VIOMUNDO

Diário da Resistência


O Globo localiza casa de motorista de Flávio Bolsonaro: não parece ser de quem movimenta R$ 1,2 milhão em um ano
Valter Campanato/Agência Brasil
Você escreve

O Globo localiza casa de motorista de Flávio Bolsonaro: não parece ser de quem movimenta R$ 1,2 milhão em um ano


11/12/2018 - 08h59

Da Redação

Os repórteres Juliana Castro e Igor Mello, de O Globo, localizaram a casa onde vive o ex-motorista do então deputado e agora senador eleito Flávio Bolsonaro.

Fica na Taquara, zona Oeste do Rio de Janeiro, e parece bem simples.

O Conselho de Controle das Atividades Financeiras, COAF, ao investigar assessores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro para a Operação Furna da Onça, disse em relatório (ver abaixo) que Fabrício Queiroz apresentou movimentações “atípicas” em sua conta bancária.

“Na viela onde Queiroz mora com a mulher, Márcia Aguiar, os imóveis são colados uns aos outros. No beco há varais improvisados do lado de fora das casas, fios emaranhados e canos aparentes. Na casa de Queiroz, um adesivo rasgado com as fotos do presidente eleito Jair Bolsonaro e de seu filho Carlos, vereador no Rio, está colado na fachada. No segundo andar, que tem a laje sem revestimento, tapetes secavam no parapeito ainda sem janela”, escreveram os repórteres.

Segundo o relatório do COAF, Queiroz recebeu depósitos de outros oito funcionários e ex-funcionários de Flávio Bolsonaro.

A mulher e duas filhas dele trabalharam para a família Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio e no Congresso Nacional.

Queiroz e a filha Nathalia Melo de Queiroz, que trabalhava com Jair Bolsonaro em Brasília, deixaram seus cargos no mesmo dia, depois que foi deflagrada a Operação Furna da Onça.

Chamou a atenção do COAF uma sequencia de saques em dinheiro feitas por Queiroz entre 23 de janeiro e 15 de março de 2017: R$ 49 mil, em 9 saques de R$ 5 mil e um de R$ 4 mil.

Foram dois saques por dia, o que indica que Queiroz poderia ter tido a intenção de fracionar as retiradas, com o objetivo de não chamar a atenção das autoridades.

O Ministério Público não informou a O Globo se Queiroz está sob investigação, mas funcionários de Flávio Bolsonaro estão juntando documentos para esclarecer o caso, segundo o chefe de gabinete informou ao diário conservador carioca.

Apoiadores de Bolsonaro dizem que Queiroz terá de explicar a origem de R$ 600 mil, já que o R$ 1,2 milhão citado no relatório refere-se a débitos e créditos na conta.

Como servidor da Alerj, Queiroz ganhava R$ 23 mil mensais.

No relatório do COAF, um dos fatos mais notáveis é que Nathalia, a irmã Evelyn e a mãe Márcia, esposa do motorista, enquanto funcionárias da família Bolsonaro, transferiram mais de R$ 95 mil reais para a conta do pai — o que não faz sentido, a não ser que ele funcionasse como um caixa da família Bolsonaro.

Fabrício Queiroz, o motorista, depositou R$ 40 mil na conta da futura primeira dama, Michelle Bolsonaro. O presidente eleito diz que foi pagamento de um empréstimo e que recebeu o dinheiro na conta da esposa por não ter tempo de ir ao banco.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

fernanda

15 de dezembro de 2018 às 20h33

A familia BOLSONARO quer enganar quem mesmo ? Fala serio !!! o motorista e so o laranja.

Responder

Divina Lopes Medeiros

12 de dezembro de 2018 às 06h27

Se a Globo exposse a vida do Lula e do dono da Globo o Brasil não estaria esse caos ..

Responder

    Julio Silveira

    13 de dezembro de 2018 às 00h02

    Vc deve ter aterrizado no Brasil recentemente não? Porque só pode ser assim, já foi que foi a Globo que dia após dia citava o Lula nos seu jornais o criminalizando em parceria como sua criatura, por ela premianda, o outro falso “mito”, o tal Moro.

Julio Silveira

11 de dezembro de 2018 às 19h31

Esse nem pode ser chamado de laranja, já é abobora que a meia noite se transforma em rato.

Responder

Zé Maria

11 de dezembro de 2018 às 18h52

Bolsonaro admite que sonegou informação
sobre o alegado empréstimo
na sua Declaração de Imposto de Renda

http://www.pt.org.br/bolsonaro-admite-que-sonegou-informacao-sobre-emprestimo-no-seu-ir/

https://twitter.com/pauloteixeira13/status/1071428494876389376

Responder

Zé Maria

11 de dezembro de 2018 às 15h37

“O que existia no passado de ministro da Justiça
opinando sobre casos concretos é inapropriado.
Estes fatos têm que ser esclarecidos.
O presidente já apresentou alguns esclarecimentos.
Tem outras pessoas que precisam prestar os seus esclarecimentos.
E os fatos, se não forem esclarecidos, têm que ser apurados.
Eu não tenho como assumir esse papel”

Declaração do Juizéco Rebaixado a Morinho,
Sinistro da (in)justiça a partir de 1º/01/2019,
quando será responsável pelo COAF.
Em entrevista coletiva de imprensa.
.
.
Sérgio Moro confere fé pública à palavra de Bolsonaro

Por Luis Nassif, no GGN

O juiz ladino, implacável, capaz de aceitar denúncias baseadas exclusivamente em delações premiadas, ignorar provas documentais, condenar sem sequer definir relações de causalidade entre benefício e concessão, aceita de pronto uma explicação que não convenceria sequer um leigo em temas penais.

https://jornalggn.com.br/noticia/sergio-moro-confere-fe-publica-a-palavra-de-bolsonaro-por-luis-nassif

Responder

Zé Maria

11 de dezembro de 2018 às 15h03

“Ele é cínico demais”
diz juiz sobre resposta de Moro
ao escândalo dos Bolsonaros.

“No caso de Lula é ‘parece’, ‘seria’, ‘teria’,
com Bolsonaro não é ‘teria’, mas ‘tem’,
não é ‘faria’, é ‘fez’, não é ‘se corromperia’,
mas ‘se corrompeu’.”

Por Cláudia Motta, no DCM

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/ele-e-cinico-demais-diz-juiz-sobre-resposta-de-moro-ao-escandalo-dos-bolsonaros-por-claudia-motta/

Leia também:

https://www.viomundo.com.br/denuncias/jurista-denuncia-caos-criado-em-br-pela-policia-rodoviaria-federal-o-aparato-estatal-da-policia-quer-na-verdade-o-golpe-militar.html

https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Direitos-Humanos/A-historia-de-um-juiz-ameacado-de-morte-em-Alagoas/5/11816

“É muita cara de pau!
Nem pede por investigação, averiguação, apuração, seja lá o que for.
Inocentou direto.
Lula não teve dele sequer presunção de inocência.
Foi condenado antes de começar o julgamento.
Foi condenado por Moro na opinião pública!”

@gleisi

Senadora Gleisi Hoffmann

https://twitter.com/gleisi/status/1072230261197287424

Responder

Malu Assif

11 de dezembro de 2018 às 14h41

Está imagem da casa vai enganar quem ?
Acorda.

Responder

Leo

11 de dezembro de 2018 às 12h48

A familia Bolsonaro ja demora para esclarecer os fatos. Se Flavio ja os sabe, deveria torna-los publico o quanto antes.

Seria bom se essa moda pegasse com todas as pessoas publicas (juizes, deputados, jornalistas, etc.), mas se percebe a seletividade do COAF.

Apoiadores de Bolsonaro nao tem presidente ou senador de estimaçao. Se errou, a fila vai andar.

Responder

Zé Maria

11 de dezembro de 2018 às 12h18

https://image.slidesharecdn.com/bolsonaro-181209142312/95/movimento-financeiro-do-motorista-5-1024.jpg

E aí, Morinho? Vai fazer o rastreamento da Fortuna dos Botsonauros?

Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e seus três filhos que exercem mandato são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões, a maioria em pontos altamente valorizados do Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca.

Levantamento feito pela Folha em cartórios identificou que os principais apartamentos e casas, comprados nos últimos dez anos, registram preço de aquisição bem abaixo da avaliação da Prefeitura do Rio à época.

O filho mais velho, Flávio Bolsonaro, deputado estadual [e agora senador eleito] no Rio de Janeiro, negociou 19 imóveis nos últimos 13 anos.

Bolsonaro, 62, tem duas ex-mulheres (está no terceiro casamento) e cinco filhos. Três são políticos: além de Flávio, Carlos (vereador no Rio desde 2001) e Eduardo (deputado federal desde 2015). Ao todo, os quatro disputaram 19 eleições [fora as de outubro de 2018].

Eles apresentam, como o pai, evolução patrimonial acelerada.

Com exceção de uma recente sociedade de Flávio em uma loja de chocolates [!!!], todos se dedicam agora só à atividade política.

Até 2008, a família declarava à Justiça Eleitoral bens em torno de R$ 1 milhão, o que incluía apenas 3 dos atuais 13 imóveis. As principais aquisições ocorreram nos últimos dez anos.

As duas principais casas do patrimônio de [Jair] Bolsonaro ficam em um condomínio à beira-mar na Barra, na avenida Lúcio Costa, um dos pontos mais valorizados do Rio.

Hoje o preço de mercado das duas juntas é de pelo menos R$ 5 milhões, de acordo com cinco escritórios imobiliários da região consultados pela Folha.

SUSPEITA

As transações que resultaram na compra da casa em que Bolsonaro vive, na Barra, têm, em tese, indícios de uma operação suspeita de lavagem de dinheiro, segundo os critérios do Coaf (Ministério da Fazenda) e do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci).

O Cofeci aponta que configura ter “sérios indícios” de lavagem de dinheiro operação na qual há “aparente aumento ou diminuição injustificada do valor do imóvel” e “cujo valor em contrato se mostre divergente da base de cálculo do ITBI”, o imposto cobrado pelas prefeituras. Desde 2014, operações do tipo devem ser comunicadas ao Coaf –a unidade que detecta operações irregulares no sistema financeiro.

No mercado, é comum a prática irregular de colocar na escritura valor abaixo do real, com o objetivo de driblar o imposto de lucro imobiliário. Desta forma, registra-se um valor de aquisição menor, com pagamento por fora.

Outra intenção da fraude é fazer com que o comprador não oficialize um aumento patrimonial incompatível com seus vencimentos.

O valor real dos imóveis de toda a família – cinco em nome de Jair Bolsonaro, três de Carlos, dois de Eduardo e três de Flávio – representa cerca do triplo do que a família declarou à Justiça.

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/01/1948526-patrimonio-de-jair-bolsonaro-e-filhos-se-multiplica-na-politica.shtml

Responder

Roberto

11 de dezembro de 2018 às 12h17

O fato é que a grande mídia (o PiG) fez questão de que o capitão Bozo já inicie seu mandato com total desmoralização. De quebra, o escândalo levou na enxurrada a moral do Moro.
A impressão que nos dá é que a elite prefere ser governada pelo Mourão e, por isso, quer eliminar o Bozo da parada.
Se eu fosse o capitão Bozo, não faria NENHUMA cirurgia no Brasil.

Responder

    Lukas

    11 de dezembro de 2018 às 16h05

    Achei que finalmente sairia um elogio a’OGlobo.

    Julio Silveira

    11 de dezembro de 2018 às 19h44

    Penso exatamente a mesma coisa, meu caro Locatelli. Eles estão agindo para instalarem o General vice. Aliás esse caso da elite nacional com as forças armadas é antigo. Vem desde o tempo em que eram oferecidas as filhas dessa burguesia herdeira do imperio ao graduados militares, como forma de indiretamente aliarem o poder civil, mesmo desse jeito que sempre tivemos, casado com as armas, como garantia.

Rogerio Faria

11 de dezembro de 2018 às 12h10

O crepúsculo de um “mito.”

Responder

Deixe uma resposta para Zé Maria

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.