VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Paulo Moreira Leite: Quem tem medo da mensagem das urnas


10/10/2012 - 20h26

por Paulo Moreira Leite, em seu blog

Confesso que o sorriso amarelo dos coveiros de Lula e do PT é um dado preocupante de nosso momento político.

Explico. Nos tempos da ditadura, o grande Ulysses Guimarães, personalidade maior da resistência, dizia que era preciso ouvir a voz das ruas. É que naquele tempo, com a imprensa censurada, os deputados cassados, os partidos reprimidos, o país falava pelas ruas. Eram passeatas, protestos e greves.

Quem ouviu a voz das ruas se deu bem. Percebeu o rumo da história, modificou prioridades, apostou na direção do futuro. Quem não entendeu isso ficou olhando a vida passar pela janela.

A voz das urnas de 2012 é muito clara. Olhe só:

a) o PT recebeu o maior número de votos da campanha. Ou seja: no país inteiro, 17, 3 milhões de brasileiros saíram de casa, há dois dias, para votar em candidatos deste partido; o PSDB teve 3 milhões de votos a menos;

b) o PT  ganhou 14% a mais de prefeituras, enquanto o PSDB perdeu 12% e o PMDB perdeu 14%;

c) entre as cidades de mais de 200.ooo habitantes, o PT foi melhor que os outros; emplacou 8 prefeitos no primeiro turno e disputará 22 prefeituras em segundo turno; o PSDB, que ficou em segundo, ganhou 6 e disputa 17;

d) entre partidos menores, o PSB cresceu muito. O número de prefeituras aumentou 43%. Vamos lembrar: o PSB não é um partido de oposição nem é neutro. Faz parte da base do governo Dilma e colhe os benefícios do crescimento do Nordeste, acelerado a partir de 2003.  A maior vitória do PMDB ocorreu no Rio de Janeiro e envolve uma aliança federal e municipal entre o Planalto e os pemedebistas de Sérgio Cabral e Eduardo Paes. Eles também são aliados de Lula e Dilma. Numa cidade célebre por seu oposicionismo, onde se vaia até minuto de silêncio, a situação teve 64% dos votos.

e) o PSD surgiu hoje como a quarta legenda. Vamos lembrar: quando Gilberto Kassab disse que ia fazer um partido que não era de esquerda nem de direita, ele queria dizer que estava indo da direita para a esquerda – e se aproximava de Dilma. Tomou porrada por isso. Não por uma suposta impureza ideológica.

Estes dados me parecem sólidos o suficiente para  dizer quem ganhou a eleição. Em função do segundo turno, é cedo para medir o resultado pelo número final de prefeituras conquistadas. Este aspecto é importantíssimo.

Mas para medir a  vontade do eleitor, este é o melhor momento. Todo mundo teve direito de levar sua mensagem a TV, dar porrada, levar porrada, e o saldo está aí.

Voltando à  mensagem da rua e das urnas.

Quem não entendia a mensagem da rua, no tempo da ditadura, partiu para a ignorância. O povo dizia que queria democracia e eles até atrapalhavam a abertura lenta e gradual. Matavam presos políticos para criar crises e elevar a tensão. Promoviam atentados terroristas, com a mesma finalidade. Fizeram a bomba do Rio Centro, explodiam bancas de jornal. Assassinaram dona Lida, secretaria da OAB. Infiltravam-se em greves, assembleias, passeatas.

Essa reação criminosa é inaceitável mas pode ser explicada.  Incapaz de dar respostas à história, o que dificulta até o dialogo com os próprios filhos, o sujeito procura ressuscitar o passado através de ações criminosas.

É aquela cena de filme de terror classe B em que o morto vivo ressurge de dentro da terra.

Também temos, em 2012, quem não consegue sequer ouvir a voz das urnas.

E isso é um problema?

Eu acho. Não digo que leva o cidadão para o terrorismo. Não obrigatoriamente rsrsrsrs.

Mas leva ao jogo sujo. Leva a mentira, a trapaça. Por que? Porque a pessoa parou de trabalhar com a realidade, deixou de olhar para aquilo que eu e você podemos ver – e que o números de domingo mostram – para jogar com sua própria fantasia. Não aceita que a maioria dos cidadãos aprove um governo que realizou mudanças modestíssimas, precárias, etc, mas que lhe permite  viver um pouco melhor, comer um pouco melhor e assim por diante.

E é da democracia aceitar que a maioria – mesmo a mais humilde, menos educada formalmente – tem o direito de optar por seu destino. É democrático procurar entender o que a maioria diz e pretende. Até para tentar convencê-la a  mudar de pensamento, se for o caso.

Quem não enxerga a maioria, não compreende o que ela diz, tem reações autoritárias. Parte para o baixo nível, o jogo sujo, a mentira.

E é este, só este, meu receio para o segundo turno. Negar o que as urnas disseram, há dois dias, é procurar um caminho para a baixaria que todos conhecemos e lamentamos. Ou será que para alguns não há alternativa?

Deu para entender, certo?

Leia também:

Gilvander Luís: Em BH, derrota eleitoral, ganho político

Emir Sader: O mundo parece de cabeça para baixo

Diminui número de prefeitos tucanos em MG

Fabiano Guilherme Santos: O faro político de Lula

Ricardo Musse: Eleições reforçam o cacife de Dilma

Paulo Moreira Leite: O vencedor foi o Lula; o PSDB, o grande derrotado

Donato: Foco do segundo turno será nos problemas da cidade

Rui Falcão: “A população mostrou que tem um desejo de mudança”

 

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Evandro Trigueiro Tavares

11 de outubro de 2012 às 08h54

Dilma e Lula têm de andar com guardacostas (eu acho que é assim que se escreve na nova ortografia) e coletes à prova de bala às vinte e quatro horas do dia…

Responder

Lu Witovisk

11 de outubro de 2012 às 07h49

Ótimo texto!!! Compartilhado!!!

Responder

neopartisan

11 de outubro de 2012 às 07h23

Realmente, não consigo entender o que este senhor tem contra a nossa imaculada, ilibada, idônea, transparente, justa, imparcial, independente, honesta e impoluta imprensa. Ontem, fiquei emocionado com a primeira página de OG com aquele lindo arco-íris em Brasília a coroar a cabeça dos nossos magistrados. Tão emocionado que lembrei do trabalho da nossa imprensa há quase 50 anos
httep://m.youtube.com/?reason=8&rdm=4274#/watch?v=n6HV-Jpc3I8&desktop_uri=%2Fwatch%3Fv%3Dn6HV-Jpc3I8&gl=BR

Responder

Geloca Lula da Silva

11 de outubro de 2012 às 00h13

Cada dia eu estou mais fã deste cara. Sensacional

Responder

Isidoro Guedes

10 de outubro de 2012 às 22h34

Paulo Moreira Leite nem parece ser um jornalista que trabalha para a mídia corporativa (nas Organizações Globo). Sua independência opinativa mais cedo ou mais tarde lhe custará a demissão da revista Época, que não aceitará passivamente um “colaborador” que vá de encontro ao desejo do patronato que comanda a revista e as Organizações Globo.
Mais cedo ou mais tarde Paulo Moreira Leite estará em Carta Capital ou em algum outro veículo que não tenha ódio ou preconceito contra a esquerda, escrevendo seus artigos contundentes e que denunciam toda essa estrutura podre e repugnante que está por trás da mídia corporativa (e serviçal do poder econômico).

Responder

Willian

10 de outubro de 2012 às 21h12

Se o PT perder São Paulo (como perdeu BH e Porto Alegre), ganhar em Findomundópolis e Santa Rita do Pixotó compensa? Dependendo do ângulo que se olha, qualquer partido ganhou as eleições. Depende da vontde do freguês…

Responder

    Ricardo JC

    10 de outubro de 2012 às 22h02

    Honestamente. Você leu o texto? Não parece…ou não entendeu. Cara, mesmo diante do gigantesco bombardeio midiático negativo sobre o PT durante todo o período de campanha (com a inacreditável programação do julgamento do mensalão, para julgar Dirceu extamente às vésperas do pleito), o partido conseguiu alcançar o maior número de votos no país (sem contar onde fez prefeitos coligados, como no Rio). Isto é uma demonstração inequívoca da força do PT e da solidez com que vem conduzindo o país há 10 anos. Se vai ganhar ou perder em SP, são outros quinhentos. Agora eu te pergunto. Você acha que a oposição saiu feliz no domingo? P.S. Se tiver oportunidade, dê uma olhada no semblante de Merval Pereira na Globo News, após a apuração. Isto vai responder à pergunta…

    Paulo Costa Lima

    11 de outubro de 2012 às 04h19

    Prezado Ricardo o Willian leu o texto. O problema dele é condicionamento ou seja é analfabeto funcional mesmo. É o mal que ataca os leitores da Veja e do Jornal Nacional

Mateus

10 de outubro de 2012 às 21h05

O PSDB, mais expecificamenteo o Serra, já faz esse tipo de baixaria desde que ele perdeu a primeira eleição para o Lula. Até antes disso, podemos dizer.

Responder

    Minerim

    10 de outubro de 2012 às 22h41

    Já fez não; continua fazendo e fará sempre que encontrar um adversário progressista pelo caminho.


Deixe uma resposta para Lu Witovisk

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.