VIOMUNDO

Diário da Resistência


Flávio Bolsonaro deve ter combinado com papai garantias no STF, com Moro, um soldado e um cabo
Carlos Cleto: A primeira medida de Bolsonaro, que se autointitula ‘’governo anticorrupção", foi enfraquecer  o órgão anticorrupção, que descobriu a movimentação atípica de R$1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz. Foto: Alan Santos/PR e reprodução de vídeo
Política

Flávio Bolsonaro deve ter combinado com papai garantias no STF, com Moro, um soldado e um cabo


17/01/2019 - 18h39

Cara, se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo, não. O que é o STF? Tira o poder da caneta de um ministro do STF. Se prender um ministro do STF, você acha que vai ter uma manifestação popular a favor do ministro do STF, milhões na rua? Eduardo Bolsonaro, em palestra em julho de 2018

Papai “me garante” no STF?

Fernando Brito, no Tijolaço

O Estadão reproduz comentário de um ministro do Supremo dizendo que, ao levar o caso da investigação sobre seu ex-motorista ao STF, Flávio Bolsonaro “pegou um elevador para o inferno”.

“Agora a Procuradoria-Geral da República terá de entrar no caso. E o filho passará a ser investigado no STF, o que significa investigar também o pai, que já disse que recebeu recursos dessa conta”.

Internamente, na corte, a avaliação é que, para ter recorrido ao STF, Flávio Bolsonaro deve ter a informação de que ou já é ou passaria a ser em breve investigado no inquérito.

“Mas ao precipitadamente levar o caso a Brasília ele elevou em muitos graus a temperatura da crise”, avalia o magistrado.

A constatação tem, porém, outro lado.

Como qualquer garoto covarde, chamou o pai para resolver suas brigas.

Não é um presidente “pato manco” como Michel Temer, que não impunha medo a policiais e promotores.

Por mais que o presidente possa se sair-se com um “não tenho nada com isso, o ‘o1’ é que tem de se defender, talquei?” é evidente que, na Vila do Chaves imaginada por Marcelo Adnet, isso conta muito.

É portanto, atitude que Flávio não tomaria sem conversar com o pai e sem um “tem que manter isso aí” do ex-capitão.

Sem gravações, claro.

Como o assunto só será tratado pelo ministro Marco Aurélio, a quem cabe a relatoria do processo, só será examinado a partir do fim do recesso do STF, àquela altura Flávio já terá tomado posse e estará reaberta a questão do foro privilegiado no Supremo para os detentores de mandatos de senador e deputado federal.

A menos que, claro, tenhamos outro Bolsonaro dando “uma fraquejada”.

Leia também:

Carlos Cleto: Como o Coaf foi enfraquecido depois de entregar Queiroz

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

20 de janeiro de 2019 às 18h15

Investigação do Coaf aponta que as movimentações financeiras
vão além dos cheques para Michelle Bolsonaro

https://t.co/3ciJVSI3gM
https://twitter.com/ptbrasil/status/1086967348379172864

Responder

Zé Maria

20 de janeiro de 2019 às 17h55

Escândalo Bolsonaro

Bolsonaro, Queiroz e as Milícias

“O escândalo que envolve a família Bolsonaro é gravíssimo
e aponta possíveis vínculos com as Milícias do Rio de Janeiro.”

@DeputadoFederal Paulo Pimenta (PT=RS)
Líder do Partido dos Trabalhadores na Câmara Federal

https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1086994030880346112

Responder

Zé Maria

18 de janeiro de 2019 às 20h56

“Após escândalo do clã [Bolsonaro],
Moro deve estar pensando
em voltar para casa”

Flavio Dino, Professor da UFMa
Mestre em Direito Constitucional
ex-Deputado e ex-Juiz Federal
Governador do Maranhão

https://www.revistaforum.com.br/apos-escandalo-do-cla-moro-deve-estar-pensando-em-voltar-para-casa-diz-flavio-dino/

Responder

Zé Maria

18 de janeiro de 2019 às 20h18

Se Flávio Bolsonaro tivesse foro no STF,
não valeria para caso Queiroz,
dizem juristas

17/02/2019, 20h28
ConJur

Reportagem: Sérgio Rodas e Gabriela Coelho

Os constitucionalistas Lenio Streck e Pedro Estevam Serrano apontam que Flávio Bolsonaro só obteria foro por prerrogativa de função após tomar posse do cargo — o que ocorrerá em 1º de fevereiro.

Mesmo se isso já tivesse ocorrido, Bolsonaro não deveria ter foro especial no caso, destacam os juristas.

Afinal, os fatos pelos quais ele é investigado ocorreram antes de ele iniciar seu mandato no Senado [e “anteriores à diplomação”].

“Na Ação Penal 937 houve a alteração.
Agora, fatos anteriores ao mandato não são abrangidos/blindados por foro por prerrogativa de função.
Parece ser o caso. E aqui não interessa a diplomação ou posse.
Os fatos são anteriores até à diplomação. Parece simples”,
opina Lenio Streck.

“Essa decisão [do Fucks] gera uma insegurança jurídica absoluta.
Dá a impressão de que o sistema de Justiça
não está funcionando de forma imparcial, em termos de política,
de que decide de acordo com o investigado.
A razão de suspender o inquérito e levar o caso para o STF
é o mandato de senador. Mas os fatos investigados
não têm nada a ver com o mandato de senador”, afirma Pedro Serrano.

íntegra:
https://www.conjur.com.br/2019-jan-17/bolsonaro-tivesse-foro-especial-nao-valeria-queiroz

Responder

Bel

18 de janeiro de 2019 às 11h01

A exemplo da abertura da ¨Caixa-preta¨ do BNDES, não vão abrir a ¨Caixa-laranja¨dos envolvidos no caso Queiroz?

Responder

Fernando

18 de janeiro de 2019 às 10h19

Esse episódio destroça, destrói, aniquila, desmonta a farsa lavajato do Sergio Moro.
Só tenho uma coisa a dizer: o nosso povo é um jegue de marca maior. Basta sair uma notícia na Globo que vira até prova em processo CONTRA o Lula. Mas aceita-se de boa se o Ladrão for de partido de direita.
A família Bozo vai roubar até as cuecas do povo.
O Bozo perguntou ao Rodrigo Maia se o Collor era candidato, dias antes a primeira ladra usava uma camiseta com uma frase de uma juiza do Moro e a imprensa relacionou o fato à Michelle Obama, ninguém relacionou nada a Fernando Collor de Mello. Quem ri e dança no hospital não é o Queiroz, mas Bolsonaros e Moro. Tão rachando de rir do povo inclusive de gente da direita.
Bolsonaro tá dizendo ou melhor insinuando que é igual o Collor. ” Cacador de marajás. ”
Ri descaradamente da cara do povo, da nossa cara. Por falar em Collor o segundo nome do Moro é Fernando. Ladrão de direita basta pedir perdão ao deus Moro.

Responder

Julio Silveira

18 de janeiro de 2019 às 06h52

Estão sumindo os imbecis que postavam aqui apenas para dizer com satisfação, a cada safadeza ( como essa) apresentada por seus mitos, que o importante é que Lula tá preso? Bons brasileiros esses m. Alias, não me canso de dizer, todos brasileiros de m.

Responder

Zé Maria

17 de janeiro de 2019 às 22h53

O Fucks cometeu um ‘engano’ na decisão de hoje (17/01).
http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/RCL32989liminar.pdf

O Deputado Estadual Flavio Bolsonaro foi Diplomado Senador,
mas não tomou posse.
A Posse está marcada para o próximo dia 1º de fevereiro no Senado.
Portanto, o deputado Flavio não está no exercício do Mandato de Senador
Por isso, ao contrário do que afirmou Fucks na Medida Cautelar
na Reclamação 32.989, a Diplomação não confere ao Reclamante
prerrogativa de foro perante o Supremo Tribunal Federal.

“Diplomação é o ato pelo qual a Justiça Eleitoral atesta que o candidato
foi efetivamente eleito pelo povo e, por isso, está apto a tomar posse no cargo.” (Fonte: TSE)

http://www.tse.jus.br/eleitor/processo-eleitoral-brasileiro/diplomacao-dos-eleitos/diplomacao-dos-candidatos-eleitos
Detalhe
Por mera coincidência, Fucks é o Relator das 2 Ações Penais
em que Jair Bolsonaro é Réu no Supremo Tribunal Federal (STF)
que, quando aceitou a Denúncia e transformou Jair Bolsonaro em réu,
decidiu que o crime não estava atrelado à função parlamentar. Ou seja, o então deputado Jair Bolsonaro não estaria protegido
pela imunidade parlamentar e não tinha, nesse caso, foro privilegiado.
Por conseguinte, esses processos já poderiam e deveriam ser remetidos
para a instância ordinária de 1º Grau.

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46012367

Responder

cunha e silva

17 de janeiro de 2019 às 19h00

Tudo isso estava no esquema : A demora da convocação pelo MP ; As idas e não idas para o depoimento ; Esperar a tomada de posse ; A operação de Queiroz ; E o mais importante um juíz amigo daqueles que ” matam no peito ” .
“Fux you povo brasileiro ” . Os generais ligados a segurança sabem que é o Fux , o que ele fez no passado antes de entrar no STF . A ficha dele estava lá , foi apenas uma conversinha . Tudo resolvido .

Responder

Deixe uma resposta para Julio Silveira

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.