VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Pedro Estevam Serrano: Morte de Kadafi foi queima de arquivo


23/10/2011 - 15h57

por Pedro Estevam Serrano, em CartaCapital

A morte do ditador Muamar Kaddafi põe fim, indiscutivelmente, a um período histórico da nação líbia. A esperança do mundo é que daí nasça um período de paz e democracia para este povo já tão sofrido

Kaddafi é um líder que não deixa saudades. Um terrorista de Estado, exemplo fácil de ser lembrado em sala de aula para ilustrar as formas de se usar o poder para cometer crimes lesa-humanidade.

Entretanto, o grau de civilização de um sociedade é medido pela forma como trata seus culpados. E, convenhamos, a morte de Kaddafi, na forma como ocorreu, em meio a um tratamento indigno, degradante e cruel com o prisioneiro (como registraram as imagens divulgadas) foi o retrato de uma governabilidade global que cada vez mais se aproxima em métodos do mais rasteiro banditismo.

Se as forças internacionais, agindo como força policial e não como Forças Armadas, optaram, corretamente ou não, ao arrepio da soberania do povo líbio, por intervir militarmente no conflito civil daquele país, por evidente haveriam de se responsabilizar pelo tratamento jurídica e humanamente adequado dos prisioneiros que de alguma forma contribuíram para com seu aprisionamento.

Com a sofisticação dos instrumentos tecnológicos que dispõem os serviços de inteligência das nações envolvidas nas operações é difícil acreditar que tudo tenha ocorrido ao mero acaso, como declarou o comandante das tropas insurretas líbias – que aprisionaram Kaddafi. Mais improvável ainda é supor que o descontrole tenha sido tanto ao ponto de o referido comandante presente no local não ter conseguido controlar seus subordinados.

Para convalidar as suspeitas, cito a indesculpável decisão do atual governo líbio de vedar qualquer exumação ou perícia no corpo (decisão mais tarde revista).

Da mesma forma que ocorreu na morte do terrorista Bin Laden, não apenas direitos humanos fundamentais do prisioneiro foram desconsiderados, mas suprimiu-se algo que seria de todo interesse público: o legítimo processo junto ao Tribunal Penal Internacional.

No caso de Kaddafi a situação é mais instigante. Kaddafi foi chefe de Estado por décadas. Durante este período contou com o apoio, suporte ou tolerância de Estados ocidentais às atrocidades que praticou.

Seria de toda importância para a opinião publica global ouvir seus depoimentos na Corte Penal Internacional. As culpas de Kaddafi são conhecidas e evidentes, mas não as de seus parceiros em diferentes momentos históricos. Certamente lideres de países ocidentais de diferentes matizes ideológicas ao menos teriam suas biografias maculadas.

Por conta deste evidente e relevante interesse político em eliminar Kaddafi é que a utilização da expressão “queima de arquivo”, jargão usado para designar o homicídio de testemunha ou comparsa para evitar seu depoimento, me parece adequada ao menos como suspeita a ser verificada com relação à morte do prisioneiro.

Diversos autores contemporâneos já têm apontado como as forças armadas dos Estados nacionais das nações ocidentais, em especial as de primeiro mundo, vêm se transformando paulatinamente, de forças de defesa territorial e da soberania de países em força policial a serviço de uma governabilidade global que tem mais feição Schimittiana que liberal, insubmissa que é a qualquer regra de direito.

Ocorre que nos casos das mortes de Bin Laden e Kaddafi vemos estas forças se degradando até mesmo do já degradado papel de força policial global para adotar atitudes de verdadeiro banditismo, “queimando arquivos” às abertas e sem qualquer contestação dos órgãos da mídia comercial.

Diga-se, estes terroristas mortos não deixam saudades, mas a ausência de seus depoimentos perante uma corte internacional, no devido processo legal, que certamente os condenariam, deixa um vácuo histórico insuscetível de reparação, além da evidente agressão aos direitos fundamentais do homem perpetrada por nações que se dizem civilizadas.

Pedro Estevam Serrano é advogado e professor de Direito Constitucional da PUC de São  Paulo.

Leia também:

Wallerstein: Americanos cansados da guerra?





51 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marcos W.

24 de outubro de 2011 às 14h10

A Otan e terrorristas líbios assassinaram Khadafi!Hoje,ONG encontrou mais de 50 cadáveres,todos de seguidores de Khadafi,em hotel líbio!Tudo pelas "transformações sociais" provocadas pelo petróleo!

Responder

Bonifa

24 de outubro de 2011 às 12h49

Não tem nível que possa fazê-lo ser levado a sério, infelizmente, o artigo postado acima. Mas há um pouco de verdade na afirmação de que a morte de Kadaafi foi, também (Também!) , queima de arquivo. Sabe-se, por exemplo, que ele tinha provas de haver contribuido de forma ilegal (sempre o maldito financiamente privado de campanha, pilar da pseudo-democracia neoliberal, que permite sempre, até na França, haver caixa dois, comprometendo toda a legitimidade democrática) para a campanha de Sarkozi, nas eleições em que ele venceu.

Responder

Luca K

24 de outubro de 2011 às 12h34

Fraquíssimo esse texto desse Pedro Estevam e por várias razões; primeiro, fala do que não conhece. Esse cara viveu na Líbia, sequer visitou o país pra saber q o Kadafi é assim tão odiado pelo povo? Claro q não; apenas repete como bom papagaio de pirata o q assiste no PIG. Brasileiros que visitaram a Líbia, como a Juliana Medeiros(q teve alguns artigos publicados aqui), tem impressão bem diferente. A própria resistencia prolongada das forças legalistas, frente ao poderio aéreo da OTAN, por 7/8 meses é evidencia clara q Kadafi conta com considerável apoio popular. Este Pedro estevam, um advogado de direito constitucional, sequer faz um cr´tica clara ao total desrespeito a lei internacional que foi a a ação da OTAN, q agindo sobre o manto de uma resoluçao supostamente de no fly zone para proteger civis, agiu de fato como a força principal para efetuar mudança de regime na Líbia, massacrando, no processo, inumeros civis e arrasando a infra-estrutura do país. Parece q a única crítica deste cidadão é o fato dos rebeldes terem assassinado o líder Libio(e um de seus filhos).

Responder

beattrice

24 de outubro de 2011 às 11h27

Os indícios que apontam para uma queima de arquivo são vários.
Dente eles este:
"En una entrevista exclusiva concedida a Euronews, Saif al Islam se ha mostrado amenazador. Interrogado sobre la actitud de Sarkozy durante el conflicto civil libio, ha clamado:
“Sarkozy tiene que devolver el dinero que aceptó de Libia para financiar su campaña electoral. Fuimos nosotros quienes financiamos su campaña electoral, tenemos la prueba. Estamos dispuestos a revelarlo. Lo primero que pedimos a ese bufón es que devuelva el dinero al pueblo libio. Le concedimos una ayuda para que actuara en favor del pueblo libio, pero nos ha decepcionado. Tenemos todos los detalles, que revelaremos próximamente”." http://wwwformy.wordpress.com/2011/10/23/saif-gad

Responder

Fabio de Castro

24 de outubro de 2011 às 11h22

A Otan já decidiu quem será o novo ditador da Líbia?

Responder

Regina Braga

24 de outubro de 2011 às 11h20

Queima de arquivo? Imaginação pura!!!!Coisas das teorias de Conspiração!!! Kadafi,conhecia a política obscura dos EUA,melhor que Obama…Era um verdadeiro livro de história ambulante.Mas,adorei a entrevista do Pepe Escobar…Ele diz que a Líbia,ainda vai sentir falta do nacionalista Kadafi…e os rebeldes mercenários vão ficar a ver, as pilhagens.

Responder

Carlos Nunes

24 de outubro de 2011 às 10h06

Em analogia com a corrupção, deve-se ir atrás dos corruptos e dos corruptores.
A ligação que Osama Bin Laden teve com a familia Bush e Kaddafi com empresas italiana poderiam se melhor esclarecidas num julgamento.

Responder

augusto

24 de outubro de 2011 às 09h10

nenhuma midia vai publicar isso.
Mas um homem com a dimensão de nelson mandela foi um dia pessoalmente
à libia agradecer a M Kaddafi sua ajuda para a derrubada do apartheid.

Responder

augusto

24 de outubro de 2011 às 09h06

É pra mim muito comovente a vontade imensa da Otan americano-europeia de construir em dez meses uma bela democracia na Libia.
Isso porque eles estão ha vinte anos no yemen, e NEM se lembraram de fazer o mesmo. Estão ha cinquenta anos na Arabia saudita, com bases, Cia e oleo e…nada. Ha trinta no Bahrein com a propria base da quinta frota e nao se entusiasmaram em promover democracia alguma. Ha dez no iraque e eh verdade fizeram algumas tentativas, a primeira delas colocar um empregado da coca-cola no poder.
O nivel dos titeres libios de agora lá …promete.

Responder

Mário SF Aives

24 de outubro de 2011 às 08h31

Entre uma e outra, eu preferiria a Pax Romana. Pois a Americana já não se diferencia da de meros gangsters.
Discordo da tese de "queima de arquivo"; em circunstâncias tais, de ocupação territorial sob o tacão da geo-qualquer-coisa-parecida-com-política promovida por estados marginais, arquivos como esses, inclusive, BinLaden, já nascem queimados.

Responder

leandro

24 de outubro de 2011 às 07h39

Para quem chamava os opositores de "ratos", teve um morte ironica, dentro de um esgoto. Menos um…faltam poucos ditadores no mundo.

Responder

    beattrice

    24 de outubro de 2011 às 11h35

    Em SP ainda sobrarm muitos, tem bico amarelo pra facilitar a identificação!

    francisco.latorre

    24 de outubro de 2011 às 18h20

    falou o rato.

    ..

    Gabriel

    27 de outubro de 2011 às 21h36

    Continua a falar do que não conhece. Tão perniciosos quanto os ditadores são os déspotas de países alheios, disfarçados sob o manto sagrado da democracia, mas com os pés da hipocrisia de fora.

Eduardo Raio X

23 de outubro de 2011 às 23h01

Meus amigos somente um cego que não quer ver acredita que toda a ajuda do ocidente para o povo líbio vai sair barato , qual vai ser agora o destino nas mãos dessa coalizão feita pra agradar aos USA e Europa, que aliás não fez nada de graça e a conta vai chegar cedo ou tarde, com aqueles famosos senhores carregando suas malas pretas de couro e cheias de boas intenções nos papéis. Kadafi governou a Líbia com mão de ferro isso é fato! Agora falta combinar com a dita coalizão como vão controlar num país uma coletividade de mais de 100 etnias, vai ter a democracia desejada, ansiada e buscada nas esperanças de cada líbio ou vai ser aquela de sempre made in USA e Europa?! Os $$$$$$$$$$$$$$ mostrara o quanto vale o deserto deles!

Responder

Armando do Prado

23 de outubro de 2011 às 22h53

Sendo econômico: ocorreu bandiditismo da OTAN de dos EUA, que com forças monstruosamente superiores, destruiram um país rico. Agora, os "civilizados" controlarão as riquezas líbias via "democracia" a la ocidental, mas para consumo africano. Barbárie até o final.

Responder

Sergio Barbosa

23 de outubro de 2011 às 22h37

Os atuais "dirIgentes" da Líbia "livre" do CNT adotam a Sharia a lei Islâmica como Constituição da "nova" Líbia.Parece que a tão celebrada "primavera Árabe" pela mídia venal ocidental vai ser um longo e Tenebroso Inverno para os povos Árabes,isto bem Perto do Árido Saara !

Responder

Naray

23 de outubro de 2011 às 21h25

Continuação….

Esta claramente não é a imagem que temos vindo a encontrar na mídia – a imagem "teatro de escola" de um "povo unido contra um ditador".
.
A que Grimaldi atribui níveis tão elevados de apoio para Gheddafi?
.
"A ONU explica no seu relatório de 2010: A Líbia foi o país na África com melhor Índice de Desenvolvimento Humano: Para espectativa de vida, educação, saúde, habitação, para crianças, os idosos, as mulheres. Escolas e hospitais gratuitos, moradia gratuita, água potável gratuita para todos, infra-estrutura moderna, a receita do petróleo distribuída para as pessoas – Independência e dignidade "Isso foi o que Gheddafi representou para muitos –
.
Os bombardeamentos da OTAN só fortaleceram essas atitudes de apoio a Gheddafi:
" milhares de civis assassinados por bombas, mísseis, terroristas e "mercenários ocidentais corta-gargantas". O que se acha que a destruição gratuita de toda infra-estrutura, hospitais, escolas, fábricas, poços de água, casas, pode ter produzido na atitude de 6 milhões de líbios e 2 milhões de bem tratados, com dignidade , trabalhadores migrantes? "
.
Estes trabalhadores migrantes têm sido consistentemente demonizados na imprensa ocidental desde antes mesmo do início da guerra, como "mercenários Africanos" – ou na melhor das hipóteses , "alegados mercenários Africanos" e esta desinformação deliberada continuou mesmo depois de um abrangente relatório da Anistia Internacional,em julho ,ter demolido estas afirmações . A mentira tem servido para encobrir e justificar os assassinatos raciais que caracterizam a rebelião desde a sua eclosão.
.
Perguntei a Grimaldi sobre estes assassinatos e sobre a sua deturpação intencional:
.
"O racismo é uma das armas mais poderosas no arsenal imperialista de genocídio e de mudança de regime. Os milhares de líbios negros e africanos torturados, executados e esquartejados pelos "rebeldes", que testemunham isso. Há evidências visuais e testemunhais abundantes destes fatos, mesmo no meu filme.
.
Quanto ao main-stream de mídia e seus seguidores passivos à esquerda, o processo de monopolização que tem ocorrido nos últimos anos entre os editores e redes, identifica os interesses dos fautores da guerra com o de seus meios de comunicação.
.
O jornalista indivíduo tem a escolha entre cumprir com a agenda de seu patrão e seus consultores de'psyop' (Persuade, Change, Influence) e o desemprego ". Grimaldi não está surpreso com as recente revelações do Wikileaks – que o Diretor-Geral da Al-Jazeera estava envolvido no que ele chamou de" manipulação criminosa de informações durante toda a crise da Líbia ". Afinal, "Al Jazeera foi a principal fonte para correspondentes de guerra e se reuniu com o grupo misto de Al-Qaeda/renegados contra Gheddafi , juntos, eles passaram a assar negros e falar bobagens sobre Gheddafi e inexistente avanços rebeldes ."
.
Por fim, perguntei a Grimaldi sobre os objetivos reais da OTAN nesta guerra. Ele é muito mais claro do que a maioria sobre a importância da guerra para o projeto imperial:
.
"Para livrar o planeta de um dos países que rejeitou a globalização e o neoliberalismo, a privatização e o assalto das multinacionais. Para estabelecer o 'Africom' (The United States Africa Command) na África, para maior penetração no continente, para se estabelecer no Grande Oriente Médio, desde o Atlântico até o Golfo, para eliminar a concorrência chinesa e russa por recursos e controlar a sua "tábua de salvação de petróleo" , para obter a água das mais ricas e doces reservas de água da África ("Aquifero Nubio", que esta embaixo do Egito, da Líbia, do Chade e do Sudão. ) e para ensinar uma lição a todas aquelas massas que genuinamente produziram a Primavera árabe. "Em breve -" para expandir a ditadura neoliberal ".
.
Não admira que ele não trabalha mais na BBC…

FONTE: http://stopwarcrimes.wordpress.com/2011/10/18/blo
______________________________________________________________
MALEDETTA PRIMAVERA (“Bloody Spring”) di Fulvio Grimaldi – TRAILER
. http://www.youtube.com/watch?v=Vo7ydp_xDlU

Responder

Naray

23 de outubro de 2011 às 21h24

Texto que traduzi com ajuda do Google, portanto sujeito a erros…
__________________________________________________________________

Estamos de novo frente a um outro testemunho que pode demonstrar que a resolução 1973, pela qual a OTAN interviu na Líbia foi baseado em fatos que os líbios, as testemunhas, os satélites de russos e chinêses e Fulvio em particular, colocam a descoberto que estes fatos nunca existiram. Só esta informação deveria ser suficiente para escandalizar o mundo e acabar com essa atrocidade. No entanto, a ONU, a mídia e os "grupos humanitários", participam do grande jogo e olham para o outro lado…

_________________________________________________________________
Primavera sangrenta – Entrevista com Fulvio Grimaldi sobre a Líbia
_________________________________________________________________
.By Dan Glazebrook, 17 October 2011

Fulvio Grimaldi (ex-BBC) é o lendário jornalista italiano e cineasta que gravou e contrabandeou para fora, um vídeo do massacre "Sunday Bloody" por debaixo do nariz do exército britânico, há quase quarenta anos. Ele defende um estilo de jornalismo que é apaixonado, que não se coíbe de mostrar o horror gráfico da guerra e que resiste à pretensão de neutralidade em tempos de barbárie. Como ele mesmo disse após Bloody Sunday: "… a imparcialidade nem sequer passou por nossas cabeças … estavamos junto aos que estavam correndo e gritando, caindo e morrendo". Ele esteve com eles desde então.
.
Hoje com 73 anos, ele acaba de retornar da Líbia, onde foi fazer seu filme mais recente, sobre a "revolução" neo-colonial da OTAN na Líbia. Eu me encontrei com ele em Bristol, onde fui assistir estréia em inglês do filme.
.
Comecei perguntando a Grimaldi quão proximamente suas percepções em viagens recentes à Líbia, combinavam com a descrição dada na grande mídia:
.
"Nem um pouco. Eu, pessoalmente, visitei áreas ao redor de Trípoli, onde Gheddafi tinha alegadamente "bombardeado o seu próprio povo", mas onde não caiu uma única bomba antes que a Otan tivesse começado seus ataques. E isso foi confirmado por satélites espiões russos. Onde quer que eu tenha ido – apenas na companhia de outros funcionários para averiguação de fatos, falando livremente com as pessoas de minha escolha, e parando onde quer que eu desejasse – me deparei com uma multidão de jovens e velhos, homens e mulheres, que declararam apoiar Gheddafi. Estas são as pessoas que resistiram a uma guerra de sete meses por 27 potências militares, que tinha prometido uma vitória de duas semanas, aqueles que defendiam Tripoli há mais de uma semana, aqueles que hoje ocupam Sirte, Bani Walid, Sabha, Kufra e em 75% do território nacional ainda livre -. Contra bombardeios genocidas, tropas especiais da Otan e mercenários "

Responder

Geysa Guimarães

23 de outubro de 2011 às 21h15

Kadafi devia ter deixado um dossiê com o Julian Assange.

Responder

    beattrice

    24 de outubro de 2011 às 11h32

    Quem garante que não?

    Geysa Guimarães

    24 de outubro de 2011 às 12h59

    Inshallah, Beatrice!
    Mas acho que não, pois acabo de ver notícia de que parou as atividades por falta de dinheiro.

    priscila presotto

    24 de outubro de 2011 às 12h16

    Tomara Geysa.

Naray

23 de outubro de 2011 às 21h13

"Kaddafi é um líder que não deixa saudades. Um terrorista de Estado, "

Discordo totalmente! Kadafi é um líder que deixa muitas, imensas saudades! Naqueles que realmente importam, o povo líbio…Kadafi era querido e tinha o apoio de 80% deste povo. Ou alguém viu uma multidão em Tripoli festejando a morte de Kadafi? Tudo que se mostra são fotos fechadas em close, para aparentar que 6 dúzia são milhares…

Ou esta demonstração de apoio, em 1º de Julho de 2011 em Tripoli, não quer dizer nada?
http://www.youtube.com/watch?v=ieqe4mj09M4&fe

1,7 milhão de pessoas em uma única manifestação , apoiando Kadafi! Isto em um país com 6, 5 milhões , sendo que a região que Kadafi tinha controle tem a penas 5 milhões de habitantes! ( E destes, bem mais de 500 mil já tinha fugido da Líbia nesta altura…)

O que está acontecendo na Líbia é o perfeito inverso daquilo que a mídia nos ensina:

É a deposição pela *força de um líder com apoio maciço do seu povo e a imposição de uma ditadura ,a qual chamarão de democracia, onde o povo tera liberdade falar , más não de agir, onde o poder real do dinheiro passará a ser controlado por políticos corruptos a serviço da OTAN/EUA….

*(feroz campanha midiática , incitação e financiamento inesgotável da guerra civil , fornecimento de armamento e munição em abundância, bombardeios aéreos incessantes, mercenários, tropas especiais da OTAN em Terra, apoio com serviços de inteligência, etc…)

E terrorista de estado? Kadafi é um "anjo do céu" , se comparado com monstros como Sarkozy, Obama, Cameron, Hillary e muitos outros da vasta canalha que habita o poder no EUA e França, Inglaterra, Itália ,Israel,etc…que em 10 anos, já perpetraram genocídios como no Iraque com 1 milhão de mortos ou a destruição da infraestrutura da Líbia, com dezenas de milhares de mortos….

Responder

ZePovinho

23 de outubro de 2011 às 20h41

Cheguei a pensar que ele tinha traído o pai,mas veremos uma pesada guerra de guerrilha contra os bandidos do CNT: http://www.voltairenet.org/Hijo-de-Muamar-Gadafi-

Seif al Islam, uno de los hijos del derrocado líder libio Muamar Gadafi, que murió el 20 de octubre, declaró que encabezará la resistencia contra las fuerzas rebeldes y vengará la muerte de su padre.

Responder

Francisco

23 de outubro de 2011 às 19h39

Ensinar tão didaticamente ao povo que chefes de Estado podem ser tratados assim (ou seja, como somos tratados nós, mortais) é Telecurso da burguesia para o proletariado e os oprimidos do mundo.

A revolução agradece o material áudio-visual educativo e precioso recurso pedagógico…

Responder

luca

23 de outubro de 2011 às 19h25

Os paises ocidentais comemorando a primavera arabe como um resgate dos valores democraticos mundiais e deixam acontecer uma barbaria como o linchamento e morte do Keddafi. Nenhum passo pra frente, pelo contrario mais um rumo as trevas. Gostei da analise do P.E. Serrano abraços

Responder

    beattrice

    24 de outubro de 2011 às 11h29

    Eles não deixarama contecer, eles claramente orquestraram o linchamento.

Hélia

23 de outubro de 2011 às 19h11

Repetem todos incessantemente que Gaddafi era terrorista, sanguinário, ditatorial, assassino, que matava, estrupava, torturava etc etc etc Mas por tudo que pesquisei, nada encontrei que corroborasse essas assertivas.Ele foi um revolucionário socialista a moda árabe, como ele mesmo dizia. Está lá no Livro Verde, que ele escreveu.
Até há pouco tempo atrás era recebido por Obama, Hillary, Cameron, a Líbia emprestou dinheiro para o Sarkosy fazer campanha,era recebido com honras em TODOS os países que compõem a OTAN, com os quais negociava. Essas autoridades também visitavam a Líbia e se hospedavam às custas do governo líbio,do qual Gaddafi era o Primeiro Ministro ou coisa parecida.
Por outro lado, é certeza e os dados oficiais da ONU confirmam que embora Gaddafi chegasse ao poder com uma Líbia miserável, o povo passando fome, analfabeto, sem assistência de saúde ou de educação, conduziu aquele país a uma situaçÃo invejável em termos de IDH. 80% da população com ótimas casas próprias, serviços e educação e saúde de primeiro mundo, públicos e universalizados,água e esgotamento sanitário em todas as casa etcetc O país ocupava quando começaram os bombardeios da OTAN o quadragésimo lugar em termos de IDH entre todos os mais de 200 países existentes no mundo atual.
Alguma coisa me diz que os líbios vão viver tempos muito difíceis e que tudo isso que os EUA e seus aliados fizeram foi um crime hediondo contra aquela Nação.

Responder

    luiz pinheiro

    23 de outubro de 2011 às 19h43

    Concordo, Hélia. O que a OTAN fez foi destruir o país árabe de melhor IDH e bastante promissor, com povo altamente educado. E apropriar-se dos seus recursos naturais – petróleo de alta qualidade e um imenso reservatório de água doce, produto cada vez mais estratégico, ainda mais em pleno deserto. Foi mais um capítulo da guerra das civilizações, que vem da época das cruzadas, como inclusive citou o Gadafi.

Aracy_

23 de outubro de 2011 às 18h46

No Vimeo há um documentário italiano sobre o genocídio promovido pelos fascistas na Líbia, as mesuras de Berlusconi a Kadafi, os interesses econômicos dos países ocidentais e as investidas mais recentes destes contra a população civil líbia. O título é "Aquilo que não dizem na TV sobe a Líbia". http://vimeo.com/30324890

Responder

Anilson

23 de outubro de 2011 às 18h33

Um belo texto. Fico muito feliz toda vez que cai um ditador. Agora, execução sumária realmente mede o grau de civilização de uma sociedade. Entao, pra que a Corte de Haia????

Responder

Klaus

23 de outubro de 2011 às 18h23

1 . Kadafi deixa saudades sim: aos comentaristas de Viomundo;
2 . Um voz que se levantou contra a forma que Kadafi foi eliminado foi o Reinaldo Azevedo, tá lá pra quem quiser ver.
3. Foi queima de arquivo.

Responder

    ZePovinho

    23 de outubro de 2011 às 21h43

    Será que nunca passou por sua cabeça,Fraulein,que nós estamos preocupados é com a possibilidade dessa forma de agir da OTAN ser usada contra o Brasil???????????

    Jose Alberto SSA BA

    24 de outubro de 2011 às 04h32

    Xará.
    Passa pela cabeça, sim.
    Tem muita gente cheirosa com a língua coçando para lamber as botas dos americanos.

    priscila presotto

    24 de outubro de 2011 às 12h18

    Faz tempo ,a língua já esta desgastada.

    leandro

    24 de outubro de 2011 às 08h51

    Porque esse medo da Otan? O pt modernizou nossas forças armadas, comprou aviões modernos e aumentou os salários. Relaxa.

    ZePovinho

    24 de outubro de 2011 às 10h57

    Leandro

    Os EUA tem 11 super-porta aviões.Podem destroçar o Brasil em poucos meses,se quiserem.Depois de 30 anos sem investir nas Forças Armadas,por culpa do neoliberalismo,levaremos mais uns 20 apenas para ermos alguma capacidade de defesa contra a OTAN,que pode nos atacar da Guiana Francesa-um membro da OTAN.

    Luca K

    24 de outubro de 2011 às 12h24

    Kadafi, ao contrário do que a Presstitute quer q acreditemos, é apoiado por 80% ou mais da população Líbia de acordo com pesquisas de opinião. Se Kadafi não tivesse um grande apoio entre os Libios seu regime teria caido rapidamente. Na Tunisia e no Egito, os ditadores de plantão, amigões dos EUA/Israel, cairam rapidamente diante de revolta em massa, porém pacífica. Na líbia, os insurgentes estiveram armados desde o início e em pouco tempo passaram a contar com a mais moderna artillharia aérea do mundo, a OTAN. Já são quase 8 meses de combates, e os rebeldes ainda NÃO tem completo controle do país. A bem da verdade, os combates continuam, recentemente legalistas lançaram ataques contra o TNC em Trípoli. O apoio que Kadafi tem na Líbia é resultado do sujeito ter pego um dos países mais pobres do mundo e o transformado no país com melhor IDH da Africa, com muitos indicadores superiores aos dos países do BRIC. Pessoas como vc Klaus, e também outras figurinhas como Leandro, Jason Kay, etc, NEM sequer acreditam ou entendem o que realmente significa democracia.

Eduardo

23 de outubro de 2011 às 17h48

Bin laden foi morto pelos U.S.A ? AH TENHA PACIENCIA ,escrever num blog como esse um absurdo assim, nao da para acreditar em mais nada que triste

Responder

    Polengo

    24 de outubro de 2011 às 00h08

    Não, ele foi morto por John Lennon.

    Jose Alberto SSA BA

    24 de outubro de 2011 às 04h29

    Eduardo.
    Tenha paciência. Você tem certeza que existe?

    priscila presotto

    24 de outubro de 2011 às 12h22

    Eduardo ,Bin Laden foi morto por Yoda ,o mestre da saga Guerra nas Estrelas ,aí o Darth Vader muito" p "da vida ,denunciou que os Estados Unidos e Otan fomentaram os "rebeldes "a assassinaram Kaddafi.
    É tudo fofoca do Darth Vader ,que o diga OBI Wan Kanobi.

    Mauro Silva

    24 de outubro de 2011 às 13h11

    Essa é a direita tapada (pleonasmo!).

Roberto Locatelli

23 de outubro de 2011 às 17h21

De fato, Kaddafi serviu bem aos EUA por muitos anos. Se fosse a julgamento, abriria o bico. Então foi executado ao estilo de traficantes de drogas. Agora, vem a briga para dividir o saque (a Líbia). Tio Sam quer mamar petróleo.

Responder

Julio Silveira

23 de outubro de 2011 às 17h19

Os gangsters que governam o mundo não podiam permitir kadafi vivo para entregar ao mundo dos cidadãos comuns que foi repartido com eles cada violencia praticada por sua ditadura. Neste episódio triste nada sobra de justiça para iluminar o mundo. O que foi fartamente oferecido é a barbarie como nos tempos imemoriais da história da humanidade quando a clava era a ferramenta para resolver disputas.
O Países e seus governantes gangsteres levam o mundo rapidamente para involução.

Responder

Ana

23 de outubro de 2011 às 17h11

Quando a PRIMAVERA ÁRABE, principalmente os líbios, perceberem o INVERNO NEBULOSO que tomou conta do continente europeu, iniciando na Grécia berço da civilização e democracia, vão querer ressuscitar Kaddafi.

Responder

Iun

23 de outubro de 2011 às 17h10

Tenho falado insistentemente. Aproximamo-nos de tempos terríveis. Por enquanto são os líderes. Mas pela atual desmontagem generalizada da ética é de se prever o que vai acontecer com pessoas comuns à medida que os bens materiais vão se escasseando. Não teremos nem a chance de morre de fome, aos poucos. Minha suposição ou avaliação é a de que seremos executados logo, para deixar o lugar a quem precisar e for mais forte.

Responder

Will

23 de outubro de 2011 às 16h27

Kaddafi cai, mas o Conselho Nacional de Transição declara que a Sharia vai ser a fundação da legislação líbia. Será que realmente mudou alguma coisa?

Responder

    FrancoAtirador

    23 de outubro de 2011 às 16h51

    .
    .
    Mudou… P'ra pior!
    .
    .

    valdeci Elias

    23 de outubro de 2011 às 20h37

    Publicamente ele diz oque o povo libio quer, atrás de quatro paredes, ele vai assinar os acordos economicos que a Europa quiser.


Deixe uma resposta para Bonifa

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding