VIOMUNDO

Diário da Resistência


Dalva Garcia: Novo ensino médio só aumenta exclusão dos estudantes trabalhadores
Trans-formar 12/05/2022 - 23h04

Dalva Garcia: Novo ensino médio só aumenta exclusão dos estudantes trabalhadores


Por Dalva Garcia

Por Dalva Garcia*

Sabemos que a condição do aluno trabalhador é a mais desfavorecida e desvalorizada.

Após jornada de trabalho diurna ter disposição para o aprender quando o mundo se debruça na alienação e no consumo de mercadorias para o entretenimento que só reforça a falta de consciência requer extrapolar o corpo esfacelado, adiar a fome e as preocupações emergentes para pelo menos almejar algum conhecimento que mobilize forças contra o cotidiano atroz dos efeitos da desumanização, um lampejo de luz que pode iluminar a escuridão de hábitos cristalizados.

O novo ensino médio impõe sobrecarga a essa jornada dupla de estudantes trabalhadores nos cursos noturnos no Estado de São Paulo. A carga horária prevista na reforma não é condizente com o contraturno da jornada de trabalho.

Alunos que saem de casa na madrugada para trabalhar e voltam por volta das 24 horas quando conseguem pegar o ônibus às 23 horas devem cumprir a denominada ” expansão da carga horária” sob a forma de orientação de estudos no período da manhã ou a tarde.

Se o horário comercial de alunos trabalhadores termina às 18 horas é claro que a expansão dificulta ou inviabiliza o ensino noturno.

Fazendo valer a premissa de que quantidade de carga horária supera a qualidade da regularidade de encontros e trocas na escola, o aluno trabalhador deverá transmutar a jornada dupla semanal em jornada triplicada ou quadruplicada através de atividades direcionadas oferecidas como alternativas a suposta desafagem curricular de alunos trabalhadores.

Aulas virtuais ou atividades que formam os alunos tarefeiros é a alternativa típica apresentada.

Presente de grego é o Cavalo de Tróia, reconhecimento da luta do opositor pelo extermínio do mesmo. No caso, o opositor é o trabalhador num país de desempregados…

A lógica desta política educacional é mais que perversa, exclui com o slogan da inclusão. Imobiliza os que praticam a ginástica para não atrofiar os músculos exaustos.

Individualiza o que deveria ser problema coletivo: a possibilidade de conhecer que transcende o fazer repetitivo do trabalho mal remunerado.

Depois da receita do remédio amargo que envolve a desumanização do trabalho pelo aparato tecnológico, eis consolidada a tarefa da desumanização por uma educação técnico-burocrática.

Embora o fracasso dessa tentativa tenha assustado até os mais otimistas nos avanços dos produtos da “sociedade da informação” e nos avanços pafernálias das plataformas digitais educativas durante a pandêmia, gerando evasão escolar nas escolas públicas e inadimplência nas privadas, continuemos administrando placebos com o sabor amargo com melhores remédios e também mais eficazes venenos…

“O que não mata, engorda” diz o ditado popular que, via de regra, oculta a lacuna do índice da desnutrição.

Para uma barriga nutrida por vermes e de vermes, as instâncias federais já indicaram que um bom vermífugo é a solução para todos os problemas.

*Dalva Garcia é professora de filosofia da rede pública de São Paulo.

Leia também

Dalva Garcia: Desfile “fashion curricular” do novo ensino médio promete arrasar a…Educação





1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Bíblia do Bolsonarismo

14 de maio de 2022 às 18h53

não poderia ser nada melhor. Ao invés de 10 ou mais disciplinas obrigatórias, agora são no máximo quatro e o resto do tempo o aluno pode escolher fazer o quiser, até mesmo não fazer nada.

Responder

Deixe uma resposta para Bíblia do Bolsonarismo

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding