VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

As pesquisas da RBS, em 2002, e a campanha Zero Fora


24/04/2010 - 02h01

Triangulação de interesses

Gilmar Antonio Crestani (*), no Observatório da Imprensa

A vantagem da mitologia grega é que ela nos oferece os exemplos do comportamento humano facilmente identificáveis em qualquer sociedade em todos os tempos. Certos fatos da realidade, difíceis de serem explicados sob o domínio da razão, podem muito bem ser compreendidos com a ajuda dos arquétipos.

É o caso, por exemplo, do triângulo que encima este artigo. Diferente das personagens da Quadrilha do poeta Drummond (João amava Teresa que amava Raimundo, que…), Zeus, o deus do raio e do trovão, amava Hera e com ela se casara. Embora casado com uma deusa, não dispensava o assédio às mortais, dentre as quais a filha de Cadmo e da ninfa Harmonia, a princesa Sêmele. Disfarçado de homem, Zeus mantém um caso com ela que, claro, acaba engravidando.

No Brasil temos a lenda do Boto, estrelado no cinema por Carlos Alberto Ricelli, que, no fundo, relê o mito. Como faz a filha solteira, sem namorado, explicar em casa as razões de sua gravidez, mormente quando a barriga cresce? Que outro assunto geraria mais fofoca na vizinhança, ainda mais quando se é a herdeira da casa real de Tebas? Hera, ciosa de seus direitos matrimoniais, adota a forma da ama de Sêmele para induzi-la a exigir de Zeus que se apresente na sua verdadeira forma. Zeus, ao se apresentar no seu esplendor divino, acaba fulminando a amante grávida. O todo-poderoso extrai a criança do ventre da vítima, que já estava no sexto mês, e a enxerta em suas coxas. Literalmente, esta ele segurou nas coxas. A criança veio a ser ninguém menos que o deus Dionísio, ou Baco para os romanos, inspirador das festas dionisíacas, por sua vez origem da tragédia e da comédia…

Somando as mentiras divinas de um lado e as satanizações ideológicas de outro, o coronelismo eletrônico gaúcho pariu um fruto tão embriagador quanto adulterino. E quem foi obrigado a segurar nas coxas, com o único intuito de desviar o foco do verdadeiro sentido, como mostrou a entrevista constrangida de seu presidente à RBS, foi o Ibope.

A história dos bastidores das eleições estaduais, envolvendo os veículos da RBS, lembra o livro Crônica de uma morte anunciada, do jornalista colombiano Gabriel Garcia Márquez. Aliás, não fiz outra coisa ao longo deste ano, em minhas colaborações bissextas a este Observatório, do que mostrar a desfaçatez olímpica do tonitruante coronelismo eletrônico. Qual Zeus, o que não consegue com assédio fulmina pelo raio do monopólio. Aliás, o atual principal intérprete político da empresa, dublê de cronista, comentarista e recadeiro, qual ciumenta esposa disfarçada de ama, quando se trata de manipulação de pesquisas eleitorais tem antecedentes nada recomendáveis. Embora o mote por estes pagos seja “esqueça o que fizemos ontem”, eu ainda lembro da manipulação das pesquisas feita em 1988 no jornal Correio do Povo sob as barbas da mesma personagem. Na véspera deste pleito, um dos mais ferozes membros da trupe, escalado para atacar o atual governo estadual, chegou a afirmar que até um poste ganharia do PT. De onde vinha tamanha convicção, não sei. O certo é que, apurados os votos, provou estar com a razão. Só que o poste já não tinha tantos galhardetes quanto apregoava.

Numerologia

Não é de admirar que a Matemática, embora sempre tenha sido considerada uma ciência exata, vez que outra merece alguns reparos para que fique ainda mais exata. Em se falando de pesquisa, então, é que a conta não fecha mesmo. No somatório dos fatos, contudo, resta sempre a mesma conclusão: os erros sempre favorecem os eleitos da empresa, nunca seus adversários. Vejamos:

24/10 – Pesquisa CEPA/RBS, divulgada pelo jornal Zero Hora:

Tarso – 38,4%;

Rigotto – 56,5%;

Margem de erro – 2,4% .

25/10 – Pesquisa do Centro de Pesquisa Correio do Povo (CPCP), divulgada pelo jornal Correio do Povo:

Tarso – 47,4%;

Rigotto – 52,6%;

Margem de erro – 2,2%.

26/10 – Pesquisa Ibope, contratada pela TV Gaúcha S.A. e divulgada pelo jornal Zero Hora, ambos do grupo RBS:

Tarso – 39%;

Rigotto – 55%

Margem de erro – 2,2%.

27/10 – Pesquisa de boca-de- urna do Ibope, divulgada por todos os veículos da RBS:

Tarso – 44%;

Rigotto – 56%.

Esta pesquisa está na página do Ibope <www.ibope.com.br>, mas não consta do ClicRBS, onde estão as demais.

No dia das eleições, sai a boca de urna do Ibope, aliás, a única que os coronéis eletrônicos não ousaram disponibilizar no sítio destinado à cobertura das eleições. Os comentaristas da RBS começam espinafrando a pesquisa do concorrente e todos os demais que haviam duvidado da seriedade dos números divulgados pelos consórcios CEPA & RBS e Ibope & RBS. Sequer se deram ao trabalho de explicar a gritante diferença entre duas pesquisas do mesmo Ibope.

A prova dos nove foi dada pelo TRE. Este acabou ratificando não só a competência do Centro de Pesquisas Correio do Povo, como virou prova irrefutável da irrealidade cotidiana dos senhores do raio e do trovão. Por que dois institutos (Cepa & Ibope) teriam pesquisas com tantas coincidências? Coincidiam nos números, coincidiam nos beneficiados, coincidiam nos prejudicados e, coincidência maior, ambos são fiéis acompanhantes da RBS desde outros carnavais eleitorais. E todas as vezes o erro sempre foi em prejuízo do PT e em benefício do eleito dos coronéis. Claro, não!?

Resultado pelo TRE:

Rigotto – 52,67%;

Tarso – 47,33%.

A diferença abissal trombeteada sumiu no ralo do desmando ético, como tantos outros procedimentos que apenas consolidam o “modus operandi” cotidiano da RBS.

Assinaturas canceladas

Quer ver? Feita a apuração, começaram as análises. Um locutor vai nomeando uma cidade administrada pelo PT. O outro, como os jograis da Disapel, completa: Tarso perdeu. Quando o eleito da RBS perdia para Tarso na cidade administrada pelo PMDB, a dupla de locutores era de um mutismo petrificante. Nesta quinta-feira (1º/11/2002), o jornal Pioneiro, sediado em Caxias do Sul, também do grupo RBS, produziu matéria com o mesmo viés, mostrando todas as cidades administradas pelo PT em que Tarso havia perdido. Por que não fez o mesmo com relação ao seu eleito? Poderia mostrar as administrações em que o partido coligado, o PSDB, perdeu para o PT? E, se levasse a informação um pouco mais a sério, informaria ao seu público que a única pessoa presa por compra de votos nestas eleições aqui no RS pertence à mesma agremiação de figurinhas carimbadas como Joaquim Roriz, Padilha Rima Rica et alli.

Como já sou “funcionário público identificado, obsessivo”, por vir criticando a postura da RBS, nesta oportunidade cedo a palavra ao Correio do Povo, que estampou na capa da edição de 28/10/2002 o seguinte:

“‘Independente, nobre e forte procurará sempre sê-lo o Correio do Povo, que não é órgão de nenhuma facção partidária, que não se escraviza a cogitações de ordem subalterna.’ Esse cânone do jornalismo independente, ditado no primeiro editorial, há 107 anos, patrimônio inegociável, presidiu, mais uma vez, a conduta do Sistema Guaíba-Correio do Povo nas eleições de 2002. O Centro de Pesquisa Correio do Povo, o primeiro a detectar as variações nas intenções de voto no 1º turno, divulgou na edição do dia 25 de outubro a sua última pesquisa, apontando 52,6% para Germano Rigotto e 47,4% para Tarso Genro. No dia seguinte, o jornal Zero Hora publicava duas pesquisas: o Ibope atribuía vantagem de 16 pontos percentuais em favor de Rigotto, com 55%, sobre Tarso, com 39%. O Cepa-Ufrgs, que em pesquisa publicada quinta-feira dava vantagem de 19 pontos para Rigotto, reduzia a diferença para 9 pontos percentuais. Na boca-de-urna, ontem, o Ibope apontou 12 pontos percentuais de diferença. As urnas falaram e Rigotto venceu com diferença de 5,3%. O CPCP, comandado por Elaine L’sch, ‘errou’ por 0,1%. O presidente do TRE, Marco Antônio Barbosa Leal, cumprimentou o CPCP, ressaltando que foi o único que acertou o resultado da eleição para o governo do Estado.”

A desfaçatez contínua da manipulação causou uma indignação tão grande que grupos se formaram para exigir um mínimo de decência do coronelismo eletrônico. Para começar, a campanha alerta para “não comprar nem assinar jornal que mente”. Orienta também no sentido de que se deve evitar consumir produtos dos patrocinadores da famigerada, pois “quem patrocina a baixaria é contra a cidadania”.

Aliás, este mesmo grupo recebeu a informação de que a pesquisa Cepa, por exemplo, havia sido divulgada antes de estar oficialmente concluída. Ao ouvir a reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul a respeito do envolvimento da instituição em tais pesquisas, a chefe de gabinete de sua magnificência negou o óbvio, mas acatou o principal: “Em primeiro lugar gostaria de esclarecer que o Cepa não associa seu nome a UFRGS. Ele é um órgão auxiliar da Escola de Administração, portanto pertence à UFRGS.” De fato, a apresentação, de 25/10/2002, começava assim: “A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, através do Centro de Estudos e Pesquisas em Administração – CEPA, apresenta, a seguir, os resultados da pesquisa sobre intenção de votos no Rio Grande do Sul quanto ao segundo turno das eleições para presidente da República e governador do estado nas eleições de 2002.”

Ao assumir o papel que lhe cabe neste latifúndio da desinformação, a reitora e um professor da universidade acabaram emprestando o nome ao coronelismo para legitimar a prática, conforme reza o artigo perpetrado pelo presidente da RBS.

Desolados e inconformados com a ousadia da empresa, espontaneamente começou um movimento de cancelamento de assinatura do jornal Zero Hora. Para frear a significativa perda de assinantes, o presidente do grupo, Nelson Sirotsky, neste domingo (3/11/2002), por motoboy, endereçou-lhes carta com a seguinte informação: “Respeito profundamente seu ponto de vista, mas gostaria que você soubesse qual é a nossa posição neste episódio das pesquisas eleitorais. Para isso, tomo a liberdade de encaminhar-lhe esta edição dominical de ZH com um artigo de minha autoria na página 19…”.

Diálogo de surdos

Zeus, depois de ter feito soar o trovão e o relâmpago da arrogância olímpica, desce ao mundo dos mortais para tentar seduzir com conversa mole. Até porque o artigo de que fala aos ex-assinantes na carta é mais um exemplo da forma tortuosa, para não dizer desonesta, com que tentam desviar o foco do essencial. As pesquisas são um elemento menor diante do assédio perverso perpetrado cotidianamente pelos veículos do grupo aos sem-mídia em geral e aos movimentos sociais em particular. Ninguém abusou tanto do poder de distorcer, satanizando as iniciativas e as pessoas envolvidas no projeto em curso no estado nestes últimos quatro anos.

E se há as sêmeles que se deixam seduzir pela palavra fácil, como índios por espelhinhos, também é verdade que a exacerbação deste embuste traz em si o risco da implosão. Nesta hora não há raio nem trovão que dispense Zeus de prestar conta, até porque não se trai o leitor impunemente.

Para encerrar, veja como anda o diálogo em torno do cancelamento da assinatura do jornal:

– Por favor, gostaria de cancelar a assinatura do jornal Zero Hora.

– O cancelamento de assinaturas só é feito pelo supervisor da área. Mas qual é o motivo?

– Acho a Zero Hora tendenciosa.

– Veja bem, até há pouco escrevia na Zero Hora o Lula e também escreve o Luis Fernando Verissimo. Vês que tem gente de esquerda também, não?!

– Apenas disse que era tendenciosa. Não disse se era para a esquerda ou para a direita…

(*) Funcionário público federal

PS do Viomundo: Concretizou-se, por conta disso, a campanha Zero Fora

*****

Num esforço colaborativo o leitor Pedro Henrique enviou o link do dia em que o dono da RBS passou recibo (reproduzido do Centro de Mídia Independente):


A RBS, as eleições e as pesquisas
Por Nelson P. Sirotsky 07/11/2002

Acaba de ser concluído em nosso país um processo eleitoral marcado pela lisura e pelo seu significado democrático. Superado este processo, sinto-me no dever de vir a público, em respeito aos leitores, ouvintes, telespectadores, usuários dos serviços e colaboradores da RBS, para fazer um esclarecimento sobre a polêmica gerada pela divulgação de pesquisas eleitorais no Rio Grande do Sul.
Em primeiro lugar, gostaria de fazer um reconhecimento aos nossos profissionais pelo trabalho que realizaram. Acredito que a RBS cumpriu com a sua missão de informar e de fazer a cobertura abrangente e equilibrada que se propôs, tendo como foco prioritário o interesse do eleitor. Com este objetivo, nossos jornais dedicaram páginas e cadernos especiais à apresentação dos candidatos e de suas propostas, às demandas dos cidadãos, ao serviço do pleito e às instruções da Justiça Eleitoral. Nossas emissoras de rádio e televisão promoveram debates e entrevistas com transparência, equilíbrio e oportunidades para partidos e candidatos. Utilizamos a nossa tecnologia de Internet para oferecer, através de todos os nossos veículos, informações precisas e instantâneas da apuração.

Concretizamos nossa determinação de apresentar uma cobertura plural, em que até mesmo o presidente eleito do país, senhor Luiz Inácio Lula da Silva, manteve até março uma colaboração fixa em Zero Hora, desincompatibilizando-se da mesma para fazer campanha, a exemplo de outros políticos de todas as colorações partidárias que têm voz e vez nos veículos da RBS. A legitimidade e a correção da nossa cobertura foi de certa forma atestada pela Justiça Eleitoral, que não deu provimento a nenhuma das seis ações interpostas contra a RBS.

Feita esta reflexão sobre o nosso trabalho, gostaria de abordar com o máximo de transparência o episódio das pesquisas. A RBS não possui estrutura própria para tais levantamentos. Outros grupos de comunicação, como a empresa Folha da Manhã, que edita o jornal Folha de S. Paulo e opera o instituto Datafolha, e a Empresa Jornalística Caldas Júnior, editora do jornal Correio do Povo e que opera o CPCP, têm uma visão diferente da nossa. Esta decisão faz parte da autonomia e da independência do mundo empresarial. Para atender a demanda de seu público por pesquisas eleitorais, a RBS contrata os serviços do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), a mais tradicional instituição do gênero no país, reconhecida por outros veículos de comunicação, entidades e partidos políticos.

Além disso, para oferecermos ao nosso público um referencial comparativo, contratamos também o Centro de Pesquisas em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Cepa/UFRGS). Todas essas instituições (Datafolha, CPCP, Ibope e Cepa) são independentes, autônomas e obedecem a normas técnicas e legais, que as habilitam a exercer sua atividade. Mesmo assim, estas entidades acertam e erram.

No recente episódio eleitoral, uma dessas instituições – o Ibope –, embora tenha registrado corretamente o vencedor do pleito no Rio Grande do Sul, errou gravemente na diferença percentual entre os votos dos dois candidatos, como já foi admitido publicamente por seu presidente, senhor Carlos Augusto Montenegro, em entrevistas à TVCOM e à Rádio Gaúcha na noite do último domingo, material reproduzido pela edição de segunda-feira de Zero Hora.

Tais erros levaram alguns comunicadores da RBS a se manifestar equivocadamente após o encerramento da eleição, quando da divulgação da pesquisa boca-de-urna, fazendo comentários precipitados sobre outras pesquisas e sobre empresas e instituições envolvidas direta ou indiretamente no processo eleitoral. Essas manifestações, porém, foram conseqüência da análise de uma pesquisa que se mostrou equivocada na comparação com o resultado das urnas. Por isso, peço desculpas por eventuais excessos cometidos em alguns dos nossos veículos. Ao mesmo tempo, apresento meus cumprimentos pessoais ao Centro de Pesquisa Correio do Povo pela precisão do seu levantamento de intenção de voto.

Asseguro, porém, que a RBS jamais tentou interferir em pesquisas. Mesmo assim, recolhemos todas as críticas relativas a este episódio, mesmo as mais veementes e aquelas que na nossa visão são injustas, de modo sereno, pois elas contribuem para que façamos um exercício permanente de humildade e autocrítica.

Gostaria ainda de afirmar aos usuários de nossos veículos que a RBS recolhe deste episódio os ensinamentos necessários para o aperfeiçoamento do seu trabalho. Como parte deste processo, para reavaliarmos o nosso procedimento na contratação e divulgação de pesquisas eleitorais, estamos convidando representantes da sociedade rio-grandense para constituir uma comissão independente, que será formada pela reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Wrana Panizzi, pelo professor de Direito Constitucional Eduardo K. M. Carrion, pelo presidente da Associação Riograndense de Imprensa, Ercy Torma, e por um integrante do Conselho do Leitor de Zero Hora indicado por seus pares. Esta comissão analisará os procedimentos adotados pela RBS em relação às pesquisas nesta eleição e sugerirá formas de aprimorar a utilização deste instrumento em pleitos futuros. As observações desta comissão serão amplamente divulgadas.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Plebiscito separatista é para poderem comemorar mais uma derrota | Ficha Corrida

25 de julho de 2016 às 10h12

[…] IBOPE ou DataFalha, a CEPA terá exclusividade para abastecer a RBS com […]

Responder

Os golpistas estão na mídia | Ficha Corrida

26 de março de 2016 às 09h56

[…] aqui artigo de 2002 que escrevi para o Observatório da Imprensa, e que foi republicado por vários sites, mas da Zero Hora só recebi, como é de costume, ameaças […]

Responder

Eraldo

12 de julho de 2010 às 12h46

CADA POVO TEM O GOVERNANTE QUE MERECE TER …

Responder

Tudo como dantes « Ficha Corrida

26 de abril de 2010 às 09h36

[…] pelo Datafolha e pelo IBOPE em oposição aos institutos SENSUS e Vox Populi, sob o título de As pesquisas da RBS, em 2002, e a campanha Zero Fora, artigo meu de 2002, publicado originalmente no Observatório da Imprensa, Triangulação de […]

Responder

Heraclitus fracus

25 de abril de 2010 às 01h08

O pior era a gente levantando louros para a Folha, naqueles anos de chumbo, enquanto os traíras emprestavam suas kombis para a operacão bandeirantes…..

Responder

Ah, os analistas! | Viomundo - O que você não vê na mídia

24 de abril de 2010 às 23h49

[…] Se você tirasse a média das pesquisas de véspera publicadas no Rio Grande do Sul, em 2002 (ver aqui), concluiria que Germano Rigotto venceria Tarso Genro na disputa pelo governo gaúcho por 55,3% a […]

Responder

Milton Conti

24 de abril de 2010 às 22h20

Eventualmente compro a zero hora dominical, afinal meu cachorro tem que cagar em algum lugar. Naão me dou o trabalho nem de ler as manchetes de capa.

Responder

Rafael

24 de abril de 2010 às 21h56

A RBS/GLOBO sempre foi assim e sempre será. Quando Olívio Dutra/PT foi governador qualquer coisa que acontecesse era culpa do PT.Chuveu mais que a média era culpa do PT, não importa o que fosse.A RBS tem um comportamento criminoso: acobertou e abafou toda corrupção do governo da yeda/psdb sem falar na morte de integrante do governo yeda que apareceu morto lá em Brasília/DF e deu a versão que foi suicídio, mas estranho como pode se suicidar e o pescoço com marcas de esganamento.E mais recentemente o caso do Eliseu Santos que desde de o início da investigação já dava a versão do assalto. A RBS é uma organização mafioso que manipula o povo gaucho, mas de um certo modo é bom para o gaucho descer do pedestau que acha que está.Enquanto isso o nordeste já deve estar quase passando o sul quanto a economia/emprego.

Responder

trombeta

24 de abril de 2010 às 21h34

Como gaúcho posso afirmar que a história de povo mais politizado do país é um exagero, beirando a mentira.

Ter um certo interesse por política a entendê-la vai uma grande diferença, tivemos sim um período em que o eleitorado era menos conservador, votava na esquerda, hoje, depois, da massacrante catequese midiática da RBS temos uma geração de reacionários e imbecis políticos.

Além do mais boa parte dos gaúchos se acha a última bolacha do bolo, metido a besta e arrogante pensa que vive num país imaginário chamado Rio Grande do Sul, é o gauchismo, tão ridículo quanto provinciano.

Responder

    Clovis

    25 de abril de 2010 às 00h02

    Concordo……também sou gaucho e acho imbecil esta coisa de ser mais politizados…são é mais "politizados pela RBS". TAnto que nunca elegem um goerno alinhado com brasília.

flavio cunha

24 de abril de 2010 às 20h46

Parabéns Jorge Ferreira! Eu mesmo há alguns meses atrás, gastava o meu tempo e paciência comentando naquele panfleto direitista, até concluir que apenas estava legitimando-os. Hoje não acesso mais aquela imundicie, o que proporcionou-me um enorme ganho em saúde. Pseudo-jornalistas como Rosane Oliveira, Santana e outros, não são dignos sequer de serem lidos por gente decente.

Responder

Jorge Ferreira

24 de abril de 2010 às 19h49

Antes de ler esse artigo, hoje pela manhã havia mandado o seguinte post para a "jornalista" Rosane de Oliveira do jornal ZH: "Havia prometido a mim mesmo que jamais escreveria a esse seu blog que censura postagens. Todavia ao receber meu jornal hoje me enchi de indignação com a manchete principal, que é parcial e engajada. Não pela opção do jornal por este ou aquele candidato, isso faz parte da imprensa em qualquer país democrático de primeiro mundo, mas a indignidade é saber que assino e ajudo a pagar um jornal que propaga uma falsa isenção ética que só os ignorantes acreditam. Pior que isso, uma rede de comunicação que está ajudando a fazer do RS um estado coronelista como se imaginava que havia em outras regiões mais atrasadas do Brasil. Aqui se acoberta e escamoteia informações sobre roubos, desvios públicos e até assassinatos para proteger parceiros políticos. Mas o jornal e os veículos de comunicação, inclusive seus jornalistas formadores de opinião "são éticos". Estou cancelando hoje a minha assinatura. Como sei que não vão publicar mesmo este post vou mandar cópias para outros posts mais livres e democráticos do país. Onde nã precise pagar para ser enganado. Favor avisar ao chefe Nelson para não gastar dinheiro mandando cartinha como fez em 2002. Utilize esses recursos e os de reciclagem de papel para comprar lixeiras maiores onde caberão os manuais de ética jornalistica da RBS."
Já havia aderido a campanha ZERO FORA

Responder

flavio cunha

24 de abril de 2010 às 19h23

O tão propalado politizado povo gaúcho virou uma piada! O classe média riograndense se acha muito informado devido ao hábito nefasto de viver agarrado à zero hora e não perder o telejornal da emissora. Pobres coitados não têm noção do que se passa no mundo, não sendo mais do que analfabetos funcionais que engolem o prato feito servido pelo Partido da RBS sem nem sequer procurar compreender o que tem por trás das manipulações da mídia local. O governo gaúcho sucumbiu a um processo monstruoso de roubo e corrupção, e a prefeitura da capital simplesmente tem o prefeito mais incompetente da sua história, fazendo com que os serviços mais elementares da cidade estejam sucateados e/ou abandonados, haja vista o ocorrido em parada de ônibus no centro da cidade, onde morreu um jovem eletrocutado devido à incompetência dos administradores. Infelizmente, hoje tenho vergonha de ser gaúcho.

Responder

Vicente

24 de abril de 2010 às 17h52

Azenha…

o RS merece um estudo a parte.

O povo daqui, que se acha o mais politizado no Brasil, elege uns cretinos como o Zambiasi, o Padilha e o José Otávio (sem contar nos deputados evangélicos que ninguem conhece, ninguém sabe o que faz, salvo quando aparece alguma denúncia de corrupção).

E o pior … não importa o que aconteça, o Fogaça se elegerá Governador mesmo tendo feito uma das piores administrações na prefeitura de Porto Alegre….

Responder

Farpa

24 de abril de 2010 às 17h14

Quanto maior o BOICOTE a assinaturas e a patrocinadores dessas corjas tranvestidas de empresas de comunicação, mais rápida será a sonhada moralização da mídia.

Responder

edgar

24 de abril de 2010 às 17h05

O grupo RBS domina todos os tres Estados sulinos, atraves de seus jornais, repetidoras de TV e radios.
E um forte membro do PIG. Mandou contra o Governo de Olivio Dutra, como Governador do Estado, durante todos
os dias do seu mandato. Criaram ate uma CPI com ajuda da midia. Sempre esteve contra o PT, MST, funcionarios
publicos e movimentos sociais.
Sobre as pesquisas "encomendadas", so acredita quem e muito "desligado".

Responder

Fernando

24 de abril de 2010 às 16h38

Azenha,
Não tem como o TSE exigir por medida normativa ou outro instrumento que os questonários de pesquisa eleitoral sejam numerados e protocolados .Assim em caso de inutilização,erro ou rasuras,o instituto devolve ao TSE o questionário inutilizado com as devidas explicações.
Já mandei e-mail pro Nassif com essa sugestão.
Um abraço e parabens pelo seu belo trabalho.

Responder

O Brasileiro

24 de abril de 2010 às 16h36

Quando uma pessoa normal vai a um lugar, ela vai se sentir bem, mal ou mais ou menos. Dependendo do que sentiu, voltará a esse lugar várias, poucas ou nenhuma vez.
O mesmo acontece em relação ao que se lê, ouve ou assiste.
Se você gosta do que lê, ouve ou assiste, você vai comprar ou ouvir ou assistir o jornal, a revista, a emissora de rádio ou a emissora de televisão. Quando você não gosta, não vai ler, nem ouvir e nem assisti-los. Com exceção dos que, por ossos do ofício, como comentaristas, jornalistas e assessores de imprensa, têm que suportar a tortura!
Isso tudo é para explicar o prazer que se sente quando se livra desses jornais, revistas e emissoras de rádio e TVs mentirosos, como Veja, UOL, Folha, Globo. Foi o que senti quando cancelei a Globo.com e o UOL. E por isso entendo o alívio dos ex-leitores do Zero Hora!

Responder

Luís C. P. Prudente

24 de abril de 2010 às 15h34

Assim os bandidos conseguem os votos dos indecisos. Por isto é necessário que TSE fiscalize os institutos de pesquisa e multe os que estão fraudando o eleitor.

Por bandidos entendo e denomino a coligação do mal PSDB-PFL e os órgãos mafiosos do PIG.

Responder

Esquemas Táticos

24 de abril de 2010 às 12h00

Impagável o diálogo final. Muito bom. E as pesquisas do Ibope erram muito, sempre a favor do PSDB e Demo. Sem dúvida, é preciso moralizar as pesquisas eleitorais. Datafolha, Sensus e Vox Populi também já erraram muito. O ajuste na boca-de-urna sempre é feito. Na verdade, a gente nunca sabe como é cenário antes da pesquisa boca-de-urna. Vou tentar fazer um levantamento dos erros das pesquisas nos últimos tempos. Abraços, Marcelo Costa.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    24 de abril de 2010 às 14h08

    Faça o levantamente. E nos passe o link de seu blog. Abs

    Luiz Carlos Azenha

    24 de abril de 2010 às 14h09

    Faça o levantamento. Eu teria prazer em publicá-lo. abs

Bonifa

24 de abril de 2010 às 14h52

Má rapá… Está explicada a origem da desgraça política que se abateu sobre o Rio Grande do Sul na história recente… Todo mundo no Brasil se perguntando, o que houve com o Rio Grande, antes altivo, orgulhoso, politizado… E agora, meu Deus do Céu, nem é bom falar de tanta patifaria. A origem de tudo está sem dúvida no trabalho exaustivo do PIG sulista. Desdobrou-se, na tarefa de acabar com o Rio Grande.

Responder

    Cesar

    24 de abril de 2010 às 20h45

    Bonifa

    O gaucho continua orgulhoso, o erro foi ter colocado uma paulista no governo (sera uma vinganca contra Getulio Vargas?).
    Uma boa "revolucao"sempre inicia do RS, aguarde que a paciencia do gaucho esta se esgotando.

    Abraco,

mano

24 de abril de 2010 às 13h37

Cancelei faz tempo a Zero Fora. ..e o CP. Depois da visita de um político mineiro e da desgovernadora, houve uma inflexão no discurso. Agora só me informo na web, é um ambiente mais rico, interativo e seletivo. Temos o hipertexto para verificar quem é quem, o que fez, na janela ao lado do texto que estamos lendo. Lemos do jeito que queremos e ainda possuímos infinitos links complementares.

Responder

Edmundo

24 de abril de 2010 às 11h44

A relação entre os demo/tucanos e os institutos (Ibope e Datafolha) é evidente. Tenho certeza que esses institutos é que incentivaram o PSDB a pedir auditoria no Sensus, já que para eles manipular pesquisa é uma coisa normal.

Responder

marcos

24 de abril de 2010 às 11h23

De grão em grão a galinha enche o papo ….

Responder

Pedro Henrique

24 de abril de 2010 às 11h06

Aqui o dono da RBS passando recibo:

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2002/11/

Responder

Ivo Milanez Gloeden

24 de abril de 2010 às 05h48

A RBS é uma máfia. Êles tentam sempre colocar funcionários em cargos executivos ou legislativos para depois se locupletarem.. Exemplos? Antônio Brito como governador. Yeda Crusius como governadora. Fizeram campanha a favor do Rigotinho (não trabalhou na RBS mas é "mui amigo). O senador Sérgio Zambiasi (Rádio Farroupilha da RBS). Agora estão tentando emplacar como senadora Ana Amélia Lemos (Miss Lagoa Vermelha) e mais alguns ex-funcionários em cargos legislativos. E, têm um bocado de gaúchos otários que ainda acreditam na RBS. Eta povinho politizado!.
P.S. Sou gaúcho mas não sou otário.

Responder

Jorge

24 de abril de 2010 às 05h44

A prática é antiga, nós, ingênuos do curto exercício da democracia, da pouca consciência da cidadania, nos deixávamos levar pela verdades absolutas e inquestionáveis reveladas pelo PIG. Algo tinha que acontecer para que essa manipulação não se perpetuasse. Devemos manter a vigilia constante pelo que se reserva para as próximas eleições.

Responder

Deixe uma resposta para Pedro Henrique

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.