou a convite do Lide

PS do Viomundo: Os grifos são nossos, para demonstrar a maneira servil com que a Folha tratou quem lhe pagou jabá. Em sua defesa, o prefeito de São Paulo tem dito que repassou o controle do Lide para o filho, de 22 anos de idade! A Folha fez a escolha editorial de publicar em sua versão digital a foto de Doria com Bloomberg fazendo o símbolo do “Acelera São Paulo” — aquele sob o qual o número médio de acidentes com vítimas nas marginais de São Paulo subiu de 64 em 2016 para 102 nos primeiros 30 dias desde o aumento de velocidade que ajudou a eleger o lobista João Doria.

Veja também:

Auditores explicam o falso rombo da Previdência

 

3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Luiz Carlos

17/05/2017 - 21h40

doria o menino malufinho explica a roubalheira da Embratur,o terreno que você quis surrupiar o IPTU que você não pagava e dizem que sua mansão vale muito mais do que consta,alias explica a sua fortuna que não e grande assim para manter um jato Legacy explica doria explica

Responder

lulipe

17/05/2017 - 19h01

Político bom é o Haddad, não Luiz??

Responder

Luiz

17/05/2017 - 15h35

O PAULISTANO NÃO MERECIA ISSO, PORÉM, CADA UM QUE SE RESPONSABILISE POR SUAS ESCOLHAS. DÓRIA É UMA FARSA, ASSIM COMO ÁECIO.

Responder

Deixe uma resposta