VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Ministro Padilha, “filho feio” não tem pai!


16/07/2011 - 22h40

por Conceição Lemes

Em 5 de maio, o ministro Alexandre Padilha recebeu em audiência no seu gabinete, no Ministério da Saúde (MS), Marcelo Rabach, presidente da McDonald’s na América Latina.

Rabach entregou-lhe uma cópia da toalha de papel que cobriu as bandejas da rede nos meses de março e abril. Num dos lados da lâmina, há dicas sobre a prática de atividade física, ingestão de água, sono, proteção contra a exposição excessiva ao sol e alimentação saudável. Junto, o símbolo da McDonald’s, seu slogan amo muito tudo isso. E, nos cantos inferiores, o site e o Disque-Saúde do Ministério da Saúde e o aviso de que foi a fonte das mensagens.

No verso da toalha, estampado o cardápio da rede de fast food, com informações (em letras miúdas) sobre sua composição nutricional, sob o título Veja aqui os componentes nutricionais da sua refeição. Abaixo do cardápio, num quadro intitulado Veja algumas informações nutricionais interessantes, a composição do que para a McDonald’s, seriam ‘outros alimentos do seu dia a dia’, entre os quais, coxinha, empadinha, pastel, pizza e feijoada tradicional.

O encontro rendeu esta foto, postada na galeria de imagens do Ministério da Saúde no Flickr, com a legenda: Ministro Alexandre Padilha se reúne com Marcelo Rabach, Presidente da McDonald’s na América Latina, um dos parceiros da saúde.

Entidades, como a Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos,  o Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição da Universidade de Brasília (UNB), especialistas em saúde pública e nutrição se indignaram. Teve até abaixo-assinado, dirigido ao ministro, contra a rede McDonalds ser “Amiga da Saúde”.

Em carta aberta a Padilha, os professores Carlos Augusto Monteiro e César Gomes Victora, membros da Academia Brasileira de Ciências e Malaquias Batista Filho, membro do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), criticaram:

A campanha da rede McDonald’s, à semelhança de outras estratégias de marketing empregadas pela mesma empresa, é extremamente nociva, em particular para crianças e adolescentes, que são o público alvo daquela rede.

É ocioso notar que o objetivo dessa campanha da rede McDonald’s é associar o consumo dos produtos que ela comercializa a comportamentos saudáveis e a induzir o consumidor a pensar que esses produtos deveriam ou poderiam ser consumidos frequentemente (‘alimentos do dia a dia’) e a negar que eles pudessem ser menos saudáveis do que alimentos tradicionais da dieta brasileira.

Cobertos de razão. Hábitos saudáveis de vida não combinam com o consumo rotineiro, no dia a dia, de hambúrguer, batata frita, cachorro-quente, pastel, coxinha, empadinha. Tanto que as cantinas de algumas escolas não vendem mais este tipo de lanche.

A repercussão negativa foi tamanha que o ministro recuou. Embora na resposta aos professores Carlos Monteiro, César Victora e Malaquias Batista não assuma explicitamente que houve equívoco na estratégia , o tom foi considerado positivo.

“Não é uma vitória de três pessoas, mas uma conquista de várias pessoas e instituições que se posicionaram contra”, avalia o professor Malaquias Batista, em e-mail e conversa que tivemos. “E, sobretudo, uma vitória para a causa da alimentação saudável da população brasileira.”

MINISTÉRIO DA SAÚDE E MCDONALD’S EXPLICAM “A PARCERIA”

Na carta aos três professores, o ministro Padilha diz:

Em e-mail, um dos seus assessores de imprensa reforça:

Não há parceria com MC Donald’s. Muitas empresas e instituições contribuem com o papel de difusor de algumas campanhas do MS, com informações públicas retiradas do nosso site, o saude.gov.br, por exemplo. Por isso, não havia logo ou assinatura do MS na toalha de papel da rede.

Esta repórter questionou também a McDonald’s. Na resposta ao Viomundo, a sua assessoria de imprensa diz:

“É importante frisar que na referida lâmina, utilizada em março/abril nos restaurantes e já substituída, em nenhum momento há qualquer chancela do Ministério da Saúde e nem qualquer selo de “Parceiro da Saúde”. A empresa jamais recebeu qualquer autorização do Ministério para o uso de tal título ou selo e muito menos o usou em qualquer material informativo, promocional ou publicitário.

Não há fundamento na crítica ao Ministério da Saúde por suposto envolvimento em campanha publicitária da empresa, já que as lâminas de bandeja não têm qualquer referência promocional aos produtos da marca –  e são distribuídas exclusivamente para quem já se encontra dentro dos restaurantes. Trata-se de um espaço de comunicação capaz de sensibilizar 1,5 milhão de clientes por dia, e que foi utilizado para transmitir hábitos de vida saudável definidos pelo Ministério da Saúde, sem qualquer interferência da rede”.

Em função dessas respostas e dos boatos de que o ministério não teria tido qualquer participação na história das toalhas e  que a rede de lanchonetes teria, a seu bel-prazer, ido  ao site do órgão, selecionado e copiado as dicas de saúde , insisti com a McDonald’s a respeito das “paternidades”.

“Quem  selecionou as informações que seriam divulgadas sobre o tema ‘Saúde e Equilíbrio’, mostradas nas lâminas de bandeja, foi o próprio Ministério da Saúde”, respondeu-me a assessoria de imprensa. “E não foi a McDonald’s que divulgou o encontro e a foto dele.”

DE QUEM FOI A IDEIA “DE GÊNIO”? CADÊ O PAI DA CRIANÇA?

É assim mesmo. “Filho feio” não tem pai. O “rebento”, inicialmente apresentado com júbilo à sociedade por seus supostos “pais”, foi “rejeitado” assim que as críticas se intensificaram. Até a foto da “família feliz”  estranhamente  não achei mais no Flickr do Ministério da Saúde.

— Mas o ministro recuou — alguns leitores vão rebater —. Isso é o que importa!

Excelente que o ministro tenha voltado atrás. Melhor é que não tivesse acontecido. Por isso é fundamental uma reflexão preventiva para que outros “rebentos” indesejáveis não venham a “nascer”. Em se tratando de saúde, prevenção é FUNDAMENTAL. Tanto que a Organização Mundial de Saúde (OMS) escolheu como pauta principal da Assembleia Geral deste ano as doenças crônicas, que têm tudo a ver com hábitos saudáveis de vida, inclusive a alimentação.

— Mas  ministério e  McDonald’s disseram que a toalha com dicas de saúde não era campanha publicitária ou de promoção da rede nem parceria…

Parceria de papel passado, com publicação no Diário Oficial, não. Mas que havia “parceria”, havia. Do contrário, a assessoria de comunicação do ministério não teria legendado de maneira tão positiva a foto que agora não está mais lá.  Vale a pena relembrar: Ministro Alexandre Padilha se reúne com Marcelo Rabach, Presidente da McDonald’s na América Latina, um dos parceiros da saúde.

Segundo a assessoria de imprensa do ministério, o título “parceiros da saúde” formalmente não existe.   Porém, reconhece, é uma nomenclatura usada “internamente” para fazer referência às empresas que divulgam iniciativas sobre saúde. Ou seja, observação minha: oficialmente não está regulamentado, porém, na prática, existe.

— Ah , mas o ministério e a McDonald’s já tinham feito anteriormente “parcerias”, para divulgar informações sobre vacinação, dengue, gripe suína… Ninguém reclamou. Agora, no caso da alimentação, essa chiação…Não entendo por que tanta bronca com as toalhas dando dicas de saúde e qualidade de vida… – esse comentário andou circulando no próprio ministério.

Visão equivocada. Indício de que o pessoal incumbido da tal “parceria” não havia percebido a delicadeza do tema nutrição. Muito menos entendia o que é, de fato, promoção de saúde.

Uma coisa é a McDonald’s dar dicas sobre vacinação, dengue, gripe suína. Além de ela ficar bonita na foto —  isso gera-lhe lucros  por causa do marketing –, não tem conflito de interesse com o que a empresa vende. Outra, muitíssimo diferente, é falar de hábitos saudáveis de vida, incluindo alimentação. Conflito total. O cardápio dos McDonald’s da vida não é exemplo de alimentação saudável. Longe disso, é um dos fatores responsáveis pela epidemia de obesidade que temos hoje no mundo, inclusive no Brasil.

— Ah, mas o ministro não avalizou o cardápio da McDonald’s… –  tem leitor que ainda vai rebater.

Oficialmente, não chancelou. Só que a imagem dele , ajudando o presidente da McDonald’s a segurar a lâmina  da bandeja emoldurada,  é muito forte. Obliquamente, o sinal que enviou à sociedade é de aprovação à toalha e à iniciativa.  Se o ministro desaprovava esse tipo de alimentação, por que se reuniu com Marcelo Rabach por causa da dita toalha e ainda posou todo pimpão para foto ?

Já pensou, ministro, se essa foto cai em mãos de uma criança que bate o pé todo dia para comer  batata-frita e lanche da McDonald’s, e os pais não deixam, pois  batalham para que ela tenha alimentação saudável? E se ela ainda usar como álibi: Pai/mãe, se não fosse saudável, o ministro Padilha diria e não tiraria foto junto, né?

A McDonald’s, ao contrário dos governos do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma, entende tudo de marketing e comunicação. Quando o Padilha foi com o boi, achando que estava marcando gol de placa, a McDonald’s já havia voltado com mil BigMacs prontos. O senhor, ministro, fez um gol contra e, ainda, foi o dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles no pão com gergelim da comemoração.

— Ah, mas… – alguns tentarão voltar à carga.

Primeiro, se os professores de nutrição não tivessem botado a boca no trombone, a “parceria” teria sido consumida. O fato é que o ministro não esperava tamanha reação contrária, por uma razão simples: não avaliou devidamente o conflito de interesses entre a saúde pública e os McDonald’s da vida.  Se ele  e seu staff tivessem levado em conta a lição de que quando a esmola é demais, o santo desconfia, teriam agido de forma diferente.

Segundo, se o ministro tivesse consultado antes os especialistas em nutrição, não teria pagado esse mico. Tenho certeza absoluta de que todos o ajudariam a evitar o transtorno.

Terceiro, quando se lida com informação que envolve saúde pública, precisamos –repórteres, assessores de imprensa, médicos, ministros —  ter todo o cuidado do mundo com os sinais objetivos e subjetivos da nossa mensagem. Do contrário, mandamos recado trocado, que pode ter conseqüências negativas sobre a saúde da população.

— Ah, mas por que voltar a esse assunto agora, se o ministro já recuou? — um ou outro deve estar querendo saber.

Prevenção, prevenção, prevenção. Para que outros “rebentos” indesejáveis não venham a “nascer”. Do ponto de vista de saúde pública, não há parcerias possíveis com as McDonald’s , as indústrias do tabaco, álcool. São interesses irreconciliáveis.

Elas estão na contramão do plano de combate às doenças crônicas não transmissíveis que a presidenta Dilma apresentará, em setembro, na abertura da Assembleia Geral da ONU. O audacioso plano  está sendo preparado pelo Ministério da Saúde

Por doenças crônicas não transmissíveis leia-se hipertensão arterial, diabetes, câncer, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC, ou derrame), enfisema, entre outras. Doenças que podem prevenidas com hábitos saudáveis, como atividade física regular, alimentação variada e equilibrada, combate ao sobrepeso e à obesidade, higiene bucal, não fumar, moderar no álcool.

Já pensaram, se não tivesse dado toda essa chiadeira, o “affair” com a MacDonalds passado despercebido e lá, em Nova York, alguém resolvesse colocar em xeque a coerência do plano da presidenta, exibindo para o mundo todo a “parceria” de bandeja?

Clique aqui para ler  o puxão de orelha que os médicos e professores Maria Teresa Zanella,  titular de Endocrinologia da Unifesp, e Arthur Kaufmann, da Faculdade de Medicina da USP, dão em pais e mães  sobre junk food.

Meu twitter: conceicao_lemes, siga à vontade.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



130 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nascituro na MP 557

30 de janeiro de 2012 às 15h27

[…] Ou seria a versão materno-infantil da mesma falta de assessoria que levou Padilha à infeliz parcer… […]

Responder

Nascituro: Ninguém assume a sua paternidade nem maternidade na MP 557 | Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de janeiro de 2012 às 18h41

[…] Ou seria a versão materno-infantil da mesma falta de assessoria que levou Padilha à infeliz parcer… […]

Responder

milena

11 de setembro de 2011 às 20h13

é melhor comer pizza

Responder

Ministério da Saude recomenda “dieta do palhaço” | Blog da Cidadania

29 de julho de 2011 às 23h02

[…] disso, recentemente a jornalista Conceição Lemes, do site Viomundo, publicou matéria estarrecedora que denunciou que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, andou posando para fotos […]

Responder

Sabesp tem mais contratos suspeitos com empresas fraudadoras de Campinas | Paraná Blogs

19 de julho de 2011 às 17h47

[…] MINISTÉRIO DA SAÚDE RECUA DA PARCERIA COM REDE McDONALD’S Viomundo Ministro Padilha, “filho feio” não tem pai! – por Conceição Lemes Entidades, como aFrente pela Regulação da Publicidade de Alimentos, o Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição da Universidade de Brasília (UNB), especialistas em saúde pública e nutrição se indignaram com a parceria do Ministério da Saúde com a rede McDonald’s. Teve até abaixo-assinado, dirigido ao ministro, contra a rede McDonald’s ser “Amiga da Saúde”. Leia mais https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/ministro-padilha-filho-feio-nao-tem-pai.html […]

Responder

João Bravo

19 de julho de 2011 às 13h20

Achei um absurdo uma rede como a Mac Donald querer vender seu peixe como alimento saldável.
Em minha cidade temos um Mac Donald,mas pessoalmente nem eu, nem meus filhos entramos nem para ver como é.
Meus filhos foram acostumados a alimentos saudáveis tipo arroz,feijão,saladas, estas coisas.
Certo dia estavamos almoçando vendo a Record e um jornalista falou em linha da pobreza,meu filho então me indagou:
-Pai oque é linha da pobreza?
Eu respondi:
-Meu filho linha da pobreza é a linha que divide a pobreza relativa da pobreza absoluta.
Então ele tornou a perguntar:
-Pai,então estamos na pobreza absoluta?
E eu respondi:
-Não,agora fecha a boquinha e vá comer este arroz com farinha.

Responder

Fátima Oliveira

19 de julho de 2011 às 13h11

Conceição produziu uma matéria impecável. A ela meus cumprimentos.
O Caso MS XMcDonalds é lamentável e terá valido a pena se dele o ministério souber extrair lições e uma delas é admitir que errou. A segunda, é assumir que o erro servirá de espelho para conter possíveis erros similares. E por fim, a assessoria patinou na historia. Um pedido como o do McDonalds teria de ser barrado antes de chegar ao ministro.

Responder

Ministro Padilha, “filho feio” não tem pai! Por Conceição Lemes » O Recôncavo

19 de julho de 2011 às 11h38

[…] Ministro Padilha, “filho feio” não tem pai! Por Conceição Lemes Do Viomundo […]

Responder

Carlos Antônio

19 de julho de 2011 às 10h02

Uma vez um Dailalama foi a SP e perguntaram a Ele onde queria ir, Ele respondeu ao Shopping center, todos ficaram incrédulos perguntaram porque e Ele respondeu que queria ir há onde mais necessitava de oração/cura…

Responder

César Augusto Sandri

19 de julho de 2011 às 10h00

Bombardeio da Folha em cima da Dilma!!! Continua intensso os ataques da Folha SP à presidenta, no caso dos transportes. E o que impressiona é quantidade de leitores q pedem o impeachment .Sei que é mais uma tentativa desesperada de golpe do PIG , mas eu te pergunto Azenha, é de se preocupar com isso? A mídia independente da internet parece não dar bola pro assunto.

Responder

Renato Martins

18 de julho de 2011 às 21h52

Sem dúvida que o ministro Padilha escorregou ao aceitar POSAR com Marcelo Rabach, Presidente da McDonald’s na América Latina. Eis o FILHO FEIO! O pai do filho feio é o ministro. O DNA é dele!

Mas a legenda da foto aparecer dizendo que o cara é "um dos parceiros da saúde" é de autoria de algum assessor sem noção! Mas os em noção só agiu e emrgiu porque o ministro deu lugar.

Ai então temos duas ordens de problemas, ou problemas de duas ordens, como queiram. Um ministro ainda "verde" (o que não qer dizer incompetente) e ministro verde, no mínimo, tem de ter assessoria madura, o que não é o caso.

Pelo que penso, pelo que vejo e pelo que analiso, ou o Ministério da Saúde é blindado contra verdices ou a vaca vai pro brejo. Beber água.

Responder

Zhungarian Alatau

18 de julho de 2011 às 20h33

Já fui viciado no tal Filé de Peixe deles, que depois virou MacFish. Mas depois comecei a ter náusea só de pensar no MacDonalds. Até aquele cheirinho característico dos estabelecimentos me enjoa.

E quando pensamos que um lanche completo do MacDonalds custa tanto quanto um prato nutritivo de um bom restaurante a quilo…

Responder

    Conceição Lemes

    18 de julho de 2011 às 21h16

    Zhungarian, cobertíssimo de razão. O buraco ainda é mais fundo. Tem a questão da saciedade. Vou explicar isso em outra matéria futuramente. abs

João Bravo

18 de julho de 2011 às 20h30

Conceição,nunca deixei de estar por aqui,só não faço mais aqueles comentários malucos,porque da última vez chamaram minha mãe de tudo,menos de mãe.
Estarei sempre por aqui amiga.abço

Responder

    Conceição Lemes

    18 de julho de 2011 às 21h10

    Bravo, vc tem tanta história legal pra contar… Não dê trela. Nossas sinceras desculpas pelos comentários que deixamos inadvertidamente passar e foram agressivos com vc. Por favor, nos alerte quando isso acontecer, mesmo que vc não a pessoa atingida. São muitos comentários por dia e às vezes não pegamos os abusos. Sua colaboração é muito importante. Grande abraço e boa sorte.

Leonardo

18 de julho de 2011 às 18h15

"Soso Whaley fez o mesmo regime e emagreceu"

A documentarista fez a mesma experiência, só que comeu menos e fez exercícios e o resultado depois de um mês foi 4,5 quilos a menos e colesterol mais baixo

Por coincidência, a documentarista Soso Whaley começou uma experiência parecida no mesmo dia que Chazz, 1º de abril.

Foram trinta dias comendo exclusivamente no McDonald’s, mas em quantidade menor que Spurlock e Weaver, cerca de duas mil calorias. Também fez exercícios. Depois de um mês, emagreceu 4,5 quilos e seu colesterol baixou. Ela planeja lançar um filme – que deverá chamar-se Debunk the Junk (Desmascarando a porcaria, no sentido de comida pouco saudável). Whaley falou sobre sua experiência de um mês entre hambúrgueres e batatas fritas.

Você assitiu Super Size Me?

Sim, vi duas vezes para avaliar mais de perto a dieta de Spurlock.

Como foi comer no McDonald’s por um mês?

Na verdade eu gostei da experiência. Foi divertido testar novos tipos de comida que normalmente não experimentamos (ela colocou receitas com produtos do McDonald’s no site http://www.cei.org). O iogurte Parfait e as novas saladas de frango são bastante saborosas. O novo McGriddle com bacon, ovos e queijo me surpreendeu.

Você sentiu alguma alteração em seu metabolismo?

Absolutamente. Por reduzir minha ingestão de calorias e fazer exercícios eu experimentei toda sorte de benefícios. Eu fiquei com mais energia, apreciei mais minha comida e decidi manter as atividades físicas para perder mais peso.

Você acha que é saudável comer no McDonald’s todo dia?

Claro que sim. A comida no McDonald’s não é diferente da encontrada em uma mercearia e eles oferecem uma variedade incrível. Por exemplo, o que é um Egg McMuffin? É um bolinho inglês, um ovo frito, um pouco de bacon e uma fatia de queijo. Adicione um copo de laranja e você ficaria satisfeito por estar comendo um saudável café da manhã em casa. Mas é só comprar a mesma coisa no McDonald’s para provocar a ira dos grupos anti-carne a anti-corporações.

Por que você defende o McDonald´s? Eles te pagaram alguma coisa?

Eu não fui paga pelo McDonald´s ou qualquer outra corporação ou organização para fazer este filme. Deixe-me esclarecer uma coisa: este filme não é uma defesa do McDonald’s e sim sobre liberdade de escolha e responsabilidade. Mesmo se todos os estabelecimentos de fast food sumirem amanhã, não tenho dúvidas de que os ‘problemas de peso’continuariam existindo. E daí quem alimentará policiais, advogados e documentaristas?
http://www.estadao.com.br/arquivo/arteelazer/2004

Esse documentário em que um cara passa o tempo todo comendo macdonalds e engorda é pura fraude e propaganda.

Responder

    Arriagada

    18 de julho de 2011 às 22h57

    Leia "Chatô, o rei do Brasil".
    Ler faz bem.
    Melhor ainda se você tiver a capacidade intelectual de entender efetivamente o que está sendo lido…

    :*

João Bravo

18 de julho de 2011 às 18h11

"Filho feio" não tem pai,mas este filho é tão feio, que a mãe só dava mamadeira na ponta de uma taquara.

Responder

    Conceição Lemes

    18 de julho de 2011 às 19h46

    João Bravo, que alegria te rever por aqui! Bem-vindo! Grande abraço e boa sorte

Rogério Bezerra

18 de julho de 2011 às 16h04

As críticas aprimoram.
No caso brasileiro sempre perdemos mais tempo, mas chegaremos lá.
Os "Dôtor" de todo o Brasil aprenderam com o "doutor dos doutores", Lula, que esse País tem jeito, sim!
Se tá errado, volta atrás e vamos em frente.

Só falta um grande veículo de comunicação que não sabote o País pois, infelizmente, os "blogs sujos" tem limitações!

Desesperar, jamais… Aprendemos muito nesses anos…
Afinal de contas, não tem cabimento entregar o jogo no "2° tempo"

Responder

Paulo

18 de julho de 2011 às 16h01

Ridículo! Tempestade em copo d'água. Quanta energia para tema tão irrelevante.

Responder

rodrigo.aft

18 de julho de 2011 às 12h01

Conceição L.,

qto à reportagem, uma analogia… show de bola… mandou bem!!!

Responder

leoleo

18 de julho de 2011 às 11h28

comer MD faz mal, mas rabada, dobradinha, feijoada, mão de vaca, torresminho, sururu, sarapatel, pizza, lasanha, galinha a cabidela, tudo isso regrado com cachaça e cerveja de monte, faz BEM???
que campanha contra o EUA rsssssss e o pior é virar amiguinho dos CHINAS, rssss comer barata assada no palitinho rsssssssssssss.

Responder

    Cronopio

    18 de julho de 2011 às 12h42

    Caro Leo, acho que você tem uma visão um pouco antiquada das contradições que movem o capitalismo atual. Há milhares de lanchonetes McDonald's na China, você pode confirmar isso com uma pesquisa no google. Acho que está na hora de você rever os seus conceitos, o mundo mudou bastante desde o fim da guerra fria, sabia?

Cléris Cavalheiro/RS

18 de julho de 2011 às 10h20

Viva os blogueiros(as) sujos!! (amo muito todos eles (as)) ,"limpando" fazendo até MINISTROS tentar limpar suas cacacas …. digo "equivocos". KKKKK

Responder

Silvia Bartolo

18 de julho de 2011 às 09h52

Uma reportagem simplesmente maravilhosa.

Meus parabéns.

Deu um show.

Responder

Cláudio

18 de julho de 2011 às 07h42

Viva o Brasil ! ! ! Viva(m) as esquerdas (brasileiras e mundiais) ! ! ! . . . Viva o povo brasileiro ! ! ! Viva aos trabalhadores do mundo inteiro ! ! !

Responder

Evandro

18 de julho de 2011 às 01h46

Doação pra campanha eleitoral: amo muito tudo isso!

E tem gente achando ainda que o Ronald Mcdonad`s é que é o palhaço.

Responder

Renato Lira

18 de julho de 2011 às 01h07

O McDonalds "parceiro da saúde" é dose pra elefante.

Os alimentos do McDonalds são bombas calóricas.

Mas quem nunca comeu um McDonalds?

Qualé!

Eu mesmo, pelo menos uma vez por mês como num McDonalds, num Giraffas, num Burger King, Bob's…

E não vejo problema nisso.

O problema é o MS se deixar usar por uma jogada de marketing do McDonalds.

Agora, sujeito querer o banimento do McDonalds, é dose também.

Responder

visitante

17 de julho de 2011 às 21h55

Pelo jeito o negócio é expulsar o MCD do Brasil, segundo percebo em comentários.

A Conceição trouxe um texto belíssimo explicando tim por tim.

Voces falam em educar.

Educar o MCd não pode?

Responder

    Leider_Lincoln

    18 de julho de 2011 às 08h44

    E ele tentou educar? O que vimos foi tentativa de enganar, não é mesmo? E qual a utilidade do McDonalds? Que falta faria ao país?

    Cronopio

    18 de julho de 2011 às 12h52

    Caro, Lincon, acho que não faria falta nenhuma, vendem comida de péssima qualidade. Concordo com você nesse ponto. Contudo, não acho que expulsar o McDonald's do Brasil resolveria o problema. Até porque existe uma demanda muito grande por parte dos consumidores que, como nós sabemos, foram induzidos (por bombardeio publicitário e coerção social difusa) a engolir essa substância pré-digerida. A péssima qualidade do sanduíche que a população se aperta nas filas para adquirir a preços extorsivos só prova que a publicidade cultural faz o que bem entender com as subjetividades que ela mesma forjou. Agora, quanto à parceria entre o estado e o setor privado, acho que o problema infinitamente mais grave se dá no caso dos bancos e do capital financeiro. Aí o buraco é mais embaixo e envolve uma reflexão mais profunda sobre qual o sentido de falarmos atualmente em democracia e sobre o papel de coadjuvante que os estados assumiram depois dos anos 80.

operantelivre

17 de julho de 2011 às 20h25

São erros graves evitáveis.
O que que estes ministros estão defendendo?
Dilma, dá um jeito nisso. Manda demitir os assessores desse Padilha ou troca logo o cara.
Não me parece ser um caso de falta de competência. É falta de outra coisa.

Responder

operantelivre

17 de julho de 2011 às 20h02

É difícil crer que "o pessoal incumbido da tal “parceria” não havia percebido a delicadeza do tema nutrição. Muito menos entendia o que é, de fato, promoção de saúde. Lá não tem ingênuos. É incompreensível esta associação até mesmo para campanhas de vacinação. Vacinação é coisa boa; junk food é coisa ruim e nunca será coisa boa. Será que é decente associar o uso do álcool ou do tabaco com alguma coisa boa? Aliás, talvez eu seja um pouco radical, mas, o CONAR deveria controlar as propagandas daquilo que incontestavelmente faz mal à saúde. E isto não é pensando numa pessoa em particular e sim no gasto público do Estado, evitável, que esta alimentação podre acarreta aos que, ainda jovens, sucumbem ao sabor.

Talvez seja o caso de ao menos obrigar a colocar após os comerciais frases de advertência, como se faz com álcool e fumo. McDonalds é como combustível adulterado, com a diferença de que é mais caro hoje e no futuro para consumidores frequentes. Corrói e mata. O Estado deveria ter atitudes exatamente ao contrário de endossar com vistas grossas. Deveria regulamentar o uso e propaganda dada a penetração que estes alimentos tem na população. Acho que no futuro os Estados terão que declará-los inimigos da Saúde, como fazem com o Tabaco. É só uma questão de tempo para uma politica séria de alimentação. McDonalds é uma droga, uma arma. E não digo isto como antiamericano e sim como vítima de outras ausências do Estado.

Responder

    beattrice

    18 de julho de 2011 às 10h51

    Essas jogadas de marketing da rede McDonald's ficam claríssimas em relação ao futebol por exemplo, cientes da paixão brasileira pelo esporte, sistematicamente nas Copas lançam cardápio e vinhetas especiais, tb são parceiros da CBF Conceição?

    Conceição Lemes

    18 de julho de 2011 às 17h49

    Beattrice, sei desse cardápio especial. Mas não saberia te dizer se a cadeia teria parceria formal com a CBF. Até porque essas parcerias mudam. Agora, que o objetivo dessa estratégia da McDonald's é tirar proveito do evento para lucrar, não há a menor dúvida. Na prática, se apresenta como o lanche da Copa. Assim como os fabricantes de cerveja aproveitam as Copas para estimular o pessoal a se reunir e comemorar com cerveja. bjs

    Bruno

    19 de julho de 2011 às 14h47

    O McDonald's é patrocinador mundial da FIFA. Assim como a "brasileira" ABInbev.

    beattrice

    19 de julho de 2011 às 16h39

    Olha aí Conceição, FIFA E CBF tudo a ver, elas amam muito TUDO ISSO!

Marcos Pereira

17 de julho de 2011 às 19h50

Conceição

Já vi muito disso por ai! Empresas que alisam governantes com bondades aparentemente gratuitas que não passam de maneiras indiretas de promoverem o que não são. Na Educação, como na saúde, há dezenas dessas espertas empresas que oferecem "parcerias" para promover suas marcas e abrir futuros campos de negócio. Os administradores públicos caem como patinhos, alguns, outros recebem o seu quinhão, nem que seja o tal almoço aparentemente grátis.

Essa do Padilha é mais grave, mostra uma ingenuidade de ministro de primeira viagem, que cai no conto da empresa absolutamente questionável e que quer ser politicamente correta a qualquer custo.

Com essa sua tacada de mestre você coloca tanto o Macdonalds como o Ministro nas cordas, eles que se cuidem que tem gente boa de olho nessas besteiras. Com sua didática, só não aprende que não lê esse blog. Lição de casa para os Ministros da Dilma!

Responder

beattrice

17 de julho de 2011 às 19h24

Conceição, uma análise brilhante em um artigo irretocável.
Em tempo,
o problema não é de assessoria (= forma), mas de ministro (= conteúdo), o Ministério da Saúde não conduz uma agenda nacional, progressista, voltada para as necessidades da população e os compromissos eleitorais.

Responder

Médicos puxam a orelha de pais e mães | Viomundo - O que você não vê na mídia

17 de julho de 2011 às 19h17

[…] Clique aqui para ler a reportagem “Ministro, ‘filho feio’ não tem pai: Lições d… […]

Responder

@jaimebalb

17 de julho de 2011 às 16h53

Há exageros grosseiros no texto. O MS tem milhares de ações com parceiros dos mais diversos visando atingir toda a variedade de nossa população numa rede de divulgação de hábitos saudáveis e campanhas das mais diversas. NÃO VEJO PORQUE O MCDONALDS NÃO POSSA SER TAMBÉM UM PARCEIRO DO MS, se seu produto é legal, pode ser consumido com moderação sem problemas e atinge um grupo de pessoas de classse média normalmente desatentos com os hábitos alimentares.

Responder

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 19h10

    E lá vem o lobby do MS.

    João Bahia

    17 de julho de 2011 às 19h28

    Sendo assim, o MS poderia fazer uma parceria com a Souza Cruz também… o produto deles também é legal… (liberar cigarro, big mac, big brother e proibir maconha é um contra-senso)..

    Renato Martins

    18 de julho de 2011 às 22h31

    Jaime, olhe que eu não acho que quem come produtos MD é criminoso, apenas sucida! Tenho a honra de nunca ter cruzado a porta de uma lanchonete MD, pois nunca tive vontade de comer aquilo.
    Mas estou estupefato de você defender que a parceria deve ser feita porque os habitués (nem sei se se escreve assim) de tais produtos são pessoas desatentas aos bons hábitos alimentares. Pois azar o deles!

João Luiz Cardoso

17 de julho de 2011 às 16h06

De e- [email protected] para [email protected]

Meu querido Alexandre (desculpe-me a intimidade, mas vc poderia ser mais que meu neto) dia desses encontrei por aqui Samuel e sua inseparável Jovina, estavam preocupados com o curso da denatada saúde pública ai em baixo. (Confesso que eu também, desde a ameaça do tal mocinho carioca, expertíssimo em organizaçõe$ s$ociai$, quase deixa voce de fora).Mas isso é passado e o velho Guerreiro Samuel s e sua Jovina nem se parece que nem se aperceberam da (quase) tragédia.
Samuel estava indignado pelo fato "daquele moço de Santarém" (sic) ter começado a discutir "SAUDE" no Sírio LIbanes, excelente serviço técnico (embora rejeitado recentemente por gente grossa), mas que nunca foi o forum para se falar das mazelas da nossa moribunda saúde pública. Voce realmente pisou na bola.
Agora vem essa misturança com fabricante de cachorro quente!
Meu filho, tome cuidado, essa gente não dorme de botina e voce, no ímpeto de querer fazer, pode estar na verdade levando água pro moinho dos outros.
Torcendo para que tudo acabe bem, aceite meus votos de profícua gestão.
Do admirador

Josué de Castro

PS.Tentei falar com o Élio, do qual já fui admirador, mas não consegui. Assim uso o modelito dele pra entabular essa arenga.Creio que Élio não vai se encomodar.

Responder

Roberto Locatelli

17 de julho de 2011 às 14h54

Essa matéria está excelente, pois faz oposição ao Governo PELA ESQUERDA, cobrando coisas que não interessa ao PIG transformar em escândalo. Ao contrário, PIG e McDonalds são farinha do mesmo saco.

Responder

Marat

17 de julho de 2011 às 14h44

Boa parte do Ministério da Dilma é fraquíssimo e refém do MERCADO!

Responder

    mario

    17 de julho de 2011 às 17h10

    BOA parte tipo assim 99% né? Só escapa o Haddad.

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 19h15

    A maior parte, a quase totalidade de fato.

Marat

17 de julho de 2011 às 14h43

É bem provável que o ministro coma aqueles lanches transgênicos e que sorria ao ver seus netinhos mastigarem a tal iguaria…

Responder

Bruno

17 de julho de 2011 às 14h02

Mundo engraçado. Estão atacando uma empresa por fazer uma campanha educativa que nada tem de mentirosa.

Responder

    João Bahia

    17 de julho de 2011 às 19h32

    A campanha sugere uma associação de comportamentos com resultados que são mentirosos..

Carlos Nunes

17 de julho de 2011 às 14h02

Claro que ter a conivência do Estado nesse tipo de campanha é preocupante, mas creio que a questão é mais profunda.
É uma falta de capacidade de reação das várias esferas públicas e sociais ao movimento de apropriação do discurso (ecológico, sustentável, etc) que as empresas estão fazendo aquilo que antes era uma crítica aos seus modelos de negócio.
Hoje fast food se diz saudável; bancos, sustentável (mostra aí então a tua carteira de crédito, para que tipo de empresa tá indo o dinheiro); industria cosmética; ecológica ( de onde vem a matéria prima?); e a industria automobilística só anuncia comerciais com ruas vazias ( queria saber onde conseguem filmar isso? se duvidar conseguem autorização pública para fechar uma via para poder filmar), como se os congestionamentos não tivessem direta relação com a venda de veículos. E agora tem até comercial de carro tendo como paisagem de fundo aerogeradores, na nítida intenção de associar o veículo a energias limpas.
Cade o CONAR, o MP….???
Ou a quem cabe checar se o discurso comercial tem validade?
O que define propaganda enganosa? E quem controla isso?

Responder

    Cronopio

    18 de julho de 2011 às 13h31

    Exatamente, Carlos Nunes. Acho que essa cooptação dos movimentos críticos tem se acentuado cada vez mais. No blog do "passa-palavra" está rolando um debate muito quente sobre a apropriação dos recursos do estado e das reivindicações dos movimentos sociais pelo mercado. O texto chama "a esquerda fora do eixo", vale a pena dar uma olhada. Penso que as grandes corporações vem investindo cada vez mais em sua imagem social diante do público consumidor. A mesma empresa que explora trabalho escravo investe em uma ONG que ajuda crianças em situação de risco. Isso acontece porque as grandes empresas, e mesmo os governos atuais (que, cada vez mais, são gerenciados de acordo com a lógica empresarial) funcionam de modo impessoal. Há setores que fazem o marketing, setores de produção, financeiro, etc. Acima de tudo, situa-se a necessidade da gestão eficiente (cada vez mais um sinônimo de valorização dos ativos). No plano da circulação, acho que as análises do filósofo Zizek, embora um pouco grandiloquentes, dão conta de explicar o fenômeno. Agora, caberia uma análise que se debruçasse sobre as relações de produção, essas são infinitamente mais complexas e dizem respeito ao processo de concentração de renda e de predomínio do capital financeiro.

    Myriam

    18 de julho de 2011 às 16h44

    Falou tudo!

Eduardo Guimarães

17 de julho de 2011 às 13h55

Brilhante, Conceição! Só você mesmo. E nota zero para o ministro Padilha.

Responder

    EUNAOSABIA

    17 de julho de 2011 às 20h09

    Fogo amigo velho??? cuidado msno…

urbano

17 de julho de 2011 às 13h08

O tal de marketing é algo fantastico. mas como emprega muitos profissionais do engôdo vai de vento em popa.
As lochonetes de Fast Food são "campeãs " da boa nutrição. As mineradoras e fabricantes de automoveis as "campeãs" do Eco Sistema. e ate fabricantes das abominaveis caixinhas tetrapak são dos maiores defensores do meio ambiente. Essa é a verdadeira questão. o mais são firulas

Responder

assalariado.

17 de julho de 2011 às 12h59

Não sei quem disse esta frase, é verdadeira? -( "Uma imagem diz mais que muitas palavras." )-

Fato é que, o deus mercado que, age através do deus dinheiro é: ONISCIENTE, ONIPRESENTE e ONIPOTENTE.

–ONISCIENTE: que sabe tudo e que, nos manipula a todos, e prega, o pensamento único e colhe, o senso comum.Não é mesmo Sr. ministro?

–ONIPRESENTE: que esta ao mesmos tempo em todos os lugares e mentes. Com a devida lavagem cerebral de seu braço politico, ideologico. O PIG, 24 horas em nossos lares.

–ONIPOTENTE: que tudo pode, que tem poder absoluto sobre a terra e os homens. É uma erva daninha, chamada de sociedade capitalista e seus comandantes burgueses, "invisiveis" a olhos nu. A não ser através de suas guerras, salarios miseraveis entre outros males e violencias sociais…

Saudações Socialistas.

Responder

Flavio

17 de julho de 2011 às 12h51

Olha meu querido, vou paradiar o Nego Véio, " isto aí esta igual a tosquia de porco, é muito grito e pouca lã".
Vejo como um tema que não merece comentários a não ser que a foto do ministro com o diretor da fast food encomode em muito alguns, mas se for por isto, tem muita foto perigosa por aí…
Quem neste País come este treco dae, quem? A obesidade no Brasil esta na faixa dos mais pobres, com certeza estes não comem nesta lancheria, sim lancheria, porque se é padaria, mercearia, é lancheria e não lanchonete…

Responder

PAULO P,

17 de julho de 2011 às 12h50

Azenha. Fora de tema. Mas e' otma…
…………………………………………………………..

Desgoverno de Fernando Henrique Cardoso:

Na época em que era presidente, FHC encomendou uma pesquisa para saber a quantas andava a opinião do povo sobre seu governo. Quando chegou o resultado, o pesquisador foi logo dizendo:
– Presidente, tenho duas notícias. Uma boa e outra ruim.
O presidente então lhe diz:
– Quero primeiro as boas notícias.
O pesquisador então diz:
– Presidente, o povo esta dividido. 50% de otimistas e 50% de pessimistas.
O presidente vira para o pesquisador e diz:
– Vamos primeiro às boas noticias. O que estão dizendo os otimistas?
– Bem, os otimistas estão dizendo que se as coisas continuarem assim, o povo brasileiro logo vai ter que comer merda.
– Os otimistas??? – grita logo o presidente. – Então, o que dizem os pessimistas??
– Bom – responde o pesquisador – Os pessimistas dizem que se as coisas continuarem assim, a merda não vai dar para todos!!

Responder

    Daniel

    18 de julho de 2011 às 10h03

    Verdade pétrea essa anedota tirada da realidade que sobrevivíamos à época do primeiro e segundo reinado do Fernando 2º, o louco.

diogojfaraujo

17 de julho de 2011 às 12h32

"Já pensou, ministro, se essa foto cai em mãos de uma criança que bate o pé todo dia para comer batata-frita e lanche da McDonald’s, e os pais não deixam, pois batalham para que ela tenha alimentação saudável? E se ela ainda usar como álibi: Pai/mãe, se não fosse saudável, o ministro Padilha diria e não tiraria foto junto, né?"

Politizada essa criança, não???? Ótimo texto, pra variar, mas aí já é viagem, com todo respeito…

Responder

    Conceição Lemes

    17 de julho de 2011 às 14h44

    Diogo, ok. Respeito a tua discordância.

    Eu acompanhei a luta contra a aids desde o comecinho. Nunca me esqueço da infeliz entrevista que o David Uip deu à revista Veja, dizendo que aids não passava de mulher para homem. Vc não tem noção de como essa informação equivocada foi festejada inclusive pelos médicos do Hospital das Clínicas de São Paulo. A perspectiva de a homarada não precisar usar camisinha, já que não corria risco de pegar o HIV — foi essa a leitura feita — causou frenesi.

    Vc não tem noção de quanto estrago a estupida entrevista do David Uip causou nas estratégias de prevenção. Eu cobrei isso do doutor Uip numa entrevista no antigo Roda Viva: Doutor, se em função da sua entrevista, algum homem deixou de usar camisinha por se sentir "protegido" e se contaminou? Como é que faz? O que o senhor tem a dizer?

    Quem lida com saúde pública, não pode se dar ao luxo de dizer besteiras, informar errado. Vc não sabe onde a sua informação vai chegar.

    Saúde é uma área em que não podemos dizer no dia seguinte: sinto muito, nós erramos. Em função de uma informação equivocada, pode-se jorgar a pessoa nos braços de um tratamento fajuto que pode lhe custar até a vida!!!!

    Como repórter de saúde, tenho a obrigação de pensar em todas as possibilidades e ser o mais fiel possível à realidade dos fatos. É o que eu tento fazer o tempo o inteiro. Afinal, estou lidando com o bem mais precioso de todos nós — a própria vida. abs

    Morvan

    17 de julho de 2011 às 15h34

    Boa tarde.
    "Vc não tem noção de quanto estrago a estupida entrevista do David Uip causou nas estratégias de prevenção. Eu cobrei isso do doutor Uip numa entrevista no antigo Roda Viva: Doutor, se em função da sua entrevista, algum homem deixou de usar camisinha por se sentir "protegido" e se contaminou? Como é que faz? O que o senhor tem a dizer?
    "…

    Conceição Lemes, qual foi a sua (dele) resposta? Ou, alternativamente, tem fonte desta entrevista (via YouTube ou serviço similar)?
    Para quem não assistiu à entrevista, como eu, a resposta deste cidadão é fundamental.
    E parabéns pela sua postura (
    quando é um assunto mais específico da sua área você "azenha, quer dizer, 'azunha'
    (Sic!)"…

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    Conceição Lemes

    17 de julho de 2011 às 16h43

    Morvan, saiu pela tangente, disse que não havia dito aquilo. Insisti, pois conhecia os bastidores. Infelizmente, meus colegas de bancada não quiseram aprofundar o debate. Acho importante relembrar essas histórias, para que elas não se repitam. É educativo. abs e obrigada pelas palavras tão gentis.

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 19h14

    Conceição, infelizmente o seu questionamento tornou-se cada vez mais raro e atitudes como a q vc descreveu e a q o Padilha hoje protagoniza tornaram-se mais e mais frequentes, a saúde brasileira não está em boas mãos.

    Morvan

    17 de julho de 2011 às 19h18

    Boa noite e obrigado pelo retorno.

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    diogojfaraujo

    18 de julho de 2011 às 08h14

    Agora entendi o porquê da frase…. Boa!!!!! E valeu pela resposta!

O_Brasileiro

17 de julho de 2011 às 12h28

Concordo com os demais comentários que dizem que o problema é a ASSESSORIA FRACA.
Infelizmente, isso ocorre em todos os ministérios porque os critérios de promoção são "puxar o saco" e indicação política, e não por mérito. E isso se repete nas secretarias estaduais e municipais por todo o país.

Responder

    aposentado

    18 de julho de 2011 às 13h01

    Não generalize pois está falando bobagem .Existe muita gente competente pois já ocupei cargo de assistentes e embora fosse contraria a minha ideologia , fui escolhido pela minha competencia profissional e nunca por apadrinhamento politico.Sempre briguei por meu ponto de vista.

EUNAOSABIA

17 de julho de 2011 às 12h14

Saudades do Melhor Ministro da Saúde do Mundo.

Já já sei pelegos a soldo… podem expelir sua baba de ódio… fazer o quê??? temos que conviver com essa mediocridade mesmo….

Responder

    Conceição Lemes

    17 de julho de 2011 às 14h30

    Saudades do que, eunãosabia? Melhor ministro da saúde, o Serra?!!! Só pro PIG, cara pálida!!! Ele se arvorou como tal em cima de projetos que NUNCA foram criados por ele. Só que a grande imprensa ignorou tudo isso. Vc não sabia, eunaosabia?

    Cubro a área de saude há quase 30 anos. Nunca vi um ministro da Saúde passar a mão em tantos projetos dos outros como o Serra. Eu denunciei aqui mesmo no Viomundo a mentira de o Serra havia criado o maior programa de aids do mundo. O "filho" lindão não era dele, mas do professor Adib Jatene e de Lair Guerra de Macedo. São o pai e a mãe da criança.

    Assim como denunciei que o Serra não foi o pai dos genéricos, mas o ministro Jamil Hadadd, já falecido. E a vacina da gripe suína, que foi comprada pelo Ministério da Saúde, leia-se governo federal, e o Serra deu coletiva como se o governo dele estivesse distribuindo para todo o país.

    Quer mais ou tá bom? Não vá babar de ódio. E olha que eu não listei os filhos feios que o Serra fez de conta que não era dele?! Basta ir ao…

    Cmo repórter tenho de ser caninamente fiel à verdade dos fatos.

    O ministro Padilha equivocou-se, sim, na estratégia mas voltou atrás. Ótimo. Parabéns. Melhor, claro, que não tivesse se equivocado. Mas paciência. Que o episódio sirva de lição, para que isso não se repita Assim como milhões e milhões de brasileiros e brasileiros, eu quero e torço ardentemente para que a saúde pública dê um salto quantiativo e qualitativo no Brasil. E eu sei que o Padilha tem esse compromisso.

    Diferentemente do Serra que usurpou projetos dos verdaeiros donos — claro, que os filhos bonitos — e não assumiu o roubo. E quando jornalistas o questionavam, pedia a cabeça desses profissiionais.

    Portanto, com esses argumentos falaciosos e sofismas, aqui no Viomundo, na área de saúde, vc não vai se criar. Sorry. abs

    Euripedes Ribeiro

    17 de julho de 2011 às 15h21

    Acho que não entendestes a alusão, Dra. Conceição. Quando o "Eunãosabia" (e não sabe nada ainda) citou o melhor ministro da saude do mundo, ele estava se referindo ao Exmo. Sr. Doutor José Gomes Temporão. Posto que ao que me consta, esse outro aí, ao qual a senhora se referiu, dificilmente seria lembrado por alguém, como ministro da saude, (ou como qualquer outra coisa) depois daquela dos porquinhos. Já o Exmo. Sr. Dr. José Gomes Temporão foi um dos melhores ministros da saúde que o Brasil já teve! Quiçá o melhor.

    Conceição Lemes

    17 de julho de 2011 às 16h46

    Euripides, doutora, não, rsrsrs, please. Primeiro, sou jornalista.Mais precisamente repórter. É o que eu adoro fazer. Segundo, o eunaosabia se referiu, sim, ao Serra. abs.

    Euripedes Ribeiro

    18 de julho de 2011 às 20h54

    É mania que eu tenho, chamar de doutor ou de excelência, toda pessoa que eu gosto e admiro. (including me) Eu sei que o "eununsabia", e não sabe mesmo, estava se referindo ao Nosferato, mas eu quiz dar a entender, que de energúmeno tal, nem ha notícia de outro qualqur.

    EUNAOSABIA

    17 de julho de 2011 às 15h33

    Sobre essa questão da saúde…. é a mesma coisa.. ou ainda pior… os programas socias de Lula já existiam… e não tem absolutamente NADA que tenha saído da cebaça dele.. foi tudo…usurpado como a senhora diz…

    Mas se o que Serra fez já existia e nunca saiu do papel de quem é o mérito?? ora… quando eu fiz minha primeira pós graduação, eu lembro de uma matéria que tratava de negociação…. lembro que na época do lançamento do programa anti AIDS, Serra escreveu artigos e publicou em jornais do exteiror, mostrando que o custo elevado dos medicamentos matava gente pobre em países pobres… foi daí que começou esse movimento para quebra de patente… fosse Lula e o PT, sem idéia original alguma, iriam propor claro algum tipo de bolsa medicamento.. ora.. isso é ineficaz, mas dá voto, rende votos e o cara ainda se passar de bozinho…se o que Serra fez foi por em prática idéias dos outros, mérito dele também.. ou acha que a roda precisa ser reinventada??

    Cronopio

    18 de julho de 2011 às 13h17

    Caro "EUNAOSABIA", você parece obstinado em reduzir todo debate a uma comparação entre o Governo Lula e o Governo FHC, ou entre PT e PSDB. Acho que você perderia menos tempo se tentasse enxergar os problemas de modo menos enviesado. Admito que a mesma "satanização" do adversário ocorra em ambos os lados (e não escondo que me posiciono à esquerda no debate), mas a única possibilidade de avançarmos no debate e pararmos de discutir os efeitos no lugar das causas é perceber que existem problemas estruturais subjacentes a essa dicotomia. E o que é pior, que sobredeterminam as reivindicações ambos os lados.

    Bruno

    19 de julho de 2011 às 15h00

    Me parece que gente reducionista que quer transformar qualquer discussão em Lula x FHC é comuníssima entre os "progressistas" também. O que é uma pena, porque enfraquece o debate.

    EUNAOSABIA

    17 de julho de 2011 às 15h44

    Só para finalizar.. ainda no campo da usurpação de obra alheia..tem uma que lembrei agora…

    Eu ouvi isso de uma professora doutora em ciência política numa mesa de mestrado na UNICAMP…

    "O Ministro Fernando Haddad, fez um grande esforço para manter as políticas de educação implantadas por Paulo Renato""… essa professora que disse isso, lembrou que o PT era contra o que foi feito por Paulo Renato e queria mudar tudo, mas Lula bancou Haddad e manteve tudo que já vinha sendo feito no governo de FHC… essa professora está longe de ser tucana…ela lembrou ainda.. que as medidas implantadas por Paulo Renato, foram debatidas e idealizadas por professores da UNICAMP.. quando ela disse isso… apontou o dedo indicador para o chão… em sinal de que as idéias sairam dali…

    Tem gente que é PhD em usurpar obra alheia… não tem?

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 19h18

    Alto lá, em matéria de educação o Paulo Renato entendia mesmo é de adega, como aquela que ele montou, famosíssima em SAMPA.

    Leider_Lincoln

    18 de julho de 2011 às 08h52

    Salvo engano o Paulo Renato foi reitor da Unicamp, correto? E você "ouviu", perfeito. De que professora? Que mesa de mestrado?
    Por que acreditar em uma pessoa que nem seu nome mostra acerca de uma conversa que ninguém ouviu com uma professora que ninguém sabe quem é numa banca que ninguém sabe qual seria muita ingenuidade, não acha?
    E dizer que a administração do privatista Paulo Renato foi copiada pelo expansionista Fernando Hadad é coisa que só alguém com mais intestinos que cérebro faria.
    E você Richard Smith, não tente nos tratar como idiotas.

    Julio Silveira

    17 de julho de 2011 às 15h54

    Moro aqui no RS a longo data Conceição e aqui tem um ditado que vem bem a calhar para essa situação, por gastar sua verve com um alienado, por que me desculpe gente que usa esse nick, eunãosabia, sequer devia ser considerado afinal admite que nada sabe. O ditado é, não se deve gastar pólvora em chimango.

    Calves

    17 de julho de 2011 às 16h55

    É, Conceição, ele não vai se criar aqui no Viomundo, mas atinge parcialmente seu objetivo: desgastar o espaço de debate aberto, de pessoas que querem construir algo bom para o Brasil.

    O negócio dele é desconstruir com base em sofismas, provocações, mentiras, etc. É um tipo antigo em nosso meio. Eles sabem que no argumento nunca ganham.

    Arlete

    18 de julho de 2011 às 11h05

    ai ai ai quanta hipocrisia!

    Bruno

    19 de julho de 2011 às 15h02

    Gente querendo eliminar o debate é o que não falta aqui. Aí estão as negativações dos meus comentários que não me deixam mentir.

    Francelino

    18 de julho de 2011 às 10h00

    Conceição, que bom que finalmente estão minando os trolls do Viomundo! Muito obrigado!

    Será que novamente será produtivo comentar aqui?
    Há outros trolls na mira?

    Leider_Lincoln

    17 de julho de 2011 às 16h11

    Aquele que usou dinheiro público para contratar uma trambiqueira para lhe dar este prêmio?
    Bem lembrado, Richard Smith, bem lembrado.
    Para os que se esqueceram deste episódio patético, é só digitar "farsa" "Serra" "ONU" e "Saúde" no Google.
    Nossa, que vergonha alheia! Ainda bem que você nos lembrou, prezado Richard…

    El Cid

    17 de julho de 2011 às 17h04

    eis o órgão utilizado pelo troll acima para o raciocínio dos seus comentários:

    <img src=http://www.google.com/imgres?imgurl <a href="http://=http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/corpo-humano-sistema-digestivo/imagens/figado-7.jpg&imgrefurl=http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/corpo-humano-sistema-digestivo/figado-1.php&usg=__ZjXSaLhWWX_1naMxPRRZOJFlK2o=&h=440&w=750&sz=22&hl=pt-BR&start=2&zoom=1&tbnid=oWt3g7ZgVkg3wM:&tbnh=83&tbnw=141&ei=wj8jTprMAoun0AG5wbGvAw&prev=/search%3Fq%3Df%25C3%25ADgado%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26biw%3D1024%26bih%3D653%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1&gt;” target=”_blank”>=http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/corpo-humano-sistema-digestivo/imagens/figado-7.jpg&imgrefurl=http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/corpo-humano-sistema-digestivo/figado-1.php&usg=__ZjXSaLhWWX_1naMxPRRZOJFlK2o=&h=440&w=750&sz=22&hl=pt-BR&start=2&zoom=1&tbnid=oWt3g7ZgVkg3wM:&tbnh=83&tbnw=141&ei=wj8jTprMAoun0AG5wbGvAw&prev=/search%3Fq%3Df%25C3%25ADgado%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26biw%3D1024%26bih%3D653%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1>

    El Cid

    17 de julho de 2011 às 18h00

    eis o órgão de raciocínio do babaca acima:

    <img src <a href="http://=http://ixamostradepesquisa.pbworks.com/f/foto%20figado.jpg&gt;” target=”_blank”>=http://ixamostradepesquisa.pbworks.com/f/foto%20figado.jpg>

    Sir Roderick

    17 de julho de 2011 às 18h18

    Caro Eunucosabia, os satânicos comunistas que comemtam neste blog sujo são incapazes de perceber a genialidade do mais preparado dos homens bons, o Almirante do Tietê, nosso presidente de nascença. Eles não conseguem ter a percepção da realidade, uma vez que estão cegos pelo bolchevismo Evo-chavo-lullo-dilmistico.

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 19h16

    Hummmm… o da máfia das ambulâncias?

JOSE DANTAS

17 de julho de 2011 às 11h35

Votamos em um candidato ou grupo político e exigimos que ele atue exatamente de acordo com aquilo que pensamos, já que nem tudo é incluído numa proposta eleitoral e, como isso é impossível, vem a frustração e o descontentamento geral.
Eu vejo aqui a maioria se posicionando como capacitada a assumir qualquer cargo público e criticando duramente seus ocupantes como se fosse fácil esse tipo de missão. O sujeito é especialista em um determinado assunto, com décadas de estudos a respeito do mesmo e acha que existe uma figura que além de ter o mesmo nível de conhecimento da sua área, tenha também sobre as demais e ainda por cima seja obrigado a concordar com a sua linha de raciocínio, que muitas vezes é duramente contestada pelos seus próprios colegas.
Quem tem motivos para agir assim é uma mídia tendenciosa como a que temos. O direito de criticar é sagrado, principalmente quando o criticado está no seu cargo por vontade própria. Agora, precisamos separar a crítica da tentativa de exercer o comando sobre quem ocupa o cargo, até porque ninguém é dono da verdade e cada qual pensa a seu modo.

Responder

Morvan

17 de julho de 2011 às 11h00

Bom dia.
Fiquei matutando durante algum tempo qual vai ser o próximo recuo: direitos sobre o corpo, comunicação (ou, melhor dizendo: Ministério da Falta de Comunicação – Banda Estreitíssima), Lei dos Meios, etc., etc.; este é um Governo de coalizão (não parece ser a que queríamos!) – com o retrocesso.
Observe-se que só aqui existe a expressão "Fast Food"; lá, na metrópole, se chama "Junk Food".
A tradução de "junk food" já nos diz que a parceria jamais poderia ser concebida como algo saudável (trocadilho não intencional) para a sociedade.
Não me parece problema de Assessoria. Venho dizendo, amiúde, que este Governo procura o consenso como um fim em si mesmo (consenso com a direita).

Adeus, banda larga; adeus, Lei dos Meios…

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

    JOSE DANTAS

    17 de julho de 2011 às 19h26

    Com certeza esse é um governo de coalizão e é assim que terá que funcionar e não fechado na bolha petista. O Lula fez um grande governo e também usou e abusou dos acordos, sem os quais teria caído na onda do mensalão.
    Se o governo petista virar as costas para os aliados da última eleição perderá a credibilidade que detém junto aos mesmos e pode ir se despedindo do poder, que retornará para o PSDB com qualquer candidato que seja, uma vez contando com esse apoio, que pode até ser uma pilastra podre, porém é o fiel da balança e sem ela ninguém se segura no poder, pelo menos enquanto existirem "elbas" por aí.
    Não há governo exatamente do jeito que queremos, nem que sejamos o próprio presidente, ou você acha que a Dilma concorda com tudo isso que acontece no seu governo?

    Morvan

    17 de julho de 2011 às 22h07

    Boa noite.
    JOSE DANTAS, obrigado pela análise. Você tocou num ponto importantíssimo: eu gostaria, como brasileiro, de saber o que pensa a Presidente. Sobre muitos recuos – Ou você também acha que o silêncio, às vezes, não é mais eloquente do que a emissão do som?
    "Dilma, porque non hablas"?

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    JOSE DANTAS

    18 de julho de 2011 às 07h08

    Morvan,
    É que o Brasil é o país do "faz de contas". O "cala" da Dilma pode consentir mesmo sem concordar, porque as circunstâncias assim exigem.
    A Dilma, mesmo presidente, ainda não tem votos e muito menos apoio parlamentar, tudo isso é também na base do "faz de contas" e do "toma lá da cá".
    Se ela chegar a conquistar um apoio popular igual ao Lula, mesmo assim sua própria permanência no governo ainda depende do apoio de muitos caciques que sabem tudo que rolou e rola lá pra cima e usam isso como moeda de troca, tanto nas decisões como nas ameaças.
    Os tucanos enquanto governo eram um bloco fechado numa maioria sólida e tudo se arrumava em casa e com apoio da mídia. Esse é o grande perigo de um eventual retrocesso. Os apoios do PT são fungíveis e o "acordo" sempre se faz necessário, por outro lado a mídia marca em cima e por essa razão o país de hoje é melhor que o de ontem para a maioria dos brasileiros. No Brasil ainda prevalece o bipartidarismo, por mais que se queira mascarar e a maioria fica em cima do muro escolhendo onde deve pular.

Calves

17 de julho de 2011 às 10h42

OK, o Ministro respondeu, voltou atrás e tal.

Mas por que, cargas d'água, o Ministério da Saúde faz parceria com Mac Donalds que reconhecidamente vende produtos que não devem constituir alimentação cotidiana?

Por que Ministro, por que? Qual o ganho político institucional? Mais importante, o que a saúde do povo brasileiro ganhou com essa parceria?

Não vamos amplificar esse faso desmesuradamente, exageradamente. Não me parece o caso. Mas fica um sentimento de frustração com um Ministro que vem sendo apontado como um profissional competente e um gestor público capaz.

Responder

Julio Silveira

17 de julho de 2011 às 10h36

O que demonstra tudo isso? demonstra que o País está muito mal servido de pensadores para suas coisas e seu povo. Que a capacidade de gestão é medida por QI politico, e aí não vai uma critica ao governo em sí, é geral na politica, temos sido administrados de longa data por gente despreparada e sem qualificação para as funções publicas, que só estão lá por falta de visão da sociedade para o despreparo dessa gente, e ainda assim colocam-lhes lá.
Esses homens já não se dão nem ao trabalho de avaliar, antecipando o peso de suas atitudes, os cidadãos ficaram muito irrelevantes para se ter qualquer tipo de preocupação, sequer com a imagem. A classe politica está soberba, a muito tempo se colocando acima do bem e do mal da sociedade. Só assim, para que continuemos verificando de parte de alguns poderosos a total falta de sintonia com as necessidades bradadas no clamor publico e até mesmo com o obrigatório cumprimento das palavras empenhadas nas proprias assinaturas de posse. Vivemos, talvez até por cultura uma sucessão de governos de pessoas sem noção da cidadania.

Responder

EUNAOSABIA

17 de julho de 2011 às 10h27

Interessantíssimo.

Responder

Ana Cruzzeli

17 de julho de 2011 às 09h31

INFELIZMENTE as pessoas na sua maioria são reativas e não preventivas e nós trabalhadores somos um sei lá o quê. Nós que estamos vendo a obesidade infanto-juvenil crescer de maneira alarmante no nosso pais e sabemos onde o problema está, ficamos esperando que as coisas venham de cima. Caros amigos nós que estamos aqui embaixo é que devemos dar as diretrizes.
Essa questão do ministro é realmente lamentável, afinal as LANCHONETES de um modo geral é que estão acabando com saúde dos brasileiros, introduzindo habitos alimentares nocivos a todos. Muitos já vem se manifestando há tempos. As escolas publicas hoje tem merenda escolar nos seus vários niveis justamente para combater esse avanço da comida rápida. Isso se deve com certeza a CLASSE dos nutricionista. Eu experimento alguns desse alimentos que chegam na minha escola já industrializados e realmente estão a niveis aceitáveis, baixa gordura trans e açucar, pouco conservante. Isso foi um avanço, contudo é pouco é muito pouco.
Perguntas que devemos nos fazer:
-Onde estão os defensores da nutrição que já não enviaram ao ministro da saúde repudio contra a COCA-COLA e os refrigerentes de um modo geral. Onde estamos nós que não pedimos ao CONGRESSO para sobre-taxar ¨alimentos¨que fazem mal a saúde. As pessoas pobres quando estão no supermercado e vão comprar bebidas optam pelos refrigerante por serem os mais baratos. Se o preço do refrigerante ficar igual aos sucos naturais sem adoçante quero ver quem vai ganhar. Tudo bem, o problema não de fácil solução. muitos irão dizer tem que sobre-taxar quase tudo. Não o refrigerante tem mais do que açucar como algo nocivo tem sódio que também estimula o desejo de continuar. O refrigerante vicia, os refrigerentes cola são os piores dos piores. Devemos discutir profundamente a medicina preventiva onde a nutricão está embutida.

Devemos culpar sempre as autoridades por esses deslizes como esse do Ministro Padilha, contudo devemos nos perguntar o que estamos verdadeiramente fazendo em prol do trabalhador e de seus filhos que por falta de recursos levam veneno para casa. Comprei a briga na escola, nossos alunos estão sim ingerindo alimento, na rua a briga tem que ser de todos. Nesse caso, Congresso Nacional neles…

Sabemos que a atividade fisica saudável também previne doenças. Estamos para 2014 com o maior evento esportivo onde no mundo é o que há mais adeptos, em 2018 estaremos com as Olimpiadas que foram usadas no passado como propaganda de GUERRA, Hitler que o diga, URSS e EUA que o digam.

Muitos sabem que as Olimpiadas DESTRUIRAM pessoas que ingeriram veneno para melhorar seu desempenho. Numa guerra os atletas são isso, soldados a ser sacrificados. Só que Hitler morreu a guerra fria acabou mas o ranso ficou. Agora a guerra é contra o CAPITALISMO SELVAGEM que iludem os jovens a se mutilarem para ter algum no banco.

Vou dar um exemplo: Ronaldo Luís Nazário de Lima, o fenomeno. Todo mundo sabe que o joelho do Ronaldinho é um joelho de um homem de 60 anos. Quando Ronaldo tiver 60 anos provavelmente desenvolver várias doenças provocadas pela quantidade de analgésicos ingeridos. Terá grande sofrimento cardiaco, e provavelmente não conseguirá correr ou coisa pior. Não estou rogando praga, estudos mostram que atletas de alto desempenho tem uma velhice cheia de doença por conta dessa atividade. Os atletas tipo Sócrates( jogador de futebol ) não foram atingidos pelo CAPITALISMO SELVAGEM na sua fase mais agressiva, mas atletas como Ronaldinho foram vitimas dele.
Todo dinheiro que Ronaldo ganhou não lhe dará para pagar um joelho novo, um coração novo. Não é a toa que na Italia o Silvio Berlusconi voltou sua atividade para o futebol, introduzindo todo tipo de MALDADE para melhorar seus lucros. O Brasil terá a copa em 2014. Tenho muitas saudades dos jogadores da geração de Sócrates, de Tostão. Havia um querer ganhar, mas não a qualquer preço.

Nossa maior batalha contra o que o Capital construiu está nessa trincheira também. Brasilia sediará jogos da copa, Brasilia sediará algumas atividade olimpicas, temos aqui em Samambaia/DF o Centro Olimpico Rei Pelé. Pegunto sempre aos meus alunos que vão fazer testes em SP para os times de Futebol profissional: O que é mais importante o dinheiro ou um orgão humano. Sei que eles não vão me ouvir, mas vou continuar tentando. Não sou contra atividade esportiva muito pelo contrario, sou contra o abuso dos empresários que visão o dinheiro fácil as custas da saude desses operários da diversão aí entra a GLOBO e seus genericos querendo o seu quinhão.

Responder

Fernando

17 de julho de 2011 às 08h03

Essa é a discussão mais idiota que já li neste site.

Responder

    assalariado.

    17 de julho de 2011 às 12h11

    Fernando, da uma sugestão melhor !

    Abraços.

    Leider_Lincoln

    17 de julho de 2011 às 16h13

    E este é o comentário mais imbecil que já li neste site.

Elisa Chaves

17 de julho de 2011 às 06h14

T. Sanches está certa! Há lutas que o ministro pra ficar por dentro precisa de te ruma assessoria informada e azeitada, coisa que não é real. Dá nessas escorregadas

Responder

SILOÉ -RJ

17 de julho de 2011 às 01h27

Parabéns Conceição Lemes: exelente matéria, uma aula de jornalismo sério onde se 'ouve' todas as partes envolvidas.
É isso aí!!! Matou as "minhocas" dos hamburgers e mostrou o pau.

Responder

ANTONIO ATEU

16 de julho de 2011 às 23h52

Digite o texto aqui![youtube 4vqswvBZktE&feature=fvwrel http://www.youtube.com/watch?v=4vqswvBZktE&feature=fvwrel youtube]

[youtube iCkTIIvZfZQ&feature=fvwrel http://www.youtube.com/watch?v=iCkTIIvZfZQ&feature=fvwrel youtube]

Documentário de grande importância. "No filme, Spurlock segue uma dieta de 30 dias (fevereiro de 2003) durante os quais sobrevive em sua totalidade com a alimentação e a compra de artigos exclusivamente do McDonald's. O filme documenta os efeitos que tem este estilo de vida na saúde física e psicológica, e explora a influência das indústrias da comida rápida."

Responder

    Leonardo

    17 de julho de 2011 às 13h27

    Tem que ser muito idiota para confundir um lanche com alimentação do dia-a-dia.
    S´[o um completo imbecil vai tomar café, almoçar e jantar no MacDonalds.

    Esse documentário é uma fraude completa.

    Conceição Lemes

    17 de julho de 2011 às 16h48

    Leonardo, infelizmente, é o que muita gente faz. McDonald's de manhã à noite. abs

    Leonardo

    18 de julho de 2011 às 15h50

    Mas isso é burrice e loucura de quem faz.

    O Macdonalds obriga alguém a ir lá de manha, à tarde e à noite? A decisão de fazer minha dieta baseada em lanches é minha, não de quem quer que seja.

    A responsabilidade é da pessoa, não da lanchonete.

    Leonardo

    18 de julho de 2011 às 15h53

    Deveriam alertar esse idiotas que fazer "dieta fast food" nao é bom para a saúde (tem que ser muito imbecil para nao saber a respeito), mesmo porque o macdonalds nao se propõe a isso, é um local onde se faz lanches.

    Se os descontrolados e acéfalos quiserem insistir, problema deles.

    Agora voces querem que o Estado regule até o que a pessoa come ou como quer fazer sua dieta?

    Conceição Lemes

    18 de julho de 2011 às 16h01

    Leonardo, sabia que nos EUA estão para proibir a publicidade desses alimentos na televisão? O lucro vai para a empresa, o prejuízo decorrente dos malefícios à saúde, para a sociedade e o Estado. abs

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 19h11

    O documentário é conceituado porque tem conceito, excelente denúncia com um vocabulário que permite o entendimento ao público leigo do engodo que é o "quarteirão fast-food", para quem queira entender claro.

    João Bahia

    17 de julho de 2011 às 19h30

    Boa parte da população americana preenche os requisitos desse perfil "imbecil" que você sugeriu… e eles estão querendo exportar o comportamento para cá…

    André Oliveira

    18 de julho de 2011 às 16h42

    Qualquer um que ingira uma dieta de 5 mil Kcalorias dia, com predominância de gordura, engorda do mesmo jeito e prejudica a própria saúde.. Os esquerdotontos beiram ao retardamento mental quando se inserem nestas campanhas… Logo na sequencia do "Supersize me" o economista Chazz Weaver e a documentarista Soso Whaley também comeram no McDonald’s por 30 dias e… emagreceram. Weaver, de 48 anos, seguiu a dieta de cinco mil calorias, mas fez exercícios. Perdeu 3,6 quilos. Soso Whaley comeu menos, por volta de duas mil calorias, fez exercícios e emagreceu 4,5 quilos. O resultado está no filme: ‘Debunk the Junk’. Jornalixo puro e má fé pronunciada…A questão de fundo da obesidade e da má alimentação infantil não é , na minha oponião, uma questão da demonização de uma corporação específica, mas um trabalho mais amplo..O própri Mc Donalds tem no cardápio a possibilidade de uma dieta bem mais saudável do que a da maioria das pessoas aqui..

Sr. Indignado

16 de julho de 2011 às 23h50

Um ministério que responde à críticas de professores? Onde estamos? Na França?
Parabéns ao ministro por dar andamento a uma reinvindicação.
Isso é democracia.
Já pensou se fosse um ministro tucano? Tacava gás lacrimogênio, cachorro e bala de borracha em cima!

Responder

beattrice

16 de julho de 2011 às 23h47

Mais do que a defesa da McDonald's pelo ministro me preocupa a defesa do ministro, pela McDonald's.
E o problema do senhor Padilha, convenhamos, não se restringe ao "dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles no pão com gergelim", os "filhos feios" do seu ministério já constituem, aos seis meses de governança, uma prole numerosa.

Responder

Jairo_Beraldo

16 de julho de 2011 às 23h31

Isso que dá entregar a EDUCAÇÃO às UNESQUINAS como a Estácio de Sá…só dá MERDA!!!!

Responder

    Bruno

    17 de julho de 2011 às 14h03

    A Estácio te demitiu, Jairo? Tanta escola igual a ela por aí, e você só fala dela…

    Jairo_Beraldo

    17 de julho de 2011 às 19h09

    Não Bruno….eu fui cliente desta espelunca nos ultimos 4 anos…tudo fizeram para que eu mudasse de instituição, mas sou pirracento…agora é minha vez de fazer com eles o que fizeram comigo…quem sabe vendo o que escrevo( e não é só aqui) tiro clientes desta UNESQUINA da pior qualidade moral e ética. Nunca trabalhei em nenhuma UNESQUINA, quiçá nesta espelunca!

    Bruno

    19 de julho de 2011 às 15h30

    É, nada pior que um cliente insatisfeito. Mas é o que a Estácio merece – junto a tantas outras, por isso meu incômodo com esta "perseguição".

    Aliás, acho que nunca vou deixar de achar engraçado chamar aluno de "cliente". Não tenho nada contra a educação particular (embora deseje um sistema público de ensino amplo e universal), mas é simplesmente bizarro que a relação seja tal que até os alunos se vejam como clientes.

    Daniel

    18 de julho de 2011 às 10h06

    Essa eu conhecia como Escracho de Sá…

T. Sanches

16 de julho de 2011 às 23h15

Pra rir ou pra chorar?
Assessoria bem fraquinha a do ministro Padilha, dando sinal de morte matada. A mesma coisa foi com
a Rede Cegonha. Saiu uma portaria (esquesita, pois jogaram a cegonhada na rua e a portaria apareceu bem depois, em junho). Mediana, com recuos conceituais tambem depois de muita zueira.
O ministro precisa de uma assessoria mais por dentro dos assuntos. Tem luta na saude do tempo em que o ministro nem havia nascido ainda. Assessoria deve ser pra isso.

Responder

    Leider_Lincoln

    17 de julho de 2011 às 09h22

    Aliás, neste governo, que ministério tem assessoria que preste? O da Educação, talvez e só. No restante têm-se a impressão de um bando de amadores papagaiando vaidades e fazendo besteiras. A assessoria do MinC, por exemplo, não serve ao Ministério, mas para consertar as bobagens que a ministra faz.

    geraldo

    17 de julho de 2011 às 12h05

    A descomunicação grassa no governo Dilma a começar por ela e contaminando todos os ministérios, nunca vi tanta incompetencia num governo só e ainda se espantam que amemos Lula, o cara sozinho dava conta de se comunicar por ele e por todos os ministerios e pelo pt (incapaz de tudo), se acostumaram a ter um mega comunicador e se encostaram no barranco esperando o mundo acabar e pelo jeito vai acabar cedo p eles ja que nao se mexem esses lesmas lerdas.

    beattrice

    17 de julho de 2011 às 13h10

    Acrescentando se vc me permite, o problema é encontrar titulares dignos do cargo, continuo demandando que me apontem 6, SEIS ministros que realmente façam deste governo uma agenda progressista e nacionalista, quem se habilita?


Deixe uma resposta para rodrigo.aft

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.