VIOMUNDO

Diário da Resistência


Jeferson Miola: A desobediência de Bolsonaro à ordem do STF é armadilha para causar o caos e tentar mudar rumo da história
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Política

Jeferson Miola: A desobediência de Bolsonaro à ordem do STF é armadilha para causar o caos e tentar mudar rumo da história


28/01/2022 - 17h14

Bolsonaro só quer confusão, balbúrdia e caos, por isso descumpre ordem judicial

Por Jeferson Miola, em seu blog

A Bolsonaro, só o que importa é confusão, balbúrdia e caos.

Ele será fragorosamente derrotado na eleição de outubro. Não existe mágica capaz de impedir isso. Ele sabe que depois do morticínio e barbárie produzida, ele próprio e aqueles que o inventaram e o bancam poderão ter como destino os tribunais nacionais e internacionais e o cárcere.

É por isso que a única opção que ele tem é criar o caos, espatifar o jogo e, de preferência, promover violência por meio de sua malta miliciana armada.

A desobediência à ordem do STF tem precisamente este objetivo; a intenção de causar grave conflito institucional.

Bolsonaro cometeu, de maneira acintosa e deliberada, um crime de responsabilidade.

Tudo premeditado por ele e pelo oculto – mas nem por isso menos determinante e poderoso – partido dos generais.

A desobediência de Bolsonaro à ordem do STF é crime de responsabilidade na veia. Um crime praticado de maneira desafiadora e provocativa contra outro poder de Estado, o judiciário, para causar impasse.

De tão acintoso; de tão escarrado e cuspido, é impossível não se concluir que Bolsonaro e suas instituições milicianizadas, como a AGU agiram de propósito, para causar confusão processual e, principalmente, política. Apostam no tumulto.

Uma hipótese a ser considerada é que, no fundo, o que Bolsonaro e seu núcleo civil-militar mais querem é que seja aberto o processo de impeachment contra ele.

Nesta jogada, até ficaria difícil para Arthur Lira, que disputa com Augusto Aras o título de colaboracionista-mor do fascismo, sentar-se em cima de um pedido protocolado pelo Supremo. Até isso pode estar no cálculo do Planalto e do partido dos generais.

Não se pode descartar, neste sentido, que os “estrategistas do caos” criaram até um pretexto “irresistível” para Lira “não ter como evitar” o impeachment. Porque no caso concreto, o impeachment serve como o combustível propulsor da guerra que o bolsonarismo e suas milícias – tanto as oficiais como as paraestatais – planejam promover em busca do Capitólio para chamarem de “seu”.

Com o impeachment provocado intencionalmente, eles ganham discurso eleitoral para fidelizar a malta. E, com a retórica delirante, passam a incita essa malta para a guerra ao estilo “Capitólio de Brasília”, conforme comentado no artigo Assim como para Trump, para Bolsonaro também interessa o caos” – aqui.“Assim como para Trump, para Bolsonaro também interessa o caos”.

O que Bolsonaro mais quer é colocar a bola no campo de jogo dele e do seu bando, que é o campo minado da disseminação do ódio, da violência, do caos, das mentiras e do tumulto.

Uma vez instalado o caos por eles mesmos – por Bolsonaro e militares – eles escalarão dentre eles mesmos os pseudo-bombeiros – alguns deles, inclusive, simulando falsa-dissidência – para apagarem o incêndio causado de propósito por eles próprios. Parece uma explicação redundante e meio circular, mas é assim mesmo.

A desobediência do Bolsonaro é crime de responsabilidade na veia, e ele o cometeu deliberadamente, para obrigar o sistema político-jurídico a agir como corresponderia agir neste caso, que seria a abertura de processo de impeachment. Assim, ele faria do seu “martírio” a conclamação épica à malta fascista.

A menos de 9 meses da eleição de outubro, neste cenário perturbador e de incertezas sobre os riscos ao pouco que ainda resta de democracia no Brasil, é preciso evitar cair nas armadilhas do Bolsonaro, do partido dos generais e do bolsonarismo.

Dentro das regras do pouco que ainda resta de legalidade e de democracia no Brasil, nada – salvo uma confusão pretextada por Bolsonaro e militares golpistas – poderá impedir a eleição do Lula; que, inclusive, tem enorme possibilidade de acontecer já no primeiro turno.

Bolsonaro armou uma armadilha para tentar alterar o rumo da história. É preciso atenção para não cair nela.

Leia também:

Eliara Santana: Até quando a mídia vai ignorar a espionagem do gabinete do ódio?

Ângela Carrato: O jogo sujo e bruto contra Lula já começou





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

abelardo

30 de janeiro de 2022 às 11h11

Falando em armadilha para causar o caos e tentar mudar rumo da história (28/01/2022 – 17h14), lembro aquelas famosas cenas usadas em alguns filmes que assisti, onde as vítimas esperavam o invasor por um lado e ele surgia pelo outro, surpreendendo a todos? Então, eu penso que Bolsonaro, procura confundir o STF e possivelmente esteja usando táticas semelhantes, mas não tão surpreendentes. O STF, ao se preocupar em demasia com uma possível reação de Bolsonaro e seguidores, milicianos e alguns militares, deveria dividir a sua preocupação ficando mais atento a uma arma que pode ser mais perigosa, mais fatal e que pode estar sendo usada de forma oculta e disfarçada. Esta arma a que me refiro é a desmoralização moral, através da ridicularização e do deboche ao STF. Imagino que Bolsonaro tenta fazer isso baseado em algum sucesso que inicialmente chegou a conquistar nas FFAA e mais ainda, no sucesso que tem adotado praticado no executivo, onde faz de seus ministros e secretários o que bem entende e deseja. Penso que a semente desse deboche começou na citação de que, apenas um cabo e um soldado seriam o bastante para fechar o STF. Já neste atual episódio, da desobediência explícita e injustificável, o que me parece é que ele simula um convite, tipo do amigo da onça, para que o STF saia da sua fortaleza jurídica e constitucional, que lhe mantém a força, a razão e o poder, para levar a Suprema Corte ao campo minado e sujo de armadilhas e traiçoeiras emboscadas, que definitivamente não é sua especialidade. Porém, se mantendo unido e fiel ao cumprimento da lei, a constituição, ao estado de direito, a razão e com a autoridade Suprema, que o poder constitucional legalmente lhe garante, o STF deve usar de toda a energia legal e usar rigidamente a autoridade para recolocar a ordem, o respeito e o temor que o STF e a constituição exigem.

Responder

Chicão

28 de janeiro de 2022 às 22h43

O, gessica, o que seu nome tava fazendo no meu imposto de renda ?
Quer passar ao meu comando ?

Responder

Miro Gomes

28 de janeiro de 2022 às 19h13

Com td respeito, mas, acho q o capetão deu mais uma bola fora e só complicou sua vida pós mandato presidencial, ninguém irá morder a isca e o impeachment não será a punição, e sim a cadeia depois q deixar o Planalto!

Responder

Zé Maria

28 de janeiro de 2022 às 18h18

Para Alexandre – e o STF – não é uma questão de armadilha política,
é de “descumprimento de ordem judicial” (Art. 85, Inc VI, da CF/88).

Responder

Deixe uma resposta para Zé Maria

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding