VIOMUNDO

Diário da Resistência


Giam Miceli: Defender “escola sem partido” é ignorância sem tamanho
Você escreve

Giam Miceli: Defender “escola sem partido” é ignorância sem tamanho


31/05/2016 - 11h38

frota e mendoncinha

O Ministério da Educação em Prol do Retrocesso

por Giam C. C. Miceli, especial para o Viomundo

A visita de Alexandre Frota e do líder do grupo, seita, ou qualquer outro nome, Revoltados Online, Marcello Reis, ao Ministério da Educação, gera muitas questões que, por motivos de honestidade e de real preocupação com os rumos da educação, sobretudo pública, devem ser publicadas.

Em uma filmagem postada pelos dois sujeitos anteriormente citados, nota-se o motivo da visita: promover o partidário “Escola sem Partido” .

Trata-se de um projeto vazio, sem maiores definições, que atua, de forma arbitrária e pouco inteligente, com base na criação de um estereótipo: professor doutrinador (?).

A apresentação do site diz:

A pretexto de transmitir aos alunos uma “visão crítica” da realidade, um exército organizado de militantes travestidos de professores prevalece-se da liberdade de cátedra e da cortina de segredo das salas de aula para impingir-lhes a sua própria visão de mundo.

Um primeiro ponto questionável: o uso das aspas em “visão crítica” é indevido, na medida em que não existe visão crítica certa ou errada. Ela é relativa.

Além disso, temos total liberdade e respaldo legal para que essa visão crítica seja exposta.

A visão crítica é um atributo de toda e qualquer pessoa provida da capacidade de observar e analisar um determinado fato, fenômeno ou processo.

O segundo ponto: um “exército organizado de militantes travestidos de professores”.

Esse exército, na verdade, não existe.

Quem trabalha em escolas públicas e particulares percebe as diferentes visões políticas ali existentes.

Inclusive, é notória a presença de docentes conservadores, com visão de mundo individualista, discurso meritocrático, visão naturalizada de injustiças diversas e base cultural rasteira.

O terceiro ponto: “cortina de segredo das salas de aula”.

É importante lembrar que vivemos a era da internet e dos celulares. Qualquer aluno/a, hoje, pode gravar, filmar, enfim, registrar o que é dito em sala de aula. E aquilo que é dito pode ser difundido instantaneamente, através das redes sociais.

Além disso, vale lembrar a precariedade de muitas escolas das diversas redes públicas.

Essa precariedade impede que salas de aula tenham portas, o que faz com que diversos alunos, professores e funcionários escutem aquilo que é dito.

Os três pontos anteriormente citados mostram que os autores e autoras do projeto “Escola sem Partido” desconhecem completamente o funcionamento de uma escola, criam uma representação totalmente equivocada de professores e professoras, além de ignorarem por completo a legislação educacional.

Uma rápida visita ao site do projeto nos faz recordar do genial Umberto Eco, quando diz que “As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade.”

Com base na visita realizada, bem como no teor da mesma, cabe publicar alguns questionamentos pertinentes:

1 — Será que o atual ministro da educação, Mendonça Filho, que recebeu prontamente uma pessoa que, em um programa de auditório, confessou e narrou um estupro , receberia docentes realmente aptos ao debate educacional?

2 — Falar em “Escola sem Partido” e em “doutrinação” consiste em uma ignorância sem tamanho, na medida em que se despreza a existência de redes (redes municipais, redes estaduais e rede federal) de ensino, além das escolas privadas. Alegar, portanto, que a educação brasileira está dominada pela “ideologia do comunismo” significa desconhecer o fato de que as redes municipais e estaduais são mantidas pelos mais diversos partidos políticos.

Já que o assunto é ideologia e uma suposta necessidade de neutralização política de escolas, docentes e discentes, é fundamental citar o seguinte acontecimento:

trabalho em uma rede municipal de ensino, cujo governo é do PMDB, um partido que simboliza o atual avanço conservador. O governante, no início de seu mandato, distribuiu quadros com suas próprias fotos, para que estes fossem pendurados em partes visíveis da escola. Na escola em que trabalho, por exemplo, o quadro fica exposto na secretaria.

Cabe lembrar, também, o que os candidatos de partidos que representam o atual avanço conservador fazem em períodos de campanha, o que inclui propaganda política nas proximidades de estabelecimentos escolares em horário de aula.

3 — A proposta de uma “Escola sem Partido” é ilegal, na medida em que atropela a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei N. 9394/96 -, que prevê a liberdade de pensamento e de concepção pedagógica, prevista em seu Artigo 3º.

Isso quer dizer que todos os professores e professoras têm o direito de assumir um posicionamento político e de abraçar uma concepção pedagógica. Os conservadores podem até reclamar, mas admirar a obra de Paulo Freire é direito garantido por lei.

4 — Se realmente houvesse preocupação com a educação, temas pertinentes teriam sido discutidos: até quando as redes educacionais serão comandadas por detentores de cargos de confiança, sem a aprovação da comunidade escolar e, muitas vezes, sem a competência minimamente necessária? Como investir em alternativas de avaliação que realmente avaliem e que deixem de ter cunho classificatório? De que modo podemos pensar em currículos que valorizem a diversidade, a identidade e a diferença? Como fazer com que a escola deixe de ser um espaço de produção de mão de obra barata, sub-qualificada e obediente? Como desenvolver uma escola para a tolerância e para o debate maduro e sério?

Essas e outras questões – não há a menor dúvida sobre a incapacidade, desqualificação e falta de lastro de Alexandre Frota, bem como de qualquer membro ou admirador do grupo Revoltados Online, o que inclui, vergonhosamente, alguns colegas docentes – são pertinentes e precisam adentrar o campo das políticas educacionais e das políticas públicas.

Giam C. C. Miceli é mestre em Educação e professor de Geografia em Itaboraí, no Estado do Rio de Janeiro. 

Leia também:

Altamiro Borges: Michelzinho com R$ 2 milhões em imóveis ser alvo de CPI?

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Márcio Gaspar

01 de junho de 2016 às 01h11

O cerco à liberdade de expressão já chegou nas Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais. Olha o novo projeto que foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa de São Paulo, do Projeto de Lei 655 de 2015, apresentado pelo Deputado Aldo Demarchi, do Democratas (DEM), que “proíbe a prática do proselitismo político no sistema educacional do Estado de São Paulo”. A lei abrange “toda a rede de ensino básico, médio e superior; todas as disciplinas; todas as didáticas e conteúdos ministrados, bem como todos os profissionais de educação envolvidos” (Artigo. § 2º) e autoriza o Poder Executivo a “instituir canais de comunicação para o recebimento de denúncias da prática de proselitismo político no sistema educacional”, garantindo o anonimato de denunciante (artigo 2º). https://www.unifesp.br/campus/osa2/destaques-eppen/485-nota-de-repudio-ao-pl-655-de-2015-proselitismo-politico

Responder

FrancoAtirador

31 de maio de 2016 às 22h33

.
.
https://t.co/ewhLQRLJKo
https://twitter.com/carosamigos/status/737659758505824256
.
.
II SALÃO DO LIVRO POLÍTICO
https://pbs.twimg.com/media/Cjyxo9eWYAAdOd7.jpg
.
1º/06 a 03/06
(Quarta a Sexta)
.
Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso – SP
.
Timaço da Vanguarda
Nas Mesas de Debates:
.
Adriano Diogo
Alysson Mascaro
Amelinha Teles
Carina Vitral
Ciro Gomes
Clarah Averbuck
Fábio Comparato
Leda Paulani
Marilena Chauí
Vladimir Satafle
.
Evento produzido por 7 Editoras:
Alameda, Anita Garibaldi, Boitempo,
Caros Amigos, Cortez, Filoczar e Sundermann.
.
Além dos Debates, haverá Lançamentos de Novos Títulos,
Projeções de Curtas Metragens e Apresentações Culturais.
.
http://www.carosamigos.com.br/index.php/cultura/6947-ii-salao-do-livro-politico
.
.

Responder

FrancoAtirador

31 de maio de 2016 às 21h47

.
.
ENXOVALHOS DO BRAzIL
.
Depois do Fatídico 17 de Abril, todas as Instituições Brasileiras,
.
tanto as Públicas quanto as Privadas, como a Mídia Jabá do PSDB,
.
passaram a ser Objeto de Ridicularização e Chacota Internacional.
.
.

Responder

Deixe uma resposta para FrancoAtirador

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
Preso, Paulo Preto vai para Curitiba e “escapa” de matada no peito de Gilmar; Aloysio tinha cartão de crédito ligada a conta milionária

Paulo Vieira de Souza é preso em nova fase da Lava Jato Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil São Paulo A 60ª fase da Lava Jato, deflagrada na manhã de hoje (19) pela Polícia Federal de Curitiba, prendeu Paulo Vieira de Souza, também conhecido como Paulo Preto, apontado como operador de esquemas […]

Ler matéria