VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Conselho Federal de Medicina em defesa do golpe

17 de março de 2016 às 20h40

 

10 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Antonio

19/03/2016 - 11h10

O que a Globo faz em massa esses canalhas fazem individualmente, com cada paciente nas consultas. Canalhas hipócritas.

Responder

Emilson Filho

19/03/2016 - 10h23

Acuados devido ao aumento de gente de classe social diferente dos clãs de sempre terem acesso aos cursos de medicina. Mais Médicos, PROUNI e FIES são odiados pelo CFM. Ainda bem que existem muitos médicos de bom caráter que não se sentem representados por este Conselho. Sou advogado e também não me sinto representado pela OAB na conjuntura atual.

Responder

Inês

18/03/2016 - 23h10

Lamentavel. Não me representa.

Responder

Urbano

18/03/2016 - 14h09

Páreo duríssimo para as entidades de transportes públicos…

Responder

FrancoAtirador

18/03/2016 - 13h38

.
.
Estranho seria se o CFM estivesse contra o Golpe.
.
.

Responder

cecilia tomiko nobumoto

18/03/2016 - 07h37

Os termos deste manifesto, claramente golpista, não me representa. Fiz graduação em Medicina em Instituição Pública, na EPM/UNIFESP, nos tempos sombrios da Ditadura, na década de 70 e não ditabranda como quer a família frias. A minha vida profissional, quase na totalidade, foi e ainda é dedicada ao Serviço Público de Saúde, em defesa do Acesso com Equidade,Regionalização e Hierarquização do SUS, desde a Lei Orgânica da Saúde, a base fundamental norteadora do maior sistema público de saúde da Terra, ainda em construção desde a 1988. A República Federativa do Brasil precisa urgente reestabelecer o Estado Democrático de Direito e deve ser através dos caminhos da legalidade e não de golpismos de fascistas apoiados pela mídia nativa e seus midiotas.

Responder

Julio Silveira

18/03/2016 - 07h14

Ah! Mas o Conselho Federal de Medicina não engole os médico Estrangeiros até hoje, tanto é que usam os Cubanos como defesa para sua imoral reserva de mercado humano. Não tem isenção alguma, fazem parte de um dos problemas culturais nacionais, que excluem os brasileiros pobres de sua realidade. Até ontem faziam da desassistencia médica para os mais pobres ferramenta de valorização de sua classe, principalmente para os ricos. Por que em sua grande maioria esses formandos são para os ricos.

Responder

Maria

18/03/2016 - 06h10

Há uma parte dos médicos que está podre. Mas nem todos concordam com a postura do Conselho.

Por ocasião da guerra contra o Mais Médicos, foi publicado pela parte podre que o salario de um medico inglês é 300.000. Não explicaram aos trouxas leitores que é valor do salario ANUAL, como é costume de se publicar no UK.

Responder

    Zé Ruela

    19/03/2016 - 15h51

    Ainda que fosse mensal o salário de 300mil (sei lá o que: R$? US$? £?) lá na Ingraterra, contudo essa não é a realidade do Brasil.

Eu

18/03/2016 - 04h26

Prezado Azenha, parabéns pela primazia de denunciar o comportamento pusilânime da categoria médica, que adere novamente às incitações ao estado de exceção. Infelizmente, não foi mesmo a primeira e nem será a última vez, como demonstrou o próprio Conselho Federal de Medicina, em sua publicação interna “Ser Médico”, em edição especial sobre a classe e a ditadura militar. Tristemente, há um número considerável de profissionais da saúde que aderem à postura “aristocrática” de quem se acha num patamar mais elevado que os outros, notadamente os mais simples. Daí a adesão aos mecanismos que possibilitem “colocar esta gente no seu lugar”, que certamente não é o de mandar nos senhores e sinhazinhas, mas de obedecer calados. Outros pensam mais cinicamente, e fazem o que for preciso para colaborar com os privilégios, em troca de aumentar seu prestígio junto aos patrões e ganhar mais com isto. Esqueceram há muito que a medicina é algo muito maior que os indivíduos que a praticam, e que só pode ser plenamente exercida quando o humanismo fala mais alto. Mas isto não se aprende nos MBAs de gestão da saúde, isto se aprende junto àqueles que mais precisam de seus serviços, e aprender com os mais humildes requer, antes de tudo, humildade. Vejamos o que o destino trará, caso a caixa de Pandora autoritária responda aos apelos desta e de outras classes profissionais. Não costuma ser nada de bom, infelizmente. Saudações!

Responder

Deixe uma resposta