VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rogério Correia a médicos do Einstein, MP e Sérgio Moro: Até quando o Queiroz vai sambar nas suas caras? 
Política

Rogério Correia a médicos do Einstein, MP e Sérgio Moro: Até quando o Queiroz vai sambar nas suas caras? 


13/01/2019 - 08h22

Da Redação

Nesse sábado, 12/01, o vídeo em que Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), aparece dançando no  Hospital Albert Einstein, em São Paulo, foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais.

Rogério Correia, deputado federal eleito pelo PT/MG, já avisou pelo twitter.

Tão logo tome posse, em 1 de fevereiro, deve encaminhar requerimentos ao Hospital Albert Einstein, perguntando sobre a internação e cirurgia de Jair Bolsonaro bem como sobre a do amigo da família, Fabrício Queiros:

— Quanto Bolsonaro pagou e como acertou?

— Com verba própria ou da Câmara?

— Quanto e quem pagou pela estadia de Queiroz?

— Por que hospital tem medo do ator Zé Abreu?

[O Einstein informou que processará o ator que disse no twitter que  a  facada em Bolsonaro foi fake e  em conluio com o hospital].

— Será que é o caso de uma CPI do Albert Einstein?

Rogério justifica: Bozo e Queiroz parecem ter regalias, o hospital nada responde e processa quem pergunta…Com CPI não adianta eles virem para o ataque. Terão que esclarecer ao povo brasileiro.

Rogério fez fez outros questionamentos aos médicos do Einstein, ao Ministério Público e ao ministro e político Sérgio Moro:

— Quais médicos cuidaram de  Bolsonaro e quais do Queiroz?

— Por que Queiroz pode sambar no hospital com a família e ninguém pode depor no MP?

—  Por que o MP alivia para os Queiroz e não quebra sigilo bancário para ver se origem do dinheiro foi de propina?

— Até quando Queiroz vai sambar nas suas caras?

Leia também:

Beto Mafra: Pindorama em estado terminal

Joly Júnior, o bolsonarista que ameaçou Juca Kfouri

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Otto

15 de janeiro de 2019 às 15h20

Ah se fossem o Lula e a Dilma dançando na UTI quando tratavam seus cânceres… Tudo bem, era só para expressar um pouco alegria. Pimenta nos olhos do outro…

Responder

Carlos Pereira

14 de janeiro de 2019 às 14h23

Esse Toffoli, qual é a tua ex-camarada? 1) Toffoli libera entrega da Petrobras a preço de banana; 2) Toffoli se curva a Bolsonaro e dá sinal verde para decreto da posse de armas. É mesmo mais um vendido para o governo do Bozo, pouco se importa pois o salário e penduricalhos do Judiciário, MP e juízes está aumentando a toda hora a custo dos menos necessitados, enquanto o chefe-mor ‘BOLSONARO TIRA R$ 8 DO MÍNIMO, MAS PERDOA DÍVIDA DE R$ 17 BI DE RURALISTAS’. Eleger candidato das elites dá nisso.

Responder

Carlos Pereira

14 de janeiro de 2019 às 14h22

Esse Toffoli, Deus que me livre, é mesmo um vendido para o governo do Bozo. Tudo que é desinvestimento e perdas salarias e direitos trabalhistas que for do interesse e gosto do Bozo (e não da população pois não apresentou nem debateu com a sociedade nenhum desses projetos que tanto fazem mal à população mais pobre) ele vai estar dentro. Podem contar.

Responder

Carlos Pereira

14 de janeiro de 2019 às 14h21

Quem manda mesmo hoje no Brasil é: 1 A midia que divulga o que quer e da forma que ela quer. 2 O judiciario que processa, arquiva, absolve o condena como quer, mesmo fora das realidades o fora das leis

Responder

Carlos Pereira

14 de janeiro de 2019 às 14h20

Uma coisa é certa, se esse povo não acordar para os retrocessos e retirada de direitos trabalhistas e garantias constitucionais desse governo irresponsável do Bozo, que não tem nenhum interesse em ajudar os menos necessitados somente os privilegiados, talvez depois seja tarde de demais, escutem que estou falando. Maktub como eles costumavam dizer.

Responder

Leo

14 de janeiro de 2019 às 06h50

Entao Bolsonaro nao levou facada? E quer dizer que a internaçao do Queiroz é fake? Ok! Essa é a oposiçao que a esquerda oferece para seus eleitores? Ah! Faça-me o favor!

Responder

Afrânio

14 de janeiro de 2019 às 04h14

Governo Bolsonaro e os propósitos de um ministério tão ruim

É o que esclarece o ministro Eugênio Aragão

O governo do capitão da reserva Jair Bolsonaro parece ser, aos olhos de nós, pobres mortais, de uma improvisação catastrófica. Digo que “parece ser”, porque é compreensível, dentro de minhas limitações, que um sujeito que conseguiu chegar lá por meio de sofisticadíssimo estratagema de impulsionamento global de mensagens mentirosas, com capacidade de iludir massas, esteja construindo um governo tão barbaramente desqualificado, sem que haja propósito nisso!

Posso estar vendo chifre em cabeça de cavalo. Sempre é bom ficar com um pé atrás, diante da arte do ilusionismo que tomou conta da política brasileira. Nem tudo é o que parece ser. Começo a duvidar até de meus olhos. Apenas as lembranças históricas não costumam falhar…

Hitler e sua malta de odientos fascistas alucinados, ao assaltarem a Polônia em 1939, se propuseram a eliminar uma nação do mapa, começando por dizimar sua inteligência – professores, intelectuais, artistas, escritores, pesquisadores e técnicos qualificados. O que sobrasse dos polacos – “subumanos eslavos”, segundo a novilíngua nazista – deveria se tornar, para o resto dos tempos, um povo submisso de lacaios a serviço da “Herrenrasse” ariana.

O “empreendimento Tannenberg”, como se chamava a operação, foi meticulosamente preparada pelo Amt II da SD (serviço de inteligência da SS), com produção de listas de nomes das pessoas a serem detidas e assassinadas. Restaria, ao final, pelo desejo dos invasores, apenas uma sociedade de terra arrasada, incapaz de se opor a sua germanização.

Os tempos são outros, mas os canalhas se adaptam. Invadir o Brasil para dizimar sua inteligência seria algo anacrônico. Hoje se usa o “softpower” para destruir e submeter. Chamam-no de “guerra híbrida”. Desviam-se as potencialidades e se aproveitam as debilidades estruturais e funcionais de uma sociedade doméstica, faz-se uso de doutrinação subliminar. As redes sociais com sua veiculação impulsiva de bronca se prestam muito bem a isso.

Não é difícil verificar que o beócio do capitão da reserva que ganhou a corrida presidencial não está sozinho no seu projeto, que só é “seu” na sua fantasia e na fantasia de seus filhos oligofrênicos, bem como daquelas pobres criaturas ainda inebriadas com a miragem do “mito”. Quem, no entanto, comanda a operação arrasa-Brasil não mora aqui. Está tão distante quanto os servidores que disseminaram “en masse” mensagens mentirosas na campanha presidencial.

Ocupar os cargos do governo com gente incapaz, vaidosa e despreparada parece ser parte da estratégia de dominação. Trata-se de forma “soft” de matar a “intelligentsia” no aparato estatal. Tacham-se os melhores quadros de “marxistas” e sobram os ingênuos, “useful idiots”, para levar a máquina pública a seu descalabro. Depois, vêm os salvadores do FMI, do Banco Mundial e do Federal Reserve, para cuidar da massa falida, para transformar o Brasil no “Generalgouvernement” americano.

De bobo não tem nada, quem está por detrás desse plano. Bobos somos nós que só olhamos para as aparências, achando que o capitão da reserva manda alguma coisa. Bobos são os que acham que foi a “corrupissaum dos petralhas” a causa dessa indignidade porque nossa nação vai fatalmente passar. Mas o buraco é mais embaixo, como diz a sabedoria popular.

Tome-se como exemplo a escolha do futuro chanceler do Brasil. Um idiota de carteirinha. Um zero à esquerda que conseguiu ser promovido este ano a ministro de primeira classe por um governo à deriva, certamente à base de muito beija-mão, como sói ser na casa de Rio Branco. Beijou mãos podres e golpistas. Produziu um blog de terceira categoria para puxar o saco do capitão e de seus filhos-diádocos, ousando o que nenhum diplomata de raiz ousaria. Depois, fez publicar um texto cheio de asneiras sobre a salvação da “civilização ocidental” por Donald Trump – um texto que faria corar até o mais inestudado aluno de relações internacionais.

Mas a escolha tem sua razão de ser. O aparente besteirol do diplomata lunático tem sistema, como o tiveram mensagens sobre a URSAL ou sobre a suposta defesa da pedofilia pelo candidato adversário do capitão da reserva, serve sobretudo para confundir e transformar a comunicação numa sopinha de letras, longe de qualquer consenso sobre significantes e significados. É com essa guerra semiótica que se desestruturam diálogos essenciais numa sociedade.

O Brasil está alvo de um forte ataque e só não vê quem não quer. Aprofundou-se a fragmentação política de modo a impedir a adoção de qualquer agenda. As eleições, ao invés de estancar a polarização paralisante de pós-2013, a radicalizaram. Não há conversa possível com quem sugere que a embaixada da Alemanha peca por ignorância quando explica que o nazismo foi uma prática da direita política. O discurso da turba ficou tão absurdo que se reduz a um latido. E a latidos se responde com latidos. Uau-uau!

A quem interessa essa destruição do país? A importância estratégica do Brasil pode oferecer muitas respostas, mas o certo é que só não interessa às brasileiras e aos brasileiros. De uma pujante potência periférica vamos nos transformar num parque de diversões das nações centrais. Vão rir muito de nós enquanto surrupiam nossos ativos. E são, para variar, os mais pobres – os “subumanos cucarachos”, na novilíngua trumpista – que pagarão a conta, com extinção das políticas públicas, com o fim de direitos econômicos e sociais e com a degradação dos serviços públicos mais básicos, pois, quem tem dinheiro, se juntará à gargalhada da plateia gringa em Miami, com Bolsonaro, o Bozo, a se apresentar como protagonista do quadro de humor desse triste circo brasileiro.

Eugênio Aragão é ex-ministro da Justiça

Responder

Jardel

14 de janeiro de 2019 às 01h59

Enquanto os eleitores do Bozo vestem um cabresto psicológico, Queiroz zomba da ignorância voluntária desses idiotas.
Cabresto psicológico é aquele cabresto vestido voluntariamente para não enxergar o que acontece ao redor. Olham apenas para o “mito que vai acabar com a corrupção”.
O cabresto psicológico é muito eficiente! Reduz o campo periférico da visão do coxinha, à visão de um asno.

Responder

Zé Maria

13 de janeiro de 2019 às 23h08 Responder

Zé Maria

13 de janeiro de 2019 às 22h32

Entrevista: Magda Becker Soares, 86 anos, Professora Emérita da UFMG

“Vivi Estado Novo [1930-1945]
e Ditadura Militar [1964-1985],
mas nunca vi período tão assustador”

https://t.co/wmJD69PChY
https://twitter.com/emirsader/status/1084602797641949184

Responder

Elon

13 de janeiro de 2019 às 20h02

É mas ele errou. A. Einstein não é o hospital mais caro do Brasil, o mais caro é o sírio libanês. Aquele hospital onde se tratam Lula e Dilma, lembram deles? Aqueles que roubaram BILHÕES do Brasil com a conivência e apoio de TODOS os petistas. Coisa pela qual um deles está preso e a outra logo mais deverá ir tbm, enfim, sei que para os petistas é difícil recordar tantos casos de corrupção num só partido, mas felizmente sempre haverá gente de bem pronta a ajudá-los a se lembrar da merda que fizeram por mais de uma década e agora com nem 15 dias de governo novo do nada viraram bastiões de retidão e honestidade kkkkkkkkkkkkkkkkkk! Recordar é viver, seus hipócritas s2

Responder

cunha e silva

13 de janeiro de 2019 às 12h56

Tal qual Queiroz eles estão também sambando Correa . Mas que está dançando de verdade são os ignorantes que acreditaram no ” novo ” . E vão dançar ainda mais aqueles que deram seus votos contra . Uma verdadeira festa nacional pela pátria amada .

Responder

Julio Silveira

13 de janeiro de 2019 às 11h48

É isso que a oposição deve fazer, deve buscar esclarecer os fatos e não ficar entrando no jogo do fake e aceitando os golpes como parte do jogo. Esse deputado do PT agindo mostra que é um dos raros insubmissos ao status quo corrupto que o PT do cerimonial aderiu.
Tivessem mantido a pegada que abriu as portas do Brasil para o partido lá atrás e a direita, corrupta e vendilhona desde sempre, não teria conseguido tranferir a pecha de corruptos ao partido fazendo-o se tornar o laranja da direita.

Responder

Treberto de silva

13 de janeiro de 2019 às 11h08

Povo burro. Esse juiz tem cargo vitalício, salário Vitalicio. Ele nunca ficará desempregado. Já o povo se ferrou de verde e amarelo com a sanha percecutoria desse juiz que causou milhões de desempregados e prejuízo de trilhões a economia brasileira.
O Queiroz é da direita por isso ele não fará nada.
Enfim, Moro não fará nadica de nada contra os Bolsonaros. Se fizer perde a boquinha.
Moro não sabe do Queiróz.
O sonho do Moro é ser o Lula.

Responder

    Morvan

    14 de janeiro de 2019 às 14h32

    Treberto de silva (13 de janeiro de 2019 às 11h08):

    … “Povo burro. Esse juiz tem cargo vitalício, salário Vitalicio. Ele nunca ficará desempregado…

    No caso específico do voz de eunuco, Treberto, ele não ficará desempregado por seu empregador-mor residir na metrópole, pois ele renunciou à magistratura (a única coisa boa que fez, em toda sua nociva vida, e sem o querer, ao povo do Brasil).

    Saudações “#LulaLivre, Lula dá paz! Justiça e paz são binômio, nunca esqueça“.
    Morvan, Usuário GNU-Linux #433640. Seja Legal, seja Livre. Use GNU-Linux.


Deixe uma resposta para Zé Maria

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.