VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Stédile: Esquerda sectária faz jogo da direita


24/10/2012 - 20h52

Para Stédile, esquerda sectária faz jogo da direita

19/10/2012 08:00

do Democracia Socialista, sugerido pelo Igor Felippe

O candidato do PT à Prefeitura de Fortaleza, Elmano de Freitas, participou, na manhã desta sexta-feira (19) de uma mesa de debates com os movimentos sociais da cidade. Com o tema “Análise política nacional e perspectivas para Fortaleza”, a mesa foi realizada no Centro Frei Humberto e contou com a participaçãode João Pedro Stédile, membro da Coordenação Nacional do MST.

Primeiro a falar, Stédile fez uma rápida análise conjuntural das eleições deste ano, à luz da luta de classes no país. Ele criticou de forma veemente os grupos de esquerda que se deixam levar pelo sectarismo e esquecem da importância de disputar as instituições de poder com a direita: “O sectarismo é como se fosse o pentecostalismo da esquerda: são pequenos grupos que se agarram a defesa de uma leitura doutrinária da teoria e esquecem de fazer as disputas institucionais da luta de classes. Não por coincidência são grupos formados pela pequena burguesia, que não tem problemas objetivos para resolver na luta de classes, então se dão ao luxo de ficar apenas pregando a ideologia”, afirmou.

Para o companheiro, essa falta de perspectiva de luta real pelas instituições faz com que esses grupos se acomodem ao discurso do voto nulo ou, ainda pior, passem a torcer por vitórias da direita, quando suas candidaturas não têm chance de vencer: “É uma vergonha para a esquerda alguém como o Plínio defender o voto no Serra contra o Haddad”, exemplificou.

E continuou: “Isso é tudo o que a burguesia quer. Deixar os trabalhadores lutarem por terra, trabalho, moradia enquanto ela cuida do dinheiro público, que nada mais é do que a mais-valia geral que o Estado recolhe na forma de impostos”, concluiu.

Segundo Stédile a única maneira de transformar a luta de classes em uma luta permanente e acumular forças para a classe trabalhadora é combinar a luta de massas dos movimentos sociais com a luta institucional. Para finalizar, o companheiro listou as cinco principais batalhas que a esquerda vai travar neste segundo turno, que na sua opinião são São Paulo, Contagem, Belém, Salvador e Fortaleza.

Sobre o pleito de Fortaleza, Stédile afirmou que a eleição de Elmano é fundamental para frear a aliança entre Aécio Neves e Eduardo Campos — que é a nova aposta da direita brasileira, frente ao esfacelamento dos partidos conservadores tradicionais — e para lutar contra a oligarquia dos Gomes no estado.

“Por isso, se tem uma coisa que eu gostaria de pedir para vocês é: não durmam até o dia 27. Arregacem as mangas, porque parte do futuro do país, parte do que vai acontecer em 2014, começa a ser decidido aqui”, finalizou.

Durante sua fala, Elmano mostrou muita confiança na vitória, principalmente pelo crescimento da candidatura petista entre os segmentos mais pobres da cidade. O candidato, porém, disse que espera uma disputa muito embolada até o final e fez coro com Stédile no chamado à militância para estar nas ruas até o último dia da campanha.

Para Elmano, o segundo turno tem servido para deixar bem claro que a candidatura do PT representa os interesses dos mais pobres na luta de classes local, enquanto a candidatura adversária representa os interesses da elite política e econômica local. Essa divisão ficou bem clara na última pesquisa do Datafolha. No segmento com renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos, a intenção de votos do candidato do PSB é de 67%, contra 33% do petista.

Já entre aqueles com rendimento familiar mensal de até dois salários mínimos, o petista abre 10 pontos de diferença: 55% a 45% dos votos válidos, em uma população formada majoritariamente pelas classes C e D.

Elmano falou ainda sobre a importância dos oito anos do governo do PT em Fortaleza para a melhoria de vida da população mais pobre, com a construção de moradias, a diminuição do número de áreas de risco, a melhoria da cobertura do sistema público de saúde, entre outras conquistas.

De acordo com o candidato, uma das maiores conquistas do governo do PT foi o aumento da participação da população na discussão das prioridades do município, com o Orçamento Participativo, do qual foi coordenador.

“Eu quero ser prefeito para abrir uma nova etapa na consolidação do nosso projeto político, avançando na participação popular e na relação com os movimentos sociais. Quero que essa cidade seja ainda mais uma referência de governo de esquerda e de governo comprometido com a melhoria da qualidade de vida da população mais pobre”, concluiu.

 

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



81 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Altamiro Borges: O terrorismo de Serra e o caos na saúde « Viomundo – O que você não vê na mídia

28 de outubro de 2012 às 13h35

[…] Stédile: Esquerda sectária faz jogo da direita […]

Responder

As medidas que precedem a privatização do Maracanã « Viomundo – O que você não vê na mídia

27 de outubro de 2012 às 19h24

[…] Stédile: Esquerda sectária faz jogo da direita […]

Responder

Rossi

27 de outubro de 2012 às 12h07

Inacreditável esta virada do Plínio,só vendo pra crer.

Responder

Que fazer?

27 de outubro de 2012 às 00h46

Oh, ANTI”,na luta pelo poder, ao fim e ao cabo, só existe bipolariadade partidária!Legal, o Chacal,.Agora,senhores, temos visto aqui abaixo, neste sítio, verdadeiros sambas do “crioulo doido’:misturar H.Helena, C.Alencar,Tio Plínio, e Marina, a Esverdeada, com “ideais do socialismo soviético”…Ui.

Responder

    Rodrigo Arriagada, vulgo Anti

    27 de outubro de 2012 às 15h45

    Olha cara, o poder não é uma luta! É só um verbo…
    Agora se você acha que o vale tudo pelo qual estamos passando desde as lutas políticas da República Romana (o que dizer do Império, do qual nossas leis são reflexo direto), são praxe no cotidiano humano o problema é seu. Seu e de pessoas que não conseguem enxergar um cotidiano harmonioso…

Panfleto de João Castelo diz que UNE e UBES apoiam-no; entidades desmentem e repudiam « Viomundo – O que você não vê na mídia

26 de outubro de 2012 às 23h56

[…] Stédile: Esquerda sectária faz jogo da direita […]

Responder

Stanley Burburinho: Sobre o falso site de Haddad « Viomundo – O que você não vê na mídia

26 de outubro de 2012 às 23h29

[…] Stédile: Esquerda sectária faz jogo da direita […]

Responder

Anti

26 de outubro de 2012 às 17h26

O João Pedro que me desculpe, mas querer reduzir tudo a uma suposta bipolaridade partidária é muita mesquinhez mental.

Responder

xacal

26 de outubro de 2012 às 13h25

plínio, se imagina o druida dos gauleses, o xico alencar quer ser o asterix, enquanto a marina silva, a joana d’arc da floresta os observa.

O problema que a “poção mágica” foi terceirizada, e quem prepara são os magos merlins da mídia. Dá xabú.

Eu não diria que o melhor momento do PT, nesta trajetória desde 80, foi entender a abandonar esta macartismo tupinambá, fomentado na mistura do corporativismo sindical, aí incluídos a elite dos trabalhadores (uma casta de pessoas com empregos razoáveis e com 15% de sindicalizados), e o pessoal da Igreja, e seu moralismo cristão baseado em culpa e auto-expiação.

Seria um exagero renegar que este caldo político construiu uma identidade forte ao partido, dando-lhe substância.

Creio, inclusive, sem ironias, que esta “memória política genética”, permite-nos enxergar os limites do pragmatismo, dados pela permanente busca pela justiça social com ação política proba. Isto, aliás, é pragmatismo: entender os limites de cada campo de ação.

Mas buscar uma ação política pragmática, tendo como norte as leis e regras coletivas, não significa sucumbir a um moralismo estéril, uma criminalização permanente da dinâmica social, enfim, uma judicialização da política.

Em uma metáfora ruim, eu diria que o piçol está para o PT como o rabo está para a lagartixa. O PT deixou piçol se debatendo para chamar a atenção dos “predadores”, enquanto pode sobreviver, crescer e dominar seu ecossistema político.

Já o piçol…bem, o tempo e a lata de lixo da História dirão…

Responder

mineiro

26 de outubro de 2012 às 11h00

gente essa turma do psol ja pos a corda no pescoço desde 2006 quando tentou ajudar a direita naquele golpe sujo promovido pela midia golpista. de la pra ca eles estao igual alma penada , nao tem lugar para eles. e cabe a esse sugeito que eu sempre achei um imbecil , idiota. o plinio jogar a ultima pa de terra em cima do caixao dessa esquerda excrizofrenica , atrasada , burra, ultrapassada. ja decretou o fim e junto com eles a lacraia falante da marina silva. eles tem odio nao é do pt nao. é do desenvolvimento que o pt promoveu no brasil e eles nao admitem nunca isso. entao vai morrer abraçado com a direita , que sempre ao meu ver foi sempre farinha do mesmo saco. ja vai tarde cambaba do comunisno sovietivo opressor.

Responder

anac

26 de outubro de 2012 às 09h25

Marina, Plinio e Heloisa Helena vivem de rancores, inveja e odio.
Inveja por não terem sido eles os santos, os puros, enfim os escolhidos pelo povo para redimi-lo da senzala. São hoje no minimo inocentes uteis da direita. Pobres coitados. Sectarios, apegados aos ideais comunistas da antiga URSS fazem o jogo da direita. Existem para serem derrotados. Pois a direita sempre soube que jamais mantendo esses ideais sectarios a esquerda chegaria ao poder. E se chegassem ao poder, como Delfim Neto previa, não passariam do primeiro mandato se antes não fossem defenestrados do poder por total incompetência de lidar com o mundo real. Infelizmente, o mundo ideal de Marina, Plinio e Heloisa Helena não existe. É belo, mas não é factivel, porque o homem não é santo, é imperfeito. O capitalismo é a mais fiel tradução do bicho homem. É a sua essencia. Não adianta brigar contra a realidade. Quem se atrever a enfrentar os instintos baixos do bicho homem está fadado ao fracasso e será sacrificado. Com pragmatismo, o PT conseguiu retirar milhões da miseria. Soube vencer a direita no ringue e com as regras impostas por ela. Soube lidar com o capitalismo mantido a ferro e fogo em sua barbarie pelo imperio da vez, USA. Mantido a ferro e fogo mesmo em países em que o povo como o do oriente médio não é facilmente cooptavel pelo canto da sereia do capitalismo.

Responder

    Ildefonso Murillo Seul

    26 de outubro de 2012 às 11h43

    Falou tudo. So faltou dar o crédito à expressão que é parecida com o eufemismo do John Gray, “o ser humano é imperfeito”. A expressão usada no seu texto é muito mais realista:

    é o “bicho homem” tão ou mais selvagem quanto os demais e mais perigoso por ser inteligente e muito mais dissimulado.

    Abraços.

anac

26 de outubro de 2012 às 08h50

Por mais que não se concorde com os rumos que o PT tomou, aliar-se ao pior que existe da direita é no mínimo falta de carater.
Luis Carlos Prestes, que teve a mulher gravida enviada para a morte nos campos de concentração de Hitler pelo STF e Getulio, teve a grandeza e a hombridade de deixar os rancores pessoasi para se aliar a Getulio na campanha sordida da direita que não admitia um país independente e desenvolido. O odio da direita a Getulio era pelo bem que ele fazia ao Brasil: Petrobrás, CLT, Siderurgica. Assim como o odio a Juscelino foi pelo seu amor ao Brasil fazendo-o crescer em 5 anos o que levaria em 50 anos.
Luis Carlos Prestes é exemplo.
Plinio so rancores e inveja.

Responder

Que fazer?

26 de outubro de 2012 às 01h40

Alguém estranharia se soubesse que o Plínio foi convidado pelo adversário(“vade retro”!)de Haddad para ocupar uma secretaria de governo?E que tenha aceitado?Ora, perde o respeito quem faz discurso esquerdista já tendo participado de parlamento burguês ,de ter sido candidato a presidente da república e agora apoia o candidato da direita.Deplorável a essa altura essa posição contraditória de tentar apresentar um falso “purismo ideológico” e ao mesmo tempo aliar-se a um contrário político à direita.Os resultados alcançados nos governos de Lula e Dilma provam quão úteis e necessárias as eventuais alianças partidárias numa perpesctiva de conquista e manutenção de poder, apesar do risco político que se corre de exploração negativa pelo aparato ideológico da direita ao qual, nas eleições de São Paulo, o velho Plínio se engaja.

Responder

karen

25 de outubro de 2012 às 22h26

Muito boa a fala do Stédile. É triste o engano das posições do psol. Sempre gostei do partido, de seus candidatos, votei no Valente. acho que a democracia depois dos danos irreparáveis produzidos pela ditaduta tá andando com o PT, Apesar de vozes como os do Serra, do Malafaia, Demóstenes Torres (Veja). Também acho que apesar da Dilma ter vencido o cargo máximo do executivo, o Brasil também está representado nos outros poderes e quanto à vontade do povo brasileiro há que se persuadir, convencer, transformar e aceitar a vontade da maioria, mas nunca fazer o jogo dos inimigos da democracia.

Responder

Bene

25 de outubro de 2012 às 21h07

O problema do Plinio , deve ser psicologico, magoa talvez. Confusão de personalidade a essa altura da vida ? …Ta favorecendo a elite burra. Que Pena…Que Deus o ilumine.

Responder

JORGE CORREA

25 de outubro de 2012 às 20h32

Azenha.

O meu comentário é um reconhecimento da privilegiada visão de mundo do Stédile.

O homem não vive só, vive na favela, no bairro, na cidade, no estado, no país e no mundo.

Isso parece uma coisa tão óbvia e que até os idiotas sabem. Porém, não é bem assim. As pessoas sofrem influências variadas, de valores éticos a religiosos e, também, infelizmente, são ingênuas e acreditam que o que vêem e lêem na Veja e na Globo DEVE SER COISA SÉRIA E IMPORTANTE.

Ou seja, o Stédile é um cidadão com visão ampla, do campo e, da favela ao mundo.

Portanto, minha irrestrita concordância com as críticas que fez ao PSOL pequeno burguês. Ora, o mundo se resume em Fortaleza ou Belém?

Para brincar com o debate, lembro-me de um amigo reclamar de reuniões com os pequenos burgueses: “…estou cheio. No final da reunião, todos voltam de carro e eu ainda quase perco o último ônibus”.

Um abraço.

Responder

Urbano

25 de outubro de 2012 às 19h07

O governador eduardo moita,o multicara, abaixou de vez a máscara e está se aliando com o que há de mais retrógrado em termos de política, como o jarbarrabás vãsconselhos,o mitômano II, e com o aéreo never, o marinheiro do Rio.

Responder

francisco.latorre

25 de outubro de 2012 às 19h00

vou de lênin.

‘impaciência revolucionária.

típico fenômeno burguês.’

..

Responder

flavio botelho junior

25 de outubro de 2012 às 18h39

Filho e neto de comunistas com muito orgulho, e aos 63 anos lembro do meu pai, homem de confiança do cavaleiro da esperança falando para eu ainda garoto ler mais LENIN, que ensinava ¨na imposibilidade de assumir o poder, partecipe dele e mude ele por dentro¨. vai ver que o sr plinio tambem se rendeu a carta de vinho do fasano junto com FHC.

Responder

Roberval

25 de outubro de 2012 às 18h37

Muito boa análise, Stédile!

O que será que aconteceu com o companheiro Plínio? Ele também sucumbiu ao sectarismo? Triste fim!!!

Infelizmente, apesar da torcida, o PSOL não tem sol para brilhar!

Responder

FrancoAtirador

25 de outubro de 2012 às 18h23

.
.
“Serra, o teu desrespeito
chega às raias da insanidade!”

(HADDAD-13, no debate do SBT)
.
.

Responder

Jayme Vasconcellos Soares

25 de outubro de 2012 às 18h03

Nenhum comentário é feito a respeito do tratamento que Dilma está dando aos aposentados, colocando-os abaixo da linha de pobreza, com correções salariais inferiores àquela dada ao salário mínimo Este é um ponto negativo para o PT nestas eleições, pois os aposentados, como represália, mesmo sendo politizados, com uma ideologia de esquerda, tendem a votar com a oposição ou em sua maioria optar por voto nulo; agrava-se ainda que os aposentados aconselham aos seus dependentes seguirem o mesmo caminho nestas eleições. Será que a Dilma é tão insensível ao ponto de não saber que os aposentados têm as mesmas necessidades que tem qualquer cidadão.

Responder

Diniz

25 de outubro de 2012 às 17h11

Pergunte aos 30 milhões de brasileiros que saíram da miséria absoluta em apenas 8 anos de governo do PT (Lula), se valeu a pena a “real politik” ?. O que teria acontecido com eles se, em nome do purismo ético, Lula não tivesse feitos alianças a direita, não tivesse feito nenhuma concessão a ética, e por conseguinte não tivesse chegado ao poder para tentar transformar a realidade social ? Ou você acha que se consegue chegar ao poder somente com purismo ético ? Aonde está a paladina da ética Heloisa Helena ? Aonde está Marina Silva ? Mulheres admiráveis, mas que só serviram a mídia enquanto opositoras do “aético” Lula e do PT. Erundina, outra admirável, teve sua última chance de sair ela também do ostracismo e com poder de realmente transformar a vida de milhões de paulistanos pauperizados. E o que fez ela ? Como bem disse Nassif, ela foi, em nome da “ética”, de um egoismo incomensurável. É muito fácil bradar a ética como valor supremo quando a barriga está cheia e a vida assegurada, como parece ser o caso de muitos ingênuos burgueses de esquerda. Claro que o idealismo, e mesmo a utopia, são muito importantes, e a ética um valor universal a servir de norte. Mas muitos usam o idealismo como desculpa para não se engajar no mundo real, para não por a mão na massa, para não precisarem exercitar a sua necessidade real de tolerância, para esconderem a sua covardia. Querem viver em uma bolha e serem canonizados como santos, mesmo que para isto muitas pobres almas pereçam no caminho ..

Responder

Amira

25 de outubro de 2012 às 13h59

Como diz meu desconfiado avô mineiro – dentro das esquerdas tem muito infiltrado de direita, cujos objetivos vão além de obter informações privilegiadas: dividir os irmãos. Gente que não entende de política mas quer parecer descolado e indignado com a sujeira cai no contos dos plínios, sonsinhas e afins…

Responder

    razumikhin

    25 de outubro de 2012 às 17h30

    Mas, o guru Lênin disse, faz tempo: “Acuse-os do que você faz; xingue-os do que você é!”
    E agora?

    AMIRA

    26 de outubro de 2012 às 00h59

    Agora? Faz é tempo que a direita decorou de trás para frente isso aí, que eu não li e não sei quem primeiro escreveu. Fato é que é largamente utilizado, basta ver os frutos que cada tipo de governo tem oferecido aos cidadãos…

Stédile: Esquerda sectária faz jogo da direita | Estrela de Couro

25 de outubro de 2012 às 11h49

[…] Vi o Mundo Gostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar disso. Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente. ← Procurador Geral, esse símbolo da Retidão Moral da nossa Magistratura, o implacável investigador do Demóstenes e do Cachoeira […]

Responder

José Livramento

25 de outubro de 2012 às 11h46

Muito bom Stédile, só vale lembrar que fincar no esquema institucional ultra-pragmático também é o jogo da direita.

Responder

    Roberto Locatelli

    25 de outubro de 2012 às 14h18

    Portanto, a solução é apoiarmos Haddad mas, ao mesmo tempo, organizarmos o movimento popular para cobrar dele e do PT a solução dos graves problemas de São Paulo.
    O que vamos cobrar de Haddad:
    – investigação sobre os incêndios em favelas paulistas;
    – investigação sobre o esquema Aref na Secretaria de habitação;
    – reestruturação total da Guarda Civil Metropolitana, com provável demissão de elementos corruptos;
    – recuperação do transporte público, sucateado nas gestões Serra / Kassab;
    – recuperação da saúde pública,

    e vários outros itens fundamentais.

    Ricardo Ferreira

    25 de outubro de 2012 às 19h18

    Concordo totalmente. Necessário ir a fundo e nao deixar o passado para trás.

CNunes

25 de outubro de 2012 às 10h00

pois é, em Florianópolis tivemos:
31% PSD/PP
27% PMDB
25% PCdoB/PT
14% PSOL/PCB

e desde de redemocratização a esquerda só conquistou uma vez a prefeitura na capital e vai continuar mais 4 anos fora.

Responder

    Fábio

    25 de outubro de 2012 às 12h12

    Então… se em Florianópolis o PCdoB/PT (25%) e o PSOl/PCB (14%) estivessem juntos, a esquerda ganharia com 39%. Simples e confirma o que disse o Stédile.

    assalariado.

    25 de outubro de 2012 às 13h18

    Fábio a questão da luta pelo poder, não pode ser reduzida a uma simples conta de porcentagem eleitoreira. A questão de fundo é: Qual é o projeto de poder? É simplesmente desenvolver o capitalismo para o capital, ou é (TAMBÉM) organizar as massas politicamente (MESMO) dentro do campo permitido pelas elites. Mas a questão de fundo é: Para quem se diz esquerda, precisamos (para ontem), construir a hegemonia necessária para domar a burguesia capitalista, nessa sociedade divida em classes sociais onde os donos do capital são minoria porém, lá no Estado (nos três niveis municipal, estadual e federal) eles são maioria. Por que?

    Saudações Verdadeiramente Democraticas.

Ronaldo Curitiba

25 de outubro de 2012 às 09h56

Apesar de não ser da pauta, mas aproveitando que o Stédile também tem essa bandeira de luta, envio o seguinte texto:

“MPF defende abertura de dados sobre transgênicos

Nossa Constituição Federal assegura que “Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular ou de interesse coletivo ou geral que serão prestadas no prazo da lei sob pena de responsabilidade ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança na sociedade e do Estado”.

Foi resgatando esse preceito constituicional que o Subprocurador Geral da República Dr. Mário José Ghisi abriu sua fala na reunião plenária da CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) realizada em meados de setembro passado. Sua presença foi motivada pela discussão sobre extensão de sigilo e sobre acesso dos próprios integrantes da Comissão aos processos na íntegra, que ali se arrasta há algum tempo.

À luz da legislação nacional, Ghisi esclareceu que no caso dos organismos transgênicos só cabe sigilo sobre aquelas informações patenteáveis. “Só a fórmula do produto seria sigilosa pelo direito de propriedade intelectual”, afirmou.

Para além da base legal, sua defesa da publicidade como regra na administração pública leva em conta o forte interesse público nas informações oriundas da utilização comercial desses produtos, seja pela incerteza, seja pelos riscos decorrentes de sua utilização, ainda que indireta, como no consumo de frangos alimentados com milho transgênico, por exemplo. “Mesmo [estando esses produtos] liberados persistem ainda muitas dúvidas que vão sendo aclarados no decurso de longos lapsos temporais”, completou.

Questionado sobre a possibilidade de a própria plenária da comissão definir a abragência do sigilio sobre informações apresentadas pelas empresas, o subprocurador geral foi categórico ao afirmar que o ato que visa proteger interesse comercial concorrencial é inválido considerando que a publicidade é regra e o sigilo exceção. “A deliberação fora das balizas acima expostas não tem validade nenhuma, aliás, pode sujeitar os responsáveis tanto às consequências previstas nas leis já citadas como também caracterizar improbidade administrativa, seja pela violação do sigilo do que de fato é sigiloso, seja pela não divulgação do que é de interesse público”.

O presidente da CTNBio Flavio Finardi informou que somente a partir de parecer favorável do Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS é que a empresa tem condições de fazer o registro da cultivar no Ministério da Agricultura, mas foi logo lembrado que nos últimos anos mais de 30 produtos modificados foram liberados sem que os ministros do conselho tenham se reunido uma vez sequer.

Ainda em defesa da transparência, Ghisi alertou que “é na sombra que as coisas acontecem, não é na clareza, por isso que eu digo, Presidente, não tem porque a CTNBio assumir esse fardo de sigilo dessas questões, a empresa que mude a maneira de tratar se ela entender que aquela informação é sigilosa. Ela que espere para ter, vamos dizer, mais testes de campo, para depois pedir a solicitação. Não assumam mais essa responsabilidade, essa é a minha sugestão: deixem as empresas se virarem”.

A não ser que o interesse seja apenas quando se trata de estudos desfavoráveis à indústria, o presidente da CTNBio pareceu estar de acordo com a ideia da publicidade. Tanto é que assinou petição pedindo divulgação dos dados brutos gerados pelo grupo da universidade francesa de Caen relativos ao milho roundup ready NK 603 da Monsanto. Fará o mesmo por aqui? Em 2008, Finardi, entre outros, emitiu parecer favorável à liberação do NK 603 no Brasil.”

Enquanto temos foco na luta política esquecemos da saúde do povo brasileiro.

Obrigado pela leitura, repassem se acham que o tema é conveniente.

Responder

    Mário SF Alves

    25 de outubro de 2012 às 23h22

    Vale ressaltar:

    “…é na sombra que as coisas acontecem, não é na clareza, por isso que eu digo, Presidente, não tem porque a CTNBio assumir esse fardo de sigilo dessas questões, a empresa que mude a maneira de tratar se ela entender que aquela informação é sigilosa. Ela que espere para ter, vamos dizer, mais testes de campo, para depois pedir a solicitação. Não assumam mais essa responsabilidade, essa é a minha sugestão: deixem as empresas se virarem”.
    .
    É isso. Tem de fazer valer o pincípio da precaução. Inclusive, naquele “deixem as empresas se virar”.

Marcos

25 de outubro de 2012 às 09h00

É inesquecível a cena da senadora Heloísa Helena (do PSOL na época) comemorando junto com o DEM e PSDB a derrota do governo eliminando a CPMF e retirando 40 bilhões do SUS de uma única vez.

Responder

    Willian

    25 de outubro de 2012 às 10h58

    Inesquecível, mesmo, é o abraço de Lula e Maluf nos jardins da casa deste último. Bonito quando dois inimigos fazem as pazes. Vendo a Nina e a Carminha se reconciliando com um abraço no último capítulo da novela fui às lagrimas lembrando da cena destes antigos desafetos.

    Não sei vocês, mas sou sensível para cenas como estas.

    Fábio

    25 de outubro de 2012 às 12h21

    Também fiquei com essa imagem entalada em minha córnea. Incômoda. Muito incômoda. Mas é provável que essa aliança elitoral tenha feito a diferença em tempo de TV para que Haddad se colocasse mais do que o Russomano e viesse ao segundo turno para ganhar. É provável que ele, o Maluf, tenha contrapartidas, mas espero que não venha a ter ingerência sobre projetos de governo e gestão.

    Jair de Souza

    25 de outubro de 2012 às 19h21

    Essa é a genialidade de Lula que a burguesada e seus lambe-botas odeiam. Lula fez aliança com Maluf, sim, e eu estou muito feliz por ele ter agido assim. Maluf hoje é insignificante (e a burguesada e seus lambe-botas sabem muito bem disso, senão estariam apoiando sua candidatura), mas seus minutos na TV foram de suma importância. Lula demonstrou a toda a extrema esquerda (para a canalha burguesa não era preciso demonstrar nada) como se pode fazer alianças com setores de direita e alcançar enormes ganhos para o povo. É diferente do que faz Plínio e HH, por exemplo: aliar-se com setores antipovo para derrotar o campo progressista. Estou muito contente por essa lição de Lula. E quando vemos os defensores da canalha burguesa furiosos, mais um motivo para comprovar o acerto de Lula.

    Marta

    25 de outubro de 2012 às 19h23

    Uma coisa é você fazer uma aliança política pra ganhar eleição com um partido que não vai feder nem cheirar, pois não é hegemônico na aliança. No máximo vai ganhar uma secretaria qualquer e fazer o que o prefeito ordenar.
    Outra coisa é você fazer o jogo sujo da direita nas votações do congresso nacional em matérias de interesse quase que exclusivo da classe menos favorecida. E ainda, se dizer de esquerda. À esquerda de quem, companheiro?
    Nem o PSOL aguenta mais a HH. Ela vai se juntar com a amiga Marina e fundar um partido, do que mesmo? Direita ou esquerda? Ou muito pelo contrário?

    trombeta

    25 de outubro de 2012 às 14h07

    Caro amigo, você esqueceu do episódio lamentável em que o PSOL mais uma vez unido à direita entrou na justiça contra o PROUNI que bota o filho do porteiro na faculdade de medicina.

    Quanto ao texto, parabéns ao Stédile pela maturidade política conquistada com o tempo, belo artigo.

RICARDO GODINHO

25 de outubro de 2012 às 08h56

Essa esquerda a que o Stédile se refere é a mesma que menciono, vez por outra. São aquelas turmas que se reuniam nos bares da Cinelandia, aqui no Rio, na decada de 80 e começo da de 90, bebendo e fazendo a revolução na mesa do boteco. Discutiam se havia condições objetivas para a revolução e sobre se o proletariado estava maduro para isso, e outras questões fundamentais. A coisa mais prática que faziam era chamar o garçom de companheiro. Pequeno-burgueses, não raro com fortes sentimentos religiosos aprendidos na infância, cheios de uma piedade pegajosa para com a “classe trabalhadora”, aquela gente ideal, composta de miseráveis e explorados de livros de Victor Hugo, ignorante e chucra, que necessitavam de sua liderança sábia para tomar consciência e lutar.
Tantos desses “esquerdistas” viraram o disco! Vai chegando a maturidade, e ao invés de ver quanto eram preconceituosos e errados, ou se transformam em ferrenhos anticomunistas – como a estrela ex-Libelu da Globo – ou puristas fanáticos, que preferem mandar ao matadouro aquela classe trabalhadora a ceder um milímetro em suas posições sectárias. E assim é que acabam achando que derrotar Lula e Haddad é tafera mais revolucionária do que derrotar Serra, talvez porque achem que este vai acirrar as contradições do sistema e proporcionar campo para a revolução, não importa quantos filhos de trabalhadores precisem morrer nas filas de pronto-socorros.

Responder

    Elvys

    25 de outubro de 2012 às 09h37

    Prezado, aqui em São Paulo conheci algumas figuras dessas na USP na década de 1990. Querem fazer a “Revolução sem o povo”.

    ana

    25 de outubro de 2012 às 13h30

    muito bom seu comentário!

    Mário SF Alves

    25 de outubro de 2012 às 23h32

    Concordo. Será que sou cristão?

Jorge

25 de outubro de 2012 às 08h35

excelente fala.
quem está na luta sabe decidir melhor.

Responder

Willian

25 de outubro de 2012 às 08h31

A direita não presta, o centro não presta, a esquerda sectária não presta. Só prestam aqueles que servem ao partido, sejam de esquerda ou de direita. Paulo Maluf, neste sentido, para os petistas, é melhor que a esquerda sectária.

Não haver vida política fora do partido, este é o sonho do PT. Muitos dizem que não há oposição em Cuba. É uma mentira. Há oposição, mas ela se dá no interior do partido único, pois lá (e este também é o sonho de qualquer partido de esquerda) Estado, governo e partido se confundem, são uma coisa só. Aqui o PT anseia por isto. Os entraves são a justiça e a imprensa. Isto explica porque são tão atacados.

Responder

    euclides

    25 de outubro de 2012 às 09h53

    Caro, não sei se voce tem conhecimento da realidade cubana, seja política, social ou econõmica. Desde já lhe informo que na vida política cubana a participação é popular é além do voto. A forma das eleições cubana, desde a base, que são as camâras municipais até o congresso nacional, se fundamenta na indicação livre de pessoas, moradoras de bairros, vilas, cidades e províncias, sem a intermediação de um partido, indica-se os candidatos em assembléias populares e filiados do PCB(Partido Comunista Cubano)são proibidos de participarem.Lá, deiferentemente de qualquer “democracia ocidental”, o candidato não precisa ser filiado a qualquer partido, por isso que em Cuba existe um único partido, porém, a participação popular vai além do voto. E assim, como foi uma assembléia popular que indicou a pessoa, caso ela seja eleita e não cumpra com compromissos asumidos perante à assembleia, esta pode, a qulaquer momento, cassar o mandato. Enfim, o mandato político é do povo e somente ele pode tirar.

    Willian

    25 de outubro de 2012 às 09h59

    Quantos partidos?

neopartisan

25 de outubro de 2012 às 07h28

Em outras palavras, Stédile disse: diante da fera do lado institucional da luta de classes foge-se ou enfrenta-se.

Responder

Rodrigo Leme

25 de outubro de 2012 às 07h25

Falou a esquerda parasitária, cooptada.

Responder

    Vinicius Garcia

    25 de outubro de 2012 às 17h54

    Cuidado! Cuidado! Quem muito vai a direita, quando se dá por sí, está na esquerda, só que na contramão…

Hiro

25 de outubro de 2012 às 05h40

A recomendação de certos representantes ditos de “esquerda”, para votar em representantes de direita e extrema-direita representa contradição máxima e o cinismo de elites. E o discurso do “voto nulo” esconde o não comprometimento real com a realidade e destino de trabalhadores. Correias de transmissão da política (ultraconservadora) de elites.

Responder

Sérgio

25 de outubro de 2012 às 02h52

Quem diria, a que ponto chegamos: Plínio (PSOL) apoiando José Serra.
Ainda bem que nunca confiei neste elemento.

Responder

Neiva

25 de outubro de 2012 às 00h40

Vi uma vez o Plínio discursando em florianópolis aínda na época que ele era do PT.
Uma decepção.
Apenas chavões ideológicos e nenhuma reflexão própria interessante.

É o tipo de pessoa que não fez falta na “luta institucional”. Foi melhor para o PT ele ter saído.

Responder

    Mário SF Alves

    25 de outubro de 2012 às 08h43

    Neiva,
    Tem algo de bom, sim. No entusiasmo da primeira eleição do Lula, ele, Plínio, ainda no PT, disse o seguinte: “uma coisa é conquistar o governo, outra coisa, muito diferente, é conquistar o poder!”. Jamais esqueci disso. A prova deve estar nos arquivos do PiG-local-platinado.

    Paulo

    25 de outubro de 2012 às 12h52

    O Plínio voltou às origens. Era menino prodígio da oligarquia quatrocentona paulista, queridinho do latifundiário Carvalho Pinto. Faz discurso de extrema esquerda, verte sua energia para a direita e descansa em paz em sua fazenda de recreação. Tornou-se um fanfarrão ridículo!

ricardo silveira

25 de outubro de 2012 às 00h15

Stédile acertou na mosca: “O sectarismo é como se fosse o pentecostalismo da esquerda: são pequenos grupos que se agarram a defesa de uma leitura doutrinária da teoria e esquecem de fazer as disputas institucionais da luta de classes. Não por coincidência são grupos formados pela pequena burguesia, que não tem problemas objetivos para resolver na luta de classes, então se dão ao luxo de ficar apenas pregando a ideologia” É lamentável o oportunismo político, próprio da mediocridade política do PSOL.

Responder

Bertold

25 de outubro de 2012 às 00h13

Quem te viu, quem te vê heim, Stédile? Nunca é tarde para amadurecer intelectualmente e deixar de ser sectário.

Responder

    Valmont

    25 de outubro de 2012 às 19h24

    Você deve estar se referindo ao “stédile” criado pela Veja-Globo-Bandeirantes. Se você conhecesse o verdadeiro João Pedro Stédile, não estaria dizendo isto.

    Dá uma pesquisada na Internet e outras fontes minimamente confiáveis e verás que ele é, sem exagero, um dos mais brilhantes intelectuais da verdadeira esquerda brasileira.

    Bertold

    25 de outubro de 2012 às 20h05

    Oh, meu amigo, para seu governo conheço o Stédile da época da Anampos, Instituto cajamar, MST, CUT, CMP e etc. e tal (sabe o que é isso), pois estivemos juntos durante muito tempo na luta para construir o PT e a CUT. Esquerdismo e sectarismo sempre foi marca do João. Acho bom que ele tenha avançado. Mas, vai por mim, sei do que estou falando.

mello

24 de outubro de 2012 às 23h41

Dizer que o psol é o pentecostalismo da esquerda é de uma precisão milimétrica !

Responder

Paulo Chacon

24 de outubro de 2012 às 23h12

Gente! Helio Bicudo e Plinio de Arruda? Dá pra considerar o que eles falam? Não dá! Eles estão com alzheimer.

Responder

Enio Luiz Vedovello

24 de outubro de 2012 às 22h10

Eu acho absurdo a esquerda “se esquecer” do maior adversário, para ficar com picuinhas internas. O Stédile, realmente, disse tudo, e disse bem.
E é bom lembrarmos que nada disto é novidade: Há dois mil anos, Júlio César já falava em “Dividir para conquistar”. Ou seja, estamos dando a nós mesmos de bandeja para a direita.

Responder

João Pedro Stédile (MST): esquerda sectária faz o jogo da direita « Marcos Aurélio

24 de outubro de 2012 às 21h53

[…] Reproduzido do blog do Azenha (aqui) […]

Responder

Julio Silveira

24 de outubro de 2012 às 21h43

A merda é quando a esquerda usa a natural simpatia das massas para sustentar e ajudar projetos pessoais de seus lideres ou associados a alcançar o poder. Depois de alcançado o intento ainda ficam fazendo proselitismo mas parando de cumprir com seus compromissos originais assumidos, tornando-os adormecidos para serem acordados quando a conveniência se fizer necessária. Enquanto isso seus seguidores ficam em modo de espera pelos compromissos com a camaradagem aos aliados, copiando a formula da direita.
E assim, como num marchar de soldados, onde a ordem e mudar o passo ora a esquerda ora a direita volver, de um mesmo individuo, vão se passando anos e o Brasil vai enriquecendo poucos e mantendo indices que envegonham qualquer cidadão um pouco mais antenado.

Responder

    Reinaldo

    25 de outubro de 2012 às 08h00

    De qual pais vc fala? Do Brasil não é. Dê uma olhada nos indicadores sociais do IPEA, IBGE.
    O lula sabe muito bem escolher os que têm compromisso com o social, e este é um dos motivos para o PT estar se renovando. Os Plinios, bicudos e cristovãos, é muito blá, blá, blá e poucas ações concretas em favor dos mais pobres.

    Julio Silveira

    25 de outubro de 2012 às 13h35

    É meu caro, parece que realmente não vivemos no mesmo Brasil.

Fabio Passos

24 de outubro de 2012 às 21h37

É dever da esquerda lutar para derrotar a pior “elite” do mundo e o PiG nas eleições de São Paulo.

Responder

francisco niterói

24 de outubro de 2012 às 21h12

Será que a Erundina esta incomodada, por exemplo, com a estratificacao do voto em Fortaleza? Acima de 10 sm, voto macico no partido dela. Os demos todos virando “socialistas”. E o candidato de Campinas é o “socialista” que apresentou projeto de trabalho infantil.

Acredito que ela deva estar de malas prontas pra sair do partido, pois se o apoio do PP do Maluf a constrangeu tanto, imagina entao essas coisas no partido dela…..

Mas voltando ao teor do post, discordo, em relacao ao Plinio, em focar só nele a questao. Com raras excecoes, o PSOL todo é assim. O plinio é só o bobo da corte a verbalizar aquilo que o partido quase todo pensa.

Aqui no rj, como força ascendente, “dá gosto” ver o PSOL em campanha. O CARLOS LACERDA deve se rerirar no tumulo com inveja desse povo.

Alias, o PT deu apoio ao Edmilson em belem e o partido entrou em crise. Sao tao puros, né?

Responder

FrancoAtirador

24 de outubro de 2012 às 21h08

.
.
Disse tudo:

“É uma vergonha para a esquerda alguém como o Plínio defender o voto no Serra contra o Haddad.
Isso é tudo o que a burguesia quer.
Deixar os trabalhadores lutarem por terra, trabalho, moradia enquanto ela cuida do dinheiro público, que nada mais é do que a mais-valia geral que o Estado recolhe na forma de impostos.”

(João Pedro Stédile)
.
.

Responder

    geraldo

    24 de outubro de 2012 às 21h59

    O ex petista Helio Bicudo ficou tanto tempo infiltrado dentro
    do Partido dos Trabalhadores chegou a aparecer no programa dos
    tucanos recomendando foto no cerra.

VIÇOSO

24 de outubro de 2012 às 21h06

Para o Plinio o meu ‘Resquiescat in Pace”. Vai em paz!!! Vai tarde!!! Duas vezes teve meu voto para deputado federal. Decepção!!!

Responder

Porco Rosso

24 de outubro de 2012 às 21h06

Estranho. No twitter do Plínio ele não faz outra coisa além de dizer que não defendeu voto no Serra, e sim nulo. https://twitter.com/pliniodearruda

Alguém sabe dizer de onde saiu essa informação?

Responder

    Zé Capiau

    25 de outubro de 2012 às 03h15

    Ele disse que o importante era derrotar o Haddad e o Lula. Isso não é apoiar o Çerra?!

    17 out Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda
    O importante agora é derrotar o Haddad porque ele é incompetente e porque sua vitoria fortalece, o Lula e a turma do Mensalão.
    Fechar Responder Retweetar Favorito

    Narr

    25 de outubro de 2012 às 11h13

    Mas se derrotar o Haddad e o Lula não é votar no Serra no 2o turno, então é votar em quem?

    FrancoAtirador

    25 de outubro de 2012 às 18h49

    .
    .
    Com a decisão da Executiva Nacional do PSoL

    de recomendar o voto nulo ou em Haddad-13,

    o Plínio teve de se desdizer, np Twitter,

    e implorar aos seguidores que divulgassem

    que ele não vai votar no Coiso Ruim:

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 17 out
    Pe;co: vão ao Facebook esclarecimento problema da declaração sobre Serra. Não votarei nele. Vou anular o vot, como determina o PSOL.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 17 out
    @aarles Respeito sua opinião, mas mantenho a minha. Por favor, divulgue que não votarei nele. Vou seguir determinação do PSOL e votar nulo.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 17 out
    @conradoo @marcioraz OK. Por favor divulgue que não votarei no Serra. Vou acompanhar determinação PSOL e votar nulo.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 17 out
    @inaciocarvalho @pliniodearruda Pe;co-lhe divulgar entre seus seguidores que não votarei em Serra. Anularei meu voto, por determinação PSOL.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 17 out
    @aparitonia @inaciocarvalho @pliniodearruda . Respeito sua opinião. mantenho a minha. favor divulgar seus seguidores que anularei meu voto.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 17 out
    @garridofabiano @joaoalfredopsol OK. Por favof divulgue que não votarei nele [Serra].”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 18 out
    Pedido aos seguidores: divulguem: não vou votar no Serra nem pedi que votassem nele. Vou anular meu voto.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 18 out
    @conradoo Peço=lhe o favor de divulgar: não apoio e não vou votar no Serra. Vou anular meu voto. Obrigado.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 18 out
    Pedido aos seguidores: Divulguem: não vou votar no Serra nem pedi que votassem nele. Vou anular meu voto.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 18 out
    Companheira Maira, Me ajude a divulgar: não vou votar no Serra nem recomendei voto nele. Vou anular meu voto.”

    “Plínio de Arruda 50 ‏@pliniodearruda 18 out
    @cynaramenezes Prezada Cynara: já declarei: sou amigo do Serra há muitos anos. Mas não votarei. Vou anular meu voto.”

    https://twitter.com/pliniodearruda

sandro

24 de outubro de 2012 às 21h02

Só há algo mais canhestro , perigoso e sem caráter que um ex-comunista
de agenda : Um ex-petista- festivo.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.