VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

CartaCapital: Um balanço do governo Obama


18/03/2011 - 21h51

Os fracassos de Obama

Antonio Luiz M. C. Costa, na CartaCapital

17 de março de 2011 às 8:45h

A tragédia do homem certo a quem coube se eleger para governar o país errado, na hora errada

O presidente Barack Obama abandonou de vez, ao que tudo indica, o mais simbólico de seus compromissos. Na segunda-feira 7, revogou seu próprio decreto que suspendia os julgamentos dos presos de Guantánamo por tribunais militares, permitindo sua retomada. Ordenou ainda a manutenção dos muitos presos não oficialmente acusados, mas tidos como “ameaças à segurança nacional”. Ficará ao arbítrio de uma comissão militar avaliar dentro de um ano, e depois a cada três anos, se continuam a ser “ameaças”, se devem ser julgados em tribunal militar ou se devem ser liberados.

Durante a campanha eleitoral, o candidato Obama prometeu fechar a famigerada prisão de Guantánamo assim que assumisse o governo. No dia da posse, rea-firmou que a prisão estaria fechada no prazo de um ano, ou seja, até 20 de janeiro de 2010 e vetou os julgamentos pela justiça militar. Passados dois anos e um mês, volta atrás e arquiva a dupla promessa.

Em novembro passado, o tanzaniano Ahmed Ghailani, acusado de atentados às embaixadas dos EUA na Tanzânia e no Quênia, foi levado a julgamento em tribunal civil de Nova York e absolvido da maioria das 285 acusações por falta de provas. A que restou, de “conspiração”, bastou para condená-lo à prisão perpétua, mas não satisfez os republicanos, que usaram o veredicto e a pena “leve” para argumentar que não se pode confiar em civis para julgar “terroristas”. Obama, outra vez, cedeu.

Talvez não seja a concessão mais importante que já fez. Mais séria foi sua capitulação aos interesses de Wall Street, que o documentário Trabalho Interno (Inside Job) recordou e assinalou ao grande público. Mas o fato de não conseguir manter suas posições nem mesmo em questões de pouca importância material, mas simbolicamente marcantes, dá a medida da sua fraqueza. Está à mercê das chantagens da oposição até para manter o governo funcionando semana a semana, dada a recusa dos republicanos a aprovar o orçamento de 2011.

Compare-se com Lula: também enfrentou uma crise econômica e financeira no primeiro ano e o terceiro (2005) foi de crise política quase contínua. Mas, se cedia muito (talvez mais que o necessário) para acalmar o mercado financeiro, impunha sua marca com o Bolsa Família, os aumentos reais do salário mínimo e uma diplomacia independente. No início de seu terceiro ano, iniciava a desdolarização da dívida pública e completava o resgate da dívida externa com o FMI e de décadas de dependência. Seu partido, o PT, tivera um bom resultado nas eleições de “meio de mandato”, saltando de 187 para 402 prefeitos. O desemprego caía, e a renda dos mais pobres e da Região Nordeste crescia em ritmo “chinês”. Apesar do alarde da oposição e da imprensa conservadora sobre o suposto “mensalão”, Lula não perdeu a iniciativa e foi reeleito com mais de 60% dos votos válidos e 70% de aprovação.

Tudo indica que será muito mais difícil para Obama dar a volta por cima de maneira comparável. A eleição de meio de mandato foi desastrosa, com a perda de vários senadores e governos estaduais e da maioria da Câmara e a radicalização da oposição de direita. Sua vitória política mais importante, a reforma da Saúde – obtida à custa de muitas concessões e diluições, embora seu Partido Democrata tivesse a maioria absoluta das duas casas do Congresso durante os primeiros dois anos de governo –, está sob ataque cerrado no Legislativo, que lhe nega recursos, no Judiciário, onde vários juízes a declararam inconstitucional, e nos estados governados por republicanos, que reivindicam o direito de rejeitá-la em suas jurisdições.

A reforma da política nacional de imigração foi inviabilizada no Congresso e tem sido substituída por selvagens leis estaduais anti-imigrantes. A política externa só acumulou decepções e fracassos e a guerra no Afeganistão e Paquistão vai de mal a pior. Os planos de investimentos bilionários em ambiente, educação e infraestrutura foram para o lixo: tudo foi bloqueado e as administrações locais cuidam de desmantelar o ensino público, os serviços municipais e estaduais e a legislação ambiental. Sua proposta de reforma política e controle das doações foi rejeitada pelo Congresso e soterrada sob uma decisão da Suprema Corte, que, em nome da “liberdade de expressão, derrubou todas as limitações para as grandes corporações financiarem campanhas eleitorais ou fazerem propaganda política direta.

A política econômica de Obama e do Fed recuperou o setor financeiro e, até certo ponto, o crescimento do PIB. Mas a maioria não se beneficiou disso. O desemprego continua alto, a minoria beneficiada se põe entusiasticamente do lado da oposição e a enxurrada de dólares liberada pela “flexibilização quantitativa” causa ainda mais problemas para a política externa. Por um lado, ampliou os atritos com amigos e inimigos ao deflagrar uma “guerra cambial”. Por outro, ao estimular a especulação com commodities, acentuou a alta internacional dos preços de alimentos e a instabilidade política de países-chave para a estratégia dos EUA. Isso trouxe uma onda de revoltas na África e no Oriente Médio, que, por sua vez, volta a abalar a economia dos EUA pela alta do petróleo. Um efeito borboleta para Eric Bress nenhum botar defeito.

Forças irresistíveis da história, inabilidade política ou simples pé-frio? Um pouco de cada coisa. Obama assumiu os EUA em uma fase estruturalmente desfavorável, de decadência econômica e política relativa. Além disso, em um dos piores momentos possíveis em termos conjunturais, logo após o início da maior crise financeira da história do capitalismo desde 1929. Mas, além disso, Obama fracassou em entender o momento histórico e político e agir de acordo.

Fez campanha para corrigir o rumo de um país no auge da prosperidade no sentido de mais justiça social e bom senso ambiental. Não encontrou o tal país e perdeu completamente a bússola. Preparou-se para governar em um clima de negociação, respeito mútuo, argumentação sensata e racionalidade comunicativa, como diria Jürgen Habermas. Encontrou uma oposição fanatizada e preconceituosa, disposta a seduzir as massas com propaganda passional e teo-rias delirantes, mas continua a apostar em uma negociação política tradicional, como um jogador de xadrez que, lançado num ringue de luta livre, insiste em obedecer a seu próprio livro de regras.

Em nenhum momento, como se queixou repetidamente o economista e colunista liberal Paul Krugman, Obama falou ao povo ou aos próprios democratas sobre o caráter feroz e classista da luta política em curso nos EUA, como um líder disposto a enfrentar a oposição, defender seu lado e seus argumentos, propor medidas ousadas, e denunciar a má-fé dos republicanos e da elite financeira quando estas fossem bloqueadas. Se fizesse isso, talvez não evitasse a crise econômica nem as derrotas no Congresso, mas teria a seu lado um discurso consistente em torno do qual agrupar seus partidários e uma parcela significativa da opinião pública. Em vez disso, com sua disposição a ceder sistematicamente à pressão dos republicanos e defender com as melhores soluções as derrotas que não conseguiu evitar, abandonou pelo caminho uma trilha de ex-entusiastas desiludidos.

Um exemplo foi a questão ambiental: inicialmente, defendeu o investimento em fontes alternativas e a proibição da exploração do petróleo no Golfo do México. Depois, cedeu aos republicanos para liberá-la e promovê-la ao lado de um programa de biocombustíveis. Teve então a má sorte de enfrentar o pior vazamento de petróleo da história do país, voltou atrás e pediu punições à British Petroleum. Mais uma vez ficou com o pior dos dois mundos: o desprezo dos ambientalistas por ter cedido às petroleiras e o ódio dos conservadores por não liberar o capital de todas as restrições.

A razão da pior derrota dos democratas desde 1948 não foi a perda de eleitores para a direita, mas o desânimo de negros, jovens e hispânicos, que, conquistados para as urnas por Obama em 2008, desistiram de votar em 2010. Assim como eleitores anônimos, também muitas personalidades que festejaram a vitória de 2008 se tornaram críticos de Obama, embora, obviamente, não tenham se tornado adeptos do Tea Party. Entre eles, os atores Matt Damon (narrador de Trabalho Interno), Robert Redford e Angelina Jolie, os diretores Michael Moore e Spike Lee e a jornalista Maria Shriver.

Obama cercou-se de assessores identificados com interesses ligados a Wall Street e ao complexo industrial-militar, obviamente, contrários àqueles da maioria de seus eleitores. Entre eles, Lawrence Summers, Robert Rubin e Ben Bernanke – três dos principais vilões de Trabalho Interno – e os secretários da Defesa, Robert Gates, e do Tesouro, Tim Geithner. Caiu desde o início na armadilha de aceitar como técnica e consensual uma postura política conservadora e elitista – que na maioria dos países do mundo seria considerada definidamente direitista – e a partir daí negociar concessões à direita mais radical. Sem deixar, por isso, de ser execrado pelos bancos e transnacionais.

A partir de políticas formuladas por sua equipe, resgatou os grandes bancos dos EUA praticamente de graça, sem exigir contrapartida. Permitiu que seus balanços voltassem a registrar lucros bilionários e que esses fossem distribuídos a seus executi-vos. Combateu a crise com estímulos econômicos ao setor privado e gastos públicos (inclusive militares), apesar da forte queda da arrecadação. Teve de gerar fortes déficits e endividou pesadamente o orçamento da União. Apesar disso, rendeu-se à pressão dos republicanos para prorrogar o corte de impostos dos ricos herdado de Bush júnior – e, ao mesmo tempo, aceitou submeter-se aos cortes das despesas públicas exigidos por esses para “equilibrar” as contas.

Noves fora, isso significou salvar banqueiros e empresários das consequências de seus próprios erros e negociatas e forçar os usuários de serviços públicos – a parte mais necessitada da sociedade estadunidense – a pagar por isso, juntamente com os servidores do Estado. E ainda assim é acusado por grandes empresários de ser “o presidente mais antiempresarial da história”, devido a propostas como a de proteger o consumidor de serviços de saúde e financeiros por meio de regulamentos triviais, muito mais frouxos que os de qualquer outro país civilizado. Apesar de suas promessas de renovar as relações com as nações periféricas, cedeu às pressões dos lob-bies industrial, bélico e sionista, provocou governos da América Latina com pressões econômicas e militares, tentou proteger golpes e ditaduras “amigas” – e mesmo assim é taxado de “anticolonialista” (por Dinesh D’Souza na Forbes, por exemplo).

A elite econômico-financeira dos EUA foi mal-acostumada desde Ronald Rea-gan por taxas de lucro e rendimentos anuais de dois dígitos nas bolsas, resultado de brutal transferência de renda do trabalho para o capital (pela desregulamentação, novas tecnologias e globalização), do resto do mundo para o país (pela globalização dos mercados financeiros e atração de capitais), da classe média para a elite (pela redução de impostos e restrições legais a altos salários) e da elite para a superelite (pelo uso sem limites de bônus, derivativos e inovações financeiras). A concentração de renda aumentou e a mobilidade social diminuiu perigosamente. A própria classe média alta está agora em perigo: mostram as estatísticas que o desemprego trazido por inovação tecnológica e globalização, que nos anos 80 afetava principalmente os menos educados, agora atinge as profissões mais qualificadas.

Com a crise, tudo isso chegou ao limite, se é que já não o tinha ultrapassado muito antes. Como notou Michael Moore ao discursar aos manifestantes de Wisconsin, as 400 famílias mais ricas dos EUA detêm, hoje, metade da riqueza do país, tanto quanto os outros 155 milhões de famílias, somadas. Aos 60% menos ricos, cerca de 93 milhões, cabem 2,3% dos ativos totais.

Fosse uma economia promissora, não sobrecarregada por dívida pública e privada, Obama talvez soasse menos ameaçador ao propor que a elite, após décadas de contínua engorda, contenha o apetite e dê a vez às massas para que tenham sua fatia do crescimento econômico, no interesse do conjunto da sociedade e de sua prosperidade a longo prazo. Mas, na falta de perspectivas imediatas, qualquer gesto de simpatia para com os menos favorecidos soa como radicalismo perigoso. Declarou-se a luta de classes e o jogo de ganha-ganha, do qual Obama gosta de falar, acabou antes de começar. O capital sabe que, hoje, o jogo é de soma zero. Resta a Obama tentar negociar os cordeiros com um lobo que nem sequer se dispõe a esperar que engordem.

A direita Tea Party está decidida a continuar lucrando cada vez mais, haja ou não base material para isso. Na falta desta, a solução é tomar o poder no grito (transmitido pela Fox e financiado pelas transnacionais) para desmantelar os serviços públicos e a previdência social e baixar salários, mesmo que para isso se façam necessárias medidas quase fascistas de proibição da organização sindical e da negociação coletiva. Ao mesmo tempo, Wall Street, com a cumplicidade do Fed e sem nada ter aprendido com 2008, volta a tentar aspirar à poupança do mundo para financiar perigosas jogadas financeiras. Com isso, arrisca-se a matar suas três galinhas dos ovos de ouro: a classe trabalhadora, que deu à sua economia a liderança em produtividade, a classe média, que garantiu o consumo de seus produtos, e o dólar, que deu a seu sistema financeiro o controle da circulação mundial da riqueza. Mas os deuses primeiro enlouquecem a quem querem perder.

Antonio Luiz M.C.Costa é editor de internacional de CartaCapital e também escreve sobre ciência e ficção científica.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

O futuro incerto de Barack Obama | Viomundo - O que você não vê na mídia

19 de março de 2011 às 14h29

[…] A CartaCapital fez um bom balanço das promessas não cumpridas de Obama, motivo de frustração que se manifesta especialmente entre milhões de eleitores americanos que acreditaram no “Change that you can believe in”. […]

Responder

José Vitor

19 de março de 2011 às 10h46

Que é que ele veio fazer no Brasil mesmo ? Ainda não entendi…

Responder

    Ronaldo Irion

    19 de março de 2011 às 19h27

    Veio aqui só para manchar o nosso solo de sangue, e nos envolver. Se a Dilma ficar quieta, já podemos entender o recado…

Moacir Moreira

19 de março de 2011 às 09h48

O obama diz que é vegan e vai comer feijoada enriquecida com cogumelos, a equipe de segurança acompanhará todo o preparo da comida e provará antes de servir ao chefe.

Enquanto isso, helicópteros e aviões ianques vistoriam a área que está interditada para o trânsito de veículos.

Esse visitante causa muito transtorno.

Responder

Luana

19 de março de 2011 às 07h42

Azenha,

Estes valores serão invocados amanhã, no Brasil. Os Valores que me refiro estão especificamente no vídeo 01. O Mito da Nação e o Mito da Religião, haverá sempre um inimigo externo, se não existe será criado.
http://www.youtube.com/watch?v=jnGNVgnkqfA

Responder

    rodrigo.aft

    19 de março de 2011 às 11h53

    Luana, a religião em si tbém é um topor ao cidadão médio.
    Fé é uma coisa, religião é outra, e a maioria das pessoas q se diz religiosa, não tem verdadeira fé… Cumprir o rituais litúrgicos não coloca o homem mais perto de Deus… abrir seu coração, sim!

    mas não é isso o mais importante…
    olhe os links q deixei ao Gustavo lá pra baixo (foram 3, e mais uma indicação de pesquisa)
    caso não tenha familiaridade com inglês, tenha paciencia, pesquise um pouco mais e encontrará muitos dos vídeos que mostram a farsa de 11-set com legendas.

    o deus dinheiro (establishment – e são pessoas) é q é o verdadeiro inimigo do povo americano, e ele tem muitas formas de se manifestar (livre iniciativa, mercado desregulamentado, religiões, dogmas, péssima educação escolar, controle de conteudo da mídia, e aí vai…), mas quem paga sempre a conta é grande maioria da população q pensa ser verdadeiro o mantra do "um dia eu chego lá!", e fica sustentando essa máquina de sugar recursos deles mesmos.

Mauro Toshiuki

19 de março de 2011 às 02h18

Faltou comentar o equívoco que foi colocar a Hilary Clinton como secretária de segurança, ela é um verdadeiro Rotweiller do Hitler e se não colocar corrente e fucinheira nela ela sai sai por aí mordendo todas as pessoas que não sejam WASP. Para mim ela foi mais decepcionante que o Obama, as idéias dela nada tem a ver com as idéias do Bill Clinton, parece uma Condoleza Rice de pele branca. E o Obama descobriu a solidão do poder, abandonou os que o apoiaram e é desprezado pelos que ele tentou se aproximar.

Responder

Pedro

19 de março de 2011 às 00h48

Vejo nele uma pessoa bem intencionada porém fraca, sem pulso firme. Está sendo engolido pelos republicanos e nada faz para impedir isso. Tinha a faca e o queijo na mão para conseguir uma mudança de verdade mas por algum motivo inexplicável para mim se acovardou, busca demais a conciliação quando que para lidar com os republicanos só o confronto resolve.

Tenho para mim que ele se sai melhor como parlamentar mesmo. Enfim, essa é a minha opinião.

Responder

Luana

18 de março de 2011 às 22h31

Pois é, mas tem gente que acredita. Tem gente que fala no púlpito que os terremos acontecem com mais frequência na Ásia porque aqueles povos lá são de maioria pagã e o Senhor permite que isso aconteça. Busquem informações sobre o Bible Belt, (Cinturão da Bíblia) nos EUA e vejam a força do tea party nessa área e nos condados. A aceitação de Obama como presidente está na institucionalidade do cargo, não na aceitação da alma WASP da América. E Ele é um fraco por não falar abertamente sobre isso e não falar sobre essas mazelas da sociedade americana como Lula falava da Brasileira.

Detalhe, Obama é filho de atropóloga e economista, mas não falou sobre isso, mesmo sabendo que estas feridas nunca foram fechadas por lá. Agora tá aí todo o seu fiasco. Espero que Dilma veja estes exemplos e não cometa as mesmas besteiras, nessa tentativa de o PT ser aceito pela classe média brasileira. Sabe como deve resolver, mas são fracos como Obama é.

Responder

Luana

18 de março de 2011 às 22h27

continua…

Eu imaginei que ele conseguiria fazer algo, pois seu discurso era realmente contundente, mas foi um fiasco por não se posicionar. E diante de tudo isso, nessa sociedade calvinista que se resume em: se você pode comprar, compre, se você pode vender, venda, vai ter de levar muito tempo para o negro ter espaço e aceito em definitivo como os WASPs são. Para isso acontecer, Azenha, os púlpitos, sobretudo da Igreja Batista conservadora, no Sul, vai ter de tirar de seus sermões, as teorias raciológicas amalgamadas com a Bíblia, num discurso político e hipócrita no púlpito, de que dos três filhos de Nóe, Cão, que é de onde vem os povos negros, segundo eles, foi amaldiçoado e por isso que o negro sofre tanto. Pode uma coisa dess em pleno século XXI acreditar nisso?

Responder

Luana

18 de março de 2011 às 22h23

Forças irresistíveis da história, inabilidade política ou simples pé-frio?

Acredito que dificuldade de ser aceito num país racista, que não votou nele, pois seus votos vieram a maioria de hispânicos e dos negros, ainda que seja professor de Harvard e advogado, ele é da elite do gueto, não da elite WASP, infelizmente.

Ele foi dirigir o sistema e o sistema simplesmente não deu espaço para ele, lembra Nixon. Mas o fato é que quanto mais ele cede, mais ele se perde. Há um tea party que mais lembra um KKK do século XXI para infernizá-lo e aceitam isso na tv.

Ele tinha que se posicionar, não se posicionou foi engolido pelo sistema, corre o risco de não ser reeleito e já parece um presidente pato manco. Detalhe, faltando mais de 18 meses para fim de mandato. Por obrigação ele tinha de acertar, mas tem conseguido. Aquele país já foi à guerra por questões raciais, o sistema não votou nele, pegou uma herança maldita sem proporções do governo G. Bush, uma crise financeira, guerras e o crescimento impressionante da China.

Responder

Gustavo Pamplona

18 de março de 2011 às 22h20

Um off-topic daqueles!!! Vocês se lembram de quando eu postei um vídeo de uma jornalista linda da TV Tambaú, afiliada do SBT na Paraíba chamada Rachel Sheherazade em que ela criticava o Carnaval?

Pois bem… de acordo com o Daniel Castro (*) ela agora vai ser contratada do SBT em São Paulo
http://noticias.r7.com/blogs/daniel-castro/2011/0

(*) Péssimo jornalista, antes de sair da Folha sentava o pau na Record e adorava falar bem da Globo, agora no R7 nem um pio mais.

Responder

Gustavo Pamplona

18 de março de 2011 às 22h02

Analisando todo o aparato de segurança que envolve o presidente americano, eu pergunto o seguinte:

Qual brasileiro louco que iria assassinar um presidente americano em solo brasileiro?

Bom… isto é no mínimo, no mínimo um ato de guerra declarado ao governo estadunidense, até me lembra o penúltimo episódio da série 24 horas onde Jack Bauer quase assassina o presidente russo.

Responder

    ProfeGélson

    19 de março de 2011 às 08h44

    Gustavo: aquele que quisesse ter seus 15 minutos de fama!!!!

    rodrigo.aft

    19 de março de 2011 às 10h10

    Gustavo,

    o risco de alguém assassinar obama não é autóctone, mas sim do próprio país dele, sendo lá ou em algum país estrangeiro, para ainda tentar jogar a culpa nas costas de outros.
    qual outro país de mundo, teoricamente democrata, q teve tantos presidentes mortos ou vítmas de atentados?

    veja… (oops… foi mals…) assista este vídeo para uma nova explicação da morte de JFK, e entenda a preocupação da segurança presidencial.
    http://www.yidio.com/jfk.wmv/id/3294946754

    rodrigo.aft

    19 de março de 2011 às 10h52

    e Gustavo, só pra ver como eles podem ir longe (onze de setembro) com sua própria gente qdo o dinheiro fala mais alto…

    http://www.youtube.com/watch?v=zoAD8HlrLZg&pl

    http://www.youtube.com/watch?v=8n-nT-luFIw&fe

    alguns setores estadunidenses são como abutres da própria gente… VIVA O DEUS DINHEIRO!!!

    pesquise também como o avião de 2 (DOIS!) sheiks árabes cairam (INEXPLICAVELMENTE!) perto da propriedade dos bush… surpresa!!!


Deixe uma resposta para O futuro incerto de Barack Obama | Viomundo - O que você não vê na mídia

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!