VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Henrique Fontana: Privatização da Eletrobras, ainda há tempo de evitar este crime contra o povo brasileiro
Fotos: PT na Câmara e divulgação Eletrobras
Você escreve

Henrique Fontana: Privatização da Eletrobras, ainda há tempo de evitar este crime contra o povo brasileiro


27/05/2021 - 16h59

Privatização da Eletrobras: ainda há tempo de evitar este crime

Por Henrique Fontana*, exclusivo para o Viomundo

Estamos assistindo a um anunciado crime lesa pátria contra o povo brasileiro.

A proposta de privatização da Eletrobras, a maior empresa de energia da América Latina, construída ao longo de 70 anos por muitas gerações de brasileiros, fere de forma irremediável os mais altos interesses da população.

Desafio alguém que sustente que ela trará qualquer benefício real para o país.

Ao contrário, entregar esse patrimônio essencial e estratégico às mãos de grupos estrangeiros é abrir mão da nossa soberania e do nosso desenvolvimento, com consequências desastrosas para o Brasil e para os brasileiros.

O que justifica a privatização de uma empresa com essa enorme importância para o país?

Não estamos falando de uma empresa deficitária e ineficaz que causa prejuízo ao país, argumento normalmente utilizado pelos privatistas para vender as estatais a preço de banana, e que, na grande maioria dos casos, não corresponde à verdade.

A Eletrobras responde hoje por 30% da geração de energia do país e 70% da distribuição dessa energia, com mais de 70 mil quilômetros de linhas de transmissão.

Possui 48 usinas hidrelétricas, 62 eólicas, 12 termelétricas, duas termonucleares e uma solar.

Concentra desde a Usina de Itaipu, Chesf, Furnas, entre outras, usinas eólicas e até a Usina Nuclear.

Além disso, foi responsável pela operação do Luz para Todos, implantada durante o governo Lula, que levou energia elétrica para quase 17 milhões de brasileiros.

Só o parque eólico de Santa Vitória do Palmar, construído durante o governo Dilma, que custou R$ 3,1 bilhões e gera R$ 350 milhões por ano de lucro para o país, foi vendido por pouco mais de R$ 500 milhões.

Agora, digam: qual o grupo privado venderia uma empresa sua por um valor menor do que o lucro de dois anos de operação?

Existe uma grande negociata por trás dessa ideia de privatizações predatórias voltada a beneficiar grandes investidores ou grandes grupos de investidores internacionais, que, provavelmente, nem conhecem o Brasil ou desconhecem a importância destas empresas no dia a dia dos brasileiros.

A lógica destes grandes grupos é obter a máxima lucratividade no menor espaço de tempo possível com o menor investimento possível, sem nenhuma preocupação com a conservação dos nossos rios, com a qualificação do serviço prestado e com os interesses do povo.

Diante deste quadro perverso, é legítimo prever que daqui para frente enfrentaremos uma amarga realidade de precarização dos serviços, o surgimento de apagões e o aumento incontrolável da conta da luz.

Privatizar a Eletrobras, segundo cálculo da Abrace (Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres), custará R$ 20 bilhões a mais por ano, que serão pagos pela população.

A venda da Eletrobras não irá gerar um único emprego, mas cada brasileiro pagará mais pela conta da luz e o país perderá qualquer possibilidade de influir nesta relação.

Não haverá agência reguladora que controle os eventuais abusos que surgirão a partir desta nova realidade.

Esta iniciativa nefasta contra o interesse nacional parte de um governo que se orienta pelo fanatismo liberal cuja obsessão é torrar o patrimônio estratégico nacional de forma irresponsável e que, infelizmente, encontra respaldo em setores absolutamente descompromissados com o futuro do país e o bem-estar dos brasileiros.

O Governo Bolsonaro e o Congresso Nacional, a se manter essa decisão inconcebível para uma nação que preza a sua autonomia, acabam de colocar uma cunha no nosso desenvolvimento futuro.

É um processo ainda não finalizado que exige de cada brasileiro a consciência de que, caso confirmada a privatização da Eletrobras, estaremos reduzindo drasticamente a possibilidade de termos um futuro sustentável do ponto de vista ambiental e seguro quanto ao fornecimento de energia essencial para a vida dos brasileiros para as atividades produtivas.

Ainda há tempo de evitar esse crime.

*Henrique Fontana é deputado federal (PT-RS), presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Eletrobras e do Setor Elétrico





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sebastião Farias

28 de maio de 2021 às 15h41

Parabéns, ao autor e ao Viomundo, por contribuírem assim, com informação e instrução dos cidadãos, ao trazerem à tona das discussões públicas, esse tema nacional tão importante no momento, como é não só a privatização da Eletrobras mas, as demais que frequentemente, estão nas páginas dos jornais e mídias, etc, .
Uma nação prá ser forte, seu povo e seus servidores constitucionais (que são os membros dos 03 Poderes, legitimados nos termos do §Único do Artigo 1º da CF) , não precisam serem doutores em economia para entenderem e praticarem isso e sim, basta terem respeito, compromissos e responsabilidades com a nação e sua CF.
Terem também, objetivos e anseios comuns da população, que visem o bem-estar do povo brasileiro e, boa vontade para fortalecerem o patrimônio estratégico da nação, não privatizando as melhores, eficazes, rentáveis e geradoras de milhares de empregos e renda, as empresas públicas nacionais estratégicas para a nação e ao Estado Brasileiro mas sim, privatizando e se desfazendo apenas, daquelas empresas pública inserviveis que, não compõem o rol de empresas eficientes, rentáveis e estratégicas do país.
Deveriam sim, serem esses, alguns dos parâmetros que o Congresso Nacional, como representante do povo e do Estado Brasileiro, como legislador do povo e como fiscal constitucional desse mesmos povo, levasse em conta nas sessões de votação dessas propostas de privatização dessas empresas que são de todo o povo brasileiro e para servi-lo, que existem pois, que não seja esquecido, o principal responsável por esse ato de aprovação ou não, é do Congresso Nacional e portanto, seu maior responsável. Registre-se.
São essas, as nossas considerações e sugestões.
Sebastião Farias
Um cidadão brasileiro nordestinamazônida

Responder

abelardo

28 de maio de 2021 às 15h26

Vamos ver quem se habilitará a constar ETERNAMENTE na lista de maiores traidores da pátria brasileira: será as atuais Forças Armadas? Será o atual Poder Judiciário? Será o atual Poder Legislativo? Será o atual Poder Executivo?
Quem serão os participantes entreguistas que a população repudiará, desprezará e fará constar para sempre na história oficial do nosso Brasil, como sendo: autoridades vis, traiçoeiras, gananciosas, criminosas, desonradas, mercenárias, impatrióticas, trevosas e desavergonhadas.
Imagino que autoridades estão premeditando cravar mais um punhal nas costas do Brasil, já que o primeiro punhal eles mesmos cravaram no golpe de 2016, quando usurparam de forma ilegal, criminosa, ambiciosa e entreguista, o mandato presidencial de Dilma Rousseff.
Avalio que o executivo e legislativo, com a conivência serviçal de grande parte da decadente e desacreditada grande imprensa, são os grandes interessados em mais esse crime de traição à pátria e a toda nação brasileira.
Sabemos também que desde 2016, o Poder Judiciário e as Forças Armadas disputam o controle do poder nacional contra os poderes executivo e legislativo, em total afronta e desrespeito a Constituição Federal, a separação independente e harmoniosa dos poderes. As ações premeditadas, oportunistas, criminosas e desonrosas, não poderão ser protegidas e, ao mesmo tempo, também deverão ser acompanhadas de perto por toda a população e divulgadas maciçamente em todas as redes sociais, com nomes e sobrenomes dos traidores e traidoras, de modo bem visível para que o mundo conheça os conheçam e se proteja deles e delas.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding