VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

“Terremoto” WikiLeaks sacode embaixadas dos EUA em todo o mundo


06/12/2010 - 11h15

6/12/2010

por Guy Adams e Kim Sengupta, The Independent, UK

Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

Atacado por escândalo que a cada dia parece gerar nova fornada de embaraços e incômodos, o governo dos EUA está sendo forçado a empreender ampla reforma em todos os seus cargos diplomáticos, pessoal militar e agentes de inteligência, cujo trabalho afinal está exposto aos olhos do mundo, depois dos vazamentos, pela página WikiLeaks, dos telegramas diplomáticos dos EUA.

Ontem, o governo Obama enfrentava grave crise em seu serviço diplomático, entre ondas sucessivas de provas de que a continuada publicação de comunicados pressupostos confidenciais e protegidos tornará impossível – se não perigoso – o trabalho diplomático como feito até aqui por funcionários do Departamento de Estado em todo o mundo.

Apenas 1.100 dos cerca de 250 mil documentos sigilosos que WikiLeaks recebeu e divulgou já foram publicados. Portanto, aumenta o medo de que prosseguirá, nos próximos meses, a divulgação de revelações que podem desestabilizar as relações dos EUA com praticamente todos os seus aliados-chave, inflamando as tensões com governos já hostis no Oriente Médio, no Extremo Oriente e em outras regiões.

“No curto prazo, já estamos paralisados, sem poder dar um passo” – disse à Agência Reuters um diplomata sênior dos EUA. Para a mesma fonte, serão necessários no mínimo cinco anos para reconstruir relações de confiança em todo o mundo.

“A situação está péssima. Dificilmente poderia estar pior. Não há exagero algum no que lhe digo. Falando claramente, ninguém quer falar conosco. (…) Há gente que continua obrigada a falar conosco, sobretudo governos e representantes oficiais. Mas mesmo esses perguntam antes de qualquer contato: “Vocês vão escrever sobre o que discutirmos aqui?”

Há informes de que o Pentágono, a CIA e o Departamento de Estado estão listando todos os funcionários do serviço diplomático que assinaram os telegramas mais comprometedores e que mais problemas criaram, dentre os que já foram publicados por WikiLeaks. Todos esses terão de ser removidos dos postos em que estão, em todos os casos os postos mais estrategicamente importantes da diplomacia norte-americana.

Dentre os diplomatas cujas opiniões privadas foram divulgadas para o mundo, para grande embaraço dos EUA, está Gene Cretz – embaixador dos EUA na Líbia, que, em 2009, escreveu o hoje já famosíssimo telegrama no qual informa ao governo dos EUA que Muammar Gaddafi não viaja sem a companhia de “uma voluptuosa loura”, sua enfermeira ucraniana.

O atual enviado dos EUA à ONU também tem sido criticado, depois da revelação de que Hillary Clinton instruiu-o a coletar números de cartões de crédito, de passes para viagens aéreas, números de telefones celulares, endereços de e-mails, senhas e outros dados de diplomatas estrangeiros e altos funcionários da ONU, inclusive do secretário-geral Ban Ki-moon.

A dificuldade para o serviço diplomático dos EUA é que os autores de vários dos mais importantes telegramas divulgados pela organização WikiLeaks são os mais experientes do corpo diplomático norte-americano, e será difícil, se não impossível, substituí-los.   Até agora, nenhum dos países afetados pelos vazamentos solicitou a remoção de qualquer diplomata ou funcionário do serviço diplomático dos EUA.

“Essa é outra face dessa tragédia”, disse alto funcionário da segurança nacional ao Blog The Daily Beast [http://www.thedailybeast.com/blogs-and-stories/2010-12-04/wikileaks-cable-disaster-spurs-obama-plan-to-shake-up-key-personnel/full/full/] que, na 6ª.-feira, detalhou a extensão da crise nas embaixadas dos EUA e noticiou que a realocação dos diplomatas afetados já está planejada e acontecerá ao longo dos próximos meses.

“Teremos de deslocar alguns dos nossos melhores servidores, que sempre representaram muito bem os EUA, capazes das melhores análises –, só porque se atreveram a escrever a verdade sobre países nos quais servem.”   Dentre governos estrangeiros que já se manifestaram ofendidos pelo conteúdo de um ou outro dos telegramas divulgados estão supostos aliados como França, Itália e Turquia, cujo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan ameaçou processar o ex-embaixador dos EUA Eric Edelman por telegrama no qual o embaixador sugere que Erdogan teria dinheiro em bancos suíços.

Velhos inimigos dos EUA também estão gravemente incomodados. O presidente Dmitry Medvedev, da Rússia, é descrito num dos telegramas como “o Robin do Batman [primeiro-ministro da Rússia Vladimir] Putin”. Cuba e Venezuela são reunidas num “Eixo da Falsidade” em documento divulgado no fim de semana.   Quando os primeiros telegramas foram divulgados, a Casa Branca condenou a divulgação, sob o argumento de que “poria em risco nossos diplomatas, profissionais de segurança e todos que, em todo o mundo, aproximam-se dos EUA para promover a democracia e governos mais transparentes”.

Apesar de até agora nenhum país ter requerido a expulsão dos diplomatas responsáveis pelos telegramas que mais incômodos provocaram, espera-se que comece em breve um movimento de declará-los “Persona Non Grata” – os governos declaram que um ou outro funcionário estrangeiro não é bem-vindo a um ou outro país; é ação que, na prática, leva à remoção.

“Pela nossa avaliação, é só questão de tempo”, disse um funcionário do Departamento de Estado ao Blog The Daily Beast.   Fontes diplomáticas disseram ao The Independent que não há planos para remover pessoal diplomático, porque a remoção sugeriria que tivessem cometido algum erro e comprometeria a carreira dos diplomatas.

Tensões com os Estados árabes

Um dos telegramas recentemente divulgados revela que Hillary Clinton criticou o governo saudita, dizendo que o país é a principal fonte de financiamento para grupos militantes islâmicos, e que os políticos sauditas não se decidem a interromper o fluxo de dinheiro.

Em telegrama de dezembro de 2009, a secretária de Estado diz a diplomatas norte-americanos que “a ação de Riad tem sido limitada” [para interromper os fluxos de dinheiro para os Talibãs e outros grupos que atacam no Afeganistão, no Paquistão e na Índia]. E acrescentou que o Hamás conseguiu milhões na Arábia Saudita, sobretudo de peregrinos que vêm para o Hajj e o Ramadã.

A nota também fala de Qatar, Kuwait e Emirados Árabes Unidos como fonte de dinheiro para os militantes; com destaque para o Qatar – “o pior da região” –, por não cooperar com o Washington.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Cético de plantão

08 de dezembro de 2010 às 13h06

"Em 2006, Gilberto Carvalho, chefe de gabinete de Lul, recebeu diplomatas americanos. Pediu compreensão para o caso de a "retórica" na eleição "ter parecido ocasionalmente crítica aos EUA" e disse que, no novo mandato, as relações com o país seriam "centrais". (vazamento da wikileaks)

É isso que vocês chamavam, como é mesmo, "altivez" e "independência" do governo Lula, que não seria "subserviente aos americanos" como o governo FHC?

Não consigo parar de rir.

Responder

    Ta.

    09 de dezembro de 2010 às 17h36

    E do que você ri, mesmo?

    E em que mundo você vive, mesmo?

Baixada Carioca

08 de dezembro de 2010 às 12h06

Mas o problema não estão nos diplomatas e seus servidores, mas no comportamento típico dos estadunidenses: arrogantes e desrespeitosos com o resto do mundo.

Agora, depois fiquei pensando se o problema é dos EUA ou dos homens de todo o mundo que se curvam aos estadunidenses. Como o nosso Jonhbim (PHA) aqui no Brasil. O que esse pulha tinha que fofocar com o embaixador americano? Será que ele não percebeu que é papel do embaixador informar ao seu governo sobre as impressões que colhe em cada país?

Os EUA tem um problema que é psiquiátrico (para todos aqueles que se sentem superiores ao resto do mundo); e cada país tem um problema com seus governantes, em especial os do segundo escalão. Nosso imbróglio é com o ministro da defesa.

Ah, Dilma!…

Responder

Gustavo Pamplona

07 de dezembro de 2010 às 14h27

Eu se pudesse dar um "Prêmio Nobel da Paz" (*) eu daria para este Julian Assange.

Acompanhem a lógica:

Com a divulgação dos tais documentos secretos dos EUA, os países que eles espionavam através das embaixadas com toda certeza se protegerão da política imperialista norte-americana e consequentemente não permitirão mais que os EUA incitem e provoquem guerras ao redor do mundo.

Já que sem informações confidenciais os EUA não conseguirão ter argumentos suficientes para explicar tal guerra em determinado país.

Outra coisa:

Como nenhum veículo de imprensa provavelmente não fará uma entrevista "decente" e séria com este Sr. Assange já que terão medo de represálias norte-americanas, bom… se tem uma coisa que eu gostaria de saber é: Quais foram os motivos que o levaram a fazer isto?

E mais outra coisa:

É interessante ver como o PIG fala de "paranoia" brasileira (e outro dia li falaram até de uma possível paranoia chinesa) mas quem é que são os paranóicos mesmo?

(*) Se bem que depois que fizeram aquela de dar para o Obama quando ele nem merecia (e até hoje continua não merecendo) eu nem considero o Nobel um prêmio importante mais.

Responder

    Ta.

    09 de dezembro de 2010 às 17h40

    Sua lógica é bem otimista, não?
    Mas veja se também não seria lógico:
    o mundo inteiro com raiva dos estados unidos da américa – justamente o inverso da principal bandeira eleitoral de barack obama.
    Mais dois anos, ele vai embora, voltam os republicanos, moralizam tudo, nunca mais tem um vazamento, todos voltamos a acreditar que as guerras vieram para proteger o planeta terra e seremos felizes para sempre!

adairjr1

07 de dezembro de 2010 às 09h56

Fundador do WikiLeaks se entrega e é preso em Londres
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/12/

Responder

José Manoel

07 de dezembro de 2010 às 01h16

Azenha: a m………. que esses caras fazem têm que subir à tona!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Claudio Ribeiro

06 de dezembro de 2010 às 22h25

O caminho da unidade continental, posições compartilhadas:
http://palavras-diversas.blogspot.com/2010/12/ita

Após o Brasil, Argentina e Uruguai também reconhecem Estado Palestino pré 1967 e agora como ficam os prepostos do império?

Responder

Sidinei

06 de dezembro de 2010 às 22h22

Tão grave quanto as bombas que o Wikileaks está revelando é a censura que está sendo imposta a este site nos EUA… Um País que se diz ser a terra da liberdade é bem interessante ver que a liberdade é praticada quando somente agrada aos interesses deles…

Responder

aurelio

06 de dezembro de 2010 às 22h13

Tá tudo muito lindo, a transparencia democratica é um barato, noticias velhas de diplomatas idiotas e funcionarios de 3o escalão vende bastante jornal e dá um monte de acessos a internet, o Julian Assange fica o maioral, se achando e desfilando como paladino dos incompreendidos, o Obama e a Hillary ficam com cara de manés, tudo muito legal, INUTIL mais engraçado, somente foi falado o que todos que se interessam e conhecem como funciona o State Dept. já sabiam, se alguem do Itamaraty soltar os "brazilian cables" é a mesma m…… . Agora eu quero é saber quem vai defender o moleque Bradley, que está preso, incomunicavel,pode pegar uma cana brava, levar porrada, ficar o resto da vida preso. Será que o Julian vai fazer uma campanha para libertar o cara, o Pentagono, e o povo americano, quer sangue, não vai conseguir, mas vai jogar o carinha em Leavenworth e esquecer dele lá. Cade a campanha? Eu não vi?

Responder

monge scéptico

06 de dezembro de 2010 às 21h34

viquiliqui? hummmmm!!!!

Responder

edv

06 de dezembro de 2010 às 21h19

Saber do "american way", todo mundo sabe!
Mas ver escrito…não tem preço!!!
Hehe…

Responder

easonnascimento

06 de dezembro de 2010 às 20h39

Por lá, falou o que não devia, paga o que agora deve. Por aqui, fica tudo como dantes, no quartel de Abrantes. Nosso Ministro da Defesa, bem que poderia pedir pra sair. Outra saída honrosa seria, mudança de governo, mudança de Ministro..
http://easonfn.wordpress.com

Responder

Fabio_Passos

06 de dezembro de 2010 às 20h34

Diplomatas?

Uma currutela de pilantras, isto sim.

Responder

Francisco

06 de dezembro de 2010 às 19h55

“Teremos de deslocar alguns dos nossos melhores servidores, que sempre representaram muito bem os EUA, capazes das melhores análises –, só porque se atreveram a escrever a verdade sobre países nos quais servem.” . Patológica é a tendencia a fazer todo tipo de arbitrariedade e se acreditar vitima por ""se atrever a escrever a verdade". Que verdade, cara-pálida?

Os EEUU se revelam incompetentes. Ponto final. O Wikileakes não cometeu nenhum erro ou ação abusiva. Fez o que a imprensa CENSURADA dos EEUU há anos deveria ter feito. Fez o que a mídia do terceiro mundo viciada em agências internacionais e em copiar e colar da BBC "gratuita". Se existisse o Nobel de imprensa, esse rapaz deveria ganha-lo e uma urgência que jornalistas e suas associações do mundo todo cobrem dos EEUU o que lhes deve ser cobrado respeito á LIBERDADE DE IMPRENSA.

Responder

El Cid

06 de dezembro de 2010 às 19h31

e mais pimenta do Assange !! http://planobrasil.com/2010/12/06/australia-disse

DA EFE, EM SYDNEY

O ex-líder australiano Kevin Rudd advertiu os Estados Unidos que deveriam estar prontos para empregar a força contra a China se algum dia “tudo saísse mal”, segundo um telegrama diplomático secreto vazado pelo portal WikiLeaks.

Rudd também disse à secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que os líderes chineses eram “paranóicos” sobre Taiwan e o Tibete e que seu objetivo de estabelecer uma nova comunidade Ásia-Pacífico era conter o avanço de Pequim, acrescenta o relatório divulgado nesta segunda-feira pelo jornal “Sydney Morning Herald”.

O telegrama do WikiLeaks detalha a conversa durante um almoço entre ambos em março de 2009 em Washington.

Rudd, que fala mandarim e afirmou ser um “realista brutal” com Pequim, apostou perante a chefe da diplomacia americana em levar a cabo uma política que “integre efetivamente a China na comunidade internacional e lhe permita demonstrar uma maior responsabilidade, e ao mesmo tempo (que os EUA) se preparem para o uso da força se tudo sair mal”.

O então primeiro-ministro também antecipou que provavelmente o novo presidente da China a partir de 2012 será Xi Ping, graças aos contatos militares de sua família.

Rudd também assinalou que os líderes chineses se comportam de forma “irracional e profundamente emocional” em relação a Taiwan e que a dureza da repressão no Tibete é uma mensagem clara para outras minorias étnicas.

O telegrama secreto do Wikileaks acrescenta que, por sua vez, Hillary indicou que os EUA desejam que a China “eleve seu nível de vida e avanço para a democracia a um ritmo que possam tolerar seus líderes”.

Washington também deseja que Pequim tome uma maior responsabilidade na esfera econômica mundial, construa uma maior estrutura de proteção social para sua população, e melhore o marco regulador para suas exportações.

No entanto, Hillary admitiu que a China cada vez mais tem uma maior influência econômica: “Como você pode ser duro com seu banqueiro?”, se perguntou a secretária de Estado.

Fonte: Folha (xiiii…)

Responder

Vergonha

06 de dezembro de 2010 às 19h17

E isso que estas correspondências foram trocadas por DIPLOMATAS.
É degradante.

Responder

valmir marques

06 de dezembro de 2010 às 18h15

"Toda ação tem sua reação…tudo que aqui se faz, aqui se paga! Mesmo porque, não há bem que perdure, e nem mal que seja eterno! " que isso???? esqueceu da agua mole em pedra dura?? a acordar cedo pra deus ajudar???
e as aguas passadas que nao movem moinho??? e depois da tempestade vem o que mesmo???
e filho de peixe???

Responder

augustinho

06 de dezembro de 2010 às 17h38

Tania, o que os leaks revelam? nao é so o que os diplomatas dizem e escrevem ao seus superiores no Depto de estado.
Revelam arrogancia no tratamento aos outros paises, especialmente os doceis aliados. revelam espionagem e metodos sujos de chantagem americana pra conseguir seus fins. Revelam aspectos da diplomacia secrfeta que todos os paises importantes tem… desvendam o frequente "ou dá ou desce"..
desvendam ordens de assassinato em regioes varias.
desnudam espionagem industrial.
cia nsa.
e outras cositas. Porque eles fariam isso a si proprios? com qual vantagem.
Outra coisa: alguma das oito caixas pretas caidas ao chão em 9/11 foi achada ate hoje. Cada avião tem duas, lembre-se.

Responder

    Liz

    06 de dezembro de 2010 às 20h50

    Eu também acho essas coisas do 11/09 muito esquisitas…

Tania R Guimaraes

06 de dezembro de 2010 às 14h32

So mesmo quem nao conhece, ou gosta de finjir nao conhecer USA se impressiona com wikileak. Eu, que vivo nos USA a 36 anos, e ja soube de coisas muito pior, nao creio que isto nao foi bem plantadinho, planejadinho. Tenho certeza absolutissima que tudo isto foi bem orquestrado pelo proprio governo. nao creio em nenhuma pureza destes cabos. Todos eles passaram por censura e foram alterados antes de serem divulgados. Okay, foram os meios que censuraram, mais nos USA nao ha muita diferenca entre os meios e governo vis a vis guerra do iraque.
Os gringos ja deveriam estar mesmo querendo fazer uma grande mudanca e aproveitaram esta. Todos estes diplomatas e funcionarios ja devem ter servido seus papeis. O carinha da divulgacao chamado de inimigo do estado tambem ja serviu seu papel e agora e descartavel. O maior sucesso e poder jogar governos contra seus proprios assessores e criarem encreancas nas regioes

Responder

    ebrantino

    06 de dezembro de 2010 às 17h54

    Si non e vero e bene trovato
    Ebrantino

    Leider_Lincoln

    06 de dezembro de 2010 às 18h04

    Essa onda que erraram por que quiseram serve para explicar a derrota humilhante no Vietnã, a vergonha que estão passando no Iraque e no Afeganistão, o ataque contra as Torres Gêmeas, a incapacidade gritante das autoridades em Nova Orleãs e outras cositas mais? Eles não podem, simplesmente, ser incompetentes?

Paulo Villas

06 de dezembro de 2010 às 14h31

Aguardo com cautela e temor os documentos de 11/9. Há no ar cheiro de carne queimada .

Responder

    augustinho

    06 de dezembro de 2010 às 17h41

    Eu aguardo com misto de falsa preocupaçao e contido riso.

Gustavo Miranda

06 de dezembro de 2010 às 13h39

Que coisa, não? E hoje soube que desde ontem, já há cercad de 200 "mirrors", sites-espelhos do Wikileaks, isto é, não adianta mais tentar tirar o site do ar, "caiu na net… já sabe…".
Agora temos a comprovação de algo que era óbvio mas que todos preferiam deixar o dito pelo não dito, de que os EUA realmente vêem o resto do planeta com arrogância e prepotência, não importa se se trata de Alemanha ou Brasil, todos são vistos como gente manipulável, indolente e ignorante.
Não que eu esteja querendo ver o circo pegar fogo, mas muito me atiça a curiosidade de conhecer os diálogos e documentos inerentes aos golpes militares no Brasil, Argentina, Chile, entre outros, que, prósperos e bem civilizados como eram até os anos 60, subitamente foram jogados às masmorras, que causaram sequelas permanentes em seus povos. Tudo isso para "proteger" a gente de um bicho que surgiu misteriosamente do nada – "os comunistas"…

Responder

    Gustavo Pamplona

    06 de dezembro de 2010 às 15h58

    Aê xará!!! (ou como se diz no sul "tocaio")… o número já subiu para mais de 500 mirrors.

    Deem uma olhada nesta notícia:

    [Banco suíço fecha conta do fundador do WikiLeaks por falso endereço]
    http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/12/banco-s

    augustinho

    08 de dezembro de 2010 às 11h01

    a meu ver tem muita coisa, que é tipo conversa de bar. Nao tem muita validade, nem se deve ligar porque embaixador é cultura estranha em lugar estranho e sempre vai "achar' e dizer algo pouco elogioso e tal.
    Tem muita coisa que é perfeitamente razoavel como comentario. Por ex. a Hillary clinton, com quem nao tenho simpatia nenhuma, dizer que "espera que a China melhore sua co responsabilidade no mundo, melhore sua rede de proteçao social a seu proprio povo" etc.
    E tem as outras cositas, mensagens verdadeiras aonde o bicho pega e eles se revelam.Essas o assange deve ter guardado algumas mais cabeludas como TRUNFO na manga. Se nao seria um tonto.

Urbano

06 de dezembro de 2010 às 13h23

O que desestabiliza qualquer organismo não é a divulgação em si do fato ocorrido, mas as próprias ações perpetradas.

Responder

Jairo_Beraldo

06 de dezembro de 2010 às 12h22

Toda ação tem sua reação…tudo que aqui se faz, aqui se paga! Mesmo porque, não há bem que perdure, e nem mal que seja eterno!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.