VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Stephen Kanitz: Em menos de 15 meses, Dilma implanta a sua tese


23/04/2012 - 09h26

do blog de Stephen Kanitz

Em 2007 na Veja,  defendi a Dilma no seu projeto de abaixar os juros que ninguém achava que era possível, até ontem.

“Ela precisará de todo o apoio dos engenheiros, administradores, contadores, advogados, médicos que querem ver o custo da “renda fixa” cair, obrigando os investidores a virar empreendedores e a assumir o risco da “renda variável”.

Ela já tem o meu total apoio, agora só falta o seu”.

Dilma baixou o Custo de Capital das empresas brasileiras para 2% ano, algo que noticiou.

“Se o estado paga 13% ao ano de “renda fixa” para “rolar” a sua dívida, nenhum projeto empresarial com retorno abaixo de 13%, 14% ou talvez até 19% será retirado das gavetas, devido ao risco do negócio.”

“Nenhum administrador ou empreendedor vai assumir o risco de quebrar, o risco de perder tudo, o risco de processos trabalhistas e de consumidores, se o estado oferece 13% ao ano, e sem risco.”

Em vez de discutir o que escrevi acima, todo mundo está discutindo que os Spreads dos Bancos continuam elevados, que a caderneta é a opção.

O que ninguém se deu conta é que temos agora R$ 1 trilhão de Órfãos dos Juros Nominais dos Economistas do Estado, que não mais receberão os polpudos juros que os permitiam fazer nada.

Com somente 2%, vão mudar de ideia.

Vão ter que agora fazer algo, vão ter que investir em fundos de ações, fundos de private equity, e concorrer com os Bancos.

Se os Bancos não quiserem reduzir os Spreads, os fundos de private equity irão emprestar no seu lugar, com muito mais cuidado, governância e ajuda administrativa. Bancos nem sabem mais fazer isto.

Escrevi outros posts sobre a Tese da Dilma, que agora valem a pena reler.

http://blog.kanitz.com.br/2010/11/a-tese-da-dilma-e-futuro-do-brasil.html

http://blog.kanitz.com.br/2010/11/a-tese-da-dilma-e-a-miriam-leit%C3%A3o-.html

http://blog.kanitz.com.br/2010/11/a-tese-da-dilma-ii.html

Nem eu, honestamente, acreditei que a Dilma seria tão rápida e que isto ocorreria somente em 2013 ou 2014.

Um ano antes do planejado, a reeleição da Dilma está praticamente garantida, se o que ocorreu ontem for noticiado.

Só falta os que querem ver este país crescer divulgarem o significado de tudo isto para o desenvolvimento das empresas brasileiras, algo que faltou fazer.

Se ninguém perceber que o que acaba de ocorrer, o que a Dilma disse há mais de 5 anos que faria, se ninguém perceber que tudo isto aconteceu e não aproveitar esta janela de oportunidade, se todo mundo ficar falando de caderneta de poupança como opção e ficar culpando os Bancos que no mundo inteiro estão morrendo de velhos, vamos novamente morrer na praia.

Divulguem isto, minha gente, a China fez isto em 1986. Estive lá e vi com meus olhos. Por isto, tenho a segurança de dizer o que estou dizendo agora. O Custo do Capital das Empresas é a variável crítica deste país, não o Dólar ou a Taxa de Câmbio.

Como só tenho 19.000 seguidores no Blog, sei que vamos morrer na praia, sei que vamos jogar mais um bilhete premiado, como tantas vezes fizemos. Não entendo porque tão poucos seguem um blog que realmente informa com antecedência o que vai acontecer neste país. Deve ser minha péssima redação.

Esta é a nossa última chance, acreditem em mim. Não desperdissem esta última oportunidade.

******

A Tese de Dilma – O Que Falta Para Crescermos

Quem não leu o artigo da Veja de 2007 na época, defendendo uma tese da Dilma apresentada numa entrevista na Globo, resumo aqui as frases mais importantes.

Se o estado paga 13% ao ano de “renda fixa” para “rolar” a sua dívida, nenhum projeto empresarial com retorno abaixo de 13%, 14% ou talvez até 19% será retirado das gavetas, devido ao risco do negócio.

Nenhum administrador ou empreendedor vai assumir o risco de quebrar, o risco de perder tudo, o risco de processos trabalhistas e de consumidores, se o estado oferece 13% ao ano, e sem risco.

Por isso, no Brasil, só desengavetamos projetos que rendam no mínimo 19% ao ano, projetos com “elevado valor adicionado”, projetos que exigem subsídios e renúncias fiscais, projetos com empréstimos subsidiados pelo BNDES, com “zonas francas fiscais”, que requerem câmbio favorável e elevados investimentos em “ciência e tecnologia”.

Essas foram as grandes bandeiras dos nossos empresários “desenvolvimentistas” e de seus economistas, começando com Celso Furtado.

Eu evito investir em “renda fixa” por uma questão ética.

Não me sinto confortável em ganhar sem fazer nada, especialmente à custa do povo brasileiro.

Sempre fiz questão de investir em ações gerando crescimento e empregos, correndo o risco da volatilidade da “renda variável”, o que me faz dormir tranquilo quando recebo meu merecido dividendo.

Lula afirmou em seu discurso de posse que “nenhum país cresce se o custo do capital for alto”. Frase que o jornalismo econômico obviamente ignorou e o jornalismo administrativo, inexistente neste país, não noticiou.

Ela precisará de todo o apoio dos engenheiros, administradores, contadores, advogados, médicos que querem ver o custo da “renda fixa” cair, obrigando os investidores a virar empreendedores e a assumir o risco da “renda variável”.

Ela já tem o meu total apoio, agora só falta o seu.  2007.

Leia também:

Paulo Nogueira Batista: Brasil tem munição contra a crise



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


57 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marcio H Silva

24 de abril de 2012 às 01h53

O que entendo nesta estória de baixar os juros é que os especuladores do mercado financeiro vão ter que aplicar na renda variável, ou seja, em ações, capitalizando as empresas.
Pois bem, me ajudem aí, se estiver falando besteira. As grandes empresas de serviço ( energia elétrica, tewlefonia, que são privadas ) mantém lobby constante em brasilía a fim de garantir aumento das tarifas anuais. Um dos motivos é remunerar o dinheiro investido em expansão e qualidade dos serviços acima do que remunera o mercado financeiro, senão não aplicam nas empresas e sim neste mercado. Dilma fazendo os juros baixar, vai dar um ganciho político e cobrar para que estas empresas invistam realmente na expansão garatindo uma boa qualidade destes serviços, e melhor sem aumentar as tarifas, já que não haverá motivos para isto.

Responder

Sr. Indignado

23 de abril de 2012 às 23h51

Agora sério. Alguém já foi no banco ver se essa redução existe mesmo. Alguém já fez alguma operação?

Responder

Operante Livre

23 de abril de 2012 às 22h36

Sou curioso em economia. Sempre soubemos que o alto custo da grana só faz bem aos banqueiros.
O juro ao consumidor sempre foi um calo que não cedia às propagandas de baixas na Selic. Agora temos uma queda de juros ao consumidor, melhor do que cortar IPI. Pergunta que não sei responder é: o que impedia o governo de se utilizar dos bancos estatais mistos (porque atuam no varejo também) a reduzir suas taxas? Será que faltava grana para enfrentar a concorrência? O que há de favorável no cenário atual para que esta medida de corte na selic e no varejo sejam adotadas? Alguém pode me ajudar a entender isto?

Responder

    zezinho

    24 de abril de 2012 às 03h21

    Simplesmente a economia internacional nao permitia. Quando estava em alta era necessário oferecer uma contrapartida ao investimento incerto no Brasil. Agora que a economia mundial anda na bancarrota o Brasil não precisa se esforçar tanto dando um retorno tão alto.

    Infelizmente, os últimos governos não fizeram nada para criar condições estruturais para que os juros abaixassem, como cortar gastos com a máquina pública, aumentar investimentos na infraestrutura, e aumentar a poupança pública.

    Valdeci Elias

    24 de abril de 2012 às 14h01

    Zezinho ao ler sua resposta, me senti em casa assistindo o Jornal Nacional. Incrivel , parece a mistura do Merval com o Sardenberg.

E S Fernandes

23 de abril de 2012 às 20h15

Tem muita gente dando trela para o trol.

Responder

EUNAOSABIA

23 de abril de 2012 às 18h51

Só a título de curiosidade.

Lula herdou um país estruturado, todas as condições para o crescimento e distribuição de renda forma dadas pelo governo anterior, além dos instrumentos macro econômicos a serem seguidos, até mesmo os programas sociais já estavam prontos, havia a necessidade no entanto da implementação da reformas, Dilma no primeiro ano de governo já aprovou no congresso a previdência complementar do setor público, medida esta que foi criada no governo de Fernando Henrique e que Lula jamais levou adiante, Dilma já aprovou esta lei, bem como os aeroportos que nos oito anos de Lula foram sucateados e desmantelados, sem investimento algum – não houve crescimento em infra estrutura digno de nota, a não ser um outro puxadinho ou salão de mármore para uso de algumas lojas, uma perfumaria inútil registre-se – agora quando o setor começa a abrir o bico e ameaça entrar em total colapso, não restou outra opção a não ser privatizar entregando as operações e lucros ao setor privado, ainda que no meu entendimento mal feitas, de todo modo um avanço em relação ao quase nada do governo Lula.

Vamos ao lado econômico.

1. Não houve mudança alguma na macro economia herdada de Fernando Henrique, tudo uma mera continuidade que não se sustenta no longo prazo…(sem as reformas é impossível… somos a Grécia 2.0 se nada for feito)
2. Não foram feitas as reformas necessárias e urgentes que poderiam garantir o crescimento sustentado.
3. Lula investiu menos do que FHC como proporção do PIB, apesar de todo o ufanismo de auto enganados essa é a verdade com dados do próprio IPEA… 0,83 contra 0.79 como proporção do PIB sob o hoje em dia andamos de cabeça erguida e somos amados no mundo todo e blablabla.
4. A principal variável macro econômica que garante algum crescimento é o Investimento, como já exposto, sob o governo Lula o Brasil diminuiu esta taxa, sem idéias novas ou incapazes de fazer as reformas necessárias, seja por incapacidade ou escolha de um projeto de poder pelo poder, optou-se pelo caminho mais curto, qual seja, o Consumo das famílias, lembrando que Y = C + I + G + (X-M)… onde C é uma variável dependente de I, ou seja, se I estagna, C não existe… mas ora… de onde então vem o C (consumo) e conseqüente aumento de Y (renda nacional) nestes oito anos do surgimento da mega potência econômica e Noruega do bem estar social (87 IDH do mundo) que só existe na cabeça de alguns desavisados??? Vem do crédito via captação de poupança externa, onde qualquer um que entenda só um pouquinho do riscado sabe que isto não se sustenta por muito tempo, ao se consumir dessa forma, gera-se uma dependência externa muito grande com deficites gigantesco e insustentáveis em conta corrente, o saldo do balanço de pagamento é o limite para essa aventura, e já estamos neste limite.

Tem algo que denota bem o desespero que as coisas estão tomando, li agora pouco na UOL que o governo através dos bancos públicos está “estimulando” o consumo de bens duráveis via concessão de mais créditos bancários.. ou seja… este consumo é lastreado no que eu falei acima, poupança externa, lembrando que cada unidade de moeda estrangeira (dólar) que entra no país ( no nosso caso este montante entra via juros, ou seja, empréstimos mesmo, não se sustenta por muito tempo) é um múltiplo da base monetária e portanto fonte de expansão dos meios de pagamentos via criação de moeda fiduciária pelos bancos comerciais….isso se chama no jargão econômico de “bolha”.. carros e imóveis começam a sentir os efeitos dessa desastrosa medida.

Meus senhores, podem acreditar no que o grande, bom e velho eunãosabia está dizendo, se nada for feito (ministérios da pesca foram extintos por exemplo e diminuir o gasto corrente), este país vai se tornar uma Grécia do jogo bonito.

Eu gostaria de expor mais idéias sobre este assunto, meu tempo é exíguo, sem embargo coloco-me desde já a disposição dos camaradas de Lênin a fim de responder a qualquer questionamento sobre este tema.

Responder

    MarceloB

    23 de abril de 2012 às 20h28

    Recomendo a leitura do artigo do Prof. Gonzaga Belluzo na Carta Capital, que trata dos juros, do impacto do crédito sobre o investimento e a produção e em última análise sobre a economia: http://www.cartacapital.com.br/economia/a-batalha

Maria José Rêgo

23 de abril de 2012 às 17h04

Felizmente o Brasil possui três bancos sob controle do governo. BNDS, Banco do Brasil e CEF. Ainda bem.

Responder

Bonifa

23 de abril de 2012 às 17h04

Esta questão foi debatida intensamente. Não é assim tão desprezada. Todos perguntávamos como que a Dilma iria transformar o dinheiro da especulação em dinheiro de empreendedorismo. Ela optou por invadir a área pelo centro, rompendo uma defesa perplexa. Consideramos que o que foi feito, apesar de ser considerado muito pelo Stephan Kanitz, ainda está no meio do processo. E surpreende a direita predatória midiática ainda não ter encontrado um discurso de condenação e combate desse processo, até parece que foram todos pegados de surpresa. Se tudo correr bem, teremos finalmente os grandes projetos financiados em bases não-excepcionais. E veremos outro fenômeno: o ressurgimento dos pequenos bancos locais, que ao contrário dos paquidermes gulosos que aí estão, saberão fazer a ajuda administrativa e terão melhor governança.

Responder

ZePovinho

23 de abril de 2012 às 14h35

Brasil fica entre os dez mais lentos em carregar páginas, aponta ranking do Google

Um site brasileiro leva, em média, 11,8 segundos para ser totalmente carregado; 15,8 no celular

23-04-2012 09:50

O Google fez uma pesquisa neste mês para medir a rapidez em que os sites são carregados nos computadores e em celulares. Para isto, a companhia analisou as páginas nos 50 países com as melhores conexões de internet no mundo.O Brasil não apareceu muito bem no ranking, sendo colocado entre os dez países com o carregamento mais devagar de sites.

A surpresa foi descobrir que, quando se trata de leitura rápida de página nos computadores, os sites da Eslováquia são campeões. Em média, uma página eslovaca demora 3,3 segundos para abrir. Na Coreia do Sul, o tempo é de incríveis 3,5 segundos.

Um site brasileiro leva, em média, 11,8 segundos para ser totalmente carregado em um computador e 15,8 em um celular. Mesmo assim, o país não é o que tem as páginas mais demoradas. Segundo a pesquisa do Google, um site demora um pouco mais de 20 segundos para aparecer em um computador da Indonésia e um pouco menos que 27 segundos para carregar em um celular dos Emirados Árabes Unidos.

Países com o carregamento mais lento – em segundos

Filipinas – 15,4 segundos

Índia – 15,1 segundos

Venezuela – 14,9 segundos

Malásia – 14,3 segundos

Argentina – 12,8 segundos

Brasil – 11,8 segundos

Peru – 11,7 segundos

Colômbia – 11,2 segundos

Chile – 10 segundos

Responder

    RicardãoCarioca

    23 de abril de 2012 às 16h38

    Isso aí vai ficar guardadinho nos cofres do PiG enquanto o Hibernardo estiver se comportando direitinho. Mas se ele vier com alguma ideia extravagante (para o PiG)… Já sabem, né?

    Djijo

    23 de abril de 2012 às 16h46

    Qual é a interferência dos antivirus e antispans nesse carregamento de páginas? A soma é com eles ou sem eles?

    ZePovinho

    24 de abril de 2012 às 01h06

    O Google,infelizmente,não colocou a informação.Talvez seja mesmo sem a presença de programas de proteção.

    FrancoAtirador

    23 de abril de 2012 às 19h49

    .
    .
    Quer dizer que PNBL é Plano Nacional de Banda Lenta…
    .
    .

    Valdeci Elias

    24 de abril de 2012 às 14h04

    Quanto mais a Inclusão Digital, colocar brasieliros na Internet. Mais engarafado vai fica o trafego.

RobertoCR

23 de abril de 2012 às 14h16

Eu acompanho o Kanitz desde que ele saiu da Veja, meio por acidente pois estava procurando um artigo sobre adm de empresas e topei com o antigo blog dele. É das poucas pessoas que conheço que não tem vergonha de dizer que o futuro do Brasil passa pela mão da turma que se formará em Adm de Empresas. Já o conhecia da Veja, fiquei com um pé atrás, mas no blog ele dizia porque saiu da revista. Adivinhem porque? E tem uma característica importante lá: não se amarra a padrões criados na internet. Apesar de não concordar com tudo que afirma, é um contraponto responsável e necessário.
Quanto ao post, recebi em meu e-mail este fim de semana e ia espalhar na net. Mas acho que o Viomundo é bem melhor do que eu nessa tarefa.

Responder

jaime

23 de abril de 2012 às 14h15

De uma apostila preparatória para concurso do Banco do Brasil, na década de 1960: "bancos são instituições que reúnem o capital dos que os tem em excesso e não podem, não sabem ou não querem investir, e os direcionam para os que dele precisam para produzir". Passei no concurso, em 1982, pois ainda era uma época em que os bancos precisavam das pessoas para "direcionar os capitais para os empreendimentos produtivos". Depois, saí no PDV, em 1997, porque nessa época já estavam projetando o banco virtual, só equipamentos, nada de pessoas, nada de "investimentos produtivos". Talvez agora as pessoas voltem a ser necessárias.

Responder

mariazinha

23 de abril de 2012 às 13h58

É possível Stephen Kanitz, essa maravilhosa pessoa, sobreviver em um meio sórdido como o dessa revistinha? Isto, sim , é um verdadeiro milagre.

Responder

Roger

23 de abril de 2012 às 13h02

Quero entender o que pode acontecer, então alguém me corrija, por favor, se estiver errado, pois não sou economista:

1) Com a queda dos juros, o capital especulativo vai fugir daqui.
2) Caindo o capital especulativo, a torrente em dólares, há menos dólares circulando aqui, consequentemente o dólar se valoriza e o real se desvaloriza.
3) Com o dólar forte, ganhamos competitividade nas exportações, e reduzem-se as importações. Vai ficar mais barato comprar de quem produz aqui, do que comprar na China ou em outro lugar
4) Deve aumentar a torrente de investimentos, internos e externos, na atividade produtiva no Brasil, o que aumenta (um pouco) sua competitividade (aumentaria mais com menor carga tributária, sem impactar benefícios sociais, claro). Custo menor de investimento significa poder praticar menores preços; com menores preços, todo mundo vai poder comprar. As indústrias fabricam mais e portanto tem que empregar mais.

É isso mesmo?

Responder

    Bonifa

    23 de abril de 2012 às 17h06

    É um dos cenários mais possíveis.

RicardãoCarioca

23 de abril de 2012 às 12h52

Que bom. A era de ganhar dinheiro com dinheiro e sem produção está chegando ao fim. EUNÃOSABIA e seus asseclas vão ter que arrumar emprego…

Responder

EUNAOSABIA

23 de abril de 2012 às 12h10

Estou com pressa, volto para comentar este tema com mais acuidade.

Vamos aos fatos..

1. José Serra não defendia estas mesmas idéias durante a eleição? sim defendia… Serra foi ostensivamente malhado por conta disso…. quando em resposta a Mírian Leitão em entrevista a Rádio CBN disse…. "Mirian, o Banco Central não é a Santa Sé"….lembro no outro dia a """comentarista" de política da rádio que entra as 07:55 metendo o malho em Serra por conta dessa resposta… uma anti Serra declarada…

2. Sempre achei que a redução dos juros não impactariam a inflação, sempre achei que esse discurso era discurso de banqueiro e de rentistas, qual a relação do preço de verduras na feira com a taxa SELIC? Nenhum.

3. Como eu falei, Serra tinha essas mesmas idéias, a diferença é que criaria condições para isso, ao tentar baixar os juros na base da marretada, Dilma pode estar criando condições para que eles voltem a subir no futuro.

4. O mais importante: Vendo o que Dilma está fazendo – ou pelo menos tentando – mesmo sem experiência ou traquejo político algum, aos trancos e barrancos lutando contra uma estrutura política arcaica e retrógrada, estrutura essa levada por Lula ao altar do que hoje alguns auto proclamam de "progressistas", (Sarney é seu ícone máximo, uma espécie de marxista do Maranhão) fica claro que perdemos foi oito anos com Lula, oito anos fazendo absolutamente NADA, sem inovação, sem reformas, sem ousadia, um ctrl C e ctrl V medíocre do governo anterior, tudo em nome de um projeto de poder, em busca de um popularidade a qualquer custo, fosse Dilma a eleita em 2003 ou qualquer um outro, o Brasil estaria muito, mais muito melhor hoje em dia.

Oito anos perdidos.

Em tempo: Os juros ainda são os maiores do mundo e essas taxas são para um público muito restrito, não é qualquer cliente que tem uma taxa dessas, ainda assim é algum avanço, e se olharmos para o governo Lula, é um avanço enorme.

Responder

    Ricardo Santos

    23 de abril de 2012 às 13h04

    Você continua não sabendo, EUNÃOSABIA!

    De que planeta você é, EUNÃOSABIA?

    É imoral copiar texto dos outros e inverter os fatos…

    Um ctrl C e ctrl V medíocre é você quem faz…

    Deixa de ser otário!

    EUNAOSABIA

    23 de abril de 2012 às 16h08

    Por que toda essa fúria contra mim? o que eu lhe fiz rapaz?

    ratusnatus

    23 de abril de 2012 às 13h14

    Obrigado, agora sei que até a oposição ja da como favas contadas a reeleição da Dilma.

    bene bugrão

    23 de abril de 2012 às 13h29

    Eu acho que você continua não sabendo; pois demosntra ser um tucano depenado, um anti-Lula ferrenho, faz comentários do tipo "corda bamba", hora pra lá, hora pra cá.
    Na minha opinião o Brasil só é o que é hoje(respeitado nacinal e internacionalmente), graças ao Lula e em parte à Dilma. Porque se continuasse no estilo neoliberal que vinha antes, hoje estaríamos piores que(nada pessoal) a Grécia.
    Para você saber um pouco mais; você precisa ser um pouco mais humilde, e reconhecer o feito das pessoas, sejam elas desde um(nada contra), gari a um auto executivo de uma multincional.
    Pemita-me fazer um comentário: Sem ofensa, eu acho que você ja está começando a ser um admirador do ex-Presidente Lula. Mas se eu estiver certo, não se envergonhe por isso… Lembre-se da frase do grande Mestre Jesus: " A CESAR O QUE É DE CÉSAR E À DEUS O QUE É DE DEUS". Grande e fraterno abraço.

    Dodge

    23 de abril de 2012 às 13h38

    Coitado…ele se esquece que Serra queria lotear o país e entregá-lo ao capital especulativo, às hordas de fanáticos religiosos e mais os privatas, como fez quando Ministro de FHC. O EUNASABIA não sabia disso?

    EUNAOSABIA

    23 de abril de 2012 às 14h00

    Além disso o que o candidato José Serra promete, ele cumpre!

    EUNAOSABIA_ORIGINAL

    23 de abril de 2012 às 16h06

    Meu clone… espero que seja tão sábio quando o bom e velho eunãosabia original.

    É cada um…. de todo modo valeu truta…. vamos adiante….

    Aline C Pavia

    23 de abril de 2012 às 16h33

    Tipo "água e esgoto na porta de casa"? Ou a "bolsa-puxadinho"? Ou a maquete da ponte que o Alckmin jogou no lixo?

    RicardãoCarioca

    23 de abril de 2012 às 16h35

    Serra cumpriu a promessa de permanecer durante todo o último mandato de prefeito de SP? Quer o vídeo dele prometendo isso? Aí está:
    http://www.youtube.com/watch?v=5uKIaIiJsC8#!

    CC.Brega.mim

    23 de abril de 2012 às 21h53

    hahahaha..
    tipo cumprir o mandato até o fim?

    Jorge Nunes

    23 de abril de 2012 às 14h04

    Eu estava no Brasil em 2010 e serra não defendia essas ideias. Aliás, ninguém sabia o que Serra defendia, só sei que ele jogou muito sujo na eleição.

    Roberto

    23 de abril de 2012 às 14h23

    Acooorda EUNAOSABIA. Apostar em Serra é um atraso. Veja o que Serra fez em São Paulo (Prefeito e Gorvernador) (Nada). Inaugurando maquete de Ponte (Guarujá). Accccoooorrrrdaa SÃO PAULO. Os Tucanos são péssimos administradores.

    ZePovinho

    23 de abril de 2012 às 14h36

    ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ……………………………………………………………………..

    M&M

    23 de abril de 2012 às 15h19

    Até o primeiro parágrafo eu realmente achava que você estava querendo colaborar com a discussão, EUNAOSABIA. Depois vi que não é bem esse o caso.

    RicardãoCarioca

    23 de abril de 2012 às 16h27

    1) O que o Serra fala não se escreve, quando se escreve (promessa de ficar 4 anos no cargo de prefeito na última oportunidade) ele não cumpre e quando está no cargo não faz. Dois anos de prefeitura de SP e quatro no governo de SP e o que ele fez em benefício da população?

    2) Taxa Selic alta produz ganhos sem riscos, que inibe o investimento, que inibe a produção e que inibe a concorrência. Daí, termos alguma relação entre a taxa Selic e o preço da verdura. Quem se acostumou a ganhar dinheiro com dinheiro sem produzir, terá de rever seus conceitos;

    3) Collor também tentou baixar a inflação na base da marretada, Sarney também. Itamar/FHC foram mais estruturantes e conseguiram. Dilma também está sendo estruturante ao reduzir taxas de júros de um lado, spreads de outro e mantendo o mercado interno forte. Cenário ideal para produção e não para especulação;

    4) Quando Lula assumiu, o cenário político-econômico-social do Brasil era o de terra arrasada. Lula atacou mais o social e fez pelo econômico aquilo que se poderia fazer para favorecer o social. Combateu a pobreza, gerou empregos, aumentou a renda. Oito anos quase não deram tempo, porque consertar séculos de exploração social não se resolveriam nem em uma década, mas Lula conseguiu. Agora, cabe a Dilma, com a casa mais arrumada, mais oito anos melhorando o social e agora atacando a economia para que chegue a patamares atingidos por Lula no social. Se Lula tivesse copiado FHC, 30 importantes índices sócio-econômicos não seriam tão mais favoráveis agora em relação à triste era FHC.

    Os efeitos da queda dos juros não vão ocorrer do dia para noite. Por exemplo, somente a partir do dia 12, sábado, Caixa e BB abrirão para dar início a nova era de júros baixos. Conte 1 ano, apenas 1 ano e compare com a situação atual. Estou saindo do Santander para a Caixa, onde pagarei 52,34% do valor de mensalidade dos créditos que contraí. É uma economia enorme e… graças ao governo Dilma!

    augusto2

    23 de abril de 2012 às 17h20

    Ja que tua insipiencia nao tem limites, minha toupeira:
    "estrutura levada por Lula ao altar."

    Lula liquidou a velha xtrutura tucana de o BNDES dar 95% de seu orçamento as empresas grandes – e aumentou exponencialmente a fatia das pequenas. Quem foi que deixou 'xtrutura??
    A xtrutura do comercio externo era concentrada nos paises ricos. Lulão diversificou e reduziu a fatia deles, o que foi muito salutar na crise internacional. ..Quem é que mantinha a 'xtrutura"??
    FINALmente a xtrutura mental dos brasileiros era o complexo de vira-lata ao qual voce aderiu com entusiasmo.Pois o torneiro mecanico MUDOU isso inconstavelmente. Quem é que mantinha intocavel a xtrutura de antes?
    A xtrutura tucanodemica e naosabiática é ex-mao invisivel do merkado.
    Mas tontos existem que nao perceberam as razoes do Lula para escolher Dilma. Agora vendo as qualidades da moça, os tontos acham que descobriram a polvora. Como a oposiçao é L.E.R.D.A.

Fernando

23 de abril de 2012 às 11h25

Uma pena ela não ter uma tese para reforma agrária.

Responder

    Muchacho

    23 de abril de 2012 às 20h04

    é Fernando, mas a baixa dos juros também pode viabilizar mais projetos de reforma agrária, agrovilas, cooperativas, etc….os bancos vão começar a se esguelar ao serem obrigados a competir entre si.

CLP

23 de abril de 2012 às 10h42

Ora, são os amiguinhos dele que são contra as reduções de juros, sempre foram.Sao os Sardenbergs e Leitoas da vida.De nome aos bois se quer criticar.

Responder

Marat

23 de abril de 2012 às 10h21

Muitos daqueles que propalam idéias de que "o brasileiro é vagabundo", "não gosta de trabalhar", "tem muitos feriados" etc., à beira da piscina, em pleno meio de semana, terão que pegar no batente!

Responder

    MARCELO

    23 de abril de 2012 às 16h24

    Já viram como a imprensa está diante da vitória do Hollande?Clima de velório.Mas o povo
    francês não quer mais ser humilhado por Sarkozy.É HOLLANDE NA CABEÇA!!!

    Marat

    23 de abril de 2012 às 22h35

    É Marcelo, os caras conseguiram destruir a reputação de uma profissão que no passado era motivo de orgulho. Hoje, um jornali$ta passa vergonha ao dizer o que faz…
    Abraços!

Mariac

23 de abril de 2012 às 10h13

Cercas para eles. Se Dilma realmente baixar os juros eles vão pra cima dela querendo "investir" . são caras de pau mesmo. E ela que se cuide sobre esse investir deles. Vão querer tomar o que falta dos serviços públicos e lucrar feito bancos. A maioria não sabe mas bancos já são os investidores nos serviços mais caros pagos pela população. Esses serviços, que você analisa e analisa e não entende porque os valores são tão altos.Por que os lobistas estão lá trabalhando e os articulistas estão lá escrevendo….. E alguns desses articulistas caras-de-pau já foram até "ministros" e nunca se mexeram para baixar os juros e agora criticam a baixa dos juros….

Responder

augusto2

23 de abril de 2012 às 09h49

Grande ,kanitz.
Eu vou divultar seu blog.

Responder

    Aline C Pavia

    23 de abril de 2012 às 10h27

    Acabei de fazer o mesmo para cerca de 600 contatos de email e Facebook.

    JR.

    23 de abril de 2012 às 11h17

    Já adicionei aos meus favoritos para acompanhamento diário!

    EUNAOSABIA

    23 de abril de 2012 às 11h35

    Mas ele não da Veja? a Veja não é golpista? vocês não sonham em fechar a Veja e acabar com a "mídia golpista"?

    Roger

    23 de abril de 2012 às 12h53

    Mesmo no chiqueiro, podem nascer flores.
    Tem gente que não vende a alma pro patrão, e tem a coragem de defender suas idéias.

    Aline C Pavia

    23 de abril de 2012 às 15h03

    Don't feed trolls it's a waste of time

    Roger

    23 de abril de 2012 às 16h28

    Sorry…

    Julio

    23 de abril de 2012 às 15h15

    Era da Veja. Foi demitido.

    Julio

    23 de abril de 2012 às 16h15

    Ah, e adivinha por que?

    Anônimo do Prado

    23 de abril de 2012 às 20h33

    Eu não sabia.

    Bonifa

    23 de abril de 2012 às 17h10

    Você não entende mesmo, EUNAOSABIA. Precisa se reeducar.


Deixe uma resposta para RicardãoCarioca

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!