VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Zé de Abreu: Escândalos nascem nas redações
Política

Zé de Abreu: Escândalos nascem nas redações


24/12/2012 - 03h10

Zé de Abreu é ator da Globo. Foi um dos convidados para o debate sobre o julgamento do mensalão promovido pelo Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé. Imagens daTVT. Dica do Altamiro Borges e da Maria Frô. Edição: Viomundo.

Zé de Abreu: Escândalos nascem nas redações from Luiz Carlos Azenha on Vimeo.

Veja também:

Fernando Morais: É hora de voltar a dizer que o povo não é bobo

Paulo Moreira Leite: Vamos pensar no que estão preparando

Raimundo Rodrigues Pereira sustenta que não houve desvio na Visanet

Pedro Serrano: No plano do Direito constitucional, foi uma catástrofe

Carlos Langroiva: Sessão da tarde midiática no STF

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



39 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jaime Amparo Alves: Nunca houve tanto ódio na mídia brasileira « Viomundo – O que você não vê na mídia

29 de dezembro de 2012 às 13h20

[…] Zé de Abreu: Escândalos nascem nas redações […]

Responder

Mário SF Alves

28 de dezembro de 2012 às 21h41

Triste sina. Cada vez me convenço mais de que o consórcio PiG-demo-tucano adotou a máxima nazista de que “os fins justificam os meios”!
____________________________________________________
No entanto, cabe duvidar. Assim, há algum erro nisso? Ou seja, seria de bom alvitre saber:
1- Tal máxima não seria de fato privilégio do totalitarismo nazista?
2- Raciocínio equivocado porque os caras, o referido consórcio, os temporariamente poderosos ideólogos da mega/privo/entregatização do Brasil; do estado mínimo (ínfimo); da VANGUARDA neoliberal; da expectativa confessa de pelo menos 20 anos de poder; do Brasil, país de caipiras; da exclusão social como condicionante e premissa básica, e dos aposentados vagabundos, jamais adotaram tal máxima.
______________________________________________
Tá. Imaginemos que não tenha sido exatamente assim. Então, que “estadistas” foram e/ou pretenderam ser? Quais razões de estado os guiaram? Existiram razões de estado ou, na verdade, o *modelo adotado beneficiaria os de sempre, a elite dominante? Que País teriam deixado de herança pra os nossos netos (se é que os nossos netos viessem a existir)? Seríamos definitivamente transformados numa colônia norte-americana? Um laboratório a engendrar Chile às avessas, construído mediante um pinochetaço sem brucutus?
*Modelo adotado: a meu ver, mais do mesmo, capitalismo subdesenvolvimentista!

Responder

Emanuel Cancella

27 de dezembro de 2012 às 11h48

MÍDIA MAFIOSA

A mídia brasileira funciona como verdadeira máfia. Cerca de meia dúzia de famílias controlam as empresas de comunicação no país e fazem o que querem, não sei até quando! Sem contar que apoiaram e cresceram à sombra da ditadura.

Já protegeram diretores assassinos de namorada como o caso de Pimenta Neves, ex-diretor do Estadão, ver na internet: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Marcos_Pimenta_Neves. O estadão também apoiou a ditadura militar, veja na internet: http://pt.wikipedia.org/wiki/Grupo_OESP. A contribuição da Folha com a ditadura militar pode ser vista em http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2012/12/515028.shtml

São concessionárias de serviços públicos que pagam valores simbólicos pelos serviços, e a sociedade desconhece esses valores. Se apresentam como paladino da moral e da ética e enriquecem, criam verdadeiros impérios, e fazem repasse simbólico pela concessão em um país carente. Renovam as concessões entre quatro paredes e usam todo poder de pressão contra o governante de plantão. Já tiveram poder absoluto no país, hoje relativo, diante das redes sociais e também do descrédito que alcançaram com suas práticas frente à sociedade.

A mídia já foi denominada o quarto poder da República, e o primeiro na escala do poder, tanto que, em 1989, a Globo criou um candidato inexpressivo, Collor de Mello, que mesmo assim na reta final da eleição titubeou e a Vênus de prata teve que apresentar seu saquinho da maldade para derrotar Lula. Tudo isso esta documentado no filme “Além do cidadão Kane” no endereço eletrônico: http://www.youtube.com/watch?v=049U7TjOjSA.

Que a Globo apoiou a ditadura militar instalada em 1964 e cresceu a sua sombra ninguém tem dúvidas, mas muita gente não sabe é da ligação da TV Globo com o grupo norte-americano Time-Life que começou em 24 de julho de 1962. Aliás, também ninguém tem dúvida de que foi o governo norte-americano que patrocinou a ditadura no Brasil e em grande parte de nosso continente.

Precisamos mudar nossa mídia, na verdade democratizá-la! Não podemos aceitar monopólios como o da Globo que alcança mais de 90% de nosso território, é muito poder para uma emissora, principalmente para fazer o que já fez em nosso país. No mundo desenvolvido, não existe empresa de comunicação com esse poderio. Em nosso continente, Venezuela e Argentina já começaram essa mudança. A mídia está organizada e articulada em nosso continente, e age contra os seus críticos, principalmente os governos democráticos populares, como se uma guerra estivesse deflagrada. O que se busca é a democratização de meios de comunicação, principalmente através do controle social.

Obs.: Enviei cópia desse artigo para publicação a Folha, Estadão, O Globo, Veja, JB entre outros.

RIO DE JANEIRO, 27 de dezembro de 2012

Responder

    Mário SF Alves

    27 de dezembro de 2012 às 23h05

    Boa Emanuel. Resta saber o que temem tanto; resta saber o porquê de tanto empenho na realização de um golpe institucional visando melar, frear e jogar por terra a continuidade do jogo democrático. Por que será que o capitalismo subdesenvolvimentista povo-excludente que eles histórica e dissimuladamente defendem é assim tão vital? Que contratos firmaram com os estrangeiros? Por que tanta insistência em manter o Brasil, um dos países mais ricos do mundo, neste eterno subdesenvolvimento? Quem ganha com isso? E até quando?
    ______________________________________________
    Chegaram a discursar sobre a importância de um tal choque de capitalismo. Lembra o falecido Mário Covas? Pois é, não deu em nada; munidos da tese de que os fins justificam os meios, e como todo o servilismo possível, como prostitutas, enveredaram pelo caminho aparentemente mais fácil: a mega/priva/entregatização do Brasil. Assim, disfarçados de bons moços e em nome de uma conquista social, o Plano Real, mantiveram à distância o povo, fizeram o que fizeram, e livres de todas as amarras e compromissos, sentiram-se plenos para usufruírem a vida nababesca de sócios e prepostos do altamente lucrativo negócio chamado Brasil S.A.; diziam que seria coisa de uns vinte anos de poder. Plano Real; é este o transe que os fez achar por bem esquecer as teses desenvolvimentistas; jogá-las no lixo, e sofregamente aderir ao neoliberalismo. O mesmo neoliberalismo que está a afundar a Europa. E queriam mais. Queriam o estado mínimo; chegaram a praticar a estratégia da total desacreditação dos serviços públicos estaduais; antes disso propagandearam elefantes em salas de vidros. O elefante, claro, era o estado inchado de gente, de CVRD, de BB, CEF, de Petrobrás e um sem número de outras que o faziam assim um bicho pesadão.
    _____________________________________
    São livres para agir; são livres para manifestar sua ideologia, qualquer que seja ela; são livres para tentar ressuscitar o Hitler, se assim o desejarem; são livres para se opor ao Brasil Um País de Todos, como assim o fizeram; tudo isso é previsto e faz parte do jogo democrático. O que não faz parte do jogo é se travestir de partido político sem o ser legalmente assim constituído. O que não faz parte é condicionar instituições públicas para servirem de testa-de-ferro na preparação de golpes de estado, com vistas à conquista de um poder que cada vez mais lhes escapa em fragorosa sequência de derrota nas urnas. O que não faz parte é o linchamento moral público de adversários políticos. O que não faz parte é condenar sem prova. O que não faz parte é atentar contra a democracia mediante sabotagens contra o governo.

Marat

26 de dezembro de 2012 às 18h46

Eu gosto do Zé de Abreu porque ele tá lá no vespeiro e não se intimida! É isso ai, Zé!!! Continue lutador!!!

Responder

    Mário SF Alves

    27 de dezembro de 2012 às 23h15

    Marat,
    Esse cara é único. Imagina o superprestígio financeiro e retórico que concederiam a ele no exato instante em que agisse de modo ideologicamente oposto. E é bom saber que ele não está só. Na mesma galeria tem o Charles Chaplin e tem o John Lennon.

Gerson Carneiro

26 de dezembro de 2012 às 05h29

Azenha, estamos mais uma vez deixando passar oportunidade de pautar a mídia nativa. Que tal um post para discussão dos recorrentes flagras do Álvaro Dias em encrencas financeiras?

Aposentadoria milionária; recibo com data de validação escandalosamente posterior ao fato; agora a aparição de uma fortuma não declarada já admitida por ele porém com alegação de que é herança do pai, um modesto agricultor.

Há quem pense que a blogosfera progressista não paute a velha mídia mas recentemente a expressão “mexeu com Lula mexeu comigo” andou deixando nervosos colunistas do PIG.

Responder

    eca

    26 de dezembro de 2012 às 15h32

    concordo com voce Gerson. Vamos espalhar esse escandalo do Alvaro Dias pela internet. Já comecei a fazer, näo dá para calar. Este crápula , descarado , mascarado de honesto, tem que ser desmascarado, assim como foi o Demóstenes.

Rodrigo Mello

26 de dezembro de 2012 às 02h35

Me divirto com os comentários. Se fizerem um compêndio,de alguns comentários aqui, daria um ótimo livro de humor. Tem gente que “gasta” o português para dizer nada com nada.melhor do que as provas do ENEM. kkk

Responder

sandro

26 de dezembro de 2012 às 02h32

Não é segredo para ninguem que há frequentadores aqui que são representantes do instituto millenium ,alguns chegam a “virar os olhos”,
mas não há nescessidade de desmascara-los devidamente,talvez quando
soubermos o preço disso.Quanto ao rapaz do mackenzie citado pelo Zé de
Abreu, esse costuma frequentar um blog do amigo.O ideal é não citar
nomes mas que não é dificil de identifica-los …não é mesmo.
É bom que saibam que quem tudo quer ver acaba se mostrando, o que venta
lá venta cá tambem.

Responder

Ana Giulia Zortea

26 de dezembro de 2012 às 01h47

Nossa, adorei o que o Zé falou, eu tenho a mesma opinião que ele,o presidente Lula merece que o povo brasileiro se manifeste em sua defesa. Adorei trabalhar com o Zé e admiro muito ele, é muito bom ter a certeza que ele realmente é tudo o que mostrava ser nos bastidores e intervalos das gravações.

Responder

Geysa Guimarães

25 de dezembro de 2012 às 14h07

Queria ser uma formiguinha pra saber o que falam do José de Abreu nos bastidores platinados.

Responder

Willian

25 de dezembro de 2012 às 12h21

Então é tudo mentira? Nada aconteceu?

Responder

    francisco pereira neto

    26 de dezembro de 2012 às 11h59

    Não. Não é tudo mentira, e voce sabe que não é, mas não do jeito que voce quer que nós acreditemos.
    O jeito de fazer política sempre foi assim. Com caixa dois, compra de votos de eleitores ou de congressistas, tudo que há de pior na política brasileira com um sistema eleitoral capenga, cujo TSE, que é presidido por um membro do STF (hoje é Carmen Lúcia)deixa passar batido declaração de patrimônio de candidatos dos mais absurdos possíveis, que até um aprendiz de contabilidade consegue entender. Mas quando chega lá no plenário do STF condena políticos com as teses mais absurdas engendradas pelo relator.
    Nada é mentira, mas também nada é verdade do jeito que voce quer fazer parecer.
    A política nunca foi uma conta de somar ou subtrair, pura e simplesmente.
    Somam-se ou subtraem-se de acordo com as facilidades permitidas(sic). Num país dominado por empreiteiras, bancos, concentração da mídia com quatro barões, voce quer fazer ou apoiar julgamentos que condenem somente um partido? Só porque esse não permite que a oposição consiga ascender o poder com o voto popular?
    Ninguém é santo na política, mas generalizar é a coisa mais odiosa que existe.
    Entre eu e voce, podemos discutir quem é mais honesto.
    Topa fazer a comparação?
    Com certeza vou descobrir deslizes seus que posso classicar com base na teoria dos fatos. E voce vice e versa.
    Então é preciso ser sensato e analisar a dimensão das coisas.
    Hoje é tudo contra o PT, mas ontem o PSDB fez coisas horríveis das mais cabeludas ( a turminha do Real estão milionários ), as privatizações inexplicáveis, a compra da reeleição do FHC… e nada disso importa?

Romanelli

25 de dezembro de 2012 às 09h50

Penso que é bom diferenciar que DEDO DURO é uma coisa, denunciador, outra.

O denunciante NÃO é sócio do crime, ele discorda dele, normalmente compartilha da lei e regra afetada, portanto, é um ato sim de CIDADÃO, queiram os bandidos ou não ..aliás, devemos reconhecer que normalmente é um ato, quando não anonimo, cravejado de coragem, como daqueles que denunciam a existência de quadrilhas e do crime organizado.

Já o DEDO DURO é feito por sócio do crime e pode ser analisado sobre diversos ângulos ao meu ver, por exemplo, ele pode ser uma questão de praticidade pra sociedade. Vocês já pararam pra pensar quanto custa uma mentira, uma chicana jurídica pra sociedade dita honesta, LEAL, leal e organizada ? ..fora ainda que a DELAÇÃO pode ser sim um instrumento de purgação, este aonde o bandido “arrependido” resolve colaborar com a investigação por uma questão de consciência, ou será que isso não deve ser reconhecido, portanto, PREMIADO, um ato digno de abatimento da pena ?

Claro, claro que ainda tem o tipo do delator que vê, por questões individuais e mesquinhas, a necessidade de se aproveitar e resolve entregar os companheiros do crime, mas aqui tb cabe uma reflexão meio que na altura, e por acaso o BANDIDO AMIGO merecia, ou não ?

De tantos outros tipos de DEDO DURO, uma que me vem e que merece punição EXEMPLAR é aquela acompanhada da MENTIRA, da manipulação, de incriminação de um inocente ..aqui sim, quando descoberto, seu autor deveria, ao meu juízo, ter sua pena AUMENTADA, e em muito ..mas como todos sabemos, nesta terra de Maria a mentira não é apenda, aliás, muitas vezes chega a ser até bem vinda.

Em síntese, ao contrário do José de Abreu, eu é que fico horrorizado ao ver tantos destes casos (e outros que poderiam ser aventados) se resumirem ao ato como se sendo de um único tipo, qual seja, o do contraventor associado que resolve entregar o par que ainda se encontra “escamoteado e foragido” e que por sua “esperteza” deveria assim permanecer, mesmo que para tanto DIVERSOS inocentes continussem a sofre ..eu hein ?!

Responder

    Mário SF Alves

    27 de dezembro de 2012 às 23h31

    Pois é, Romanelli, parece, entretanto não é. O que o Zé de Abreu disse tem um antecedente lá atrás. A coisa referida por ele é o pavoroso dedo-durismo que queimou milhares de cidadãos e estraçalhou famílias durante os anos de chumbo da ditadura. Naquelas circunstâncias um possível informante era quase que assediado pelos prepostos dos usurpadores do poder na época.

Messias Franca de Macedo

24 de dezembro de 2012 às 23h26

… No ‘datafalha do Ibope’ (sic), parcela significativa da opinião pública afirma confiar no STF simplesmente porque parcela significativa da opinião pública não conhece ” a maioria dos *supremos do supremoTF”!…

PANO RÁPIDO!

*supremos do supremoTF”!: aspas monstruosas e letras submicroscópicas!

Lá isto é corte suprema, sô?!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Marat

24 de dezembro de 2012 às 18h42

Enquanto houver uma Judith Brito da vida, deverão haver debates para se ouvir o outro lado… Infelizmente a imprensa no Brasil não faz o que deveria fazer: buscar a verdade e ouvir os dois lados numa questão!

Responder

Bonifa

24 de dezembro de 2012 às 18h31

Uma pessoa honesta, inteligente, altruísta, de índole crítica e investigativa, verdadeiramente vocacionada, quer ser jornalista. Qual o futuro que espera ter? Parar em algum “grande” órgão da imprensa e ter que mentir e enganar o povo, para agradar seus patrões inescrupulosos e antibrasileiros? É terrível.

Responder

FrancoAtirador

24 de dezembro de 2012 às 15h43

.
.
(http://www.redetv.com.br/getVideo.aspx?cdVideo=310274&autostart=1)
.
.
PARCIALIDADE DO JUIZ: INCOMPATIBILIDADE COM A JURISDIÇÃO

Mais um elemento, entre tantos outros,

para ANULAR O JULGAMENTO DO ‘MENSALÃO’.

O sabonete Fux escorregou da mão suprema.
.
.
Incompatibilidades e impedimentos

Por Julio Fabbrini Mirabete

A competência do juiz, delimitada pela lei, depende da ausência de determinadas relações com as partes, ou com outros juízes, assim como do “prejuízo”, o que significa que a presença de uma ou outra destas condições a exclui.

Para que o juiz seja competente, podendo julgar com imparcialidade e isenção de ânimo, é necessário que estejam excluídas tais relações, que configuram a suspeição, o impedimento e a incompatibilidade.

Muito embora, por vezes se fale em “suspeição” quando há “impedimento” e se use o termo “incompatibilidade” para designar essas hipóteses, a lei refere-se às três condições que afastam a competência do juiz.
Esquematicamente, pode-se efetuar tal distinção.

A suspeição decorre do vínculo do juiz com qualquer das partes.
O impedimento decorre da relação de interesse dele com o objeto do processo, é um obstáculo à competência.

A INCOMPATIBILIDADE PROVÉM DE GRAVES RAZÕES DE CONVENIÊNCIA não incluídas entre os casos de suspeição ou de impedimento, estando previstas em geral nas leis de organização judiciária.

Causas de impedimento e incompatibilidade

Além das causas elencadas no artigo 254 [CPP], apresentam-se como incompatibilidade (ou suspeição) as razões íntimas que impedem o juiz de atuar com imparcialidade e isenção.

Motivo íntimo é qualquer motivo que o juiz não quer revelar ou talvez nem deve revelar e do qual é ele o único árbitro.

Assim, por exemplo, o juiz que tem ligação amorosa com a ré deve dar-se por incompatibilizado [ASSIM COMO O JUIZ QUE PROMETE ABSOLVER OU CONDENAR UMA DAS PARTES, PARA OBTER VANTAGEM PESSOAL OU FUNCIONAL].

Nessas hipóteses, mandam as leis de organização judiciária que o juiz afirme sua incompatibilidade, remetendo os autos ao seu substituto legal e comunicando o motivo a órgão disciplinar superior.

Por se tratar de razão de foro íntimo, descabe ao juiz a quem o processo é remetido fazer apreciação sobre a razão da suspeição, inviabilizando-se, dessa maneira, a suscitação do conflito de competência.

As incompatibilidades e os impedimentos aplicam-se aos juízes dos tribunais de instâncias superiores, ainda que tenham a designação de desembargadores ou ministros; todos são “juízes”.
Processamento e efeitos
Existindo o impedimento ou a incompatibilidade, o juiz deve abster-se espontaneamente de servir no processo, declinando-a nos autos, como também o órgão do Ministério Público.

Não se dando a abstenção, poderá qualquer parte argüir a incompatibilidade ou impedimento.

Como a própria lei diz, O IMPEDIMENTO OBSTA OU IMPEDE A “JURISDIÇÃO” DO JUIZ E NÃO SOMENTE A COMPETÊNCIA.

Conseqüentemente, OS ATOS POR ELE PRATICADOS QUANDO IMPEDIDOS SÃO MAIS DO QUE NULOS, SÃO INEXISTENTES, NÃO PODENDO SER SANADOS, o que, nos termos do artigo 567, é permitido para a hipótese de incompetência.

(http://direitousp.freevar.com/curso/mira18.htm)
.
.
CÓDIGO DE PROCESSO PENAL – CPP – L-003.689-1941
Livro I
Do Processo em Geral
Título VI
Das Questões e Processos Incidentes

Capítulo III
DAS INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS

Art. 112. O juiz, o órgão do Ministério Público, os serventuários ou funcionários de justiça e os peritos ou intérpretes abster-se-ão de servir no processo, quando houver incompatibilidade ou impedimento legal, que declararão nos autos.
Se não se der a abstenção, a incompatibilidade ou impedimento poderá ser argüido pelas partes, seguindo-se o processo estabelecido para a exceção de suspeição.

http://www.dji.com.br/codigos/1941_dl_003689_cpp/cpp112.htm
.
.

Responder

    Mário SF Alves

    27 de dezembro de 2012 às 23h49

    Franco, qualé? Por que você está a dizer tanto isso? Essa questão não te parece por demais elementar, meu caro? E não seria igualmente elementar aos olhos de quem julga o julgamento? Ou será que os olhos dos que julgam aquela exceção travestida de julgamento estariam assim tão semi-cerrados?

Pedro Serrano: Para condenar, só com atos de ofício « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de dezembro de 2012 às 11h56

[…] Zé de Abreu ataca colunistas […]

Responder

Ricardo Oliveira

24 de dezembro de 2012 às 10h34

Depoimento interessante. Desde o papel ético do delator (se é que isso existe) e seu valor jurídico, passando pela comparação da atuação da PF nos anos FHC e Lula, a lei de transparência, que só está sendo aplicada no governo federal, e a fabrica de escândalos nas redações. Vale a pena assistir.

Responder

Rodrigo Leme

24 de dezembro de 2012 às 10h02

Acho engraçado chamarem isso de debate.

Responder

    Fabio SP

    24 de dezembro de 2012 às 11h46

    O problema do Zé é de muita fumaça de madrugada… kkkkkk

    abolicionista

    25 de dezembro de 2012 às 23h13

    Velha estrat[egia fascista de desqualificar o interlocutor, falácia “ad hominem” para esconder má-fé.

    A indigência mental da direita brasileira é triste…

    Mário SF Alves

    28 de dezembro de 2012 às 15h39

    Pô! Explicou tudo. Então é isso? Fumaça de madrugada é igual a problema para o adversário ideológico, logo, FHC(b) ao encampar movimento pela descriminação da “fumaça”, estaria, sim, astutamente, apostando na problematização do adversário. Tá. Faz sentido.
    __________________________________________
    Sou mais o que disse o abolicionista:

    “Velha estratégia fascista de desqualificar o interlocutor, falácia “ad hominem” para esconder má-fé.

    A indigência mental da direita brasileira é triste…”
    ______________________________________________________________
    E viva Chaplin! E viva Lennon! E viva o Zé!

    P. Ilianovic

    24 de dezembro de 2012 às 11h53

    Um bom debate, um começo quem sabe…só não é um verdadeiro debate pra quem não quer saber de debates, mas só deseja a volta da política para os privilegiados…

    P Pereira

    24 de dezembro de 2012 às 19h16

    Se você acha isso engraçado, então deve morrer de rir quando a platinada apresenta aqueles palhaçadas dos dáblius, por exemplo. Certo?

    francisco pereira neto

    24 de dezembro de 2012 às 19h42

    Oh Rodrigo!
    Voce parece que está viajando.
    Quem não quer debater, não é o nosso pessoal!
    Quem não quer é a mídia vadia.
    Voce acha que Merval, Noblat, Augusto Nunes… se fossem convidados, iriam?
    Em contra partida, a mídia vadia entrevista quem?
    Jabor, Magnoli, as meninas(putz, bando de velhotas senis)do Jô Gurgel…
    Quem não quer pluralidade de idéias é a mídia vadia.
    O Azenha, a Conceição tolhe as sua opiniões aqui no blog? Em que pese as suas idéias estar mais a gosto do Cabeça Furada da Veja do que do pessoal daquí.

    Palomino

    25 de dezembro de 2012 às 00h20

    Por que vc não foi lá contestar os interlocutores. Seria ouvido, e vaiado com certeza, mas teria a palavra.

Edno Lima

24 de dezembro de 2012 às 08h53

Definitivamente, Zé de Abreu incorporou o Nilo de Avenida Brasil!!

Responder

Messias Franca de Macedo

24 de dezembro de 2012 às 08h42

…Ô, VALOROSO DEMOCRATA ZÉ DE ABREU OS VERDADEIROS ESCÂNDALOS TERMINAM (sic) [“ABAFADOS”!] NAS REDAÇÕES DO PIG! ENTENDA

O FELIZ ANO NOVO DE UM DOS “PALADINOS DA MORALIDADE” INDIGITADO PELA PRÓPRIA FILHA! “CADÊ” A COBERTURA ‘ESPETACULARIZADA’ DOS VESTAIS DOS BONS COSTUMES – E DA ÉTICA – (sic) DO PIG?!…

####################################

ÁLVARO DECLAROU R$ 1,9 MI E FILHA PEDE OITO VEZES MAIS
Seis anos atrás, quando disputou sua última eleição e se elegeu senador, Álvaro Dias (PSDB-PR) declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio de R$ 1,9 milhão; hoje sua filha pede na Justiça R$ 16 milhões; líder tucano adota a tática do avestruz e não comenta o assunto, alegando se tratar de caso de família, em segredo de Justiça, mas deixa no ar a dúvida: como será que ele multiplicou tanto seus bens num período tão curto?
24 DE DEZEMBRO DE 2012 ÀS 06:34
Sempre pronto a cobrar dos homens públicos total transparência, o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), adotou a tática do avestruz ao ter revelada a ação judicial em que foi condenado por sua própria filha, que é fruto de um relacionamento extraconjugal com uma servidora pública. A menina, que ainda é menor, conseguiu que o líder do PSDB no Senado fosse condenado por abandono afetivo e pediu ainda parte na venda de cinco casas do senador em Brasília, avaliadas em R$ 16 milhões. No Twitter, onde é bastante assíduo, o senador se limitou a postar a seguinte mensagem: “Desrespeito à lei, distorção dos fatos para magoar pessoas que não merecem isso”.
(…)

FONTE: http://www.brasil247.com/pt/247/parana247/88841/%C3%81lvaro-declarou-R$-19-mi-e-filha-pede-oito-vezes-mais.htm

########################################

… DAQUI A ALGUMAS HORAS O CORRELIGIONÁRIO TAMBÉM IMPOLUTO(!) ALOYSIO NUNES FERREIRA “IRÁ ENTRAR NO BARRACO CHEIROSO” (idem sic) – E ROGAR PELA OBSERVÂNCIA “ÀS CONVENÇÕES [SELETIVAS]!…”

Que país é este, sô?! República Destes Bananas da [eterna] OPOSIÇÃO AO BRASIL, fascista, terrorista, histriônica, alienada, aloprada, MENTEcapta, impunemente terrorista, golpista de meia-tigela, corrupta… ‘O cheiro dos cavalos ao do povo’! (“elite estúpida que despreza as próprias ignorâncias”, lembrando o enunciado lapidar do eminente e catedrático pensador humanista uruguaio Eduardo Galeano)

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Gerson Carneiro

24 de dezembro de 2012 às 06h40

Escândalos nascem nas redações, e são abortados nelas também.

Ou alguém viu no Fantástico do último domingo reportagem especial sobre a condenação do Álvaro Dias no processo movido pela filha bastarda em que reclamada controle de R$ 16 milhões?

Então o sr. Álvaro Dias “doou” a aposentadoria milionária a instituições de caridade mas deixou a filha a ver navios!

Daria uma capa escandalosa na Veja se fosse a filha do Lula.

Mas o Lula é Pai, não é Álvaro Dias.

Responder

Raimundo Pereira: Não houve crime na Visanet « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de dezembro de 2012 às 03h28

[…] Zé de Abreu ataca colunistas […]

Responder

Fernando Morais: É hora de repetir que o povo não é bobo « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de dezembro de 2012 às 03h26

[…] Zé de Abreu ataca colunistas […]

Responder

Deixe uma resposta para Mário SF Alves

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.