VIOMUNDO

Diário da Resistência


Marcos Coimbra inclui Eduardo Campos entre os “candidatos de fantasia”
Política

Marcos Coimbra inclui Eduardo Campos entre os “candidatos de fantasia”


16/02/2013 - 10h39

Candidatos de Fantasia

por Marcos Coimbra, na CartaCapital, sugerido pelo Julio Cesar Macedo Amorim

Ao longo dos últimos 20 anos, a política brasileira, no fundamental, foi regida pela polarização PT-PSDB. Desde 1994, todos os nossos presidentes da República saíram de um dos dois partidos.

Seria razoável imaginar que essa polaridade será rompida na próxima eleição? Parecem significativas as probabilidades de que o futuro presidente venha de outra legenda?

Quem acompanha os comentaristas e analistas da “grande imprensa” deve acreditar que sim. De tanto ouvir falar em terceiros ou quarto nomes, talvez suponha que o longo ciclo se encerrará no próximo ano.

Não há, no entanto, sustentação para a hipótese, salvo especulações despropositadas. O que quer dizer que teremos mais uma eleição que culminará com o eleitorado dividido entre os candidatos de um ou outro partido.

Isso, claro, não implica que não possamos ter várias candidaturas, vindas de outros partidos. Em 1994, foram oito. Em 1998, 12. Na primeira eleição vencida pelo PT, seis candidatos disputaram. Na segunda, oito. Em 2010, passaram a nove.

Em todas essa eleições, tivemos nomes que saíram “consagrados” das urnas, saudados como fenômenos por conseguir desempenho considerado surpreendente.

Em 1994, o fato novo foi o pitoresco Enéas Carneiro, com seus quase 7,5% dos votos válidos. Em 1998, foi Ciro Gomes que beirou os 11%. Na seguinte, Garotinho quase obtém 18%. Em 2006, Heloísa Helena chegou a 8%. Na mais recente, Marina Silva arremeteu no final e ultrapassou os 19%. Ou seja, mesmo em uma eleição tão sui generis quanto à primeira de Fernando Henrique, costuma aparecer alguém para atrapalhar a bipolaridade. No máximo, porém, como Garotinho ou Marina, se aproximam dos 20%.

Curioso é especular a respeito dessas “surpresas” no médio prazo. Sem falar de Enéas, já morto, todos emagreceram: Ciro Gomes, que parece haver desistido da política nacional, Heloísa Helena, hoje vereadora, Garotinho, que sobrevive graças a seu feudo no Norte Fluminense.

E Marina?

Hoje, quando escrevem sobre as perspectivas da eleição, os comentaristas gostam de lembrar sua perfomance na disputa anterior, como se significasse uma espécie de piso. Como se tivesse formado base sólida na sociedade, tão expressiva como o quinto do eleitorado que sufragou seu nome.

Dá-se o caso que a votação que recebeu foi muito mais determinada por fatores de rejeição aos outros candidatos que por sua capacidade de atrair apoios. Se não houvesse um eleitorado incomodado com Dilma e Serra, que não os queria por motivos diferentes, Marina pouco iria além dos 7% a 8% registrados em pesquisas desde o início de 2010 e que eram genuinamente seus, motivados por sua biografia, agenda e imagem.

E Eduardo Campos?

Desde o fim da eleição do ano passado, e agora depois da escolha dos novos presidentes do Senado e da Câmara, nossa mídia anda cheia de especulações sobre o “crescimento” de sua candidatura ao Planalto. Como se não apenas fosse candidato, mas tivesse elevada possibilidade de vencer.

A tese do crescimento do governador de Pernambuco deriva de um suposto duvidoso: de que o aumento do número de prefeituras conquistadas pelo PSB em 2012 expresse um realinhamento relevante de opiniões e preferências na sociedade. De que uma parcela expressiva do eleitorado “votou no PSB”. Nada autoriza acreditar nisso. O PSB entrou na eleição de 2012 pequeno na identificação popular e assim saiu. Aqui e ali, os eleitores votaram em seus candidatos, sem que esse comportamento possa ser considerado reflexo de qualquer mudança em suas simpatias. Como partido de massa, o PSB inexistia antes da eleição e continua a inexistir.

Tampouco fazia sentido falar em “crescimento da candidatura” de Eduardo Campos como se tivesse aumentado sua visibilidade, propiciada pela exposição da campanha. Ele começou o ano de 2012 quase desconhecido fora de seu estado e terminou da mesma maneira.

Ao contrário do PT e outros partidos ideológicos, o PSB nada mais é que um agregado de quadros políticos e lideranças que se associaram para perseguir alguns (poucos) objetivos comuns, sem, necessariamente, compartilhar convicções e projetos.

Ou alguém acha que, por exemplo, Cid Gomes está engajado na candidatura do correligionário?

No fundo, o PSB tem mais semelhanças com o PMDB do que com os partidos à esquerda. A velha ideia da federação de oligarquias regionais, que tão bem descreve aquilo em que se tornou o antigo MDB, aplica-se igualmente a ele. Em cada lugar, dança conforme a música: aqui situacionista, ali de oposição.

Fantasie-se o quanto se queira, o mais provável é que tenhamos a sexta eleição polarizada por tucanos e petistas. E que, nela, o grande favorito seja o PT.

Leia também:

Os parentes que Eduardo Campos emprega no governo

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



64 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

“Puro”, partido de Marina não é de esquerda, nem de direita « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de fevereiro de 2013 às 00h24

[…] Marcos Coimbra diz que Marina e Eduardo Campos são “candidatos de fantasia” […]

Responder

Ascendino Paulino Neto

16 de fevereiro de 2013 às 23h47

Lendo muitos dos artigos, comentário, da mídia em geral, principalmente os cometários dos petistas lulistas… observo claramente uma retórica, no sentido vazio da palavra. Me sinto na liberdade de comentá-los de uma forma mais generalista. Prática. Aproveito para reafirmar minha devoção para com a educação em todos os aspectos e abrangência da palavra. Além lembrar a todos que o trabalho é o único caminho que devemos trilhar para construirmos um Brasil mais educado, civilizado e bem mais estrutruturado.
Acredito que nada justifique, popularidade, legado… a prepotência do ser humano governante de intencionar ou principalmente de se perpetuar no poder. Acredito que esse tipo de atitude, se não é de verdade problemática, perjura para ser de uma forma ou de outra. É a própria contra revolução dos direitos humanos universais e de nossa cristandade. Ninguém deveria se deixar inflar e alcançar tal prerrogativa divina sob pena capital de soberba que caracteriza, como sabemos, pelo sentimento pretensioso de superioridade sobre as demais pessoas, levando a manifestações ostensivas de arrogância, por vezes sem fundamento algum em fatos ou variáveis reais. Isso deveria servir para todos os casos, inclusive a Venezuela, com as exceções, lógico, para as monarquias parlamentaristas constitucionais e seus primeiros ministros democraticamente eleitos.
Acredito no líder… e esse líder não necessariamente tem que ser um presidente. Pelé é um líder nacional, Caetano, Gil, Roberto Carlos… Acredito na meritocracia, na divisão de “expertises”. Acredito no trabalho e digo sempre, quem trabalha ganha, aliás uma amiga me falou essa verdade e eu vivo repetindo. Acredito que inclusive a própria mídia globalizada idealiza pragmaticamente um mundo mais prospero e rico para todos… como de verdade vem ocorrendo ao longo do tempo, não é verdade? Não observo uma lógica pragmática em afirmar que a mídia globalizada e os Estados Unidos da America servam como anticristo de nossa pós moderna sociedade ocidental de consumo, de sonho e bem estar. Pelo contrário tivemos a revolução industrial, a revolução tecnológica, por exemplo, que basicamente determina o que somos e o que temos hoje. Carl Marx há muitos anos atrás conseguiu visualizar o que hoje chamamos por globalização. Ou seja, um complexo de diferenciados sistemas sociais, tribais, totalmente interligados pela ótica do lucro empresarial e do bem estar social.
Vejo inclusive simploriamente na “Origem das Riquezas das Nações” de Adam Smith, a explicação dos primórdios do comunismo primitivos; a inteligência de alguns que conseguiu acumular riqueza e na realidade investiu a acumulação para usufruto de todos no futuro, logicamente em troca da maior parte, ou bem maior parte da divisão do trabalho e do lucro, estava assim nascendo o capitalismo selvagem originado basicamente da revolução industrial; mas o proletariado não concordava com tamanha exploração, se uniram, e assim, aconteceu basicamente a revolução bolchevista, do proletário, comunista de Lenin, de Stalin… originados dos ensinamento de Carl Marx e Engels, através de “O Capital”, do “Manifesto Comunista”. O socialismo chega para ensinar e pregar a justiça social contra a ganância dos capitalistas; Mas logo, em comparação, a social democracia, a terceira via, a globalização chega para apaziguar as forças, e consegue até certo ponto, está conseguindo… tem que haver compromissos, desapego… equidade. É o que eu chamo por capitalismo civilizado; e assim seguimos adiante “swapping between more or less socialism or more or less capitalism” quanto mais essa diferença desapareça mais nos aproximamos do comunismo de verdade. Assim é a vida e os ciclos do desenvolvimento ecnômico entre as nações do novo mundo globalizado. Por isso acredito que se não agirmos rápido, com trabalho, união e determinação poderemos perder essa janela do desenvolvimento que todavia, pode ser, ainda segue aberta. Nem vou entrar nos meus argumentos sobre Lula e seu PT. Vou deixar um outro texto também escrito por mim sobre essa enorme risco chamado por Lula.
O que eu vejo aqui no Brasil é uma grande retórica eleitoreira que não ajudou, não ajuda e não ajudará em nada no nosso desenvolvimento econômico, sócio e civilizatório… o que temos hoje conquistado é fruto de nossa real expressão popular, de justiça e bem estar. A verdade é que deixaram uma lacuna enorme advindo de uma “esquerda” inocente, presa a vaidade intelectual, esquecendo que o inimigo autoritário e totalitário estava as voltas rindo de todos nós. Ao ponto de ter a audácia de querer ditar a ordem social, a ordem constitucional, a ordem democrática de direito político constitucional com apenas 30% do eleitorado brasileiro através da prática da propaganda, no sentido real da palavra, política populista e do uso das prerrogativas presidenciais para se perpetuar no poder.

Responder

Luciano Lima

16 de fevereiro de 2013 às 23h01

A coalizão que sustenta o governo que tem o PT no centro, tenho certeza tem fôlego para ir longe, isto se levarmos em conta a fragilidade da oposição que sem projeto e sem discurso vive a reboque do PIG. Campos com sua impetuosidade, juventude e ambição pode produzir um estrago importante nas pretensões da atual coalizão, mas não creio que ele e seu partido estejam prontos para dirigir o Brasil.

Responder

FrancoAtirador

16 de fevereiro de 2013 às 22h53

.
.
“É o grande fato novo na política desde a criação do PSDB, em 1988”

Walter Feldman, deputado federal (PSDB-SP),
no lançamento do partido apartidário de Marina
.
.

Responder

Sagarana

16 de fevereiro de 2013 às 22h33

“Fantasie-se o quanto se queira, o mais provável é que tenhamos a sexta eleição polarizada por tucanos e petistas. E que, nela, o grande favorito seja o PT.”
O “analista” político é traido pelo tempo verbal. Ao invés de vaticinar um “será” ele deixa escapar um “seja” que revela sua inconfessável preferência.
Podem escrever ai: se Dilma chegar ao segundo turno, ela perderá!

Responder

Eduardo

16 de fevereiro de 2013 às 21h10

Pelo menos no Ceará, o PSB é quase todo o PSDB do tempo do Tasso mais os oportunistas de sempre (muitos dos quais já estavam no PSDB). É simplesmente um aglomerado que sempre está junto do Poder. O velho PSB autêntico, que aqui foi rifado pelo Eduardo Campos em benefício dos Ferreira Gomes, está escanteado dentro do partido. O PSB aqui inchou como o PSDB na época do Tasso (e que agora tem UM deputado federal apenas). Se perderem a eleição para governador em 2014 o PSB volta a ser o que sempre foi, em termos de musculatura: quase nada.

Responder

Gerson Carneiro

16 de fevereiro de 2013 às 21h10

A Marina Silva é a rainha da bateria desse grupo da fantasia.

Responder

Celso Carvalho

16 de fevereiro de 2013 às 20h52

O Marcos Coimbra esqueceu a eleição do Collor. Só ela desarranja todo o seu argumento. Se o Brasil mudou no período, o eleitor mudou muito pouco.

Responder

J Souza

16 de fevereiro de 2013 às 20h21

O Lula há muito tempo já avisava sobre as crises causadas pelos “brancos de olhos azuis”…

Responder

    Vlad

    16 de fevereiro de 2013 às 22h36

    É verdade.
    Inclusive Herr Wagner e Frau Hoffmann.
    Mas, no caso, nada que uma boa proposta de transferência de domicílio eleitoral para SP e uma oferta irrecusável de candidatura não resolva….ops…essa é velha…hehe.
    Mas vão encontrar uma saída…não se preocupem.
    Qualquer coisa, se a maionese desandar por alguma cRRise pontual que a âncoRRA cambial não seguRRe, chama a Regina Duarte pra espalhar que é muito perigoso e devemos ter medo de mudar.

    J Souza

    17 de fevereiro de 2013 às 09h18

    Foi apenas uma ironia, uma frase tirada do contexto…
    Mas, se o Eduardo Campos ganhar, também poderá ser, de certa forma, uma vitória do Lula. Uma “vitória menor”, dependendo dos “aliados” que venha a ter o Campos, mas uma vitória.

Hélio Pereira

16 de fevereiro de 2013 às 19h44

Que o PT ira disputar o segundo turno,se não vencer no primeiro,não resta duvida,mas afirmar que a disputa vai se dar entre o PT e PSDB,na minha opinião isto é mais “torcida” do que realidade.
Acho dificil o PSDB disputar o segundo turno se o candidato for o Aécio Neves.

Responder

Marcio Leandro

16 de fevereiro de 2013 às 18h32

Concordo com o Marcos Coimbra, o PSB não é de esquerda, tomo o exemplo aqui do Paraná, onde o ex-prefeito derrotado na tentativa de reeleição é do PSB e foi vice do PSDB. Sem contar que o PSB também aqui no Paraná já teve em suas fileiras Jayme Lerner, isso mesmo, o governador mais privatista do nosso estado era do PSB numa época.

Responder

Valcir Barsanulfo

16 de fevereiro de 2013 às 18h13

O PSB funciona como legenda de aluguel, aqui no meu estado(MG), o PsB é caudatário do menino do Rio, Aético Neves.
Tem como presidente estadual o Walfrido Mares Guia, que já passou por N partidos, inclusive a velha e mofada Arena, e ainda tem um envolvimento na área criminal pela morte da modelo Cristiane Ferreira que gozava de relações íntimas com o presidente do PSB e outros figurões do PSDB e DEM.
O Eduardo Campos com o seu sorriso de MISS, não vai convencer ninguém, nem mesmo uns poucos sérios do seu partido.

Responder

Jotace

16 de fevereiro de 2013 às 18h04

A inteligência sobra no comentário de Marcos Coimbra, mas não disfarça o que é provavelmente o alvo oculto do articulista: a candidatura de Requião, um dos nomes mais viáveis para disputar a Presidência. Como ex-governador do Paraná e Senador pela República, seu comportamento de homem público e patriota será o grande catalisador de votos de todos os eleitores que querem um governo para os brasileiros. Ele conseguirá, decerto, vencer as resistências e lograr sua candidatura para que a nação tenha a sua soberania e o povo brasileiro o bem estar que deseja. Jotace

Responder

    Fabio Passos

    16 de fevereiro de 2013 às 18h21

    Falou e disse.
    Requião seria uma ótima alternativa da esquerda nacionalista.

    joão Luiz Brandao Costa

    16 de fevereiro de 2013 às 18h31

    Se o Eduardo, pela excelente análise de Coimbra, não tem respaldo, qual é o do Requião. Acho que não entendeu bem o que foi escrito. Ninguém, fora o Paraná, onde nem lá é unanimidade, sabe no Brasil quem é esse senhor.

    Jotace

    16 de fevereiro de 2013 às 22h00

    Caro João Luiz B. Costa,

    É aí que você está enganado. O suposto prestígio de Eduardo Campos, que a Folha de S. Paulo lhe atribuiu numa ‘daquelas’ pesquisas, decorreu somente do apoio recebido pelos governos de Lula e Dilma. Não estamos mais nos tempos dos monarcas e rainhas absolutos da imprensa, hoje a maioria os blogs tem tido incomparavelmente mais credibilidade que eles e grande penetração. Os blogs “sujos” estão sendo acompanhados no Brasil inteiro especialmente pelas lideranças naturais. E no caso, acima de tudo, falam a competência e o patriotismo do grande Senador que é Requião. Venceremos esses tempos de vacas magras, a Pátria perdendo sua soberania a cada dia e grande parte do povo ainda com fome. Espere e verá, caro amigo. Jotace

    Vlad

    17 de fevereiro de 2013 às 09h10

    Isso aqui é uma matéria séria.
    Não avacalha.

Fabio Passos

16 de fevereiro de 2013 às 17h35

Se o psdb se desintegrar Campos pode ser alternativa.

Responder

Oswaldo Conti-Bosso

16 de fevereiro de 2013 às 17h26

Caros,

Também estou de acordo que a análise é de quem entende, mas, porém, todavia, se me permitem, vou pegar um caminho um pouco diferente.

Minha aposta é que, poderemos ter uma ruptura na polarização entre PT e PSDB em 2014, como segundo turno ou não (depende fundamentalmente de Eduardo Campos):

1- Marina Silva aprendendo com a dialética da história (16-02-13):
http://www.advivo.com.br/blog/oswaldo-conti-bosso/marina-silva-aprendendo-com-a-dialetica-da-historia

2- O lulismo e a desafiante do poder, Marina Silva (13-02-13):
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-lulismo-e-a-desafiante-do-poder-marina-silva

3- Uma aposta na ruptura da polarização entre PT e PSDB (13-01-13):
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/uma-aposta-na-ruptura-da-polarizacao-entre-pt-e-psdb

Responder

Neiva

16 de fevereiro de 2013 às 17h07

Campos está sendo cotado pela mídia pela mesma razão que levantaram a bola de Marina e do Plínio na eleição passada. Apostaram que eles TIRARIAM VOTOS DA DILMA. Aliás…. ninguém aí nunca achou estranho a mídia conservadora em 2010 estar dando cobertura a um candidato de extrema esquerda com 1% de apoio como ocorria com o candidato do PSOL? Nunca nunca nunca haviam falado do Plínio, de repente virou a vedete dos noticiários. Por quê? A esperança deles era dividir a esquerda. Da mesma maneira que investiram na Heloísa Helena no passado. QUerem criar uma oposição à esquerda que dinamite a união conseguida pelo PT.

Não passarão.

Como não passaram das outras vezes.

Campos não tem a mínima possibilidade de conseguir votos fora do NE. Se conseguisse, a própria mídia que hoje lhe paparica logo começaria a lhe atacar. Ele não está ali para vencer. Está ali apenas para confundir.

Responder

Roberto Locatelli

16 de fevereiro de 2013 às 17h05

O Willian, que fez o primeiro comentário do post – sáb, 16/02/2013 – 10:56 – disse uma coisa interessante: a performance de E. Campos em 2014 depende de como ele é tratado na blogosfera progressista e nas redes sociais.

Concordo em parte. Acho que a Blogosfera, hoje superconectada com o Facebook e o Twitter, tem uma força bem maior do que tinha em 2010. E, cá entre nós, a Blogosfera não está nada simpática ao “socialista” Eduardo Campos… Isso é um problema para ele. Mas acho que ele não tem a menor ideia de que está com esse problema…

Responder

Ascendino Paulino Neto

16 de fevereiro de 2013 às 16h16

Esse governador Eduardo Campos é cabra macho de verdade… eita pernambucano arretado. Não é?

Os petistas lulistas reclamam da mídia, ficam contado, recontado histórias do tempo de antigamente, apostando na onipotência de Lula que também está sendo investigado pelo seu suposto envolvimento no esquema do mensalão petista, contando histórias e até inventando fatos novos sobre a sua importância, uma verdadeira encenação populista em pleno século XXI.
Pelo que sei o Governador afirmou enumeras vezes que não conversará ou comentará sobre eleições em 2013, só em 2014. E inclusive disse que é um aliado que quer ajudar, quer somar. Qual é o medo? Será que aliança política na cabeça dos petistas lulistas é um código de obediência autoritária, totalitária? A projeção psicológica é gritante. Não podem confiar porque devem saber muito bem que não merecem confiança.
Quem sabe daqui até as próximas eleições o governo Dilma tenham tempo de colocar a economia no eixo outra vez. Colocar no eixo não significa camuflar dados conjunturais e estruturais macroeconômicos. A mídia encarca no PT, PMDB, Lula, mensalão, aliança PT-PMDB porque são governo. É isso aí. Estamos de olhos bem abertos. Assim sendo encarcam também nos rumos da economia do governo Dilma.
Os petistas se desesperam, começam a defender os condenados do mensalão, defendem também a falta de ética e moral dos PMDbistas que elegeram um senador ficha suja para presidir a casa… engolem uma corda longa, e continuam engolindo… morrendo de medo do puxão. Vai a cadeia de radio e TV para se auto promoverem com a redução da tarifa de energia, mas já na semana seguinte vem com um aumento da gasolina. Sem querer querendo ou não começam a se abrirem, mostrar suas caras de verdade, se deixando vulneráveis… fazendo apologia à ignorância, à impunidade, à corrupção. Não sabem para onde ir. Cercado pelos três poderes da república, mas estão em casa, graças a Deus!
A mídia lança uma pergunta no ar sobre quem tem medo de Eduardo Campos e os petistas quase todos ao mesmo tempo respondem… “nós petistas e lulistas lógico”. E eles juram de pés juntinhos que são a curva Tamburello, a última coca cola do deserto. É a própria fragilidade inserida dentro de uma regime populista sustentado pela propaganda política enganosa, falsa. Usando termos ofensivos como esse “PIG” como uma tentativa de usar o povo brasileiro contra nossas instituições de direito democrático… como ocorreu também sobre a incitação de fazer o povo ir contra a nossa suprema corte de justiça. Para mim qualquer regime, partido que use dessa prerrogativa, são golpista… por isso também apelidei o PT como PTG – partido dos trabalhadores golpista.
E assim os petistas lulistas vão agindo sem responsabilidade constitucional, sem medir as consequências para com eles mesmo. Assim também eles mesmos vão deixando Eduardo Campos passar o ano de 2013 na mídia nacional. E para eles ainda é tudo culpa da mídia que dizem ser golpista, mas a mídia brasileira não esconde nada, tudo que é dito por eles é colocado na impressa, nem mais nem menos. É José Dirceu com os braços erguidos chamando a militância para a guerra, Lula falando com a mídia através de recados… tudo devidamente bem coberto por uma mídia de primeiro mundo civilizado e democrático. O próprio presidente dos petista já começou algo nessa linha propositiva de trabalho. O próprio ex presidente Lula já diz está desejoso de ver a página virada desse episódio do mensalão petista, lógico sem ele dentro. O que eu acredito para eles voltarem a prestar mais atenção ao partido dos trabalhadores. O que eu chamo por “The Brazilian New Labour Party”.
De minha parte sigo torcendo de verdade para que o governo Dilma consiga desenvolver uma política de sustentabilidade consistente do desenvolvimento econômico, social e civilizatório brasileiro, mas para isso ocorrer de verdade, Lula e seu PT tem que estar bem distantes. Ao meu ver, qualquer que seja a mínima aproximação, pitaco, palpite, interferência de Lula e seu PT no governo da frente de coligação popular, governo Dilma… até mesmo a mínima menção do PT elevar Lula a categoria de candidato a presidência da república em 2014 ou em 2018… a oposição partidária e extra partidária, aliados ou não, lutarão com todas as forças contra essa megalomaníaca presunção de perpetuação no poder de Lula e seu PT. Isso é o que entendo e chamo por forças ocultas de nossa lógica republicana… a união dos três poderes da República Federativa Brasileira. Em outras palavras: trabalho, trabalho e trabalho, urgente e urgentíssimo nas obras da construção de nossa infraestrutura, “onde for all”… além da construção lógico da atitude cultural psico cognitiva que não somos mais um país pobre do terceiro mundo subdesenvolvido, ou seja, educação, educação e educação. Infelizmente Lula e seu PT em suas arrogâncias, prepotência e soberbas de ganhar eleições sempre, usando até expressões grosseiras, de baixo nível e incentivadora do uso da violência, como “morder a canela” dita pelo ex presidente Lula, na busca por votos e aliança política, infelizmente deixou para segundo, terceiro ou quarto plano a variável estrutural que deveria ter vindo sendo construída em paralelo com a expansão do consumo interno. Não posso categorizar se essa janela é passado. Espero que ainda haja tempo. Vamos trabalhar e torcer… ao mesmo tempo vamos nos educar, vamos estudar, nos preparar, nos qualificar.
Lula todavia não apareceu em público para se explicar e prestar um respeito, elegância e nobreza de espírito ao Povo Brasileiro antes tão devoto a ele. Também não posso categorizar se essa janela é passada. Na minha visão há de haver um tempo recomendado para quem deseja virar a página aparecer para dar as devidas explicações ao Povo Brasileiro que um dia o elegeu.
Lendo “Casa Grande & Senzala” de Gilberto Freyre podemos observar, depois de tudo, a nossa formação político sócio cultura somado lógico ao surgimento da organização sindical de Lula. É a nossa realidade. Realidade também é afirmar que a organização do Partido do Trabalhadores provou que não tem o mínimo de know how, conhecimento técnico, qualificação, preparo, cabeça, intelecto… para levar a cabo essa alavancagem infraestrutural brasileira somado a isso, também passar bons exemplos de educação sócio civil constitucional ao Povo Brasileiro… pela simples verdade que os petistas lulistas não conseguem pensar além das fronteiras do partido doutrinalista stalinista petista.
Não detesto ninguém… já votei inclusive até em Lula, só acho que Lula e seu PT, na conjuntura que se apresentam, são nocivos ao Povo Brasileiro… a perpetuação de Lula seria um retrocesso… acredito que temos que nos mantermos unidos contra qualquer que seja a mínima possibilidade que isso aconteça… acredito que os petistas fazem jogo duplo, melhor, têm dupla face… se encontrarmos o mínimo de possibilidade dessa verdade agora… significa que eles já estão lá na frente… acredito que Lula possa se lançar sozinho candidato em 2014 mesmo contra todos os aliados… ele e seu PT. Ao meu ver essa seria sua única oportunidade de consolidar sua perpetuação no poder, e lógico pelo voto. E isso é mau, muito ruim, porque o político governante que assim pensa e usa a fragilidade de seu povo para tirar benefício próprio e para o seu partido, por ambição de poder, vaidade e megalomania, com certeza não está bem intencionado. Todos temos ego e vaidades, mas só os bem educados é que conseguem controlá-los. Isso se chama civilidade. Infelizmente, depois de muitos estudo investigativos, ter ouvido muitas falas, discursos… o caso do Recife… essa é a minha projeção e conclusão. Pensei até comigo mesmo que poderia haver duas (três, quatro…) esperanças: a investigação de Lula nos casos de corrupção para buscar a verdade do mensalão petista; as nossas forças ocultas constitucionais (a união dos três poderes); e Eduardo Campos como um aliado próximo da presidente Dilma para tentar conter essa loucura petista da forma como pensam em manusear a coisa pública como se fosse propriedade petista, que não é. E também, porque não? como um presidenciável.
Sobre FHC o pai do Real. Pai desse nosso dinheiro chamado por Real, “Brazilian Real”, de valor monetário constante desde os tempos antes de Lula, que temos em nossos bolsos… que os petista estão ajudando a destruir com a volta da inflação. FHC da revolução nas telecomunicações e telefonia móvel… esses celulares que carregamos em nossos bolsos… que os petistas lulistas gostam mas usam maliciosamente como mote de campanha eleitoral… esse é o homem que os petistas lulistas se referem sempre ofensivamente, esse Senhor de idade porém aparentando muita saúde e vitalidade. Esse homem que basicamente fez Lula presidente da república deixando o país no trilho da responsabilidade fiscal que os petistas lulistas acabaram com sua lógica através do inchaço da máquina governamental… esse Senhor que eu nunca ouvi, ou li, ou assisti, alguma que seja ofensa para com os petistas lulistas. Digo sempre, soberba é pecado capital. Deus castiga. Os petistas lulistas se não mudarem o discurso, eles mesmos estarão se condenando. Nada pode ser tão mais importante do que o nosso Brasil, nosso Povo, nossa nação. Nosso próximo. Nem mesmo Lula e sua megalomaníaca presunção de perpetuação no poder. Nem mesmo o PT. Pelo contrário seria um retrocesso nunca antes visto na história do Brasil do Real de FHC.
O real, o telefone celular que todos nós temos guardado em nossos bolsos e até os telefones residenciais de nossas casas, é legado de FHC… o resto foi Lula que fez… mais reais no bolso por exemplo… agora tudo política econômica populista para basicamente querer comprar o voto do Povo Brasileiro… agora Lula terminou esquecendo da estrutura, da infraestrutura… infelizmente, sem essa estrutura, tudo que foi conquistado com a estabilidade da moeda e a expansão do consumo pode ser perdido dentro desse ano de 2013. Acredito que todos já devam estar sentindo a pressão inflacionária… indo bem pertinho, no supermercado por exemplo. Dessa forma podemos simplesmente retroceder. O Real é um legado estrutural deixado por FHC, a acessibilidade fácil aos meus de comunicação também é um outro legado estrutural deixado por FHC combinado lógico com a expansão do consumo de Lula… E o legado de Lula? Seu governo está sob análise e também ele próprio está sob judice, não é verdade? populista todo mundo sabe que ele é, agora vamos ver se sua expansão do consumo e seus projetos assistencialistas muito bons, conseguiram ou conseguirão alavancar estruturalmente a realidade populacional brasileira, reconhecendo assim o seu legado… eu pessoalmente e como um economista creio que sim… mas de concreto mesmo, o legado de Lula, hoje, até agora, é o mensalão petista. A apologia à ignorância também… o populismo barato característico de países do terceiro mundo subdesenvolvido também. E até também esse risco de perdermos tudo que conseguimos conquistar no passado incluise realizações do próprio Lula. Será que para Lula e o seu PT isso faz alguma diferença para o seu projeto autoritário e totalitário de perpetuação no poder?
É inacreditável observar em pelo século XXI jornalistas analisando política como se fosse uma ciência exata. Política é uma ciência social e como tal deveremos observar as conjunturas sociais e políticas sob esse aspecto. A retórica não faz um presidente. Não podemos generalizar que todos os políticos sejam obcecados por dinheiro, vaidade e poder… há muitos políticos honestos que colocam o seu senso de responsabilidade para com suas obrigações e lealdade constitucional, responsabilidades para com sua nação e o seu povo, em primeiríssimo lugar em sua ordem de prioridades.
Na realidade não é Eduardo Campos o cavalo de troia, pelo contrário, ele está se mostrando um verdadeiro aliado do governo para ajudar no desafio de se ganhar o ano de 2013. Um aliado do governo pelo Brasil, pelo Povo Brasileiro como deve ter sido acordado com a formação da aliança governista. Não creo que o Governador de Pernambuco tenha alguma acordo firmado com Lula sobre sua perpetuação e de seu PT no poder. Eduardo Campos vem inclusive mostrando claramente ao governo que se precisa pensar Brasil antes de se pensar em eleições. Não vejo Eduardo Campos com ambições pessoais de poder, quer seja para ser presidente ou vice presidente, que ultrapasse o seu senso de trabalho pelo Brasil e por Pernambuco. Agora se o PT não pensa dessa forma, não é culpa de Eduardo Campos, nem tão pouco podem querer obrigar, ou intimidar, ou ameaçar, ou sei lá o que esse povo pode ter na cabeça, o Governador a pensar da forma petista de governar e de poder autoritário e totalitário… aí seria a completa prova da arrogância, prepotência, soberba, ignorância, egomania, megalomania, até do sinal de perigo, dos petistas lulistas. A projeção psicológica petista é tanta que eles desconfiam até da própria sombra. Simplesmente não conseguem enxergar mais além… por que? muito simples… porque não pensam Brasil. Pensam só e exclusivamente só neles, nem nos partidos coligados eles tem essas mais sinceras aproximações. É só o PT? Não, mas para minha análise foi considerado o PT 33 anos de vida e 10 anos de governo.
Na realidade o cavalo de troia é o próprio PT atuando livremente, usando seus tentáculos no seio de nossa pátria. Ora! vejamos o mensalão petista… o que significou? Significou uma verdadeira usurpação petistas, não é verdade? Até o ex presidente Lula, na época como presidente da república, veio em radio e TV pedir desculpas e pasmem, disse que tinha sido traído pelo seu próprio partido… mas ora! o PT é Lula e Lula é o PT… quer dizer que a traição foi de Lula e de seu PT, uma traição nunca antes vista na história desse nosso Brasil… principalmente por se tratar do mais popular, amado, querido, idolatrado Lula.
É muito fácil escrever algumas linhas distorcendo os fatos reais, é muito fácil escrever algumas linhas esquecendo de um todo… é muito fácil tendenciar situações pró proveitos eleitorais, é muito fácil escrever algumas linhas sem ter o compromisso com a verdade. Agora o que não vai ser fácil é conseguir enganar o Povo Brasileiro até a próxima eleição. O que não vai ser fácil é explicar a conjuntura econômica brasileira, explicar, por exemplo, o que significou de verdade o mensalão petista, não é verdade? E como os petistas lulistas ganharam a eleição passada? Apertadíssimo no segundo turno. A diferença foi menor que os votos nulos e e os em brancos, isso quer dizer que Dilma concretamente não obteve o voto da maioria do Povo Brasileiro. Acredito que nem Lula teve. Estou certo? Uma oposição não muito bem articulada, tudo bem, um candidato fraco, sem carisma… mas também quem sabe a oposição já desconfiava que os petistas lulistas por si sós, conseguiriam se implodir como fizeram no Recife. Não é o meu desejo, fiquem certos, meu desejo é pela renovação, se é que isso seja possível e que se queira também.

Responder

    Valcir Barsanulfo

    16 de fevereiro de 2013 às 18h19

    Ascendino, você fala muito, e não tem conexão com a realidade.
    Rodou, rodopiou e não chegou a lugar nenhum. Derrotar o Pt não é seu desejo? Onde fica a sua desconversa?

    Ascendino Paulino Neto

    16 de fevereiro de 2013 às 21h24

    Valcir,

    Como eu gostaria de “não ter conexão com a realidade” nesse assunto: Lula e seu PT, Governo Dilma, Mensalão petista. Sinceramente. Não tente me ofender, já que vc, como um petista lulista, está me garantindo que o que eu escrevi sobre seu Lula e seu PT não corresponde a realidade, não é verdade? como vc deve ter lido o meu texto, obrigado, vc deve ter lido quando eu afirmo que o meu desejo é de ver o PT renovado, rejuvenecido, um novo PT do século XXI, você não quer isso para o seu partido? aproveite e me faça um favor, se possível, me explique o que significou o mensalão petista? lembre que vc me garantiu que o que eu afirmei sobre seu PT não corresponde a realidade. Ah! perdão o longo texto… é porque eu estou escrevendo um livro sobre a equidade e o Brasil do século XXI… aliás estou escrevendo simultaneamente conversando, dialogando com vocês petista, lulistas ou não. Once more, Thanks!

ricardo silveira

16 de fevereiro de 2013 às 16h16

Matou a pau. Não houve nada que autorizasse levantar a bola do pernambucano. Mais, o senhor Campos parece que acredita já ser expressão política nacional. Vai ter que suar muito para ser senador e, se fizer muita onda contra o PT vai sair mal na fita, com fama de traíra.

Responder

    flavio jose

    16 de fevereiro de 2013 às 19h03

    Dificilmente eduardo será eleito senador de pernambuco. O eleitor de PE não suporta pessoas que ficam emcima do muro, tentando fazer chantagem com frases falsas do tipo “so tomo decisão em janeiro de 14” ora, a decisão ele ja tomou e covardemente não quer assumir.

Marcos W.

16 de fevereiro de 2013 às 16h10

Eduardo é o galego de olhos azuis!

Responder

Marcos W.

16 de fevereiro de 2013 às 16h08

O problema do Eduardo é que ele é o corvo que, se criado, comerá nossos olhos!

Responder

luiz mattos

16 de fevereiro de 2013 às 15h24

Campos surfa nas imensas ondas de investimento do governo federal,sem LULA e DILMA campos nada seria e se loucamente se aventurar estará cometendo suicídio político.

Responder

    flavio jose

    16 de fevereiro de 2013 às 19h06

    Ja comenteu

Fernando

16 de fevereiro de 2013 às 15h09

É PT vs PSDB.

Todos os outros candidatos são nanicos e não servem pra nada.

Responder

Eduardo Guimaraes

16 de fevereiro de 2013 às 14h57

Não duvidem da profunda visão politica do M . Coimbra. Poucos, raros observadores , são capazes de avaliar a conduta do eleitor brasileiro como ele. Nunca me enganaram as suas análises desde o retorno das eleições diretas .É obvio, indiretas não são analisáveis .Campos sabe que sua performance politica é resultado da sua parceria com Lula e o PT. Seria loucura de Campos afastar-se desta jazida de ouro que ainda tem muito a ser explorada e juntar-se a uma aventura com PSDB “Sem credito politico” ou uma aventura solo com apoio de Marina, Garotinho, ” PSOL Partido dos sozinhos , ocultos e loucos” , Malafaia , Russomano, Marcio Lacerda ” que comprou sua inclusão na politica, “Roberto Jefferson atual mentiroso e depressivo traidor dos pobres” Nào citei PFL porque esta sigla , como aginou o Lula está em fase de extinção.O melhor para Campos ser Presidente do Brasil é trabalhar junto com o PT ,engajar-se na parceria pela governabilidade, ampliar sua imagem de socialista envolvido com o interesse da massa eleitora , adotar e divulgar aeu principios e provar seu interesse pelas causas sociais e carencias do numeroso povo “Eleitor” Brasileiro. êticosfortalecer e adotar principios éticos

Responder

    Ascendino Paulino Neto

    16 de fevereiro de 2013 às 23h33

    Se a questão fosse essa Eduardo… hoje nós não estariamos aqui conversando sobre isso. A grande questão é como confiar em Lula e seu PT, se vcs mesmo petista lulistas já se armaram para defender o inexistente, em vez de defender e trabalhar por nossa pátria. Como o governador Eduardo Campos e a presidente Dilma estão fazendo. A questão se chama pensar Brasil… o que vcs sabem fazer é pensar eleições em seu Lula e seu PT. Provando gritantemente que não estão nem aí para os problemas brasileiros… a preocupação é se perpetuar no poder… então me responda, como confiar? vc quer que políticos sérios alimentem um regime autoritário e totalitário, é isso? você acha que os políticos sérios tem que estar submetidos aos delirios petista de poder? como confiar? A revista Época perguntou: Quem tem medo de Eduardo Campos? veja vc mesmo a resposta… vá no twitter e coloque Ex presidente Lula, e depois coloque Eduardo Campos… observe que o nome Eduardo Campos esta sendo mencionado pelo menos 100 vezes mais do que o do ex presidente Lula… basicamente de petista lulistas enlouquecidos desvairados pela possível perca da posição de conforto… parem e pensem, procure estudar… se educar… assim vcs estarão ganhando o ano de 2013… e ajudando a presidente Dilma.

Gigante do NE

16 de fevereiro de 2013 às 14h43

Sei não, achei o artigo mais discriminação, do que opinião. No campo da gestão Eduardo é há vários meses “o melhor governador do Brasil”. No campo da ética, até agora nada a falar sobre ele. No campo da política, tem feito o que se espera de um político, que é o que? …..fazer política!! Isso ele tem feito melhor que ninguém, buscando viabilizar seu projeto, se vai conseguir ninguem sabe. O PSDB quem é? É SP e o Aecio? É mineiro, dizia Fernado Lyra. É o PT é quem? Dilma? O PT era Zé Dirceu e agora é somente Lula. Não importa. Nenhum partido brasileiro, nenhum é programa e ideologia. Comparar Eduardo a éneas , marina, Heloísa é muita discriminação, com ou sem PIG, com Ciro ou sem ele, Eduardo pode chegar là, com qualquer coalizão. Chega!!

Responder

    Paulo Pavaneli

    16 de fevereiro de 2013 às 15h47

    Gigante do Nordeste:
    reduza sua pretensão e apareça com nome e sobrenome…

    Ascendino Paulino Neto

    16 de fevereiro de 2013 às 21h47

    Escute o que o gigante está dizendo… ele ou ela não ofendeu ninguém, quem sabe ele é o próprio gigante? por que vc quer que ele apareça? por acaso vc está marcando os que não escreve o que vc quer? use da interpretação e procure observar a mensagem… vcs petistas lulistas mesmo estão colocando e deixando Eduardo Campos na mídia… e assim vai ser o ano todo… por acaso vc sabe jogar xadrez? aprenda… política é basicamente como um jogo de xadrez… uma dica. não quero “patronize you”

    assalariado.

    16 de fevereiro de 2013 às 16h57

    Gigante do NE, voce já leu esta materia do viomundo?

    https://www.viomundo.com.br/denuncias/eduardo-campos-tem-parentes-no-governo-secretario-nega-nepotismo.html

    Então, o que estes atos tem de “socialista”?

    Abraços.

    Gigante do NE

    16 de fevereiro de 2013 às 20h46

    Essa estória de nepotismo é mentira, Cadê o ministério publico que nao atua? Em SP e RIo pode tudo em Pernambuco é nepotismo. Todos os funcionário citados na reportagem são concursados. Todos!!!

FrancoAtirador

16 de fevereiro de 2013 às 14h21

.
.
Sejamos sinceros.

Antigamente, na época em que o acesso à escola e aos tratamentos médicos, no Brasil, era limitado a uma elite sócio-econômica, as campanhas eleitorais – todas demagógicas – sempre incluíam genericamente “Saúde” e “Educação” como “as prioridades das prioridades” no rol de promessas dos candidatos, pois “Doença” e “Ignorância” sempre renderam votos.

Com o passar do tempo, fundamentalmente a partir da Constituição Federal de 1988, a universalização da prestação desses serviços públicos absolutamente essenciais à toda população – ainda que o atendimento estatal e privado, nesses setores, seja vergonhosamente insuficiente até os dias atuais – somada ao advento da concentração populacional urbana nas grandes cidades, causada pela concentração de terras e o êxodo rural, que trouxe indubitavelmente conseqüências drásticas ao cotidiano dos cidadãos, outras demandas como “Segurança” e “Transporte, vieram concorrer com aquelas já desgastadas propostas dos candidatos demagogos que costumeiramente prometem, elegem-se e não cumprem as promessas de véspera de eleição. Porém estes são assuntos que restringem-se às administrações dos estados e municípios.

É claro que, nesse ínterim, as soluções para os problemas econômicos nacionais, que dizem respeito diretamente à vida dos trabalhadores, como “Desemprego” e “Inflação”, também estiveram, estão e estarão na ‘Relação Geral da Demagogia BraZileira’.

Mas, agora, o País encontra-se numa situação de praticamente pleno emprego, de inflação relativamente baixa e com reajustes reais do Salário-Mínimo; a o poder aquisitivo e a capacidade de consumo das famílias mantêm-se em níveis razoáveis; a miséria e o analfabetismo diminuem, os níveis de escolaridade aumentam; a mortalidade infantil se reduz e a expectativa de vida cresce. E, apesar dos reflexos das políticas neoliberais assombrarem o País, até hoje, as perspectivas de desenvolvimento do Brasil, no médio e no longo prazo, são animadoras.

Assim é que, diante da superação nacional de algumas fases agudas de males crônicos – porque não totalmente resolvidos, mas sensivelmente atenuados – surgem os temas “Ambientalismo” e “Sustentabilidade”, na crista da onda das novas gerações, a “New Wave” da juventude planetária que surfa, não navega, nas redes sociais da internet.

Seria impossível criar termos mais genéricos, pois se referem a Tudo e significam Nada. Na verdade, não passam de símbolos de uma “Nova Política Demagógica”, em contraponto à “Velha Política” onde se colaram as etiquetas “Corrupção” e “Impunidade”.

Convenhamos que realmente está todo mundo de saco cheio de conchavos partidários demagógicos, sem COERÊNCIA IDEOLÓGICA alguma, à esquerda, à direta, ao centro, ao sul e ao norte.
Talvez por isso, até o prestigiado jornalista Mino Carta, mais que reivindicando, está implorando por uma alternativa partidária menos incoerente.

É nessa marola que o PAA (Partido do Ativismo Autoral ou Partido Apolítico Apartidário) vai surfar em 2014, embora, na prática, esteja tentando amalgamar uma massa amorfa, uma frente constituída de uma miscelânea de componentes que, pela generalidade da temática, vão desde a extrema-esquerda até a extrema-direita, muitos de boa-fé, alguns sem-fé e outros tantos de má-fé, todos antipetistas.

Vem daí, inclusive, o verdadeiro pavor que está causando à concorrente direita conservadora, financista e impatriótica, agrupada em torno de PSDemB/PPS, diante da possibilidade concreta de ficar de fora do segundo turno da próxima eleição para Presidente da República.

Por enquanto, ninguém da concorrência está se dando conta de que só a Margarina Salva os silva da extinção.
.
.

Responder

    maria olimpia

    16 de fevereiro de 2013 às 16h46

    Perfeito, FrancoAtirador!

    FrancoAtirador

    16 de fevereiro de 2013 às 17h28

    .
    .
    Marina Silva divulga estatuto de seu novo partido
    neste sábado (16/02) em Brasília
    .
    .
    Marina diz que novo partido não será de situação nem oposição

    Por Leandro Melito, no Portal EBC

    “Nem oposição nem situação, precisamos de posição”. Essas foram as palavras da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva no início do evento de lançamento do novo partido político, chamado Rede, que acontece neste sábado (16) em Brasília. Na sua avaliação, o partido nasce em um momento significativo da história da humanidade. “Estamos vivendo uma crise civilizatória e não temos o repertório necessário para enfrentá-la”, afirmou.

    Segundo Marina Silva, esse crise é composta por várias outras crises: econômica, social, ambiental, política e de valores. “A crise política e de valores faz com que a gente separe a crise política da crise econômica”, disse. Ela comparou a criação do partido com o surgimento do PT na década de 80 e enfatizou a participação de Heloísa Helena no evento. O deputado federal Domingos Dutra (PT-MA), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara, também participou do evento. “Política é sacerdócio, e não um negócio”, disse Dutra.

    Marina considera que o objetivo principal do partido não é disputar eleições, mas questionar a incapacidade da política atual de interferir e transformar a realidade. “O que está acontecendo aqui é um paradoxo, estamos criando um partido para questionar a si próprio. Não é um partido criado para disputar eleição, mas para disputar uma visão de mundo, de um novo sujeito político que não é espectador, é o protagonista. É para democratizarmos a democracia, reconectarmos o sujeito com a potência do fazer político”, defendeu.

    A ambientalista considera que o novo partido se soma a iniciativas semelhantes ocorridas em diferentes lugares do mundo, como a criação do Partido do Futuro na Espanha. “O esforço que estamos fazendo aqui é de um deslocamento desse centro estagnado de poder pelo poder, de dinheiro pelo dinheiro de uma nova superfície de sustentação desses projetos. Uma nova superfície de inscrição para novos sonhos, novos desejos”.

    Marina classificou esse esforço com um “ativismo autoral” que se organiza com a utilização das novas tecnologias de informação e que não depende das estruturas tradicionais de partidos, sindicatos e ONGs.
    “Você não tem uma estrutura à frente ou atrás das pessoas, mas ao lado”.

    (http://www.ebc.com.br/noticias/politica/2013/02/marina-silva-estamos-vivendo-uma-crise-civilizatoria)
    .
    .
    Evento de Marina começa com astral religioso
    (http://t.co/nLKEl0wO)

    Heloísa Helena lança Marina Silva ao Planalto
    (http://t.co/3qE8CKbM)

    “Nem oposição nem situação”, diz Marina sobre nova sigla
    (http://t.co/ZF9UbgeR)

    Marina Silva admite “alianças pontuais”
    e diz que foco do novo partido “não é só eleição”
    (http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/02/16/marina-silva-admite-aliancas-pontuais-e-diz-que-foco-do-novo-partido-nao-so-eleicao.htm)

    Marina Silva quer quebrar a ‘lógica de partidos’
    (http://verdesmares.globo.com/v3/canais/noticias.asp?codigo=354310&modulo=964)

    Valcir Barsanulfo

    16 de fevereiro de 2013 às 18h23

    O partidinho de BlaBlarina,segunda a própria, não será nem de situação nem de oposição,entendi bem, não será de NADA.

    FrancoAtirador

    16 de fevereiro de 2013 às 20h24

    .
    .
    Tem reinaldete dizendo por aí, em blogs da Embutida Mídia Bandida,

    que, numa eventual disputa entre Dilma e Marina, no segundo turno,

    é capaz até de votar na ‘petralha’, mas nunca na ‘ativista autoral’.

    O que não deixa de ser um sinal duplamente desagradável, no mínimo.
    .
    .

Mateus Silva Ferreira

16 de fevereiro de 2013 às 13h55

Eduardo Campos será apenas um boi de piranha. Seu sacrifício não vai impedir a reeleição de Dilma.

Responder

Gil de Almeida

16 de fevereiro de 2013 às 13h51

O problema do Eduardo, é que ele é pouco conhecido no Brasil, já o problema do Serra é exatamente o oposto, êle é muito conhecido.

Responder

Paulo Roberto Álvares de Souza

16 de fevereiro de 2013 às 13h49

Nada como a lucidez ululante pra jogar água na fervura (fervura?, ou melhor, na tepidez dos que vivem se assanhando.

Responder

Urbano

16 de fevereiro de 2013 às 13h30

Alô, alô Brasil! O multicara eduardo moita já deu início à sua nova etapa de privatizações. Nos anos noventa, como supersecretário do governo do avô, ele deu o pontapé inicial para privatizar a companhia de eletricidade de Pernambuco, que jarbarrabás vãsconselhos de bom grado cabeceou para dentro do gol, tão logo assumiu o Governo. Agora aquele iniciou a privatização da companhia de saneamento. Como se vê, o multicara só não é demo-tungano porque herdou o PSB, que lhe serve de capa de cordeiro.

Responder

    Urbano

    16 de fevereiro de 2013 às 19h10

    Ascender só se for para atingir o fundo do poço da estreiteza de juízo. E o que é pior, às apalpadelas.

geniberto campos

16 de fevereiro de 2013 às 13h15

A saída para a oposição, assumida ou declarada, é tomar o rumo da Esquerda. Esta, parece, não se acha nos quadros paulistas ou mineiros do PSDB. Mas, açulados pela midia conservadora, travestida de partido político, os tucanos irão, sim, mais uma vez, ouvido o canto da sereia, tomar a decisão errada em 2014.
Falta-lhes alguém com o perfil do Eduardo Campos, para apontar um caminho mais à Esquerda. Do jeito em que está o PSDB não ganhará as próximas eleições presidenciais. Alguém tem de conter o José Serra. Já deveria estar fora do jogo, há tempos.
Parabéns ao Marcos Coimbra pelo texto prciso.

Responder

leia

16 de fevereiro de 2013 às 13h04

Meu voto ele näo terá, só se no 2°turno sobrar ele x Serra,ou ele x Aécio, coisa remota, pois estou segura que Dilma governará o Brasil por mais 4 anos.

Responder

Vlad

16 de fevereiro de 2013 às 12h59

Eu também acho.
Vamos avisar pra cacica e pro ex-cacique pararem de marcar audiência com o tal fantasioso.
Estão perdendo tempo e dinheiro à toa.
Não há perigo.
Não.
Não se preocupem.

Responder

nona fernandes

16 de fevereiro de 2013 às 12h27

Só discordo de Marcos Coimbra, na ideia de “salvo especulações despropositadas”. Para mim, essas especulações têm propósitos, sim. E propósitos com dois objetivos. Um, é testar hipóteses,como faz e fez a Rede Globo.O segundo, é tentar “melar” qualquer candidatura do PT,seja com Dilma ou Lula. Eu disse testar e tentar.

Responder

Urbano

16 de fevereiro de 2013 às 12h20

O magnânimo Fernando Lyra exagerou e muito quando falou sobre a importância do multicara eduardo moita na política nacional, em resposta a uma pergunta do PHA, após as eleições de 2012. Na verdade, o que eu vejo é que o multicara está querendo mesmo é um guarda-roupa mais espaçoso para pendurar os seus cabides. Alô, alô Eterno Presidente Lula! Nem facilite com o multicara, pois o que ele fez com o senhor, sem a menor sombra de dúvidas, ele repetirá tantas vezes quanto se fizer necessário para preencher o ego dele. Ele se encaixa muitíssimo bem é ao lado dos que fazem a oposição ao Brasil. Só em se falar na possibilidade dele concorrer à presidência em 2014, o que já encostou de mosca varejeira, incluindo o píg, não está escrito.

Responder

Filipe Rodrigues

16 de fevereiro de 2013 às 12h09

Eduardo não deve ameaçar a reeleição de Dilma, mas vai ameaçar um bom desempenho de Aécio e Marina.

Será que sua ligação com políticos mineiros estaria fazendo Marcos Coimbra a fazer uma análise pouco clara sobre o governador pernambucano?

Responder

Marcelo de Matos

16 de fevereiro de 2013 às 11h45

Marina registra hoje em Brasília seu partido que tem o nome provisório de “Rede”. Está promovendo um arrastão no núcleo que a mídia caracteriza como ético. Deverá levar de roldão figuras como Eduardo Suplicy, Heloísa Helena, Cristovam Buarque e, se bobear, até o Pedro Simon. Não podemos subestimar a força de grupo que, mui provavelmente, terá apoio do PIG. O “socialista” Eduardo Campos também poderá ser um forte candidato, com o provável apoio do PSDB e do PIG.

Responder

J Souza

16 de fevereiro de 2013 às 11h45

Eduardo Campos é o “novo”, e como todo candidato novo, tem a vantagem e a desvantagem de ser desconhecido.

Desconhecem-se suas qualidades, é verdade, mas desconhecem-se também seus defeitos, o que é bom na política, principalmente quando não se tem um candidato criando dossiês contra adversários e possíveis adversários.

O desconhecimento sobre Eduardo Campos é o seu grande trunfo para 2014. Sua imagem será moldada perante a opinião pública ao gosto dos marqueteiros e da mídia golpista.

Quanto aos defeitos, poderá contar com a boa vontade da mídia golpista, se vir nele uma opção à Aécio Neves ou até uma “ajuda” a este. Como eu disse antes, o Aécio não tem votos no Nordeste, nem o Eduardo Campos votos no Sul e Sudeste (talvez, exceto em BH, por causa do Marcos Lacerda, e no ES).

Mas o PT tem que temer, sim, o Eduardo Campos, pois ele vai tirar muitos votos de Dilma no Nordeste, embora, nas próximas eleições, ela vá ter muito mais votos no Sul e no Sudeste do que teve em 2014, principalmente pela má administração dos tucanos e aliados nessas regiões. Porque tucano não administra, eles assistem o povo trabalhar, e só, sendo o resto trabalho da mídia golpista em construir suas imagens…

Dilma vai chegar em 2014 com Tarso Genro no RS, a Gleisi Hoffmann no PR e o Haddad em SP, o que lhe dará um fôlego considerável para chegar ao 2º turno. Com quem? Quem souber ganha um doce…

Responder

ademar

16 de fevereiro de 2013 às 11h34

logo,logo o pig estara recrutando candidato a presidente na praça da sé,pois ja recrutaram um nos botequim de copacabana,e o mais incrivel um mineiro,o engraçado é a maneira deles fazer analices,qdo a eleição é p/ prefeito como 2012,diziam eleição local,é diferente da majoritaria,presença do lula não tem efeito,so que esquecem o povo vota mais em nomes nas locais,milhares de eleitores que votaram no psb local,nem sabem que eduardo campos faz parte,antes a corrida era contra lula,agora complicou um mais mais,sera lula e dlima,e não demorara sera lula,dilma e hadad,se um dia lula escolher campos,ele se torna um renan pro pig

Responder

Lucas

16 de fevereiro de 2013 às 11h08

pt agora é partido ideológico? ué, e o tão ufanado pragmatismo de Lula e Dilma? pragmatismo só é bom para quem já venceu, para quem busca vencer é pecado??

Responder

Rafael

16 de fevereiro de 2013 às 10h57

Até que enfim alguém que escreve algo sem “torcida” distorcendo o comentário. Dizer que Eduardo Campos pode vencer é ridículo. O que querem do Eduardo Campos é o mesmo que queriam da Heloisa Helena e da Marina Silva, tirar votos do PT para tentar levar a eleição para segundo turno. A grande questão é se Eduardo Campos se curvará a esse propósito e seguirá o mesmo caminho que Heloisa e Marina ou se vai seguir caminho próprio distante das mentiras que a globo vende. Se Eduardo seguir caminho próprio a globo vai detoná-lo.

Responder

Willian

16 de fevereiro de 2013 às 10h56

Um sinalizador se Eduardo Campos é ou não viável como candidato a presidência em 2014 é a forma como ele aparece na blogosfera progressista.

Responder

Pedro Serrano: A invasão da política pelo Direito « Viomundo – O que você não vê na mídia

16 de fevereiro de 2013 às 10h41

[…] Marcos Coimbra diz que Eduardo Campos é “candidato de fantasia” […]

Responder

Deixe uma resposta para Urbano

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.