VIOMUNDO

Diário da Resistência


João Paulo Rillo: Não nos calaremos; queremos nossas Marielles vivas!
A viúva Mônica Benício com uma réplica de placa de Marielle Franco , em frente à Câmara, na Cinelândia, no dia em que o assassinato da vereadora completa sete meses.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil
Repolitizando

João Paulo Rillo: Não nos calaremos; queremos nossas Marielles vivas!


23/10/2018 - 13h40

por João Paulo Rillo*

Ainda não havia se encerrado a apuração do primeiro turno quando os fascistas, abduzidos pelo ódio e a sede de vitória a qualquer custo, começaram a tocar o terror.

A ordem é intimidar a ação política daqueles que combatem a escalada de violência e defendem o voto em Haddad como meio para preservar o sopro de democracia que ainda se respira neste país.

Existe uma estratégia e uma tática subterrânea, cibernética, que manipulam e colocam em ação um exército de delinquentes, de serviçais voluntários e violentos, tentando intimidar lideranças e formadores de pensamentos.

Apostam no medo mudo da maioria oprimida e solitária.

Está provado que a manipulação da turba insana é feita por centenas de milhares de disparos pelo WhatsApp, financiada criminosamente por grandes empresários, com tecnologia internacional muito sofisticada, capaz de arrastar o processo eleitoral para um terreno desigual e violento.

Essa massa de violentos aquecidos cria um ambiente onde tudo é permitido para liquidar o inimigo.

A situação saiu do controle das autoridades constituídas, que, quando não são cúmplices, escondem-se em uma pálida posição de indiferença e omissão.

Nós do PSOL não entraremos nesse jogo, não alimentaremos com revides essa prática estúpida e violenta. Mas também não nos intimidaremos.

Nossas lideranças estão sofrendo ameaças cotidianas para que não se movimentem nesse segundo turno.

Uma professora da Fundação Casa registrou boletim de ocorrência contra um servidor que disse para ela “quem não vota no Bolsonaro vou matar”.

Uma liderança do PSOL do interior do estado foi ameaçada por um motoqueiro encapuzado, ordenando que ela ficasse quietinha no segundo turno.

Uma travesti foi covarde e cruelmente assassinada enquanto seus algozes berravam “Bolsonaro”.

O assassinato ocorreu em frente ao prédio de uma das deputadas estaduais eleita pelo PSOL em São Paulo, Erica Malunguinho.

Os parlamentares e dirigentes do PSOL exigiram audiência com o Secretário de Segurança do Estado para que se tomem providências com urgência e o Estado garanta segurança às pessoas ameaçadas.

Nossa resistência pacífica, nossa voz, nossos mandatos, nossos movimentos sociais são nossas armas de paz contra os ataques belicosos, criminosos e ilegais de uma horda sanguinária e fora da lei que deseja destruir tudo o que é povo, livre e democrático.

Não nos calaremos! Queremos nossas Marielles vivas!

Leia também:

Na Alemanha, Hitler foi visto como mal passageiro, lembra  Samuel Pinheiro Guimarães

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

15 de fevereiro de 2019 às 20h08

Caiu o Foro Privilegiado de Jose Serra (PSDB/SP) no STF
no caso investiga o envolvimento do Senador Paulista
em irregularidades nas obras do Rodoanel.

Em agosto do ano passado, a PGR enviou documento
aos ministros do Supremo, defendendo a existência
de novos elementos no caso e a necessidade de envio
dos autos à primeira instância para prosseguimento.

Em sua manifestação, a PGR esclarece que, como o STF
não é mais competente para julgar o inquérito Judicial
– devido ao entendimento da própria Corte quanto
à restrição do foro por prerrogativa de função –,
as novas informações, obtidas por meio de cooperação
internacional, devem ser detalhadas e analisadas
pela Justiça de primeira instância.

Os fatos investigados referem-se à época que José Serra
era Governador Estadual de São Paulo, não tendo relação
com o atual Mandato de Senador.

íntegra:

http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/segunda-turma-do-stf-atende-a-pedido-da-pgr-e-envia-inquerito-que-investiga-jose-serra-a-justica-federal-em-sp

Responder

Zé Maria

08 de janeiro de 2019 às 19h09

A Linha do Tempo que Resume o Racismo no Brasil

[Não é um indivíduo, uma Pessoa,
é Toda uma Etnia Massacrada,
ao longo do tempo, no Brasil!]

Por Leandro Ribeiro, no Pragmatismo Político

Sobre o ‘coitadismo’ dos negros:

1837 – Primeira lei de educação: negros não podem ir à escola

1850 – Lei das terras: negros não podem ser proprietários

1871 – Lei do Ventre Livre – quem nascia livre?

1885 – Lei do Sexagenário – quem sobrevivia para ficar livre?

1888 – Abolição (atentem, foram 388 anos de escravidão)

1890 – Lei dos vadios e capoeiras – os que perambulavam pelas ruas,
sem trabalho ou residência comprovada, iriam pra cadeia.
Eram mesmo “livres”?
Dá para imaginar qual era a cor da população carcerária daquela época?
Vc sabe a cor predominante nos presídios hoje?

1968 – Lei do Boi: 1a lei de cotas! Não, não foi pra negros,
foi para filhos de donos de terras, que conseguiram vaga
nas escolas técnicas e nas universidades
(volte e releia sobre a lei de 1850!!!)

1988 – Nasce nossa ATUAL CONSTITUIÇÃO.
Foram necessários 488 anos para ter uma constituição
que dissesse que racismo é crime! Na maioria das ocorrências
se minimiza o racismo enquanto injúria racial e nada acontece.

2001 – Conferência de Durban [África do Sul],
o Estado reconhece que terá que fazer políticas de reparação
e ações afirmativas. Mas, não foi porque acordaram bonzinhos!
Não foi sem luta. Foram décadas de lutas para que houvesse
esse reconhecimento! E olha que até hoje tem gente que ignora, hein!

2003 – Lei 10639 – estabelece as diretrizes e bases da educação nacional,
para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade
da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”.
Que, convenhamos, não é cumprida, né?

2009 – 1ª Política de Saúde da População Negra.
Que prossegue sendo negligenciada e violentada
(quem são as maiores vítimas da violência obstétrica?)
no sistema de saúde.

2010 – Lei 12288 – Estatuto da Igualdade Racial.
Em um país que se nega a reconhecer a existência do racismo.

2012 – Lei 12711 – Cotas nas universidades.
A revolta da casa grande sob um falso pretexto meritocrata.

Nossa sociedade é racista e ainda escravocrata
e essa linha do tempo tá aí pra evidenciar.

Você vai continuar negando e menosprezando
esse tema com falas rasas, do tipo: “mi,mi,mi”?

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2019/01/linha-do-tempo-racismo-no-brasil.html

Responder

Zé Maria

25 de novembro de 2018 às 21h09

braZil: Na Idade da Pedra Lascada,
os Sociopatas saem do Armário

Professora e pesquisadora da UnB, a antropóloga Débora Diniz precisou deixar o Brasil, com o marido, por causa de ameaças de morte por um grupo de extrema direita no submundo da internet.

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/quem-sao-os-celibatarios-involuntarios-os-incels-que-estao-ameacando-de-morte-a-antropologa-debora-diniz/amp/

Responder

Bel

03 de novembro de 2018 às 14h38

A mídia monopolizada berra longo tempo para denunciar os que menos tem acesso a defesa e se cala sobre quem foi injustiçado. pobre, Brasil!
seculodiario.com.br/public/jornal/materia/acusado-de-abuso-por-cpi-da-pedofilia-denuncia-senador-magno-malta

Responder

Deixe uma resposta para Bel

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.