VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Marcos Coimbra: Política externa e opinião pública


30/05/2010 - 06h24

Política externa e opinião pública

28/05/2010 10:58:00

Quem, nas últimas semanas, leu os principais jornais deve ter ficado com a impressão de que a nossa política de relações exteriores será um problema para Dilma Rousseff

Por Marcos Coimbra, na CartaCapital

Dentre os muitos descompassos que existem entre os sentimentos da maioria da população e o que dizem a oposição e a grande imprensa, um dos maiores acontece na avaliação da política externa do atual governo. Onde alguns só veem equívocos, ela enxerga, quase sempre, sucessos.

Quem, nas últimas semanas, leu os principais jornais deve ter ficado com a impressão de que a nossa política de relações exteriores será um problema para Dilma Rousseff. Como ela conseguirá defendê-la, se pouco ou nada se salva no que o governo faz?

Irresponsável, inconsequente, atrapalhada, é assim que pintam sua condução. Para quem tem a missão de propor a continuidade, seria um fardo e tanto para carregar.

Há tempos que a política externa é um dos alvos preferidos da oposição. Já na eleição de 2006, os estrategistas da campanha de Geraldo Alckmin viram uma oportunidade para enfraquecer a vantagem de Lula nas pesquisas no episódio da nacionalização das reservas bolivianas de petróleo e gás natural, feita pelo recém-empossado governo de Evo Morales. Não funcionou, e gorou a tentativa de transformar o assunto em tema eleitoral.

Ao longo do segundo mandato, foi subindo o tom das críticas, seja contra a política latino-americana do Itamaraty, seja em relação a outras questões, de comerciais e tarifárias a disputas por posição em organismos multilaterais. A compreensão e, às vezes, a simpatia do governo para com os bolivarianos do continente chegou a provocar, pelo que se ouviu no período, tremores de raiva em muita gente.

Em um importante jornal carioca, lemos, faz pouco tempo, uma pergunta que exemplifica esses sentimentos. Escrevendo sobre o que terá mais peso na decisão dos eleitores em outubro, o colunista se indagava se seria a satisfação das pessoas com o presidente e a constatação de que sua vida melhorou, ou “a percepção de parte do eleitorado de que uma política externa radicalizada à esquerda tem reflexos inevitáveis na maneira de conduzir a política interna”.

Essa “radicalização à esquerda” terá se acentuado depois das gestões brasileiras para resolver a crise nuclear iraniana. Nelas, não só a preferência do governo Lula pelos “radicais” se manifestaria, mas ficariam evidentes os traços que a oposição identifica como mais característicos de nossa política externa, nos quais se inclui a falta de compreensão do papel internacional do Brasil e de sua diplomacia.

Ao ouvir os especialistas convidados pelas grandes redes de televisão (a maioria ex-ministros de Fernando Henrique Cardoso), os espectadores poderiam se perguntar como um governo tão canhestro é tão respeitado pelo resto do mundo. Enquanto o coro dessas críticas só aumenta aqui dentro, o de elogios sobe a cada dia lá fora. Vindos de gregos e troianos.

Em vez de perceber qualquer problema na “esquerdização” da política externa, a opinião pública vê a atuação do governo e, especialmente, de Lula nas relações internacionais como um de seus maiores trunfos. Nenhum presidente recebeu, antes dele, tanto destaque nesse campo.

Nas pesquisas qualitativas feitas atualmente, o que se encontra é uma sensação de orgulho do cidadão comum pelo que avalia ser um crescente reconhecimento internacional do Brasil, seu governo e sua economia. Predomina a visão de Lula como um presidente que busca e consegue acordos com outros países, favoráveis aos interesses nacionais. Simplesmente não se ouvem ecos do que a grande imprensa publica. Conciliação, bom senso, entendimento, afirmação nacional, é com palavras como essas que as pessoas caracterizam a política externa.

Ela é (mais um) exemplo da surpresa positiva que a população teve com Lula e com o PT no governo. Muita gente temia pelo desempenho internacional de uma liderança como Lula, que poderia não estar à altura do que o País necessitava. Velhos preconceitos cercavam de expectativas cautelosas o que ele seria. Pelo que as pessoas sentem hoje, no entanto, nenhuma se confirmou.

Assim, Dilma Rousseff não terá dificuldades com esse tema na campanha. Ele nunca foi central nas nossas disputas presidenciais, mas vai subir de importância agora e nos próximos anos. Se desejar, Dilma pode promovê-lo desde já, e tem tudo a ganhar com isso.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


139 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Rita Lages

31 de maio de 2010 às 15h28

Quando estive na Colômbia em janeiro deste ano, fiquei impressionada com o respeito que os colombianos têm por Lula. Classe média ou ricos, em ocasiões distintas, ouvi seus elogios à atuação do nosso presidente, que era citado como um líder político que sabe atuar conciliando e sendo duro nos momentos adequados. Elogiaram, principalmente, a sua posição frente à presença das bases militares norte-americanas na Colômbia, duramente combatidas pelo presidente venezuelano, mas, em princípio, vistas como um problema interno da Colômbia pelo Governo Brasileiro. Como perceber, nesta postura do nosso governante, uma política externa somente radical e esquerdista? Quem afirma estas barbaridades, deixa-se levar por posições ideológicas que impedem a visão mais ampla do que constitui as relações entre países soberanos.

Responder

Geysa Guimarães

31 de maio de 2010 às 13h33

Lula escolheu o protagonismo mundial e tirou o Brasil da claque. E não é que o povão entendeu?

Responder

vinicius

31 de maio de 2010 às 13h10 Responder

PT Farsa

31 de maio de 2010 às 12h16

4. Seis milhões foram as vitimas do Holocausto, patrocinado pelos nazistas.O dito cujo confundiu tudo o que a Assessoria dele informou (tenha paciência, não queira que ele decore tudo que lhe passam).
5. Em 1929, o mundo não tinha e nem imaginava o que seria uma economia globalizada;
6. Franklin D Roosevelt resolveu a crise americana diminuindo custos e impostos, e reduziu drasticamente as despesas do governo, exatamente o contrário do que a antológica anta e seus ministros estão fazendo;
7. Pela declaração imbecil, Sua Excia Metalurgíssima, Sr. Luis Inácio Lula da Silva, imagina que a crise só será extinta por meio de uma guerra mundial, mas ele, "o grande pacifista e magnânimo líder" não admitirá uma guerra mundial para que a crise seja solucionada;
E esse é o cara que atingiu 84% de popularidade

Responder

    Nonato barboza

    31 de maio de 2010 às 13h30

    Sr. Farsa
    A grande verdade é que o chamado holocausto teve cerca de 6 milhões de vítimas. Assisti a entrevista do Lula na Band e ele disse mais ou menos assim, quando de encontro com o mandatário Iraniano: vc vive dizendo que não acredita que 6 milhões de judeus foram mortos na Segunda Guerra Mundial, não é possível ir contra esse fato histórico. O iraniano respondeu que não teria dito isso literalmente. O que ele teria afirmado é que na Segunda Guerra Mundial morreram cerca de 60 milhões de pessoas – só na União Soviética foram 27 milhões – e para o mundo ocidental só teria havido o holocausto de 6 milhões de judeus…e outros 54 milhões de russos, ingleses, poloneses, italianos, americanos, canadenses, australianos, africanos, etc? É bom lembrar ao Sr. Farsa que os iranianos são escaldados depois de virem seu país de cultura milenar ser vítima de golpes sempre patrocinados pelos mesmos americanos e britânicos.Os britânicos conseguiram derrubar o Xá Reza Pahlevi em 1941 e ficaram "monitorando" o Irã até 1951. Naquele ano o primeiro-ministro Mohamed Mossadeg eletrizou o Irã ao nacionalizar as companhias de petróleo britânicas. O povo o apoiou. Naquele momento. A partir dali começou a ser engendrado um golpe pelos ingleses – Churchill e Anthony Eden – e os americanos – Eisenhower com o apoio de algumas figuras iranianas, inclusive a princesa Ashraf, irmã gêmea do Xá Mahomed Reza, o filho do antigo tirano derrubado em 1941. Pois é a tal princesa recebeu quantias em dinheiro e tem livros que falam até num casaco de vison para dar guarida ao golpe, concretizado em 1953. O reza Filho tiranizou o país por 25 anos e foi derrubado em 1979, depois de muita corrupção.
    Quanto a crise de 1929 ter como um base de soerguimento a Segunda Guerra Mundial é elementar e basta dar uma olhada nos livros de história. A indústria bélica americana vendeu armas para a imensa maioria envolvida na Guerra. Muito antes de começar a guerra o armamento, com certeza, já poderia estar nas mãos dos países em conflitos. Agora mensurar a importância na recuperação da economia americana eu não sei. Só sei que até hoje isso acontece. É só dar uma olhada nos países do mundo, especialmente do oriente médio, vc verá que isso é verdade. Ou o Sadan Hussein não foi armado pelos americanos e o Iraque ficou em guerra com Irã por 10 anos? Claro, armas americanas. Depois que os americanos sairem do Iraque eles precisam de uma nova guerra, mesmo que ela envolva pelo menos um aliado. Ou vc nunca ouviu falar na poderosa indústria bélica americana?

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 11h46

    Não assisti o programa da Band, mas pelo teu relato cioncluo que o sr. Farsa deturpou/distorceu as declarações do Lula pra poder destilar a bílis…

    Edv

    31 de maio de 2010 às 16h42

    O sr. Farsa quer fazer da História a sua farsa. Vou mencionar apenas o que o sr. Nonato não cobriu: Vamos lá:
    A crise de 29 "não" foi global" (hehe). Foi "só em uma rua de Nova Yorque". A América Latina, Asia,, Europa e suas colonias em todo o mundo "nada" sofreram com a crise (só nos livros de História do sr. Farsa, que devem ser publicados pela mesma editora dos mapas paraguaios). A Alemanha "nada" sofreu com a crise, ensejando a subida de um certo "Adolf" ao poder em 33. Centenas de obras estatais para dar emprego aos desempregados da crise, como a Hoover Dam, "não" representaram a MAIOR intervenção governamental na economia americana até então. Acho que o sr. Farsa confundiu Roosevelt com seu provável herói cinematográfico Ronald (Reagan, não McDonald's).
    Finalmente o sr. Farsa, "brilhante" cabeça (como a de seu candidato), e "cultíssimo" se coloca sem "nenhum preconceito" acima de um metalúrgico e de 84% da população brasileira! Aplausos para ele!..

    PEDRO

    31 de maio de 2010 às 22h06

    VC ESQUECEU DE DIZER DOS ZILHÕES DE DÓLARES INVESTIDOS NA INDU´STRIA DA GUERRA PRA DAR EMPREGO PRA GALÉRA.

    clemes

    01 de junho de 2010 às 01h13

    Pedro, por favor, letras minúsculas nos próximos comentários. É uma das novas para aprovação deles no Viomundo. abs

PT Farsa

31 de maio de 2010 às 12h15

Bom pessoal vou tentar de novo se alguem tiver coragem competencia e coorencia me respondem essas belas palavras do SUPER LULA:__Lula, o nosso "comandante", fez uma declaração "histórica", esta semana, na posse de diretores do Sebrae: ____"Temos que reconhecer que a situação é delicada, e que essa crise é, possivelmente, maior que a crise de 1929. E temos que reconhecer que o Roosevelt só conseguiu resolver a crise de 29 por causa da II Guerra Mundial. Como não queremos guerra, queremos paz, nós vamos ter que ter mais ousadia, mais sinceridade, mais inteligência, porque… eu não admito que, uma guerra, para resolver um problema econômico, tenha 6 milhões de mortos".__ __COMENTÁRIOS / REGISTROS HISTÓRICOS__1. A segunda Guerra Mundial não teve absolutamente nada a ver com a crise americana de 1929

Responder

    yacov

    31 de maio de 2010 às 15h24

    Obtusidade??? Parece… De qualuer forma, vamos tentar ajudar o nosso amigo FARÇA:

    1 – A situação é delicada mesmo: A crise financeira, que aqui virou marolinha, devido às boas políticas adotadas por nosso divino presidente, é grave mesmo, vide a situação da UE e USA (quer que traduza???) e foi diversas vezes comparada á crise de 1929 por muitos "especialistas";;

    2 – OS EUA, que haviam se capitalizado na Primeira Guerra Mundial, entraram em recessão em 1929, devido à crise provocada pela especulação financeira generalizada. Foi necessária a adoção do "New Deal", por Rooosevelt, que fez o país começar a sair da recessão braba, da qual só saíram realmente após a 2ª Guerra, quando se tornaram uma das potências hegemônicas no mundo, junto com a URSS (precisa traduzir, também???);

    (cont.)

    yacov

    31 de maio de 2010 às 15h25

    3 – O BRASIL é um país pacífico. cujo respeito à auto-determinação do povos está inscrito em sua constituição, e o presidente LULA não está inventando a RODA, apenas aplicando os preceitos constitucionais, para não dizer, morais e éticos e humanos, pois não é possível que alguém em sã consciência apoie e guerra, sob qualquer circunstância, a não ser em defesa de seu território, o que convenhamos, não é o caso.

    Espero ter esclarecido suas dúvidas e aliviado em sua agonia. POde gostar do LULA, ele é da paz e não morde. Não se avexe, cumpadi!!!

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na glOBo – O que passa na gloBo é um braZil para TOLOS"

    Michel tams

    31 de maio de 2010 às 16h53

    Se para ti história é estanque é compreensível essa argumentação, mas como sabemos que a história é uma sequência de fatos relacionados como o desenrolar de um novelo, VAI LER e se informar sobre a crise de 29 suas consequências e também diga-me qual o país que mais se beneficiou com a segunda guerra e se manteve neutro até 41 por conveniências econômicas? Por favor não ofenda a minha inteligência com teu proconceito infantil.

Gerson Carneiro

31 de maio de 2010 às 01h05

Huummm… e agora há pouco o PIG resolveu dar aquela forcinha para suavizar as besteiras que o dotô andou falando durante a semana. O Fanático exibiu uma reporcagem sobre, sobre, sobre o que? Tráfico de cocaína.

Responder

Melinho

31 de maio de 2010 às 00h00

NA BAND-NEWS, A DESGRAÇA FICOU EM SEGUNDO LUGAR NESTE DOMINGO

E dessa vez a notícia manipulada foi martelada durante todo o domingo. A notícia: “Pesquisa Data-Folha:para os eleitores da Dilma, Serra tem mais experiência”.

Bem, são duas as fontes de manipulação: a primeira é a própria pesquisa feita por um instituto que não merece a menor credibilidade e respeito.

Depois, temos a manipulação do próprio canal da “Desgraça pouca e Bobagem”, pois a Band-News não diz o que disse o Data-Folha: “dos eleitores de Dilma Rousseff (PT), 51% acham José Serra (PSDB) mais experiente”.

Quer dizer, a Dand-News passou todo o domingo fazendo propaganda enganosa do Serra, por ter engolido os 51%, e nas barbas do TSE.

E eu pergunto: já que não podemos apelar para o TSE, devemos telefonar para o DECON?

Responder

    Marat

    31 de maio de 2010 às 00h36

    Como o pessoal da imprensa, segundo a Judith, faz o papel de oposição, nada mais justo do que mover os pauzinhos para seu candidato… pena que não há no Brasil Justiça, mas sim um bando de irresponsáveis vestindo togas, comendo e bebendo do melhor, graças a seu dinheiro porcamente ganho!

Alex Gonçalves

30 de maio de 2010 às 20h46

Nassif, PHA, Azenha: O clima que Hillary está criando em relação ao Irã é apenas para permitir que Israel bombardeie as instalações nucleares sem muita reação política. Os USA realmente não querem ou podem invadir o Irã agora, mas um ataque israelense provavelmente os deixará satisfeitos.

Link da wiki sobre ataque ás instalações sírias:
http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Orchard

Os israelenses o farão de qualquer jeito. E pode apostar que a 'grande' mídia vai comemorar.

Responder

    setepalmos

    31 de maio de 2010 às 03h18

    Eu concordo que vontade não falta.

    Mas a questão é que em real Washington tem um foco muito forte para com a questão nuclear, e pretende a todo modo fazer os outros países engolirem goela abaixo o protocolo adicional.

    Um ataque israelense minaria por completo esta tentativa.

    Outro fator é a novo estratégia de defesa dos EUA, que retira de seu script os chamados 'ataques preventivos', uma cópia da espécie de defesa que Israel pratica.

    A questão é o protocolo adicional. Como o impor com Israel sendo o que é. E podendo fazer o que deseja.

    Edv

    31 de maio de 2010 às 16h48

    Penso o mesmo. Eles não acreditavam que Lula conseguisse "atrapalhar" os planos "de paz" já definidos…

Tweets that mention Marcos Coimbra: Política externa e opinião pública | Viomundo - O que você não vê na mídia -- Topsy.com

30 de maio de 2010 às 18h23

[…] This post was mentioned on Twitter by ronan wittee, André Vargas and PTnaCâmara, Cláudio Coração. Cláudio Coração said: política externa e opinião pública: https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/marcos-coimbra-politica-externa-e-opiniao-publica.html […]

Responder

Gerson Carneiro

30 de maio de 2010 às 17h40

Dilma Rousseff não terá dificuldades mesmo com esse tema na campanha. O Serra já deu até o ponta pé inicial, e acertou um paralelepípedo.

Responder

    Maralina Matoso

    30 de maio de 2010 às 19h11

    rsrsrsrs

    Marat

    31 de maio de 2010 às 00h38

    E olha que todos da imprensa falam: "chuta Governador, chuta", e o perna de pau erra todas!!!

Leider_Lincoln

30 de maio de 2010 às 17h24

Finalmente encontrei uma referência do PIG ao Chirico do Serra: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u6… . E me fiz algumas perguntas diplomáticas, que quero compartilhar. Será por que o Serra esconde o Chirico que é? Será que tem vergonha? Dizem que ele tem alergia a pobre… Será que tinha quando, ao invés de enjenheiro economista era apenas uma criança filha de um feirante humilde da Mooca? Ou aprendeu a ter vergonha do sobrenome e das origens no exterior, em meio aos gigantes estadunidenses ou aos ricos chilenos? Será que foi no Chile que aprendeu a desrespeitar bolivianos? E a idolatrar/ter medo dos ianques nos Estados Unidos? Por que será que um líder estudantil de esquerda foi tão rapidamente aceito nos EUA e ainda ganhou bolsa para estudar nas caríssimas universidade de lá? Vá se saber…

Responder

    setepalmos

    31 de maio de 2010 às 03h20

    Impressionante, foi o que Serra disse aqui no Rio Grande do Norte:

    "Eu convivia normalmente com nordestinos na móoca"

    E como seria conviver anormalmente?

    Não é que ele odeia pobre. Ele odeia qualquer um que não more nos Jardins.

    Ele quer em verdade reviver a revolução constitucionalista contra Vargas. Ele só não esperava um Lula e uma Dilma no meio do caminho.

    yacov

    31 de maio de 2010 às 15h32

    O Çerra nunca foi filho de feirante na MOóca, não!!! Sua família é de comerciantes de frutas e eles sempre tiveram uma banca enorme, no Mercadão da Cantareira, o que não é exatamente ser "pobre", além de serem donos de muito imóveis na cidade de Sampa. Que história é essa de o Çerra ter origens na Senzala?!? Isso é o mesmo que dizer que ele está bem preparadao para ser o presidente do nosso país, ou de qualquer país que seja: Uma grande mentira.

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na glOBO – O Que passa na gLObo é um braZil para os TOLOS"

José Eduard Dyonisio

30 de maio de 2010 às 17h15

Hoje li a revista Época no Sesc (revista do pig só de gratis,como diz o outro), e fiquei abestalhado com o descompasso do que o mundo reflete sobre a política externa do Brasil e o que deseja nossa direita reaça. Os caras não tem vergonha na cara, são cínicos, invertem a lógica de um raciocínio primário. Fico pensando se os jornalistas da Época (tem um lá que escreve cada 15 dias e escreveu o livro Meu nome não é Johny, que é mais tenebroso que os dois esgotos da Veja) que estão fora de sintonia ou se o público que eles mantém sob hipnose é que estão nessa situação por terem um Q.I. de ostra.

Responder

Marinho

30 de maio de 2010 às 16h18

Você está louco sr. Ubaldo?ter coragem de airmar que nossa política externa é antiamericana? o senhor tem lido Veja demais meu caro.

Responder

    Milton Hayek

    30 de maio de 2010 às 16h58

    Faltou o gardenal para o Ubaldo,Marinho.Daí ele tomou estricnina e ela destruiu o que restava dos neurônios dele.

Milton Hayek

30 de maio de 2010 às 15h45

maria utt
29 de maio de 2010 às 18:58
Pha, você conhece o texto do Fernando Pessoa, sobre o provincianismo? http://arquivopessoa.net/textos/2983
cai feito uma luva.
http://www.conversaafiada.com.br/mundo/2010/05/29

Responder

Milton Hayek

30 de maio de 2010 às 15h30

A saudade do servo na velha diplomacia brasileira

O filósofo F. Hegel em sua Fenomenologia do Espírito analisou detalhadamente a dialética do senhor e do servo. O senhor se torna tanto mais senhor quanto mais o servo internaliza em si o senhor, o que aprofunda ainda mais seu estado de servo. A mesma dialética identificou Paulo Freire na relação oprimido-opressor em sua clássica obra Pedagogia do oprimido. Com humor comentou Frei Betto: "em cada cabeça de oprimido há uma placa virtual que diz: hospedaria de opressor". Quer dizer, o opressor hospeda em si oprimido e é exatamente isso que o faz oprimido. A libertação se realiza quando o oprimido extrojeta o opressor e ai começa então uma nova história na qual não haverá mais oprimido e opressor mas o cidadão livre.
……………………………………………………………………………………………
http://www.portaldomeioambiente.org.br/colunistas

Responder

Paulo Villas

30 de maio de 2010 às 15h07

Grande JB , onde até a colunista social é de esquerda.

Responder

Marat

30 de maio de 2010 às 14h21

A direita e a extrema-direita estão procurando encontrar inimigos externos na Bolívia, na Venezuela, na Argentina e, por que não, no Mercosul de uma forma em geral, além do Irã e China. Ora, vejamos, essa agenda é mais assemelhada a agenda estadunidense, e não brasileira. O Brasil deve agregar, e não comprar as brigas que os estadunidenses apregoam. O Brasil precisa de amigos, e não de um patrão. Felizmente o candidato da direita está cainda pelas tabelas. Isso prova algumas coisas:
a) A imprensa está perdendo força, com a perda de sua credibilidade;
b) O brasileiro está aprendendo a votar e a comparar o que nos prejudica com o que nos ajuda;
c) O brasileiro está ficando mais exigente, ou seja, os aventureiros da direita financiada pelos EEUU terão menos chances no futuro.
Por fim, Viva o Brasil Libre!!!

Responder

    yacov

    31 de maio de 2010 às 15h43

    A gente percebe que até a agenda da direita tupiniquim é uma cópia barata da norteamericana… Esses caras não tem originalidade alguma. Sua idéia de "estadista", em seu nível mais elevado, significa subserviência total às doutrinas emanadas da Casa Branca e imposição destas doutrinas ao povo pauperizado (agora já nem tanto) de sua terra. Ou seja, quando surgem problemas, eles procuram um inimigo externo, em torno do qual fundir mentes e corações, através de uma mídia pelêga, sem assumir nunca, mas nunquinha da silva, os próprios erros. É vergonhoso…

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na gLobo – O que passa na glOBO é um braZil para TOLOS"

Ubaldo

30 de maio de 2010 às 14h19

O Marcos Coimbra como comentarista é um bom torcedor.
Nossa política externa tem colecionado derrota após derrota e cantado vitória.
Quando os jornais e imprensa mundial elogia o Brasil e o Lula nada passa despercebido. Quando os mesmos jornais e a mídia critica o Lula e o Brasil nada é divulgado.
Será que a miopia dos petistas é tão grande a ponto de não enxergar as derrotas sucessivas de Honduras, embargo a Cuba, rodada de Doha e acordo nuclear com Irã?
O critério da direção nossa política externa é o antiamericanismo. Para fazer negócios também. Tudo isso é cômico!

Responder

    Milton Hayek

    30 de maio de 2010 às 15h23

    Ubaldo

    30 de maio de 2010 às 18h19

    Milton Hayek,
    Posso imaginar como é difícil ser criado numa rígida educação militar nos tempos da ditadura e trabalhar num país que se é contrário filosoficamente para aprender e ter de negar tanto a educação quanto o trabalho, tudo em nome do comunismo fora-de-moda.
    Você e sua dissonância cognitiva. Por todo esse seu sofrimento é que as vezes lhe tolero.

    Milton Hayek

    30 de maio de 2010 às 22h21

    Eu já lidei com militares aqui dos EUA,Ubaldo.Eles são muito melhores do que os políticos dessa ditadura aqui.
    Minha educação foi rígida,sim.Meu irmão é caçador(sniper) do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil,com muito orgulho.
    Sou de uma família de militares que,apesar de serem de direita,nunca desrespeitaram a Constituição do Brasil.Até Castelo Branco respeitava a Constituição de 1946,quando vocês da direita caolha e burra usaram gente da UDN,na Força Aérea,e o mataram naquele acidente no Ceará em 1967.
    Não me confunda,Ubaldo.Eu não sou um de vocês.

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 02h40

    "Não me confunda,Ubaldo.Eu não sou um de vocês." Milton Hayek

    Por enquanto, Milton. Com o passar dos anos a contestação típica dos jovens se esvazia e o homem fica mais equilibrado e sábio. Ainda tenho esperanças que você orgulhe sua família e deixe de lado essa utopia de comunismo.

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 11h11

    Me permita por a minha "colher".
    Você, Ubaldo, deve estar se referindo ao Arnaldo Jabor e ao Fernando Henrique Cardoso: dois filhos de militares de alta patente que, depois de um "arroubo de esquerdismo chique" assumiram seus caracreres direitistas.
    Nem todo mundo é assim, meu caro.
    No mais, as exportações brasileiras quase que decuplicaram nesta última década (não confunda porcentagens com números absolutos) e a nossa política externa vai de vento em poupa!

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 15h11

    Paulo,
    E você conhece pessoas de direita que passaram para a esquerda? Não? Por que será?

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 16h01

    Direita tem dinheiro, costuma comprar consciências.

    Ubaldo

    01 de junho de 2010 às 02h01

    Carlos,
    Pelo que entendi do que você inferiu:
    Direita=dinheiro
    Esquerda=consciência
    E dinheiro compra consciência.
    A esquerda está comprada ou à venda?

    Edv

    01 de junho de 2010 às 13h18

    Se estivesse comprada ou tão à venda assim, já poderia ter vendido a "Petrobrax"…

    Ubaldo

    01 de junho de 2010 às 14h32

    Edv,
    Nunca os tucanos de fato quiseram vender a Petrobrás. Até porque a Petrobras é uma empresa de capital aberto cujo controle acionário é do governo mas qual só detém 32% de suas ações. A grande maioria das ações estão nas mãos dos gringos, principalmente americanos, quais possuem 61% e embolsam os dividendos e lucros da Empresa. O controle acionário do governo serve para colocar pelegos e seus aliados políticos em sua administração, incluindo a Dilma e o Mantega, quais fazem parte do Conselho de Administração percebendo salários de R$ 76.000,00 ao mês, somente para participar, quando o fazem, de uma reunião mensal. Por que você acha que a CPI da Petrobrás não deu em nada? Assim, Edv, a Petrobrás não é nossa. Ela é usada pelos políticos para fazer caixa dois e para tirar dinheiro do povo qual paga a gasolina mais cara do mundo. Como explicar isso, se a Petrobrás tem tido lucros substanciais que são distribuídos aos gringos e sempre precisa de reforço nosso para fazer investimentos e não nos dá nada em troca a não ser empregos aos brasileiros?
    O marketing do governo e principalmente do Lula é fantástico.
    A gasolina que exportamos para a Argentina, devido ao excesso oriundo do fracionamento do petróleo no refino é vendida lá pelo equivalente a R$ 1,35 o litro, enquanto pagamos aqui R$ 2,50.
    Mas você não acha que há nada de errado no governo Lula.
    A Petrobras aumentou substancialmente sua produção de petróleo desde que quebramos o monopólio da Petrobras em função da parceria e investimentos das empresas estrangerias sob o regime de concessão. O que o governo quer fazer?
    Mudar para o regime de partilha a exploração e voltar com o monopólio da empresa de economia mista Petrobras, a dos gringos, não nossa.
    Nós fornecemos nosso subsolo com petróleo e eles nos retribuem com a gasolina mais cara do mundo e lucros e dividendos para os americanos.
    E o Lula e Dilma dizem que a Petrobras é nossa.
    Só se for nossa (deles) teta.

    Edv

    04 de junho de 2010 às 00h00

    Já sei! Vc é o FHC disfarçado aqui. Responde pela intenções tucanas….Tem até informações "privilegiadas" sobre % de nacionalidade das ações ao portador no mercado aberto. Bobagem discutir isso. Seja quem for, é mercado. O importante é o controle. Vc só currupaqueia o que lê no PIG: a gasolina no Brasil está ABAIXO da média e da mediana mundial e de TODOS no primeiro mundo, exceto EUA (65% da nossa), que tem subsidios, menos impostos, importa da Venezuela, a mais barata do mundo e, digamos, tem "facilidades" no Oriente Médio. Porém, a mais GRAVE de suas bobagens é não saber que TODAS as descobertas feitas exclusivamente e com investimentos da Petrobras estavam por iniciar a produção, quando foram oportunamente "compartilhadas" pelo FHC. Ou seja o crescimento da produção já se daria pelo início da exploração das jazidas e as estrangeiras receberam o brinde de poder "participar da festa". Entendeu ou quer que desenhe?

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 16h51

    Na verdade, conheço muitas. Só para exemplificar,poderia começar pela grande economista Maria da Conceição Tavares (já ouviu falar?). Mas prefiro me referir aos atuais eleitores do PT: os 30% de diferença entre 1998 e 2002. Ah… Recentemente o Ministro Celso Amorim (ex FHC) se fifiou ao PT.
    Quer mais?

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 17h54

    Você não sabe diferenciar esquerda e direita. Nem Amorim nem tavares nunca foram de direita.

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 16h58

    Na verdade, conheço muitas. Só para exemplificar,poderia começar pela grande economista Maria da Conceição Tavares (já ouviu falar?). Mas prefiro me referir aos atuais eleitores do PT: os 30% de diferença entre 1998 e 2002. Ah… Recentemente o Ministro Celso Amorim (ex FHC) se fifiou ao PT.

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 17h01

    Na verdade, conheço muitas. Só para exemplificar,poderia começar pela grande economista Maria da Conceição Tavares (já ouviu falar?). Mas prefiro me referir aos atuais eleitores do PT: os 30% de diferença entre 1998 e 2002. Ah… Recentemente o Ministro Celso Amorim (ex FHC) se filiou ao PT.

    Edv

    01 de junho de 2010 às 13h11

    Não posso responder pelo Milton, mas num Universo com "bilhões de cores", definir que quem não é de "direita" é "comunista" é a pura "miopia do preto ou branco"…
    Ser a favor de um mundo mais equilibrado tem muito mais variáveis do que ser ou não ser comunista.
    PS: Nunca fui comunista, nem petista, e diria que já não sou um jovem há muito tempo. Mas que a política do "folclórico, metalúrgico, analfabeto e nordestino" é evidentemente melhor que a do "príncipe sociólogo" para o Brasil e brasileiros, isso o dizem cerca de 85% dos que tem que dizer se é ou não (já sei, "são tudo uns ingnorante…"). E os jornais, revistas, entidades internacionais, de 1o, 2o. e 3o. mundo também "são". Dizer que Lula é antiamericano é não saber o que é pragmatismo independente, até porque presidentes americanos de "direita" (o republicano Bush) e de "esquerda" (Obama) já demonstraram seu respeito à ele, por fatos públicos.

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 12h08

    "…as vezes lhe tolero."
    Você, Ubaldo, permite-se "tolerar" alguém?

    Leider_Lincoln

    30 de maio de 2010 às 15h55

    O que é vitória, em diplomacia, Ubaldo? Impor a própria vontade? Se fosse isso não se chamaria "diplomacia", se chamaria? Se valesse a sua ideia, de vencedores e perdedores, estaríamos falando de duelo, não de diplomacia; "grandes" contra "nanicos" e os grandes sempre venceriam, obviamente. Esta é a sua visão de mundo, e a do seu candidato, certamente. Mas vamos aos fatos: o que significa ser "diplomático", que é o objetivo perene de toda diplomacia? A Infopedia dá-nos uma boa definição:
    1.da diplomacia ou a ela relativo
    2.discreto; cortês
    3.relativo a diploma;
    As duas últimas definições não se aplicam ao Serra, veja a ironia.
    Em relação ao embargo a Cuba, o que você consideraria "vitória"? Nós respeitamos este embargo? Alguém, além dos EUA & Israel respeitam? 2 a 191 é uma vitória da "diplomacia" dos EUA, Ubaldo? O embargo trata-se de uma lei dos Estados Unidos e até onde eu saiba,não estamos sob a lei estadunidense, mas brasileira e não me parece diplomático dizer a um país que lei eles devem ter ou não. O acordo nuclear foi uma vitória sim, ou acaso você viu o Irã sendo invadido ou uma nova rodada de sanções, de facto, saírem? E outra: a Rodada Doha saiu como os EUA queriam? Era do nosso interesse ou do interesse do PSDB? Em relação ao caso de Honduras, você viu o país na OEA, Ubaldo? Qual foi o custo para o Lobo? Houve alguma outra tentativa de "golpe preventivo" depois de Honduras? Diplomacia, meu caro Ubaldo, não é a arte de se impor, mas de negociar, como você deve ter visto na definição do termo.
    Por fim, gostaria de destacar que o critério da nossa diplomacia não e o anti-americanismo, mas o brasileirismo, compreende? Brasileiros, nosso povo, o meu, o seu. Não os "Americans", mas os brasileiros. Não nossos patrões, mas nossos irmãos. Você queria que fôssemos "americanistas", Ubaldo?
    Não debato com você pelo Fla x Flu. Nem sou petista. A grande maioria aqui é só brasileira, tem orgulho do seu país e da sua gente,reconhece seus erros mas torce pelos seus acertos, e vibra quando eles acontecem. Não gosta de ver boçais espezinhando o que para nos é tão caro. Tem raiva, Ubaldo? Ou tem vergonha? Se sente inferior quando vai aos States e olha paraguaios e bolivianos com desprezo ? Aplica a sua concepção de vencer ou perder, de matar ou morrer, de obedecer aos grandes e "impor o terror" junto aos mais fracos? Problema o seu, Ubaldo, e do seu candidato. Por que a maioria dos brasileiros, dos leitores daqui, é bem melhor do que isso.

    Marcos de Almeida

    30 de maio de 2010 às 22h44

    Parabens pelo seu comentário, foi muito bom.

    setepalmos

    31 de maio de 2010 às 03h33

    Leider, matou a pau.

    A questão é que muitos brasileiros não se aceitam como sul-americanos. Eles estão com a cabeça na sessão da tarde, olhando filmes aonde a classe media way of life abre cervejas em enormes refrigeradores frost free com portas duplas, e comprando grills george foreman no shoptime.

    Eles não gostam de se sentir parecidos com os índios Bolivianos, querem uma auto-afirmação. Criticam o Brasil ser camarada de seus vizinhos, pois sentiriam orgulho numa política que falasse mansamente com um porrete em mãos – quando na verdade ter vizinhos pobres apenas atraem bases americanas como na Colômbia. Se eles são pobres, se rendem por migalhas. Se eles forem ricos, serão nossos parceiros comerciais e comprarão nossos produtos.

    É a mistura de um complexo de vira-latas, com uma negação a ser latino.

    Não somos iguais aos yankees, somos brasileiros, e permissa venia, me sinto por ser assim.

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 12h12

    Endosso o comentário do Marcos de Almeida.
    Muito bom, mesmo.
    Mas o Ubaldo continuará a bater na mesma tecla.

    Nonato Barboza

    31 de maio de 2010 às 16h25

    Caro Leider
    Vc tem razão em seus argumentos. Queremos continuar a sermos brasileiros pois o patriotismo é um dos maiores sentimentos de um povo. Os "americanos" se acham. Razão teve o Chavez em presentear o Obama com um exemplar do livro AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA, de autoria do uruguaio Eduardo Galeano. Logo de cara o autor afirma que a América é, para o mundo, apenas os Estados Unidos. Nós, os outros países da América, incluindo claro o Brasil, somos para os "americanos", no máximo habitantes de uma sub-América, uma América de segunda classe, de nebulosa identificação. Atualmente, no governo Lula, nós voltamos a ter orgulho em sermos brasileiros. Nossos ministros não vivem tirando os sapatos para serem revistados em aeroportos americanos. O próprio Lula já afirmou em entrevista – no momento não me lembro para qual órgão – que se um ministro do seu governo tirar os sapatos em qualquer país, sendo o motivo de "revista" estará automaticamente demitido. Só isso. Viva o Brasil!!!!!

    Edv

    30 de maio de 2010 às 16h54

    O Ubaldo, vc, como bom torcedor, parece um mau comentarista…
    O Brasil passou a ser um eminente ator mundial, em evidência na mídia (mesmo as poucas críticas de alguns articulistas conservadores antes sequer eram feitas, pois o país não tinha importância nem para isso), seguidos prêmios de jornais (não articulistas), instituições internacionis (Royal Institute of Foreign Affairs, ONU, Unesco), diversificação comercial, vitórias na OMC, lidereança reconhecida na AL, etc., porque sua política externa, agora soberana, é um "fracasso"?! . Na sua vassala visão, só será sucesso se alinhada automaticamente aos EUA?!
    Vamos lá: Honduras. A posição do Brasil é a posição da OEA; embargo de Cuba, coisa muuuuito antiga; rodada Doha: O Brasil agora tem Voz , que é o fato novo. Resolver Doha é problema mundial, não do Brasil; Irã: o Brasil se propôs a conseguir que o Irã aceitasse um acordo proposto pelo "Ocidente". Conseguiu (o "inacreditável" para a Hilária, ops, Hillary Clinton e outros descrentes). Se tudo isso é fracasso para vc, quem é efetivamente o torcedor?

    Ubaldo

    30 de maio de 2010 às 19h12

    "O Brasil passou a ser um eminente ator mundial," Edv

    Estamos de acordo. É comédia!
    Os grandes líderes mundiais acham o Lula folclórico e alimentam seu frágil ego: Você é o cara!
    Agora, além de vender menos aos gringos a gente passa vergonha!

    Marcos de Almeida

    30 de maio de 2010 às 22h39

    Ubaldo vc é um bajulador dos yanques, como toda essa mídia do pig.Vc tinha orgulho quando o Celso Lafer tirava os sapatos nos aeroportos estudunidenses.Eu espero que nunca mais esses idiotas do PSDB voltem ao poder.

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 00h53

    Marcos Almeida,
    Sou pró-Brasil incondicionalmente. Mas não posso deixar de reconhecer que eles têm a maior economia do mundo e compram produtos manufaturados. Não precisamos ficar cutucando a onça, de todos os lados. Vai que ela resolve atacar. Temos de manter um clima de parceria, nunca de submissão, com eles. Comercializar com a China e outros países não é excludente. Fomentemos o comércio com todos, independente de ideologias.
    O maior comprador de petróleo da Venezuela são os EUA, nem por isso, Obama e Chavez se amam.

    setepalmos

    31 de maio de 2010 às 03h24

    Ubaldo.

    Caia na real.

    Os editoriais da direita já falam sobre os perigos de uma economia superaquecida.

    A política sul-sul é um avanço, os países pobres compram de nossa indústria, os EUA não.

    Pedagógico é a situação do México, que seguiu a sua filosofia.

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 12h50

    Economia superaquecida?
    A única maneira que os incompetentes responsáveis pela economia conhecem para controlar a inflação é o aumento de juros. Redução do custeio, nem pensar. E os banqueiros comemoram. Só este ano serão pagos perto de R$ 200 bilhões só de juros. Assim o Brasil não pode crescer.
    O Mantega e o Meirelles não se entendem.

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 15h30

    Que gatos deveriam ser sacrificados para obter a milagrosa "redução do custeio"?
    Qual seria o montante da economia?

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 16h24

    Carlos,
    O governo gasta muito e mal.
    Imagine que o Ministério da Defesa vai gastar aproximadamente R$ 52 bilhões (sem contar os caças que vão para outro exercício fiscal) enquanto a Educação vai gastar, se é que vai pois as contas não fecham nunca entre o orçado e o real, R$ 48 bilhões.

    patrick

    31 de maio de 2010 às 20h51

    Metade do orçamento da defesa é para pensões dos militares. O que você sugere, cassar a aposentadoria deles? Por que vocês tucanos não tem coragem de falar o que pensam na TV?

    Ubaldo

    01 de junho de 2010 às 01h35

    Patrick,
    As filhas dos militares recebem a aposentadoria do pai, quando da falta deste. Assim, não há sistema previdenciário que se sustente. Só crescem os encargos.
    Se a nossa Constituição, o que acho errado, proíbe a fabricação de armas nucleares é porque nossa direção é o pacifismo. Por que tanto militar fora das áreas de fronteira?
    Em realidade, há vespeiros que o Lula nem passa perto. Vide militares e banqueiros.

    Edv

    01 de junho de 2010 às 14h19

    Debalde dizer que durante o governo do "principado neoliberal", os juros eram MUITO maiores, e os banqueiros comemoravam MUUUITO mais. Já a "redução de custeio" para "controlar a inflação" é um método que desconhecia… Pensava que fosse para outros objetivos…
    O objetivo do superavit nominal, que é o objetivo principal (e não apenas o primário), estava planejado para 2012 (ou 14?) e teve que ser adiado, por causa da crise. Mas o caminho já está traçado… a menos que "eles" voltem"…

    Augusto curtial

    31 de maio de 2010 às 12h42

    "Sou pró-Brasil incondicionalmente. Mas não posso deixar de reconhecer que eles têm a maior economia do mundo e compram produtos manufaturados. Não precisamos ficar cutucando a onça, de todos os lados. Vai que ela resolve atacar. Temos de manter um clima de parceria, nunca de submissão, com eles. Comercializar com a China e outros países não é excludente. Fomentemos o comércio com todos, independente de ideologias."

    Creio que nisso estamos todos de acordo: ninguém aqui quer comprar briga com ninguém, muito menos com os americanos, pelo contrario, é preciso tê-los sempre como parceiros. O que nos separa é que você vê na atual diplomacia brasileira um risco de conflito com os USA, enquando outros, entre os quais eu me incluo, vêem nela uma atitude independente e multipolar. Seu raciocinio é mais ou menos do tipo: "não ser a favor significa necessariamente ser contra". Trata-se de um sofisma fundamentado em ideologia.

    Edv

    01 de junho de 2010 às 14h36

    Este seu comentário já me parece conter diversas colocações razoáveis. Congratulo-me!
    Percebo apenas 2 preocupações que não valem a pena hoje:
    1) "Vai que resolve atacar": se vc disse comercialmente, temos que nos defender, por isso é bom diversificar. Agora se vc falou "militarmente", esqueça… com mais aviões em 1 ou 2 portaviões do que nossa honrada força aérea e as tecnologias já tornadas públicas, não daria nem pra saída… Mas se vc parar de enxergar esta "exclusão" e este "antiamericanismo" todo e ver pragmatismo, vc dormirá mais tranquilo…continuamos fortes parceiros comerciais, apenas d.i.v.e.r.s.f.i.c.a.m.o.s…
    2) Os EUA não vão comprar manufaturados do Brasil só porque nós queremos… Eles compram manufaturados da China, Coréia, Cingapura, Japão…Mas nós chegaremos lá….

    Edv

    30 de maio de 2010 às 23h26

    Não haveria como vc não estar "de acordo"… Dentre muitos que reconhecem essa nova importância temos, por ex….os EUA, por documento publico oficial sobre suas estratégias para o século XXI, além de jornais, revistas, entidades e governantes de primeiro público. Mas a sua importantíssima opinião vassala é que é relevante, ela é que não é "comédia"! Quanto à sua preocupação em "vender ao gringos" …é sintomática, Freud explica…
    Mum mundo em crise e o Brasil deve crescer cerca de 7% (FMI, Bradesco, Itau). Culpa do "folclórico"…
    Aliás, a pergunta que vc deve SE fazer é: por que um Brasil melhor e mais respeitado lhe incomoda tanto?

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 00h00

    Edv,
    Você está se vangloriando pela projeção de crescimento da economia brasileira que este ano, se tudo der certo, deverá ficar em torno de 5,5% conforme Mantega. Os banqueiros têm a tendência de inflar as projeções por interesses óbvios. No ano passado, que segundo o Lula não tivemos crise, o crescimento da economia foi negativo. Se somarmos o crescimento populacional (1,2%), ficamos mais pobres 1,4%. É sempre assim, crescemos um ou dois anos e caimos noutro. Se você deduzir o crescimento da economia mundial e o aumento demográfico verificará que crescemos muito pouco, tanto no octaetéride de FHC quanto no de Lula.
    A taxa de desemprego ainda está por volta de 7%, histórica. A dívida externa está em US$ 240 bilhões e Lula mente ao dizer que quitou. Ele simplesmente trocou a dívida do FMI por dívida interna, onde os banqueiros estão ganhando muito mais, pois ao invés de 1% que pagávamos ao FMI agora pagamos de 9,15 a 13,5%.
    A dívida pública bruta cresceu de R$ 687 bilhões (FHC) para atuais R$ 2,1 trilhões para financiar custeio, juros aos banqueiros e não investimentos.
    Assim, é Marketing e pouco resultado.
    Sem se esquecer que nenhuma das reformas estruturais (Reforma Eleitoral, Tributária, Política, Monetária, Fiscal, Previdência) que o país necessita foi feita apesar do Lula ter a maioria no Congresso.
    Nós da direita estamos acostumados a consertar as irresponsabilidades da esquerda. Em breve iniciaremos a colocada do trem nos trilhos novamente.

    Edv

    01 de junho de 2010 às 12h07

    Respondendo Ubaldo em 2 partes numeradas (1):
    Vc começa mostrando bem sua fraca percepção, dizendo que "eu" estou me "vangloriando"… O Brasil, Ubaldo! O Brasil, dos brasileiros, Ubaldo! (suponho que vc o seja, não?). Vc me lembra funcionários que tive, que tentavam me enrolar com VVP (vocabulário de valorização profissional), usando siglas e números inúteis: Lembrando que em 2008/9 tivemos uma crise MUNDIAL, só comparável a de 1929, vamos lá: 1) Se o c.PIB é de 5,5 a 7,5%, é só estimativa… Importante é que a pior delas é MUITO boa! 2) Negativo em 0,2% numa crise como a já citada, é lucro, e como já crescemos cerca de 10% neste trimestre, usando seu racionínio (?!), já estamos "ricos" outra vez. (e o natal geral foi bom, não foi?). 3) A taxa de desemprego recebida do seu "idol" FHC foi de cerca de 25%. Estarmos em 7,3, já com mais de 10 milhões de empregos formais gerados por Lula (e crescendo), contra cerca de 1/5 disso em todo o FHC… é um belo progresso, não é mesmo? (continua)

    Edv

    01 de junho de 2010 às 12h14

    Resposta a Ubaldo, parte (2/3):
    4) Divida bruta em R$, blá, blá, blá (puro VVP). O que importaria é a dívida líquida e, mais ainda, a relação dívida x PIB, e mais ainda a "qualidade" desta dívida. FHC, depois de vender empresas lucrativas por menos do que podem dar de lucro num trimestre, sem considerar sem imenso patrimônio ou financiar compradores estrangeiros com o BNDES que depois faliram (Enrom) e ir 3 vezes ao FMI, entregou uma dívida de 72% do PIB. Com o "analfa" caiu para 55% e, para combater (com sucesso) a crise, cresceu conscientemente para 63% … e já está caindo de novo…e é mais livre de câmbio…tem mais qualidade… 5) Vc está apenas repetindo os itens do famigerado Consenso de Washington com suas reformas "estruturais". Até concordo que algumas devem ser feitas, mas seu neoliberal vendilhão não as fez, também com maioria, até para alterar a constituição e se reeleger. O "hole" é mais "below".

    Edv

    01 de junho de 2010 às 12h16

    Repondendo a Ubaldo, parte (3/3:
    6) Quanto à consertar, o Brasil sempre foi historicamente de direita, se vcs estão "acostumados" a alguma coisa, é a ERRAR (contra o Brasil e a favor de si próprios). Pela primeira vez alguem começou a consertar. 7) Vc tem potencial e pode melhorar, se parar se informar e aculturar como um PIGuinho amestrado. Vc "pode mais"…

    Edv

    01 de junho de 2010 às 12h31

    Repondendo Ubaldo, 3/3):
    6) Quanto à consertar, como o Brasil sempre foi historicamente de direita, vcs só podem estar acostumados a errar. Pela primeira vez alguem está começando a consertar. 7) Varie suas fontes de informação e cultura e vc descobrirá que vc "pode mais"…

    Milton Hayek

    30 de maio de 2010 às 23h50

    Para o Ubaldo,comunidade internacional significa EUA e Europa,maesmo que eles comprem bem menos de nós,hoje,do que a China,Oriente Médio,Mercosul e África.Não dá.É o samba do Ubaldo doido.

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 00h47

    Milton Hayek,
    O comércio com o Irã representa 0,59%. Vendemos minérios e produtos agrícolas à China e compramos bugigangas e manufaturados que acabam com nossa indústria. O comércio com os EUA tem sido reduzido drásticamente desde o início do governo Lula, o que denota uma miopia sem precedentes, pois não há esforço como missões comerciais para lá. Esse governo enxerga que quem é antiamericano é seu amigo e faz negócios. Quem é alinhado com os EUA é nosso inimigo e os negócios ficam para segundo plano. Essa política de querer acabar com os EUA chega a ser infantil.

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 13h36

    E o Ubaldo, continua a abanar o rabo.

    Edv

    01 de junho de 2010 às 12h27

    Ubaldo:
    Debalde dizer que políticas de diversificação são mais seguras e reduzem dependências, ainda mais quando se ganha valor (vide crise, por ex.).
    Debalde dizer que uma coisa é ser americanófilo ("baba-ovo"), outra é ser amigo independente e soberano e outra ainda é ser antiamericano.
    Debalde dizer que (acho qe já disse, mas vai de novo) um adulto não mais obedecer a tudo que a mamãe diz não é ser contra a mamãe.

    Augusto curtial

    31 de maio de 2010 às 12h29

    " Agora, além de vender menos aos gringos a gente passa vergonha! "

    Sr. Ubaldo, talvez o senhor não se dê conta, mas seus comentarios têm como pressupostos ideologicos uma visão extremamente hierarquizada das relações internacionais, na qual o Brasil ocupa por natureza uma posição inferior. O senhor enxerga o mundo a partir de uma estrutura de dominação jà assimilada, em vez de tentar compreender a dinâmica das estruturas de dominação a partir de uma observação desmistificada do mundo.

    Não penso que nossa dignidade deva se medir pelo que pensam de nos estrangeiros que nunca puseram os pés no Brasil e que nos avaliam segundo seus proprios parâmetros parciais e muitas vezes discutiveis de conduta (uma leitura suscinta de Maquiavel jà é suficiente para se dar conta disso), mas sim pela nossa propria capacidade em nos organizarmos como uma sociedade equilibrada e pelo valor de nosso proprio trabalho em busca do bem-estar social.

    Entretanto mesmo se levarmos em conta como critério de avaliação a opinião que têm de nos a comunidade internacional, é inegavel que o resultado é positivo.

    Vivo no exterior hà alguns anos e frequentemente discuto sobre politica com cidadãos de diferentes paises "desenvolvidos", de diversas profissões, diversas correntes ideologicas e diversos horizontes sociais, alguns deles inclusive ocupam cargos de relativa responsabilidade na administração de seus paises.

    Posso lhe assegurar que se algum dia ja me ocorreu de me envergonhar do meu pais, não foi de modo algum em razão de nossa diplomacia, sobre a qual geralmente ouço comentarios muito respeitosos, quer se trate de criticas ou elogios, mas sim em razão dos graves problemas sociais e dos flagrantes desrespeitos às leis e instituições que ainda vigoram DENTRO do Brasil, para as quais contruibuiram durante toda a historia, e ainda contribuem, os esforços de dominação de nossas elites conservadoras, preconceituosas e defensoras de privilégios.

    Hà muito o que se criticar em qualquer governo, e com o presidente Lula a coisa não é diferente. Aliàs, é otimo termos a oportunidade de ver por aqui pessoas de outros pontos de vista como você que vêm expressar suas opiniões e debater idéias. Mas jà està na hora de sabermos separar o que são criticas ao governo e o que diz respeito à dignidade do Estado e de seu povo.

    yacov

    31 de maio de 2010 às 15h57

    Ahahahahah…. O UBALDO Surtou de vez, minha gente… Alguém pode me dizer onde é que os negócios com os UUEE foram prejudicados, apesar deste antiamericanismo todo que ele atribui a LULA??? Não foram. Pelo contrário. Sem prejuízo de nossas relações comerciais com os UUEE e UE, nosso PIB triplicou, com a abertura de mercados na Àsia, Àfrica e Oriente Médio… Dizer que as críticas da imprensa mundial não são reverberdadas pela Mídia corporativa nacional e que os elogios não são abafados pela mesma, é de uma cara de pau sem tamanho. Me poupe!!!

    (cont.)

    yacov

    31 de maio de 2010 às 15h58

    E pelo que eu saiba, o BRASIL questionou os EEUU na questão de HOnduras, mandando um recado bem claro de que não aceitará golpes na América Latina, que este tempo já passou, assim como obteve uma vitória marcante na Rodada Doha, vide as sanções impostas aos EEUU pela OMC. Quanto A CUBA, a questão não depende só do BRASIL, mas já existem uma abertura que não havia antes, e o acordo do IRá, por enquanto, pelo menos, é um sucesso… Al´me do mais, temos o G-20, a UNASUL, o MERCOSUL, os BRIC's, ou seja, conquistas maravilhosas em termos de diplomacia intencional, que o povo da direita morre de inveja por terem sido conquistadas, quanto mais terem sido cons=quistadas por um metalúrgico sem diploma, não é mesmo??? Pare com as drogas UBALDO, vem pra DILMA você também!!! Ahahahahaha…..

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na GLobo – O que passa na glOBo é um braZil para os TOLOS"

    Edv

    31 de maio de 2010 às 21h04

    Ubaldo, se vc já for crescidinho, não fazer o que sua mamã manda não significa que vc seja contra ela…simples assim.
    Uma coisa é ser "americanófilo" (vulgarmente, "baba-ovo"), outra é ser soberano, independente, e uma terceira é ser antiamericano. 95% da imprensa (TVs, rádios, jornais, revistas. internet, empresas de propaganda) é puramente empresarial, sem interesse público e comprometida com seus colegas também conservadores, retrógrados e patéticos deste país, pois ainda estão ná época da guerra fria, da "cuca vem pegar"… Varie suas fontes! (não não é sair da Veja para O Globo e deste para a Folha e desta para o Estado e … eu falei VARIAR!)

Marcelo Ramos

30 de maio de 2010 às 14h17

O tema da política externa vai se tornar central… não porque a oposição quer, mas porque o governo vai querer falar muito e bem de seus sucessos. Com razão. Elevou a auto-estima do povo brasileiro.

Responder

    Leider_Lincoln

    30 de maio de 2010 às 16h00

    Marcelo, acho que é isso que a direita entreguista teme e odeia. Que nós tenhamos orgulho de nós mesmos, que tenhamos confiança, força e noção de poder. A fracassomania, o complexo de vira-latas não é algo que veio do nosso povo, é algo que lhe foi imposto. Serve para nos tirar a fé e as forças. Se temos as duas coisas, não precisamos bater em bolivianos para nos sentirmos bons. Basta-nos honradez e dignidade.

    Werner_Piana

    31 de maio de 2010 às 00h16

    É exatamente isto que os oito anos do Governo PT/Lula trouxeram, além da evidente melhora da vida de TODOS: orgulho de sermos brasileiros, auto-estima… e isso mata os colonistas do PiG… em programas humoristicos da globo já existem até 'novos' quadros em que um viajante brasileiro no tempo volta a momentos históricos só pra dizer que o país nunca vai dar certo (Zorra Total, sabados apos a novela das 9). O que seria isto senão propaganda ideológica para reforçar o complexo de vira-latas, da fracassomania, tão a gosto dos demo-tucanos? Dá nojo!

Marcio Gaspar

30 de maio de 2010 às 14h07

Surpresa seria ver ou ler elogios da midia partidaria aa politica externa do Lula.

Responder

francisco.latorre

30 de maio de 2010 às 13h06

marcos coimbra.

mineiro porreta.

esse não vai de muro.

..

Responder

Urbano

30 de maio de 2010 às 13h03

Márcia Aranha, infelizmente eles não possuem 'insight' para isso. Vão perder da sua forma mais indigna, que eles sempre trilharam.

Responder

Elias São Paulo SP

30 de maio de 2010 às 12h59

Fora de foco, mas dentro:
Aécio é inteligente o bastante para saber que se sair como vice jamais se elegerá presidente. Pelo menos não há exemplo em nossa história de um vice que após o mandato se elegeu presidente. Aécio é jovem e se for um bom senador terá chances futuras. Como vice de Serra ou de qualquer outro estará condenado a não passar desse cargo. Assim, o PSDB tem que se conscientizar de que Aécio não é mais uma opção.

Responder

voxetopinio

30 de maio de 2010 às 12h50

"Irresponsável, inconsequente, atrapalhada, é assim que pintam sua condução."

Claro que a política brasileira é isso aí. Oras, a oposição acha irresponsável, inconsequente e atrapalhada a politica externa que não é automaticamente ligada ao "lamber botas estadunidenses", que não é submissa as grandes potências etc etc etc. Eles estão só sendo coerentes, só que o pensamento deles é que é incoerente. É a coerência na incoerência. Viva o paradoxo da Direita perdida e "mal amada".

Responder

Marcus Vinicius

30 de maio de 2010 às 12h50

olha o nocaute que o Supertramp68 tomou no "Blog do Nassif":

Supertramp68 disse:
29/05/2010 às 21:15

Alguem do além que te disse? Ou voce viu na bola de cristal? Não sabia que previa o futuro. Então podemos dispensar as urnas e aproveitar o feriado. O Nassif já sabe o resultado. O Serra já era, nos diz a visão alem do alcance. Pode me dizer, confidencialmente, os numeros da proxima Mega?

eis a Resposta do Nassif:

luisnassif disse:
29/05/2010 às 21:34

Não. Mas posso deduzir o nível da sua inteligência com pouquíssima margem de erro.

Fala o que quer, ouve o que não quer !! kkkk!

Responder

    Leider_Lincoln

    30 de maio de 2010 às 16h06

    Que cacetada! De toda forma, então esse supertramp é um troll independente, pelo visto. Por que os trols mandados (da turma do Ruy Franco, Graeff e similares) só comentam com o mesmo nick em um blog. Ou acaso alguém aí já viu o Ubaldo, o Klaus e o dvorak no Escrivinhador, Conversa Afiada, Blog da Cidadania ou no Nassif?

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 12h04

    No CAF, apareceu um tal "Edmundo Bezerra", disparou umas besteiras e sumiu.

Carlos

30 de maio de 2010 às 12h38

Pra que aceitar a condição de figurante inexpressivo, se podemos ser protagonistas?

Responder

Carlos

30 de maio de 2010 às 12h31

45, a prova dos nove…

Responder

Marco Aurelio

30 de maio de 2010 às 12h13

“ … o velho mundo em que jornalistas mereciam ter a responsabilidade de filtrar e hierarquizar as notícias vive hoje em conflito com um mundo em que muitos (mas não todos) leitores querem ter a capacidade de julgar por si próprios; criar seu próprio conteúdo; articular suas próprias idéias; e aprender com seus pares, tanto quanto aprendem com as tradicionais fontes de autoridade.”

De Alan Rusbridger, editor do jornal The Guardian de Londres.
http://www.conversaafiada.com.br/cultura/2010/05/

Responder

t tonucci

30 de maio de 2010 às 12h07

Sintomático esse arroubo anti-cocaina do Serra se dar logo após o Aécio ter se definido. Nunca vai ser um assunto muito adequado para se tratar aqui em Minas.

Responder

Ronaldo

30 de maio de 2010 às 12h01

A oposição, que agora é apenas o PIG, já sabe que perdeu e apela para a procuradora esgazeada e outros do terceiro poder que topam o papel de imparciais partidarizados.

Os políticos, sempre oportunistas, só pensam em salvar o que for possível. A decisão daquele político, que o Lula chamou de babaca, desistindo do Senado e tentando ser deputado, demonstra isso.

O pó demais vai ficar na dele, sentado na sua cadeira de senador já reservada. E por aí vai.

O patético iracundo está cada vez mais solitário, seguido por zumbis, alienados e revoltados. O quadro é triste, e preocupante. Aqueles que perdem a esperança partem para a destemperança.

A vitória é certa, se formos vigilantes.

Bom domingo a todos . . .

Responder

Pitagoras

30 de maio de 2010 às 11h54

Entre os inúmeros acertos do geverno Lula, um dos que me deixa orgulhoso de ser brasileiro, é o da política externa. O Brasil mostra que outro mundo é possível, assume uma posição firme, racional, de paz e justiça, se agiganta perante o concerto das nações, levanta nossa auto-estima por motivos nobres em contraste com a política de exploração, subjugação, humilhação que os norte-americanos continuam a impor ao mundo, juntamente com alguns fantoches seus mundo afora.
Dilma, mantenha Marco Aurélio Garcia à frente do Min. Rel. Exteriores!
Parabén a Lula, Garcia e ao Itamaraty!

Responder

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 11h19

    … e o Celso Amorim? Nada???

Milton Hayek

30 de maio de 2010 às 11h50

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/05/30

30/05/2010 – 10:32
O relatório 2008 da ONU sobre a cocaína

Dados do UNODC sobre apreensões individuais de drogas mostram que, de um número total de apreensões de cocaína realizadas na Europa em 2007 (em que a origem da remessa foi identificada), 22% haviam sido contrabandeados via África para a Europa. As cifras mostram que o contrabando da droga à Europa via África aumentou consideravelmente nos últimos três anos, com registros de 12% em 2006 e 5% em 2004. Grupos criminosos da África Ocidental continuam a dominar o tráfico no varejo em diversos países europeus. O país mencionado com mais freqüência como origem da cocaína traficada para a África é a Colômbia, seguida do Peru. Em relação às apreensões de cocaína realizadas na África, o país de trânsito mais importante é o Brasil, seguido da Venezuela. (p. 79)

Responder

Lucas Cardoso

30 de maio de 2010 às 11h48

A forma de conduzir a política externa é o principal motivo pra votar na sucessora do Lula.

Na economia o Serra só mexe se de repente enlouquecer, mas na política externa, ele já dá sinais que não está à altura do atual governo.

Responder

O Brasileiro

30 de maio de 2010 às 11h23

À direita facista só resta o golpe, como fez nos EUA em 2000 e em Honduras em 2009!
Por isso, os agentes facistas da direita brasileira, infiltrados no TSE, tentam encontrar subterfúgios jurídicos para o golpe que planejam!

Responder

Antonio Lyra Filho

30 de maio de 2010 às 13h03

O Globo News Painel, me parece que foi escalado para atacar a política externa brasileira.

Wiliam Waak convida os ex-chanceles de pijamas com esta finalidade.

Responder

    Carlos

    30 de maio de 2010 às 12h30

    Pijamas, pantufas e chá de bilis.

    Mateus de Campos

    30 de maio de 2010 às 13h40

    Cancelei a assintarua da TV por satélite sky, devido este jornalista, Wilian Waak e outros da globonews, verdadeiro panfleto eletrônico pró direita.

Otaciel de Oliveira

30 de maio de 2010 às 12h47

NO POVO ONLINE, DE FORTALEZA

"Para Serra, vice ideal deve ser discreto e cooperativo". Um vice que "não dê aporrinhação".

E eu acrescento: o ideal para o Serra seria um vice surdo, cego, e mudo. Eu conheço uma pessoa assim. É só entrar em contato comigo e pronto, o vice do Serra estará escolhido.

Responder

    nonato barboza

    31 de maio de 2010 às 16h52

    Otaciel, vc é um cara inteligente. Eu, na contramão, iria indicar o Babau do Pandeiro. Esse Serra vai virar uma espécie de "Coxinha" com sotaque paulista, com todo respeito aos paulistas. Pelo que consta ela não respeita nem os amigos quando a busca pelo poder está em jogo….

robledo

30 de maio de 2010 às 12h35

Os diplomatas de fhc são aqueles esnobes que já dentro do avião, arriavam as calças e traziam um potinho com vaselina para conversar com assessores do presidente Klinton. Pareciam aqueles prefeitinhos de cidades do interior indo a capital pedindo dinheiro.

Responder

    Milton Hayek

    30 de maio de 2010 às 11h12

    È isso aí,Robledo!!!A diplomacia de FHC era brilhante porque se impunha, ao exigir vaselina ao invés do sem cuspe e com areia.
    Eu não aguento mais ver esses cachorros vira-latas de FHC falando baboseiras sobre o Itamaraty.Parece que os caras recebem o release do Departamento de Estado,imprimem no cérebro e ficam vomitando impropérios em A4.Nunca vi tanta idiotice de diplomatas que recebem do Erário para atacar o Brasil!!!É um absurdo!!!Em qualquer lugar do mundo esses caras seriam tratados como bandidos.

    francisco.latorre

    30 de maio de 2010 às 13h05

    efeagá ficou decepcionado.

    clinton nunca mais ligou.. não escreveu..

    isso magoa.

    ..

Melinho

30 de maio de 2010 às 12h25

CONCLUSÃO:

O marqueteiro do Serra é um agente PTista infiltrado nas hostes oposicionistas. Ele vai derrotar o PSDB "por dentro".

E a oposição não percebeu ainda: no Brasil a popularidade do Lula chega às raiais dos 85%. Lá fora (e eu viajo e também conheço pessoas que de vez em quando viajam ao exterior) ninguém pergunta por outra pessoa quando nos identificam como brasileiros: "e o LULA?" É uma admiração, um carinho e um respeito impressionantes. Pelé já se encontra em segundo plano, e eu não estou com brincadeira. Comentário de um PSDBista: "não duvido que o PT esteja gastando uma nota para comprar os jornais britânicos, franceses, argentinos, alemães, etc., e já instituiu o Bolsa Família nesses países e agente nem sabe".

Marqueteiro do Serra e o PIG (Veja, Ratinho, Rede Globo, Folha, Estadão, Datena, Band-News etc): com esse time o Serra está em péssimas mãos e por isso vai perder a contenda.

E já que citei a Band-News, eu sugiro dois novos slogan para o telejornal do bigodudo: "Band-News, A DESGRAÇA EM PRIMEIRÍSSIMO
LUGAR". O segundo: DESGRAÇA POUCA É BOBAGEM".

Portanto, se você é propenso ao suicídio, fuja da Band-News.

Responder

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 11h31

    É verdade, Melinho.
    Também viajo bastante e a pergunta é essa mesmo. "E o Lula??"
    …e pensar que, em 1992, nos EUA, um nativo de lá me falava: "Brazil?? Pelé!!!"
    Ele de fato superou o Pelé e os Ronaldos pelo planeta afora.
    Sim! Temos agora um ícone: Lula – o arquétipo do herói brasileiro.
    Macunaíma já era!!! Sorry, almofadinhas!

    (PS: Não sou propenso ao suicídio.Devo então assistir à BandNews??)

william porto

30 de maio de 2010 às 12h22

O mundo todo reconhece o valor do Lula e do sdeu governo. A imensa maioria do povo brasileiro tambem. So a midia fascista nega isso. O mundo nao iria elogiar Lula gratuitamente. Isso vai sim nortear a campanha, e Dilma vai tirar partido disso. Nao adianta a direita chiar, vai ter que engolir o Lula.

Responder

    Jairo_Beraldo

    30 de maio de 2010 às 11h06

    Lula não dá dindin para eles…daí a forma como o tratam!

Márcia Aranha

30 de maio de 2010 às 11h41

Em resumo: para Serra, se ficar o bicho come; se correr o bicho pega.

Se eu fosse da equipe de marketing de Serra daria apenas um conselho ao careca: "Deu tudo errado, Lula trasnferirá votos, Dilma é competente como candidata e o tiro do PIG saiu pela culatra. Vamos tentar perder com dignidade"

Fica o conselho que Serra deveria, se pretende continuar na política, levar muito à sério…

Responder

    Jairo_Beraldo

    30 de maio de 2010 às 11h07

    Como ficará o PIG, o PSDB e o marqueteiro do Serra depois de outubro?

ruy garcia

30 de maio de 2010 às 11h38

E a dobradinha Serra/Veja sobre a Bolívia só vem comprovar isso. Serra é uma biruta de aeroporto, como já bem o disse Dilma Roussef, à procura de um discurso. Perdeu a noção do ridículo e está se tornando, cada vez mais, um candidato patético.

Responder

Eduardo

30 de maio de 2010 às 11h34

Carlos Azenha,

O artigo do Sr. Marcos Coimbra vai ao encontro das conversar que eu tenho entre amigos. É esse sentimento que eu percebo. Cada notícia que enaltece o governo Lula as pessoas ficam orgulhosas. Mas tenho amigos ferrenhos, que não aceitam de jeito nenhum, mas eu acho natural em uma democracia, até porque a unanimidade é burra. Essa oposição é também legal, porque contra fatos não há argumentos e esse tem sido o maior problema da oposição.
Realmente, o que aconteceu com o governo do Lula foi uma "tapa de luva" naqueles que acreditavam que o governo seria uma caos, a exemplo de Regina Duarte. Mas, o que se está vendo, tanto na política interna como na externa, é a desenvoltura de um governo – agora plagiando o Lula – "Nunca na história deste País"….
Na minha opinião só um tsunâmi para Dilma não ganhar

Responder

José Melquíades Ursi

30 de maio de 2010 às 11h27

Taí, análise realista e, de certa forma, emocionante para um leitor brasileiro. Serra, a continur com esse papo de Bolívia e Irã, melhor tirar o cavalo da chuva, se é que já não tirou.

Responder

    Jairo_Beraldo

    30 de maio de 2010 às 11h08

    A pré-candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, criticou nesta sábado (29) a declaração do tucano José Serra de que o governo boliviano é “cúmplice" do tráfico.Para Marina, o adversário errou por ter generalizado o problema do narcotráfico naquele país. “Não é assim que se trata um país irmão, até porque o povo boliviano não merece esse tipo de generalização”. o Zé está ficando senil…

    José Silva

    30 de maio de 2010 às 13h20

    Oportunista do jeito que ela é, acredito que já percebeu que se começar a bater no Zé inacabado tem a possibilidade de lhe "roubar" uns votinhos, e se ficar servindo de capacho vai ficar sem palanque no seu próprio partido, que até o presente momento parece que não a aceitou muito bem. Se o Serrágio não se ligar vai terminar a corrida em terceiro lugar!!!

    Heitor Rodrigues

    24 de setembro de 2010 às 02h24

    Em quarto, José. Porque o segundo lugar será da diferança entre a Dilma e a Marina.

    setepalmos

    30 de maio de 2010 às 14h29

    Realmente, é isso aí.
    Mas a Marina erra ao início por se associar ao PV.
    O PV é partido de aluguel, é fato.
    E ela acaba por ser uma candidatura de aluguel

sergio pedretti

30 de maio de 2010 às 11h25

A oposição se perdeu, e a cada dia que passa o Brasileiro enxerga que a mídia está sim, a serviço de alguns brasileiros se segunda classe, mesmo que pensem ser de primeira.

Responder

Orlando Bernardes

30 de maio de 2010 às 11h24

Nenhuma surpresa. Esta mídia que está por aí, hegemônica e golpista, só sabe falar mal do presidente e agora da Dilma.Não enchergam a realidade que os cercam. O que eles desejam é o de sempre, colocar na presidência os traíras de sempre para acabarem de entregar nossas riquesas para os " gringos ". São uns FDP entreguistas.

Responder

luis

30 de maio de 2010 às 11h24

É, mas não vamos subestimar a Bolívia. Com seu PIB, seus arsenais guerreiros, seu aparato de informação e contra-informação, seu complexo industrial-militar, seu programa nuclear, suas plantações de papoula, seu programa aero-espacial… ufa. Tomara que o Serra ganhe para evitar nossa tragédia. Só Serra salva!

Responder

setepalmos

30 de maio de 2010 às 11h00

Com certeza, a Dilma tem muito a ganhar.
As respostas que ela deu sobre a atuação de quem pretende ser um Estadista, são tão mais próprias que humilham o José Serra. Os aspecto de José Serra, é que ele sempre busca estar em concordância com as posições imperiais dos Estados Unidos – patético e terrível. http://setepalmos.wordpress.com/2010/05/30/sobre-

Saudações a todos

Responder

Maximiliam

30 de maio de 2010 às 10h54

Azenha: a propósito deste post e depois da difusão na rede da expressão criada por Paulo Henrique Amorim indicativa da existência no Brasil de um “Partido da Imprensa Golpista” pela primeira vez se nota uma fissura no monolítico bloco formado pelos grandes órgãos da imprensa nacional. O “Jornal do Brasil” ainda que hoje mais voltado ao próprio quintal – a cidade do Rio de Janeiro – começa a dar sinais claros de diferenciação editorial do grupo do qual fazem parte e lideram o O Globo, o Estado de S. Paulo e a Folha de S. Paulo, entre os jornais diários.

Nas suas últimas edições, o velho JB retorna com análises francamente favoráveis ao governo e se posiciona ao lado de Lula no embate com os Estados Unidos nesse imbróglio envolvendo o acordo com o Irã negociado por Brasil e Turquia. Na edição deste domingo há evidente postura independente – e que se poderia dizer “pró-Brasil” – no editorial do jornal que marcou época na imprensa brasileira por décadas.

Da análise de Wilson Figueiredo no “Coisas da Política” na página 2 até o artigo de Gilson Caroni, o jornal do Conde Pereira Carneiro faz por onde se diferenciar dos outros “jornalões” por uma guinada francamente a favor do Brasil, mais nacionalista, embora crítica a algumas ações do governo. Deixou de lado de vez a posição dominante que lhe deram Augusto Nunes, Vilas Boas Correia e os velhos editoriais pró-Serra.

Seus editores setoriais – entre eles André Balloco e Marcelo Migliaccio – já há tempo ponteiam no JB Online com postura antiserrista e mais à esquerda.

É de saudar com esperança o renascimento do JB independente e o aparecimento de um jornal que usa todo o seu prestígio centenário, para destoar da mídia comprometida com o atraso histórico que nos legou o PSDB com sua inflexão à direita do espectro político nacional.

Que Deus conserve o velho JB na sua nova visão de Brasil e do seu povo!

Maximiliam Klimberger – Jornalista

Responder

    Carlos

    30 de maio de 2010 às 12h37

    Aos amigos, vou sugerir que assinem o JB, onde deve pairar – digamos assim – o espírito de Barbosa Lima Sobrinho.

    A

    José Silva

    30 de maio de 2010 às 13h23

    Será que o Brasil finalmente começa a ensaiar seus primeiros passos para uma democracia plena?

    Werner_Piana

    31 de maio de 2010 às 00h08

    também tenho percebido isto e foram exatamente manchetes acerca do acordo Irã-Brasil-Turquia que me chamaram a atenção para o 'deslinhamento' do JB com o resto do PiG.

    Quando consigo, compro em banca aqui em BHZ – mas não é fácil encontrar, distribuição muito restrita a poucas bancas.

    Tomara que vc tenha razão. O Brasil precisa de um jornal 'independente'… já que o "Jornal da Republica" do Mino não tem como reviver.

    Ubaldo

    31 de maio de 2010 às 03h09

    Maximiliam,
    Nem por um momento pode passar pela cabeça de um petista, maniqueísta por natureza, que um jornal qualquer da grande imprensa possa ser independente ou que descreva os fatos e analise de maneira isenta e assim, estará por vezes contra e por vezes a favor do governo.
    Assim, quando um determinado jornal faz uma crítica sobre um determinado assunto a favor do governo,este automaticamente é lembrado de seus áureos tempos ou de seus grandes jornalistas, etc.e etc. Opostamente ao fazer uma crítica ao governo, automaticamente e já no dia seguinte se torna membro da imprensa golpista.
    Aos jornalistas esquerdistas, que sempre foram e sempre serão maioria, quais hoje dizem somam 92% têm seus motivos. São convicções, charme do contraditório, criadores de assuntos ou simplesmente porque recebem um jabazinho. Os companheiros são os bloguiados, ou alienados do blog. Se o blogueiro falar que a idéia agora é falar bem do Ciro, por exemplo, eles o fazem sem pestanejar. São manipulados. Aqui, neste blog há muitos e muitos.
    Por isso, venho aqui, para me divertir com suas limitações.

    Paulo

    31 de maio de 2010 às 11h41

    E nós, nos divertimos mais ainda com suas limitações UDNistas.

    Carlos

    31 de maio de 2010 às 12h04

    "Por isso, venho aqui, para me divertir com suas limitações."
    Eita Sujeito arrogante e pretensioso o sr. Ubaldo.

    yacov

    31 de maio de 2010 às 16h26

    Como se ele fosse "o isento", o lúcido e o equilibrado…. Nos poupe de seus trololós, UBALDO. Você é o maior maniqueísta de todos. Um reaça de carteirinha. Não tem espelho na sua casa não?!?!? Alguma vez você já veio aqui elogiar o LULA, o PT , a DILMA, por qualquer razão que fosse??? Ora vá catar latas, meu rapaz!!! Mas essa é a cara da direita nacional, sem discurso, sem idéias e desesperada. Batem e assopram… São completamente sectários, mas não suportam o sectarismo dos outros…

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na glOBo – O Que passa na glOBO é um braZil para TOLOS"

    Heitor Rodrigues

    24 de setembro de 2010 às 02h21

    Ubaldo, você é um clichê só. E, haja despeito! Não sabe nada do significado do JB na vida dos cariocas. Se tivesse aprendido a ler no jornal da Condessa Pereira Carneiro, saberia que onde há rosas, há espinhos. Se conhecesse, um pouquinho que fôsse os petistas cariocas, saberia o quanto foram plurais na alvorada do Partido dos Trabalhadores. E continuam sendo, já que saíram do PT os sectários e intolerantes – alguns cínicos – como você. Se vivesse e trabalhasse aqui, saberia o quão duro é o cotidiano da maioria, apesar do sol, da praia e do "fair play". Pensando bem, você parece muito com o José Serra, ao atribuir aos outros, sua própria imagem refletida no espelho.


Deixe uma resposta para Lucas Cardoso

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!